Pagando promessas na terra do sol | Marcelo Miranda | Digestivo Cultural

busca | avançada
88011 visitas/dia
2,7 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Nova Exposição no Sesc Santos tem abertura online nessa quinta, 17/06
>>> Arte dentro de casa: museus e eventos culturais com exposições virtuais
>>> “Bella Cenci” Estreia em formato virtual com a atriz Thais Patez
>>> Espetáculo teatral conta a história de menina que sonha em ser astronauta
>>> Exposição virtual 'Linha de voo', de Antônio Augusto Bueno e Bebeto Alves
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
>>> André Barcinski por Gastão Moreira
>>> Massari no Music Thunder Vision
>>> 1984 por Fabio Massari
>>> André Jakurski sobre o pós-pandemia
>>> Carteiros do Condado
>>> Max, Iggor e Gastão
Últimos Posts
>>> A lei natural da vida
>>> Sem voz, sem vez
>>> Entre viver e morrer
>>> Desnudo
>>> Perfume
>>> Maio Cultural recebe “Uma História para Elise”
>>> Ninguém merece estar num Grupo de WhatsApp
>>> Izilda e Zoroastro enfrentam o postinho de saúde
>>> Acentuado
>>> Mãe, na luz dos olhos teus
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Autores & Ideias no Sesc-PR I
>>> Balangandãs de Ná Ozzetti
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> A sétima temporada de 24 horas
>>> De olho neles
>>> Saudações cinemusicais
>>> 1998 ― 2008: Dez anos de charges
>>> The Book of Souls
>>> Carta ao pai morto
>>> Rousseau e a Retórica Moderna
Mais Recentes
>>> Walter Benjamin: os cacos da história de Gagnebin, Jeanne Marie pela Mercado Editorial (2018)
>>> O Enigma de Teotihuacán de P. Guirao pela Hemus (1984)
>>> O mito, o ritual e o oral de Jack Goody pela Vozes (2012)
>>> O Peregrino Ilustrado de John Bunyan pela Mundo Cristão (2007)
>>> Cancioneiro para Encontro Vocacionais e de Jovens de N/t pela Loyola (1983)
>>> Cristãos Hoje de N. Maccari pela Paulinas (1976)
>>> Salmos de Edgard Armond pela Aliança (1979)
>>> Lobas, Lobos e Afins - a Eterna Busca da Liberdade... de Solange Torino pela Virgo (2001)
>>> Vida, Morte e Destino de Maria Fernanda S. e Edson Olivari de Castro pela Cia Ilimitada (1992)
>>> Rezas, Orações e Preces de Varios Autores pela Rita Carneti (1992)
>>> Como Falar em Publico e Influenciar Pessoas no Munndo dos Negócios de Dale Carnegie pela Record (1962)
>>> Uma Jornada Interior de Sara Mariott pela Pensamento (1993)
>>> Jovens e Adultos Dominical Fidelidade de Varios Autores pela Betel
>>> O Manual da Felicidade de Pe. Alberto Luiz Gambarini pela Ágape (2008)
>>> Como Enfrentar o Stress de Marilda Novaes Lipp e Colaboradores pela Ícone (1990)
>>> Auxiliares Invisíveis de C. W. Leadbeater pela Pensamento (1997)
>>> Oito Passos para Você ter Saúde de Ana Maria Freitas pela N/a
>>> O Livro do Destino de Herman Kirchenhoffer pela Círculo do Livro (1978)
>>> Eles Voltaram de Francisco Cândido Xavier pela Instituto de Difusão Espírita (1982)
>>> Os Remédios Florais do Dr. Bach de Dr. Edward Bach pela Pensamento (2006)
>>> Encontros, Desencontros e Reencontros de Florangela M. Desidério pela Paulinas (1982)
>>> Cavaleiro da Concórdia de Manoel Jacintho Coelho pela Racional (1988)
>>> Fátima, Aurora do Terceiro Milênio de João S. Clá Diaz pela Associação Cultural Nossa Senhora de Fátima (2000)
>>> I Ching, O Livro das Mutações de Juan Echenique Pérsico pela Melhoramento (2012)
>>> O Encontro, os mais Belos Encontros de Cristo de João Mohana pela Agir (1979)
COLUNAS

Segunda-feira, 23/10/2006
Pagando promessas na terra do sol
Marcelo Miranda

+ de 7000 Acessos

Uma retrospectiva de quase toda a obra de Glauber Rocha está mobilizando o Cine Humberto Mauro, no Palácio das Artes, aqui em Belo Horizonte. Numa parceria com o Tempo Glauber - entidade sediada no Rio de Janeiro que cuida do acervo e memória do diretor -, a coordenação do cinema vem exibindo desde a semana passada grande parte do que o baiano realizou, entre curtas e longas-metragens. E então fui rever Deus e o Diabo na Terra do Sol, marco da cinematografia de Glauber, epopéia social e política que ainda hoje mexe com as emoções de quem assiste. Ver na tela grande, então, é de lacrimejar.

