Pagando promessas na terra do sol | Marcelo Miranda | Digestivo Cultural

busca | avançada
28879 visitas/dia
957 mil/mês
Mais Recentes
>>> 'D. Quixote de La Mancha pelas mãos de Canato'
>>> Projeto nacional de educação musical estará em santos no próximo dia 24.10, em Guarujá 25.09 e Santo
>>> Teatro Fase abre palco para comédia
>>> Artistas da 33ª Bienal participam do open studio na Residência Artística da FAAP
>>> Europa de Portas Abertas 2018
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Alice in Chains, Rainier Fog (2018)
>>> Cidades do Algarve
>>> Gosta de escrever? Como não leu este livro ainda?
>>> Assum Preto, Me Responde?
>>> Os olhos de Ingrid Bergman
>>> Não quero ser Capitu
>>> Desdizer: a poética de Antonio Carlos Secchin
>>> Pra que mentir? Vadico, Noel e o samba
>>> De quantos modos um menino queima?
>>> Entrevista com a tradutora Denise Bottmann
Colunistas
Últimos Posts
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
Últimos Posts
>>> O conservadorismo e a refrega de símbolos
>>> Ingmar Bergman, cada um tem o seu
>>> Em defesa do preconceito, de Theodore Dalrymple
>>> BRASIL, UM CORPO SEM ALMA E ACÉFALO
>>> Meus encontros com Luiz Melodia
>>> Evasivas admiráveis, de Theodore Dalrymple
>>> O testemunho nos caminhos de Israel
>>> UM OLHAR SOBRE A FILOSOFIA (PARTE FINAL)
>>> Os livros sem nome
>>> O mundo era mais aberto, mãe...
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Quem é (e o que faz) Julio Daio Borges
>>> Retrato em branco e preto
>>> Dilma na Copa 2014
>>> Receita para se esquecer um grande amor
>>> Duas escritoras contemporâneas
>>> Henry Moore: o Rodin do século XX
>>> Entrevista com Antonio Henrique Amaral
>>> O assassinato de Jesse James pelo covarde Robert Ford
>>> Dando nome aos progres
Mais Recentes
>>> Diferentes formas de amar de Susana balan pela Best seller
>>> O novo paradigma dos negocios de Michael ray e alan rizsler pela Um
>>> Prisma--girando a piramide corporativa. de Werner k. p. kugelmeier pela Publit
>>> A fazenda mal assombrada de Alexandre dias pela Lachatre
>>> Conhecendo e trabalhando com o visual basic 6.0. de Pedro luiz cortes e roberto alessandre scherr. pela Erica
>>> Aguerra se torna mundial de Folha de sao paulo pela Folha de sao paulo
>>> Visual basic--simples e objetivo 3.0. de Ignacio c. m. massum. pela Erica
>>> Windows 98--answers--certified tech support. de Martin s. mattews an carole boggs mattews pela Mcgraw-hill
>>> Wit: Jornada de um Poema de Margaret Edson pela Peixoto Neto (2000)
>>> Bestiário de Júlio Cortázar pela Edibolso (1977)
>>> Conflito de Culturas de Coelho de Sousa pela Ministério da Educação e Saúde (1953)
>>> Segredo Rebelde de Marcelo Ferla pela Futuro (2006)
>>> Planejamento e Organização do Turismo de Ivan Fernandes pela Campus (2011)
>>> Turismo e Empreendedorismo de Jovo Ateljevic pela Campus (2011)
>>> Stagium: As Paixões da Dança de Décio Otero pela Hucitec (1999)
>>> A Capitania das Minas Gerais de Augusto de Lima Júnior pela Livraria Itatiaia (1978)
>>> Histórias do Japão de José Arrabal pela Peirópolis (2004)
>>> As brumas de avalon de Marion zimmer Bradley pela Imago (1985)
>>> As brumas de avalon de Marion zimmer Bradley pela Imago (1985)
>>> Recordação da casa dos mortos de Dostoievski pela Saraiva (1949)
>>> Era no tempo do Rei de Luiz Antonio Aguir pela Ática (2009)
>>> Planejamento e gestao estrategica nas empresas. de Luiz alberto a. dos santos. pela Atlas
>>> Comportamento organizacional de John a. wagner e john r. hollenbeck pela Saraiva
>>> Bom sono de Richard ferber pela Celebris
>>> Em dia com a digestao de Serafina petrocca pela Epoca
>>> Religioes do povo de Giorgio paliari pela Am
>>> Escoliose--a causa das nossa dores fisicas. de Antonio benedito do nascimento pela Ottoni
>>> Gibi audax-ano 1-numero 5. de Editora abril pela Abril
>>> Gibi nick raider--4--chinatow de Ediroa record pela Record (2018)
>>> Programando em clipper 5.01. de Stephen j. straley pela Berkeley ebras
>>> Priv@cidade.com de Charles jennigs e lori fena pela Futura
>>> Adobe photoshop 5 in 24 hours de Carla rose pela Sams
>>> Liebieghaus de Vierte auflage pela Verte auflage
>>> Roses de David Squire pela Tiger Books International (1995)
>>> Sime Gen: The Unity Trilogy de Jacqueline Lichtenberg e Jean Lorrah pela Meisha Merlin Publishing (2003)
>>> O Poder Regulamentar Autônomo do Presidente da República de André Rodrigues Cyrino pela Fórum (2005)
>>> Los Llamados a Seguir a Cristo de Serafin Matellán pela Instituto Teológico de Vida Religiosa (1973)
>>> Reencarnação e Emigração Planetária de Dinkel Dias da Cunha pela Cátedra (1989)
>>> The Last Ride de Thomas Eidson pela Penguin Books (1996)
>>> Em Nome Do Pai de Pedro Cavalcanti pela Códex (2003)
>>> The Pact de Jodi Picoult pela Harper Perennial (2006)
>>> Second Glance de Jodi Picoult pela Washington Square Press (2003)
>>> Ornate Wallpapers de Victoria and Albert Museum pela Harry N. Abrams Publishers (1986)
>>> O Jantar da Lagartixa de Ateneia Feijó pela Rocco (2003)
>>> Faro Felino de Tessy Callado pela Rocco (2004)
>>> Cartografias Cotidianas de Elke Coelho e Danillo Villa pela Uel (2011)
>>> Prostituição: O Eterno Feminino de Eliana dos Reis Calligaris pela Escuta (2006)
>>> El Hombre y Sus Cuerpos de Annie Besant pela Editorial Schapire (1950)
>>> Cirurgia Estética de Rolando Zani pela Gráfica Estadão (1986)
>>> As Catilinárias de Amélie Nothomb pela Record (1997)
COLUNAS

