Virando as Latas: o atleta brasileiro e o esporte | Heloisa Pait | Digestivo Cultural

busca | avançada
37900 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ação Social
>>> Dá-lhe, Villa!
>>> forças infernais
>>> 20 de Abril #digestivo10anos
>>> Pensando sozinho
>>> Minha casa, minha cama, minha mesa
>>> Aranhas e missangas na Moçambique de Mia Couto
>>> Novos Melhores Blogs
>>> Reflexões para um mundo em crise
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
Mais Recentes
>>> Plantas de Cobertura do Solo Caracteristicas e Manejo Em Pequenas . de Claudino Monegal pela Autor (1991)
>>> Os Honorários Advocatícios na Justiça do Trabalho - de Carlos Roberto Ramos pela : Conceito (2013)
>>> 1985 - o Autor de Laranha Mecânica Contesta o 1984 de Orwell e Mostra de Anthony Burgess pela Lpm (1980)
>>> Ciencias Criminais - Articulacoes Criticas Em Torno dos 20 Anos da Con de Ana C. B. de Pinho pela Lumenjuris (2009)
>>> Manual de Anestesia Em Pequenos Animais - de Paddleford pela Roca (2001)
>>> Las Investigaciones de Alvirah y Willy de Mary Higgins Clark pela Plaza & Janes (1998)
>>> Manual de Direito Constitucional - Volume Único de Marcelo Novelino pela Metodo (2014)
>>> Surfing and Health: Expert, Medial and Advice de Joel Steinman pela Meyer (2019)
>>> Competition in Global Industries de Michael E. Porter pela : Harvard Business School (1986)
>>> 22/11/63 - Novela de Stephen King pela Plaza Janés (2012)
>>> Guia Autorizado Adobe Photoshop 7. 0 - Com Cd - Livro de Treinamento de O mesmo pela Makron Books (2003)
>>> Instrumentos Musicales Precortesianos de Samuel Marti pela Inah (1968)
>>> Lo Mejor de La Siesta Inolvidable de Jorge Halperín pela Aguilar (2005)
>>> Novo Comentário Bíblico Contemporâneo - Lucas de Graig A. Evans pela Vida (1996)
>>> Etiquette For Outlaws de Rob Cohen pela Harper Entertainment (2001)
>>> Caixa de Pássaros de Josh Malerman pela Intrinseca (2015)
>>> Retratos e Fotogramas: Isabelle Huppert de Sesc SP pela Sesc (2009)
>>> As minas de Salomão de Eça de Queiroz pela Livraria Lello
>>> Sim Não de Jussara Braga pela do Brasil (1987)
>>> Alves & C.a de Eça de Queiroz pela Livraria Lello (1928)
>>> Fogo no Céu! de Mary França - Eliardo França pela Ática (1991)
>>> Contos de Eça de Queiroz pela Livraria Lello (1934)
>>> An Amazing Story de Telma Guimarães Castro Andrade pela Atual (1996)
>>> O crime do Padre Amaro de Eça de Queiroz pela Livraria Lello (1935)
>>> Codorna - Criação - Instalação - Manejo de Irineu Fabichak pela Nobel (1987)
>>> Guerras Secretas -Super-Heróis Marvel de Alex Irvine pela Novo Século (2016)
>>> Cartas de Inglaterra de Eça de Queiroz pela Livraria Lello
>>> Cem Anos de Iberê de Luiz Camillo Osorio pela Cosac Naify (2014)
>>> Dia de Aninha de Ciça Alves Pinto pela Global (1996)
>>> Lasar Segall Un Expresionista Brasileño de Ivo Mesquita, Jorge Schwartz e outros pela Takano (2002)
>>> The White Mountains de John Christopher pela Longman (1974)
>>> Laje de Santos, Laje dos Sonhos de Guilherme Kodja Tebecherani, Ana Paula Pinto e outros pela Globo (2009)
>>> Ulster Story de Michael Villeneuve pela Longman (1977)
>>> Marco Giannotti de Nelson Brissac Peixoto pela Cosac Naify (2007)
>>> Morri para Viver de Andressa Urach pela Planeta (2015)
>>> Esio Trot de Roald Dahl pela Puffin Books (2001)
>>> Laura Belém de Laura Belém e outros pela Cosac Naify (2013)
>>> Brave New World de Aldous Huxley pela Longman (1978)
>>> Favela, um Bairro de Cristiane Rose Duarte e Outros (org.) pela Pro (1996)
>>> 1/3 da Vida de Wanderley Oliveira e Ermance Dufaux pela Dufaux (2016)
>>> Quê ?! de Tião Carneiro pela Autor
>>> Conheça a Verdade de Bruce Milne pela Abu (1987)
>>> Para uma Nova Era, Poesia & Prosa de Remisson Aniceto pela Patuá (2019)
>>> Mentes perigosas de Ana Beatriz Barbosa Silva pela Fontanar (2008)
>>> Meu menino vadio de Luiz Fernando Vianna pela Intrínsica (2017)
>>> Correndo com tesouras de Augusten Burroughs pela Ediouro (2002)
>>> Supernova - A Estrela dos Mortos de Renan Carvalho pela Novo Conceito (2015)
>>> Supernova - O Encantador de Flechas de Renan Carvalho pela Novo Conceito (2015)
>>> Segregação e Gentrificação: Os conjuntos habitacionais em Natal de Sara Raquel Fernandes Queiroz de Medeiros pela Edufrn (2018)
>>> Repensar as Familias de Fiona Williams pela Principia (2004)
COLUNAS

