Maradona, a série | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
61456 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Projetos culturais e acessibilidade em arte-educação em cursos gratuitos
>>> Indígenas é tema de exposição de Dani Sandrini no SESI Itapetininga
>>> SESI A.E. Carvalho recebe As Conchambranças de Quaderna, de Suassuna, em sessões gratuitas
>>> Sesc Belenzinho recebe cantora brasiliense Janine Mathias
>>> Natália Carreira faz show de lançamento de 'Mar Calmo' no Sesc Belenzinho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
>>> G.A.L.A. no coquetel molotov de Gerald Thomas
>>> O último estudante-soldado na rota Lisboa-Cabul
Colunistas
Últimos Posts
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
>>> Como declarar ações no IR
Últimos Posts
>>> Asas de Ícaro
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
>>> Sexta-feira santa de Jesus Cristo.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Soul Bossa Nova
>>> Bill & Melinda Gates #Code2016
>>> A proposta libertária
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> A morte absoluta
>>> O Marceneiro e o Poeta
>>> Dom Quixote, matriz de releituras
>>> À Sua imagem e semelhança
>>> Download: The True Story of the Internet
>>> Mistério em Moscou
Mais Recentes
>>> Conecte Gramática - Caderno de Revisão de William Cereja; Tereza Cochar pela Saraiva (2013)
>>> Robur, o Conquistador de Júlio Verne pela Matos Peixoto (1965)
>>> Imagens da América de Marcos Malafaia e Fernanda Graell pela Globo (2002)
>>> Entendo a Depressão de Fabíola Luz pela Paulus (1994)
>>> Assimilação Evangélica de João Nunes Maia/espíritos Diversos pela Fonte Viva (1986)
>>> Saúde da Mulher de José Aristodemo Pinotti pela Senac
>>> Conversa Com Criança - Vol. 1 - Presença - Caminho de Daniella Freixo de Faria pela São Paulo (2013)
>>> Filosofando - Introdução à Filosofia - Volume único- Aprova Enem de Maria Lúcia de Arruda Aranha; Maria H. P. Ma pela Moderna (2013)
>>> Música ao Longe de Érico Veríssimo pela Globo (1965)
>>> Milano da Scoprire de Bruno Pellegrino pela Milanoexpo (2010)
>>> Antologia Poética de Vinicius de Moraes pela Companhia de Bolso (2010)
>>> Como Exercer Sua Cidadania de Marcos Sá Corrêa pela Bei (2003)
>>> O Vencedor Está Só de Paulo Coelho pela Agir (2008)
>>> A Lei de Murphy de Gerenciamento de Projetos - 431 de Eduardo Gorges pela Brasport (2007)
>>> O Poder Através da Ioga de Anna Trökes pela Vitória Régia
>>> A Física de Jornada Nas Estrelas - Star Trek de Lawewnce M. Kruss pela Makron (1997)
>>> Gagueira e Subjetividade de Silvia Friedman pela Artmed (2001)
>>> O Livro de Mesa do Executivo de Auren Uris pela Biblioteca Pioneira (1987)
>>> Mothern: Manual da Mãe Moderna de Juliana Sampaio; Laura Guimarães pela Matrix (2005)
>>> O Retorno do Jovem Príncipe de A. G. Roemmers; Paulo Afonso pela Fontanar (2011)
>>> Marketing; Direto ao Ponto de Chris Ritchie pela Saraiva (2012)
>>> Ever After High Ciencia e Feitiçaria de Suzanne Selfors; Ligia Arata Barros pela Salamandra (2016)
>>> Prostate Troubles de Leon Chaitow pela Thorsons
>>> Elementos do Direito Processo Penal de Angela C. Cangiano Machado e Outros pela Premier (2008)
>>> Quando Paris Cintila de Betty Milan pela Best Bolso (2013)
COLUNAS

Sábado, 1/1/2022
Maradona, a série
Julio Daio Borges

+ de 2400 Acessos

Acho que foi no Valor Econômico que eu vi a dica da série do Maradona, no Prime Video (Amazon Prime).

