O Facebook e a Alta Cultura | Marta Barcellos | Digestivo Cultural

busca | avançada
46852 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Sexta-feira, 17/8/2012
O Facebook e a Alta Cultura
Marta Barcellos

+ de 4300 Acessos

Estou criticamente no Facebook, e desconfio dos superadaptados.

Há alguns dias fiz uma espécie de teste, embora não fosse esta a intenção. Com diferença de poucos minutos, postei (ou publiquei, como prefere o site) duas coisas: uma foto minha em um lançamento de livro, com o comentário de que uma nova edição fora lançada em inglês ("não é chique?"), e o link da minha última coluna no Digestivo.

Com a experiência de ex-blogueira, mas a inexperiência de quem não desenvolveu lá muito traquejo em redes sociais, dessa vez procurei fazer um comentário sobre a coluna. Ou, como se diz no jornalismo, uma 'chamada' - com a linguagem apropriada ao meio, claro. Nas colunas anteriores, quando me lembrava de divulgá-las no Facebook, só colocava o link - sem comentário, chamada, status ou sei lá como o site de Zuckerberg e seus acionistas chama atualmente o texto curto o suficiente para ser curtido por quem passa apressado por murais abarrotados de novidades.

Deu-se o seguinte: a coluna, como acontecera das vezes anteriores, passou batida. Quer dizer, aqui no Digestivo, neste momento, o marcador dá conta de 759 acessos. Mas nenhum dos meus 241 amigos do Facebook pareceu notar o link. Já a foto - uma foto que eu informava ser do ano passado - chamou a atenção. De forma muito simpática, dezenas de amigos curtiram e me parabenizaram pela edição em inglês, o que me deixou um pouco encabulada, por eu não ser adepta da autopromoção em formato tão pessoal. De qualquer jeito, eu tinha descoberto o caminho para lidar com o FB como ferramenta de divulgação...

O que me deixou encasquetada foi pensar em como teria sido o processo de uma publicação se tornar popular e a outra, não. Tentei imaginar o que teria acontecido na tela de cada um dos meus 241 amigos, em como funcionam os meandros dos algoritmos do Facebook, dos interesses de seus patrocinadores e anunciantes. As pessoas naturalmente curtem mais um tipo de publicação (uma foto, uma autopromoção) e menos outro tipo (um conteúdo maior, que precisa ser lido na internet "de fora")? Ou estão sendo induzidas a isso?

Nada demais que estejam sendo induzidas. Mudar - ou tentar mudar - comportamentos faz parte do jogo do mercado, do consumo, do capitalismo no qual vivemos. A tecnologia, sem dúvida, potencializa isso. Pode haver um interesse hoje em tornar nossa interação narcisista e superficial, assim como no passado parecia interessante a emissoras de TV nos tornar zumbis atentos a mensagens comerciais, ou ainda como os primeiros shopping centers faziam corredores escorregadios e sem bancos para que os consumidores ficassem atentos apenas às vitrines.

Levas de consumidores foram treinados e agiram como previam os estímulos, e outras levas de alguma forma se rebelaram. Hoje há controles remotos e sofás em corredores de shoppings - o que pode ser analisado como conquista do consumidor, ou adaptação dos modelos de negócios. O certo é que, enquanto houver um ambiente democrático, o consumidor/internauta pode surpreender as empresas que o disputam, se entediando de repente ou se rebelando - e o ambiente ágil da internet também potencializa isso.

Por tudo isso, vou continuar frequentando o Facebook para ver aonde vamos chegar. Estarei atenta e crítica, aproveitando a tal interatividade para questionar ou me rebelar sempre que for possível. Às vezes estranho que na minha lista de amigos não tenha mais gente esperneando ou fazendo piada sobre o próprio Facebook. Ao contrário, parece haver um esforço para se adaptar.

Mas sou otimista. Nem todo mundo virou zumbi na frente da TV, nem todo mundo vai virar narcisista e superficial nas redes sociais. Pressinto uma próxima onda, um lugar de resistência, um canal descoberto no controle remoto, uma outra internet pertinho de nós. No mesmo dia do meu teste involuntário no Facebook (preciso usar e testar mais...), li no jornal que sobrou no Rio dois colunistas, dos quais gosto muito, de certa forma fazendo a mesma aposta: a da convivência entre o conteúdo de qualidade, ou a "alta cultura", com os interesses comerciais que hoje parecem voltados para o superficial ou "popular".

Depois de descobrir um canal na TV com bons documentários, como exceção, Arthur Dapieve lembrava aos programadores de plantão que gosto cultural não é eterno, mas derivado de "movediças circunstâncias":

"Poderíamos chamar a programação composta por documentários sobre história e arte, concertos de música clássica, espetáculos de balé, de 'Classe A' se essa expressão não fosse culturalmente desprovida de qualquer significado no Brasil. Com as notórias exceções que batizam institutos e fundações, o apreço pela arte nunca foi característico da elite econômica brasileira. A música ruim que toca na laje toca também na cobertura. No momento em que quase todos, dos produtores de cultura aos fabricantes de geladeiras, direcionam seu trabalho para a 'Classe C' - gerando reação de indivíduos ou grupos postos em segundo plano - parece-me haver um equívoco compartilhado entre os que abominam e os que exaltam um suposto gosto emergente. E o equívoco é considerar que, além de ser único, esse gosto não está sujeito a mudanças, mudanças que, com o aumento do acesso à internet ou à TV por assinatura, podem ser bastante rápidas.

