As cidades virtuais de Calvino | Tais Laporta | Digestivo Cultural

busca | avançada
68231 visitas/dia
2,5 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Experiência Quase Morte é o tema do Canal Angelini
>>> 20 anos de Bicho de Sete Cabeças: Laís Bodanzky, Rodrigo Santoro e Gullane se reúnem em bate-papo
>>> Arquivivências: literatura e pandemia
>>> Festival Mia Cara promove concurso culinário “Receitas da Nonna”
>>> Joelmir Beting – O jornalista de economia mais influente da história do Brasil
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Em um tempo, sem tempo
>>> Eu, tu e eles
>>> Mãos que colhem
>>> Cia. ODU conclui apresentações de Geração#
>>> Geração#: reapresentação será neste sábado, 24
>>> Geração# terá estreia no feriado de 21 de abril
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
>>> Curtíssimas: mostra virtual estreia sexta, 16.
>>> Estreia: Geração# terá sessões virtuais gratuitas
>>> Gota d'agua
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Influências da década de 1980
>>> 20 de Dezembro #digestivo10anos
>>> Poesia e Guerra: mundo sitiado (parte II)
>>> Notas Obsoletas sobre os Protestos
>>> Uma norma para acabar com os quadrinhos nacionais?
>>> Pode guerrear no meu território
>>> Aconselhamentos aos casais ― módulo II
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Na CDHU, o coração das trevas
>>> A Vida e o Veneno de Wilson Simonal, por Ricardo Alexandre
Mais Recentes
>>> Forever Young - photographs of Bob Dylan de Douglas R Gilbert pela Da Capo (2005)
>>> Sacerdotes seguindo Cristo - no caminho das Bem-Aventuranças de Dom alberto taveira corrêa pela Sementes do Verbo (2021)
>>> A grande arte de Rubem Fonseca pela Círculo do Livro
>>> A Bíblia do otimismo 1991 de R. Stanganelli pela Triade (2021)
>>> Umbigo sem fundo de Dash Shaw pela Quadrinhos na Cia (2009)
>>> Te-sendo Fios de Conhecimento de Aglael L. Borges pela Uape (2005)
>>> São Miguel da Humanidade: uma proposta antropológica de Luiz Carlos Barbosa Lessa pela Alcance (2005)
>>> Memorias de uma Moça Bem-comportada de Simone de Beauvoir pela Difusão européia (1959)
>>> Imperialismo na América Latina de Octavio Ianni pela Civilização Brasileira (1974)
>>> O que todo cidadão precisa saber sobre mercado financeiro de Carlos Eduardo Carvalho pela Global (1985)
>>> Raul da Ferrugem Azul de Ana Maria Machado pela Salamandra (2013)
>>> Os velhos marinheiros ou O capitão de longo curso de Jorge Amado pela Record (1978)
>>> Pawana de J M G le Clézio pela Cosac Naify (2009)
>>> O Marujo Figurante de Marcelo Lisboa Ferilles pela Autoral (2014)
>>> No Cais do Primeiro Amor de Roseana Murray pela Larousse Jovem (2007)
>>> Brasil Potência de Vários Autores pela Unidas (1967)
>>> Fim de Partida de Samuel Beckett pela Cosac & Naify (2010)
>>> O Clube do Suicídio e Outras Histórias de Henry James; Vladimir Nabokov pela Cosac & Naify (2011)
>>> Relatos de um gato viajante de Hiro Arikawa pela Alfaguara (2017)
>>> A Gaivota de Anton Tchekhov pela Cosac & Naify (2014)
>>> Mas Afinal... o Que é Mesmo Documentário? de Fernão Pessoa Ramos pela Senac Sp (2008)
>>> A Colônia do Medo de Thiago Fernandes pela Leitura (2007)
>>> Cristianismo de Libertação Espiritualismo e Luta Social de Jung Mo Sung pela Paulus (2008)
>>> Pais e Filhos de Ivan Turguêniev; Rubens Figueiredo pela Cosac & Naify (2004)
>>> Três Filosofias de Vida de Peter Kreeft pela Quadrante (2015)
COLUNAS

Quarta-feira, 25/4/2007
As cidades virtuais de Calvino
Tais Laporta

+ de 3000 Acessos

Viajar sem sair do lugar. Só livros excepcionais permitiam esse luxo antes da internet. Quando a Web não percorria quilômetros em segundos, alguns escritores já haviam eliminado o espaço físico da literatura. Ítalo Calvino (1923-1985), em As cidades invisíveis (Companhia das Letras, 1990, 150 págs.), foi um desses desbravadores. Impossível ignorar seu faro virtual, aguçado antes mesmo do ciberespaço tomar forma.