O ícone já havia aparecido para mim, mas não me atraiu pela estética de videogame. E por um certo “bode”, que eu tinha, em relação ao Maradona - suas aparições midiáticas e seus escândalos.

Mas, como disse, o Valor me levou a assistir. E passei a semana, entre Natal e Ano Novo, “maratonando”. Recomendo - e vou tentar explicar por quê.

Sempre fui "argentinófilo", contrariando o preconceito da maioria dos brasileiros - que acham os argentinos “arrogantes” e a Argentina, sempre um passo à frente em matéria de “abismo” político-econômico (lá a esquerda já voltou ao poder; aqui, ameaça voltar).

Mais ou menos como o Rio de Janeiro. Dizem que o Rio de Janeiro é o “trailer” do Brasil - por conta do populismo, da desigualdade, da violência. Mas a São Paulo - que é 10% do PIB do Brasil, enquanto o Rio é 5% - só falta o populismo, porque a desigualdade e a violência igualmente temos. Tudo bem que o Bolsonaro veio do Rio de Janeiro, mas e o Lula, veio de onde?

Enfim - bairrismos à parte -, a Argentina sempre me deixou boa impressão, desde a adolescência. Sobretudo Buenos Aires, que eu considero mais civilizada que São Paulo (podem me xingar). Se riqueza fosse sinônimo de civilização, os Estados Unidos seriam mais civilizados que a Europa (e não o são).

E tenho um grande amigo de juventude, o Manuel Marías, que me levou onde Aníbal Troilo se apresentava, para ouvir “Patotero Sentimental” (nunca vou esquecer). E tenho outro grande amigo, o Bruno Borgneth, companheiro de Rock in Rio, que é carioca... Então: sou suspeito para falar.

Mas voltemos ao meu assunto, que é o Maradona na Amazon.

Eu não sabia nada das origens humildes de “El Pelusa” (algo como “O Cabeleira”) em Villa Fiorito. Não sabia que era ajudante em feiras livres - e que não tinha dinheiro nem para pegar o ônibus e tentar a sorte no clube juvenil “Los Cebollitas”.

Na Patagônia, presenciei a rivalidade entre River Plate (Rio da Prata) e Boca Juniors, mas só fui entender agora, pelos videotapes. Também quando Maradona diz que jamais poderia jogar “en River”, porque “su viejo” era “Boca”... E, logicamente, pela sua despedida - de emocionar - em “La Bombonera”, o estádio do Boca.

Não vou negar que, na série, há um tanto de dramalhão - e muita gente não tem estômago. Nem para os excessos de Maradona, que, confesso, me enjoaram um pouco. “Fase da balada: pior fase da vida” - resumiu, certa vez, o pai de um amigo (que passou madrugadas acordado, velando pelos filhos)...

Não discuto as comparações com Pelé - porque não entendo nada de futebol -, mas Maradona teve o mundo a seus pés, e os tempos eram outros... “São demais os perigos desta vida, para quem tem paixão”, formulou Vinicius.

Para que se tenha uma ideia, a série termina com Maradona “no auge”, quando conquista a Copa do Mundo de 1986. Ele tinha vinte e cinco. Alexandre, o Grande, para dominar o mundo conhecido, precisou de mais de trinta.

Tudo bem que, com quarenta, Maradona tem o que seria sua primeira “overdose” - e o ator que o interpreta, nessa fase, deve ter no mínimo sessenta anos. Ele realizou a profecia de Lobão, segundo a qual é melhor viver “dez anos a mil” do que “mil anos a dez”. Lobão completou sessenta anos em 2017. Maradona morreu com sessenta anos em 2020.

Apesar do seu lado “novela mexicana”, a série revela muito das famílias latino-americanas. Onde o “chefe de família” é a mãe, “Doña Tota”. Se Maradona esquecia de lhe dedicar um gol, tinha de levá-la para jantar depois. Uma autêntica “la mamma” italiana (sim, italiana).

A outra mulher de sua vida é Claudia, a primeira namorada e mãe de suas filhas. Uma mulher forte, que segurou praticamente todas as ondas. Para ela vale a frase de Groucho Marx: “Por trás de todo homem de sucesso, existe uma grande mulher - e, por trás desta, existe a sua esposa”.

