Pagando promessas na terra do sol | Marcelo Miranda | Digestivo Cultural

busca | avançada
78105 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Filó Machado e Felipe Machado dividem o palco em show online pelo CulturaEmCasa
>>> Cassio Scapin e artistas de grandes musicais fazem campanha contra o abuso sexual infantil
>>> Terça Aberta na Quarentena une teatro e a dança
>>> “Um pé de biblioteca” estimula imaginação e ajuda a criar novas bibliotecas pelo Brasil
>>> Diálogos na Web FAAP: Na pauta, festivais de cinema e crítica cinematográfica
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Meu malvado favorito
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I
>>> Contentamento descontente: Niketche e poligamia
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
Colunistas
Últimos Posts
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> Sucharita Kodali no Fórum 2020
>>> Leitura e livros em pauta
>>> Soul Bossa Nova
>>> Andreessen Horowitz e o futuro dos Marketplaces
>>> Clair de lune, de Debussy, por Lang Lang
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Stock Pickers ao vivo na Expert 2020
Últimos Posts
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
>>> Deu branco
>>> Entre o corpo e a alma
>>> Amuleto
>>> Caracóis me mordam
>>> Nome borrado
>>> De Corpo e alma
>>> Lamentável lamento
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST)
>>> Para você que vai votar...
>>> A medida do sucesso
>>> Fuvest divulga lista de livros para 2017
>>> 35 anos do Clube da Esquina
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> Inquietações de Ana Lira
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Jingle Bells
>>> Mano Juan, de Marcos Rey
Mais Recentes
>>> Nosso Lar de André Luiz pela Feb (2009)
>>> VADE MECUM SARAIVA COMPACTO 2020 22 ED de ED SARAIVA(339/4/3321/2928) pela ED SARAIVA(339/4/3321/2928)
>>> JEITO HARVARD DE SER FELIZ O de ED SARAIVA(339/4/3321/2928) pela ED SARAIVA(339/4/3321/2928)
>>> Noite na Taverna / Macário Coleção a Obra-prima de Cada Autor de Álvares de Azevedo pela Martin Claret (2003)
>>> No Caminho de Swann Em Busca do Tempo Perdido Vol 1 de Marcel Proust pela Ediouro (1992)
>>> VADE MECUM TRADICIONAL 2020 (30ED)(SAR de ED SARAIVA(339/4/3321/2928) pela ED SARAIVA(339/4/3321/2928)
>>> MITO DA BELEZA de ED ROSA DOS TEMPOS(3412/4/2928 pela ED ROSA DOS TEMPOS(3412/4/2928
>>> Ninguém é de Ninguém de Harold Robbins pela Estadão (1997)
>>> BIBLIOTECA HOGWARTS CD BOX de ED ROCCO(132/668/9748) pela ED ROCCO(132/668/9748)
>>> Ninguém é de Ninguém de Zibia Gasparetto pela Vida & Consciência (2002)
>>> Nascemos para Estar Juntos de Kim Anderson pela Verga & Riba (1998)
>>> TESTAMENTOS, OS de ED ROCCO(132/668/9748) pela ED ROCCO(132/668/9748)
>>> HARRY POTTER E AS RELIQUIAS DA MORTE C de ED ROCCO(132/668/9748) pela ED ROCCO(132/668/9748)
>>> Não Leve a Vida tão a Sério de Hugh Prather pela Sextante (2003)
>>> HARRY POTTER E O CALICE DE FOGO ROCC de ED ROCCO(132/668/9748) pela ED ROCCO(132/668/9748)
>>> Mulherzinhas de Louisa May Alcott pela Principis (2020)
>>> HARRY POTTER E O ENIGMA DO PRINCIPE CA de ED ROCCO(132/668/9748) pela ED ROCCO(132/668/9748)
>>> HARRY POTTER E O PRISIONEIRO DE AZKAB de ED ROCCO(132/668/9748) pela ED ROCCO(132/668/9748)
>>> LIMITE ZERO de ED ROCCO(132/668/9748) pela ED ROCCO(132/668/9748)
>>> Muito Além dos Sonhos de Sérgio Luiz Sala pela Dpl Espiritualista (2001)
>>> HARRY POTTER E A CAMARA SECRETA de ED ROCCO(132/668/9748) pela ED ROCCO(132/668/9748)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de M. D. Brian L. Weiss pela Salamandra (1991)
>>> HARRY POTTER E A ORDEM DA FENIX CAPA D de ED ROCCO(132/668/9748) pela ED ROCCO(132/668/9748)
>>> HARRY POTTER E A CAMARA SECRETA ED 20 de ED ROCCO(132/668/9748) pela ED ROCCO(132/668/9748)
>>> HARRY POTTER E A CRIANCA AMALDICOADA de ED ROCCO(132/668/9748) pela ED ROCCO(132/668/9748)
>>> HARRY POTTER E O CALICE DE FOGO CAPA D de ED ROCCO(132/668/9748) pela ED ROCCO(132/668/9748)
>>> Mosteiro de São Jeronimo de Valter Turini; Monsenhor Sintra pela Clarim (2008)
>>> CONTO DA AIA ,O de ED ROCCO(132/668/9748) pela ED ROCCO(132/668/9748)
>>> Morte no Nilo de Agatha Christie pela Altaya (1937)
>>> Morte na Mesopotâmia a Rainha do Crime de Agatha Christie pela Record
>>> 48 LEIS DO PODER AS de ED ROCCO(132/668/9748) pela ED ROCCO(132/668/9748)
>>> CANTIGA DOS PASSAROS E DAS SERPENTES de ED ROCCO(132/668/9748) pela ED ROCCO(132/668/9748)
>>> HARRY POTTER E A PEDRA FILOSOFAL ROC de ED ROCCO(132/668/9748) pela ED ROCCO(132/668/9748)
>>> Morri para Viver de Andressa Urach pela Planeta (2015)
>>> HARRY POTTER E A PEDRA FILOSOFAL ED 20 de ED ROCCO(132/668/9748) pela ED ROCCO(132/668/9748)
>>> HARRY POTTER E A CAMARA SECRETA CAPA D de ED ROCCO(132/668/9748) pela ED ROCCO(132/668/9748)
>>> HARRY POTTER E O PRISIONEIRO DE AZKABA de ED ROCCO(132/668/9748) pela ED ROCCO(132/668/9748)
>>> Mogli o Menino Lobo de Rudyard Kipling pela Wmf Martins Fontes (2016)
>>> BOX HARRY POTTER de ED ROCCO(132/668/9748) pela ED ROCCO(132/668/9748)
>>> BOX HARRY POTTER ED 20 ANOS COMEMORATI de ED ROCCO(132/668/9748) pela ED ROCCO(132/668/9748)
>>> HARRY POTTER E A PEDRA FILOSOFAL CAPA de ED ROCCO(132/668/9748) pela ED ROCCO(132/668/9748)
>>> Moby Dick 2 Volumes de Herman Melville pela Abril Cultural (1980)
>>> Mistérios Contos de Lygia Fagunes Teles pela Nova Fronteira (1981)
>>> Mistério no Castelo Toca do Lobo de Friedrich Nietzsche pela Atica (2000)
>>> Minhas Vidas Passadas de Mario Prata pela Planeta (2011)
>>> MULHERES QUE CORREM COM OS LOBOS CAPA de ED ROCCO(132/668/9748) pela ED ROCCO(132/668/9748)
>>> VADE MECUM ACADEMICO DE DIREITO 2020(3 de ED RIDEEL(239/668/2928/4) pela ED RIDEEL(239/668/2928/4)
>>> Meu Avô era uma Cerejeira de Angela Nanetti pela Wmf Martinsfontes (2007)
>>> BTS BIOGRAFIA NAO OFICIAL DOS ICONES K de ED RECORD(347) pela ED RECORD(347)
>>> Metodologia do Direito de Francesco Carnelutti pela Pillares (2012)
COLUNAS

