Ai de ti, 1958 | Bruno Garschagen | Digestivo Cultural

busca | avançada
61534 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Rodolpho Parigi participa de live da FAAP
>>> Para fugir de ex-companheiro brasileira dá volta ao mundo com pouco dinheiro
>>> Zé Guilherme encerra série EntreMeios com participação da cantora Vania Abreu
>>> Bricksave oferece vistos em troca de investimentos em Portugal
>>> Projeto ‘Benzedeiras, tradição milenar de cura pela fé’ é lançado em multiplataformas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Cabelo, cabeleira
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
>>> Mas se não é um coração vivo essa linha
>>> Zuza Homem de Mello (1933-2020)
>>> Eddie Van Halen (1955-2020)
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II
>>> Vandalizar e destituir uma imagem de estátua
>>> Partilha do Enigma: poesia de Rodrigo Garcia Lopes
>>> Meu malvado favorito
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
Colunistas
Últimos Posts
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
>>> Como elas publicavam?
>>> Van Halen no Rock 'n' Roll Hall of Fame
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
Últimos Posts
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
>>> Perplexo!
>>> Orgulho da minha terra
>>> Assim ainda caminha a humanidade
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Ser intelectual dói
>>> Simone de Beauvoir: da velhice e da morte
>>> Alice in Chains, Rainier Fog (2018)
>>> Distribua você também em 2008
>>> A proposta libertária
>>> Sátiro e ninfa, óleo s/ tela em 7 fotos e 4 movies
>>> Capitu, a melhor do ano
>>> As fronteiras da ficção científica
>>> Cebrián sobre o fim
Mais Recentes
>>> Revista Mente e Cérebro – AnoXVI – Nº 197 – As 5 Idades do Cérebro de Vários Autores pela Duetto (2009)
>>> Poder, Política e Partido de A. Gramsci pela Brasiliense (1992)
>>> Gramsci : Cem anos de um pensamento vivo - coleção P&T de J. Luiz Marques e Luiz Pilla Vares (Orgs.) pela Palmarica (1991)
>>> Memórias da Resistência de Jorge Carvalho do Nascimento pela Criação (2019)
>>> Supercapitalismo Como o capitalismo tem transformado os negócios, a democracia e o cotidiano de Robert B. Reich pela Campus (2008)
>>> Marx Engels - História -Coleção Grandes Cientistas Sociais 36 de Florestan Fernandes (Org.) pela Ática (1983)
>>> Começo de Conversa – Orientação Sexual de Osny Telles Marcondes Machado pela Saraiva (1996)
>>> Ciclos de Formação Proposta Político-Pedagógica da Escola Cidadã - Cadernos Pedagógicos 9 de Vários Autores pela SmedPoA (1999)
>>> Ciclos de Formação Proposta Político-Pedagógica da Escola Cidadã - Cadernos Pedagógicos 9 de Vários Autores pela SmedPoA (1996)
>>> A dieta dos 17 dias Um método simples para perder barriga de Mike Moreno pela Sextante (2011)
>>> O Especialista em Educação na Perspectiva da Escola Cidadã - Cadernos Pedagógicos 10 de Vários Autores pela SmedPoA (1996)
>>> Dez Leis Para Ser Feliz - Ferramentas par se apaixonar pela vida de Augusto Cury pela Sextante (2008)
>>> Projeto Revista de Educação – Nº 1 - Ano 1 de Vário Autores pela Projeto (1999)
