O melhor das revistas na era da internet | Tais Laporta | Digestivo Cultural

busca | avançada
100 mil/dia
2,7 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Casa do Escritor lança treinamento para incentivar a publicação de livros independentes.
>>> OBA HORTIFRUTI INAUGURA 25ª LOJA EM SÃO PAULO
>>> Bienal On-line promove studio visit com artista argentina Inés Raiteri
>>> Castelo realiza piqueniques com contemplação do pôr do sol ao ar livre
>>> A bailarina Ana Paula Oliveira dança com pássaro em videoinstalação de Eder Santos
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> A São Paulo do 'Não Pode'
>>> Humberto Werneck por Pedro Herz
>>> Raquel Cozer por Pedro Herz
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
>>> André Barcinski por Gastão Moreira
>>> Massari no Music Thunder Vision
>>> 1984 por Fabio Massari
Últimos Posts
>>> Fiel escudeiro
>>> Virtual: Conselheiro do Sertão estreia quinta, 24
>>> A lei natural da vida
>>> Sem voz, sem vez
>>> Entre viver e morrer
>>> Desnudo
>>> Perfume
>>> Maio Cultural recebe “Uma História para Elise”
>>> Ninguém merece estar num Grupo de WhatsApp
>>> Izilda e Zoroastro enfrentam o postinho de saúde
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Imperial March por Darth Vader
>>> Habemus Blog
>>> 3 de Fevereiro #digestivo10anos
>>> Autores & Ideias no Sesc-PR II
>>> Um Furto
>>> Conceitos musicais: blues, fusion, jazz, soul, R&B
>>> Raduan Nassar
>>> Cacá Diegues e os jornalistas
>>> A Casa é de Daniela Escobar
>>> A forca de cascavel — Angústia (Fuvest)
Mais Recentes
>>> Telecomunicações Modernas - Curso Básico - 2ª Edição Ampliada de Eng. Almir Wirth Lima Junior pela Book Express (2001)
>>> Barra Pesada de Octavio Ribeiro pela Codecri (1977)
>>> El conde Lucanor de D. Juan Manoel pela Ufrgs (2002)
>>> Chá da Tarde Crônicas de Lucia Sauerbronn pela Escrita Comunicação Dirigida (2005)
>>> Receitas Vegetarianas - Receitas sem Sofrimento Animal de Eduardo Anandadeva pela Cbje (2016)
>>> New English File Student´s Book Pré-intermediate de Oxenden Latham-Koenig e Seligson pela Oxford (1997)
>>> Novelas Nada Exemplares - 2ª Edição Revista de Dalton Trevisan pela Civilização Brasileira (1970)
>>> Terra, o coração ainda bate - Guia de conservação ambiental de Vários autores pela Tchê (1990)
>>> A Mão do Finado de Alexandre Dumas pela Clube do Livro (1958)
>>> Princípios e métodos de orientação educacional de José do Prado Martins pela Atlas (1987)
>>> O alibi fatal de Rex Stout pela Livros do brasil (1944)
>>> Arizona Quarterly - A journal of American Literature, Culture, and Theory de Vários autores pela University of Arizona (2013)
>>> Literatura comentada: Jorge Amado de Álvaro Cardoso Gomes e Sonia Regina R. Neves pela Nova Cultural (1990)
>>> Español sin fronteras: curso de lengua española, volume 4 de Maria de Los Á. J. García e Josephine S. Hernández pela Scipione (2007)
>>> Leituras obrigatórias UFRGS 2011 de Vários autores pela Leitura XXI (2010)
>>> Leituras obrigatórias UFRGS 2014 de Vários autores pela Leitura XXI (2013)
>>> A Maldição do Espelho de Agatha Christie pela Abril Cultural (1983)
>>> Español sin fronteras: curso de lengua española, volume 3 de Maria de Los Ángeles J. García, Josephine Sánchez Hernández pela Scipione (2002)
>>> O Retrato de Dorian Gray de Oscar Wilde pela Abril (1981)
>>> 20 Poemas de Amor e uma Canção Desesperada de Neruda pela José Olympio (1983)
>>> História - das cavernas ao Terceiro Milênio de Myriam Becho Mota; Patrícia Ramos Braick pela Moderna (1997)
>>> Panorama do mundo atual de Pierre George pela Difusão Européia do Livro (1966)
>>> Español sin fronteras: curso de lengua española, volume 2 de Maria de Los Ángeles J. García, Josephine Sánchez Hernández pela Scipione (2002)
>>> Box Cinquenta Tons De Cinza e Cinquenta tons Mais Escuros de E L James pela Intríseca (2011)
>>> História da II Guerra Mundial (1939-1945) - ano V de Edgar Mc Innis pela Globo (1956)
COLUNAS >>> Especial Melhores de 2006

