Virando as Latas: o atleta brasileiro e o esporte | Heloisa Pait | Digestivo Cultural

busca | avançada
78548 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Clube do Conto outubro - Sesc Carmo - literatura infantojuvenil
>>> Projeto seleciona as melhores imagens de natureza produzida por fotógrafos de Norte a Sul do país
>>> Infantil com a Companhia de Danças de Diadema tem sessão presencial em Ilhabela e Caraguatatuba
>>> Teatro do Incêndio realiza roda de conversa na Rua 13 de Maio sobre carnaval e identidade do Bixiga
>>> Mauro Mendes Dias lança Entre Baratas e Rinocerontes no encerramento da Semana da Estupidez
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
>>> Uma história da Sambatech
>>> Uma história da Petz
Últimos Posts
>>> Mundo Brasil
>>> Anônimos
>>> Eu tu eles
>>> Brasileira muda paisagens de Veneza com exposição
>>> Os inocentes do crepúsculo
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Extraordinary Times
>>> Ensaio sobre a surdez
>>> The Search, John Battelle e a história do Google
>>> As ligações perigosas
>>> De pé no chão (1978): sambando com Beth Carvalho
>>> Consulta
>>> Dia do Sabino
>>> De Siegfried a São Jorge
>>> So much that was good but is gone
>>> Livros e ensino tecnológico
Mais Recentes
>>> Nunca Houve um Castelo de Martha Batalha pela Companhia das Letras (2018)
>>> O segredo de fátima de Irmã lúcia pela Loyola (1991)
>>> Iniciação À Arte De Curar Pelo Magnetismo Humano de Paul-Clément Jagot pela Pensamento
>>> Venda mais - DEUS na empresa. A espiritualidade ajuda a vender? Ano 9 - Nº108 de Vários pela Quantum (2003)
>>> Meu Recife de Outrora: Crônicas do Recife Antigo de Fernando Pio pela Departamento de Cultura (1969)
>>> Aparência Rio de Janeiro - 60 Notícia Histórica Descritiva da Cidade de Gastão Cruls pela José Olympio (1949)
>>> Experiências Psíquicas Além da Cortina de Ferro de Sheila Ostrander e Outro pela Cultrix (1970)
>>> Aprender a pensar de Edward de Bono pela Plaza e Janés (1987)
>>> Nem cosme nem damião de Joaquim vaz de carvalho pela Giz (1993)
>>> A Tormenta de Espadas. As Crônicas de Gelo e Fogo - Volume 3 de George R R Martin pela Leya (2012)
>>> A Guerra dos Tronos. As Crônicas de Gelo e Fogo - Volume 1 de George R R Martin pela Leya (2012)
>>> A Dança Dos Dragões - Coleção As Crônicas De Gelo E Fogo. Volume 5 de George R R Martin pela Leya (2012)
>>> A Furia dos Reis: As Cronicas de Gelo e Fogo, Vol. 2 de George R R Martin pela Leya (2011)
>>> O Festim Dos Corvos - Coleção As Crônicas de Gelo e Fogo de George R R Martin pela Leya (2012)
>>> A Menina Submersa: Memórias: Um caso de amor para toda vida de Caitlin R. Kiernan pela Darkside (2015)
>>> D.Gray-Man, Volume 15 de Katsura Hoshino pela Panini Comics (2009)
>>> D.Gray-Man, Volume 14 de Katsura Hoshino pela Panini Comics (2009)
>>> D.Gray-Man, Volume 13 de Katsura Hoshino pela Panini Comics (2009)
>>> D Gray Man Vol. 12 de Katsura Hoshino pela Panini Comics (2010)
>>> D. Gray-man Volume 11 de Katsura Hoshino pela Panini Comics (2010)
>>> Manuel Bandeira- Análise e Interpretação Literária de Emanuel de Moraes pela José Olympio (1962)
>>> O Fantasma de Jo Nesbo pela Record (2017)
>>> D.Gray-Man - vol. 10 de Katsura Hoshino pela Panini Comics (2009)
>>> Grilhões Partidos de Divaldo Pereira Franco pela Livraria Espírita Alvorada (1998)
>>> D. Gray-man 9 de Katsura Hoshino pela Panini Comics (2009)
COLUNAS

Sexta-feira, 25/9/2015
Virando as Latas: o atleta brasileiro e o esporte
Heloisa Pait

+ de 1900 Acessos

Por um esporte brasileiro financeiramente independente, integrado ao saber e socialmente solidário.