>>> O Carvalho de Jorge Carvalho do Nascimento pela Criação (2020)
>>> Dicionário do Pensamento Marxista de Tom Bottomore - Editor pela Jorge Zahar (2001)
>>> Um tango para 5 Rainhas de Jony Wolff pela Edição do autor (2018)
>>> O Carvalho de Jorge Carvalho do Nascimento pela Criação (2020)
>>> Os Clássicos da Política vol. 1- Mquiavel-Hobbes-Montesquieu- Rousseau de Francisco C. Welfort (Org.) pela Ática (2006)
>>> Nacionalismos - O estado nacional e o nacionalismo no século XX de Montserrat Guibernau pela Jorge Zahar (1997)
>>> Bibliografia Estudos Sobre Violência Sexual Contra a Mulher:1984-2003 de Kátia Soares Braga - Elise Nacimento (Orgs.) pela Letras Livres - UNB (2004)
>>> O reino de James T. harman pela Restauração (2013)
>>> A importancia da cobertura de Lance Lambert pela Classicos (2013)
>>> O Reino Entre Nós de Não Informado pela O Lutador
>>> Como Realizar a Aprendizagem de Robert M. Gagné pela Mec (1974)
>>> Yoga para a Saúde do Ciclo Menstrual de Linda Sparrowe/ Patrícia Walden pela Pensamento (2004)
>>> Pequenos Segredos da Arte de Escrever de Luiz A. P. Victoria pela Ouro (1972)
>>> Deus Cristo e Caridade Reformador Revista de Espiritismo Cristão de Federação Espírita pela Federação Espírita (1988)
>>> Deus Cristo e Caridade Reformador Revista de Espiritismo Cristão de Federação Espírita pela Federação Espírita (1989)
>>> Paca, Tatú...Contos Infantis de Malba Tahan pela Cruzada da Boa Imprensa (1939)
>>> A Marquesa de Reval de May Logan pela Anchieta (1944)
>>> Camilo Compreendido Tomo 1 e 2 de Gondim da Fonseca pela Martins (1953)
>>> Técnicas de Yoga de Dr.M.L.Gharote pela Phorte (2007)
>>> A Essência da Alma de Sônia Tozzi (psicografia) pela Lúmen (2006)
>>> Minutos de Oração de Legrand (coord) pela Soler (2007)
>>> A Norma Jurídica de Tercio Sampaio Ferraz Jr. E Outros pela Freitas Bastos (1980)
>>> Le Bateau Ivre Análise e Interpretação de Augusto Meyer pela São José (1955)
>>> Franz Kafka Os Filhos Rossmann Bendemann e Samsa de Ruth Cerqueira de Oliveira Röhl pela Universidade de São Paulo (1976)
>>> Fios de Ariadne - Ensaios de interpretação marxista de Centro de Estudos Marxistas pela Universidade de Passo Fundo (1999)
>>> Três Momentos Poéticos de Nelly Novaes Coelho pela Conselho Estadual de Cultura
>>> A Luz Perdida de Murillo Araujo pela Pongetti (1952)
>>> História e Consciência Social de Leôncio Basbaum pela Globo (1985)
>>> Dostoievsky de David Magarshack pela Aster
>>> Asanas de Swami Kuvalayananda pela Phorte (2009)
>>> A Ciência do Yoga de J.K.Taimni pela Teosófica (2006)
>>> Osso no seu Osso indo além da imitação de cristo de F. j. Huegel pela Restauração (2019)
>>> 100 Kixti (estórias) Tukano de Eduardo Lagório (Coord) pela Fundação Nacional do índio (1983)
>>> O corpo de Cristo uma realidade de Watchman nee pela Clássicos (2006)
>>> Vamos Praticar Yoga? Yoga para Crianças, Pais e Professores de Maria Ester Azevedo Massola pela Phorte (2008)
>>> Revisa-nos novamente de Frank viola pela Restauração (2017)
>>> Os Jardins da Psicologia Comunitária de Israel Rocha Brandão / Zulmira Áurea (orgs.) pela Ufc (1999)
COLUNAS

