O melhor das revistas na era da internet | Tais Laporta | Digestivo Cultural

busca | avançada
61604 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Centro em Concerto - Palestras
>>> Crônicas do Não Tempo – lançamento de livro sobre jovem que vê o passado ao tocar nos objetos
>>> 10º FRAPA divulga primeiras atrações
>>> Concerto cênico Realejo de vida e morte, de Jocy de Oliveira, estreia no teatro do Sesc Pompeia
>>> Seminário Trajetórias do Ambientalismo Brasileiro, parceria entre Sesc e Unifesp, no Sesc Belenzinho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
Colunistas
Últimos Posts
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
Últimos Posts
>>> Melhores filme da semana em Cartaz no Cinema
>>> Casa ou Hotel: Entenda qual a melhor opção
>>> A lantejoula
>>> Armas da Primeira Guerra Mundial.
>>> Você está em um loop e não pode escapar
>>> O Apocalipse segundo Seu Tião
>>> A vida depende do ambiente, o ambiente depende de
>>> Para não dizer que eu não disse
>>> Espírito criança
>>> Poeta é aquele que cala
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Precioso Livro da Miriam
>>> Perfil (& Entrevista)
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Aconselhamentos aos casais ― módulo I
>>> Violões do Brasil
>>> Heróis improváveis telefonam...
>>> A esquerda nunca foi popular no Brasil
>>> Na minha opinião...
>>> Amores & Arte de Amar, de Ovídio
>>> VOCÊS
Mais Recentes
>>> Palavras de Sempre de Helen Exley pela Eko
>>> Emprego de a a Z de Max Gehringer pela Globo (2008)
>>> A Agressão Humana de Anthony Storr pela Zahar (1976)
>>> Um Homem Chamado Luís de Roberto Brunelli pela Loyola
>>> Gerenciamento de Pessoas Em Projetos de Varios Autores pela Fgv (2010)
>>> Walking Dead, the - Rise of the Governor de Robert Kirkman pela St Martins Press (2011)
>>> Turma da Mônica Jovem - Número 22 de Mauricio de Sousa pela Panini / Planet Manga (2010)
>>> Blender 2. 6 Conception, Rendu et Animation de Décors et Scènes... de Matthieu Dupont de Dinechin pela Eyrolles (2012)
>>> Biologia para um Planeta Sustentável - Caderno de Revisão de Armênio Uzunian pela Harbra (2016)
>>> Periodontia - 3ª Edição Revista e Ampliada de Herbert F. Wolf; Edith M.; Klaus H. Rateitschak pela Artmed (2006)
>>> Cruzando Continentes de Richard Amante pela Pasavento (2017)
>>> Olhos de Espanto de Nina Schilkowsky pela Jaguatirica (2015)
>>> Marketing de Varejo de Eliane de Castro; Mauro Pacanowski e Outros pela Fgv Ed. (2008)
>>> Aforismos para a Sabedoria de Vida de Arthur Schopenhauer pela L&pm Pocket (2021)
>>> Madame Bovary de Gustave Flaubert pela Publifoha
>>> Musashi: o Livro dos Cinco Anéis (em Portuguese do Brasil) de Miyamoto Musashi pela Novo Seculo (2017)
>>> Lern-und Arbeitsbuch Entwicklungs-politik de Franz Nuscheler pela J. h. w dietz (1991)
>>> Blender 2. 5 Lighting and Rendering de Aaron W. Powell pela Packt (2010)
>>> A Vida Não Tem Preço de Eduardo Marafanti pela Libratrês (2006)
>>> Mediunidade Seus Aspectos Desenvolvimento e Utilização de Edgard Armond pela Aliança (1999)
>>> A Caçada de Steve Barlow; Steve Skidmore pela Rocco (2007)
>>> O Pequeno Príncipe (edição de Bolso) de Antoine de Saint-exupéry pela Caminho Suave / Edipro (2018)
>>> Bandeira do Divino de Edson Ubaldo pela Ed. do Escritor (1977)
>>> Previdência Complementar de Adacir Reis e Outros pela Rt (2017)
>>> Marcuse Em Quadrinhos de Nick Thorkelson; Angela Davis - Prefácio pela Veneta (2020)
COLUNAS >>> Especial Melhores de 2006