Sexta-feira, 25/9/2015
Virando as Latas: o atleta brasileiro e o esporte
Heloisa Pait

+ de 1400 Acessos

Por um esporte brasileiro financeiramente independente, integrado ao saber e socialmente solidário.

Num artigo recente de jornal, o ex-deputado federal tucano Walter Feldman opõe nosso orgulho ludopédico ao reconhecimento do valor de práticas esportivas estrangeiras.1 Discordo.2

Acho que a compreensão da experiência americana no esporte pode ser muito útil. Assim como o Brasil, os Estados Unidos têm um público aficcionado pelo esporte, jovens dedicados como amadores ou profissionais e mercado capaz de financiar a prática esportiva. Cada vez mais, os jovens brasileiros querem desenhar suas carreiras de modo autônomo com o auxílio do esporte e não subordinado a ele. Os americanos conseguem integrar esporte e estudo, abrem oportunidades comerciais que financiam o esporte em vários níveis e estimulam a participação comunitária nos esportes de base, oferecendo opções aos jovens de acordo com suas prioridades de vida e interesses. Não é o que queremos?

Participação comunitária.  No esporte de base, o uso dos equipamentos públicos e privados pela comunidade é muito intenso. No verão, os parques das cidades americanas estão cheios de jovens jogando bola, com seus pais como primeira torcida da vida. As escolas do ensino fundamental não oferecem muitos programas, mas abrem as portas para que os pais organizem ligas e campeonatos. Acredito que a função do Estado  mais importante seja oferecer os caros equipamentos e deixar a própria comunidade organizar suas atividades. No Brasil, na atual situação de crise, equipamentos privados ociosos poderiam ser alugados caso o Estado não possa investir e os já construídos, como os CEUs, mais intensamente utilizados. Devemos olhar para a crise como um empurrão para a integração entre nossas crianças, com uso compartilhado de equipamentos. De qualquer forma, o que percebo nos EUA é que no esforço de organização conjunta das ligas, onde os próprios pais se voluntariam como técnicos, as crianças aprendem sobre a importância da atuação comunitária. No Brasil, ao contrário, o Estado promete tudo e ao final dá pouco, especialmente em exemplos.

Integração com os estudos.  Esse é o grande trunfo do esporte americano. Não vamos minimizar essa conquista, pois ela tem inúmeros significados tanto para o esporte como para a formação intelectual dos jovens. Não é à toa que brasileiros têm buscado nas faculdades americanas as chances de prolongar a carreira no esporte ao mesmo tempo em que obtém formação profissional. Hoje, jovens da nova classe média querem opções de vida, e não imposições.