Mas o que me fez aparecer com este assunto aqui é uma curiosidade que apenas agora me veio à cabeça. Pode ser que outros já tenham falado disso, às vezes existem livros sobre o assunto, estudos, teses e sabe-se lá o que mais. Eu admito que apenas agora me dei conta do quanto Deus e o Diabo na Terra do Sol é semelhante a O Pagador de Promessas. Dirigido por Anselmo Duarte e lançado em 1962, esta adaptação da peça de Dias Gomes ganhou a Palma de Ouro no Festival de Cannes daquele ano, feito máximo do cinema brasileiro jamais igualado.

São filmes, a princípio, muito diferentes. O de Anselmo utiliza certo classicismo formal na narrativa e linguagem; o outro é um apanhado de imagens e montagens ideológicas. Um foi dirigido por um ex-galã de estúdios, em especial da Vera Cruz; o outro tinha no comando um artista enfezado, porreta, disposto a desbancar os poderosos em nome de sua utopia. Isso, para não falar em outras diferenças aparentes no simples assistir de cada filme.

Então, onde estão as semelhanças dos filmes? Antes disso: por que relacioná-los? Ora, apesar de pouca gente reconhecer, O Pagador de Promessas está, de certa forma, inserido no Cinema Novo. Anselmo Duarte participou da reunião de diretores que "criou" o termo imortalizado ao longo da história. Ele era membro da turma, cineasta insatisfeito com os rumos da arte brasileira e disposto a participar desse movimento cujo objetivo era criar um novo tipo de olhar na tela. Pois fez O Pagador..., causou impacto, foi a Cannes e ganhou. Acabou sendo a maldição de Duarte. Nunca mais ele conseguiu os apoios que buscava. Passou a ser enxergado como um intruso entre os cinemanovistas. "Nós aqui, fazendo política com imagens, vai esse galãzinho adaptar uma peça de teatro e leva o maior prêmio do cinema?!", pareciam bradar. Anselmo, rancoroso e irritadiço, largou pra lá a confusão e seguiu em frente - para jamais conseguir um grande sucesso como aquele que o consagrou.

Pagador

Segundo o próprio conta em depoimento ao crítico Luiz Carlos Merten no livro O Homem da Palma de Ouro, Anselmo Duarte recebeu tapinhas nas costas até de Glauber enquanto realizava O Pagador. Quando voltou da França, diz ter sido desprezado. No ano seguinte, o mesmo Glauber colocou em cena Deus e o Diabo na Terra do Sol, e foi aquele baque. Nunca um cineasta tinha lançado com tamanha força aos olhares de tanta gente e daquela forma tão politizada as mazelas sociais, políticas e econômicas do brasileiro comum. Imediatamente laureado como líder informal do movimento então em voga, Glauber capitaneou uma "rebelião" e seguiu realizando trabalhos controversos. Anos depois, enveredou por um cinema de poesia extremamente complexo.

Apesar de terem trilhado caminhos tão distintos, O Pagador de Promessas e Deus e o Diabo na Terra do Sol têm curiosas semelhanças. A começar por serem os segundos projetos em longa de seus realizadores. Glauber fizera Barravento anos antes, já demonstrando a verve combativa; Anselmo dirigiu a comédia Absolutamente Certo, brincadeira com a chanchada e de singela ingenuidade. Depois, quando ambos partiram para o próximo trabalho, escolheram histórias de cunho político, religioso e social. Deus e o Diabo... tem na figura de Manuel o homem injustiçado pelo poder, o rebelde que foge desembestado em busca de alguma resposta. Depara-se, primeiro, com o sincretismo e a fé inabalada no poder de Deus; depois, torna-se cangaceiro e enxerga na figura do "diabo loiro" Corisco a índole do terror e da luta física. No fim, não escolhe lado algum e decide, ele mesmo, definir um caminho.

Em O Pagador, o protagonista é Zé do Burro. Homem simples e humilde, vai a pé até a cidade. Carrega nas costas uma cruz de madeira, a fim de cumprir a promessa feita a Iansã que, supostamente, salvou seu burrico. Na porta da igreja, é barrado pelo padre, que não admite um homem do candomblé entrar em seu templo católico. Zé não admite a recusa e se fixa nas escadarias da igreja. Atrai jornalistas, políticos e cafetões em busca da capitalização de sua inocência.

