Primeiro dia de aula | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
54626 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Sobre o Jabá
>>> Crise da Democracia
>>> Bill Gates e o Internet Explorer
>>> LEM na TV Cronópios
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Poesia para jovens
>>> São Paulo, que dá nome à nossa cidade
>>> Viagem a 1968: Tropeços e Desventuras (3)
>>> Um estranho incidente literário
>>> Na Cama Com Tarantino
Mais Recentes
>>> O Cipreste no Jardim de Osho pela Cultrix (1997)
>>> Los Hermanos Rico de Georges Simenon pela Punto de Lectura (2005)
>>> Não conte a ninguém de Harlan Coben pela Arqueiro (2009)
>>> Uma dobra no tempo de Madeleine L'Engle pela Harper Collins (2017)
>>> Diários de Berlim de Marie Vassiltchikov pela Boitempo (2015)
>>> Fidel Castro. Biografia a Duas Vozes de Ignácio Ramonet pela Boitempo (2016)
>>> Globalização, Dependência e Neoliberalismo na América Latina de Carlos Eduardo Martins pela Boitempo (2011)
>>> Paris, Capital da Modernidade de David Harvey pela Boitempo (2015)
>>> Geriatria Moderna Para Leigos - Série Viver A Vida de Newron Luiz Terra e Colaboradores pela Leitura XXI (2007)
>>> O Ano I da Revolução Russa de Victor Serge pela Boitempo (2007)
>>> Práticas Psicogerontológicas Nos Cuidados De Idosos de Eliana Novaes Procópio pela Juruá (2012)
>>> O Envelhecimento de Luiz Eugênio Garcez Leme pela Contexto (1998)
>>> A Ilíada (Em Verso) de Homero pela Ediouro
>>> Psicogerontologia Fundamentos e Práticas de Diana Silvina Singer e Colaboradores pela Juruá (2009)
>>> A Montanha que Devemos Conquistar de István Mészáros pela Boitempo (2015)
>>> Desenvolvimento e Envelhecimento: Perspectivas biológicas, psicológicas e sociológicas de Anita Liberalesso (org.) pela Papirus (2012)
>>> A Ilíada (Forma Narrativa) de Homero pela Ediouro
>>> Poder e Desaparecimento de Pilar Calveiro pela Boitempo (2019)
>>> Eneida de Virgílio pela Ediouro
>>> As Ilusões Perdidas de Honoré de Balzac pela Abril Cultural (1978)
>>> A Aldeia Ancestral de Pearl S. Buck pela Gráfica Brasileira (1950)
>>> Trabalho e Dialética - Hegel, Marx e a Teoria Social do Devir de Jesus Ranieri pela Boitempo (2011)
>>> Crime e Castigo - 2 volumes de Dostoiévski pela Abril Cultural (1979)
>>> O Conhecimento do Cotidiano As Representações Sociais Na Perspectiva Da Psicologia Social de Mary Jane Spink (org) pela Brasiliense (1995)
>>> Lutas de Classes na Alemanha de karl marx e Friedrich Engels pela Boitempo (2010)
>>> O Conhecimento Confiável: Uma Exploração Dos Fundamentos Para a Crença na Ciência de John Ziman pela Papirus (1996)
>>> O Paradoxo da Moral de Vladimir Jankelevitch pela Papirus (1994)
>>> Uma Mensagem Profética Para Sua Vida de Silas Malafaia pela Central Gospel (2011)
>>> Educação não é privilégio de Anísio Teixeira pela Ufrj (2007)
>>> Germinal de Émile Zola pela Abril Cultural (1979)
>>> Soledad no Recife de Urariano Mota pela Boitempo (2009)
>>> Quando A Nossa Fé É Provada de Silas Malafaia pela Central Gospel (2011)
>>> As Aventuras do Sr. Pickwick de Charles Dickens pela Abril Cultural (1979)
>>> No Caminho de Swann de Marcel Proust pela Abril Cultural (1979)
>>> Dom Quixote de La Mancha de Cervantes pela Abril Cultural (1978)
>>> Aborto Perda e Renovação: Um Paradoxo Na Procura da Identidade Feminina de Eva Pattis pela Paulus (2000)
>>> Ana Karênina - 2 volumes de Tolstói pela Abril Cultural (1979)
>>> Sonhos A Essência Orientando A Existência de Djalma Argolo pela Amar (2012)
>>> A Sabedoria dos Sonhos Para Desvendar O Inconsciente Feminino de Karen A. Signell pela Ágora (1998)
>>> Vivências da Maternidade e Suas Consequências Para o Desenvolvimento Psicológico do Filho de Eliana Marcello de Felice pela Vetor (2006)
>>> Os Sentidos Do Sintoma Psicanálise E Gastroenterologia de Paulo Roberto de Sousa pela Papirus (1993)
>>> Almas Mortas de Nikolai Gógol pela Abril Cultural (1979)
>>> O Menino Que Não Conseguia Parar De Se Lavar: Experiência e Tratamento do Distúrbio Obsessivo- Compulsivo de Judith L. Rapoport pela Saraiva (1990)
>>> As Três Irmãs - Contos de Tchekhov pela Abril Cultural (1979)
>>> O Pai e a Psique de Alberto Pereira Lima Filho pela Paulus (2002)
>>> Privação e Delinquência de D. W. Winnicott pela Msrtins Fontes (2015)
>>> Laços e Rupturas: Leituras Psicanalíticas Sobre Adoção e o Acolhimento Institucional de Maria Luiza de Assis Moura Ghirardi e Márcia Porto Ferreira (orgs) pela Escuta (2016)
>>> O filósofo e sua história de Michael B. Wringley (org.) pela Fapesp (2003)
>>> Cadernos de Tradução de Núcleo de Tradução pela Universidade Federal de Santa Catarina (1999)
>>> Afro Ásia 41 de Centro de Estudos Afro Orientais pela Universiadade Federal da Bahia (2011)
COLUNAS

