Os Doze Trabalhos de Mónika. 4. Museu Paleológico | Heloisa Pait | Digestivo Cultural

busca | avançada
47273 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Talvez...
>>> 2007 e os meus CDs ― Versão Internacional 1
>>> A felicidade, segundo Freud
>>> Memória das pornochanchadas
>>> Magia além do Photoshop
>>> Meu Telefunken
>>> Meu Telefunken
>>> Vida Virtual? Quase 10 anos de Digestivo
>>> Sombras Persas (X)
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Mais Recentes
>>> Charlottes Web de E. B. White / Garth Williams pela Harper USA (1992)
>>> Charlottes Web de E. B. White / Garth Williams pela Harper USA (1992)
>>> Charlottes Web de E. B. White / Garth Williams pela Harper USA (1992)
>>> Fotoleitura de Paul R. Scheele pela Summus (1995)
>>> O Rosto Materno de Deus de Leonardo Boff pela Vozes (2000)
>>> Terapia do Abraço 2 de Kathleen Keating pela Pensamento (2012)
>>> História Resumida da Civilização Clássica - Grécia/Roma de Michael Grant pela Jorge Zahar (1994)
>>> Cães de Guerra de Frederick Forsyth pela Record (1974)
>>> Jogo Duro de Mario Garnero pela Best Seller (1988)
>>> Psicologia do Ajustamento de Maria Lúcia Hannas, Ana Eugênia Ferreira e Marysa Saboya pela Vozes (1988)
>>> Uma Mulher na Escuridão de Charlie Donlea pela Faro (2019)
>>> Pra discutir... e gerar boas conversas por aí de Donizete Soares pela Instituto GENS (2015)
>>> Educomunicação - o que é isto de Donizete Soares pela Projeto Cala-boca já morreu (2015)
>>> Ficções fraternas de Livia Garcia-Roza - organizadora pela Record (2003)
>>> Prisioneiras de Drauzio Varella pela Companhia das Letras (2017)
>>> O diário de Myriam de Myriam Rawick pela Dark Side Books (2018)
>>> Contos de Rubem Fonseca pela Nova Fronteira (2015)
>>> Notícias - Manual do usuário de Alain de Botton pela Intrínseca (2015)
>>> Um alfabeto para gourmets de MFK Fisher pela Companhia das Letrs (1996)
>>> Os Mitos Celtas de Pedro Paulo G. May pela Angra (2002)
>>> A vida que ninguém vê de Eliane Brum pela Arquipélago Editorial (2006)
>>> As Cem Melhores Crônicas Brasileiras de Joaquim Ferreira dos Santos - organizador pela Objetiva (2007)
>>> O tigre na sombra de Lya Luft pela Record (2012)
>>> Elza de Zeca Camargo pela Casa da Palavra (2018)
>>> Sexo no cativeiro de Esther Perel pela Objetiva (2007)
>>> O clube do filme de David Gilmour pela Intrínseca (2009)
>>> Coisa de Inglês de Geraldo Tollens Linck pela Nova Fronteira (1986)
>>> As mentiras que os mulheres contam de Luis Fernando Veríssimo pela Objetiva (2015)
>>> Equilíbrio e Recompensa de Lourenço Prado pela Pensamento
>>> Cadernos de História e Filosofia da Ciência de Fátima R. R. Évora (org.) pela Unicamp (2002)
>>> Revista Internacional de Filosofia de Jairo José da Silva (org.) pela Unicamp (2000)
>>> Dewey um gato entre livros de Vicki Myron pela Globo (2008)
>>> Ilha de calor nas metrópoles de Magda Adelaide Lombardo pela Hucitec (1985)
>>> Sua santidade o Dalai Lama de O mesmo pela Sextante (2000)
>>> Meninas da noite de Gilberto Dimenstein pela Ática (1992)
>>> Paulo de Bruno Seabra pela Três (1973)
>>> Grandes Enigmas da Humanidade de Luiz C. Lisboa e Roberto P. Andrade pela Círculo do livro (1969)
>>> A História de Fernão Capelo Gaivota de Jonathan Seagull pela Nórdica (1974)
>>> Os Enigmas da Sobrevivência de Jacques Alexander pela Edições 70 (1972)
>>> Mulheres visíveis, mães invisíveis de Laura Gutman pela Best Seller (2018)
>>> Construir o Homem e o Mundo de Michel Quoist pela Duas cidades (1960)
>>> Vida Positiva de Olavinho Drummond pela Olavinho Drummond (1985)
>>> Força para Viver de Jamie Buckingham pela Arthur S. DeMoss (1987)
>>> Consumidos de David Cronemberg pela Alfaguara (2014)
>>> Viver é a melhor opção de André Trigueiro pela Correio Fraterno (2015)
>>> O Caso da Borboleta Atíria de Lúcia Machado de Almeida pela Ática (1987)
>>> Cânticos de Cecília Meireles pela Moderna (1995)
>>> Caminho a Cristo de Ellen G. White pela Cpb - Casa Publicadora Brasileira (2019)
>>> Um Estranho no Espelho de Sidney Sheldon pela Nova Cultural (1986)
>>> Le Divorce de Diane Johnson pela Record (1999)
COLUNAS