Calvino só podia ter algo de latino nas veias. Isso explica como um cubano de sangue - mas italiano de vivência - bebia de Jorge Luís Borges e Julio Cortázar, grandes expoentes do realismo mágico. A arte de Calvino, no entanto, está mais perto de um "realismo imaginário". Em 1972, seus leitores conheceram Marco Polo, o mercador de Veneza mais viajado do mundo. Descrevia os passeios a vastas terras ao imperador Kublai Khan. Este, frustrado por não conhecer toda a extensão de seu próprio reino, contentava-se em imaginá-lo através de Marco Polo. Nasce, daí, um diálogo profundo entre o ouvinte e o contador de histórias. Qualquer semelhança com As mil e uma noites é, certamente, proposital.

As 55 cidades que Calvino descreve em As cidades invisíveis lembram o terreno inesgotável da internet. Embora a analogia pareça ingênua, as terras descritas excluem qualquer lógica do espaço material. Permitem, no entanto, possibilidades infinitas. Explico: uma cidade inteiramente feita do passado. Tudo nela é memória. Portanto, nada é, apenas foi. Podemos dizer que Calvino antecipou, sem saber, a lógica virtual na literatura. Nas suas cidades, qualquer coisa é possível: casas suspensas no ar, cópias perfeitas do cotidiano no subsolo, prédios feitos só de palavras, outros só de gestos. As possibilidades são inesgotáveis.

Mas como Calvino descreveu um mundo físico com conceitos totalmente simbólicos? Cada cidade é uma metáfora? Será que em As cidades invisíveis tudo o que fez foi apresentar o real através de conceitos abstratos? Seja como for - cada leitor costuma ter uma impressão diferente - ninguém pode negar que para entrar nas terras de Marco Polo é preciso destruir a linearidade de tempo e espaço. Não há limites entre as cidades: podem estar a distâncias infinitas, entrelaçadas ou essas duas coisas.

O livro não deve ser lido de forma convencional. Embora haja uma história, é preciso abandonar a expectativa de continuidade. Não importa o antes e o depois. O leitor pode começar por qualquer página, em qualquer ordem, de trás para frente. Portanto, o ideal é consumir cada capítulo separadamente - não como em um Gotas de sabedoria, mas com atenção especial - embora todos formem um conjunto harmonioso. Permitem qualquer combinação sem perder o sentido.

Calvino brinca com o terreno das possibilidades, e mostra que, de tão limitada que é a percepção humana, quanto mais se imagina, mais se descobre o quanto falta imaginar. Nesse sentido, traça um paralelo com a biblioteca de Babel, de Borges, que incluía todos os livros já escritos e os que nunca foram, mas poderiam ser, de todas as formas: "Não posso calcular certos caracteres (...) que a divina Biblioteca não tenha previsto e que nalguma de suas línguas secretas não contenham um terrível sentido". Nada no real chega mais perto disso do que a internet.

Na literatura calvinista, os sentidos não encontram território sem os símbolos. A descrição das cidades, também, é extra-sensorial - e nada tem a ver com o misticismo. "A fluidez de um mundo que se constitui através da audição, do odor, do paladar e de um olhar que não é o ver, mas o emergir na coisa", aponta Adair Neitzel em tese de doutorado da UFSC. Cassiano Elek Machado, em artigo na Folha de São Paulo, definiu que As cidades invisíveis encontra sentido na ausência. "Seria um livro para ser lido naquilo que nele não está escrito. Pelo frio se entenderia o calor, pelo barulho, o silêncio, a saudade seria o atalho do amor", analisa.

