Anauê | Bruno Garschagen | Digestivo Cultural

busca | avançada
65683 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Pauta: E-books de Suspense Grátis na Pandemia!
>>> Hugo França integra a mostra norte-americana “At The Noyes House”
>>> Sesc 24 de Maio apresenta programação de mágica para toda família
>>> Videoaulas On Demand abordam as relações do Homem com a natureza e a imagem
>>> Irene Ravache & Alma Despejada na programação online do Instituto Usiminas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I
>>> Contentamento descontente: Niketche e poligamia
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
>>> Filmes de guerra, de outro jeito
Colunistas
Últimos Posts
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> Sucharita Kodali no Fórum 2020
>>> Leitura e livros em pauta
>>> Soul Bossa Nova
>>> Andreessen Horowitz e o futuro dos Marketplaces
>>> Clair de lune, de Debussy, por Lang Lang
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Stock Pickers ao vivo na Expert 2020
Últimos Posts
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
>>> Deu branco
>>> Entre o corpo e a alma
>>> Amuleto
>>> Caracóis me mordam
>>> Nome borrado
>>> De Corpo e alma
>>> Lamentável lamento
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A convergência das mídias
>>> 4 de Setembro #digestivo10anos
>>> É Isto um Homem?, de Primo Levi
>>> Violões do Brasil
>>> Sou um de vocês
>>> A redescoberta da(s) leitura(s)
>>> A redescoberta da(s) leitura(s)
>>> 2 de Abril #digestivo10anos
>>> Eat the Rich
>>> El fin de la inocencia
Mais Recentes
>>> Espíritos entre nós de James Van Praagt pela Sextante (2010)
>>> Direito ambiental de Marcia Diegues Leuzinger e Sandra Cureau pela Elsevier (2008)
>>> O cortiço de Ivan Jaf pela Ática (2013)
>>> Improbidade Administrativa: Lei 8.429/1992 Teoria e Exercícios de Ivan Lucas de Souza Júnior pela Gran cursos (2011)
>>> Plástica. Quando? Por Quê? de Rolando Zani pela Manole (2001)
>>> Sexo tântrico : como prolongar o prazer e atingir o êxtase espiritual de Cassandra Lorius pela Ediouro (2000)
>>> Burocracia e ocupação no setor público brasileiro de José Celso Cardloso Jr pela Diálogos para o desenvolvimento (2011)
>>> O Mistério das Aranhas Verdes de Carlos Heitor Cony; Anna Lee pela Salamandra (2001)
>>> Bem do seu tamanho de Ana Maria Machado; Mariana Massarani pela Salamandra (2003)
>>> Ponte para Terabítia de Katherine Paterson pela Salamandra (2006)
>>> Slam Dunk de Takehiko Inoque pela Conrad (2006)
>>> Slam Dunk de Takehiko Inoque pela Conrad (2006)
>>> Neon Genesis Evangelion the Iron Maiden 6 de Funino Hayashi - GAINAX pela Conrad (2006)
>>> Neon Genesis Evangelion the Iron Maiden 5 de Funino Hayashi - GAINAX pela Conrad (2003)
>>> Minha vida de menina de Helena Morley pela Companhia das Letras (2020)
>>> Minha formação de Joaquim Nabuco pela 34 (2020)
>>> Mestre da Critica de Vários autores pela Topbooks (2020)
>>> Memórias para servir à História do Reino do Brasil de Luís Gonçalves dos Santos pela Senado (2020)
