Coisas que eu queria saber fazer | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
74383 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Povo Fulni-ô Encontra Ponto BR
>>> QUEÑUAL
>>> Amilton Godoy Show 70 anos. Participação especial de Proveta
>>> Bacco’s promove evento ao ar livre na Lagoa dos Ingleses, em Alphaville
>>> Vera Athayde é convidada do projeto Terreiros Nômades em ação na EMEF Ana Maria Benetti sobre Cavalo
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
Colunistas
Últimos Posts
>>> Rodrigão Campos e a dura realidade do mercado
>>> Comfortably Numb por Jéssica di Falchi
>>> Scott Galloway e as Previsões para 2024
>>> O novo GPT-4o
>>> Scott Galloway sobre o futuro dos jovens (2024)
>>> Fernando Ulrich e O Economista Sincero (2024)
>>> The Piper's Call de David Gilmour (2024)
>>> Glenn Greenwald sobre a censura no Brasil de hoje
>>> Fernando Schüler sobre o crime de opinião
>>> Folha:'Censura promovida por Moraes tem de acabar'
Últimos Posts
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
Blogueiros
Mais Recentes
>>> The Matrix Reloaded
>>> Por que as curitibanas não usam saia?
>>> Jobim: maestro ou compositor?
>>> 7 de Outubro #digestivo10anos
>>> A insignificância perfeita de Leonardo Fróes
>>> Soco no saco
>>> De Siegfried a São Jorge
>>> O Paulinho da Viola de Meu Tempo é Hoje
>>> Pelas curvas brasileiras
>>> A pintura admirável de Glória Nogueira
Mais Recentes
>>> Ao Redor do Mundo de Fernando Dourado Filho pela Fernando Dourado Filho (2000)
>>> O Administrador do Rei - coleção aqui e agora de Aristides Fraga Lima pela Scipione (1991)
>>> Memória do Cinema de Henrique Alves Costa pela Afrontamento (2024)
>>> Os Filhos do Mundo - a face oculta da menoridade (1964-1979) de Gutemberg Alexandrino Rodrigues pela Ibccrim (2001)
>>> Arranca-me a Vida de Angeles Mastretta pela Siciliano (1992)
>>> Globalizacão, Fragmentacão E Reforma Urbana: O Futuro Das Cidades Brasileiras Na Crise de Luiz Cezar de Queiroz Ribeiro; Orlando Alves dos Santos Junior pela Civilização Brasileira (1997)
>>> Movimento dos Trabalhadores e a Nova Ordem Mundial de Clat pela Clat (1993)
>>> Falso Amanhecer: Os Equívocos Do Capitalismo Global de John Gray pela Record (1999)
>>> Os Colegas de Lygia Bojunga pela Casa Lygia Bojunga (1986)
>>> Amazonas um Rio Conta Historias de Sergio D. T. Macedo pela Record (1962)
>>> A História de Editora Sextante pela Sextante (2012)
>>> Villegagnon, Paixaƒo E Guerra Na Guanabara: Romance de Assis Brasil pela Rio Fundo (1991)
>>> A Política de Aristóteles pela Ediouro
>>> A Morte no Paraíso a tragédia de Stefan Zweig de Alberto Dines pela Nova Fronteira (1981)
>>> Rin Tin Tin a vida e a lenda de Susan Orlean pela Valentina (2013)
>>> Estudos Brasileiros de População de Castro Barretto pela Do Autor (1947)
>>> A Origem do Dinheiro de Josef Robert pela Global (1989)
>>> Arquitetos De Sonhos de Ademar Bogo pela Expressão Popular (2024)
>>> Desafio no Pacífico de Robert Leckie pela Globo (1970)
>>> O Menino do DedoVerde de Maurice Druon pela José Olympio (1983)
>>> A Ciencia Da Propaganda de Claude Hopkins pela Cultrix (2005)
>>> Da Matriz Ao Beco E Depois de Flavio Carneiro pela Rocco (1994)
>>> Testemunho de Darcy Ribeiro pela Edições Siciliano (1990)
>>> Tarzan e o Leão de Ouro de Edgar Rice Burroughs pela Record (1982)
>>> Viagem de Graciliano Ramos pela Record (1984)
COLUNAS

Sexta-feira, 18/1/2013
Coisas que eu queria saber fazer
Ana Elisa Ribeiro
+ de 6100 Acessos

Dia desses, numa cidade bem longe daqui, surpreendi um arquiteto começando a desenhar a planta baixa de uma casa. Era uma encomenda. Alguém queria uma casa que começasse do zero. Uma criação. Morar em uma ideia que nunca tinha existido.

Ele sustentava a cabeça com uma das mãos enquanto a outra mão segurava um lápis que ameaçava tocar, de leve, uma folha de papel milimetrado. E antes que o grafite marcasse o branco, eu apareci na porta e perguntei o que era aquilo. Eu já sabia, mas eu queria saber mais, saber certo, saber pra poder me declarar. Eu acho arquitetura uma das coisas mais lindas do universo.

Eu disse ao arquiteto que achava aquilo muito bonito. Pedi a ele, feito uma criança, que me deixasse ficar ali vendo-o trabalhar, mas acho que isso não funciona com os arquitetos, nem com os poetas, nem com os músicos. Meus olhos e minha respiração ali podiam desconcentrar o moço, que passou, então, a me explicar coisas. Explicou como começa, de onde vinha aquele projeto, qual era o fluxo que ele preferia seguir; explicou sua ideia inicial, mas disse que ela mudaria muito, tantas vezes, e que isso seria normal; e que o pedido de alguém é muito difícil de traduzir, de atender, de entender; e explicava que ele imaginou uma casa com base nas palavras imprecisas de alguém que queria morar.

