As cidades virtuais de Calvino | Tais Laporta | Digestivo Cultural

busca | avançada
51300 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quarta-feira, 25/4/2007
As cidades virtuais de Calvino
Tais Laporta

+ de 2800 Acessos

Viajar sem sair do lugar. Só livros excepcionais permitiam esse luxo antes da internet. Quando a Web não percorria quilômetros em segundos, alguns escritores já haviam eliminado o espaço físico da literatura. Ítalo Calvino (1923-1985), em As cidades invisíveis (Companhia das Letras, 1990, 150 págs.), foi um desses desbravadores. Impossível ignorar seu faro virtual, aguçado antes mesmo do ciberespaço tomar forma.

Calvino só podia ter algo de latino nas veias. Isso explica como um cubano de sangue - mas italiano de vivência - bebia de Jorge Luís Borges e Julio Cortázar, grandes expoentes do realismo mágico. A arte de Calvino, no entanto, está mais perto de um "realismo imaginário". Em 1972, seus leitores conheceram Marco Polo, o mercador de Veneza mais viajado do mundo. Descrevia os passeios a vastas terras ao imperador Kublai Khan. Este, frustrado por não conhecer toda a extensão de seu próprio reino, contentava-se em imaginá-lo através de Marco Polo. Nasce, daí, um diálogo profundo entre o ouvinte e o contador de histórias. Qualquer semelhança com As mil e uma noites é, certamente, proposital.

As 55 cidades que Calvino descreve em As cidades invisíveis lembram o terreno inesgotável da internet. Embora a analogia pareça ingênua, as terras descritas excluem qualquer lógica do espaço material. Permitem, no entanto, possibilidades infinitas. Explico: uma cidade inteiramente feita do passado. Tudo nela é memória. Portanto, nada é, apenas foi. Podemos dizer que Calvino antecipou, sem saber, a lógica virtual na literatura. Nas suas cidades, qualquer coisa é possível: casas suspensas no ar, cópias perfeitas do cotidiano no subsolo, prédios feitos só de palavras, outros só de gestos. As possibilidades são inesgotáveis.

Mas como Calvino descreveu um mundo físico com conceitos totalmente simbólicos? Cada cidade é uma metáfora? Será que em As cidades invisíveis tudo o que fez foi apresentar o real através de conceitos abstratos? Seja como for - cada leitor costuma ter uma impressão diferente - ninguém pode negar que para entrar nas terras de Marco Polo é preciso destruir a linearidade de tempo e espaço. Não há limites entre as cidades: podem estar a distâncias infinitas, entrelaçadas ou essas duas coisas.

O livro não deve ser lido de forma convencional. Embora haja uma história, é preciso abandonar a expectativa de continuidade. Não importa o antes e o depois. O leitor pode começar por qualquer página, em qualquer ordem, de trás para frente. Portanto, o ideal é consumir cada capítulo separadamente - não como em um Gotas de sabedoria, mas com atenção especial - embora todos formem um conjunto harmonioso. Permitem qualquer combinação sem perder o sentido.

Calvino brinca com o terreno das possibilidades, e mostra que, de tão limitada que é a percepção humana, quanto mais se imagina, mais se descobre o quanto falta imaginar. Nesse sentido, traça um paralelo com a biblioteca de Babel, de Borges, que incluía todos os livros já escritos e os que nunca foram, mas poderiam ser, de todas as formas: "Não posso calcular certos caracteres (...) que a divina Biblioteca não tenha previsto e que nalguma de suas línguas secretas não contenham um terrível sentido". Nada no real chega mais perto disso do que a internet.

Na literatura calvinista, os sentidos não encontram território sem os símbolos. A descrição das cidades, também, é extra-sensorial - e nada tem a ver com o misticismo. "A fluidez de um mundo que se constitui através da audição, do odor, do paladar e de um olhar que não é o ver, mas o emergir na coisa", aponta Adair Neitzel em tese de doutorado da UFSC. Cassiano Elek Machado, em artigo na Folha de São Paulo, definiu que As cidades invisíveis encontra sentido na ausência. "Seria um livro para ser lido naquilo que nele não está escrito. Pelo frio se entenderia o calor, pelo barulho, o silêncio, a saudade seria o atalho do amor", analisa.

A melhor forma de percorrer as cidades não é com os olhos, porque elas não podem ser vistas senão de forma abstrata. "A travessia é interior", analisa Neitzel. E reflete: "Como num delírio, a lógica é rompida pelo discurso fantástico que extrapola a rede de significações e representações dos signos renovando e subvertendo os fatos reais, abandonando a consciência e explorando o inconsciente, os tempos e espaços livres."