O problema é que não foi “uma”, foram “várias”... Incontáveis. A ponto de não se saber ao certo - até hoje - a quantidade de filhos de Maradona. Algo como um Ramsés II moderno (o faraó do Egito, que teve mais de cem filhos). Não à toa, o documentário sobre Maradona - na mesma Amazon - se chama “La muerte de Dios”. (E não tem nada a ver com Nietzsche.)

Se você não gosta do Maradona, nem da Argentina, nem dos argentinos, deve ter alguma dificuldade em admitir... mas ele foi uma daquelas figuras “maiores do que a vida” (em inglês: “larger than life”) - e a série nos dá uma ideia disso.

Mesmos sendo roubado por seus “managers” (“representantes”), Maradona gastou o que tinha - e o que não tinha - em casas, automóveis, mulheres, luxos para a família inteira (que naturalmente sustentava), os “parças” (já os havia) e as drogas... A partir de um certo ponto é impossível saber quando Maradona estava “limpo”. (Até seu traficante lhe pergunta.)

Mesmo com tudo isso, não há como não reconhecer seu gênio, “con la pelota”, embora, fora dos campos, fosse um “pelotudo” - uma “besta”, em castelhano. “Q.I.” de jogadora de tênis, diria o politicamente incorreto Paulo Francis.

E me emocionei, confesso, quando, na série, eles ganham a Copa de 86. Aqui no Brasil, só lembramos da nossa derrota para a França, nas quartas de final. Mas, assistindo, foi claramente a Copa do Maradona. E ele foi um grande capitão de seleção - embora, como técnico de seleção, tenha sido... um grande jogador de futebol (isso bem depois).

Aliás, isso a Amazon não mostra. A série nos poupa da sua decadência (embora não nos poupe dos excessos).

E eu poderia falar do papel da imprensa, que converteu sua vida num inferno. Também da sua ida para o “Barça” (Barcelona) - os catalães não gostavam de Maradona... Ainda da sua temporada em Nápoles - e de como a Itália, na série, parece uma “república de bananas”...

Mas já dei muito spoiler. A trilha sonora - com tango, rock argentino e “tarantelas” - é, igualmente, boa.

Gracias, Diego. Por todo!


Julio Daio Borges
São Paulo, 1/1/2022


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O retalho, de Philippe Lançon de Wellington Machado
02. Os Doze Trabalhos de Mónika. 9. Um Cacho de Banana de Heloisa Pait
03. A proposta libertária de Gian Danton
04. Família e Maldade de Daniel Bushatsky
05. Um outro mundo de Daniel Bushatsky


Mais Julio Daio Borges
Mais Acessadas de Julio Daio Borges
01. Quem é (e o que faz) Julio Daio Borges - 29/1/1974
02. Freud e a mente humana - 21/11/2003
03. A internet e o amor virtual - 5/7/2002
04. É Julio mesmo, sem acento - 1/4/2005
05. Frida Kahlo e Diego Rivera nas telas - 25/4/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Histórias de Água.
Adalgisa a de Oliveia; João Luis F Gonçalves
Salesiana
(2008)



Dicionário Latino Português
Francisco Torrinha
Porto



Livro da Família - Trânsito e Cidadania 6
Ivany Klaumann
Ftd
(2014)



Ulisses
James Joyce
Círculo do Livro
(1975)



A Cura da Mente e do Corpo Acessível a Todos pela Psicanalise
S. Pinheiro
Do Autor
(1997)



Di-versos Russos
Vários Autores; Tatiana Belinky
Scipione
(2003)



A era do Autômatos
P. E. Cleator
Companhia Nacional
(1960)



Locke Em 90 Minutos
Paul Strathern
Zahar
(1997)



O Grande Livro dos Magos
Antonio Tello - Edgar Sicilia
Leitura
(2008)



How Do Dinosaurs Laugh Out Loud?
Jane Yolen , Illustrated, Mark Teague
Scholastic US
(2010)





busca | avançada
61456 visitas/dia
1,8 milhão/mês