Deus e o Diabo na Terra do Sol

Percebe-se que, nos dois filmes, existe o gancho do homem do campo atrás de resoluções. Um quer novos destinos; o outro quer manter a palavra. São confrontados com o poder da Igreja, sempre por meio da crença de que existe um ser maior a reger o universo e responsável por resolver os problemas do planeta. Seja curando burros ou transformando o sertão em mar, Deus é figura simbólica de esperança e conforto. Glauber e Anselmo trabalham esta idéia de jeitos bastante diferentes, mas a essência está toda lá. Outro fator ligado à religião e aproximador dos filmes é a desilusão com a tal crença. Em Deus e o Diabo, é a esposa Rosa quem enxerga a impossibilidade do pregador lhes dar novos rumos; em O Pagador, o representante da igreja em pessoa torna a vida de Zé um inferno e o leva à destruição. Há, também, uma esposa de nome Rosa, a soprar no ouvido do personagem o nível de loucura ao qual ele se submete. Tanto num filme como no outro, os maridos não escutam suas mulheres, para em seguida perceberem que elas estavam certas.

Uma leitura lado a lado dos filmes ainda pode permitir a percepção de rostos conhecidos. Othon Bastos interpreta personagens importantes: com Anselmo, ele estréia nos cinemas na pele de um jornalista encarregado de descolar uma grande matéria em cima da história de Zé do Burro; com Glauber, toma a tela de assalto como um alucinado e rodopiante Corisco, cangaceiro parceiro de Lampião que brada e corre a defender a barbárie em nome da justiça. Geraldo Del Rey é outro a aparecer duplamente. Em O Pagador de Promessas, surge como um cafetão que dispensa a prostituta vivida por Norma Bengell e tenta seduzir a inocente Rosa (Glória Menezes); na terra do sol de Glauber, Del Rey é Manuel, protagonista do filme, homem dividido entre a pregação e a danação.

Na diferenciação que caracteriza cada filme, a maior entre os dois em questão, além da discussão sobre linguagem, conceito e montagem, deve ser, afinal, a forma de olhar para o futuro. Em Glauber, existe uma esperança muito poderosa de que, agindo, deixando de lado a passividade, o homem comum pode atingir seus objetivos e destronar os poderosos. Pode transformar o sertão em mar. Já em Anselmo, este mesmo homem comum parece fadado a sucumbir ante os poderes estabelecidos, a não resistir à pressão de gente que se assume maior que o próximo, gente que leva ao limite uma imaginária cadeia de forças - e lutar contra tal cadeia parece apenas provocar mais dor.

Irônico que Anselmo Duarte, com seu triste O Pagador de Promessas, tenha seguido caminho parecido ao de seu protagonista, caindo em desgraça quando achou que estava por cima. E Glauber, este gigante, plantou sementes de esperança e, mesmo morto precocemente em 1981, deixou florescer um cinema ainda hoje reverberado. O que importa, em suma, nem é se um ou outro filme possa ser melhor que o outro. Ambos, cada um à sua maneira, são grandes tratados imagéticos e ideológicos que se complementam.


Marcelo Miranda
Belo Horizonte, 23/10/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Um estranho chamado Joe Strummer de Celso A. Uequed Pitol
02. Só uma descrição de Eugenia Zerbini
03. O primeiro parágrafo de Luiz Rebinski Junior
04. Separar-se, a separação e os conselhos II de Fabrício Carpinejar


Mais Marcelo Miranda
Mais Acessadas de Marcelo Miranda em 2006
01. Tabus do Orkut - 6/2/2006
02. Filmes extremos e filmes extremistas - 6/3/2006
03. Caso Richthofen: uma história de amor - 31/7/2006
04. Vida ou arte em Zuzu Angel - 14/8/2006
05. Eu vejo gente morta - 11/9/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




História da Ll Guerra Mundial- 1939-1945
Edgard Mc Innis
Globo
(1956)



Iniciação a Administração de Recursos Humanos
Idalberto Chiavenato
Manole
(2014)



O crime do padre Amaro (15ª ed.)
Eça de Queirós
Ática
(2001)



Teatro Grego ( Ésquilo, Sófocles, Eurípedes, Aristófanes)
Osmar Perazzo Lannes (tradução e Adaptação)
Matos Peixoto (rj)
(1965)



Renato Russo: o Filho da Revoluçao
Carlos Marcelo
Agir
(2009)



Os Dispersos - Contos
Janette Fishenfeld
Do Autor
(1966)



Um Assassinato um Mistério um Casamento
Mark Twain
Rideel
(2007)



Como Fazer do Sucesso um Hábito
Mack R. Douglas
Pro Net
(1994)



Vamos para Casa: uma História de Amor
Maria do Carmo Lima de Rezende (dedicatória)
7letras
(2004)



Gregor Mendel - Vida e Obra
Newton Freire Maia
T a Queiroz
(1995)





busca | avançada
88011 visitas/dia
2,7 milhões/mês