No ensino médio, a oferta de esportes nos EUA já é bem maior que no fundamental. Mas é no ensino superior que as coisas realmente tomam corpo: as faculdades recrutam jovens atletas e elas mesmas os treinam. No basquete, a profissionalização de fato só ocorre depois da faculdade. Apenas o baseball, dos grandes esportes, não tem muito espaço nas universidades; mas a oferta de modalidades é muito grande. Muitos alunos escolhem onde vão estudar pelas condições oferecidas, sendo que as mulheres têm cada vez mais espaço no esporte universitário. O critério para a formação de ligas é o grau de apoio oferecido ao atleta. Faculdades que oferecem bolsas para atletas ficam numa liga mais competitiva e exigente; faculdades que não oferecem estão em outra. Cada liga tem seu público e suas competições, gerando receitas às faculdades ou prestígio.

Quem está nas salas de aula do ensino superior brasileiro, como eu, acaba conhecendo jovens que tiveram que interromper precocemente suas carreiras esportivas, gerando muita frustração. O outro lado, que não chega à faculdade, deve ser ainda mais melancólico: jovens que aceitam condições duras para continuar apostando no esporte, e acabam nem tendo o reconhecimento reservado a poucas estrelas.3 No Brasil, a integração entre esporte e estudo através de ligas universitárias ajudaria também a construir uma ponte entre classes sociais diversas, colocando em contato real, efetivo, jovens de distintas origens e instituições de ensino.

O negócio do esporte.  O esquema americano tem espaço para todos, cada qual com sua prioridade, seu público, seus apoiadores, e principalmente amparado por uma instituição de ensino, que é o que garante um futuro real na vida adulta. Será que o ensino privado brasileiro não teria interesse em entrar nessa atividade, de forma independente ou em conjunto com clubes, oferecendo assim uma oportunidade para que os jovens brasileiros continuem estudando enquanto se dedicam ao esporte, e também, claro, usando isso para sua promoção? Será que emissoras de TV não gostariam de transmitir jogos mais baratos, mas talvez mais próximos da comunidade? Esse esquema mais amplo daria oportunidade para que cada jovem tivesse suas conquistas, suas vitórias, não apenas reservadas aos grandes craques do futebol global. Mas também abriria oportunidades de negócios para organizadores de eventos, para os meios de comunicação, especialmente os locais, e para empresas patrocinadoras. O negócio do esporte não ficaria tão concentrado em grandes espetáculos: proporcionaria o lazer da comunidade, apoiado pelo comércio local e com seus ídolos locais. O esporte profissional se beneficiaria com atletas com melhor formação, que no futuro seriam melhores dirigentes...

O Estado brasileiro age em larga medida como concentrador de renda, apoiando negócios que podem andar com as próprias pernas, extraindo para isso recursos do conjunto da população que financiariam iniciativas menores e inovadoras. No futebol, não me parece diferente. Está na hora de o Estado deixar de financiar o esporte comercial e estimular de modo concreto, com equipamentos esportivos de boa qualidade em escolas e parques públicos, o pequeno esporte que enche de vida as cidades e dá objetivos aos jovens. O próprio Walter Feldman, com sua inegável capacidade aglutinadora, está hoje numa posição privilegiada para construir esse novo esporte brasileiro, financeiramente independente, integrado ao saber e socialmente solidário. É só botar a mão na massa. Sem receio de virar as latas.