Terça-feira, 7/5/2002
Ai de ti, 1958
Bruno Garschagen

+ de 4400 Acessos

Torço o nariz para a maior parte das manifestações de saudosismo. Geralmente, movido a inveja mesmo, como negar? A pessoa vem com um belíssimo discurso sobre uma época, em tese, maravilhosa, e que eu não posso refutar simplesmente pelo absurdo fato de não a ter vivido. Estar preso a um tempo é acinte gravíssimo à liberdade de ir e vir. E sou desses que só não gostam mais da liberdade por medo de ficar preso a essa dama tão fresca e impiedosa.

Ler, então, "Feliz 1958 - O ano que não devia terminar", do jornalista Joaquim Ferreira dos Santos, foi um exercício de controle da inveja. Se antes me corroía não ter vivido as décadas de 1920 e 1930 (Putz!, publicação de Waste Land, de T. S. Eliot, de Ulysses, de James Joyce, a semana de arte moderna no Brasil, os encontros da turma no bar do Hotel Algonquin, a publicação dos textos ácidos de H. L. Mencken e das sofisticadas críticas de Edmund Wilson), agora, me sinto menor por não ter estado lá, em 1958, mais precisamente no Rio de Janeiro Salve Salve (hoje Salve-se quem puder).

Ainda na esperança de que alguém desminta o autor do livro, sofro em abrir os jornais e não ler as colunas do Rubem Braga (Diário de Notícias e Manchete), do Sérgio Porto, o Stanislaw (Última Hora), do Carlos Drummond de Andrade (Correio da Manhã), do então crítico de teatro Paulo Francis (Revista da Semana, Diário Carioca, Última Hora); sofro ainda de não ter ido às sessões ver os primeiros filmes do cinema novo; de não ter estado lá assistindo a chocante "Os sete gatinhos", do genial Nelson Rodrigues; de não ter tomado algumas doses generosas de uísque no Zeppelin, em Ipanema; de não ter escutado pela rádio Pelé e Garrincha infernizando as outras seleções e trazendo a Jules Rimet pela Copa do Mundo da Suécia; de não ter visto Adalgisa Colombo ganhar o Miss Brasil e, por pouco, não ter ganho o Miss Universo; de não poder andar pelas ruas do Rio sem colete à prova de balas ou carro blindado; de não ter jogado um frescobol no Arpoador com Millôr e Hélio Fernandes, mesmo não gostando, como não gosto, de frescobol. Mas em 1958, minhas caras e meus caros, com isso tudo aí, vocês acham que eu ligar de parecer ridículo na praia tentando acertar uma bolinha com uma raquete de madeira?

Joaquim Ferreira dos Santos selecionou o que houve de melhor naquele ano que não devia terminar, à exceção, na minha modesta opinião, dos corpetes tipo cinta, da toalhinha higiênica (mãe do absorvente íntimo, que todo mundo chama de Moddes, não importa se de outra marca), da juventude transviada (Mmmm! sei!), dos namoros no sofá entre os pais da moça (ainda bem que existiam as garçoniéres, chamadas atualmente pelos bárbaros de matadouro). O enfoque do livro é o Rio, que ainda era capital do País, mas logo logo daria lugar a Brasília, aquele monstrengo no meio do nada que faz jus à sua localização geográfica.

Tem de tudo um pouco nas 190 páginas da obra lançada em 1997, num texto tão desenvolto e palatável que, para usar uma imagem de Nelson Rodrigues, tem-se a impressão de se estar chupando um Chica-Bon. Tem a política desenvolvimentista e inflacionária do megastar de glostora (mãe do gel) Juscelino Kubitschek; os shows das vedetes; as certinhas do Lalau; a genialidade de Oscar Niemeyer; as grandes festas e os famosos adultérios nos cantos da boate Sacha's; Oscarito e Zé Trindade, a dupla que fazia tremer qualquer cinema com as chanchadas produzidas na Atlântida; o despertar do cinema novo pelas cabeças de Glauber Rocha e Nelson Pereira dos Santos; a fabricação do DKW-Vemag, o primeiro carro a rodar com 50% das peças produzidas aqui; Zé Celso Martinez Corrêa estréia o experimentalismo de seu teatro com o Grupo Oficina; Augusto Boal comandava alguns jovens do Teatro de Arena na "Eles não usam black-tie", de Guarnieri; Cacilda Becker saía do Teatro Brasileiro de Comédia para montar a própria companhia; a companhia Maria Dela Costa estreava Brecht no Brasil.

Embreando nessas teias que perfazem o palco, o capítulo dedicado ao teatro mostra a recepção nada amistosa à peça "Os sete gatinhos", de Nelson Rodrigues. A "farra de perversões", como definiu Joaquim Ferreira dos Santos, era a história nada inocente de "seu" Noronha, o pai de três filhas que mantém relações também nada inocentes com a mais nova e que resolve, numa dessas idéias agressivas bastante estimuladas no mundo dos negócios, transformar a casa num prostíbulo. Arruma uma quarta mulher e vira o cafetão das filhas.

Tente imaginar uma peça como essa na década de 1950. Se nesta semana eu fizesse uma montagem de "Os sete gatinhos" em Cachoeiro de Itapemirim, a querida waste land, acabaria com minha reputação de jornalista e alguns me virariam a cara sem qualquer piedade. E, certamente, se houvesse patrocinadores os perderia todos por apologia ao grotesco. Pensando bem, não seria nada mau para vencer o tédio que Rubem Braga, inteligentemente, deixou para trás aos 14 anos.

A reação dos críticos foi similar ao do espectador médio. A crítica Barbara Heliodora, hoje n'O Globo, não fez o menor esforço para definir o autor da montagem: "Asco!". Um outro crítico, cujo nome é omitido, pediu à polícia que prendesse o elenco e salvasse a família brasileira. Com seu bisturi afiado, Nelson Rodrigues, que apanhou de todos os lados, dizia que a vida era assim mesmo: ou se era crítico ou se era inteligente. Claro, um exagero para acertar em quem o detonava. Tanto que recorreu a amigos críticos para obter textos elogiosos. Mesmo assim, em entrevista ao Última Hora, disse não se espantar com a atitude da crítica. "Se existisse um rapa intelectual, um rapa da inteligência, quanto colunistas de teatro ainda restariam impunes?" Furioso e maravilhosamente certeiro, talvez pela sensação de estar acuado e precisar se defender de forma vigorosa, o jornalista e escritor arrematou: "Considero uma injustiça que se cacem os cães vadios e se poupem certos críticos que são os vira-latas do teatro".

