Mulheres de cérebro leve | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
41731 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
>>> Steve Jobs em 1997
>>> Jeff Bezos em 2003
>>> Jack Ma e Elon Musk
>>> Marco Lisboa na Globonews
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Entre a crise e o espectro do humor a favor
>>> Dicas para a criação de personagens na ficção
>>> Tiros, Pedras e Ocupação na USP
>>> Oficina de conto na AIC
>>> Crônica em sustenido
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> O julgamento do mensalão à sombra do caso Dreyfus
>>> Retomada do crescimento
>>> Drummond: o mundo como provocação
>>> Cigarro, apenas um substituto da masturbação?
Mais Recentes
>>> Manual de Boas Práticas em Ensaios Clínicos de Conceição Accetturi, David Salomão Lewi e Greyce Balthazar Lousana pela Usp (1997)
>>> Filho do Sol de Savitri Devi pela Renes (1981)
>>> Encontros com o Insólito de Raymond Bernard, F. R. C. pela Renes (1970)
>>> Introdução à Filosofia da Rosacruz Áurea de J. van Rijckenborgh pela Escola Espiritual da Rosacruz Áurea (1982)
>>> Biografias de Personalidades Célebres de Prof. Carolina Rennó Ribeiro de Oliveira pela do Mestre (1970)
>>> As Últimas Horas de Gibran de Kahlil Gibran pela Nova época (1980)
>>> El Misterio De Los Templarios de Louis Charpentier pela Bruguera (1970)
>>> Valongo Arte e Devoção de Ana Maria C. Silva De Biasi, Elias Jorge Tambur e Maria Rabello da Motta pela A Tribuna (1995)
>>> Eu, Detetive O Caso do Sumiço de Stella Carr e Laís Carr Ribeiro pela Moderna (2003)
>>> Dinheiro Público e Cidadania de Silvia Cintra Franco pela Moderna (1998)
>>> Quando o espiritual domina de Simone de Beauvoir pela Nova Fronteira (1980)
>>> Coração de Vidro de José Mauro de Vasconcelos pela Melhoramentos (1972)
>>> Transformadores de Alfonso Martignoni pela Globo (1981)
>>> Guia Técnico do Alumínio - Extrusão de Associação Brasileira do Alumínio pela Tecnica (1990)
>>> História da Literatura em Santo André de Tarso M. de Melo pela Fundo de cultura de santo andré (2000)
>>> Cinco Minutos - A Viuvinha de José de Alencar pela Ática (2001)
>>> O Mochileiro das Galáxias - Volume 4 de Douglas Adams pela Arqueiro (2010)
>>> Amo Poesia de J. Dellova pela Do escritor (1989)
>>> Folhas aos Ventos Maçônicos de Breno Trautwein pela A Trolha (2000)
>>> Os Segredos dos Construtores de Maurice Vieux pela Difel (1977)
>>> Antigos Manifestos Rosacruzes de Joel Disher pela Amorc (1982)
>>> Breve História da Maçonaria de Rubens Barbosa de Mattos pela A Trolha (1997)
>>> Por Mares há Muito Navegados de Álvaro Cardoso Gomes pela Ática (2002)
>>> Isso Ninguém me Tira de Ana Maria Machado pela Ática (1996)
>>> Um Dono para Buscapé de Giselda Laporta Nicolelis pela Moderna (1996)
>>> Encontro com os Deuses de Jaime Guedes pela Mandála (1978)
>>> E se? de Super Interessante pela Abril
>>> Eu não consigo emagrecer de Dr. Pierre Dukan pela Best Seller
>>> Linha D'agua de Amyr Klink pela Companhia das Letras
>>> Sal, Açúcar, Gordura de Michael Moss pela Intrínseca (2019)
>>> O mundo contemporâneo de Demétrio Magnoli pela Moderna
>>> 1001 Provérbios de Oswaldo Herrera pela A Gazeta Maçônica (1981)
>>> Contato de Carl Sagan pela Companhia das Letras
>>> E foram felizes para sempre de Dr. Gary e Barbara Rosberg pela Não sei
>>> Radicalize de Alex e Brett Harris pela Graça editorial
>>> A guerras da memória de Frederick Crews pela Mãe Terra
>>> Uma morte muito suave de Simone de Beauvoir pela Nova Fronteira (1984)
>>> Guia de Leitura Rápida de William Douglas pela Campus
>>> A dieta do tipo sanguíneo de Peter J. D'adamo pela Campus
>>> Para Ler e Guardar de Hermann Hesse pela Record (1975)
>>> Nutrição no esporte de Patrícia Postilione Appolinário pela Martinari (2019)
>>> Coleção Para Ler Freud de Diversos pela Não sei (2019)
>>> Einstein O Enigma do Universo de Huberto Rodhen pela Martin Claret (2019)
>>> Como Um Mistico Amarra os Seus Sapatos (O Segredo das Coisas Simples) de Lorenz Marti pela Vozes (2008)
>>> Sagas de Heróis e Cavaleiros - Vol 2 de Martin Beheim-Scwarzbach pela Paz e Terra (1997)
>>> O Aprendiz de Assassino de Robin Hobb pela Leya (2019)
>>> Atlas Ilustrado: Fichas Interativas (capa 3d/ pags duplas) de Andrea Pinnington e Marie Greenwood pela Ediouro (2002)
>>> Retrato do Brasil (vol. Ii): da Monarquia ao Estado Militar de Mino Carta: Diretor de Redação pela Política Edit./ Sp. (1984)
>>> Marterworks of Man & Nature: Preserving Our World Heritage de Mark Swadling: Diretor Management pela Globe Press/ Australia (1992)
>>> Tania Castelliano e J. Cabral de Entenda Seus Conflitos e Livre-se Deles pela Record (2002)
COLUNAS

