O que fazer com este corpo? | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
70522 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Shopping Granja Vianna de portas abertas
>>> Teatro do Incêndio lança Ave, Bixiga! com chamamento público para grupos artistas e crianças
>>> Amantes do vinho celebram o Dia Mundial do Malbec
>>> Guerreiros e Guerreiras do Mundo pelas histórias narradas por Daniela Landin
>>> Conheça Incêndio no Museu. Nova obra infantil da autora Isa Colli fala sobre união e resgate cultura
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
>>> Curtíssimas: mostra virtual estreia sexta, 16.
>>> Estreia: Geração# terá sessões virtuais gratuitas
>>> Gota d'agua
>>> Forças idênticas para sentidos opostos
>>> Entristecer
>>> Na pele: relação Brasil e Portugal é tema de obra
>>> Single de Natasha Sahar retrata vida de jovem gay
>>> A melancolia dos dias (uma vida sem cinema)
>>> O zunido
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> Hells Angels
>>> Entre criaturas, amar?
>>> Chris Hedges não acredita nos ateus
>>> Semana de 22 e Modernismo: um fracasso nacional
>>> O cérebro criativo
>>> The Devil Put Dinosaurs Here, do Alice in Chains
>>> Da Teoria para a Práxis
>>> Quem ri por último, ri melhor?
Mais Recentes
>>> Aprendendo a Lidar Com a Morte de Forma Saudável de Sonia Cerato pela Clube De Autores (2019)
>>> Muito Mais Que o Acaso de Athos Briones pela Autêntica (2016)
>>> O Guia de Vampiros para Mulheres de Barb Karg pela Gutenberg (2009)
>>> Desejos Digitais - uma Análise Sociológica da Busca por Parceiros Online de Richard Miskolci pela Autêntica (2017)
>>> Entre o Sensível e o Comunicacional de Bruno Souza Leal, César Guimarães pela Autêntica (2010)
>>> Antonio Flavio Barbosa Moreira - Pesquisador Em Currículo de Marlucy Alves Paraíso pela Autêntica (2010)
>>> Aprendendo Valores Éticos de Márcia Botelho Fagundes pela Autêntica (2007)
>>> O Que Te Faz Mais Forte de Jeff Bauman pela Vestigio (2017)
>>> Falando de Política de William Gamson pela Autêntica (2011)
>>> Ser Historiador no Século XIX de Temístocles Cezar pela Autêntica (2018)
>>> Dominando 3Ds Max 6 de Ted Boardman pela Ciencia Moderna (2004)
>>> Smashing Jquery de Jake Rutter pela Bookman (2012)
>>> Photoshop - Photoshop Para Quem Nao Sabe Nada De Photoshop Vol. 2 de Paula Budris pela Atica (2021)
>>> Vinte Anos e Um Dia de Jorge Semprún pela Companhia das Letras (2004)
>>> O longo amanhecer: reflexões sobre a formação do Brasil de Celso Furtado pela Paz e Terra (1999)
>>> O homem, que é ele? de Battista Mondin pela Paulus (2011)
>>> O Anjo Digital de Joubert Raphaelian pela Mensagem para todos (2004)
>>> Pânico no Pacífico de Pronto pela Autêntica (2014)
>>> História & Fotografia de Maria Eliza Linhares Borges pela Autêntica (2007)
>>> Alfabetizar Letrando na Eja de Telma Ferraz Leal, Artur Gomes de Morais pela Autêntica (2010)
>>> Cronistas Em Viagem e Educação Indígena de Nietta Lindenberg Monte pela Autêntica (2008)
>>> Mil Coisas Podem Acontecer de Jacobo Fernández Serrano pela Autêntica (2012)
>>> Passageiro Clandestino de Leonor Xavier pela Autêntica (2015)
>>> Rua do Odéon de Adrienne Monnier pela Autêntica (2017)
>>> Zz7--48--o ultimo tentaculo-2--394--perto da babilonia--11--os carrascos do vietna--162--operaçao impacto. de Lou carrigan pela Monterrey
COLUNAS

Sexta-feira, 1/1/2021
O que fazer com este corpo?
Ana Elisa Ribeiro

+ de 3800 Acessos

"Como morrer" é um negócio que a gente faz questão de pensar pouco, mas incomoda bastante. Às vezes fico pensando por dias sobre gente que considero que teve certa sorte ao morrer, gente que morreu terrivelmente, mortes lentas, mortes rápidas, mortes provocadas, premeditadas, muito imprevisíveis, etc. Penso como o Estado lida com a morte, como a gente lida com ela.

Temos falado tanto em morte neste último ano e já ouvi, mais de uma vez, alguém dizer que tem medo de morrer sem ar, justamente uma das possibilidades assustadoras da covid-19. Quando me lembro dos meus avós, me vem a ideia de que uns morreram "bem", outros, nem tanto. Uns ficaram morrendo por anos e anos... outros levaram horas, minutos e nem souberam a causa. Que felicidade, penso.

Outro dia, soube de alguém que morreu subitamente... e só deram falta dias depois. Nosso confinamento em solidão deve ter ensejado várias mortes assim. Também soube de gente que morreu arrastadamente, matando um pouco todos e todas que estavam em volta. Minha mãe tem falado muito em morte, mas por conta de um problema cardíaco. Já até escrevi aqui sobre a vontade dela de ser enterrada num determinado cemitério, no plano funerário que ela quer adquirir, etc. Eu não quero. Outro dia, recebi um telefonema de telemarketing de um plano desses. Desliguei antes de terminarem de falar. Não sei o que me deu. Depois tive medo de rogarem uma praga mortal. Será que esse pessoal tem mais poder nessas coisas?