Quarta-feira, 10/1/2007
O melhor das revistas na era da internet
Tais Laporta

+ de 6400 Acessos
+ 2 Comentário(s)

O princípio da ação e reação conseguiu impulsionar o mercado de revistas (impressas) em 2006. Um verdadeiro movimento em cadeia - como pede a terceira lei de Newton - provou que a imprensa está disposta a figurar ao lado da web, ao invés de perecer por causa dela. Para garantir o sustento dos jornaleiros, precisou fazer as pazes com a revolução virtual. Capas finalmente cederam ao reinado dos iPods, da tecnologia P2P e do YouTube. Hoje, revista que se preza não insiste em dizer que é auto-suficiente, sob a pena de ficar sem leitores. Hospeda seu site em grandes servidores. Se não tem um, trata logo de criar. Exagero ou não, a estratégia funciona.

Embora boa parte das publicações seja efêmera, o mercado registrou poucas mortes e muitos nascimentos de revistas em 2006. Cerca de dois mil títulos aparecem mensalmente nos 30 mil pontos de venda espalhados pelo Brasil. Os dados são da Associação Nacional das Editoras de Revistas (Aner), com uma observação: aparecem porque vendem. As revistas customizadas - que crescem como compras de Natal - impulsionam essa tendência. São tão segmentadas que lançam o desafio de se imaginar uma área que ainda não tenha sua publicação específica. O vendedor de anéis, brincos e colares de luxo lê revistas sobre sua atividade. Da mesma forma, a socialite pode comprar uma revista sobre anéis, outra sobre brincos, e outra que fale de colares. Pode também ler um periódico sobre todo tipo de adereços, inclusive braceletes e tornozeleiras.

Mas a ultra-segmentação é só uma das reinvenções do mercado editorial. Para compensar a perda de leitores para a Internet, o apelo visual foi a grande aposta das revistas (e também dos livros). O "produto" das editoras prioriza o marketing da embalagem. Coisa que muitos sites de conteúdo se dão ao luxo de dispensar. Capas fluorescentes, títulos atrativos e imagens desesperadamente estéticas brigam pela atenção do potencial comprador - ou seria leitor? - que dobra a esquina na hora do almoço. Quanto mais ele insiste em trocar o papel pelas telas, maior o desespero das editoras. Assim, o mercado colocou o design gráfico e a imprensa como amigos inseparáveis. E fez das bancas de jornal verdadeiras butiques carnavalescas.

Num sono hipnótico, acabamos sempre lá. Mas o que um emaranhado de letras saltitantes pode oferecer que a internet não possa, gratuitamente? Com razão, alguém dirá que o papel é insubstituível. As revistas nunca foram tão apalpáveis, um convite irrecusável ao tato. Trazem altos-relevos de camurça e texturas que saltam das órbitas editoriais, de modo que o toque passa a ter valor agregado. Também tamanhos e pesos parecem tão essenciais para a identidade da revista quanto seu conteúdo. Algumas publicações até exalam perfumes adocicados. Dessa forma, os atrativos sensoriais garantem, muitas vezes, a venda de "produtos" nem sempre tão interessantes quanto sua embalagem.

