Niilismo e iconoclastia em Thomas Bernhard | Bruno Garschagen | Digestivo Cultural

busca | avançada
100 mil/dia
2,7 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Casa do Escritor lança treinamento para incentivar a publicação de livros independentes.
>>> OBA HORTIFRUTI INAUGURA 25ª LOJA EM SÃO PAULO
>>> Bienal On-line promove studio visit com artista argentina Inés Raiteri
>>> Castelo realiza piqueniques com contemplação do pôr do sol ao ar livre
>>> A bailarina Ana Paula Oliveira dança com pássaro em videoinstalação de Eder Santos
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> A São Paulo do 'Não Pode'
>>> Humberto Werneck por Pedro Herz
>>> Raquel Cozer por Pedro Herz
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
>>> André Barcinski por Gastão Moreira
>>> Massari no Music Thunder Vision
>>> 1984 por Fabio Massari
Últimos Posts
>>> Fiel escudeiro
>>> Virtual: Conselheiro do Sertão estreia quinta, 24
>>> A lei natural da vida
>>> Sem voz, sem vez
>>> Entre viver e morrer
>>> Desnudo
>>> Perfume
>>> Maio Cultural recebe “Uma História para Elise”
>>> Ninguém merece estar num Grupo de WhatsApp
>>> Izilda e Zoroastro enfrentam o postinho de saúde
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Imperial March por Darth Vader
>>> Habemus Blog
>>> 3 de Fevereiro #digestivo10anos
>>> Autores & Ideias no Sesc-PR II
>>> Um Furto
>>> Conceitos musicais: blues, fusion, jazz, soul, R&B
>>> Raduan Nassar
>>> Cacá Diegues e os jornalistas
>>> A Casa é de Daniela Escobar
>>> A forca de cascavel — Angústia (Fuvest)
Mais Recentes
>>> Telecomunicações Modernas - Curso Básico - 2ª Edição Ampliada de Eng. Almir Wirth Lima Junior pela Book Express (2001)
>>> Barra Pesada de Octavio Ribeiro pela Codecri (1977)
>>> El conde Lucanor de D. Juan Manoel pela Ufrgs (2002)
>>> Chá da Tarde Crônicas de Lucia Sauerbronn pela Escrita Comunicação Dirigida (2005)
>>> Receitas Vegetarianas - Receitas sem Sofrimento Animal de Eduardo Anandadeva pela Cbje (2016)
>>> New English File Student´s Book Pré-intermediate de Oxenden Latham-Koenig e Seligson pela Oxford (1997)
>>> Novelas Nada Exemplares - 2ª Edição Revista de Dalton Trevisan pela Civilização Brasileira (1970)
>>> Terra, o coração ainda bate - Guia de conservação ambiental de Vários autores pela Tchê (1990)
>>> A Mão do Finado de Alexandre Dumas pela Clube do Livro (1958)
>>> Princípios e métodos de orientação educacional de José do Prado Martins pela Atlas (1987)
>>> O alibi fatal de Rex Stout pela Livros do brasil (1944)
>>> Arizona Quarterly - A journal of American Literature, Culture, and Theory de Vários autores pela University of Arizona (2013)
>>> Literatura comentada: Jorge Amado de Álvaro Cardoso Gomes e Sonia Regina R. Neves pela Nova Cultural (1990)
>>> Español sin fronteras: curso de lengua española, volume 4 de Maria de Los Á. J. García e Josephine S. Hernández pela Scipione (2007)
>>> Leituras obrigatórias UFRGS 2011 de Vários autores pela Leitura XXI (2010)
>>> Leituras obrigatórias UFRGS 2014 de Vários autores pela Leitura XXI (2013)
>>> A Maldição do Espelho de Agatha Christie pela Abril Cultural (1983)
>>> Español sin fronteras: curso de lengua española, volume 3 de Maria de Los Ángeles J. García, Josephine Sánchez Hernández pela Scipione (2002)
>>> O Retrato de Dorian Gray de Oscar Wilde pela Abril (1981)
>>> 20 Poemas de Amor e uma Canção Desesperada de Neruda pela José Olympio (1983)
>>> História - das cavernas ao Terceiro Milênio de Myriam Becho Mota; Patrícia Ramos Braick pela Moderna (1997)
>>> Panorama do mundo atual de Pierre George pela Difusão Européia do Livro (1966)
>>> Español sin fronteras: curso de lengua española, volume 2 de Maria de Los Ángeles J. García, Josephine Sánchez Hernández pela Scipione (2002)
>>> Box Cinquenta Tons De Cinza e Cinquenta tons Mais Escuros de E L James pela Intríseca (2011)
>>> História da II Guerra Mundial (1939-1945) - ano V de Edgar Mc Innis pela Globo (1956)
COLUNAS