Segunda-feira, 23/10/2006
Pagando promessas na terra do sol
Marcelo Miranda

+ de 6400 Acessos

Uma retrospectiva de quase toda a obra de Glauber Rocha está mobilizando o Cine Humberto Mauro, no Palácio das Artes, aqui em Belo Horizonte. Numa parceria com o Tempo Glauber - entidade sediada no Rio de Janeiro que cuida do acervo e memória do diretor -, a coordenação do cinema vem exibindo desde a semana passada grande parte do que o baiano realizou, entre curtas e longas-metragens. E então fui rever Deus e o Diabo na Terra do Sol, marco da cinematografia de Glauber, epopéia social e política que ainda hoje mexe com as emoções de quem assiste. Ver na tela grande, então, é de lacrimejar.

Mas o que me fez aparecer com este assunto aqui é uma curiosidade que apenas agora me veio à cabeça. Pode ser que outros já tenham falado disso, às vezes existem livros sobre o assunto, estudos, teses e sabe-se lá o que mais. Eu admito que apenas agora me dei conta do quanto Deus e o Diabo na Terra do Sol é semelhante a O Pagador de Promessas. Dirigido por Anselmo Duarte e lançado em 1962, esta adaptação da peça de Dias Gomes ganhou a Palma de Ouro no Festival de Cannes daquele ano, feito máximo do cinema brasileiro jamais igualado.

São filmes, a princípio, muito diferentes. O de Anselmo utiliza certo classicismo formal na narrativa e linguagem; o outro é um apanhado de imagens e montagens ideológicas. Um foi dirigido por um ex-galã de estúdios, em especial da Vera Cruz; o outro tinha no comando um artista enfezado, porreta, disposto a desbancar os poderosos em nome de sua utopia. Isso, para não falar em outras diferenças aparentes no simples assistir de cada filme.