>>> Memórias de um Sargento de Milícias de Manuel Antônio de Almeida pela Abc (2020)
>>> A Unica Esperança de Alejandro Bullon pela Casa Publicadora Brasileira (2013)
>>> Memórias de Carlota Joaquina de Marsilio Cassotti pela Planeta (2020)
>>> Marquês de São Vicente de Eduardo Kugelmas pela 34 (2020)
>>> Machado de Assis & Joaquim Nabuco. Correspondência de Graça Aranha pela Topbooks (2020)
>>> Obra Completa de Luis De Camoes pela Nova (2020)
>>> Literatura e Sociedade de Antônio Candido pela Ouro sobre Azul (2020)
>>> O Tigre na Sombra de Lya Luft pela Record (2012)
>>> Juca Paranhos, o Barão do Rio Branco de Luís Cláudio Villafañe G. Santos pela Companhia das Letras (2020)
>>> Ingleses no Brasil de Gilberto Freyre pela UniverCidade (2020)
>>> Histórias da Gente Brasileira. República. Memórias. 1889-1950 - Volume 3 de Mary Del Priore pela Leya (2020)
>>> Histórias da gente brasileira - Império - Vol. 2 de Mary Del Priore pela Leya (2020)
>>> Histórias da gente brasileira - Colônia - Vol. 1 de Mary Del Priore pela Leya (2020)
>>> Tensoes Mundiais Volume 4 Numero 5 de Manoel Domingos Neto e Monica Dias Martins pela Observatorio das Nacionalidades (2008)
>>> História econômica do Brasil de Roberto C. Simonsen pela Senado (2020)
>>> História dos Fundadores do Império do Brasil - 7 volumes - coleção completa de Otávio Tarquínio de Sousa pela Senado (2020)
>>> História do Brasil: Uma interpretação de Mota, Carlos Guilherme and Lopez, Adriana pela 34 (2020)
>>> História do Brasil de Boris Fausto pela Edusp (2020)
>>> Historia da Vida Privada Em Portugal: Volume 1 Idade Média de Direção de José Mattoso pela Abc (2020)
>>> Historia da Vida Privada Em Portugal: OS Nossos Dias de Direção de José Mattoso pela Abc (2020)
>>> História da saúde no Brasil de Luiz Antonio Teixeira (Compilador), Tânia Salgado Pimenta (Compilador), Gilberto Hochman (Compilador) pela Hucitec (2020)
>>> História da Arte no Brasil: Textos de Síntese de Myriam Andrade Ribeiro de Oliveira, Angela Ancora da Luz, Sonia Gomes Pereira pela Ufrj (2020)
>>> Temas de Direito Constitucional Volume 1 de Luís Roberto Barroso pela Renovar (2002)
>>> História Da América Portuguesa de Sebastião Da Rocha Pita pela Senado (2020)
>>> História da Alimentação no Brasil de Luís da Câmara Cascudo pela Global (2020)
>>> No caminho de Swann. de Marcel Proust pela Globo (2003)
>>> Hipólito José da Costa de Sergio Goes de Paula pela 34 (2020)
>>> Serious Candida Infections: Risk Factors, Treatment and Prevention de John H. Rex e Françoise Meunier Editores pela Pfizer (1995)
>>> Grande Reforma Urbana Do Rio De Janeiro, A: Pereira Passos, Rodrigues Alves E As Ideias De Civilização E Progresso de Andre Nunes De Azevedo pela PUC Rio (2020)
>>> Natural Racional Social - Razão Médica e Racionalidade Científica Moderna. de Madel T. Luz pela Campus (1988)
>>> Getúlio 3 (1945-1954) de Lira Neto pela Companhia das Letras (2020)
>>> Getulio 1930-1945: Do Governo Provisorio Ao Estado Novo de Lira Neto pela Companhia das Letras (2020)
COLUNAS

