Niilismo e iconoclastia em Thomas Bernhard | Bruno Garschagen | Digestivo Cultural

busca | avançada
36970 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Terça-feira, 26/2/2002
Niilismo e iconoclastia em Thomas Bernhard
Bruno Garschagen

+ de 6500 Acessos

Thomas Bernhard (1931-1989) quis demolir a sociedade austríaca pela palavra com seu “Extinção” (Companhia das Letras, 476 páginas), lançado na Bienal do Livro de São Paulo de 2001, 14 anos depois de ter sido publicado na Alemanha.

Franz-Josef Murau, uma espécie de alter-ego do escritor e narrador do romance, inseriu na mesma ode caótica a família e a sociedade de católicos nacional-socialistas da qual os “seus” faziam parte na burguesa Wolfsegg.

A misantropia de Murau atingiu todo o país, que viu ruir nas primeiras décadas do século 20 o império austro-húngaro, que sediara, e constrangeu-se pela postura conivente, para dizer o mínimo, com a escalada nazista.

O ambiente onde se passa o romance é forjado pela forma densa e ágil, por mais contraditório que possa parecer, com que Bernhard articula a sintaxe. Num só parágrafo. Um ajuste de contas com a terra natal que o romancista, poeta e dramaturgo dizia amar. Mas o ódio pela estrutura do Estado e da Igreja ele fazia questão de esclarecer: “é tão terrível que só se pode odiá-las”, vociferou numa de suas raras entrevistas cujos trechos foram republicados pela revista Bravo!.

A partir das análises sobre o irmão (“um pobre idiota”), o pai (“fraco”), a mãe e as irmãs (“repulsivas”), o narrador vai desconstruindo sua relação afetiva e destruindo vínculos. Extingue cada um dos “seus” pela palavra, como para se preservar da decadência moral e intelectual que os envolvia.

Franz-Josef Murau odeia sua família. Não só a família. Odeia a burguesia austríaca pós-Segunda Guerra Mundial de onde saiu para auto-exilar-se em Roma. Anos mais tarde, com o mínimo contato com Wolfsegg, recebe um telegrama informando da morte dos pais e irmão. Acidente de carro — causa descoberto somente quando mais tarde chega à cidade e lê num jornal espalhado na cozinha. Convocação para o enterro. Sem choque, choro ou remorso. Indiferente à morte, fez e refez as malas algumas vezes analisando o que era mais interessante: caminhar de lá para cá com Gambetti (seu jovem aluno de filosofia) no Pincio, ou ter de ir à prefeitura e ao cemitério discutir com as irmãs as formalidades do enterro.

“Tentei fazer uma idéia das conseqüências que a morte de meus pais e a morte de meu irmão acarretariam, sem chegar a uma conclusão. Mas naturalmente tinha consciência do que exigia agora de mim a morte dessas três pessoas, as mais próximas de mim ao menos no papel: toda minha energia, toda minha força de vontade”.

A impessoalidade do tratamento é uma constante. Como se a personagem olhasse os “seus” como um estrangeiro, um sociólogo: friamente, sem um ralo de emoção a embaçar os olhos ferindo a análise crua. Impera sua verdade parcial. Como único homem descendente, herdeiro total das posses dos pais, a “fonte de seu sustento e de sua ruína moral”.

Na primeira metade de “Extinção”, Murau está fechado em suas reflexões enquanto decide se vai ou não ao enterro; se encara ou não um retorno ao desprezível. O interlocutor de seus pensamentos é Gambetti. Bernhard joga com as palavras magnificamente construindo orações que nos dá idéia clara de quando ocorrem os diálogos, quando pensamentos, quando ojeriza.

Os sentimentos são representados pelo vigor verbal do romancista, ora rasteira, ora pesada, ora intrincada, ora, ora. Há repetições de substantivos, adjetivos, expressões. Essa forma hiperbólica de linguagem resulta num efeito impactante e diverso na cabeça de cada leitor. Tal qual pinturas surrealistas.