O autor de "Bonitinha, mas ordinária", além de afiado, desdenhava do público que não entendia e, por isso, reagia agressivamente às suas peças. Num debate com espectadores, mostrou que, como Nietzsche, falava para quem tivesse condições de ouvir ("De que adianta falar se não há ouvidos para ouvir", em Assim falava Zaratustra). À provocação de um espectador, sobre o que pretendia com aquela "sujeirada toda", Nelson Rodrigues, calmamente, acendeu um cigarro, pediu à platéia que fizesse silêncio e disparou: "Mostro a realidade e por isso a massa ignara fica irritada. A massa ignara reage às minhas peças como se fosse um Oliveira Salazar". Eh! Eh!

Enquanto nosso jornalista e escritor não dava a outra face à crítica, o saltimbanco Franz Paulo Tranin Heilborn, o Francis, rufava os tambores com uma vocação nata e rara para atingir precisamente o que e quem não gostasse ou discordasse. Começou na crítica teatral em 1957, após tentar ser ator - atuou cinco vezes, a primeira como frei Lourenço, em "Romeu e Julieta", peça que lhe valeu, em outro papel (o do bêbado) indicação para ator revelação em 1952. Também se arriscou na direção. Foram seis peças (três de autores nacionais) entre 1957 e 1958. Até criou uma companhia, a Teatro do Leme. Continuou como crítico de teatro até 1963.

Nesse período (1957/1963), transformou-se num dos principais da área. E, pelo que dizem os que viveram naquela época, o mais polêmico. Com um sarcasmo borbulhante, disparou contra autores, diretores, atores e quem mais estivesse fora de seu rígido e europeu padrão de qualidade.

Chamou "O santo e a porca", de farsa de costumes nordestinos, e, seu autor, Ariano Suassuna, de cultor da escola curral e capim. Lascou a pecha de socialista de boate ao Abílio Pereira, autor da peça "Moral em concordata". Agredia sim, mas com um humor que trazia um prazer indescritível para quem lia e, obviamente, não estava na sua linha de tiro.

Para levantar outro episódio daquele ano, citado pelo autor de "Feliz 1958 - O ano que não devia terminar", exemplar da conduta de Francis foi a crítica sobre a peça "Calúnia", estrelada pela belíssima Tônia Carrero. Seu artigo dizia que a peça era apenas um melodrama colorido para fins de bilheteria pelo elemento picante que representa o sexo à la Sapho. A espetada abriu espaço para a até hoje comentada agressão que sofreu do marido de Tônia, o italiano Adolfo Celi. Foi uma atitude extrema por um segundo texto, ainda mais desaforado, escrito por Francis em resposta às insinuações feitas pelo cronista Antônio Maria, a pedido da atriz, de que a virilidade de sua crítica não correspondia na mesma proporção a sua, digamos, virilidade masculina. Como dizemos lá na Bahia, o pau comeu na casa de Noca.

Dos arrependimentos de Francis, outro ilustre falecido (que falta nos fazem os mortos quando vivos!), o tiroteio contra Tônia era um deles. Num dos Manhattan Connection, da GNT, disse aos jornalistas Lucas Mendes, Nelson Mota e Caio Blinder que não deveria ter sido tão agressivo naquele episódio. Citou até uma frase do Rubem Braga, que adorava a atriz e não suportava Francis: "um bom editor pegava a crítica, guardava na gaveta e perguntava no dia seguinte se ele queria realmente que fosse publicada".

Mil novecentos e cinqüenta e oito, contudo, viu a explosão da influência da mais dispensável das manifestações jornalísticas, a coluna social. Moldada inicialmente no Diário Carioca pelo colunista Jacinto de Thormes, pseudônimo do jornalista Manoel Bernardez Muller (extraído do romance "A cidade e as serras", de Eça de Queiroz, resultado da combinação do nome do personagem Jacinto e da cidade de Tormes), naquele final dos anos 1950, mais quatro colunistas detinham em suas máquinas de escrever uma poderosa fabriqueta de construção e destruição da imagem de celebridades. Eram eles Ibrahim Sued, d'O Globo, Jean Pochard, do Diário Carioca, José Álvaro, do Diário de Notícias, e Chuck, do Correio da Manhã.