Terça-feira, 21/5/2002
Anauê
Bruno Garschagen

+ de 5100 Acessos

Certamente, Plínio Salgado empinaria orgulhosamente a fronte se descobrisse como sua ideologia influenciou de forma tão profunda a pequena e sedutora Burarama, distrito de Cachoeiro de Itapemirim a 20 quilômetros do centro da cidade. Difícil prever, mas, talvez, largaria o copo de uísque por algumas horas para ler "Anauê: a apaixonante saga integralista numa colônia de imigrantes italianos (437 páginas, edição independente)", de José Marcelo Grillo, lançado recentemente.

Num grande esforço de reportagem, Grillo entrevistou dezenas de pessoas que viveram os fatos ocorridos nas décadas de 1930 a 1950. Colheu histórias reais e, na impossibilidade de fazer um romance histórico, devido ao desconforto que o assunto até hoje causa nas várias personagens vivas, algumas membros de sua família, recorreu ao romance de ficção. Alterou nomes verdadeiros, ficcionou trechos para intercalar capítulos verídicos, costurou uma linha dramática sem se prender necessariamente à realidade.

Giordano Berllone, Vitto Gardini e Giovanna Polline são os protagonistas da obra. Os dois imigrantes italianos vêem o vínculo de amizade que os unia se esfacelar pela opção político-ideológica: Berllone, o antiintegralista; Gardini, o integralista fervoroso. A jovem Giovanna entra na história como uma fagulha a triscar no pavio do coração do nem tão jovem Giordano. Só que naquela época as convenções tinham importância e a diferença de idade era um problema menor do que o fato de Giordano ser casado. A narrativa em terceira pessoa se desenvolve na ocupação pelos imigrantes de Burarama; na luta política para obter benefícios à nova terra; no contato com a doutrina forjada por Plínio Salgado; na divisão do então distrito em integralistas e não integralistas; no relacionamento com o prefeito de Cachoeiro da época Fernando Abreu (que receou perder a influência em Burarama com a ascensão do integralismo entre os italianos); nas brigas com os comunistas (há uma cena memorável de um tiroteio na antiga estação); no amor impedido entre Giordano e Giovanna; no reatamento dos antigos amigos; no pacto para tornar proibido o assunto integralismo, nunca mais exumado. Nunca, até Grillo desenterrar a história.

A versão macunaíma do facismo italiano ganhou o nome de integralismo. Forjada pelo escritor paulista Plínio Salgado, era temperada também por codimentos do nazismo alemão. Tinha por meta servir a Deus, ao Papa, a família. O lançamento oficial da Ação Integralista Brasileira como movimento político independente foi em 7 de outubro de 1932. A influência decisiva das idéias totalitárias importadas da Europa dos anos 1930 deveu-se ao clima intelectual do pós-Primeira Grande Guerra. Os ventos sopravam a favor do florescimento dos camisas-verdes. Livros e mais livros chegavam às livrarias trazendo farta literatura sobre o fascismo italiano. No Brasil, várias obras de análise da política nacional sob o viés antiliberal eram publicados, várias revistas e movimentos ideológicos ligados ao fascismo surgiam e eram aceitas como demonstração de que as idéias fascistas se alastravam em solo fértil. Até aí, os grupos simpatizantes das ideologias autoritárias estavam dispersos. A década de 1930 no Brasil se revelou um período em que posições políticas radicais ganharam consistência. Depois, membros desses clubinhos se uniriam na Ação Integralista Brasileira. Plínio Salgado nasceu em São Bento do Sapucaí (SP), em 1895. Inserido na escola modernista, forjou sua carreira de escritor. Publicou dezenas de livros, incluindo versão comentada dos Evangelhos e os romances "O Estrangeiro" e "Literatura e Política" - este, um libelo contrário às idéias liberais. Salgado carregava uma concepção espiritualista conservadora. Foi bastante influenciado pelos escritores Farias Brito (1862-1917), Jackson de Figueiredo (1891-1928) e Alberto Torres (1865-1917). Em busca do poder político, a Ação Integralista, a partir de outubro de 1932, se transformou no mais importante partido da extrema direita no Brasil daquela década. Ruiu com o Estado Novo. O golpe de Getúlio Vargas colocou o partido, assim como o Partido Comunista do Brasil (PcdoB), na ilegalidade.

Ao contrário da técnica comum em iniciar o romance de forma invertida (começando pela metade ou final da história), Grillo manteve a estrutura de começo, meio e fim. Se essa fórmula pode ser questionada por não entrar logo no tema integralismo, obriga o leitor a percorrer toda a obra diligentemente. Mas o abuso nas transcrições de jornais da época acaba interrompendo a leitura, tornando cansativo vários trechos do livro.

Grillo tinha nas mãos matéria-prima de primeira grandeza. Não lhe faltavam detalhes saborosos para um romance sensual, das disputas políticas, passando pelos conflitos ideológicos que colocaram amizades em xeque, à paixão reprimida pela moral da época, num período fundamental da história brasileira - a Era Vargas.

A literatura, entretanto, não faz concessões. Atravessar círculos de fogo e noites insones com demônios lambendo a fronte devem ser tomados antes como prazer à dolorosa experiência diante do resultado eficaz. Passou ao largo. "Anauê" é daqueles livros conjugados no futuro do pretérito. Poderia ter sido um bom romance; deveria ter sido.

"Anauê" seria uma boa obra se o autor tivesse investido na fórmula romance-reportagem, como Truman Capote em "A Sangue Frio" ou Bob Woodward e Carl Bernstein em "Os últimos dias". Livros que prescindem muito mais da minuciosa coleta e escrita fluida e coerente do que da interferência mágica do escritor, exigência da ficção. E quando temos conjugados esses fatores, nos deparamos com obras de fôlego como, além das já citadas, "Olga" e "Chatô", de Fernando Morais, "O anjo pornográfico" e a "Estrela solitária", de Ruy Castro, para ficar em algumas do escrete canarinho.