Quarta-feira, 10/1/2007
O melhor das revistas na era da internet
Tais Laporta

+ de 6900 Acessos
+ 2 Comentário(s)

O princípio da ação e reação conseguiu impulsionar o mercado de revistas (impressas) em 2006. Um verdadeiro movimento em cadeia - como pede a terceira lei de Newton - provou que a imprensa está disposta a figurar ao lado da web, ao invés de perecer por causa dela. Para garantir o sustento dos jornaleiros, precisou fazer as pazes com a revolução virtual. Capas finalmente cederam ao reinado dos iPods, da tecnologia P2P e do YouTube. Hoje, revista que se preza não insiste em dizer que é auto-suficiente, sob a pena de ficar sem leitores. Hospeda seu site em grandes servidores. Se não tem um, trata logo de criar. Exagero ou não, a estratégia funciona.

Embora boa parte das publicações seja efêmera, o mercado registrou poucas mortes e muitos nascimentos de revistas em 2006. Cerca de dois mil títulos aparecem mensalmente nos 30 mil pontos de venda espalhados pelo Brasil. Os dados são da Associação Nacional das Editoras de Revistas (Aner), com uma observação: aparecem porque vendem. As revistas customizadas - que crescem como compras de Natal - impulsionam essa tendência. São tão segmentadas que lançam o desafio de se imaginar uma área que ainda não tenha sua publicação específica. O vendedor de anéis, brincos e colares de luxo lê revistas sobre sua atividade. Da mesma forma, a socialite pode comprar uma revista sobre anéis, outra sobre brincos, e outra que fale de colares. Pode também ler um periódico sobre todo tipo de adereços, inclusive braceletes e tornozeleiras.

Mas a ultra-segmentação é só uma das reinvenções do mercado editorial. Para compensar a perda de leitores para a Internet, o apelo visual foi a grande aposta das revistas (e também dos livros). O "produto" das editoras prioriza o marketing da embalagem. Coisa que muitos sites de conteúdo se dão ao luxo de dispensar. Capas fluorescentes, títulos atrativos e imagens desesperadamente estéticas brigam pela atenção do potencial comprador - ou seria leitor? - que dobra a esquina na hora do almoço. Quanto mais ele insiste em trocar o papel pelas telas, maior o desespero das editoras. Assim, o mercado colocou o design gráfico e a imprensa como amigos inseparáveis. E fez das bancas de jornal verdadeiras butiques carnavalescas.

Num sono hipnótico, acabamos sempre lá. Mas o que um emaranhado de letras saltitantes pode oferecer que a internet não possa, gratuitamente? Com razão, alguém dirá que o papel é insubstituível. As revistas nunca foram tão apalpáveis, um convite irrecusável ao tato. Trazem altos-relevos de camurça e texturas que saltam das órbitas editoriais, de modo que o toque passa a ter valor agregado. Também tamanhos e pesos parecem tão essenciais para a identidade da revista quanto seu conteúdo. Algumas publicações até exalam perfumes adocicados. Dessa forma, os atrativos sensoriais garantem, muitas vezes, a venda de "produtos" nem sempre tão interessantes quanto sua embalagem.

Em 2006, o mercado disparou algumas "capas-anúncios" indiscutivelmente interessantes, mas com miolos medíocres. Instigaram a curiosidade, mas não a saciaram como prometiam, ao contrário da internet, que surpreendeu antes de criar expectativas pretensiosas. As revistas entenderam que os rankings vendem bem. Anuários destacam as melhores empresas e os melhores produtos. Os mensais e semanais se especializaram em criar fórmulas prontas. Depois das frases de efeito, agora são os números: 10 lições para ficar rico; 50 segredos para um bronzeado perfeito; 101 dálmatas. Raramente o leitor coloca em xeque os critérios para essa seleção. Em outubro, a Veja São Paulo convocou seu júri - amigos e conhecidos dos editores - para eleger as 30 mulheres mais belas da capital paulista. Todas ricas, bem-sucedidas e populares. E nem sempre tão belas assim.