Sexta-feira, 29/3/2013
Primeiro dia de aula
Ana Elisa Ribeiro

+ de 3200 Acessos

Uma parede clara, talvez; uns quadrinhos de moldura colorida, provavelmente vagabundos, mas eram muitos; uns colegas que eu mal via; e uma professora que me parecia enorme. Talvez seja isso. Certamente, não era. Se eu perguntar à minha mãe como foi aquele meu primeiro dia de aula, ela dirá que tudo era uma outra coisa. E nada disso de que eu me lembro estará no cenário de que ela se lembra.

Mas essa já era uma segunda escolinha. A primeira já havia sido sumariamente reprovada pelo gosto infantil. A professora ainda me vem com jeito de bruxa: magra, esguia, de cabelos curtos e escuros, dentes muito pontudos e um sorriso aterrador. Não me lembro de nada da escola. Nada da sala, dos colegas, do trajeto. Diz minha mãe que descia o morro comigo nos braços, ainda dormindo. E eu chegava em casa chorando muito, pedindo para sair daquela escola, detestando aquela professora. Vem-me, então, a lembrança de uns beliscões. Será mesmo? Eu mesma duvido. Mas, naquele tempo, professor podia dar reguada na cabeça e até tapa na bunda. Hoje, mal pode ensinar.

A segunda escola foi mais sedutora. Os argumentos de minha mãe nem eram tão bons, mas havia ali, naquelas salas e naquele pequeno pátio, qualquer coisa de afetivo que me cativou. A promessa, talvez, de um tempo bom, na companhia de uma professora simpática e roliça e de uns colegas menos amedrontados. Fiquei.

Mas nunca tive ideia do que sentia minha mãe. Só sabia que era hora de eu enfrentar os primeiros anos da eterna escolarização a que me submeteria; e que minha mãe precisava sair para trabalhar. Essa função escola-creche ainda é um conflito para muitos pais. Não sei se, ao me deixar ali, minha mãe sofria. Em alguma medida, provavelmente, já que não conhecia, em detalhe, os procedimentos da escola e de todos.

Bem, a nova escolinha tinha, além da professora roliça, umas aulas de judô depois do horário regular. Eu me interessava pelo judô, não pelo balé da sala ao lado, mas não podia mais do que apenas ver os meninos aprendendo golpes, vestidos de quimonos brancos, atravessados por faixas coloridas. Minha meia-calça branca e meu colant rosa me pareciam bem mais ridículos, mas eu não atendia ao critério básico para mudar de esporte: ser menino.

A escolinha tinha também uma personagem que nos enchia de medo e curiosidade. A dona da instituição, que chamávamos de Naná, não tinha uma das mãos. Em seu lugar encontrávamos uma prótese dura, com cor de pele e textura de plástico, estática, que vinha nos abraçar quando entrávamos pelo portão. Um terror e um encanto. Tia Naná era um monstro com jeito de anjo. Aquela mão nos parecia um fenômeno inexplicável. Soava como um pirata ou um filme de terror.

Esses primeiros anos de escola, quando nos socializamos e alfabetizamos, também foram os anos de aprender o infindável caminho das letras, dos números, dos pontos, das provas, da indisciplina, dos recreios, das chamadas e dos "conselhos de classe", em que éramos julgados e condenados. Também foram os primeiros anos dos amigos, dos namoricos, das "panelas" e das aulas de Educação Física.