Chegou por WhatsApp, num dos poucos grupos que aguento ter, um link para uma revista acadêmica de estudos sobre a morte. Fiquei impressionada, positivamente. Deu vontade de ler tudo, todos os artigos, em sua cientificidade, falando em mortes invisíveis, mortes violentas, adolescentes que morrem e "somem" ou "são sumidos", gente que desaparece na burocracia do Estado.

Morrer é um grande incômodo; o que fazer com o corpo é ainda mais. Como dar cabo de uma carcaça que nos entristece, pela qual ainda temos respeito? Ou, ao contrário, dar fim a um corpo indesejado? Isso é problema de assassino, e tal não é o meu caso. Mas aquele momento esquisito de tomar decisões sobre o morto ou a morta queridos é bem incômodo.

Tem sempre alguém mais diligente na família, que bom. Tem sempre quem consiga telefonar, pedir a coroa de flores (escolher, fazer uma encomenda, curadoria floral, etc.). Alguém tem de decidir o modelo do caixão, se a família tiver condições. Mapear um cemitério, ver a posição da cova, plaquinha e tal e coisa. Terrível. Eu acho que não serei essa pessoa. Eu me desmonto demais por muito menos.

Essa tal revista científica me deu um choque de realidade, tratou de coisas que geralmente são tabus. A gente evita falar do que não quer, evita aproximações. Não é assim? E a morte é, em nossa cultura, algo de ruim, de indesejado. Não a queremos rondando, exceto quando temos uma necropolítica no poder. Aí são outros quinhentos.

Perdi relativamente poucas pessoas na família. Do núcleo próximo, ninguém, ainda bem. Um susto aqui e outro ali, mas nada irreversível. Aí vamos nos distanciando e vão aparecendo casos: tias, avós. Quando as pessoas morrem velhas, têm nossa compreensão. É triste, claro, mas a despedida é serena, embora essas mortes possam ter gerado outros sofrimentos. Cada pessoa tem sua história de vida e sua história de morte. Cada um dos meus quatro avós morreu de um modo completamente diferente do outro. Uns sofreram mais, durante anos e anos, tornando a convivência sempre envolta num clima de tristeza. Sempre me abalei muito. Outros se foram "como passarinhos", como dizemos aqui, o que causava dor, mas trazia um alívio que era sentido pelas pessoas ao redor quanto ao próprio morto: não sofreu.

As primeiras mortes com que tive contato foram de pessoas conhecidas, mas não muito próximas. Isso me chocava, me deixava meio sem sono. Morreu primeiro um ex-paciente do meu pai, um senhor que havia me apadrinhado quando nasci. Tive ataques agudos de tristeza na morte dele, e ele só me via uma vez por ano. Depois a mãe de uns amigos, o pai de uma amiga. E sempre evitei velórios, como evito casamentos. A morte nunca desceu bem e ainda não desce; pior ainda quando é de alguém mais querido, mais próximo, caso de uma tia jovem que se foi num acidente de carro. Essa me deixou trêmula por horas a fio. E vê-la no caixão foi algo que ainda me devolve a uma das cenas mais tristes da minha vida, a um dos abraços mais sentidos que já dei: aquele na minha avó, mãe dela.

Assisti meio recentemente à primeira cremação da minha vida e achei digno. Bem mais digno do que aquele caixão baixando e uma terra ávida o soterrando. O fogo me parece inclusive mais purificador. O problema é o que fazer depois... como sabemos. Um parente guarda a urna da esposa na mesa de cabeceira. Não, eu nem dormiria direito desse jeito. E deve ser um incômodo para o morto, em alguma dimensão, sei lá. Só sei que esta carcaça que usamos e gastamos ao longo da vida, curta vida, dá um trabalho danado depois que se torna um amontoado de ossos e carnes em decomposição. Ver um rosto sem a alma no olho é uma cena impressionante. E não somos educados para isso, para esse dia que sempre chegará. Imagina! Se não somos educados para envelhecer, se nos fazemos tão mal não aceitando a velhice e a doença, o que esperar de nossas disposições para a morte, não é mesmo? Às vezes é só o que desejo: uma vida bacana, apesar de tudo o que há contra, e uma morte serena.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 1/1/2021


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Hitch 22 de Guilherme Pontes Coelho
02. Os anos de chumbo de Gian Danton


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro
01. O menino mais bonito do mundo - 29/1/2010
02. Digite seu nome no Google - 8/3/2006
03. Ler muito e as posições do Kama Sutra - 2/6/2004
04. Dar títulos aos textos, dar nome aos bois - 27/7/2007
05. Autor não é narrador, poeta não é eu lírico - 24/3/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Domingo É Dia de Ciência: Historia de um Suplemento dos Anos Pós
Bernardo Esteves
Azougue
(2006)



Terapia Feminista da Família
Goodrich e Outros
Artmed
(1990)



Por una Nueva Gestion de Nuestras Sociedades
Pierre Calame (cood.)
Charles Léopold Mayer
(2002)



Fairy Tail Vol. 58
Hiro Mashima
Jbc
(2016)



O Fundo do Mar
Peter Benchley
Círculo do Livro



Hegemonia, Estado e Governabilidade
Gilberto Dupas
Senac
(2002)



A 3ª Guerra
Robert J. Donovan
Nova Fronteira
(1967)



Os Safos Festejam ao Anoitecer
Idalino Cavalcante
Topbooks
(2005)



Berlioz - Grandes Compositores da Música Clássica Vol 27
Abril Coleções
Abril Coleções
(2009)



Theatre Denfants, Comment Monter un Spectacle?
Gisela Walter (capa Dura)
Casterman
(1995)





busca | avançada
70522 visitas/dia
2,6 milhões/mês