Num artigo recente de jornal, o ex-deputado federal tucano Walter Feldman opõe nosso orgulho ludopédico ao reconhecimento do valor de práticas esportivas estrangeiras.1 Discordo.2

Acho que a compreensão da experiência americana no esporte pode ser muito útil. Assim como o Brasil, os Estados Unidos têm um público aficcionado pelo esporte, jovens dedicados como amadores ou profissionais e mercado capaz de financiar a prática esportiva. Cada vez mais, os jovens brasileiros querem desenhar suas carreiras de modo autônomo com o auxílio do esporte e não subordinado a ele. Os americanos conseguem integrar esporte e estudo, abrem oportunidades comerciais que financiam o esporte em vários níveis e estimulam a participação comunitária nos esportes de base, oferecendo opções aos jovens de acordo com suas prioridades de vida e interesses. Não é o que queremos?

Participação comunitária.  No esporte de base, o uso dos equipamentos públicos e privados pela comunidade é muito intenso. No verão, os parques das cidades americanas estão cheios de jovens jogando bola, com seus pais como primeira torcida da vida. As escolas do ensino fundamental não oferecem muitos programas, mas abrem as portas para que os pais organizem ligas e campeonatos. Acredito que a função do Estado  mais importante seja oferecer os caros equipamentos e deixar a própria comunidade organizar suas atividades. No Brasil, na atual situação de crise, equipamentos privados ociosos poderiam ser alugados caso o Estado não possa investir e os já construídos, como os CEUs, mais intensamente utilizados. Devemos olhar para a crise como um empurrão para a integração entre nossas crianças, com uso compartilhado de equipamentos. De qualquer forma, o que percebo nos EUA é que no esforço de organização conjunta das ligas, onde os próprios pais se voluntariam como técnicos, as crianças aprendem sobre a importância da atuação comunitária. No Brasil, ao contrário, o Estado promete tudo e ao final dá pouco, especialmente em exemplos.

Integração com os estudos.  Esse é o grande trunfo do esporte americano. Não vamos minimizar essa conquista, pois ela tem inúmeros significados tanto para o esporte como para a formação intelectual dos jovens. Não é à toa que brasileiros têm buscado nas faculdades americanas as chances de prolongar a carreira no esporte ao mesmo tempo em que obtém formação profissional. Hoje, jovens da nova classe média querem opções de vida, e não imposições.

No ensino médio, a oferta de esportes nos EUA já é bem maior que no fundamental. Mas é no ensino superior que as coisas realmente tomam corpo: as faculdades recrutam jovens atletas e elas mesmas os treinam. No basquete, a profissionalização de fato só ocorre depois da faculdade. Apenas o baseball, dos grandes esportes, não tem muito espaço nas universidades; mas a oferta de modalidades é muito grande. Muitos alunos escolhem onde vão estudar pelas condições oferecidas, sendo que as mulheres têm cada vez mais espaço no esporte universitário. O critério para a formação de ligas é o grau de apoio oferecido ao atleta. Faculdades que oferecem bolsas para atletas ficam numa liga mais competitiva e exigente; faculdades que não oferecem estão em outra. Cada liga tem seu público e suas competições, gerando receitas às faculdades ou prestígio.

Quem está nas salas de aula do ensino superior brasileiro, como eu, acaba conhecendo jovens que tiveram que interromper precocemente suas carreiras esportivas, gerando muita frustração. O outro lado, que não chega à faculdade, deve ser ainda mais melancólico: jovens que aceitam condições duras para continuar apostando no esporte, e acabam nem tendo o reconhecimento reservado a poucas estrelas.3 No Brasil, a integração entre esporte e estudo através de ligas universitárias ajudaria também a construir uma ponte entre classes sociais diversas, colocando em contato real, efetivo, jovens de distintas origens e instituições de ensino.

O negócio do esporte.  O esquema americano tem espaço para todos, cada qual com sua prioridade, seu público, seus apoiadores, e principalmente amparado por uma instituição de ensino, que é o que garante um futuro real na vida adulta. Será que o ensino privado brasileiro não teria interesse em entrar nessa atividade, de forma independente ou em conjunto com clubes, oferecendo assim uma oportunidade para que os jovens brasileiros continuem estudando enquanto se dedicam ao esporte, e também, claro, usando isso para sua promoção? Será que emissoras de TV não gostariam de transmitir jogos mais baratos, mas talvez mais próximos da comunidade? Esse esquema mais amplo daria oportunidade para que cada jovem tivesse suas conquistas, suas vitórias, não apenas reservadas aos grandes craques do futebol global. Mas também abriria oportunidades de negócios para organizadores de eventos, para os meios de comunicação, especialmente os locais, e para empresas patrocinadoras. O negócio do esporte não ficaria tão concentrado em grandes espetáculos: proporcionaria o lazer da comunidade, apoiado pelo comércio local e com seus ídolos locais. O esporte profissional se beneficiaria com atletas com melhor formação, que no futuro seriam melhores dirigentes...

