O risco de se tornar um sem-noção | Marta Barcellos | Digestivo Cultural

busca | avançada
41871 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Namíbia, Não! curtíssima temporada no Sesc Bom Retiro
>>> Ceumar no Sesc Bom Retiro
>>> Mestrinho no Sesc Bom Retiro
>>> Edições Sesc promove bate-papo com Willi Bolle sobre o livro Boca do Amazonas no Sesc Pinheiros
>>> SÁBADO É DIA DE AULÃO GRATUITO DE GINÁSTICA DA SMART FIT NO GRAND PLAZA
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Modernismo e além
>>> Pelé (1940-2022)
>>> Obra traz autores do século XIX como personagens
>>> As turbulentas memórias de Mark Lanegan
>>> Gatos mudos, dorminhocos ou bisbilhoteiros
>>> Guignard, retratos de Elias Layon
>>> Entre Dois Silêncios, de Adolfo Montejo Navas
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> O que há de errado
>>> A moça do cachorro da casa ao lado
>>> A relação entre Barbie e Stanley Kubrick
>>> Um canhão? Ou é meu coração? Casablanca 80 anos
>>> Saudades, lembranças
>>> Promessa da terra
>>> Atos não necessários
>>> Alma nordestina, admirável gênio
>>> Estrada do tempo
>>> A culpa é dele
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Bate-papo com Odir Cunha
>>> Entrevista com Sérgio Rodrigues
>>> Leblon
>>> Uma entrevista literária
>>> A ilusão da alma, de Eduardo Giannetti
>>> Salinger, de David Shields e Shane Salerno
>>> O Coronel, o Lobisomem e o Vestibular
>>> O delfim, de José Cardoso Pires
>>> Apresentação autobiográfica muito solene
>>> #ImpeachemnetPapaFrancisco
Mais Recentes
>>> Chico Xavier Nº 1 Vida e Obra de Vários Autores pela Escala
>>> Terra meus primeiros 4,54 Bilhões de Anos 379 de Stacy McAnulty pela Melhoramentos (2022)
>>> O Ressurgimento de Fátima de Trigueirinho pela Pensamento (1992)
>>> O Patinho Matemático 379 de Jean-Claude Alphen pela Melhoramentos (2017)
>>> Te Quero Verde (ótimo estado) de Ieda Martins De Oliveira pela Cpb (1999)
>>> Roteiro - Pocket de Francisco Cândido Xavier pela Federação Espírita Brasileira (1994)
>>> Com Vacina tudo em Cima 379 de Carme Dolz pela Melhoramentos (2022)
>>> A História do Lobo Solitário 379 de Lúcia Brandão pela Melhoramentos (2022)
>>> A Política do Precariado do Populismo à Hegemonia Lulista de Ruy Braga pela Boitempo (2012)
>>> Nosso corpo é Demais 379 de Tyler Feder pela Melhoramentos (2022)
>>> A Menina e o Vestido de Sonhos 379 de Alexandre Rampazo pela Melhoramentos (2022)
>>> Cosmogênese de Dr. Jorge Adoum pela Feeu (1977)
>>> Araxá - Põe a Mesa - Vol. 2 de Fernando Braga de Araújo pela O Lutador
>>> Os Fundamentos Da Fisica 1- Mecanica - 7ª Ed (muito bom) de Toledo Ramalho, Nicolau pela Moderna (2000)
>>> O Trabalho no Mundo Contemporâneo: fundamentos e desafios para a saúde de Ialê Falleiros Braga, Muza Clara Chaves Velasques e outros (Orgs.) pela Fiocruz (2016)
>>> A Garota que não se Calou de Daré pela Tag (2021)
>>> "Eu Sou" o "Eu Sou" de Ponte Para a Liberdade pela Feeu (1979)
>>> Escravidão Volume 1 de Laurentino Gomes pela Globo Livros (2019)
>>> O Novo Livro de Massagem de Lucy Lidell / Sara Thomas pela Manole (2000)
>>> Ultimate Guide to Link Building de Eric Ward pela Entrepreneur (2013)
>>> Herdeiras do Mar de Mary Lynn Bracht pela Paralele (2020)
>>> A serra do rola-moça de Martinho da Vila pela Zfm (2009)
>>> Sexo, Amor e Sedução (como novo) de Fatima Moura pela Harbra (2006)
>>> Dom Quixote vol. 1 de Miguel de Cervantes pela Abril Cultural (1981)
>>> Potestade de Gleides Giorgio Affonso (Org) pela Átomo (1999)
COLUNAS