1 Não acho que há complexo de vira-lata em buscar em outras experiências idéias para um futebol ou uma sociedade melhor. Países desenvolvidos são copiadores desavergonhados. O Japão é uma potência econômica e um exemplo de civilização, sem pudor de copiar, ontem e hoje. Os EUA nem culinária própria têm. Eles se referem a uma "experiência americana", mas não reclamam uma identidade nacional. Copiaram o sistema político e educacional, importaram a filosofia e as artes e não param de fazê-lo. E mesmo nós, o que temos de melhor, resulta do que Oswald de Andrade chamou de antropofagia. Com bom senso, a cópia é uma grande invenção humana, e aquelas piadas sobre as diferenças entre o inferno e o paraíso - o cozinheiro inglês, o amante suíço -  expressam isso de modo arguto. No Brasil de hoje, estamos obviamente nos dando conta de que algo está errado, seja na sociedade como um todo ou no futebol. Nesses momentos, é bom ver o que os outros fazem; cidadãos maduros quando há uma crise olham em volta para refletir sobre que opções temos e desconsideramos.

2 Sinto-me na obrigação de mostrar minhas credenciais para falar de futebol, que reconheço humildemente como espaço sagrado masculino. Aqui vão elas: na adolescência fui esportista "federada" por um clube privado, dei aulas nos EUA e estudei o ensino superior americano. Como professora aqui no Brasil, orientei pesquisas sobre o esporte, incluindo o estudo comparativo do esporte americano e brasileiro do jovem Rafael Martimbianco. Esse texto também traz informações e experiências do meu irmão, um fã do esporte e conhecedor da cultura americana, além de por breve período técnico de futebol feminino.

3 O antropólogo Roberto DaMatta já havia notado num estudo comparativo sobre a natação nos dois países que nos EUA cada nadador é um campeão, tantos os tipos de prêmios em disputa, enquanto no Brasil, há lugar para um punhado de vitoriosos e esquecimento para os demais.

Heloisa Pait
São Paulo, 25/9/2015



Quem leu este, também leu esse(s):
01. estar onde eu não estou de Luís Fernando Amâncio
02. Leblon de Marta Barcellos
03. Meu Primeiro Livro de Julio Daio Borges
04. Quatro autores e um sentimento do mundo de Marilia Mota Silva
05. A Física da nova geração de autores de Ram Rajagopal


Mais Heloisa Pait
Mais Acessadas de Heloisa Pait
01. Uma Receita de Bolo de Mel - 25/10/2018
02. A Garota do Livro: uma resenha - 16/6/2016
03. O Voto de Meu Pai - 18/10/2018
04. Os Doze Trabalhos de Mónika. 1. À Beira do Abismo - 13/4/2017
05. Os Doze Trabalhos de Mónika. Epílogo. Ambaíba - 16/2/2018


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




PROCESSOS TÉCNICOS DA COMPILAÇÃO BIBLIOGRÁFICA
IRENE DE MENEZES DORIA
MINISTÉRIO DAS RELAÇÕES EXTERI
(1955)
R$ 40,00



MESTRES DO TEATRO I
JOHN GASSNER
PERSPECTIVA
(2005)
R$ 50,00



AS RELAÇÕES PERIGOSAS
CHODERLOS DE LACLOS
SUZANO
(2002)
R$ 4,12



AMERICAN ADVENTURES ELEMENTARY TEACHER S BOOK
PAT CHAPPELL/GERALDINE MARK
OXFORD
(2008)
R$ 12,49



GALUT
ITZACK BAER
PERSPECTIVA
(1977)
R$ 4,00



CENTRO VELHO DE SÃO PAULO: MEMÓRIA - MOMENTO
ROGÉRIO RIBEIRO DA LUZ
MASSAO OHNO
(1999)
R$ 15,00



SUPORTE NUTRICIONAL PARENTAL E ENTERAL
MIGUEL CARLOS RIELLA
GUANABARA KOOGAN
(1993)
R$ 9,80



ENTRE O AMOR E A GUERRA
ZIBIA GASPARETTO
VIDA & CONSCIÊNCIA
(1991)
R$ 10,00



FALA SÉRIO, MÃE !
THALITA REBOUÇAS
ROCCO
(2012)
R$ 9,90



ABRINDO O CANAL DA PROVISÃO - VL. 8
MASAHARU TANIGUCHI
SEICHO-NO-IE
(2002)
R$ 10,00





busca | avançada
37900 visitas/dia
1,3 milhão/mês