Nesses primeiros anos, os primeiros festivais de dança, teatro, leituras e festas de formatura. Presentinho de dia das mães, dos pais, aniversários coletivos e gincanas arrecadatórias. As cantineiras amigas, os lanches na "merendeira", a água de bebedouro.

Foi infinito estar ali. Quase nada ficou, embora eu saiba que minha alfabetização começou lá, com a tia Fátima. Acorda Dorminhoca era o nome do livro que nos ensinava a escrever e ler, nem me lembro se com grande esforço. Soa-me fácil aprender a ler e não tenho qualquer memória de dificuldade. É como se eu sempre tivesse sabido.

Não sei em que as escolinhas infantis mudaram. Quando deixei meu filho na escola, pela primeira vez, não pude perceber qualquer sinal de outros tempos. Estavam lá as professoras uniformizadas, as crianças brincando no balanço, os brinquedos do pequeno pátio, a diretora muito presente. Não era a mesma escola, nem a mesma diretora sem uma das mãos. Ao contrário, era uma moça jovem e bonita que vinha nos recepcionar.

Bem diferentemente de mim, a reação do meu filho à primeira incursão pela escola foi fácil, sem choro, sem manha. Ele entrou pelo portão como se fosse íntimo daquele espaço, mal se lembrou de me dar um tchau apressado. Eu é que fiquei atônita, do lado de fora, esperando que ele se arrependesse de ir. Não se arrependeu. Logo arranjou amigos, lápis e livrinhos. A professora magrinha, de cabelos pretos, parecia uma fada. Os coleguinhas vinham das ruas próximas, sem muito alarde, vestidos de branco e verde, para esperar recreios cheios de pés de moleque e suco de uva. Não havia beliscões ou reguadas. E eu fiquei do lado de fora, pensativa, esperando qualquer choro do meu pequeno iletrado.

Resoluto, muito resoluto, ele adentrou a escola e ficou. Deixei meu número de celular, meu endereço e alguma lágrima fujona. A diretora jovem me olhou sorrindo e disse, em tom de brincadeira: "É a mãe que está com dificuldade". Como deixar meu guri assim com estranhos? E se ele não gostar? E se a professora tiver jeito de bruxa? E se alguém lhe der um beliscão? E se mamãe não estiver por perto? Mas a segurança no andar dele não fazia crer em nada disso.

Aquele dia passou. Para mim e para ele. O alfabeto chegou, os números vieram, os textos, os livros, os amigos. Já houve uma nova mudança de escola e a certeza dele continuou a mesma: é enfrentar. E com isso o gosto vem.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 29/3/2013


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2013
01. Elogio ao cabelo branco - 16/8/2013
02. O fim e o café solúvel - 26/4/2013
03. A bibliotecária de plantão - 18/10/2013
04. Coisas que eu queria saber fazer - 18/1/2013
05. Se ele não me lê - 8/3/2013


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




RECOMEÇOS
DANIELLE STEEL
ALTAYA - RECORD
(1989)
R$ 5,00



A ELEIÇÃO DA CRIANÇADA
PEDRO BANDEIRA
MELHORAMENTOS
(2006)
R$ 10,00



DO MEB À WEB O RÁDIO NA EDUCAÇÃO COL. CULTURA, MIDIA E ESCOLA
NELSON DE LUCA PRETTO
AUTÊNTICA
(2010)
R$ 20,70



O CREPÚSCULO DO MACHO - DEPOIMENTO
FERNANDO GABEIRA
CODECRI
(1981)
R$ 9,00



ALGUNS CONTOS E FÁBULAS DA AMÉRICA DO SUL 2
VÁRIOS AUTORES
PAULUS
(2000)
R$ 4,00



O HOMEM ECONÔMICO RACIONAL
MARTIN HOLLIS E EDWARD J. NELL
ZAHAR
(1977)
R$ 12,00



CLT - LTR CONSOLIDAÇÃO DAS LEIS DE TRABALHO
ARMANDO CASIMIRO COSTA IRANY FERRARI E OUTROS
EDIT LTR
(2007)
R$ 7,90



DESENVOLVIMENTO E DIREITOS HUMANOS: DIÁLOGOS NO FÓRUM SOCIAL MUNDIAL
ABONG
PEIRÓPOLIS
(2003)
R$ 13,00



O EQUILÍBRIO CORPORAL
P. VAYER
ARTES MÉDICAS
(1984)
R$ 10,00



CURSO BÁSICO DE MATEMÁTICA PARA ECONOMISTAS
PAULO TAFNER
PAPEL VIRTUAL
(2002)
R$ 30,00





busca | avançada
54626 visitas/dia
1,3 milhão/mês