Desvirtualização no Itaú Cultural | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
35929 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quarta-feira, 1/12/2004
Desvirtualização no Itaú Cultural
Ana Elisa Ribeiro

+ de 3600 Acessos


Ana Elisa Ribeiro em new look nos
Encontros de Interrogação do Itaú Cultural
(foto de César Ferreira no Patife)

Terminou dia 23, terça-feira, o evento do Itaú Cultural que reuniu mais de 90 escritores de todo o país, e não apenas os novos, da geração Internet, mas os da geração datilografia, mimeógrafo e até os que escreviam em paredes de caverna.

O Encontros de Interrogação foi concebido por Claudiney Ferreira, apresentador do programa Jogo de Idéias, transmitido pela TV Educativa. No entanto, foi necessário escolher um time de curadores para que a idéia saísse do papel. Foram convocados, então, os agitadores Marcelino Freire e Nelson de Oliveira, para coordenar os eventos relativos à literatura em prosa, e Frederico Barbosa e Cláudio Daniel, para promover o ajuntamento dos poetas do país inteiro.

Estiveram nos mesmos aviões, hotéis e salas da sede do Itaú Cultural as "embaixadas literárias" mineira, gaúcha, paulista, baiana, pernambucana e paranaense. Entre os primeiros, Ricardo Aleixo, Fabrício Marques e Sebastião Nunes. Como estou puxando a sardinha para o meu lado, cito os demais em desordem patronímica: Fabrício Carpinejar, Greta Benitez, Cláudia Roquette-Pinto, Ivana, João Paulo Cuenca, Daniel Galera, Daniel Pellizzari, entre muitos outros, não menos expressivos.

Algumas oficinas foram ministradas ao longo dos dois dias, com participação maciça de aspirantes a escritores e até mesmo de gente que tem intimidade com a escrita. No entanto, as mesas-redondas chamaram a atenção pelos temas e pela participação inflamada do público (é verdade, formado por muitos escritores). Afora a impressão de que o evento formou mesas e platéias homogêneas, foi interessante discutir a narrativa de invenção, a "literatura feminina", as relações entre literatura e Internet e a hipermídia.

O comentário geral era de que os temas não traziam grande contribuição (embora provocassem debates de mais de duas horas de duração) e que se andou falando grandemente sobre o óbvio ululante, no entanto, a sinfonia de sotaques deixava no ar uma sensação boa de diversidade e o mais importante: a desvirtualização das pessoas que se conheciam apenas pela Internet. A alegria de encontros de certa forma esperados, a decepção de outros, a coincidência de outros tantos.

Fazia anos que Greta Benitez (Curitiba) e eu nos falávamos pela Rede, até mesmo assuntos pessoais. Também era assim com Frederico Barbosa em relação a muitos dos convidados. O enigma Micheliny Verunschk (uma entre os finalistas do prêmio Portugal Telecom) realizou-se na figura de uma jovem pernambucana recém-chegada à capital paulista, quiçá pela facilidade de ver decolar sua produção literária já quase premiada e ainda em processo de criação. No mínimo foi excelente a oportunidade de ver as pessoas, tocar-lhes as mãos e ouvir os sotaques (anulados pela escrita nos e-mails). A força das vogais de Micheliny assolava a sala vermelha numa intervenção à mesa onde se explicavam João Paulo Cuenca (em carioquês) e Cardoso (em gauchês). A mineiridade da voz de Ricardo Aleixo ressoava junto com a platéia paulista formada por Joca Terron e Nelson de Oliveira.

Também foram proveitosas as conversas no café, quando se encontravam todas as culturas regionais e todas as literaturas possíveis no horizonte nacional atual. E as conversas no hotel (que, aliás, se sofresse um atentado terrorista, veria parar parte da produção literária brasileira) e as de corredor.

Uma das mesas, muito comentada, questionava onde estão a nova Clarice e o novo Rosa. Muito mais interessante foi o comentário alegre de um escritor experiente: "Pra quê isso, minha gente? Parece mais uma sessão espírita!". Também nas mesas sobre a suposta "literatura feminina", as moças chegavam à conclusão de que isso não existe, e terminavam afirmando que Chico Buarque consegue escrever como uma mulher. Fico pensando o que diria o Macaco Simão.

Afora as críticas ao evento, faladas em voz baixa, e a falta que fizeram outros escritores que não puderam ser convidados, o principal no Encontros de Interrogação não foi concluir que a Internet ajuda a escoar a nova produção literária ou que há novos talentos espalhados pelo país (mesmo longe dos grandes centros ou do paulistocentrismo reinante), mas foi tornar reais as conversas e os contatos que tiveram seu primeiro tempo na Internet, em forma de bits. O evento do Itaú parece ter sido o disparador do que poderá acontecer em 2005. Quem sabe os próximos livros serão frutos dos encontros desvirtualizantes?


Ivana Arruda Leite com cara de... ?
(foto de César Ferreira no Patife)

Por que o cérebro falha e a mente também
Você já pensou na sua pele hoje? Teve a sensação de frio, calor, queimadura, chicote, ardência, frescor? Quando toca alguém, o que costuma sentir?

Quando fiz o ensino médio, lembro-me das lições de Biologia, em que aprendíamos que as celulas são delimitadas por uma membrana suficientemente forte para dar unidade e proteção à célula, e suficientemente porosa para deixar entrar o que era necessário e deixar sair o excremento.