Destaques do ano
Mas, como colunista deste Especial, agora é minha vez de destacar os acertos e tropeços do mercado de revistas em 2006. Não é uma lista incontestável, muito menos um ranking. É bem possível que cometa belas injustiças ao não mencionar algum título. Por isso, como mera observadora, vou me ater aos lançamentos, fechamentos e atitudes das revistas que chamaram a atenção em 2006.

Nascimentos

* Rolling Stone - Dirigida à juventude "cabeça", porém descolada, a versão brasileira da publicação surgiu com pompa e belos anúncios em outubro. Música, estilo e atitude - três vertentes que se confundem há três gerações - norteiam as pautas da revista. O projeto anterior, viabilizado nos anos 70 pelas mãos de Luiz Carlos Maciel, durou pouco mais de um ano. Na estréia de 2006, trouxe Gisele Bündchen na capa como a "maior popstar do Brasil". O Digestivo lamentou que a publicação não tivesse destacado algum ícone brasileiro da música. Mas em razão de boas matérias no miolo, a Rolling Stone foi perdoada temporariamente. Agora, no terceiro número, a estrela é também a musa do Faustão e das micaretas, Ivete Sangalo. O rumo que a revista vai tomar em 2007 deixa dúvidas no ar.

* Piauí - Foi anunciada com boas promessas. Nomes de peso assinam na capa e indícios de jornalismo literário ocupam longas páginas como não se via há tempos. Embora não assuma um desprezo pelo visual, Piauí privilegia o texto em detrimento de um projeto gráfico sofisticado. Talvez uma revista toda ilustrada por titãs, como Millôr Fernandes, se baste dessa forma. Financiada pelo documentarista João Moreira Salles e dirigida por Mário Sérgio Conti, quer atingir os amantes do texto bem trabalhado. "Nossa idéia é apenas ocupar um nicho que até agora estava vago. Nossas pretensões são relativamente simples: queremos fazer uma revista perene, que seja divertida e que revele coisas curiosas, importantes, fúteis, boas e ruins sobre o Brasil", revelou Salles em entrevista ao Digestivo.

* Raiz - No começo do ano, surgiu o primeiro número de uma revista cultural bonita, grande e bem feita. Raiz nasceu sem raízes. Leva no bojo, até agora, textos aprofundados e belas imagens. Até poderia assustar a Bravo! se não fosse uma diferença editorial: se limita à cultura popular brasileira, suas raízes e manifestações anônimas. Ignora os fenômenos de mídia. Os de massa, como carnaval e futebol, leva no tom analítico. Se mantém com um tempo de vida considerável se comparada a títulos efêmeros no mercado.

Mortes

* Primeira Leitura - A sucessora da antiga revista República bateu as botas em junho último. Comandada pelo jornalista e blogueiro Reinaldo Azevedo, a publicação assumiu um viés conservador e antipetista. Além de política, Primeira Leitura cobria economia e cultura. Alegou falta de anunciantes para justificar o fechamento, mas houve rumores de que a revista manipulou verbas de publicidade em favor do PSDB. O fim da revista coincidiu com um ano eleitoral marcado por uma imprensa polarizada e conspiratória. As principais revistas do país, sempre muito bem "vendidas", entraram de cabeça no jogo, e o público parece ter perdido o fôlego. Talvez por isso, os últimos meses foram terra fecunda para novos lançamentos.

* Nossa História - A diretoria da revista anunciou seu último número. "Por uma decisão empresarial, a Nossa História deixará de circular a partir de janeiro de 2007. A edição de dezembro, com a capa dedicada ao crescimento das religiões protestantes no Brasil, será a última a ir para as bancas". Tudo indicava um futuro pródigo, como lembrou o Digestivo em 2004: "Nossa História não chama o leitor de débil mental e fala de um tão alto nível que uma das maiores preocupações dos editores é não transformá-la num periódico de viés acadêmico." Enquanto isso, as revistas genéricas de história caminham a todo vapor.

