Tapa na pantera e a casa do lago | Marcelo Miranda | Digestivo Cultural

busca | avançada
92061 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Sesc 24 de Maio apresenta programação de mágica para toda família
>>> Videoaulas On Demand abordam as relações do Homem com a natureza e a imagem
>>> Irene Ravache & Alma Despejada na programação online do Instituto Usiminas
>>> Zé Guilherme canta Orlando Silva em show no YouTube no dia 26 de setembro
>>> Setembro Amarelo é tema de EntreMeios especial com Zé Guilherme e Leliane Moreira
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I
>>> Contentamento descontente: Niketche e poligamia
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
>>> Filmes de guerra, de outro jeito
Colunistas
Últimos Posts
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> Sucharita Kodali no Fórum 2020
>>> Leitura e livros em pauta
>>> Soul Bossa Nova
>>> Andreessen Horowitz e o futuro dos Marketplaces
>>> Clair de lune, de Debussy, por Lang Lang
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Stock Pickers ao vivo na Expert 2020
>>> Rodrigo Gurgel entrevista Yuri Vieira
Últimos Posts
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
>>> Deu branco
>>> Entre o corpo e a alma
>>> Amuleto
>>> Caracóis me mordam
>>> Nome borrado
>>> De Corpo e alma
>>> Lamentável lamento
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Blog do Reinaldo Azevedo
>>> Alerta aos que vão chegar
>>> Cultura e Patrocínio
>>> Deus, um delírio, de Richard Dawkins
>>> O delfim, de José Cardoso Pires
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Thor
>>> Das Kunstwerk der Zukunft
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> O paraíso de Henry Miller
Mais Recentes
>>> Ser Elegante É… - 3D de Candace Simpson-Giles pela Sextante (2014)
>>> Seu Sexto Sentido. Ativando Seu - 3D de Belleruth Naparstek pela Rocco (1999)
>>> História geral das Civilizações Volume 1 - O oriente e a Grécia Antiga de Maurice Crouzet pela Bertrand Brasil (1993)
>>> O Diário de Anne Frank de Ane Frank pela Pé da Letra (2019)
>>> A sombra do poder: Martinho de Melo e Castro e a administração da Capitania De Minas Gerais (1770-1795) de Virgínia Maria Trindade Valadares pela Hucitec
>>> A Revolta da Vacina de Sevcenko, Nicolau pela UNESP
>>> A quebra da mola real das sociedades: A crise política do antigo regime Português na província do Grão-Pará (1821-1825) de André Roberto Arruda Machado pela Hucitec
>>> A paz das senzalas: Famílias Escravas e Tráfico Atlântico C.1790- C.1850 de Florentino, Manolo pela UNESP
>>> A outra Independência: O Federalismo Pernambucano de 1817 a 1824 de Mello, Evaldo Cabral de pela 34
>>> A História do Brazil de Frei Vicente do Salvador. História e Política no Império Português do Século XVII de Maria Lêda Oliveira pela Versal
>>> A experiência do tempo: Conceitos e narrativas na formação nacional brasileira (1831-1845) de Araújo, Valdei Lopes de pela Hucitec
>>> A Educação Pela Noite de Antônio Candido pela Ouro sobre Azul
>>> A Diplomacia na Construção do Brasil. 1750-2016 de Rubens Ricupero pela Versal
>>> A Corte na Aldeia de Vários Autores pela Verbo
>>> A Companhia de Jesus na América por Seus Colégios e Fazendas de Márcia Amantino and Carlos Engemann pela Garamond Universitaria
>>> A carne e o sangue: A Imperatriz D. Leopoldina, D. Pedro I e Domitila, a Marquesa de Santos de Priore, Mary de pela Rocco