Segunda-feira, 23/10/2006
Pagando promessas na terra do sol
Marcelo Miranda

+ de 6800 Acessos

Uma retrospectiva de quase toda a obra de Glauber Rocha está mobilizando o Cine Humberto Mauro, no Palácio das Artes, aqui em Belo Horizonte. Numa parceria com o Tempo Glauber - entidade sediada no Rio de Janeiro que cuida do acervo e memória do diretor -, a coordenação do cinema vem exibindo desde a semana passada grande parte do que o baiano realizou, entre curtas e longas-metragens. E então fui rever Deus e o Diabo na Terra do Sol, marco da cinematografia de Glauber, epopéia social e política que ainda hoje mexe com as emoções de quem assiste. Ver na tela grande, então, é de lacrimejar.

Mas o que me fez aparecer com este assunto aqui é uma curiosidade que apenas agora me veio à cabeça. Pode ser que outros já tenham falado disso, às vezes existem livros sobre o assunto, estudos, teses e sabe-se lá o que mais. Eu admito que apenas agora me dei conta do quanto Deus e o Diabo na Terra do Sol é semelhante a O Pagador de Promessas. Dirigido por Anselmo Duarte e lançado em 1962, esta adaptação da peça de Dias Gomes ganhou a Palma de Ouro no Festival de Cannes daquele ano, feito máximo do cinema brasileiro jamais igualado.

