Os Doze Trabalhos de Mónika. 1. À Beira do Abismo | Heloisa Pait | Digestivo Cultural

busca | avançada
73422 visitas/dia
2,5 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Minute Media anuncia lançamento da plataforma The Players’ Tribune no Brasil
>>> Leonardo Brant ministra curso gratuito de documentários
>>> ESG como parâmetro do investimento responsável será debatido em evento da Amec em parceria com a CFA
>>> Jornalista e escritor Pedro Doria participa do Dilemas Éticos da CIP
>>> Em espetáculo de Fernando Lyra Jr. cadeira de rodas não é limite para a imaginação na hora do recrei
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Acentuado
>>> Mãe, na luz dos olhos teus
>>> PoloAC retoma temporada de Os Doidivanas
>>> Em um tempo, sem tempo
>>> Eu, tu e eles
>>> Mãos que colhem
>>> Cia. ODU conclui apresentações de Geração#
>>> Geração#: reapresentação será neste sábado, 24
>>> Geração# terá estreia no feriado de 21 de abril
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
Blogueiros
Mais Recentes
>>> 2009: intolerância e arte
>>> A Marafa Carioca, de Marques Rebelo
>>> Maiores audiências da internet
>>> Amando quem não existe
>>> 18 de Outubro #digestivo10anos
>>> A alma boa de Setsuan e a bondade
>>> Geração abandonada
>>> O dia em que a Terra parou
>>> A Geração Paissandu
>>> Srta Peregrine e suas crianças peculiares
Mais Recentes
>>> Boneco de Pano de Daniel Cole pela Arqueiro (2017)
>>> Hereges de Leonardo Padura Fuentes pela Boitempo (2015)
>>> Nix de Nathan Hill pela Intrinseca (2018)
>>> Os Anagramas de Varsóvia de Richard Zimler pela Record (2010)
>>> Os Anagramas de Varsóvia de Richard Zimler pela Record (2010)
>>> Código da Vida de Saulo Ramos pela Planeta (2007)
>>> Caras Animalescas de Renato Moriconi; Ilan Brenman pela Cia das Letrinhas (2013)
>>> Jujubalândia de Mariana Caltabiano pela Brinque Book (1997)
>>> O Pequeno Dragão - 2ª Nova Ortografia de Pedro Bandeira; Carlos Edgard Herrero pela Moderna (2009)
>>> O Coiso Estranho de Blandina Franco pela Companhia das Letras (2014)
>>> Rupi! o Menino das Cavernas de Timothy Bush; Gilda de Aquino pela Brinque-book (1997)
>>> Casa-grande Senzala - Dois Volumes de Gilberto Freyre pela Jose Olympio (1950)
>>> Condessa de Barral: a Paixão do Imprerador de Mary del Priore pela Objetiva (2008)
>>> Isso Me Traz Alegria de Marie Kondo pela Sextante (2016)
>>> As Aventuras de Benjamim: o Muiraquitã de Camila Franco; Marcela Catunda; e Outros pela Companhia das Letrinhas (2004)
>>> Vitrines e Coleções de Christine Ferreira Azzi pela Memória Visual (2010)
>>> El Nacimiento de Europa de Robert S. López pela Editorial Labor (1963)
>>> O Que é Isso, Companheiro? de Fernando Gabeira pela Companhia das Letras (1997)
>>> Mística e Espiritualidade de Leonardo Boff; Frei Betto pela Vozes (2010)
>>> As Aventuras de Pinóquio de Carlo Collodi pela Companhia das Letrinhas (2002)
>>> Livro das Perguntas de Ferreira Gullar; Pablo Neruda; Isidro Ferrer pela Cosac & Naify (2008)
>>> Entrevista Com o Vampiro de Anne Rice pela Rocco (1991)
>>> Pais Brilhantes - Professores Fascinantes de Augusto Cury pela Sextante (2003)
>>> Ciranda de Pedra de Lygia Fagundes Telles pela Rocco (1998)
>>> Uma Janela Em Copacabana de Luiz Alfredo Garcia-Roza pela Companhia das Letras (2001)
COLUNAS

Quinta-feira, 13/4/2017
Os Doze Trabalhos de Mónika. 1. À Beira do Abismo
Heloisa Pait

+ de 4000 Acessos

O campus era lindo. Os pequenos prédios de concreto pintado dispunham-se em ziguezague, ligados por passarelas de terra vermelha que de tempos em tempos alguém resolvia calçar. De inverno a outono, o sol brilhava. O calendário flutuava conforme as greves. Mónika retomava hoje o hábito interrompido de passear à tarde pelo campus, quebrando assim as horas diante do computador. Cruzou o jardim central, onde recentemente tinham erigido um prédio, e circundou o refeitório. Um grupo de jovens cuidava da horta comunitária. Outro sustentava cartazes frente à diretoria. Atrás, uma construção nova, de um piso só, abrigava salas de apoio variadas. Depois o pomar, com as árvores todas da terra. Tinha um loureiro, com suas folhas duras e grossas. E também árvores que davam frutinhas mais azedas que pitanga. Sempre pensava em levar algumas para casa, mas na correria acabava esquecendo!