>>> 1889: Como um imperador cansado, um marechal vaidoso e um professor injustiçado contribuíram para o fim da Monarquia e a de Laurentino Gomes pela Globo Livros
>>> 1822: Como um homem sábio, uma princesa triste e um escocês louco por dinheiro ajudaram dom Pedro a criar o Brasil - um de Laurentino Gomes pela Globo Livros
>>> 1808: Como uma rainha louca, um príncipe medroso e uma corte corrupta enganaram Napoleão e mudaram a História de Portugal de Laurentino Gomes pela Globo Livros
>>> 130 Anos: Em Busca Da República de Lessa, Renato; Wehling, Arno; Franco, Gustavo; Tavares Guerreiro, José Alexa pela Editora Intrínseca
>>> Arte de Gramática da Língua Mais Usada na Costa do Brasil de José de Anchieta pela EdUFBA (2014)
>>> Inglorious Revolution de William R. Summerhill pela Yale University Press (2015)
>>> O governo das conquistas do Norte de Fabiano Vilaça dos Santos pela Annablume (2011)
>>> O sol e a sombra de Laura de Mello e Souza pela Companhia das Letras (2006)
>>> Amazon Frontier - the defeat of the Brazilian Indians de John Hemming pela Papermac (1995)
>>> International Law de Malcolm Evans (edited by) pela Oxford University Press (2014)
>>> Complete International Law: Text, Cases, and Materials de Ademola Abass pela Oxford University Press (2014)
>>> Salvador de Sá and the struggle for Brazil and Angola, 1602 - 1686 de C. R. Boxer pela University of London (1952)
>>> Instituições Políticas Brasileiras de Oliveira Vianna pela Senado Federal (2019)
>>> O populismo e sua história - debate e crítica de Jorge Ferreira (Org.) pela Civilização Brasileira (2001)
>>> Marxismo e Judaísmo - história de uma relação difícil de Arlene Clemesha pela Boitempo (1998)
>>> Trópico dos pecados de Ronaldo Vainfas pela Civilização Brasileira (2014)
>>> Brasil: formação do Estado e da Nação de István Jancsó (Org.) pela Hucitec (2011)
>>> História da Vida Privada em Portugal - 4º Volume (Os nossos dias) de José Mattoso pela Temas e Debates (2011)
>>> História de Angola - da Pré-História ao Início do Século XXI de Alberto Oliveira Pinto pela Mercado de Letras (2016)
>>> Visconde do Uruguai de José Murilo de Carvalho (Org.) pela 34 (2002)
>>> A ilusão americana de Eduardo Prado pela Alfa Omega (2001)
>>> Postmodernism or, the cultural logic of late capitalism de Fredric Jameson pela Duke University Press (1992)
>>> The Established and the Outsiders de Norbert Elias and John L. Scotson pela Sage Publications (2017)
>>> The Satanic Verses de Salman Rushdie pela Randon House (2019)
>>> Los detectives salvajes de Roberto Bolaño pela Vintage Español (2010)
>>> Voices from Chernobyl de Svetlana Alexievich pela Dalkey Archive Press (2005)
>>> O Norte Agrário e o Império, 1871 - 1889 de Evaldo Cabral de Mello pela Topbooks (2008)
>>> Worlds of Labour - further studies in the history of labour de Eric J. Hobsbawm pela Weidenfeld and Nicolson (1984)
>>> Formação da Literatura Brasileira - Momentos Decisivos de Antonio Candido pela Ouro sobre Azul (2014)
>>> História do Brasil: uma interpretação de Carlos Guilherme Mota e Adriana Lopez pela 34 (2015)
>>> História Concisa da Literatura Brasileira de Alfredo Bosi pela Cultrix (2015)
>>> A literatura portuguesa de Massaud Moisés pela Cultrix (2010)
>>> História da Literatura Brasileira Vol. I - Das origens ao Romantismo de Massaud Moisés pela Cultrix (2012)
>>> História da Literatura Brasileira Vol. II - Do Realismo à Belle Époque de Massaud Moisés pela Cultrix (2016)
COLUNAS

