Niilismo e iconoclastia em Thomas Bernhard | Bruno Garschagen | Digestivo Cultural

busca | avançada
63898 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Yassir Chediak no Sesc Carmo
>>> O CIEE lança a página Minha história com o CIEE
>>> Abertura da 9ª Semana Senac de Leitura reúne rapper Rashid e escritora Esmeralda Ortiz
>>> FILME 'CAMÉLIAS' NO SARAU NA QUEBRADA EM SANTO ANDRÉ
>>> Inscrições | 3ª edição do Festival Vórtice
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
Colunistas
Últimos Posts
>>> Glenn Greenwald sobre a censura no Brasil de hoje
>>> Fernando Schüler sobre o crime de opinião
>>> Folha:'Censura promovida por Moraes tem de acabar'
>>> Pondé sobre o crime de opinião no Brasil de hoje
>>> Uma nova forma de Macarthismo?
>>> Metallica homenageando Elton John
>>> Fernando Schüler sobre a liberdade de expressão
>>> Confissões de uma jovem leitora
>>> Ray Kurzweil sobre a singularidade (2024)
>>> O robô da Figure e da OpenAI
Últimos Posts
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
>>> Ser ou parecer
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Cenas de abril
>>> Por que 1984 não foi como 1984
>>> A dicotomia do pop erudito português
>>> Coisas nossas
>>> Caso Richthofen: uma história de amor
>>> Apresentação autobiográfica muito solene
>>> Nem Aos Domingos
>>> Aprender poesia
>>> São Luiz do Paraitinga
>>> A Barsa versus o Google
Mais Recentes
>>> Dicionário De Espanhol-português de Porto pela French & European Pubns (2015)
>>> Os Fantasmas Da São Paulo Antiga de Miguel Milano pela Unesp (2012)
>>> Direito Civil Brasileiro 3 de Carlos Roberto Gonçalves pela Saraiva (2011)
>>> Um Grito de Socorro de Alcides Goulart pela Jovem (2014)
>>> Medicina de urgência de Elisa Mieko Suemitsu Higa pela Manole (2008)
>>> Expedição aos Martírios 15 edição de Francisco Marins pela Melhoramentos (1978)
>>> Todo Mundo Tem Uma História Para Compartilhar de Karen Worcman pela Museu da Pessoa (2014)
>>> Os Restos Mortais( com encartes 1994 das obras Ática ) de Fernando Sabino pela Ática (1994)
>>> Ana Cecília Carvalho; Robinson Damasceno dos Reis de O Ourives Sapador do Polo Norte: como fazer pesquisas e anotar informações pela Formato (1995)
>>> Livro Seu Zezinho - A Estrela Eterna de Sumaré de Claúdia Sabadini pela Cult (2016)
>>> Livro Alma Gêmea - Você está pronta para ser encontrada? de Rosana Braga pela Escala (2001)
>>> O Mistério da Fábrica de Livros 23 edição. de Pedro Bandeira pela Hamburg (2024)
>>> Panelinha: Receitas Que Funcionam de Rita Lobo pela Senac São Paulo (2012)
>>> A Crítica Da Razão Indolente. Contra O Desperdício Da Experiência de Boaventura De Sousa Santos pela Cortez (2011)
>>> Educação E Crise Do Trabalho: Perspectivas De Final De Século (coleção Estudos Culturais Em Educação) de Gaudêncio Frigotto (org) pela Vozes (2002)
>>> Era Dos Extremos - The Age Of Extremes de Eric Hobsbawm pela Companhia Das Letras (2003)
>>> A Volta dos Pardais do Sobradinho 3 edição. de Herberto Sales pela Melhoramentos (1990)
>>> O Mistério do Esqueleto - coleção veredas 13 edição. de Renata Pallottini pela Moderna (1992)
>>> Livro Na Vida Dez, Na Escola Zero de Terezinha. Carraher pela Cortez (1994)
>>> Livro Voce Verdadeiramente Nasceu De Novo Da Agua E Do Espirito? de Paul C. Jong pela Hephzibá (2002)
>>> Livro Luz no lar de Francisco Cândido Xavier por Diverso Espíritos pela Feb (1968)
>>> Livro As Perspectivas Construtivista e Histórico-cultural na Educação Escola de Tania Stoltz pela Ibpex (2008)
>>> Livro El Desarrollo Del Capitalismo En America Latina. Ensayo De Interpretacion Historica (spanish Edition) de Agustin Cueva pela Siglo Xxi (2002)
>>> O Fantástico Homem do Metrô 8 edição. - coleção veredas de Stella Carr pela Moderna (1993)
>>> Missão Ninok: se tem medo do futuro não abra o livro de Bernardino Monteiro pela Artenova (1980)
COLUNAS