Terça-feira, 26/2/2002
Niilismo e iconoclastia em Thomas Bernhard
Bruno Garschagen

+ de 7000 Acessos

Thomas Bernhard (1931-1989) quis demolir a sociedade austríaca pela palavra com seu “Extinção” (Companhia das Letras, 476 páginas), lançado na Bienal do Livro de São Paulo de 2001, 14 anos depois de ter sido publicado na Alemanha.

Franz-Josef Murau, uma espécie de alter-ego do escritor e narrador do romance, inseriu na mesma ode caótica a família e a sociedade de católicos nacional-socialistas da qual os “seus” faziam parte na burguesa Wolfsegg.

A misantropia de Murau atingiu todo o país, que viu ruir nas primeiras décadas do século 20 o império austro-húngaro, que sediara, e constrangeu-se pela postura conivente, para dizer o mínimo, com a escalada nazista.

O ambiente onde se passa o romance é forjado pela forma densa e ágil, por mais contraditório que possa parecer, com que Bernhard articula a sintaxe. Num só parágrafo. Um ajuste de contas com a terra natal que o romancista, poeta e dramaturgo dizia amar. Mas o ódio pela estrutura do Estado e da Igreja ele fazia questão de esclarecer: “é tão terrível que só se pode odiá-las”, vociferou numa de suas raras entrevistas cujos trechos foram republicados pela revista Bravo!.

A partir das análises sobre o irmão (“um pobre idiota”), o pai (“fraco”), a mãe e as irmãs (“repulsivas”), o narrador vai desconstruindo sua relação afetiva e destruindo vínculos. Extingue cada um dos “seus” pela palavra, como para se preservar da decadência moral e intelectual que os envolvia.

Franz-Josef Murau odeia sua família. Não só a família. Odeia a burguesia austríaca pós-Segunda Guerra Mundial de onde saiu para auto-exilar-se em Roma. Anos mais tarde, com o mínimo contato com Wolfsegg, recebe um telegrama informando da morte dos pais e irmão. Acidente de carro — causa descoberto somente quando mais tarde chega à cidade e lê num jornal espalhado na cozinha. Convocação para o enterro. Sem choque, choro ou remorso. Indiferente à morte, fez e refez as malas algumas vezes analisando o que era mais interessante: caminhar de lá para cá com Gambetti (seu jovem aluno de filosofia) no Pincio, ou ter de ir à prefeitura e ao cemitério discutir com as irmãs as formalidades do enterro.

“Tentei fazer uma idéia das conseqüências que a morte de meus pais e a morte de meu irmão acarretariam, sem chegar a uma conclusão. Mas naturalmente tinha consciência do que exigia agora de mim a morte dessas três pessoas, as mais próximas de mim ao menos no papel: toda minha energia, toda minha força de vontade”.

A impessoalidade do tratamento é uma constante. Como se a personagem olhasse os “seus” como um estrangeiro, um sociólogo: friamente, sem um ralo de emoção a embaçar os olhos ferindo a análise crua. Impera sua verdade parcial. Como único homem descendente, herdeiro total das posses dos pais, a “fonte de seu sustento e de sua ruína moral”.

Na primeira metade de “Extinção”, Murau está fechado em suas reflexões enquanto decide se vai ou não ao enterro; se encara ou não um retorno ao desprezível. O interlocutor de seus pensamentos é Gambetti. Bernhard joga com as palavras magnificamente construindo orações que nos dá idéia clara de quando ocorrem os diálogos, quando pensamentos, quando ojeriza.