Segunda-feira, 25/9/2006
Tapa na pantera e a casa do lago
Marcelo Miranda

+ de 10600 Acessos
+ 1 Comentário(s)

1.
O amigo e editor Julio Daio Borges já disse uma vez: ainda é cedo pra analisar o YouTube. Realmente, um portal surgido há um ano não pode ser pensado e pesado quanto ao seu verdadeiro impacto neste exato momento. Estamos vivenciando-o, sentindo-o, participando de seu processo de desenvolvimento. Mas isso não impede que pequenos (e grandes) fenômenos do site sejam comentados. Talvez um dos mais notórios seja o caso Tapa na Pantera. Trata-se de um vídeo em que a atriz teatral Maria Alice Vergueiro aparece num único ângulo descrevendo sua relação com a maconha. Muito engraçado e estranho, o vídeo virou febre virtual, já teve mais de dois milhões de acessos e tornou Vergueiro, conhecida quase apenas em São Paulo, em ídolo.

O que poucos sabem é que, por trás de Tapa na Pantera, está um rapazinho muito talentoso. O vídeo, que é ficcional a partir de uma criação de personagem da própria Maria Alice, tem três autores: Esmir Filho, Mariana Bastos e Rafael Gomes. Eles são sócios na produtora Ioiô Filmes. É Esmir o mais prolífico e "atuante" deles. O ano de 2006, por exemplo, está sendo um ótimo período para o rapaz de 23 anos. Em maio, ele estreou seu terceiro curta-metragem, Alguma Coisa Assim, no Festival de Cannes, na França. Saiu de lá com um prêmio para o roteiro. Em agosto, levou o filme ao Festival de Gramado (RS). Venceu os Kikitos de melhor curta em 35 mm, direção e atriz (Carolaine Abras). No mesmo mês, veio o Tapa na Pantera. "Um dia decidimos ir até à casa da Maria Alice Vergueiro fazer algumas gravações sem compromisso. Apenas telefonamos e marcamos. Quando ela abriu a porta, já estava com a roupa meio largada, o cachimbo na mão e falando daquele jeito chapado. A gente ligou a câmera e deixou rolar, enquanto íamos sugerindo algumas piadas", disse Esmir numa entrevista que fiz com ele recentemente. A idéia não era exatamente transformar o vídeo num trabalho a ser exibido. Porém, dias depois das gravações, ele recebeu um e-mail contendo um endereço no YouTube. E para onde o link levava? Justamente a Tapa na Pantera. Esmir jura que não faz idéia de como a gravação foi parar na rede. Nem de que forma ela ficou tão popularizada - só na primeira semana, foram 600 mil visualizações.

Interessante que Esmir não é um cara deslumbrado por esse sucesso absolutamente espontâneo. Tem plena consciência de que a Internet é, por definição, um meio efêmero. E mais: tem noção de que trata-se de um espaço em que tudo pode circular, mas nem tudo deveria circular. "É preciso muita responsabilidade para se colocar algum trabalho na Internet. Eu nunca lançaria, por exemplo, um curta-metragem meu diretamente na rede. Algumas produções são feitas para serem vistas na tela do cinema. Até acho que devam passar na web depois de rodar pelos festivais, mas tem que ter um certo cuidado". Palavras de quem teve (tem) no YouTube um espaço de rei.

2.
Bom quebrar a cara no cinema. Mesmo quando se tem como atividade escrever sobre filmes, alguns trabalhos desanimam o crítico. Foi o que aconteceu comigo recentemente, quando do lançamento de A Casa do Lago. Romance aparentemente água-com-açúcar protagonizado por Sandra Bullock e Keanu Reeves e direção do argentino Alejandro Agresti. A dobradinha Reeves-Bullock me parecia, desde o começo, forçada - tentativa de simplesmente reunir os queridinhos protagonistas de Velocidade Máxima e dar ao público nova oportunidade de vê-los lado a lado. O diretor Agresti realizou Valentin, filminho simpático que não me agrada tanto, em especial por "abusar" do garoto protagonista e seu talento de parecer adulto. E o fato de A Casa do Lago ser uma refilmagem de um longa coreano também não era fator motivador - não pela Coréia do Sul, berço de muito do que de melhor se faz em cinema hoje, mas sim por Hollywood e sua mania de buscar idéias em terras alheias.

Casa

Porém, eis que, ao final de A Casa do Lago, tudo isso se dissipou. Bullock e Reeves estão perfeitos e emanam melancolia e paixão; Agresti dirige com elegância invejável, constrói cenas a partir de elementos do cenário, poucas palavras e movimentação dos atores; e a história, apesar de mastigada, tem desenvolvimento suficiente para não deixar perder a atenção. Todos estes elementos aliados uns aos outros tornaram A Casa do Lago um belíssimo filme aos meus olhos, um trabalho feito com ardor e sinceridade por todos os envolvidos, um projeto de respeito e qualidade como poucas vezes se vê no cinema romântico.

O filme trata do amor impossível de duas pessoas moradoras da mesma casa. Eles vivem em épocas diferentes (ela está dois anos à frente dele), mas conseguem se comunicar através de cartas enfiadas numa caixa postal de frente à tal casa do lago. Há duas coisas muito bonitas nessa premissa que, nas mãos de um cineasta menor, seriam mal trabalhadas, mas ficam sublimes sob o olhar de Agresti. Uma é o uso de cartas escritas à mão numa época virtual. O roteiro mantém o poder da palavra registrada em papel, da emoção de se esperar a correspondência, do valor de se guardar a carta como um documento a registrar momentos do passado. A outra coisa a se destacar é a não-preocupação em revelar a mágica que é estopim do filme.