A comparação é prejudicada pelas diferenças de estilo, mas o texto de José Marcelo Grillo está mais maduro, se comparado com "Contos da Ema" (120 páginas, independente, 2000) e "Espelho meu" (122 páginas, independente, 1998), ambos de crônica. Ao enveredar pelo romance, entretanto, o autor assumiu os riscos de quem se lança na literatura: ou se escreve bem ou o resultado nos deixa com a sensação de que falta algo. E falta a Grillo o vigor verbal que dá vida e força ao texto - vigor que, se o escritor tem talento, só o tempo e a prática trará. Sua escrita escorreita, mas sem impacto. Espera-se em vão um verbo, uma elipse, um adjetivo, uma metáfora, uma imagem, uma frase, que não vêm.

Um equívoco estético foi a formatação da capa. Trata-se de uma modelo loira, cabelo ao vento, num uniforme integralista. Uma bela moça, mas a pose, o perfil, serviria para propaganda de xampu, sabonete ou até de leite de magnésia. Não para ilustrar a obra. Com um arquivo de fotos da época à disposição (inclusive do único núcleo integralista construído no País), Grillo preferiu colocar algo que chamasse a atenção do leitor. Acreditou que um rosto bonito fosse atrair leitores. Incorreu na mesma fragilidade de design que amaldiçoa 99,99% dos livros editados no Espírito Santo.

Apesar da falhas, "Anauê" é um trabalho íntegro do esforçado José Marcelo Grillo. Um escritor que tenta encontrar sua literatura publicando edições de seus livros com apoio de empresas locais, graças a uma lei municipal que permite o patrocínio da obra com dedução de Imposto Sobre Serviços e do Imposto Predial e Territorial Urbano. De sua minúscula Burarama, se mantém como abnegado construtor de um sonho, nem sempre realizável, que se organiza nas letras impressas de um papel em branco.


Bruno Garschagen
Cachoeiro de Itapemirim, 21/5/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Algo de sublime numa cabeça pendida entre letras de Elisa Andrade Buzzo
02. A falta que Tom Wolfe fará de Rafael Lima
03. Os Doze Trabalhos de Mónika. 1. À Beira do Abismo de Heloisa Pait
04. Viagem a 1968: Tropeços e Desventuras (3) de Marilia Mota Silva
05. Daumier, um caricaturista contra o poder de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Bruno Garschagen
Mais Acessadas de Bruno Garschagen em 2002
01. O romance da desilusão - 6/8/2002
02. Eu quero é rosetar - 12/2/2002
03. Niilismo e iconoclastia em Thomas Bernhard - 26/2/2002
04. Paz é conto da Carochinha - 28/5/2002
05. Anauê - 21/5/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




MODERNIZAÇÃO REFLEXIVA - POLÍTICA, TRADIÇÃO E ESTÉTICA ... - 2ª EDIÇÃO
ANTHONY GIDDENS & SCOTT LASH & ULRICH BECK
UNESP
(2012)
R$ 48,95



OS ANOS VERTIGINOSOS
PHILIPP BLOM
RECORD
(2015)
R$ 59,00



TUDO O QUE VOCÊ QUERIA SABER SOBRE SEXO; MAS TINHA MEDO DE PERGUNTAR
DR. DAVID REUBEN
CÍRCULO DO LIVRO
(1975)
R$ 5,00



PICCOLO LESSICO DEL MUSICISTA
AMINTORE GALLI
EDIZIONI RICORDI
R$ 29,39



O PRIMO BASÍLIO
EÇA DE QUEIRÓS
MARTIN CLARET
(2004)
R$ 6,00



O SEGREDO QUE MUDOU NOSSAS VIDAS
JOSÉ MENDONÇA DE ARAÚJO FILHO
CRIATUS
(2016)
R$ 15,00



MEU QUERIDO CANALHA
RUY CASTRO/CARLOS HEITOR CONY/ALDIR BLANC E OUTROS
OBJETIVA
(2004)
R$ 8,90



SER PROTAGONISTA - QUIMICA VOL2 - ENSINO MEDIO - 2º ANO
SM EDICOES
SM
R$ 36,00



GLOBALIZAÇÃO E FÉ
CARLOS VALERO TRADUTOR
EDUSC
(2000)
R$ 7,00



O DEVIDO PROCESSO LEGAL TRIBUTÁRIO
ALBERTO NOGUEIRA
RENOVAR
(1995)
R$ 27,28





busca | avançada
65683 visitas/dia
2,2 milhões/mês