Já Hermano Vianna, sempre entusiasta das novidades tecnológicas, decidiu defender a "chatice" da "alta cultura", diante da cobrança, na Flip, por debates mais divertidos ou empolgantes:

"Não vou esbravejar contra a 'lógica do consumo' que tomou conta da cobertura e da atitude da plateia mesmo em eventos de Alta Cultura. (...) Porém, preciso defender com unhas e dentes o nosso direito ao morno, ao pálido, e - radicalizando - ao chato. Alguns dos espetáculos mais marcantes da minha vida, ou alguns livros que mais amei, foram de uma chatice avassaladora - e só atravessando vastos desertos de tédio (pois sou muito disciplinado) consegui perceber suas belezas. Se a chamada Alta Cultura perder essa permissão de nos entediar, muitas obras primas da Humanidade deixarão de ser criadas. Também preciso defender os escritores malas. É muita crueldade exigir que, além de escrever bem, tenham talento para divertir ou esquentar plateias impacientes, com déficit de atenção ou com hiperatividade só controlada com muita ritalina. Ficou chato, não está a fim de enfrentar a chatice? Navegue pela internet do seu smartphone, mas mantenha um ouvido ligado no palco: quem sabe daqui a vinte minutos o escritor morno não solte uma frase brilhante de poucos caracteres e perfeitamente retuitável?"

Vista por este ângulo - o da convivência -, a profusão de smartphones e tablets que tanto me irritou na Flip não parece ruim... Afinal, quero mais é conciliar os mundos e acabar com as falsas dicotomias, e que o meu mural no Facebook tenha, além de links interessantes, fotos fofas dos filhos dos meus amigos. Só vamos torcer para o FB não boicotar os links que nos levam a outras internets. Senão, mudamos de canal, ou vamos curtir no shopping com livrarias e sofás.



Marta Barcellos
Rio de Janeiro, 17/8/2012


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Não quero ser Capitu de Cassionei Niches Petry
02. Os Doze Trabalhos de Mónika. 11. A Quatro Braçadas de Heloisa Pait
03. A poesia afiada de Thais Guimarães de Jardel Dias Cavalcanti
04. Oswald de Andrade e o homem cordial de Celso A. Uequed Pitol
05. O tremor na poesia, Fábio Weintraub de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Marta Barcellos
Mais Acessadas de Marta Barcellos em 2012
01. A Paris de Chico Buarque - 19/10/2012
02. O fim do livro, não do mundo - 20/4/2012
03. O Facebook e a Alta Cultura - 17/8/2012
04. Esquecendo de mim - 25/5/2012
05. O direito autoral vai sobreviver à internet? - 27/1/2012


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




MANUAL DE DIREITO COMERCIAL 8ª EDIÇÃO
WALDO FAZZIO JUNIOR
ATLAS
(2007)
R$ 40,00



ENSINANDO A CUIDAR DE CRIANÇA
NÉBIA MARIA A. DE FIGUEIREDO
DIFUSÃO ENFERMAGEM
(2003)
R$ 16,00



O BRASIL TEM CURA
RACHEL SHEHERAZADE
MUNDO CRISTÃO
(2015)
R$ 10,00



AQUARELA BRASILEIRA
BETH CANÇADO
CORTE
(1995)
R$ 10,00



FISISCA SER PROTAGONISTA BOX- VL. UNICO
ADRIANA BENETTI MARQUES VALIO E OUTRO
SM
(2016)
R$ 220,00



TEATRO CUBANO: TEATRO CUBANO ACTUAL
ADYS GONZALO DE LA ROSA (ED.)
ALCALÁ
(2003)
R$ 22,00



FILOSOFIA NA ANTIGUIDADE - SÓCRATES E PLATÃO
RÉGIS FERNANDES DE OLIVEIRA
REVISTA DOS TRIBUNAIS
(2012)
R$ 28,00



MARKETING ESSENCIAL: CONCEITOS, ESTRATÉGIAS E CASOS
PHILIP KOTLER
PRENTICE HALL BRASIL
(2013)
R$ 50,00



O LIVRO DO PENDULO
SIG LONEGREN
BERTRAND
(1997)
R$ 20,00



A TERAPIA MAIS BREVE POSSÍVEL - AVANÇOS EM PRÁTICAS PSICANALÍTICAS
SOPHIA ROZZANNA CARACUSHANSKY
SUMMUS
(1990)
R$ 50,00





busca | avançada
46852 visitas/dia
1,1 milhão/mês