Então, onde estão as semelhanças dos filmes? Antes disso: por que relacioná-los? Ora, apesar de pouca gente reconhecer, O Pagador de Promessas está, de certa forma, inserido no Cinema Novo. Anselmo Duarte participou da reunião de diretores que "criou" o termo imortalizado ao longo da história. Ele era membro da turma, cineasta insatisfeito com os rumos da arte brasileira e disposto a participar desse movimento cujo objetivo era criar um novo tipo de olhar na tela. Pois fez O Pagador..., causou impacto, foi a Cannes e ganhou. Acabou sendo a maldição de Duarte. Nunca mais ele conseguiu os apoios que buscava. Passou a ser enxergado como um intruso entre os cinemanovistas. "Nós aqui, fazendo política com imagens, vai esse galãzinho adaptar uma peça de teatro e leva o maior prêmio do cinema?!", pareciam bradar. Anselmo, rancoroso e irritadiço, largou pra lá a confusão e seguiu em frente - para jamais conseguir um grande sucesso como aquele que o consagrou.

Pagador

Segundo o próprio conta em depoimento ao crítico Luiz Carlos Merten no livro O Homem da Palma de Ouro, Anselmo Duarte recebeu tapinhas nas costas até de Glauber enquanto realizava O Pagador. Quando voltou da França, diz ter sido desprezado. No ano seguinte, o mesmo Glauber colocou em cena Deus e o Diabo na Terra do Sol, e foi aquele baque. Nunca um cineasta tinha lançado com tamanha força aos olhares de tanta gente e daquela forma tão politizada as mazelas sociais, políticas e econômicas do brasileiro comum. Imediatamente laureado como líder informal do movimento então em voga, Glauber capitaneou uma "rebelião" e seguiu realizando trabalhos controversos. Anos depois, enveredou por um cinema de poesia extremamente complexo.

Apesar de terem trilhado caminhos tão distintos, O Pagador de Promessas e Deus e o Diabo na Terra do Sol têm curiosas semelhanças. A começar por serem os segundos projetos em longa de seus realizadores. Glauber fizera Barravento anos antes, já demonstrando a verve combativa; Anselmo dirigiu a comédia Absolutamente Certo, brincadeira com a chanchada e de singela ingenuidade. Depois, quando ambos partiram para o próximo trabalho, escolheram histórias de cunho político, religioso e social. Deus e o Diabo... tem na figura de Manuel o homem injustiçado pelo poder, o rebelde que foge desembestado em busca de alguma resposta. Depara-se, primeiro, com o sincretismo e a fé inabalada no poder de Deus; depois, torna-se cangaceiro e enxerga na figura do "diabo loiro" Corisco a índole do terror e da luta física. No fim, não escolhe lado algum e decide, ele mesmo, definir um caminho.

Em O Pagador, o protagonista é Zé do Burro. Homem simples e humilde, vai a pé até a cidade. Carrega nas costas uma cruz de madeira, a fim de cumprir a promessa feita a Iansã que, supostamente, salvou seu burrico. Na porta da igreja, é barrado pelo padre, que não admite um homem do candomblé entrar em seu templo católico. Zé não admite a recusa e se fixa nas escadarias da igreja. Atrai jornalistas, políticos e cafetões em busca da capitalização de sua inocência.

Deus e o Diabo na Terra do Sol

Percebe-se que, nos dois filmes, existe o gancho do homem do campo atrás de resoluções. Um quer novos destinos; o outro quer manter a palavra. São confrontados com o poder da Igreja, sempre por meio da crença de que existe um ser maior a reger o universo e responsável por resolver os problemas do planeta. Seja curando burros ou transformando o sertão em mar, Deus é figura simbólica de esperança e conforto. Glauber e Anselmo trabalham esta idéia de jeitos bastante diferentes, mas a essência está toda lá. Outro fator ligado à religião e aproximador dos filmes é a desilusão com a tal crença. Em Deus e o Diabo, é a esposa Rosa quem enxerga a impossibilidade do pregador lhes dar novos rumos; em O Pagador, o representante da igreja em pessoa torna a vida de Zé um inferno e o leva à destruição. Há, também, uma esposa de nome Rosa, a soprar no ouvido do personagem o nível de loucura ao qual ele se submete. Tanto num filme como no outro, os maridos não escutam suas mulheres, para em seguida perceberem que elas estavam certas.