Antes de ontem, lia um livro interessante, O Erro de Descartes. Emoção, razão e o cérebro humano (Companhia das Letras, do dr. António Damásio (neurologista chefe do Depto. de Neurologia da Universidade de Iowa), e me dava conta dos meus limites, ao menos dos físicos.

A pele é o maior órgão do corpo, mais extenso e mais enervado. É por ela que a interação com o meio ambiente se faz sensível pelo cérebro. E, em contrapartida, ele devolve uns impulsos, uns algoritmos, umas substâncias que me fazem agir, deixar de agir, preceber, sentir, apurar, passar a mão, cair, correr.

O dr. Damásio fala na pele como uma víscera, embora tenhamos a impressão de que para ser víscera tem que estar por dentro. Não é assim? Pois pensando que a pele é a interface entre o que me vai dentro e o que há do lado de fora, imagino que a expressão "à flor da pele" tenha sido cunhada para não dizer que estou predisposta a ter reações físicas e químicas a qualquer coisa que interagir comigo no meio ambiente.

É assim que me sinto. E assim que as pessoas se sentem quando vêem cenas terríveis, quando vêem ataques terroristas, quando assistem a assaltos no meio da rua, quando têem suas economias confiscadas, quando vêem filmes pornôs, quando são traídas, quando traem, quando matam. Ainda que essas interações surtam emoções completamente diferentes no corpo.

O que é emoção? Não apenas no sentido positivo, mas a emoção no sentido original... algo que me move. O que produz emoção? O que costuma me levar a sensações boas ou ruins? Como meu corpo reage? Como minha mente recebe? Como eu sentiria emoções se não tivesse um corpo com mente? Onde estão as suas emoções? No cérebro ou no coração? Pois eu digo que as minhas estão em meu corpo todo. Elas aparecem nos olhos, na pele, nos joelhos e na saliva. São reações químicas e fisiológicas que me vêem a partir de um disparador sentido e emocionado.

Essa discussão vem dos tempos de Descartes, mas sempre importunou a filosofia. A tentativa de explicar a mente e sua relação com o corpo persiste. Muitos cientistas, de várias áreas, escreveram sobre o assunto, alguns com a ironia fina de quem se acha superior. Digno de nota um artigo da década de 50 ou 60, "Por que a mente está na cabeça", respondido por outros cientistas da seguinte forma: "Por que a mente não está na cabeça". Ou textos como "O que o olho do sapo diz para o cérebro do sapo". Além de diálogos memoráveis, especialmente na lingüística, intitulados: "Como fazer coisas com palavras", escrito por Austin, respondido por Fish: "Como fazer coisas com Austin".

Deixando a literatura um pouco de lado, pode ser bom parar para pensar sobre o corpo, a mente, o pensamento. E contribuir para as ciências cognitivas com um público-leitor pensante.

Para ir além






Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 1/12/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Por que HQ não é literatura? de Cassionei Niches Petry
02. Primavera ao ar livre de Elisa Andrade Buzzo
03. Sobre e-books e caipiras de Yuri Vieira
04. Um software em crise existencial de Wellington Machado
05. Solidão Moderna de Mentor Muniz Neto


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2004
01. Ler muito e as posições do Kama Sutra - 2/6/2004
02. Autor não é narrador, poeta não é eu lírico - 24/3/2004
03. Em defesa dos cursos de Letras - 6/10/2004
04. Literatura como arte - 25/8/2004
05. Mulheres de cérebro leve - 13/2/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O INSPETOR GIDEON E OS INCÊNDIOS
J. J. MARRIC
CIVILIZAÇÃO BRASILEIRA
(1966)
R$ 6,90



INTRODUÇÃO À ECONOMIA DO TRABALHO - 2 VOLUMES
ORME W. PHELPS
FUNDO DE CULTURA
(1965)
R$ 40,00



NORTHSTAR READING AND WRITING 3 WITH MYENGLISHLAB (4TH EDITION)
LAURIE BARTON, CAROLYN DUPAQUIER SARDINAS
PEARSON
(2015)
R$ 29,90



A COSTELA DE ADÃO
EDUARDO MASCARENHAS
GUANABARA
(1986)
R$ 20,00



PARÍS
S. PAIRAULT
LAROUSSE
(1952)
R$ 15,00



O FUTURO NAS MÃOS DE KANG
MARVEL
PANINI
(2015)
R$ 8,00



HISTÓRIA DA FORÇA AÉREA BRASILEIRA - AUTOGRAFADO
NELSON FREIRE LAVENÈRE WANDERLEY
MINISTÉRIO DA AERONÁUTICA
(1966)
R$ 200,00



O SORRISO DO LAGARTO
JOÃO UBALDO RIBEIRO
RECORD
(1995)
R$ 10,00



CONTOS E NOVELAS - VOLUME IV HISTÓRIAS DO MÊS DE OUTUBRO
DOMINGOS MONTEIRO
IMPRENSA NACIONAL
(2002)
R$ 84,78



OS CANHÕES DE AGOSTO POCKET
BARBARA W. TUCHMAN
EDITORIAL BRUGUERA
(1962)
R$ 10,00





busca | avançada
35929 visitas/dia
1,3 milhão/mês