Quinta-feira, 13/7/2017
Os Doze Trabalhos de Mónika. 4. Museu Paleológico
Heloisa Pait

+ de 2600 Acessos

Leia a primeira aventura de Mónika, À Beira do Abismo.

A sorte é que era no cineclube do museu paleológico, gostava do lugar. As poltronas rasgadas, baloiçantes, os tacos soltos, a luz fraca em alguns lugares e ofuscante em outros, o lugar lhe dava paz. É que em algum momento o prédio tinha sido novo, mas não naquele momento. Isso é que lhe dava paz. O museu paleológico não cobrava nada deles, estava até contente em receber visitas. E como a cobrança a matava. O Lattes, os clientes do avô, a diretora da faculdade.

Ela ia entrando na sala, o público do cinema ia saindo.

Pediu para seu orientando se sentar ao seu lado. Estava apreensiva e queria apoio. Depois pediu que ele se sentasse na primeira fila, pois queria poder ancorar o olhar em porto amigo. Mas a sala ainda estava vazia, não fazia sentido subir ao tablado tão cedo.

– Alcebíades, enquanto o debate não começa, vamos dar uma volta e tomar um café?

Alcebíades tinha dificuldade em dizer não à professora.

– Claro, professora. Onde a senhora pensa em ir?

– Sei lá, dar uma volta, pensar no que vou dizer à platéia. Não é fácil, né?

– Imagine, a senhora conhece tanta coisa, é tão segura, vai ser fácil.

Mónika tinha sempre um pé atrás quanto aos elogios dos alunos. Achava que trocavam entre si os seus comentários mais estapafúrdios, conferindo em qual insanidade a mestra acreditava. Um dia perguntou ao Alcebíades: “Escuta, aquela idéia que você teve de eu me candidatar pra deputada, aquilo foi ironia sua, né? Foi um comentário a respeito de minha arr... da minha cara de pau, algo assim? Pode falar, não há problema.” O aluno respondeu que não, que achava mesmo que a professora tinha que submeter suas idéias ao crivo eleitoral.

Verdade ou mentira, os elogios ajudavam. Ao aluno, a professora expôs com clareza e desenvoltura o que queria dizer ali ao público do debate “Jovens e Política: esperanças”. Começava, claro, com a infalível Hannah Arendt, uma espécie de Delenda Carthago contemporânea. E daí a coisa se desenrolava. Subiram escadas e desceram, se perderam no prédio e se acharam, comeram um cup cake que uma senhora vendia no andar térreo. De volta ao cineclube, um branco.

– Que era mesmo que eu ia falar, Alcebíades?

– Começava com Hannah Arendt, professora.

– E depois?

– Depois não lembro. Depois a senhora falava dos partidos.

– Ah, é isso mesmo! Os partidos! Puxa, Alcebíades, você é um menino de ouro.

A sala se enchia. As caras a assustavam. Onde estavam os meninos barbados e as meninas de chinelo? Havia poucas meninas. E os meninos estavam de terno. Que juventude era aquela? Nas salas de aula, gostava de provocar. Um dia falou: “Esqueçam essa categoria de classe social, pois isso explica pouco da vida humana.” Os alunos tiveram um treco, foi engraçado. Tinha medo de repetir ali a frase e ser aplaudida. Ia ser aplaudida. Não estava preparada. Olhou para o Alcebíades e sorriu cúmplice, como se ele lhe acompanhasse o raciocínio. “Agora devo sorrir de volta”, o aluno pensou.