Sexta-feira, 13/2/2004
Mulheres de cérebro leve
Ana Elisa Ribeiro

+ de 7200 Acessos
+ 6 Comentário(s)

Muitos livros de pesquisa acadêmica são chatos de ler. Mas se tem um assunto que me fascina, às vezes mais do que a literatura, é a história social da mulher. Eu, que nasci sob esse sexo misterioso, enrolada sobre mim mesma, num abismo interno de entranhas e sentimentos, morro de curiosidade sobre os pesos que carrego nos ombros.

Há pouco estava numa livraria e deparei com uma belíssima coleção de livros sobre a história da mulher. Cada imenso volume tratava de uma época. E quis ter todos eles, a coleção inteira na melhor prateleira de minha estante. Mas não deu. Meu salário não comprava aquela preciosidade editada em Portugal.

Ser mulher tem peculiaridades interessantíssimas. Quando me perguntam sobre minha preferência sobre o sexo do filho que carrego no ventre, sempre me bate certa tristeza, muito misturada ao receio de ver minha filha sofrer certos preconceitos resistentes ao tempo e ao avanço tecnológico.

Desde pequena escuto dois bordões: "não se exponha" e "feche as pernas". Muito curioso que sintam falta em mim de coisas que eu mesma não sinto. Se não gosto de saias, nem de sandálias, nem de maquiagem, então conclui-se que eu seja lésbica. E veja que conheço lésbicas vaidosíssimas.

Os amigos do sexo masculino questionam o que rotulam de "cisma" minha. Dizem, em coro: "não é bem assim, a sociedade mudou". Mas quando ficam sabendo que a gravidez ensejou caretas do chefe, finais de contratos e até mesmo uma ameaça sobre os vencimentos que receberei durante minha licença maternidade, enrugam a testa e quase pedem desculpas.

Absurdo que ainda se pense na mulher como um ser quase inapto. Certa diferença nos estilos é até de agrado, afinal, seria sem graça que fôssemos, homens e mulheres, todos iguais. Não me apeteceria ser um desses machos que cultivam músculos, coçam o saco e arrotam como se fossem animais. Mas não gosto de sentir como se minha competência profissional ficasse comprometida pela gravidez.

Há meses tive o prazer de ler um livro chamado A palavra impressa - Histórias da leitura no século XIX, publicado pela Casa da Palavra, de autoria de Cyana Leahy e Martin Lyons. E do fervor com que fiz minha leitura, colhi a seguinte pérola historiada por Lyons: "a leitura solitária de romances era vista como um perigo para as jovens, e mais ainda para as mulheres casadas, embora a estas fosse permitida uma maior flexibilidade. O discurso médico dominante no período reforçava as crenças patriarcais sobre a necessidade de 'proteger' as mulheres e adolescentes contra os textos perigosos".

Imagine que ser uma jovem leitora ainda não dá camisa a ninguém. Pela vida afora, escutei muitas vezes que devia ler menos, para não ficar louca ou mal-amada. Segundo os mais velhos, uma moça inteligente não segura casamento. E havia, ainda, o risco de que a leitura de romances e de textos técnicos comprometesse minha fertilidade.