A melhor forma de percorrer as cidades não é com os olhos, porque elas não podem ser vistas senão de forma abstrata. "A travessia é interior", analisa Neitzel. E reflete: "Como num delírio, a lógica é rompida pelo discurso fantástico que extrapola a rede de significações e representações dos signos renovando e subvertendo os fatos reais, abandonando a consciência e explorando o inconsciente, os tempos e espaços livres."

Embora invisíveis, as cidades de Marco Polo não podem ser chamadas de irreais ou impossíveis. A justificativa é simples: o que pode ser imaginado existe, ainda que como uma representação. Mas as cidades calvinistas também não se encaixam como mera fantasia. Vão além do mágico, porque são mundos alternativos. Possíveis - até que alguém prove o contrário. Bem que poderiam existir num Second Life. Por que não? A narrativa é cheia de incógnitas e pistas, mas é acessível. Portanto, um labirinto aconchegante.

Não é sem motivos que Calvino afirmou ter reunido todas suas reflexões em um único livro. As cidades invisíveis seria a obra em que teria dito mais coisas. Embora sua literatura seja um exercício que leva a caminhos inexplorados, leva, ao mesmo tempo, a sensações familiares. É como se já tivéssemos passado por aquelas cidades - se não por elas, por lugares muito parecidos e tão loucos quanto - seja em sonhos ou em delírios. É como se não fossemos apenas apresentados às terras de Marco Polo, mas resgatássemos todas da própria memória.

De tão inverossímeis, algumas cidades assustam. É o caso de Trude. "Se ao aterrisar em Trude eu não tivesse lido o nome da cidade escrito num grande letreiro, pensaria ter chegado no mesmo aeroporto de onde havia partido". Já Cloé não parece estranha: "(...) as pessoas que passam pelas ruas não se reconhecem. Quando se vêem, imaginam mil coisas a respeito umas das outras, os encontros que poderiam ocorrer entre elas, as conversas, as surpresas, as carícias, as mordidas. Mas ninguém se cumprimenta, os olhares se cruzam por um segundo e depois se desviam, procuram outros olhares, não se fixam."

O livro pode ser lido dezenas de vezes, sem cansar. Sempre surtirá um efeito diferente. A cada releitura, descobre-se novos ângulos. As cidades de Calvino são como o homem: mudam o tempo todo. Até o livro, na releitura, parece ser outro - em constante transformação. Heráclito, o filósofo que acreditava ser impossível entrar duas vezes no mesmo rio, ficaria fascinado com a obra de Calvino.

Para ir além






Tais Laporta
São Paulo, 25/4/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Eleições nos Estados Unidos de Marilia Mota Silva
02. Proust, rugas e colesterol de Wellington Machado
03. Contos Gauchescos chega ao cinema de Marcelo Spalding
04. O Google e o negócio da China de Nemo Nox


Mais Tais Laporta
Mais Acessadas de Tais Laporta em 2007
01. 10 livros de jornalismo - 20/6/2007
02. O engano do homem que matou Lennon - 16/11/2007
03. Qual é O Segredo? - 18/7/2007
04. Gleiser, o cientista pop - 24/1/2007
05. O melhor das revistas na era da internet - 10/1/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Nutrição Em Saúde Pública
José Augusto Taddei
Rubio
(2011)



Cândido Ou o Otimismo
Voltaire
Clássicos Econômicos Newton
(1996)



O Roubo dos Botões Iônicos - 1ª Edição
Wilson Rocha
Moderna
(1993)



Apolo 13 - Como Estes Homens Escaparam da Morte
Manchete, Nº 941 de 2 de Maio de 1970
Bloch
(1970)



Manual de Instruções para Cegos
Marcus Vinicius
7 Letras Funalfa



Muralhas de Saudades
Otávio Galvão Vilela
L. Oren
(1977)



Los Tratados de Espinosa - La Imposible Teologia del Bugues
Universidad de Murcia
Universidad de Murcia
(2006)



O Quimo nos Concursos - Pediatria Neonatologia
Mario Novais e Outros
Águia Dourada
(2005)



Os Escravos
Castro Alves
Komedi
(2011)



Entendendo e Dominando o Hardware
Ivan Max Freire de Lacerda
Digerati
(2007)





busca | avançada
68231 visitas/dia
2,5 milhões/mês