O organizador do debate listava as organizações jovens que estavam participando do evento:

– Ambaíba Livre, Vem pra Rua Interior, UNE-Particulares, Negros Contra Cotas, Segunda Emenda Brasil, Campo Jovem, Amigos de Samaria, PSDB-Esquerda pra valer...

– Esquerda pra valer? Onde é que ‘tá? – O problema de Mónika era sempre essa espontaneidade.

Do fundo da sala, uma moça de bata de pano cru com um colete estampado por cima levantou a mão, sorridente:

– Estamos aqui, Mónika! Pra valer.

O rapaz ao seu lado completou:

– Pela mudança, com os mesmos valores. – Os dois se aplaudiram. E se beijaram. Eram namorados.

O moderador pediu então uma salva de palmas a todas as organizações, desfazendo qualquer mal estar pela atenção da palestrante. E Mónika começou sua fala.

Falava do liberalismo e de como a luta liberal no Brasil era fragmentada. Não porque estivesse fora do lugar. A idéia de uma idéia fora do lugar era uma idéia tão tosca que não havia o que dizer. Que idéia estava no lugar? Uma idéia se destaca de algo costumeiro, impensado. Por isso aglutina as pessoas. Uma idéia diz: “Vamos!” Puxa as gentes para algum lugar.

Mas o liberalismo aglutinava o Brasil? Ou, ao contrário, era ele mesmo algo costumeiro, que outras idéias deslocavam? O liberalismo era nossa raiz, nossa mandioca, que abandonávamos para seguir uma ou outra moda européia?

Um aluno levantou a mão e perguntou se Mónika era a favor do impeachment. Outro, do parlamentarismo. Uma discussão se sucedeu. Mónika olhava os jovens disparando certezas uns para os outros, não conseguia brecha para voltar à sua fala. Aproveitou para recuperar a respiração, olhar para a platéia. Começava a gostar deles, a lhes entender a perspectiva.

A discussão continuava. Não sabia por que tudo o que ela dizia causava tanta alvoroço. Por que nas reuniões de departamento, nas aulas, era só respirar fundo e pronto, começava aquele carnaval todo, nunca a deixavam terminar. Não sabia se isso era bom ou ruim, mas era assim. Ficou um pouco triste, também não sabia por quê. A moça do PSDB percebeu lá do alto da sala, sorriu e acenou. Ela sorriu de volta, e retomou a fala.

– A democracia brasileira... as idéias que realmente sustentam nossas instituições, nosso convívio pacífico, tolerante e progressista, são as idéias liberais de igualdade, liberdade e propriedade? Ou foi o corporativismo, o “conosco ninguém mexe” e o “a gente se entende entre nós” que impediu, em tantos momentos, que a nação brasileira descambasse no caos ou na opressão totalitária?

Os jovens voltaram ao debate acalorado. E ela não pode mais falar.

Recostou-se na cadeira e ficou assistindo ao debate como se fosse ela a platéia. Talvez um regente. Talvez só platéia. Era isso mesmo que gostava de fazer, para quê resistir? Desde criança, adorava mexer nos formigueiros e ver como as formigas se reorganizavam, frenéticas. Por que seria diferente agora que tinha cargo público e era docente? “As pessoas não mudam”, havia dito o seu pai. Nunca? “Não”, ele havia garantido. Talvez por isso fosse tão reservado, por saber que certas coisas não podia mudar nele mesmo.

. . .

Mónika caminhou sozinha até o hotel, que ficava a duas quadras do Museu. Era perto demais, por isso deu antes algumas voltas pelo bairro. Havia um congresso de evangélicos na cidade e o hotel estava lotado. Mas o pessoal adorava Mónika e não iam deixá-la na mão. A atendente é que explicou:

– Mô, tudo bem? Então, a gente até achou que você vinha, não tem mais quarto vago mas fica aqui no saguão, vou te mostrar o cantinho que arrumamos para você.

Mónika ficou tocada com o carinho dos funcionários. Lá era não era a professora, nem a estrangeira, era a apenas a Mô que a cada semana vinha para Ambaíba se hospedar. No sofá do saguão haviam feito uma caminha para ela, com lençóis, travesseiros, coberta, um pequeno abajur. Um lençol cobria o janelão de vidro para a rua. Por que cuidavam dela? Como sabiam que ela viria hoje?

– Puxa...

– ‘Magina!