Se eu soubesse desenhar casas e antever combinações de cores, coisas que não sei fazer mesmo, eu projetaria minha casa para muitas felicidades. Mas minha casa foi feita assim, aos remendos, então não sei como apurá-la. Nem sequer soube escolher as cores das paredes ou o desenho das peças de cerâmica que pus no chão. Na minha casa não teve espaço pra sonho e nem pra descanso.

E ninguém me seguraria se eu soubesse desenhar. Uma das coisas mais bonitas que há é ver alguém tirando da ponta do lápis um dragão, uma abelha, uma pessoa ou um corpo nu. Ilustrar livros, então, é coisa divina, não tem precedentes nesta Terra. Ouvir ou ler uma história e transformá-la numa cena, num texto de ver, com cores ou não. Ninguém me seguraria nesta vida se eu pudesse fazer quadrinhos ou cartuns. Imagina a ironia em um quadro só. A escrita pede uma lógica mais miúda, parece. E eu a tenho. Mas não aprendi a desenhar.

Sempre dizem que nossa curtição com desenho é de criança. Muita criança (pra não dizer toda) desenha, desde muito cedo, e se expressa nessa linguagem. E acusam, por aí, a escola e tudo o mais de irem podando essa nossa expressão, até que ela se torne mínima, ínfima, quase invisível. O desenho não é a expressão mais importante, mais necessária ou mais solicitada do nosso mundo escolar. Há campanhas de ler e escrever, mas não as há de desenhar. E se havia um artista futuro, é tratar de ensiná-lo a se esconder atrás das redações e dos concursos de vestibular. Vai desenhar pra brincar, não pra fazer coisa séria.

Mas eu não sei se acredito nisso. Onde estava meu talento de desenhista? Nunca tive. Já vim castrada desde o útero. Minha expressão já queria ser, há séculos, aquela que emprega as palavras. Mas eu sei, de fato, de gente que se exprimia no desenho e teve de despistar. Ou, ao menos, teve de controlar melhor os impulsos. Lá adiante, na engenharia ou na arquitetura, é possível exprimir um desenho mais controlado, sistematizado e científico. Arquiteto que inventa é poeta. Mas ser poeta não é coisa que se diga por aí.

Se eu soubesse desenhar, faria casas bonitas pra a gente morar; pessoas lindas pra a gente namorar; ilustraria histórias pra a gente curtir; projetaria cidades pra a gente sossegar. Mas não é isso o que eu sei fazer. E não sei mesmo. Saem aqui minha menina de palitos e meu carrinho de bolotas. Nada mais.

A expressão que eu escolhi e que eu exercitei foi a das palavras. Isso também não escapou do controle e da sistematização. Quiseram me ensinar a me recolher, a usar o verbo comum e a não criticar demais. Ensinaram lá umas regras da quantidade de parágrafos e um jeito padrão de desenrolar o assunto. Eu fingi. Eu fingi direitinho que ia obedecer. Eu pegava escondido meus cadernos com pautas regulares e escrevia do jeito que eu queria, do jeito que eu achava que ia ficar mais bonito. Se era esquisito? Não achava. Achava engenhoso. Achava charmoso. Vez ou outra, mostrava pra alguém e fazia arrepiar. Mas eu escondia tudo de novo, na mesma gaveta, pra fazer minha obrigação.

Escrever também não é coisa que se deixe alguém fazer livremente. Tem campanha pra ler, pra consumir, mas não tem campanha pra todo mundo escrever. O que vão dizer? Melhor não saber. Ler calado é coisa garantida. E, mesmo assim, não ensinam a ler direito. A quietude, aqui, não é desejo, é impotência. Ler e escrever dão poder. A quem?

Eu fiquei ali olhando o arquiteto trabalhar. Vi que ele riscou, apagou, riscou de novo, aumentou, diminuiu, trocou de lugar. Para acabar, tinha de ir pro computador, colorir, calcular. Ele gastou muitas daquelas folhas quadriculadas para projetar o que ainda iria mostrar. E me deu, então, uma vontade danada de escrever.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 18/1/2013

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Os Doze Trabalhos de Mónika. 5. Um Certo Batitsky de Heloisa Pait
02. As mulheres de Rubem Fonseca de Gabriela Vargas


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2013
01. Elogio ao cabelo branco - 16/8/2013
02. O fim e o café solúvel - 26/4/2013
03. A bibliotecária de plantão - 18/10/2013
04. Coisas que eu queria saber fazer - 18/1/2013
05. Se ele não me lê - 8/3/2013


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Geografia Econômica Do Petróleo
Peter R. Odell
Zahar
(1966)



Máscaras e Murais de Minha Terra
Manoelito de Ornellas
Globo
(1966)



Livro Sociologia Dicionário Crítico de Sociologia
R. Boudon / F. Bourricaud
Ática
(1993)



Terra de Santa Cruz
Adélia Prado
Guanabara
(1986)



Hitler's Spy Against Churchill
Jan-Willem van den Braak
Pen and Sword Military
(2022)



O Cristo de Deus
Manuel Quintão
Federação Espírita Brasileira
(1955)



Cidadania e Participação
José Álvaro Moisés
Marco Zero
(1990)



Charbonneau Ensaio e Retrato
Alberto Martins
Scipione
(1997)



A Pipa
Roger Mello
Global
(2017)



Pétalas de Sangue
Ana Luisa Tavares
Do Autor
(2015)





busca | avançada
74383 visitas/dia
2,4 milhões/mês