São filmes, a princípio, muito diferentes. O de Anselmo utiliza certo classicismo formal na narrativa e linguagem; o outro é um apanhado de imagens e montagens ideológicas. Um foi dirigido por um ex-galã de estúdios, em especial da Vera Cruz; o outro tinha no comando um artista enfezado, porreta, disposto a desbancar os poderosos em nome de sua utopia. Isso, para não falar em outras diferenças aparentes no simples assistir de cada filme.

Então, onde estão as semelhanças dos filmes? Antes disso: por que relacioná-los? Ora, apesar de pouca gente reconhecer, O Pagador de Promessas está, de certa forma, inserido no Cinema Novo. Anselmo Duarte participou da reunião de diretores que "criou" o termo imortalizado ao longo da história. Ele era membro da turma, cineasta insatisfeito com os rumos da arte brasileira e disposto a participar desse movimento cujo objetivo era criar um novo tipo de olhar na tela. Pois fez O Pagador..., causou impacto, foi a Cannes e ganhou. Acabou sendo a maldição de Duarte. Nunca mais ele conseguiu os apoios que buscava. Passou a ser enxergado como um intruso entre os cinemanovistas. "Nós aqui, fazendo política com imagens, vai esse galãzinho adaptar uma peça de teatro e leva o maior prêmio do cinema?!", pareciam bradar. Anselmo, rancoroso e irritadiço, largou pra lá a confusão e seguiu em frente - para jamais conseguir um grande sucesso como aquele que o consagrou.

Pagador

Segundo o próprio conta em depoimento ao crítico Luiz Carlos Merten no livro O Homem da Palma de Ouro, Anselmo Duarte recebeu tapinhas nas costas até de Glauber enquanto realizava O Pagador. Quando voltou da França, diz ter sido desprezado. No ano seguinte, o mesmo Glauber colocou em cena Deus e o Diabo na Terra do Sol, e foi aquele baque. Nunca um cineasta tinha lançado com tamanha força aos olhares de tanta gente e daquela forma tão politizada as mazelas sociais, políticas e econômicas do brasileiro comum. Imediatamente laureado como líder informal do movimento então em voga, Glauber capitaneou uma "rebelião" e seguiu realizando trabalhos controversos. Anos depois, enveredou por um cinema de poesia extremamente complexo.

Apesar de terem trilhado caminhos tão distintos, O Pagador de Promessas e Deus e o Diabo na Terra do Sol têm curiosas semelhanças. A começar por serem os segundos projetos em longa de seus realizadores. Glauber fizera Barravento anos antes, já demonstrando a verve combativa; Anselmo dirigiu a comédia Absolutamente Certo, brincadeira com a chanchada e de singela ingenuidade. Depois, quando ambos partiram para o próximo trabalho, escolheram histórias de cunho político, religioso e social. Deus e o Diabo... tem na figura de Manuel o homem injustiçado pelo poder, o rebelde que foge desembestado em busca de alguma resposta. Depara-se, primeiro, com o sincretismo e a fé inabalada no poder de Deus; depois, torna-se cangaceiro e enxerga na figura do "diabo loiro" Corisco a índole do terror e da luta física. No fim, não escolhe lado algum e decide, ele mesmo, definir um caminho.

Em O Pagador, o protagonista é Zé do Burro. Homem simples e humilde, vai a pé até a cidade. Carrega nas costas uma cruz de madeira, a fim de cumprir a promessa feita a Iansã que, supostamente, salvou seu burrico. Na porta da igreja, é barrado pelo padre, que não admite um homem do candomblé entrar em seu templo católico. Zé não admite a recusa e se fixa nas escadarias da igreja. Atrai jornalistas, políticos e cafetões em busca da capitalização de sua inocência.

Deus e o Diabo na Terra do Sol

Percebe-se que, nos dois filmes, existe o gancho do homem do campo atrás de resoluções. Um quer novos destinos; o outro quer manter a palavra. São confrontados com o poder da Igreja, sempre por meio da crença de que existe um ser maior a reger o universo e responsável por resolver os problemas do planeta. Seja curando burros ou transformando o sertão em mar, Deus é figura simbólica de esperança e conforto. Glauber e Anselmo trabalham esta idéia de jeitos bastante diferentes, mas a essência está toda lá. Outro fator ligado à religião e aproximador dos filmes é a desilusão com a tal crença. Em Deus e o Diabo, é a esposa Rosa quem enxerga a impossibilidade do pregador lhes dar novos rumos; em O Pagador, o representante da igreja em pessoa torna a vida de Zé um inferno e o leva à destruição. Há, também, uma esposa de nome Rosa, a soprar no ouvido do personagem o nível de loucura ao qual ele se submete. Tanto num filme como no outro, os maridos não escutam suas mulheres, para em seguida perceberem que elas estavam certas.