Pela manhã acordou com o pessoal do congresso indo tomar café da manhã. Andavam em turma, pareciam felizes, falavam alto. Mónika se perguntou o que seria exatamente um congresso de evangélicos. Discutiam o quê? Deliberam sobre o quê? Que diversão, que prazer haveria para quem se dispusesse a vir a Ambaíba louvar o senhor? Do nada, lhe veio uma raiva e uma inveja intensa daqueles crentes que andavam em bando, começou a tossir e olharam para ela, que logo dobrou os cobertores e entrou no elevador para ir tomar banho no chuveiro da ginástica.

Um evangélico perguntou se cabia mais um no elevador. Os outros grunhiram algo. Ele entrou como se pulasse para um outro plano e louvou:

– Glória a Deus!

Os outros assentiram:

– Glória a Deus!

Mónika demorou um pouco mas logo repetiu:

– Glória a Deus.

Olharam pela ela. Pelo sono, pelo sotaque que do nada voltava, pareceu aos crentes que louvava o senhor com um certo sarcasmo. Repetiu com ênfase:

– Glória a Deus!

O elevador ainda desconfiava. Ela ficou brava:

– Glória a Deus!!!

Exigia, agora, que eles a seguissem:

– Glória a Deus!

Finalmente, o fizeram, engolindo qualquer desconfiança que restasse.

– Glória a Deus!, clamou todo o elevador.

Mas de onde tamanho sentimento de inadequação, o leitor pode se perguntar, mesmo em situações tão prosaicas como quando, tendo nascido em um país comunista, repartia um elevador lotado de fiéis? Será que algo nos escapa na trajetória de Mónika? Façamos um flashback que nos levará ao momento anterior ao encontro de nossa heroína com a cisterna radioativa.

É que Mónika desta vez havia mexido com uma bela colméia...

Está no ar a quinta aventura de Mónika, Um certo Pavel Batitsky.

Esta é uma obra de ficção; qualquer semelhança com nomes, pessoas, fatos ou situações da vida real terá sido mera coincidência

Heloisa Pait
São Paulo, 13/7/2017



Quem leu este, também leu esse(s):
01. O armário que me pariu de Lisandro Gaertner
02. Algo de podre no reino do West End de Arcano9


Mais Heloisa Pait
Mais Acessadas de Heloisa Pait em 2017
01. Os Doze Trabalhos de Mónika. 1. À Beira do Abismo - 13/4/2017
02. Os Doze Trabalhos de Mónika. 5. Um Certo Batitsky - 21/12/2017
03. Os Doze Trabalhos de Mónika. 4. Museu Paleológico - 13/7/2017
04. Os Doze Trabalhos de Mónika. 6. Nas Asas da Panair - 28/12/2017
05. Os Doze Trabalhos de Mónika. 3. Um Jogo de Poker - 29/6/2017


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




MATEMÁTICA FINANCEIRA
JOSÉ DUTRA VIEIRA SOBRINHO
ATLAS
(1982)
R$ 5,50



OS 500
MATTHEW QUIRK
PARALELA
(2013)
R$ 22,00



AIRBRUSHING FOR FINE & COMMERCIAL ARTISTS
ROBERT PASACHAL
VRN
(1982)
R$ 30,00



DEUS: TESE, ANTÍTESE, SÍNTESE
PAULO RESENDE
SAGA
(1969)
R$ 25,82



INVOCAÇÃO - TRILOGIA DARKEST POWERS
KELLEY ARMSTRONG
NOVO SÉCULO
(2012)
R$ 10,00



CONFISSÕES DE UM COMEDOR DE ÓPIO
THOMAS DE QUINCEY
L&PM POCKET
(2002)
R$ 12,00



COMENTÁRIOS AO NOVO CÓDIGO CIVIL - VOL. XIV ART. 966 A 1195
ARNOLDO WALD
FORENSE
(2005)
R$ 200,00



SEGMENTAÇÃO OPÇÕES ESTRATÉGICAS PARA O MERCADO BRASILEIRO
RAIMAR RICHERS / CECÍLIA PIMENTA LIMA
NOBEL
(1991)
R$ 13,00



UM MILHÃO N°39 BATMAN PLANETA PRISÃO!
DC COMICS
ABRIL 50 ANOS
R$ 20,00



O OUTRO DESAFIO
JULIO LOBOS
DO AUTOR
(1987)
R$ 27,00





busca | avançada
47273 visitas/dia
1,3 milhão/mês