Em 2006, o mercado disparou algumas "capas-anúncios" indiscutivelmente interessantes, mas com miolos medíocres. Instigaram a curiosidade, mas não a saciaram como prometiam, ao contrário da internet, que surpreendeu antes de criar expectativas pretensiosas. As revistas entenderam que os rankings vendem bem. Anuários destacam as melhores empresas e os melhores produtos. Os mensais e semanais se especializaram em criar fórmulas prontas. Depois das frases de efeito, agora são os números: 10 lições para ficar rico; 50 segredos para um bronzeado perfeito; 101 dálmatas. Raramente o leitor coloca em xeque os critérios para essa seleção. Em outubro, a Veja São Paulo convocou seu júri - amigos e conhecidos dos editores - para eleger as 30 mulheres mais belas da capital paulista. Todas ricas, bem-sucedidas e populares. E nem sempre tão belas assim.

Destaques do ano
Mas, como colunista deste Especial, agora é minha vez de destacar os acertos e tropeços do mercado de revistas em 2006. Não é uma lista incontestável, muito menos um ranking. É bem possível que cometa belas injustiças ao não mencionar algum título. Por isso, como mera observadora, vou me ater aos lançamentos, fechamentos e atitudes das revistas que chamaram a atenção em 2006.

Nascimentos

* Rolling Stone - Dirigida à juventude "cabeça", porém descolada, a versão brasileira da publicação surgiu com pompa e belos anúncios em outubro. Música, estilo e atitude - três vertentes que se confundem há três gerações - norteiam as pautas da revista. O projeto anterior, viabilizado nos anos 70 pelas mãos de Luiz Carlos Maciel, durou pouco mais de um ano. Na estréia de 2006, trouxe Gisele Bündchen na capa como a "maior popstar do Brasil". O Digestivo lamentou que a publicação não tivesse destacado algum ícone brasileiro da música. Mas em razão de boas matérias no miolo, a Rolling Stone foi perdoada temporariamente. Agora, no terceiro número, a estrela é também a musa do Faustão e das micaretas, Ivete Sangalo. O rumo que a revista vai tomar em 2007 deixa dúvidas no ar.

* Piauí - Foi anunciada com boas promessas. Nomes de peso assinam na capa e indícios de jornalismo literário ocupam longas páginas como não se via há tempos. Embora não assuma um desprezo pelo visual, Piauí privilegia o texto em detrimento de um projeto gráfico sofisticado. Talvez uma revista toda ilustrada por titãs, como Millôr Fernandes, se baste dessa forma. Financiada pelo documentarista João Moreira Salles e dirigida por Mário Sérgio Conti, quer atingir os amantes do texto bem trabalhado. "Nossa idéia é apenas ocupar um nicho que até agora estava vago. Nossas pretensões são relativamente simples: queremos fazer uma revista perene, que seja divertida e que revele coisas curiosas, importantes, fúteis, boas e ruins sobre o Brasil", revelou Salles em entrevista ao Digestivo.

* Raiz - No começo do ano, surgiu o primeiro número de uma revista cultural bonita, grande e bem feita. Raiz nasceu sem raízes. Leva no bojo, até agora, textos aprofundados e belas imagens. Até poderia assustar a Bravo! se não fosse uma diferença editorial: se limita à cultura popular brasileira, suas raízes e manifestações anônimas. Ignora os fenômenos de mídia. Os de massa, como carnaval e futebol, leva no tom analítico. Se mantém com um tempo de vida considerável se comparada a títulos efêmeros no mercado.

Mortes

* Primeira Leitura - A sucessora da antiga revista República bateu as botas em junho último. Comandada pelo jornalista e blogueiro Reinaldo Azevedo, a publicação assumiu um viés conservador e antipetista. Além de política, Primeira Leitura cobria economia e cultura. Alegou falta de anunciantes para justificar o fechamento, mas houve rumores de que a revista manipulou verbas de publicidade em favor do PSDB. O fim da revista coincidiu com um ano eleitoral marcado por uma imprensa polarizada e conspiratória. As principais revistas do país, sempre muito bem "vendidas", entraram de cabeça no jogo, e o público parece ter perdido o fôlego. Talvez por isso, os últimos meses foram terra fecunda para novos lançamentos.

* Nossa História - A diretoria da revista anunciou seu último número. "Por uma decisão empresarial, a Nossa História deixará de circular a partir de janeiro de 2007. A edição de dezembro, com a capa dedicada ao crescimento das religiões protestantes no Brasil, será a última a ir para as bancas". Tudo indicava um futuro pródigo, como lembrou o Digestivo em 2004: "Nossa História não chama o leitor de débil mental e fala de um tão alto nível que uma das maiores preocupações dos editores é não transformá-la num periódico de viés acadêmico." Enquanto isso, as revistas genéricas de história caminham a todo vapor.