Sexta-feira, 28/12/2012
O risco de se tornar um sem-noção
Marta Barcellos
+ de 3900 Acessos

Nove de outubro de 2012: "Ipanema é nossa", gritaram os banhistas quando guardas municipais foram repreendê-los por jogar bola em horário proibido naquela faixa de areia. Era terça-feira e a praia estava cheia. A mesma frase, alguns meses antes, estava por trás de um movimento de moradores que tentavam retirar do projeto do metrô uma estação prevista para o coração do bairro, na praça Nossa Senhora da Paz. Na Ipanema deles, a estação seria um incômodo desnecessário.

De quem é Ipanema, afinal? Nunca morei, mas tive um escritório lá. Se não fosse por um episódio no início da minha temporada ipanemense, talvez eu tivesse incorrido no erro de me sentir coproprietária do bairro - um sentimento comum a moradores engajados, um equívoco que tem lá seus aspectos positivos se gerar uma postura participativa e cidadã. Em bairros de classe alta, porém, o pronome possessivo antes de "rua", "praça", "bairro" tem seus perigos: pode revelar uma elite encastelada e sem noção da realidade, mesmo numa cidade como o Rio, conhecida pela proximidade física entre ricos e pobres, "asfalto" e favela.

Estamos falando de Brasil também. De São Paulo (qualquer semelhança entre Ipanema e Higienópolis não é mera coincidência). O risco de se tornar um "sem-noção" espreita como um todo a elite que não elabora sobre a sua condição, a elite econômica não intelectualizada que caracteriza o nosso país.

Mas não estou aqui para me colocar em posição de exceção ou superioridade intelectual. Como confessava antes, eu mesma, distraída, poderia ter chegado a bradar pela "minha Ipanema" em alguma situação de estresse ("essa vaga é minha!", já gritei em um estacionamento de shopping, às vésperas do Natal). Na vida confortável que levo, só não corro risco de me tornar uma "sem-noção" porque fui criada em um ambiente politizado, que separava "conscientes" de "alienados" - desprezíveis seres desinformados que na prática seriam cúmplices da ditadura militar.

Com o fim das ideologias, acredito que meu risco continua baixo graças ao exercício da alteridade que acompanha todo escritor, essa mania-curiosidade de imaginar como seria ser outro, ser diferente, se deixar atravessar pela descoberta do senhor carrancudo escondido pelo vidro fumê do Mercedes choferado, ou da mocinha escondida no uniforme de faxineira no banheiro público.

Mas isso é outra história, outra coluna. O objetivo desta é contar sobre as vezes em que me flagrei quase sem noção da realidade, e fiquei em pânico diante da possibilidade de estar me tornando uma odiosa "alienada".

Em relação à Ipanema, a ficha caiu lá pelas 11h do dia 24 de outubro de 2007. Cinco anos antes do "Ipanema é nossa" ouvido recentemente na praia carioca. Como chovera a noite toda, previ o trânsito caótico na cidade e resolvi ir a pé para o trabalho, de galochas. No caminho, no entanto, além de poças, havia algo estranho, muito estranho, nas ruas da Zona Sul. Nada. Ninguém. Em pleno dia útil, o comércio não abria suas portas. Um ou outro funcionário, desolado, esperava junto às portas de ferro cerradas. Em vão. O gerente, ou o vendedor com a chave, não havia chegado. E não chegaria, no dia em que zonas sul e norte da cidade foram isoladas por uma chuva forte de madrugada.