Terça-feira, 26/2/2002
Niilismo e iconoclastia em Thomas Bernhard
Bruno Garschagen
+ de 8200 Acessos

Thomas Bernhard (1931-1989) quis demolir a sociedade austríaca pela palavra com seu Extinção (Companhia das Letras, 476 páginas), lançado na Bienal do Livro de São Paulo de 2001, 14 anos depois de ter sido publicado na Alemanha.

Franz-Josef Murau, uma espécie de alter-ego do escritor e narrador do romance, inseriu na mesma ode caótica a família e a sociedade de católicos nacional-socialistas da qual os “seus” faziam parte na burguesa Wolfsegg.

A misantropia de Murau atingiu todo o país, que viu ruir nas primeiras décadas do século 20 o império austro-húngaro, que sediara, e constrangeu-se pela postura conivente, para dizer o mínimo, com a escalada nazista.

O ambiente onde se passa o romance é forjado pela forma densa e ágil, por mais contraditório que possa parecer, com que Bernhard articula a sintaxe. Num só parágrafo. Um ajuste de contas com a terra natal que o romancista, poeta e dramaturgo dizia amar. Mas o ódio pela estrutura do Estado e da Igreja ele fazia questão de esclarecer: “é tão terrível que só se pode odiá-las”, vociferou numa de suas raras entrevistas cujos trechos foram republicados pela revista Bravo!.

A partir das análises sobre o irmão (“um pobre idiota”), o pai (“fraco”), a mãe e as irmãs (“repulsivas”), o narrador vai desconstruindo sua relação afetiva e destruindo vínculos. Extingue cada um dos “seus” pela palavra, como para se preservar da decadência moral e intelectual que os envolvia.

Franz-Josef Murau odeia sua família. Não só a família. Odeia a burguesia austríaca pós-Segunda Guerra Mundial de onde saiu para auto-exilar-se em Roma. Anos mais tarde, com o mínimo contato com Wolfsegg, recebe um telegrama informando da morte dos pais e irmão. Acidente de carro — causa descoberta somente quando mais tarde chega à cidade e lê num jornal espalhado na cozinha. Convocação para o enterro. Sem choque, choro ou remorso. Indiferente à morte, fez e refez as malas algumas vezes analisando o que era mais interessante: caminhar de lá para cá com Gambetti (seu jovem aluno de filosofia) no Pincio, ou ter de ir à prefeitura e ao cemitério discutir com as irmãs as formalidades do enterro.

“Tentei fazer uma idéia das conseqüências que a morte de meus pais e a morte de meu irmão acarretariam, sem chegar a uma conclusão. Mas naturalmente tinha consciência do que exigia agora de mim a morte dessas três pessoas, as mais próximas de mim ao menos no papel: toda minha energia, toda minha força de vontade”.

A impessoalidade do tratamento é uma constante. Como se a personagem olhasse os “seus” como um estrangeiro, um sociólogo: friamente, sem um ralo de emoção a embaçar os olhos ferindo a análise crua. Impera sua verdade parcial. Como único homem descendente, herdeiro total das posses dos pais, a “fonte de seu sustento e de sua ruína moral”.

