Os Doze Trabalhos de Mónika. 3. Um Jogo de Poker | Heloisa Pait | Digestivo Cultural

busca | avançada
24629 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Red Bull Station estreia exposições de letrista e de coletivo feminino em julho
>>> Alaíde Costa e Toninho Horta mostram CD em parceria na CAIXA Cultural São Paulo
>>> O Julgamento Secreto de Joana D'Arc com Silmara Deon estreia no Teatro Oficina
>>> Novo app conecta, de graça, clientes a profissionais e prestadores de serviço
>>> Inauguração da Spazeo com show do Circuladô de Fulô - 28/07
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Entrevista com a tradutora Denise Bottmann
>>> O Brasil que eu quero
>>> O dia em que não conheci Chico Buarque
>>> Um Furto
>>> Mais outro cais
>>> A falta que Tom Wolfe fará
>>> O massacre da primavera
>>> Reflexões sobre a Liga Hanseática e a integração
>>> A Fera na Selva, filme de Paulo Betti
>>> Raio-X do imperialismo
Colunistas
Últimos Posts
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
Últimos Posts
>>> Tempo & Espaço
>>> Mão única
>>> A passos de peregrinos ll
>>> PRESSÁGIOS. E CHAVES IV
>>> Shomin-Geki, vidas comuns no cinema japonês
>>> Con(fusões)
>>> A passos de peregrinos l
>>> Ocaso
>>> PRESSÁGIOS. E CHAVES I
>>> Sob o mesmo teto
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Brasil que eu quero
>>> Pensar sem memória
>>> A Fera na Selva, filme de Paulo Betti
>>> O Digestivo e o texto do Francisco Escorsim
>>> Restos, por Mário Araújo
>>> A maçã de Isaac Newton
>>> O que é um livro?
>>> Cisne Negro: por uma inversão na ditadura do gozar
>>> Lui Liu
>>> Sociedade dos Poetas Mortos
Mais Recentes
>>> Lia e o Sétimo Ano
>>> Quero ser Belo
>>> O Cão dos Baskervilles
>>> Feminismos, identidades, comparativismos: vertentes nas literaturas de língua inglesa Vol. IV
>>> A Saúde brota da Natureza
>>> Quatro Quartetos
>>> Quem é Você? Construindo a Pessoa à luz do Eneagrama
>>> Mecânica Vectorial para Engenheiros - Dinâmica (6ª ed.)
>>> O cachorro Skoz - Cão ao mar
>>> O cachorro Skoz - Passeio no ar
>>> Seu cliente pode pagar mais - 3ª edição
>>> O Pássaro Azul
>>> Zagreb
>>> The Rough Guide to Turkey
>>> Prague
>>> Dados Sobre a Coréia
>>> The Rough Guide to Morocco
>>> Lonely Planet - Argentina
>>> Lonely Planet - Bermuda
>>> Lonely Planet - Zimbabwe
>>> Hill Country
>>> Guatemala Sensacional
>>> Nova York no Meu Bolso
>>> Itália by Train
>>> Buenos Aires de A a Z
>>> Badajoz
>>> Imigrantes da Bessarábia - Jornada em Terras Tropicais
>>> Let's Visit Thailand
>>> The Man Who Deciphered Linear B - the Story of Michael Ventris
>>> Jean-Pierre Mocky
>>> Dialoguer Avec Son Ange - Une Voie Spirituelle Occidentale
>>> La Société de Consommation de Soi
>>> Cadernos de Lanzarote - Diário 1
>>> Marcelo Caetano - O Homem Que Perdeu a Fé
>>> A Construção da Beleza
>>> História dos Conceitos - Debates e Perspectivas
>>> Cidadania Proibida - O Caso Herzog Através da Imprensa
>>> Cleo e Daniel
>>> Children and Television
>>> Cholera and the Ecology of Vibrio Cholerae
>>> The Encyclopedia of Ancient Egypt
>>> Maravilhas do Conto de Aventuras
>>> Reproposta - a Revista da Terceira Idade para Todas as Idades
>>> Scribes, Warriors and Kings - The City of Copan and the Ancient Maya
>>> O'Neill - Long Day's Journey Into Night
>>> The Fall of Constantinople 1453
>>> Morality
>>> Collaboration in the Holocaust - Crimes of the Local Police in Belorussia and Ukraine, 1941-44
>>> Gandhara - The Memory of Afghanistan
>>> Tales, Speeches, Essays and Sketches
COLUNAS

Quinta-feira, 29/6/2017
Os Doze Trabalhos de Mónika. 3. Um Jogo de Poker
Heloisa Pait

+ de 1700 Acessos

Leia a primeira aventura de Mónika, À Beira do Abismo.

Yasmin tinha ido para casa descansar e Mónika terminava um milkshake na lanchonete que ficava de frente para o museu paleológico de Ambaíba, que já tinha até aparecido na novela.