Atingido por um deslizamento, o túnel Rebouças, emblemática ligação entre a região nobre e o "resto" da cidade, estava interditado, e as vias alternativas rapidamente entraram em colapso por causa do trânsito ou dos alagamentos. Sem os empregados que abrem as portas das butiques famosas, dos restaurantes estrelados, dos cafés charmosos, dos consultórios renomados, dos cabeleireiros chiques..., não havia Ipanema. Se, naquele dia, o sol permitisse um banho de mar, os moradores sem noção poderiam jogar bola na praia, mas não encontrariam água de coco para comprar, ou cadeiras e barracas para alugar. E pensar que coco, cadeiras e barracas foram as "armas" utilizadas pelos banhistas para expulsar os guardas municipais, chamados no vídeo de "bando de fodidos"...

A partir daquele dia, fui perseguida por uma espécie de obsessão: tentar calcular quanto por cento do burburinho de Ipanema, do vai-vem nas calçadas, era efeito da multidão de prestadores de serviços que moram "além túnel". Não cheguei a um número, óbvio, mas tive certeza de que Ipanema não pertencia à meia dúzia dos que dormem por lá. Quando soube do movimento contra a estação de metrô na Praça Nossa Senhora de Paz, fiquei indignada: os empregados de Ipanema deveriam ser consultados, não apenas os moradores!

Agora vou contar sobre outro dia em que, envergonhada, percebi outra ficha caindo. Nos últimos anos tenho me dedicado a escrever pequenas biografias de pessoas admiráveis, em geral com idade suficiente para ganhar tal status (não, eu não acho que Justin Bieber mereça uma segunda biografia). Pois é comum que esses entrevistados me contem sobre o maravilhoso ensino recebido em escolas públicas, no remoto tempo em que as escolas públicas eram maravilhosas. E foi assim que eu, atenta aos problemas educacionais do país e orgulhosa filha de professor, fui assimilando a ideia de que a luta hoje neste campo é por algo que já existiu no passado.

Até que, numa tarde preguiçosa de domingo, folheando uma revista semanal, me detive na entrevista de um economista que falava sobre educação. Samuel Pessoa, chefe do Centro de Crescimento Econômico da Fundação Getúlio Vargas, entre outros dados citava um número que surtiu em mim o efeito de uma bomba: nos anos 1950, 70% das crianças entre 7 e 14 anos estavam fora da escola.

Então era isso. A maravilhosa escola pública na qual pessoas brilhantes estudaram só era maravilhosa porque atendia apenas a uma minoria, a pequena classe média da época. E nesses anos todos eu não havia feito qualquer questionamento ao saudosismo em torno da escola pública de antigamente.

No momento em que aquela ficha caiu, uma outra, presa em um vespeiro, começou a se movimentar na minha consciência não alienada. Não estaríamos todos deixando de ver algo na atual discussão em torno das cotas na universidade pública? Pois é. Quando essa ficha cair de vez, juro que conto aqui.



Marta Barcellos
Rio de Janeiro, 28/12/2012

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Churchill, de Paul Johnson de Guilherme Pontes Coelho


Mais Marta Barcellos
Mais Acessadas de Marta Barcellos em 2012
01. A Paris de Chico Buarque - 19/10/2012
02. O fim do livro, não do mundo - 20/4/2012
03. Esquecendo de mim - 25/5/2012
04. O Facebook e a Alta Cultura - 17/8/2012
05. O direito autoral vai sobreviver à internet? - 27/1/2012


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Livro - O Monge e o Executivo uma História Sobre a Essência da Liderança
James C. Hunter
Sextante
(2004)



Longa jornada noite adentro
Eugene O´Neill
Abril
(1980)



Redes de Computadores - Conceito e Prática 3ªed(2010)
Camila Cecatto da Silva
Viena
(2010)



Coleção de Olho no Mundo Bandeirantes (2000)
Abril
Abril
(2000)



Ser Mãe É Sorrir Em Parafuso
Lô Galasso
Integrare
(2007)



Rei Lear
William Shakespeare
Scipione
(2002)



O Fantasma de Clara
Taylor Caldwell
Clube do Livro
(1987)



Poderosa
Sergio Klein
Fundamento
(2008)



Contabilidade e Finanças para Executivos - Confira!
Oswaldo Doria
Do Autor
(1998)



Livro - A Volta ao Mundo Em Oitenta Dias - Eu Leio
Júlio Verne
Ática
(2000)





busca | avançada
41871 visitas/dia
1,4 milhão/mês