Coisas que eu queria saber fazer | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
71132 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Sexta-feira, 18/1/2013
Coisas que eu queria saber fazer
Ana Elisa Ribeiro

+ de 4500 Acessos

Dia desses, numa cidade bem longe daqui, surpreendi um arquiteto começando a desenhar a planta baixa de uma casa. Era uma encomenda. Alguém queria uma casa que começasse do zero. Uma criação. Morar em uma ideia que nunca tinha existido.

Ele sustentava a cabeça com uma das mãos enquanto a outra mão segurava um lápis que ameaçava tocar, de leve, uma folha de papel milimetrado. E antes que o grafite marcasse o branco, eu apareci na porta e perguntei o que era aquilo. Eu já sabia, mas eu queria saber mais, saber certo, saber pra poder me declarar. Eu acho arquitetura uma das coisas mais lindas do universo.

Eu disse ao arquiteto que achava aquilo muito bonito. Pedi a ele, feito uma criança, que me deixasse ficar ali vendo-o trabalhar, mas acho que isso não funciona com os arquitetos, nem com os poetas, nem com os músicos. Meus olhos e minha respiração ali podiam desconcentrar o moço, que passou, então, a me explicar coisas. Explicou como começa, de onde vinha aquele projeto, qual era o fluxo que ele preferia seguir; explicou sua ideia inicial, mas disse que ela mudaria muito, tantas vezes, e que isso seria normal; e que o pedido de alguém é muito difícil de traduzir, de atender, de entender; e explicava que ele imaginou uma casa com base nas palavras imprecisas de alguém que queria morar.

Se eu soubesse desenhar casas e antever combinações de cores, coisas que não sei fazer mesmo, eu projetaria minha casa para muitas felicidades. Mas minha casa foi feita assim, aos remendos, então não sei como apurá-la. Nem sequer soube escolher as cores das paredes ou o desenho das peças de cerâmica que pus no chão. Na minha casa não teve espaço pra sonho e nem pra descanso.

E ninguém me seguraria se eu soubesse desenhar. Uma das coisas mais bonitas que há é ver alguém tirando da ponta do lápis um dragão, uma abelha, uma pessoa ou um corpo nu. Ilustrar livros, então, é coisa divina, não tem precedentes nesta Terra. Ouvir ou ler uma história e transformá-la numa cena, num texto de ver, com cores ou não. Ninguém me seguraria nesta vida se eu pudesse fazer quadrinhos ou cartuns. Imagina a ironia em um quadro só. A escrita pede uma lógica mais miúda, parece. E eu a tenho. Mas não aprendi a desenhar.

Sempre dizem que nossa curtição com desenho é de criança. Muita criança (pra não dizer toda) desenha, desde muito cedo, e se expressa nessa linguagem. E acusam, por aí, a escola e tudo o mais de irem podando essa nossa expressão, até que ela se torne mínima, ínfima, quase invisível. O desenho não é a expressão mais importante, mais necessária ou mais solicitada do nosso mundo escolar. Há campanhas de ler e escrever, mas não as há de desenhar. E se havia um artista futuro, é tratar de ensiná-lo a se esconder atrás das redações e dos concursos de vestibular. Vai desenhar pra brincar, não pra fazer coisa séria.

Mas eu não sei se acredito nisso. Onde estava meu talento de desenhista? Nunca tive. Já vim castrada desde o útero. Minha expressão já queria ser, há séculos, aquela que emprega as palavras. Mas eu sei, de fato, de gente que se exprimia no desenho e teve de despistar. Ou, ao menos, teve de controlar melhor os impulsos. Lá adiante, na engenharia ou na arquitetura, é possível exprimir um desenho mais controlado, sistematizado e científico. Arquiteto que inventa é poeta. Mas ser poeta não é coisa que se diga por aí.