O discurso científico, e não apenas o médico, ganhou bons postos corroborando teses muito mais culturais do que empíricas. É interessante lembrar que todo pesquisador é humano, pelo menos neste planeta. E enquanto ser humano, a observação jamais será imparcial. E a pesquisa científica é feita por um observador. Sendo assim, alguém inserido em certa comunidade, cultura, certo reduto, certa "comunidade interpretativa", como diz Stanley Fish.

Lyons continua a aprofundar as "explicações" da ciência acerca da mulher leitora: "A habilidade de leitura das mulheres, pensava-se, era determinada por fatores fisiológicos. As mulheres tinham o cérebro mais leve que o homem, o que as tornava inaptas para tendências intelectuais. A forma do cérebro feminino, segundo essa visão, enfatizava as faculdades intuitivas da mulher, mas limitava seu poder de raciocínio, em comparação com o cérebro do homem. Temia-se que uma sobrecarga das emoções femininas traria como conseqüência um enfraquecimento físico. Altos níveis de estímulo produzido pela leitura de romances seria prejudicial, causando histeria e a perda da fertilidade".

E então fico aturdida já que meu cérebro mais leve deveria impedir certos desenvolvimentos. Além disso, meu raciocínio mais lento não me permite agir com a precisão dum homem. E todos os homens do mundo devem ser de admirável inteligência. Meu físico mais fraco deveria impedir que eu suportasse as dores do parto, por exemplo, enquanto meu irmão surta por um corte no dedo. Sobre a infertilidade... devo confessar que todos os livros que li foram fingimento. Eu apenas andava com eles pelas ruas, pra transgredir. Mas guardava meu sistema reprodutor pra este bebê que me habita.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 13/2/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Notas confessionais de um angustiado (I) de Cassionei Niches Petry
02. Vantagens da vida de solteiro de Jardel Dias Cavalcanti
03. A convergência das mídias de Gian Danton
04. A Fantasia Verossímil, ou: Thor de Duanne Ribeiro
05. Plágio de Daniel Bushatsky