Pouco importa como as cartas vão de uma época a outra. O que interessa é o efeito delas na vida de duas pessoas solitárias, com conflitos muito particulares e que encontram alento nas palavras de uma alma gêmea que não está apenas distante, mas simplesmente ausente do seu universo. Não ausente fisicamente (o rapaz chega a se encontrar com a moça em sua própria época, mas não pode revelar o segredo), mas espiritualmente. Ambos sentem a presença do outro e não podem se ver nem se tocar. Se esse conflito foi mastigado à exaustão pelas artes em geral, aqui é trabalhado de forma diferenciada, em especial por conta dessa crença na palavra.

Aliás, nesse sentido, é oportuno relacionar A Casa do Lago a outro filme recente, A Dama na Água, do indiano M. Night Shyamalan. Ambos acreditam intensamente no poder da palavra - escrita, no caso do primeiro; falada, no caso do segundo. Em ambos, a idéia de que o registro é fundamental à salvação e redenção está ligado à própria encenação de seus filmes. Shyamalan coloca seus personagens a falar e falar sem parar para que desvendem o mistério que vai proteger toda a humanidade, num processo que, dentro da tela, enfoca a necessidade de ser criativo e, fora da tela, questiona a crença dos espectadores na fabulação; Agresti mostra os protagonistas a escrever e escrever um ao outro, retratando isso em narrações off que conjugam a fala e a escrita. Dois diretores estrangeiros (o que é emblemático) que conseguem ousadias na realização ao se apoderarem das formas devidamente consagradas e reutilizadas sem parar pela máquina de Hollywood.

Queimei a língua e faço aqui o mea culpa: A Casa do Lago é um grande (e belo) filme.


Marcelo Miranda
Belo Horizonte, 25/9/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Sobre mais duas novelas de Lúcio Cardoso de Cassionei Niches Petry


Mais Marcelo Miranda
Mais Acessadas de Marcelo Miranda em 2006
01. Tabus do Orkut - 6/2/2006
02. Filmes extremos e filmes extremistas - 6/3/2006
03. Vida ou arte em Zuzu Angel - 14/8/2006
04. Caso Richthofen: uma história de amor - 31/7/2006
05. Eu vejo gente morta - 11/9/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
16/10/2006
20h20min
Muito interessante ter lido esta crítica da casa do lago porque não estava colocando nenhuma fé no filme. Agora me animou. Bom ter lido isso. Vou aproveitar!
[Leia outros Comentários de flávia cocate]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O LEGISLATIVO NA CONSTRUÇÃO DA REPÚBLICA
ZILDA M. GRICOLI IOKOI
CONTEXTO
(1990)
R$ 16,82



FÍSICA PROJETO VOAZ - BOX COMPLETO
ANTONIO MÁXIMO E BEATRIZ ALVARENGA
SCIPIONE
(2012)
R$ 49,90



AVENTURA DA IMAGEM
LIA ZATZ E DIANA ZATZ MUSSI
MODERNA
(2013)
R$ 8,00



NA ESPERANÇA DE UMA NOVA VIDA
IRENE PACHECO MACHADO / LUIZ SÉRGIO
RECANTO
(1995)
R$ 12,00



DÊ SENTIDO AO SEU TRABALHO
PAULO DAHER
PAULINAS
(1980)
R$ 5,00



CONTRIBUIÇÃO NORTE AMERICANA À VIDA NATALENSE
PROTÁSIO PINHEIRO DE MELO
SEBO VERMELHO
(2015)
R$ 75,00



CAMINHOS DA RECONSTRUÇÃO
ANTONIO DIAS LEITE
PIONEIRA
(1984)
R$ 5,00



VADEMECUM DEL TEST DE RORSCHACH
EWALD BOHM (CAPA DURA)
MORATA (MADRID)
(1972)
R$ 14,28



SEJA O AMOR DA SUA VIDA
GUILHERME PINTTO
PLANETA
(2018)
R$ 25,90



O DIÁRIO SECRETO
GUSTA STOCKLER
VERUS
(2016)
R$ 12,00





busca | avançada
92061 visitas/dia
2,2 milhões/mês