Atitude
Acima de tudo, 2006 reafirmou uma tendência de poucos anos atrás: a dependência das revistas em relação à internet. Se não pode mais fingir sua inexistência, pode usá-la como aliada. Roberto Civita, presidente da editora Abril, disse em entrevista ao site Canal da Imprensa que não consegue imaginar uma revista sem uma homepage. "O site é uma extensão da revista, interativa, fantástica".

Um passo louvável de humildade foi a bem lembrada capa da Bizz, de novembro. O Digestivo deu boas-vindas ao ato de coragem: "(...) abdicou de qualquer ídolo pop - pois, de acordo com o subtítulo, ídolos são coisa do passado - e deu uma capa inteira para o futuro da música: 'sem CDs, sem gravadoras e sem rádios'". Títulos como a Bizz despertam a consciência, mesmo que tardia, para a fusão das mídias. Enquanto a web caminha com pernas próprias, as revistas vão de guincho, logo atrás. Mesmo assim, 2006 ainda não definiu o lugar exato das revistas na era da internet.


Tais Laporta
São Paulo, 10/1/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Modernidade explicada às crianças de Jardel Dias Cavalcanti
02. Para que o Cristianismo? de Jardel Dias Cavalcanti
03. Aprender ficção de Marília Almeida
04. Sinopse da Corte de Eduardo Carvalho


Mais Tais Laporta
Mais Acessadas de Tais Laporta em 2007
01. 10 livros de jornalismo - 20/6/2007
02. O engano do homem que matou Lennon - 16/11/2007
03. Qual é O Segredo? - 18/7/2007
04. Gleiser, o cientista pop - 24/1/2007
05. O melhor das revistas na era da internet - 10/1/2007


Mais Especial Melhores de 2006
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
10/1/2007
10h40min
Não há como não questionar o trecho "houve rumores de que a revista manipulou verbas de publicidade em favor do PSDB" sobre a revista Primeira Leitura. O que se quer dizer com isso? Que a revista fechou porque deu dinheiro para um partido político? Ou que a revista recebeu do partido? Se recebeu, por que fechou? Estará o Digestivo sendo contagiado por ideologia?
[Leia outros Comentários de Juca Azevedo]
11/1/2007
19h32min
Gostei muito deste texto da Taís Laporta e, já que ela escreveu sobre revistas, gostaria de sugerir um artigo sobre as revistas mais vendidas nas bancas. Há tantas revistas em exibição, e tantas outras sendo lançadas, que acho interessante um comentário sobre as mais vendidas (e a pesquisa poderia avançar além das óbvias). Muitos leitores têm essa curiosidade e não sei se há, na internet, dados sobre as vendas de revistas nas bancas. Muito obrigado.
[Leia outros Comentários de Paulo Klein]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Tres Noites de Paixão
Luna Caliente
Geração
(2012)



Meu Livro de Histórias Bíblicas
Não Encontrado
Não Encontrado



Os Maiores Clássicos do Homem de Ferro - Volume 1
Marvel
Panini Comics
(1979)



Sempre Viva
Antonio Callado
Circulo do Livro
(1988)



Manual de Administração de Pessoal Relações Industriais
Flávio de Toledo
Atlas
(1960)



Poemas de Amor
Walmir Ayala
Ediouro
(1991)



Plantas de Interior - para Todas as Estações
Patrick Mioulane
Europa América
(1989)



Estado e Capital Ferroviário Em São Paulo
Guilherme Grandi
Alameda
(2013)



Técnico e Analista. Teoria Unificada - Coleção Concursos
Marcelo Tadeu Cometti
Saraiva
(2014)



O Apanhador no Campo de Centeio
J. D. Salinger
Do Autor





busca | avançada
61604 visitas/dia
1,8 milhão/mês