Uma leitura lado a lado dos filmes ainda pode permitir a percepção de rostos conhecidos. Othon Bastos interpreta personagens importantes: com Anselmo, ele estréia nos cinemas na pele de um jornalista encarregado de descolar uma grande matéria em cima da história de Zé do Burro; com Glauber, toma a tela de assalto como um alucinado e rodopiante Corisco, cangaceiro parceiro de Lampião que brada e corre a defender a barbárie em nome da justiça. Geraldo Del Rey é outro a aparecer duplamente. Em O Pagador de Promessas, surge como um cafetão que dispensa a prostituta vivida por Norma Bengell e tenta seduzir a inocente Rosa (Glória Menezes); na terra do sol de Glauber, Del Rey é Manuel, protagonista do filme, homem dividido entre a pregação e a danação.

Na diferenciação que caracteriza cada filme, a maior entre os dois em questão, além da discussão sobre linguagem, conceito e montagem, deve ser, afinal, a forma de olhar para o futuro. Em Glauber, existe uma esperança muito poderosa de que, agindo, deixando de lado a passividade, o homem comum pode atingir seus objetivos e destronar os poderosos. Pode transformar o sertão em mar. Já em Anselmo, este mesmo homem comum parece fadado a sucumbir ante os poderes estabelecidos, a não resistir à pressão de gente que se assume maior que o próximo, gente que leva ao limite uma imaginária cadeia de forças - e lutar contra tal cadeia parece apenas provocar mais dor.

Irônico que Anselmo Duarte, com seu triste O Pagador de Promessas, tenha seguido caminho parecido ao de seu protagonista, caindo em desgraça quando achou que estava por cima. E Glauber, este gigante, plantou sementes de esperança e, mesmo morto precocemente em 1981, deixou florescer um cinema ainda hoje reverberado. O que importa, em suma, nem é se um ou outro filme possa ser melhor que o outro. Ambos, cada um à sua maneira, são grandes tratados imagéticos e ideológicos que se complementam.


Marcelo Miranda
Belo Horizonte, 23/10/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Corot em exposição de Jardel Dias Cavalcanti
02. Saudade de ser 'professor' de Filosofia de Cassionei Niches Petry
03. Dilúvio, de Gerald Thomas de Jardel Dias Cavalcanti
04. Reflexões sobre o ato de fotografar de Celso A. Uequed Pitol
05. A vida dos pardais e outros esquisitos pássaros de Elisa Andrade Buzzo


Mais Marcelo Miranda
Mais Acessadas de Marcelo Miranda em 2006
01. Tabus do Orkut - 6/2/2006
02. Filmes extremos e filmes extremistas - 6/3/2006
03. Vida ou arte em Zuzu Angel - 14/8/2006
04. Caso Richthofen: uma história de amor - 31/7/2006
05. Eu vejo gente morta - 11/9/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




COURBET - GÊNIOS DA PINTURA Nº 80
ABRIL CULTURAL
ABRIL CULTURAL
(1967)
R$ 8,49



ENERGIA HUMANA E SONS - LA ENERGÍA HUMANA Y LOS SONIDOS
J. TOMAS ZEBERIO
MARYMAR
(2017)
R$ 19,90



UMA INTRODUÇÃO BÁSICA A UM CURSO EM MILAGRES
KENNETH WAPNICK
FORGIVENESS
(1993)
R$ 130,00



REFLEXOS DOS OLHOS D'GUA
CRISTINA PORTO
FTD
(2003)
R$ 20,00



WORLD OF WARCRAFT - SOMBRAS DA HORDA
MICHAEL A. STACKPOLE
GALERA RECORD
(2013)
R$ 18,00



SOCIOLOGIA DO DIREITO (O FENÔMENO JURÍDICO COMO FATO SOCIAL)
F. A. DE MIRANDA ROSA
ZAHAR
(1975)
R$ 15,00



A VINGANÇA
JIM HARRISON
34
(1996)
R$ 17,00



JOURNAL OF THE BRAZILIAN COMPUTER SOCIETY Nº 2 VOL 4 NOVEMBER 97
SOCIEDADE BRASILEIRA DE COMPUTAÇÃO
SBC
(1997)
R$ 7,00



LEO HALLIWELL NA AMAZÔNIA
OLGA S. STREITHORST
CASA PUBLICADORA BRASILEIRA
(1979)
R$ 119,90



RELAÇÕES
HELENO GODOY
ICBC
(2006)
R$ 9,00





busca | avançada
28879 visitas/dia
957 mil/mês