Gostava de olhar o museu, com seu estilo art nouveau. Se algum dia se aposentasse e viesse morar ali, tentaria abrir uma lanchonete dentro do museu, como a que tinha na Casa Húngara. Lá eles organizavam os almoços mensais típicos, com goulash, batatas assadas, salsichas, mas o melhor era o hamburger com batata frita. O clube tinha um ar permanente de anos 1950.

Uma lanchonete, um privilégio. Um pouco como o museu à sua frente.

E não é que, interrompendo o devaneio, lá vinha o deputado Luís Venczel acompanhado do doutor Frederico? E vinham na sua direção, meu deus, talvez se sentassem na sua mesa.

– Podemos sentar aqui, Mónika? – Venczel perguntou, sempre irônico e galanteador.

– Por que não, Lajos? – ela respondeu no mesmo tom. – Como vai, doutor Frederico?

O médico sorriu, e o político respondeu:

– Não sei, você sempre ocupada com seus pensamentos, escrevendo livros...

– Estou só passando o tempo, a companhia de vocês será um prazer. Mas estou surpresa, Lajos, que faz aqui no interior? Alguma campanha?

Mónika não o perdoava. Não sabia bem pelo que não perdoava, mas os dois entendiam que seu rancor era justificado.

– Mónika, sabe a última do Luís? – perguntou o médico, mais afável que no consultório – Vai ser o presidente da associação latino-americana de poker profissional!

Mónika ficou pasma. Aquele pasma que acontece nos romances ruins, em que a mulher fica muda e faltam-lhe as cores da face.

– Presidente do quê, Lajos? – ela o chamava pelo nome húngaro, em geral para o irritar. Mas hoje era porque estava em choque mesmo, usou a língua materna que lhe vinha mais fácil à mente.

– Presidente da Associação Latino-Americana de Poker Profissional – ele respondeu, marcando bem as palavras, orgulhoso.

– Desde quando você joga poker?

– Sempre joguei. Adoro poker.

– Você sabia disso, doutor Frederico? – Ela acusava o médico de cumplicidade num crime.

– Sim, sabia. – E explicou: – O Luís tinha até um projeto de levar o poker às escolas públicas quando era secretário de educação. Não foi muito bem compreendido, não é Luís?

Poker. Então era isso. Poker. Ele jogava. Não jogava como um jogador, um Dostoievski, entregue. Não. Apenas apreciava o jogo. Era isso. A política! A aposta, o blefe. Saber as cartas que o outro tem.

– Verdade, Ferenc, meu amigo. Não foi, reconheço – disse Venczel, humilde, mas logo recuperou a verve. – A Mónika, que é uma analista simplesmente brilhante da cena política brasileira, da cultura deste país, vai saber por que...

Venczel afagava o ego da professora pois pensava que ela estava por um triz. Prestes a um sermão daqueles sobre ética e não-sei-mais-o-quê. Mas não. Mónika estava pasma. Não era capaz de dar bronca em ninguém, não conseguia acreditar. Venczel tinha apostado o país numa mesa de feltro verde.

– Lajos, me diga novamente, por favor: você agora é um tipo de cartola de... de poker? Por isso é que você está sumido do noticiário? – Mónika não acreditava na história. Voltou-se ao médico: – Doutor Frederico, não brinque...

O poker, é verdade, havia se tornado mais popular ultimamente. Clubes de bairro, jogos online, cursos caros para crianças ocupadas e gratuitos para jovens em situação de risco. Era uma dessas febres que assolava o país de tanto em tanto tempo.

Mónika se perguntou onde estariam as fichas de sua avó. Tinham vindo na mala, Dona Ada adorava poker! Mas era engraçado o modo como ela jogava, pois condenava os blefes e exigia uma seriedade que os netos não tinham, o que tornava o jogo bem engraçado.

Olhou para Venczel como Dona Ada mirava os netos brincalhões. Agora sim, estava por um triz. O país no feltro verde. O político percebeu que o clima mudara.

– O Brasil, Mónika, você que é uma estudiosa, o brasileiro é um apaixonado. Faz tudo por amor, por ódio, o homem cordial do historiador Sérgio Buarque de Holanda... – Fernando Henrique havia lançado um livro sobre os pensadores brasileiros e agora a classe política esbanjava apostos eruditos – O poker exige silêncio, reflexão, raciocínio e sobretudo cálculo.

Mónika emudeceu. O deputado discorria sobre jogo:

– Ele põe de lado as traições, os rancores, os desejos... – Venczel enumerava cada paixão humana como se elas lhe viessem à mente com esforço profundo. Era muito bom ator.

– Mas...

– Calma, calma. Você sempre aflita. – Venczel apertou forte seu antebraço, como se a impedisse de fugir. – Calma. E não exige só raciocínio. O brasileiro...

– Lajos...

– Deixa eu concluir, fiatal lány... O brasileiro pensa só em si. Só vê a si. É o centro do mundo, ele e seu séquito – Venczel subiu o outro braço e fez círculos como se enaltecesse esse brasileiro-rei. – O poker tira o homem do centro, pois cada um dos outros jogadores têm o mesmo número de cartas na mão, as mesmas chances, o mesmo valor. É preciso pensar em cada um deles como um indivíduo autônomo, independente. O poker é a solução para o Brasil! – Venczel concluiu.