Embora invisíveis, as cidades de Marco Polo não podem ser chamadas de irreais ou impossíveis. A justificativa é simples: o que pode ser imaginado existe, ainda que como uma representação. Mas as cidades calvinistas também não se encaixam como mera fantasia. Vão além do mágico, porque são mundos alternativos. Possíveis - até que alguém prove o contrário. Bem que poderiam existir num Second Life. Por que não? A narrativa é cheia de incógnitas e pistas, mas é acessível. Portanto, um labirinto aconchegante.

Não é sem motivos que Calvino afirmou ter reunido todas suas reflexões em um único livro. As cidades invisíveis seria a obra em que teria dito mais coisas. Embora sua literatura seja um exercício que leva a caminhos inexplorados, leva, ao mesmo tempo, a sensações familiares. É como se já tivéssemos passado por aquelas cidades - se não por elas, por lugares muito parecidos e tão loucos quanto - seja em sonhos ou em delírios. É como se não fossemos apenas apresentados às terras de Marco Polo, mas resgatássemos todas da própria memória.

De tão inverossímeis, algumas cidades assustam. É o caso de Trude. "Se ao aterrisar em Trude eu não tivesse lido o nome da cidade escrito num grande letreiro, pensaria ter chegado no mesmo aeroporto de onde havia partido". Já Cloé não parece estranha: "(...) as pessoas que passam pelas ruas não se reconhecem. Quando se vêem, imaginam mil coisas a respeito umas das outras, os encontros que poderiam ocorrer entre elas, as conversas, as surpresas, as carícias, as mordidas. Mas ninguém se cumprimenta, os olhares se cruzam por um segundo e depois se desviam, procuram outros olhares, não se fixam."

O livro pode ser lido dezenas de vezes, sem cansar. Sempre surtirá um efeito diferente. A cada releitura, descobre-se novos ângulos. As cidades de Calvino são como o homem: mudam o tempo todo. Até o livro, na releitura, parece ser outro - em constante transformação. Heráclito, o filósofo que acreditava ser impossível entrar duas vezes no mesmo rio, ficaria fascinado com a obra de Calvino.

Para ir além






Tais Laporta
São Paulo, 25/4/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Minha finada TV analógica de Elisa Andrade Buzzo
02. Wanda Louca Liberal de Marta Barcellos
03. Humor x Desamparo de Carla Ceres
04. Antes que o amor seja apenas uma trégua de Ana Elisa Ribeiro
05. Expressar é libertar de Paula Ignacio


Mais Tais Laporta
Mais Acessadas de Tais Laporta em 2007
01. 10 livros de jornalismo - 20/6/2007
02. O engano do homem que matou Lennon - 16/11/2007
03. Qual é O Segredo? - 18/7/2007
04. Gleiser, o cientista pop - 24/1/2007
05. O melhor das revistas na era da internet - 10/1/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




BORBOLETAS NA ALMA
DRÁUZIO VARELA
COMPANHIA DAS LETRAS
(2006)
R$ 10,00



APRENDA A FALAR BEM E IMPULSIONE SUA CARREIRA - COL. SUCESSO PESSOAL
JOHN W. OSBORNE
KLICK
(1996)
R$ 7,00



O SEGREDO DA AMIZADE
WAGNER COSTA
MODERNA
(2006)
R$ 18,00



IMAGES OF FRIDA KAHLO PAPERBACK
IMAGES OF FRIDA KAHLO PAPERBACK
REDSTONE PRESS
(1989)
R$ 195,00
+ frete grátis



FALA AMENDOEIRA
CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE
JOSE OLYMPIO
(1973)
R$ 6,90



EL ZAPATO SUCIO (TEATRO CUBANO) - EM ESPANHOL
AMADO DEL PINO
EDICIONES ALARCOS
(2002)
R$ 14,00



REGIME JURÍDICO DOS SERVIDORES FEDERAIS - LEI Nº 8. 112/90
CARLOS EDUARDO GUERRA
CAMPUS
(2007)
R$ 17,50



DE LETRA EM LETRA
BARTOLOMEU CAMPOS DE QUEIROS
MODERNA
(2008)
R$ 15,00



EPISTEMOLOGIA DAS CIÊNCIAS SOCIAIS
VÁRIOS.MARILENA CHAUÍ, OCTAVIO IANNI ENTRE OUTROS.
EDUC
(1984)
R$ 5,00



TERAPIA FISICA
LUIGI DEVOTO
UMBERTO GRIONI
(1925)
R$ 49,00





busca | avançada
51300 visitas/dia
1,8 milhão/mês