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2004
01. Ler muito e as posições do Kama Sutra - 2/6/2004
02. Autor não é narrador, poeta não é eu lírico - 24/3/2004
03. Em defesa dos cursos de Letras - 6/10/2004
04. Literatura como arte - 25/8/2004
05. Mulheres de cérebro leve - 13/2/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
13/2/2004
14h01min
Ana, parabéns pelo texto. É maravilhoso. Compartilho seu interesse pela história das mulheres. Gosto daquelas histórias onde a mulher, de alguma maneira, pôde vencer o preconceito. Assim, sinto-me um pouco vingada por aquelas que foram violentadas e condenadas a uma vida insípida, no mínimo. Um pouco mais aliviada por viver neste século, sem as aberrações dos anteriores, tive o horror de ouvir de um colega de mestrado que era certo as mulheres trabalharem fora, cuidarem da casa e dos filhos sozinhas, sem a ajuda do companheiro. Afinal, fomos feitas para isso, inclusive fisicamente. Nosso cérebro é leve, mas nossos músculos ainda precisam ser fortes.
[Leia outros Comentários de Adriana Baggio]
16/2/2004
20h33min
Ana, mais um grande texto. Parabéns pelas verdades, pela força e pela nova vida. O Garcia Márquez já dizia que o mundo só não se esfacela devido à atuação sensível e coerente das mulheres.
[Leia outros Comentários de Fabiano Novais]
17/2/2004
22h38min
Ana, olha que coincidência: ouvia eu hoje um programa no rádio, em que um dos convidados lembrava um famoso sermão do Pe. Antônio Vieira sobre a invasão holandesa no Brasil, que tinha gerado uma guerra local com os nossos "donos" portugueses. Pe. Antônio Vieira, então, dirigindo-se a Deus, EXIGIA que Ele fizesse os portugueses ganharem a guerra expulsando os holandeses. E que, se não pudesse fazer isso por ele, Padre, ou por Ele, Deus, que o fizesse por Sua mãe, a Nossa Senhora, uma vez que, se os holandeses vencessem, quem iria cuidar das imagens Dela? O detalhe desta história é que Pe. Antônio Vieira, com essa posição, teve uma postura hoje chamada de feminista, pondo uma mulher acima de Deus e se arriscando perante a Inquisição! Viva o Pe. Antônio Vieira! Viva Nossa Senhora! Viva as mulheres! Abraços e boa gravidez. Bernardo Carvalho (Goiânia-GO)
[Leia outros Comentários de Bernardo Carvalho]
18/2/2004
19h08min
É a primeira vez que leio os seus textos e o tema abordado me deixou fascinada. No momento sou uma estudiosa do percurso histórico da mulher e me instiga, sobretudo, saber qual foi a estrada tomada para chegarmos na contemporaneidade como sendo o segundo sexo (assim como Simone de Beauvoir nos definiu). Abençoado o ventre da mulher. Tenho duas filhas e sei um pouco dos mistérios que nos ronda. Abraço Eliane
[Leia outros Comentários de Eliane Cristina dos ]
25/2/2004
20h44min
Não sou nenhuma feminista, mas há algum tempo, li um texto na internet intitulado “As reflexões sobre Eva”, agora não me recordo o autor nem sua idoneidade, mesmo assim o respeito, e resolvi destacar um trecho que achei interessante “Eva foi criada porque Deus achou que não era bom a solidão do homem, e que o termo usado em hebraico, ‘ezer‘, é um termo de relação e não de subordinação, onde a expressão ‘ezer beneged‘ conota igualdade completa sem domínio ...”. Segundo o mesmo texto, além da nossa formação física que é mais complexa que a do homem, de modo a adaptar nosso corpo à sedução, concepção, gravidez e amamentação, nossa inteligência amadurece mais rapidamente que a do homem, porque muitas das diferenças físicas e psíquicas entre homens e mulheres, seriam atribuídas ao fato dos dois terem sido formados de material diferente: de terra o homem e de osso a mulher, onde algumas gotas de água derretem a terra enquanto que o osso permanece duro com água e demora dias para amolecer. Curioso não? Achei que valia a pena repassar.
[Leia outros Comentários de Cecília Barão]
27/2/2004
02h43min
É a primeira vez que leio um texto seu. Antes de qualquer comentário, quero desejar a você e ao bebê muita felicidade e que ele possa conhecer um mundo sem guerras e com a tão apregada e esperada paz. Meu comentário é pequeno. Mesmo antes de ler seu texto já tinha uma tese formada a respeito do mundo machista que vem imperando desde "Adão e Eva"... mas que, aos poucos, vem perdendo força. Só encontro uma explicação para esse "domínio" masculino: o grande medo que os homens sempre tiveram das mulheres. Só se tenta dominar, mostrar força, quando nos sentimos fracos e/ou ameaçados. No dia em que os homens se livrarem desse medo - talvez descabido -abrirão mais espaço às mulheres e verão que o mundo, como um todo, poderá tornar-se melhor - no mínimo, mais equilibrado.
[Leia outros Comentários de Regina Mas]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




CUIDADOS DE ENFERMAGEM EM DOENÇAS TRAMSMISSÍVEIS
DOROTHEE VOLCKERS ARANTES COORDENAÇÃO
HOSPITAL EMILIO RIBAS
(1983)
R$ 13,00



A PROFECIA CELESTINA
JAMES REDFIELD
OBJETIVA
(1993)
R$ 15,00



DESMASCARANDO O OCULTISMO
CINDY JACOBS
DANPREWAN
R$ 19,90



A ÚLTIMA LIÇÃO - O SENTIDO DA VIDA
MITCH ALBOM
SEXTANTE
(1998)
R$ 8,90



REVISTA DO INSTITUTO HISTÓRICO E GEOGRÁFICO BRASILEIRO Nº 447
IHGB (EDIÇÃO 2010, Nº 447 - A 171)
IHGB
(2010)
R$ 15,82



TOME 1 POUR ABORDER LA LINGUISTIQUE INITIATION
ROLNAD ELUERD
LES EDITIONS ESF
(1979)
R$ 75,00



A BOA TERRA
PEARL S. BUCK
ABRIL
(1981)
R$ 29,00



A VIRGEM E O CIGANO
D. H. LAWRENCE
CÍRCULO DO LIVRO
(1975)
R$ 29,90
+ frete grátis



LIÇÕES SOBRE AMAR E VIVER
MORRIE SCHWARTZ
SEXTANTE
(2005)
R$ 28,00



A GRANDE ESPERANÇA
ELLEN G. WHITE
CASA PUBLICADORA BRASILEIRA
(2011)
R$ 4,00





busca | avançada
41731 visitas/dia
1,1 milhão/mês