Vida virtual, vida real | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
46024 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Um ano de reflexões na Big Apple
>>> Steve Jobs apresentando o iPad
>>> De quantos modos um menino queima?
>>> Mastigar minhas relações
>>> Vaguidão específica
>>> As pedras de Estevão Azevedo
>>> Da Poesia Na Música de Vivaldi
>>> Festa na floresta
>>> A crítica musical
>>> 26 de Julho #digestivo10anos
Mais Recentes
>>> Coleção para gostar de ler de Varios pela Atica (1985)
>>> Grande Enciclopédia de Modelismo - Cor e Pintura de Walquir Baptista de Moura - Produção pela Século Futuro
>>> Meu pequeno fim de Fabrício Marques pela Segrac (2002)
>>> Grande Enciclopédia de Modelismo - Materiais e Ferramentas de Walquir Baptista de Moura - Produção pela Século Futuro
>>> Livro Dicionário Enciclopédico Veja Larousse - Volume 1 de Eurípedes Alcântara , Diretor Editorial pela Abril (2006)
>>> O diário de Larissa de Larissa Manoela pela Harper Collins (2016)
>>> Corpo de delito de Patricia Cornwell pela Paralela (2000)
>>> A Arte da guerra de Sun Tzu pela Pé da letra (2016)
>>> O fio do bisturi de Tess Gerritsen pela Harper Collins (2016)
>>> A garota dinamarquesa de Davdid Ebershoff pela Fabrica 231 (2000)
>>> Uma auto biografia de Rita Lee pela Globo livros (2016)
>>> Songbook Caetano Veloso Volume 2 de Almir Chediak pela Lumiar
>>> A Sentinela de Lya Luft pela Record (2005)
>>> O teorema Katherine de John Green pela Intriseca (2006)
>>> Louco por viver de Roberto Shiyashiki pela Gente (2015)
>>> A ilha dos dissidentes de Barbara Morais pela Gutemberg (2013)
>>> Sentido e intertextualidade de Emanuel Cardoso Silva pela Unimarco (1997)
>>> Mistérios do Coração de Roberto Shinyashiki pela Gente (1990)
>>> Interrelacionamento das Ciências da Linguagem de Monica Rector Toledo Silva pela Edições Gernasa (1974)
>>> Sociologia e Desenvolvimento de Costa Pinto pela Civilização Brasileira (1963)
>>> O Coronel Chabert e Um Caso Tenebroso de Honoré de Balzac pela Otto Pierre Editores (1978)
>>> O golpe de 68 no Peru: Do caudilhismo ao nacionalismo? de Major Victor Villanueva pela Civilização Brasileira (1969)
>>> Recordações da casa dos mortos de Fiodor Dostoiévski pela Nova Alexandria (2006)
>>> Elric de Melniboné: a traição ao imperador de Michael Moorcock pela Generale (2015)
>>> O Príncipe de Nicolau Maquiavel pela Vozes de Bolso (2018)
>>> Deuses Americanos de Neil Gaiman pela Conrad (2002)
>>> Deus é inocente – a imprensa, não de Carlos Dorneles pela Globo (2003)
>>> Memórias do subsolo de Fiodor Dostoiévski pela 34 (2000)
>>> Songbook - Tom Jobim, Volume 3 de Almir Chediak pela Lumiar (1990)
>>> Comunicação e contra-hegemonia de Eduardo Granja Coutinho (org.) pela EdUFRJ (2008)
>>> Caetano Veloso Songbook V. 1 de Almir Chediak pela Lumiar
>>> Origami a Milenar Arte das Dobraduras de Carlos Genova pela Escrituras (2004)
>>> O vampiro Lestat de Anne Rice pela Rocco (1999)
>>> Nova enciclopédia ilustrada Folha volume 2 de Folha de São Paulo pela Publifolha (1996)
>>> Esperança para a família de Willie e Elaine Oliver pela Cpb (2018)
>>> Leituras do presente de Valdir Prigol pela Argos (2007)
>>> Insight de Daniel C. Luz pela Dvs (2001)
>>> Política e relações internacionais de Marcus Faro de Castro pela UnB (2005)
>>> Harry Potter e a Pedra Filosofal de J. K. Rowling pela Rocco (2000)
>>> Infinite Jest de David Foster Wallace pela Back Bay Books (1996)
>>> Nine Dragons de Michael Connelly pela Hieronymus (2009)
>>> The Innocent de Taylor Stevens pela Crown Publishers (2011)
>>> The Watchman de Robert Crais pela Simon & Schuster (2007)
>>> The Watchman de Robert Crais pela Simon & Schuster (2007)
>>> Filosofia Para Crianças e Adolescentes de Maria Luiza Silveira Teles pela Vozes (2008)
>>> O Caminho da Perfeição de A. C. Bhaktivedanta Swami pela The Bhaktivedanta (2012)
>>> O Caminho da Perfeição de A. C. Bhaktivedanta Swami pela The Bhaktivedanta (2012)
>>> Vida de São Francisco de Assis de Tomás de Celano pela Vozes (2018)
>>> Apóstolo Paulo de Sarah Ruden pela Benvirá (2013)
>>> Apóstolo Paulo de Sarah Ruden pela Benvirá (2013)
COLUNAS

Sexta-feira, 28/5/2004
Vida virtual, vida real
Julio Daio Borges

+ de 11800 Acessos
+ 4 Comentário(s)

Não faz muito tempo, um amigo me escreveu dizendo que estava tendo problemas com a internet. Contou que sempre fora um usuário entusiasmado mas que, ultimamente, a Grande Rede estava ocupando vastas porções de sua vida. Não exemplificou e não revelou muitos detalhes, da sua existência virtual, mas eu entendi o que ele quis dizer. Aparentemente, meu amigo estava sofrendo de uma compulsão que a muitos atinge, a ponto de se perder a noção do que é real e do que é virtual na vida.