Mónika resistia, mas aos poucos era convencida pelo deputado:

– Lajos, você apostou o Brasil numa mesa de poker!, foi isso que você fez! Meu Deus, o que poderia ter acontecido...

–– Estou longe da política, Mónika. – O deputado colocou os cotovelos atrás de si, as palmas da mão abertas como se se afastasse de tudo. Quero agora divulgar o poker e é assim que vou mudar o Brasil. Veja o futebol que todos falam tanto, que é bonito, é verdade. Mas é um rei e seus súditos lhe servindo até que pá, faça um gol. E aí é coroado. É isso o que você quer?

Ele era mestre em mudar de assunto. Que tinha o futebol a ver? Ela queria coisas sensatas, políticas públicas, lutava pela transparência. Mas era assim que Lajos Venczel ia mudar o Brasil.

Ela se sentia como se tivessem lhe tirado o chão. Todo aquele auê, uma nova política... E os jovens que ele havia encantado, que decepção teriam? Quis perguntar sobre os jovens, mas Venczel e o doutor Frederico já conversavam sobre os planos para a Casa Húngara.

Mónika tinha se interessado pela política partidária por causa do deputado Luís Venczel. Fez até projetos de extensão na faculdade. Raciocinava: “Vou entender como pensa o Lajos, nem que antes tenha que entender o Brasil.”

E era tudo carteado.

– Lajos... – ela ainda fazia um último apelo, como se estivesse ao alcance dele mudar o mundo.

– Mónika, Mónika... – ele respondia condescendente – O poker vai mexer com a nossa juventude! Não é nos partidos que vamos conquistar o que você e eu queremos para o Brasil.

Está no ar a quarta aventura de Mónika, O Museu Paleológico.

Esta é uma obra de ficção; qualquer semelhança com nomes, pessoas, fatos ou situações da vida real terá sido mera coincidência

Heloisa Pait
São Paulo, 29/6/2017



Quem leu este, também leu esse(s):
01. Entrevista com a tradutora Denise Bottmann de Jardel Dias Cavalcanti
02. O dia em que não conheci Chico Buarque de Elisa Andrade Buzzo
03. Um Furto de Ricardo de Mattos
04. Mais outro cais de Elisa Andrade Buzzo
05. A falta que Tom Wolfe fará de Rafael Lima


Mais Heloisa Pait
Mais Acessadas de Heloisa Pait em 2017
01. Os Doze Trabalhos de Mónika. 1. À Beira do Abismo - 13/4/2017
02. Os Doze Trabalhos de Mónika. 5. Um Certo Batitsky - 21/12/2017
03. Os Doze Trabalhos de Mónika. 4. Museu Paleológico - 13/7/2017
04. Os Doze Trabalhos de Mónika. 6. Nas Asas da Panair - 28/12/2017
05. Os Doze Trabalhos de Mónika. 3. Um Jogo de Poker - 29/6/2017


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




TRATADO DE CONCRETO ARMADO: EM 6 VOLUMES
A. GUERRIN
HEMUS
R$ 579,00



ANOS DE TERNURA - CAPA DURA
A. J. CRONIN
LIVRARIA JOSÉ OLYMPIO
(1947)
R$ 11,00



EIS À LUZ DE CRISTO. ROTEIROS HOMILÉTICOS PARA O TRÍDUO PASCAL E TEMPO PASCAL
CONFERÊNCIA NACIONAL DOS BISPOS DO BRASIL - CNBB
EDIÇÕES CNBB
(2014)
R$ 6,50



ESTAÇAO CARANDIRU.
DRAUZIO VARELLA.
COMPANHIA DAS LETRAS
(1999)
R$ 25,00
+ frete grátis



LICITAÇÕES E CONTRATOS DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA
LEI 8.666 DE 21-06-1993
SARAIVA
(2004)
R$ 5,00



ISABEL OU OS SETE TESOUROS
LUCIA J. VILLELA
FLAMBOYANT
(1962)
R$ 8,99



O CARÁTER DO HOMEM DE DEUS MESTRE FIEL BOM SOLDADO ATLETA COROADO LAVRADOR QUE TRABALHA OBREIRO QUE NÃO TEM DO QUE SE ENVERGONHAR
DONG YU LAN
ÁRVORE DA VIDA
(1994)
R$ 8,90



CONFINADOS
WILLIAM GOLDING
FRANCISCO ALVES
(1989)
R$ 15,00



O OUTRO LADO DA COLINA
LIDDELL HART
BIBLIOTECA DO EXERCITO
(1980)
R$ 15,00



MOMENTOS DE ORAÇÃO - 4ª EDIÇÃO
ALMIR RIBEIRO GUIMARAES
VOZES
(1982)
R$ 8,98





busca | avançada
24629 visitas/dia
1,1 milhão/mês