Vida ou arte em Zuzu Angel | Marcelo Miranda | Digestivo Cultural

busca | avançada
67107 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Filó Machado encerra circulação do concerto 60 Anos de Música com apresentação no MIS
>>> Mundo Suassuna, no Sesc Bom Retiro, apresenta o universo da cultura popular na obra do autor paraiba
>>> Liberdade Só - A Sombra da Montanha é a Montanha”: A Reflexão de Marisa Nunes na ART LAB Gallery
>>> Evento beneficente celebra as memórias de pais e filhos com menu de Neka M. Barreto e Martin Casilli
>>> Tião Carvalho participa de Terreiros Nômades Encontro com a Comunidade que reúne escola, família e c
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Marcelo Mirisola e o açougue virtual do Tinder
>>> A pulsão Oblómov
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
Colunistas
Últimos Posts
>>> A melhor análise da Nucoin (2024)
>>> Dario Amodei da Anthropic no In Good Company
>>> A história do PyTorch
>>> Leif Ove Andsnes na casa de Mozart em Viena
>>> O passado e o futuro da inteligência artificial
>>> Marcio Appel no Stock Pickers (2024)
>>> Jensen Huang aos formandos do Caltech
>>> Jensen Huang, da Nvidia, na Computex
>>> André Barcinski no YouTube
>>> Inteligência Artificial Física
Últimos Posts
>>> Cortando despesas
>>> O mais longo dos dias, 80 anos do Dia D
>>> Paes Loureiro, poesia é quando a linguagem sonha
>>> O Cachorro e a maleta
>>> A ESTAGIÁRIA
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Diga: trinta e três
>>> O Casal 2000 da literatura brasileira
>>> Lucas vs. Spielberg
>>> Do desprezo e da admiração
>>> A pulsão Oblómov
>>> Arte Brasileira Hoje: um arquipélago
>>> Sobre o som e a fúria
>>> O fim do livro, não do mundo
>>> Jornal: o cadáver impresso
>>> O naufrágio é do escritor
Mais Recentes
>>> O Castelo De Otranto de Horace Walpole pela Nova Alexandria (1996)
>>> O Ânus Solar de Georges Bataille pela Hiena (1985)
>>> O Perigo das Radiações de Jack Schubert; Ralph E. Lapp pela Ibrasa (1960)
>>> Apometria: Um instrumento para a harmonia e para a felicidade a nova ciencia da alma de J S Godinho pela Holus (2012)
>>> The Little Prince de Antoine de Saint-Exupéry pela Harbrace (1971)
>>> Livro MILAGRES de Vera Nappi pela A Vida é Bela (2003)
>>> Você Pode Curar Sua Vida 126ª edição. de Louise L Hay pela Best Seller (2021)
>>> Livro CANTO ALGUM de Flávia Reis pela Reformátório (2020)
>>> Apologia de Sócrates - clássicos de bolso ediouro de Platão ( tradução de Maria Lacerda de Moura) pela Ediouro (2002)
>>> Mediunidade e Apometria: Terapêutica e Apometria edição. revista e atualizada de J S Godinho pela Holus (2012)
>>> Livro Mulher V Moderna, à moda antiga de Cristiane Cardoso pela Thomas Nelson (2013)
>>> Der Kleine Prinz de Antoine de Saint-Exupéry pela Harbrace (1971)
>>> Der Kleine Prinz de Antoine de Saint-Exupéry pela Karl Rauch
>>> Brief an Den Vater de Franz Kafka pela Fischer (1989)
>>> Sonhos de Bunker Hill de John Fante pela L&pm (2003)
>>> I Ching - O Livro das Mutações de Desconhecido pela Trevo (2004)
>>> O Mistério dos Temperamentos de Rudolf Steiner pela Antroposofica (1994)
>>> O Verdadeiro Livro dos Sonhos e da Sorte de Ahmed El-Khatib pela Rígel
>>> Capitães de Areia de Jorge Amado pela Companhia de Bolso (2009)
>>> Baudolino de Umberto Eco pela Record (2001)
>>> Dangerous - O Maior Perigo é a Censura de Milo pela Milo Yannopoulos (2018)
>>> Los Celtas: Magia, Mitos Y Tradicion de Roberto Rosaspini Reynolds pela Continente (1998)
>>> Cinco Anos - Julgamento Político na União Soviética de J. Oliveira Freitas Trad pela Intercontinental
>>> Feng Shui no Trabalho de Darrin Zeer pela Sextante (2008)
>>> O Poder do Hábito de Charles Duhigg pela Objetiva (2012)
COLUNAS

Segunda-feira, 14/8/2006
Vida ou arte em Zuzu Angel
Marcelo Miranda
+ de 23600 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Os apelos conjuntos da história de uma mãe em busca do filho perdido e do contexto reunindo o regime militar e todas as barbaridades cometidas nos porões da ditadura conseguiram fazer com que Zuzu Angel, novo longa-metragem de Sérgio Rezende, se tornasse o mais recente sucesso do cinema brasileiro - ao menos nos seus primeiros dias de exibição. O filme estreou em 7 de agosto e acumulou 136 mil espectadores no seu primeiro final de semana de exibição, segundo dados do Filme B. É a segunda maior abertura nacional do ano e o vislumbre de um projeto que pode salvar as produções do país da mais pura invisibilidade.