Uma leitura lado a lado dos filmes ainda pode permitir a percepção de rostos conhecidos. Othon Bastos interpreta personagens importantes: com Anselmo, ele estréia nos cinemas na pele de um jornalista encarregado de descolar uma grande matéria em cima da história de Zé do Burro; com Glauber, toma a tela de assalto como um alucinado e rodopiante Corisco, cangaceiro parceiro de Lampião que brada e corre a defender a barbárie em nome da justiça. Geraldo Del Rey é outro a aparecer duplamente. Em O Pagador de Promessas, surge como um cafetão que dispensa a prostituta vivida por Norma Bengell e tenta seduzir a inocente Rosa (Glória Menezes); na terra do sol de Glauber, Del Rey é Manuel, protagonista do filme, homem dividido entre a pregação e a danação.

Na diferenciação que caracteriza cada filme, a maior entre os dois em questão, além da discussão sobre linguagem, conceito e montagem, deve ser, afinal, a forma de olhar para o futuro. Em Glauber, existe uma esperança muito poderosa de que, agindo, deixando de lado a passividade, o homem comum pode atingir seus objetivos e destronar os poderosos. Pode transformar o sertão em mar. Já em Anselmo, este mesmo homem comum parece fadado a sucumbir ante os poderes estabelecidos, a não resistir à pressão de gente que se assume maior que o próximo, gente que leva ao limite uma imaginária cadeia de forças - e lutar contra tal cadeia parece apenas provocar mais dor.

Irônico que Anselmo Duarte, com seu triste O Pagador de Promessas, tenha seguido caminho parecido ao de seu protagonista, caindo em desgraça quando achou que estava por cima. E Glauber, este gigante, plantou sementes de esperança e, mesmo morto precocemente em 1981, deixou florescer um cinema ainda hoje reverberado. O que importa, em suma, nem é se um ou outro filme possa ser melhor que o outro. Ambos, cada um à sua maneira, são grandes tratados imagéticos e ideológicos que se complementam.


Marcelo Miranda
Belo Horizonte, 23/10/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Uma suposta I.C. de Elisa Andrade Buzzo
02. Memorial do deserto e das ruínas de Elisa Andrade Buzzo
03. Só uma descrição de Eugenia Zerbini
04. Tom e Tim de Marta Barcellos
05. A idade que habito de Marta Barcellos


Mais Marcelo Miranda
Mais Acessadas de Marcelo Miranda em 2006
01. Tabus do Orkut - 6/2/2006
02. Filmes extremos e filmes extremistas - 6/3/2006
03. Vida ou arte em Zuzu Angel - 14/8/2006
04. Caso Richthofen: uma história de amor - 31/7/2006
05. Eu vejo gente morta - 11/9/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




OS MARXISMOS DO NOVO SÉCULO
CESAR ALTAMIRA
CIVILIZAÇÃO BRASILEIRA
(2008)
R$ 26,00



VIM TE CONTAR
ALUNOS DO COLÉGIO RENOVATUS
COLÉGIO RENOVATUS
(2017)
R$ 5,00



TORNE POSSÍVEL O IMPOSSÍVEL
ALKÍNDAR DE OLIVEIRA
BUTTERFLY
(2001)
R$ 12,00



O OURO DA LIBERDADE
HELEMA MOURA
ALIS
(1997)
R$ 35,00



CERCAS E JANELAS
NAOMI KLEIN
RECORD
(2003)
R$ 30,00



PLANTAS QUE CURAM
MOREIRA, FREDERICO (AUTOR)
EDITORA GARNIER - ITATIAIA
(2020)
R$ 54,00



JOSHUA ENTAO E AGORA
MORDECAI RICHLER
FRANCISCO ALVES
(1982)
R$ 6,90



GRANDES ROMANCES UNIVERSAIS VOL 10: O BÔBO / O ARCO DE SANTANA
ALEXANDRE HERCULANO E ALMEIDA GARRETT
W M JACKSON
(1955)
R$ 5,00



PRESENÇA DE LUZ
FRANCISCO CÂNDIDO XAVIER/ AUGUSTO CEZAR
GEEM
(1984)
R$ 5,00



A SEGUNDA MORTE CM SUPLEMENTO COLEÇÃO VEREDAS
MARCIA KUPSTAS
MODERNA
(1993)
R$ 7,00





busca | avançada
78105 visitas/dia
2,2 milhões/mês