Atitude
Acima de tudo, 2006 reafirmou uma tendência de poucos anos atrás: a dependência das revistas em relação à internet. Se não pode mais fingir sua inexistência, pode usá-la como aliada. Roberto Civita, presidente da editora Abril, disse em entrevista ao site Canal da Imprensa que não consegue imaginar uma revista sem uma homepage. "O site é uma extensão da revista, interativa, fantástica".

Um passo louvável de humildade foi a bem lembrada capa da Bizz, de novembro. O Digestivo deu boas-vindas ao ato de coragem: "(...) abdicou de qualquer ídolo pop - pois, de acordo com o subtítulo, ídolos são coisa do passado - e deu uma capa inteira para o futuro da música: 'sem CDs, sem gravadoras e sem rádios'". Títulos como a Bizz despertam a consciência, mesmo que tardia, para a fusão das mídias. Enquanto a web caminha com pernas próprias, as revistas vão de guincho, logo atrás. Mesmo assim, 2006 ainda não definiu o lugar exato das revistas na era da internet.


Tais Laporta
São Paulo, 10/1/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Os Quatro Cavaleiros do Apocalipse de Heitor De Paola
02. Boa Novidade de Juliano Maesano


Mais Tais Laporta
Mais Acessadas de Tais Laporta em 2007
01. 10 livros de jornalismo - 20/6/2007
02. O engano do homem que matou Lennon - 16/11/2007
03. Qual é O Segredo? - 18/7/2007
04. Gleiser, o cientista pop - 24/1/2007
05. O melhor das revistas na era da internet - 10/1/2007


Mais Especial Melhores de 2006
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
10/1/2007
10h40min
Não há como não questionar o trecho "houve rumores de que a revista manipulou verbas de publicidade em favor do PSDB" sobre a revista Primeira Leitura. O que se quer dizer com isso? Que a revista fechou porque deu dinheiro para um partido político? Ou que a revista recebeu do partido? Se recebeu, por que fechou? Estará o Digestivo sendo contagiado por ideologia?
[Leia outros Comentários de Juca Azevedo]
11/1/2007
19h32min
Gostei muito deste texto da Taís Laporta e, já que ela escreveu sobre revistas, gostaria de sugerir um artigo sobre as revistas mais vendidas nas bancas. Há tantas revistas em exibição, e tantas outras sendo lançadas, que acho interessante um comentário sobre as mais vendidas (e a pesquisa poderia avançar além das óbvias). Muitos leitores têm essa curiosidade e não sei se há, na internet, dados sobre as vendas de revistas nas bancas. Muito obrigado.
[Leia outros Comentários de Paulo Klein]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Anti Sionismo Nova Face do Anti Semitismo
Eliyahu Biletzky
Bnai Brith
(1982)



Justiça Penal: Crimes Hediondos, Erro Em Direito Penal e Juizados
Jaques de Camargo Penteado (coordenador)
Rt
(1993)



O Indio Brasileiro - 3ª Edição
Agenor F. de Macedo, Eduardo P. C. de Vasconcellos
Ferreira de Mattos
(1935)



Monteiro Lobato Vivo
Cassiano Antunes ( Coord.)
Mpm
(1986)



Erotic Astrology - About Him For Her
Olívia
Ballantine Books
(1997)



Os Bichos do Jogo da Vida
Valdimir Piovezan
Edicon
(1987)



A Celebração na Vida Cristã
Claude Duchesneau
Paulinas
(1977)



Novo Código de Processo Civil Comparado: Cpc 73 para o Cpc 2015 E
Elpídio Donizetti (2016)
Atlas
(2016)



Biblioteca da Arte Culinária - Vol. 1
Dolores Botafogo
Maga



Los Conquistadores de Internet: Pioneros En un Nuevo Espacio Empr
Christopher Price
Prentice Hall
(2001)





busca | avançada
100 mil/dia
2,7 milhões/mês