O Estado brasileiro age em larga medida como concentrador de renda, apoiando negócios que podem andar com as próprias pernas, extraindo para isso recursos do conjunto da população que financiariam iniciativas menores e inovadoras. No futebol, não me parece diferente. Está na hora de o Estado deixar de financiar o esporte comercial e estimular de modo concreto, com equipamentos esportivos de boa qualidade em escolas e parques públicos, o pequeno esporte que enche de vida as cidades e dá objetivos aos jovens. O próprio Walter Feldman, com sua inegável capacidade aglutinadora, está hoje numa posição privilegiada para construir esse novo esporte brasileiro, financeiramente independente, integrado ao saber e socialmente solidário. É só botar a mão na massa. Sem receio de virar as latas.

1 Não acho que há complexo de vira-lata em buscar em outras experiências idéias para um futebol ou uma sociedade melhor. Países desenvolvidos são copiadores desavergonhados. O Japão é uma potência econômica e um exemplo de civilização, sem pudor de copiar, ontem e hoje. Os EUA nem culinária própria têm. Eles se referem a uma "experiência americana", mas não reclamam uma identidade nacional. Copiaram o sistema político e educacional, importaram a filosofia e as artes e não param de fazê-lo. E mesmo nós, o que temos de melhor, resulta do que Oswald de Andrade chamou de antropofagia. Com bom senso, a cópia é uma grande invenção humana, e aquelas piadas sobre as diferenças entre o inferno e o paraíso - o cozinheiro inglês, o amante suíço -  expressam isso de modo arguto. No Brasil de hoje, estamos obviamente nos dando conta de que algo está errado, seja na sociedade como um todo ou no futebol. Nesses momentos, é bom ver o que os outros fazem; cidadãos maduros quando há uma crise olham em volta para refletir sobre que opções temos e desconsideramos.

2 Sinto-me na obrigação de mostrar minhas credenciais para falar de futebol, que reconheço humildemente como espaço sagrado masculino. Aqui vão elas: na adolescência fui esportista "federada" por um clube privado, dei aulas nos EUA e estudei o ensino superior americano. Como professora aqui no Brasil, orientei pesquisas sobre o esporte, incluindo o estudo comparativo do esporte americano e brasileiro do jovem Rafael Martimbianco. Esse texto também traz informações e experiências do meu irmão, um fã do esporte e conhecedor da cultura americana, além de por breve período técnico de futebol feminino.

3 O antropólogo Roberto DaMatta já havia notado num estudo comparativo sobre a natação nos dois países que nos EUA cada nadador é um campeão, tantos os tipos de prêmios em disputa, enquanto no Brasil, há lugar para um punhado de vitoriosos e esquecimento para os demais.

Heloisa Pait
São Paulo, 25/9/2015



Quem leu este, também leu esse(s):
01. Notas confessionais de um angustiado (V) de Cassionei Niches Petry
02. Você é África, Você é Linda: abaixo o preconceito! de Fabio Gomes
03. Tectônicas por Georgia Kyriakakis de Humberto Pereira da Silva
04. Os bastidores de Psicose de Gian Danton
05. Meu beijo gay de Paulo Polzonoff Jr


Mais Heloisa Pait
Mais Acessadas de Heloisa Pait
01. Uma Receita de Bolo de Mel - 25/10/2018
02. A Garota do Livro: uma resenha - 16/6/2016
03. O Voto de Meu Pai - 18/10/2018
04. Os Doze Trabalhos de Mónika. 8.Heroes of the World - 11/1/2018
05. Os Doze Trabalhos de Mónika. 1. À Beira do Abismo - 13/4/2017


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Dicionário de Custos
George S. Guerra Leone-rodrigo J. Guerra Leone
Atlas
(2004)



O Quarto Azul
Rosamunde Pilcher
Bertrand Brasil
(1997)



Nutrição e Bem Estar
Marcia Daskal Hirschbruch
Cms
(1999)



Virou Bicho! - Narrativas do Folclore (semi Novo)
Renato Moriconi; Ernani Ssó
Companhia das Letrinhas
(2012)



Mercado de Capitais
Luiz Fernando Rudge Francisco Cavalcante
Comissão Nacional de Bolsas
(1993)



Redação de Trabalhos Científicos
Maria do Carmos Silva Soares
Cabral
(1995)



Das confusões desse Mundo de águas
Adelson José Fontes Santos
Angellara
(1996)



Economia Aplicada Série Gestão Empresarial
Antonio Carlos Pôrto Gonçalves e Outros
Fgv
(2010)



Retrato do Artista Quando Jovem
James Joyce
Civilizaçao Brasileira
(2014)



Club Penguin - a Grande Expedição dos Puffles
Disney
Melhoramentos
(2013)





busca | avançada
78548 visitas/dia
1,8 milhão/mês