Andou até o campo de futebol, o sol já estava baixo. Luminoso, mas baixo. Depois passou pelos abacateiros, e aí aquela espécie de cisterna, não sabia bem o que era, talvez tratamento de esgoto, um cogumelo de concreto parecido com o que seus pais descreviam haver na Romênia. Ficou olhando a cisterna ou o que fosse. Por que ninguém ia ali? Será que era perigoso? Nem bitucas de cigarro, nem preservativos, nada. Nenhum encontro clandestino. A cisterna seria, sei lá, contaminada, radioativa? Nem pichações. Um domo de concreto e Mónika olhando. Não era uma mulher corajosa. Só que não temia por antecipação, não pensava: “Não vou lá pois ninguém vai e é perigoso.” Quando temia, já era tarde demais, estava ali e aquela cisterna podia degluti-la que ninguém saberia. Abandono de emprego.

Contemplou a cisterna como se fosse uma pirâmide egípcia, um monumento inca. Aí fugiu, só que avançando na mata. Havia uma trilha, ela caminhou bem cuidadosa. E se tropeçasse? Estava longe de qualquer um, nem grito ouviriam. A trilha descia um pouco, depois terminava numa pirambeira. Mas onde? A mata encobria. Agachou para enxergar entre os troncos, se inclinou para frente, ia cair de boca, jogou o corpo pra trás, caiu de bunda, escorregou mas conseguiu se prender a um tronco grosso, com o braço. Estava pendurada pelo cotovelo e no mais parecia solta. Teve medo do ombro se despregar, teve um pânico infernal. Depois se acalmou, viu que tinha apoio no quadril, e podia buscar um lugar onde apoiar o pé direito. O joelho esquerdo meio encalacrado numa árvore, imprestável. Empurrou-se para cima, conseguiu botar a mão esquerda no tronco, empurrou-se mais um pouco, finalmente sentou na beira da trilha, as mãos todas sujas de barro. Teve ânsia, viu o vômito escorrendo pirambeira abaixo, observou as mãos tremendo, sentiu o coração aos poucos se acalmando pensou: “quase me estrepo toda.” Respirou fundo, enxugou a boca no braço da camisa, levantou-se e voltou ao campus.

Não estava bem. As pernas tremiam, não conseguia passar perto da cisterna, não estava bem mesmo.

– Professora, Professora Mónika, a senhora está bem?

Mónika procurava a voz.

– Professora, aqui, a senhora está bem?

Um senhor acenava para ela mais ao alto. Ela fez que sim. Ele se aproximou.

– Está bem mesmo?

– Que bom o senhor aqui, na verdade queria um copo d’água, sentar um pouco. Que bom o senhor passando.

– Depois que a vi nos abacateiros, resolvi acompanhá-la com os olhos.

É verdade, um funcionário da faculdade havia puxado conversa sobre os abacateiros. Tinha falado de outras árvores também, plantas frutíferas.

Caminhavam juntos.

– O senhor tem um sotaque, de onde é?

– Sou da Galícia.

– Espanhola?

– Por certo, a Galícia espanhola. Conhece galego?

– Alguns autores só. Nunca estive lá. O senhor trabalha aqui?

– Sim, sou o supervisor da manutenção. Já nos vimos algumas vezes.

– Perdão, sou distraída. Perdão.

– Não há razão. Venha, vou lhe oferecer um copo d’água e um banquinho para se sentar.

O homem lhe estendeu o braço e ela, que não sabia muito bem andar apoiada, aceitou. Andaram pela grama alta até um pequeno casebre de madeira, com uma porta precária fechada a cadeado.

– Venha, sente-se cá.

O lugar era escuro. A vista demorou a se adaptar. Mónika ficou em pé, olhando o espaço apertado, iluminado por uma lâmpada pensa ao teto.

– Joaquín – ele disse, adiantando-se na apresentação e oferecendo um copo d’água. Havia no lugar uma pia de mármore, copos de vidro grosso, e o filtro de barro. Não se parecia com os outros lugares do campus, feitos de alumínio e plástico.

– Prazer. Desculpe. – Ao invés de agradecer, ela se desculpava.

Sentou e voltou a desculpar-se.

– Desculpe.

Ele ficou de pé, tirou um pano pendurado na torneira, molhou, torceu e ofereceu para ela. Ela passou no rosto, depois na boca, aos poucos o gosto ruim ia embora. Finalmente agradeceu:

– Obrigada. O que o senhor faz mesmo?

– Sou o supervisor de manutenção.

– Mas que é isso?