Os sentimentos são representados pelo vigor verbal do romancista, ora rasteira, ora pesada, ora intrincada, ora, ora. Há repetições de substantivos, adjetivos, expressões. Essa forma hiperbólica de linguagem resulta num efeito impactante e diverso na cabeça de cada leitor. Tal qual pinturas surrealistas.

A cada linha se constrói a imagem de homem amargurado; do homem reagindo à um ambiente desagradável; do homem sofrendo a reação de suas idéias e atitudes. A amargura só faz ressaltar a lucidez de Murau. Murau não só odeia como é odiado, como sempre foi odiado, pela família.

Nas divagações interiores durante o enterro transborda niilismo e iconoclastia — traços marcantes de Bernhard —, não necessariamente nessa mesma ordem. Às vezes até ao mesmo tempo. Cada parente e amigo da família instalado na casa para o cortejo fúnebre ganha de presente uma sinfonia caótica destrinchando as vísceras das atitudes e comportamentos. Curiosa é a maneira carinhosa com que Murau trata o amante de sua mãe, o arcebispo Spadolini — “uma figura absolutamente fascinante” —, com quem praticava “exercícios espirituais”.

Em “Extinção”, Bernhard conseguiu elaborar uma obra marcante. Até mais do que “O Náufrago” (Companhia das Letras, esgotado), “Árvores abatidas” (Rocco, 168 páginas), “O sobrinho de Wittgenstein” (Rocco, 124 páginas) e “Perturbação” (Rocco, 234 páginas), todos romances publicados no Brasil.

O radicalismo de sua visão (autor e narrador) não é cego. Move. Angustia. Sufoca. Estimula. Mesmo que não sugira algo novo em substituição. “Meu relato nada mais é a não ser uma extinção”. Quando, ao final do romance, Murau se vê às voltas com a herança dos pais pensa na melhor forma de resolver o “problema” e toma uma atitude surpreendente. Um monólogo de ódio e misantropia. Um grande livro para atormentar a existência.


Bruno Garschagen
Cachoeiro de Itapemirim, 26/2/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Oswald de Andrade e o homem cordial de Celso A. Uequed Pitol
02. Fui pra Cuba de Marta Barcellos
03. Sejamos multiplicadores de Fabio Gomes
04. Margarita Paksa: Percepção e Política de Duanne Ribeiro
05. Gerald Thomas: arranhando a superfície do fundo de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Bruno Garschagen
Mais Acessadas de Bruno Garschagen em 2002
01. O romance da desilusão - 6/8/2002
02. Eu quero é rosetar - 12/2/2002
03. Niilismo e iconoclastia em Thomas Bernhard - 26/2/2002
04. Anauê - 21/5/2002
05. Paz é conto da Carochinha - 28/5/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Anti Sionismo Nova Face do Anti Semitismo
Eliyahu Biletzky
Bnai Brith
(1982)



Justiça Penal: Crimes Hediondos, Erro Em Direito Penal e Juizados
Jaques de Camargo Penteado (coordenador)
Rt
(1993)



O Indio Brasileiro - 3ª Edição
Agenor F. de Macedo, Eduardo P. C. de Vasconcellos
Ferreira de Mattos
(1935)



Monteiro Lobato Vivo
Cassiano Antunes ( Coord.)
Mpm
(1986)



Erotic Astrology - About Him For Her
Olívia
Ballantine Books
(1997)



Os Bichos do Jogo da Vida
Valdimir Piovezan
Edicon
(1987)



A Celebração na Vida Cristã
Claude Duchesneau
Paulinas
(1977)



Novo Código de Processo Civil Comparado: Cpc 73 para o Cpc 2015 E
Elpídio Donizetti (2016)
Atlas
(2016)



Biblioteca da Arte Culinária - Vol. 1
Dolores Botafogo
Maga



Los Conquistadores de Internet: Pioneros En un Nuevo Espacio Empr
Christopher Price
Prentice Hall
(2001)





busca | avançada
100 mil/dia
2,7 milhões/mês