No primeiro semestre de 2006, apenas um filme conseguiu resultado de destaque. A comédia Se eu fosse você, de Daniel Filho, já passou dos 3,5 milhões de espectadores. Os que vêm a seguir passam longe dessa marca. Didi - O Caçador de Tesouros fez pouco mais de um milhão em público; Xuxinha e Guto contra os monstros do espaço está na casa dos 500 mil; em seguida vem Irma Vap - O Retorno, com quase 300 mil; e depois, apenas filmes que não chegaram à casa dos 100 mil espectadores, casos do badalado A Máquina (55 mil) e de obras significativas como Crime Delicado (20,5 mil) e Bens Confiscados (3,7 mil).

Os números não significam que os filmes tenham sido apenas ignorados. Pesa na quantidade de espectadores o número de cópias a serem distribuídas e a própria política de distribuição, algo, hoje, extremamente influente no resultado final de uma produção - o drama de terceira idade Depois daquele baile, de Roberto Bomtempo, está em cartaz há meses e encontrando um público cativo e interessado em saber a história de três idosos às voltas com o fim da vida.

Mas não se quer aqui discutir o contexto atual do mercado de cinema realizado no Brasil. Para isso, o interessado pode (ou melhor: deve) ler a edição 81 da revista eletrônica Contracampo e a série de artigos "Cinema brasileiro para quem?", de Leonardo Mecchi e Eduardo Valente, na Cinética. O que este articulista pretende colocar em questão é justamente Zuzu Angel. Pensando no potencial de bilheteria que o filme possui, vem sempre à mente se o público estará exposto a um trabalho de qualidade. "Exposto", aliás, é palavra apropriada, visto que, para qualquer lado que se olhe na Rede Globo, há alguma referência ao filme de Rezende. A Globo Filmes já propiciou entrevistas da estrela Patrícia Pillar e de parte do elenco desde nos tradicionais jornais da emissora e Vídeo Show até comentários nada naturais de personagens de novela.

Zuzu
Zuzu Angel: estilista mineira contra a ditadura

E voltamos à questão: como fica o filme? A vida de Zuzu fascina, comove, choca. Nascida na pequena Curvelo (MG), Zuzu morou no Rio de Janeiro de 1947 até o fim da vida, em 1971. Foi ainda em Minas Gerais que começou a trajetória como estilista. Criava roupas para as primas e tornou-se costureira na década de 50. Nos anos 70, abriu loja em Ipanema e levou sua moda ao exterior, onde foi recebida como inovadora. Os figurinos criados por Zuzu tinham como principais traços a feminilidade, com delicadeza e graça, e o tropicalismo do Hemisfério Sul. Ela se preocupava não apenas em vestir a alta sociedade, mas também a gente comum, em vestimentas cotidianas e do dia-a-dia. Foi a partir de 1970 que a estilista se engajou na luta contra os militares, após a captura, tortura e morte de seu filho Stuart Angel - ele era membro de um grupo guerrilheiro liderado por Carlos Lamarca. Zuzu buscou desesperadamente o corpo de Stuart por cinco anos e mobilizou clientes famosos de fora do Brasil - Joan Crawford, Kim Novak e Liza Minelli, entre outras. Jamais o encontrou. Em 1976, a batalha foi perdida: Zuzu morreu em um inexplicado acidente de carro no centro do Rio. O túnel onde ela possivelmente foi atacada ganhou seu nome.

Uma vida dessa é naturalmente cinematográfica. Daí a render um filme bom, vai longa distância. No caso de Zuzu Angel, o resultado está razoavelmente afastado da grandiosidade possível de ser. Seria exagero, claro, dizer que existem grandes semelhanças com Olga, este um trabalho de voltagem máxima no quesito "detestável". Se há alguma coisa em comum entre a biografia filmada das duas mulheres, é simplesmente isso: serem duas biografias filmadas de mulheres que partiram de peito aberto contra regimes ditatoriais.

Filme morto
Sempre que um filme é taxado de televisivo, a impressão é de se estar dizendo que a TV é inferior ao cinema. O que se deve dizer, de fato, é que o filme possui elementos televisivos muitas vezes desagregadores da grandiosidade que a linguagem cinematográfica pode proporcionar. Zuzu Angel cai nessa armadilha ao pasteurizar e simplificar a saga da personagem-título. O que se vê no filme de Sérgio Rezende é uma história de amor materno travestida da mais pura ingenuidade quando trata da complexidade de temas que o enredo levanta.