Na primeira metade de Extinção, Murau está fechado em suas reflexões enquanto decide se vai ou não ao enterro; se encara ou não um retorno ao desprezível. O interlocutor de seus pensamentos é Gambetti. Bernhard joga com as palavras magnificamente construindo orações que nos dá idéia clara de quando ocorrem os diálogos, quando pensamentos, quando ojeriza.

Os sentimentos são representados pelo vigor verbal do romancista, ora rasteira, ora pesada, ora intrincada, ora, ora. Há repetições de substantivos, adjetivos, expressões. Essa forma hiperbólica de linguagem resulta num efeito impactante e diverso na cabeça de cada leitor. Tal qual pinturas surrealistas.

A cada linha se constrói a imagem de homem amargurado; do homem reagindo à um ambiente desagradável; do homem sofrendo a reação de suas idéias e atitudes. A amargura só faz ressaltar a lucidez de Murau. Murau não só odeia como é odiado, como sempre foi odiado, pela família.

Nas divagações interiores durante o enterro transborda niilismo e iconoclastia — traços marcantes de Bernhard —, não necessariamente nessa mesma ordem. Às vezes até ao mesmo tempo. Cada parente e amigo da família instalado na casa para o cortejo fúnebre ganha de presente uma sinfonia caótica destrinchando as vísceras das atitudes e comportamentos. Curiosa é a maneira carinhosa com que Murau trata o amante de sua mãe, o arcebispo Spadolini — “uma figura absolutamente fascinante” —, com quem praticava “exercícios espirituais”.

Em Extinção, Bernhard conseguiu elaborar uma obra marcante. Até mais do que O Náufrago (Companhia das Letras, esgotado), Árvores abatidas (Rocco, 168 páginas), O sobrinho de Wittgenstein (Rocco, 124 páginas) e Perturbação (Rocco, 234 páginas), todos romances publicados no Brasil.

O radicalismo de sua visão (autor e narrador) não é cego. Move. Angustia. Sufoca. Estimula. Mesmo que não sugira algo novo em substituição. “Meu relato nada mais é a não ser uma extinção”. Quando, ao final do romance, Murau se vê às voltas com a herança dos pais pensa na melhor forma de resolver o “problema” e toma uma atitude surpreendente. Um monólogo de ódio e misantropia. Um grande livro para atormentar a existência.


Bruno Garschagen
Cachoeiro de Itapemirim, 26/2/2002

Mais Bruno Garschagen
Mais Acessadas de Bruno Garschagen em 2002
01. O romance da desilusão - 6/8/2002
02. Eu quero é rosetar - 12/2/2002
03. Niilismo e iconoclastia em Thomas Bernhard - 26/2/2002
04. Anauê - 21/5/2002
05. Diário impertinente - 19/3/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Engenharia Econômica
Geraldo Hess / L. C. Rocha Paes / José Luiz Marques
Difel
(1976)



Passage To India cd * (reading & Training)
E. Forster
Black Cat
(2003)



Psicologia Industrial - 03 Volumes
Mccormick / Tiffin
E P U
(1977)



As Nove Idéias Mais Malucas da Ciência
Robert Ehrlich
Prestigio
(2004)



Por você - Trilogia Fixed livro I
Laurelin Paige
Fabrica 231
(2014)



Os Grandes Artistas Barroco e Rococó
Rubens / Hals/ Van Dyck
Nova Cultura
(1991)



Senhorita Smilla E O Sentido Da Neve
Peter Hoeg
Companhia Das Letras
(1994)



Você mais Saudável
Dani Faria Lima
Gente
(2023)



Expiação
Areolino Gurjão
Feb
(1945)



Los Retos de La Seguridad y Defensa En El Nuevo Contexto Internacional
Helena Güell Peris, Sonia - Torroja Mateu
Publicacions I Edicions de La Universitat de Barcelona
(2007)





busca | avançada
63898 visitas/dia
2,0 milhão/mês