Se eu soubesse desenhar, faria casas bonitas pra a gente morar; pessoas lindas pra a gente namorar; ilustraria histórias pra a gente curtir; projetaria cidades pra a gente sossegar. Mas não é isso o que eu sei fazer. E não sei mesmo. Saem aqui minha menina de palitos e meu carrinho de bolotas. Nada mais.

A expressão que eu escolhi e que eu exercitei foi a das palavras. Isso também não escapou do controle e da sistematização. Quiseram me ensinar a me recolher, a usar o verbo comum e a não criticar demais. Ensinaram lá umas regras da quantidade de parágrafos e um jeito padrão de desenrolar o assunto. Eu fingi. Eu fingi direitinho que ia obedecer. Eu pegava escondido meus cadernos com pautas regulares e escrevia do jeito que eu queria, do jeito que eu achava que ia ficar mais bonito. Se era esquisito? Não achava. Achava engenhoso. Achava charmoso. Vez ou outra, mostrava pra alguém e fazia arrepiar. Mas eu escondia tudo de novo, na mesma gaveta, pra fazer minha obrigação.

Escrever também não é coisa que se deixe alguém fazer livremente. Tem campanha pra ler, pra consumir, mas não tem campanha pra todo mundo escrever. O que vão dizer? Melhor não saber. Ler calado é coisa garantida. E, mesmo assim, não ensinam a ler direito. A quietude, aqui, não é desejo, é impotência. Ler e escrever dão poder. A quem?

Eu fiquei ali olhando o arquiteto trabalhar. Vi que ele riscou, apagou, riscou de novo, aumentou, diminuiu, trocou de lugar. Para acabar, tinha de ir pro computador, colorir, calcular. Ele gastou muitas daquelas folhas quadriculadas para projetar o que ainda iria mostrar. E me deu, então, uma vontade danada de escrever.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 18/1/2013


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Senhor Amadeu de Ana Elisa Ribeiro
02. Correio de Elisa Andrade Buzzo
03. A Coreia do Norte contra o sarcasmo de Celso A. Uequed Pitol
04. A selfie e a obsolescência do humano de Marta Barcellos
05. Alice in Chains, por David De Sola de Luís Fernando Amâncio


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2013
01. Elogio ao cabelo branco - 16/8/2013
02. O fim e o café solúvel - 26/4/2013
03. A bibliotecária de plantão - 18/10/2013
04. Coisas que eu queria saber fazer - 18/1/2013
05. Se ele não me lê - 8/3/2013


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




IMAGES OF PUERTO RICO
ROGER A LABRUCHERIE
IMÁGENES PRESS
(1984)
R$ 80,00



RECEITA DE VIDA
ROSELY BERENGUEL
DOSELY
(2019)
R$ 30,00
+ frete grátis



LIPOMIOESCULTURA
EWALDO BOLIVAR DE SOUZA PINTO
DILIVROS
(2009)
R$ 200,00



OS ITALIANOS NO BRASIL
PEDRO LUÍS
NOVA JURISPRUDÊNCIA
R$ 110,00
+ frete grátis



POR AMOR ÀS CIDADES
JACQUES LE GOFF
UNESP
(1998)
R$ 29,00



PSICOLOGIA ABERTA
JOHANNES B. TORELLO
QUADRANTE
(1987)
R$ 5,00



O AMANUENSE BELMIRO
CYRO DOS ANJOS
JOSÉ OLYMPIO
(1971)
R$ 10,00



BULLYING NO TRABALHO
GARY NAMIE PH. D &RUTH NAMIE PH. D
BEST BUSINESS
(2013)
R$ 16,90



RECADOS DE ESPERANÇA
ROSANA BRAGA
ESCALA
(1999)
R$ 5,49



VOCÊ ESTÁ CONTRATADO!
NÓBREGA, MARCELO DE FREITAS
EDITORA ÉVORA
(2018)
R$ 44,90





busca | avançada
71132 visitas/dia
2,6 milhões/mês