Ditadura, repressão, tortura, crimes misteriosos. Estão lá todas as características de filmes ambientados no regime militar brasileiro. O longa de Rezende consegue, inclusive, evocar em determinados momentos o precursor Pra Frente Brasil, de Roberto Farias, que mostrava a saga de um homem em busca do irmão desaparecido nos porões da repressão - e as seqüências de tortura protagonizadas por Daniel de Oliveira como Stuart Angel bem lembram os horrores sofridos por Reginaldo Faria na produção de 1982.

Zuzu
Patrícia Pillar encarna Zuzu em interpretação intensa

Mas se origina essa positiva recordação, Zuzu Angel também é capaz de assumir estereótipos típicos de produções que tentaram tornar o período retratado um momento mais aventuresco, como foi a visão distorcida de Bruno Barreto em O que é isso, companheiro?, ou mesmo Lamarca, do próprio Sérgio Rezende e que tem um eco neste seu novo trabalho (Paulo Betti ressurge rapidamente em cena na pele do personagem real que já interpretara).

A visão do diretor para a saga de Zuzu não tem, de fato, embates ou conflitos legítimos. Há, sim, a tentativa de colocar a protagonista sempre correndo (ora correndo atrás de ajuda, ora correndo perigo) sem nunca deixar de estar encaixada no que o roteiro previamente estabeleceu. Desde o clichê do revolucionário abatido pelo Exército durante um assalto até as falas pomposas dos personagens, Zuzu Angel apenas gira ao redor da ferida sem apertá-la. Atrapalha (e muito) o roteiro discursivo, que deixa à mostra, na voz dos atores, o artifício de um moralismo envelhecido. Esse texto - sim, texto, esta palavra ruim para definir um roteiro, mas a mais apropriada no caso em questão - ganha ares de ridículo quando declamado por um Daniel de Oliveira cheio da afetação típica dos jovens revolucionários que o cinema brasileiro por vezes insiste em apresentar como patéticas encarnações de ideologias.

Zuzu
Moda da mineira revolucionou passarelas no mundo todo

A vontade do filme de colocar Zuzu dentro de uma engrenagem é tamanha que o longa começa em ritmo de thriller de suspense e logo a apresenta falando fora da tela, com o único propósito de narrar toda a sua trajetória pessoal até o ponto que Rezende pretende retratar. A falta de crença no espectador (ou a crença de que é necessário reconstituir, como numa minissérie, o que aconteceu nos capítulos anteriores) tira o brilho do que poderia ser um trabalho sobre angústia e solidão, perdas e esperança.

O esforço de Patrícia Pillar em soar autêntica e a paixão com que se entrega ao papel são explícitos, mas não o suficiente para abafar o contexto de fraquezas que rodeia a atriz. Zuzu Angel, realizado por um cineasta que, mal ou bem, tem experiência de décadas (e é um especialista em abordar figuras históricas semi-solitárias, como o fez em O Homem da Capa Preta, Lamarca, Mauá e Guerra de Canudos), aparenta ser um projeto amador na sua falta de habilidade ao tratar da imagem e na fragilidade com que lida e pensa a linguagem de cinema. É, basicamente, um filme que parece ter nascido já morto para a tela grande.


Marcelo Miranda
Juiz de Fora, 14/8/2006

Quem leu este, também leu esse(s):
01. A Dama Dourada, de Anne-Marie O'Connor de Ricardo de Mattos


Mais Marcelo Miranda
Mais Acessadas de Marcelo Miranda em 2006
01. Caso Richthofen: uma história de amor - 31/7/2006
02. Tabus do Orkut - 6/2/2006
03. Filmes extremos e filmes extremistas - 6/3/2006
04. Vida ou arte em Zuzu Angel - 14/8/2006
05. Eu vejo gente morta - 11/9/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
13/8/2006
01h58min
Eu nem ia assistir esse filme, pra falar a verdade. Mas agora, mesmo com a crítica "não positiva" do Marcelo, resolvi assistir ainda essa semana. Pra corroborar aquela máxima de que até a crítica negativa desperta interesse. Sobre o texto em si, muito bem escrito, por quem entende mesmo de cinema.
[Leia outros Comentários de Rafael Rodrigues]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Perdição
Luiz Vilela
Record
(2011)



O Colapso do Universo
Isaac Asimov
Francisco Alves
(1979)



Justiça do Trabalho: Competência Ampliada
Grijalbo Fernandes Coutinho
Ltr
(2005)



Tirando os Sapatos
Nilton Bonder
Rocco
(2008)



Segredos Do Pai-Nosso: A Solidão De Deus
Augusto Cury
Sextante
(2006)



Teoria da Informação e Percepção Estética
Abraham Moles (1920-1992)
Universidade de Brasília
(1978)



La Dialectica del Amo y del Esclavo en Hegel
Alexandre Kojeve
La Pleyade
(2022)



O Coelhinho Que Queria Dormir
Carl- Johan Forssén Ehrlin
Companhia Das Letrinhas
(2020)



Ever After High
Shannon Hale
Salamandra
(2015)



Liberdade Ainda Que Tardia
Álvaro Cardoso Gomes
Ftd
(2012)





busca | avançada
67107 visitas/dia
2,1 milhões/mês