De todos, Jacinto era o melhorzinho em suas intervenções, digamos, intelectuais. Numa nota citada no livro, o colunista cita dois ricaços da época que iniciavam um namoro. "(...) Almoçam ao ar livre e vão ao cinema. À noite caminham descalços na praia. Tomam sorvetes no Bob's. Discutem Baudelaire, Keats, Elliot (sic) e Nostradamus. O namoro é extremamente em inglês". Uma observação apenas: como imaginar um casal de namorados discutindo poetas de língua inglesa? Difícil, difícil.

Ibrahim Sued era o mais folclórico. Na época, corria o boato de que não sabia escrever, tarefa devidamente repassada a uma turma de redatores (Ricardo Boechat foi um dos que cavucavam informações e reescreviam notas). Criou expressões de gosto duvidoso como shangay (ruim), isso mesmo shangay, kar (bom), isso mesmo kar, gente bem e a dama de preto. Para não dizer que o cabra só fez besteira, criou o atual modelo de notas curtíssimas que misturam vida social, política etc.

O tal Pochard apostava na polêmica. Escrevia sem o menor remorso que fulano exagerava na vestimenta; que sicrano não sabia se comportar à mesa; que beltrano era o maior pão-duro da cidade. Devia ser amado por todos.

"Feliz 1958 - O ano que não devia terminar" traz capítulos também sobre as certinhas do Lalau (a eleição de mulheres feitas pelo principal expoente dos Ponte Preta); sobre as dez mais elegantes; sobre tevê; sobre carnaval; sobre música; sobre comportamento; sobre rádio; sobre chanchadas e revistas.

Muito embora a intenção deliberada de provar que igual a 1958 não houve, numa daquelas atitudes nostálgicas de velhinhos se gabando da época em que conseguiam favores sexuais de empregadas boazudas ou de insuspeitas damas da sociedade, Santos nos apresenta um cremoso panorama da vida brasileira na beirola dos anos 1950. Mas, como o Millôr, acredito que nostalgia é querermos voltar prum lugar que nunca existiu. Então, tá certo: para eu voltar a dormir tranqüilo, afirmo com todos os números que 1958 nunca existiu. Salvo melhor juízo.

Eufemismo
Ou se é ou não se é. Nunca vi um canalha meio-termo.


Bruno Garschagen
Cachoeiro de Itapemirim, 7/5/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O novo macarthismo de Gian Danton


Mais Bruno Garschagen
Mais Acessadas de Bruno Garschagen em 2002
01. O romance da desilusão - 6/8/2002
02. Eu quero é rosetar - 12/2/2002
03. Niilismo e iconoclastia em Thomas Bernhard - 26/2/2002
04. Paz é conto da Carochinha - 28/5/2002
05. Anauê - 21/5/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ONZE MINUTOS
PAULO COELHO
ROCCO
(2003)
R$ 7,50



PAI, VOCÊ É MUITO MAIS DO QUE UM AMIGO!
IAN BRUCE
UNIVERSO DOS LIVROS
(2011)
R$ 12,00



POESIAS E SENTENÇAS DE D. FRANCISCO DE PORTUGAL , 1º CONDE DE ...
VALÉRIA TOCCO
COMISSÃO NACIONAL
(1999)
R$ 37,20



EDUCAÇÃO MUSICAL PARA 1ª A 4ª SÉRIE - NEREIDE SCHILARO SANTA ROSA (EDUCAÇÃO MUSICAL)
NEREIDE SCHILARO SANTA ROSA
ÁTICA
(1990)
R$ 40,00



MEU DIA-A-DIA
MARISA RAJA GABAGLIA
JOSÉ OLYMPIO
(1976)
R$ 7,48



GEOGRAFIA - ONTEM E HOJE ( 8 ANO )
EUSTÁQUIO DE SENE E JOÃO CARLOS MOREIRA
SCIPIONE
(2009)
R$ 85,00



QUEM ME DERA
ANA MARIA MACHADO
ÁTICA
(2010)
R$ 32,50



CATÁLOGO DAS ÁRVORES NATIVAS DE MINAS GERAIS
ARY T. OLIVEIRA FILHO
UFLA
(2006)
R$ 48,90



A FLOR E O ESTANDARTE
IBIAPABA MARTINS (AUTOGRAFADO)
ED. DO ESCRITOR
(1975)
R$ 7,00



COMPRAMOS UM ZOOLÓGICO
BENJAMIN MEE
OBJETIVA
(2011)
R$ 5,00





busca | avançada
61534 visitas/dia
2,1 milhões/mês