A cada linha se constrói a imagem de homem amargurado; do homem reagindo à um ambiente desagradável; do homem sofrendo a reação de suas idéias e atitudes. A amargura só faz ressaltar a lucidez de Murau. Murau não só odeia como é odiado, como sempre foi odiado, pela família.

Nas divagações interiores durante o enterro transborda niilismo e iconoclastia — traços marcantes de Bernhard —, não necessariamente nessa mesma ordem. Às vezes até ao mesmo tempo. Cada parente e amigo da família instalado na casa para o cortejo fúnebre ganha de presente uma sinfonia caótica destrinchando as vísceras das atitudes e comportamentos. Curiosa é a maneira carinhosa com que Murau trata o amante de sua mãe, o arcebispo Spadolini — “uma figura absolutamente fascinante” —, com quem praticava “exercícios espirituais”.

Em “Extinção”, Bernhard conseguiu elaborar uma obra marcante. Até mais do que “O Náufrago” (Companhia das Letras, esgotado), “Árvores abatidas” (Rocco, 168 páginas), “O sobrinho de Wittgenstein” (Rocco, 124 páginas) e “Perturbação” (Rocco, 234 páginas), todos romances publicados no Brasil.

O radicalismo de sua visão (autor e narrador) não é cego. Move. Angustia. Sufoca. Estimula. Mesmo que não sugira algo novo em substituição. “Meu relato nada mais é a não ser uma extinção”. Quando, ao final do romance, Murau se vê às voltas com a herança dos pais pensa na melhor forma de resolver o “problema” e toma uma atitude surpreendente. Um monólogo de ódio e misantropia. Um grande livro para atormentar a existência.


Bruno Garschagen
Cachoeiro de Itapemirim, 26/2/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Proibir ou não proibir? de Cassionei Niches Petry
02. A coerência de Mauricio Macri de Celso A. Uequed Pitol
03. Um mês depois de Julio Daio Borges
04. Proposta Decente? de Marilia Mota Silva
05. O turista imobiliário de Marta Barcellos


Mais Bruno Garschagen
Mais Acessadas de Bruno Garschagen em 2002
01. O romance da desilusão - 6/8/2002
02. Eu quero é rosetar - 12/2/2002
03. Niilismo e iconoclastia em Thomas Bernhard - 26/2/2002
04. Paz é conto da Carochinha - 28/5/2002
05. Chopin não viu, mas deve ter gostado - 14/5/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




PROJETO DE NIVELAMENTO
DOUGLAS APARECIDO SAKUMOTO (ORG.)
MARTINARI
(2007)
R$ 20,00



NEW PASSWORD ENGLISH 2
AMADEU MARQUES
ÁTICA
(2005)
R$ 20,00



PENSADORES
MARIO VITOR SANTOS
REALEJO
(2015)
R$ 54,90



QUESTÕES COM GABARITOS COMENTADOS
CÉSAR DE OLIVEIRA FRADE
VESTCON
(2007)
R$ 4,60



ASATRU - OS DEUSES DO TEMPO (PAGANISMO NÓRDICO / GERMÂNICO)
BRUDER
DO AUTOR
(2018)
R$ 44,91



IMMORTAL DANGER
CYNTHIA EDEN
BRAVA
(2009)
R$ 8,11



EXPRESSO TRANSIBERIANO
HEINZ G. KONSALIK
RECORD
R$ 7,90



DIE WILDEN FUSSBALL KERLE - FELIX DER WIRBELWIND
JOCHIM MASANNEK
BAUMHAUS VERLAG
(2002)
R$ 13,00



HISTÓRIA DE UMA CIDADE CONTADA POR ELA MESMA
LENY WERNECK DORNELLES
AO LIVRO TÉCNICO
(1985)
R$ 7,90



SEGREDOS DE MULHER - A DESCOBERTA DO SAGRADO FEMININO
MARIA SILVIA PACINI ORLOVAS
MADRAS
(2010)
R$ 49,90





busca | avançada
36970 visitas/dia
1,4 milhão/mês