– Se uma porta se quebra, é meu setor que conserta.

– E o vespeiro?

Havia um vespeiro no meio do prédio de aulas. Mónika entrava na sala e se perguntava o que aconteceria se alguém incomodasse as vespas, se elas iriam para cima dos alunos dela. E se alguém tivesse alergia, como seria?

Joaquín riu.

– Agora entendo por que uma mulher tão bonita quanto a senhora tem tantos adversários. – Jogou a cabeça para trás e riu novamente. – Praticamente a salvo do abismo e a senhora vem me cobrar a respeito do ninho de insetos. É mesmo uma pândega.

Mónika riu também. Gostava que rissem dela. Virou a cabeça para baixo e para o lado, sorriu.

– Mas o vespeiro é um perigo, não?

– Sim, mas é responsabilidade da vigilância sanitária, não da universidade. Não se pode perturbar assim a natureza ao bel-prazer. Se a vigilância atestar que há um risco, aí podemos contratar um serviço de remoção.

– Entendo. – Mónika já não pensava nas vespas. Voltava a atenção ao quartinho, com a copa à direita, ferramentas penduradas na parede atrás de si, e uma enorme estante na outra, no lado oeste. – Vejo que tem muitos livros aqui. Da biblioteca?

A estante, observando bem, estava a um palmo da parede. Joaquín cuidava bem dos livros, e não queria umidade. A prateleira superior, além disso, tinha uma espécie de cobertura por cima, como um chapéu, um teto.

– Alguns são, sim, emprestados. A maioria comprei, alguns são doações de professores. Tenho fama de ler, então mos dão.

– E você... esse lugar... você sempre vem aqui?

– É um canto que construí para mim, não é parte do campus. Quer dizer, está no campus, mas não oficialmente, entende? Então venho aqui ler uns livros e passar o tempo. Apetece-lhe o lugar, pois não?

– Sim. Acho que sim.

– Venha quando quiser, professora.

Entre o banquinho e a estante, cortando o puxado todo, havia uma rede de dormir. Atrás dela, uma luminária nova em folha, cromada, potente. Era ali que Joaquín lia, com certeza. Olhou para ele e sorriu, sem jeito. Estava toda ela sem jeito ali naquele barraco.

– Acho que estou cansada, o... o incidente, o susto, cansei mesmo.

– Fique à vontade, professora. Querendo deitar-se na rede, ela está aí para isso mesmo, para que nos recuperemos.

Ela pulou para a rede, ele ocupou o banquinho.

– Queria apenas, se não fosse importuná-la, tocar-lhe os belos seios, mas isso apenas se não houver qualquer objeção de sua parte.

– Nenhuma – ela disse.

Está no ar a segunda aventura de Mónika, O Catolotolo.

Esta é uma obra de ficção; qualquer semelhança com nomes, pessoas, fatos ou situações da vida real terá sido mera coincidência.


Heloisa Pait
São Paulo, 13/4/2017


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Heloisa Seixas e as pérolas absolutas de Adriana Baggio
02. José Tonezzi: Arte e Pesquisa Sem Fronteiras de Rennata Airoldi
03. Um sujeito chamado Graham Norton de Arcano9


Mais Heloisa Pait
Mais Acessadas de Heloisa Pait em 2017
01. Os Doze Trabalhos de Mónika. 1. À Beira do Abismo - 13/4/2017
02. Os Doze Trabalhos de Mónika. 4. Museu Paleológico - 13/7/2017
03. Os Doze Trabalhos de Mónika. 5. Um Certo Batitsky - 21/12/2017
04. Os Doze Trabalhos de Mónika. 6. Nas Asas da Panair - 28/12/2017
05. Os Doze Trabalhos de Mónika. 3. Um Jogo de Poker - 29/6/2017


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Watergate: les Fous Du President
Carl Bernstein e Bob Woodward
Robert Laffont
(1974)



Brida - Coleção Paulo Coelho
Paulo Coelho
Isto é



Ratinho: Coisa de Louco!
Beto Junqueira
Lpm
(1998)



Bichinhos do Brasil
Douglas Reis
Autodidata
(2008)



Mídia Eletrônica - Seu Controle nos Eua e no Brasil
André Mendes de Almeida
Forense
(2006)



Welcome Aboard: a Servicemanual For the Naval Officers Wife
Florece Ridgely Johnson (capa Dura)
United States Naval Institute
(1960)



La Mémoire de Lâme
Launier / Mcebius
Stardom
(2001)



Imortal
Anderson Santos
21
(2009)



Geracao T. E. E. N. Transei e Esqueci o Nome
Marty Beckerman
Ediouro
(2005)



Guilhermino Cunha: Vida e Obra
Cid Pereira Caldas e Nilson de Oliveira
Edições Catedral (rj)
(2013)





busca | avançada
73422 visitas/dia
2,5 milhões/mês