Além dessa pessoa que me é próxima, e que eu não desconfiava ser internet addicted, conheci muita gente que levava duas vidas: uma na Grande Rede e outra fora dela. É natural, eu trabalho com internet e muitos tipos assim surgem no dia-a-dia. No começo, até, eu achava interessante forjar uma existência paralela e explorar suas possibilidades, mas depois comecei a achar o negócio meio doentio.

Quem escreve na internet, seja por diversão, seja profissionalmente, já topou com fantasmas assim. Em geral, opositores ou críticos das nossas idéias, que não querem revelar sua identidade mas que desejam ardentemente combatê-las. Então emitem um comentário, usando nome e e-mail falsos. Alguns chegam a criar uma caixa postal para isso mas, mesmo assim, não posso caracterizar essa atitude como patologia - pois é relativamente comum nos meios.

O que começou a me espantar foi um sujeito que, já há alguns anos, embarcou numa discussão insistente com um colunista, e este - caindo na dele - chegou ao ponto de marcar um encontro para resolver a disputa como se fosse um duelo. Os ânimos estavam exaltados, mas ninguém morreu. Quem "assinava" as mensagens me enviava cópias delas clamando para que eu "tomasse uma atitude". Não tomei, claro. O missivista eletrônico acabou sumindo.

Abrindo um parênteses, é impressionante como ilustres desconhecidos se sentem autorizados a proferir juízos definitivos sobre o que escrevemos - e depois ainda esperam que lhes seja conferido algum crédito. Por que vou acreditar na opinião de uma pessoa que, no mínimo, nunca vi e que, no máximo, para mim antes não existia? Mas acontece todo o tempo. Talvez porque os escritores sejam, por natureza, inseguros e se abalem com qualquer coisa, ou se derretam diante de um elogio supostamente amigo. O fato é que o "famoso quem" não raro atinge os seus objetivos. Escrevinhadores jovens e inexperientes são presas fáceis para as suas armadilhas.

Mas voltando: o fenômeno foi chamar minha atenção quando percebi que, além de inventar um pseudônimo e usá-lo em situações onde é melhor se manter incógnito, alguns internautas criam para si uma vida inteira novinha em folha. Porque uma coisa é ser comentarista esporádico de fórum, e até se exceder às vezes, outra - bem diferente - é "se acostumar na fantasia" e viver uma identidade falsa como se fosse verdadeira.

Vi isso em blogs. Pessoas que se entregam a cada frase mas que insistem em dizer que são "uma personagem de romance". Então eu me pergunto: que ser humano é esse que, provavelmente vivendo uma vida miserável, precisa se alimentar de uma aventura romanesca na internet, de uma realidade que - fora da Web - não existe?

Até aí, cada um é livre para ser louco e extravasar suas loucuras como quiser. E o problema não é tanto de quem publica uma porção de delírios, para o seu próprio deleite - o problema é de quem embarca nessa viagem, numa insanidade coletiva, e até "convive" com essa "pessoa", chegando a tomá-la como conselheira da sua própria vida. Se o primeiro tipo se sentiu Napoleão no hospício e foi proclamar isso aos quatro ventos, o que dizer do segundo que - não satisfeito - resolveu seguí-lo? Isso, para mim, é doentio.

Como se não bastasse, encontrei blogueiros que montavam outros blogs para elogiar a si mesmos. Tinham o trabalho de compor uma personalidade inteira, com nome, idade, endereço e preferências, para sustentá-la durante anos e para, no passo seguinte, consagrá-la através de outra personalidade, igualmente inventada. Quando conto essa história, o interlocutor em geral comenta: "É preciso tempo..."; "Haja tempo!"; "Como é que a pessoa arranja tempo?". Eu não sei; e nem quero saber.

Aliás, que realizem isso em blogs, e que haja uma platéia adestrada para bater palmas, não é algo que me preocupe realmente. A doença só foi me incomodar agora, recentemente, quando percebi que - dentro do próprio Digestivo - eu poderia estar publicando gente assim: que, fora da internet, não existe. Uma vez, inclusive, liguei para um colaborador e ele, ao atender, se embananou todo quando o chamei pelo nome que costumava assinar. Ou seja: era um nome falso; apesar do telefone verdadeiro (veja a que ponto chegamos...).

Felizmente, hoje, não entra mais ninguém no site sem que eu não tenha visto, pelo menos, a cara, e que não tenha um endereço (postal) - verdadeiro. Infelizmente, porém, muita gente ainda sofre com esses "trotes" da vida virtual. Transformam a sua vida real num inferno, num tormento, tentando combater esses pequenos demônios da internet - que, como o spam, tendem a crescer exponencialmente. Aqui, por exemplo, fechamos os fóruns e esses "caronas" diminuíram bastante. Mas, e quem está ciberneticamente exposto? Nélson Rodrigues repetia que se as pessoas soubessem da vida sexual umas das outras, ninguém se olharia na rua. Pois eu digo: se os internautas soubessem da vida virtual uns dos outros, quase nenhum se olharia na rua também.


Julio Daio Borges
São Paulo, 28/5/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Meu pé quebrado de Luís Fernando Amâncio
02. Uma entrevista literária de Marta Barcellos
03. Contos Gauchescos chega ao cinema de Marcelo Spalding
04. Olgária Matos de Humberto Pereira da Silva
05. A sete palmos, inevitavelmente de Wellington Machado


Mais Julio Daio Borges
Mais Acessadas de Julio Daio Borges em 2004
01. Parati, Flip: escritores, leitores –e contradições - 16/7/2004
02. Mens sana in corpore sano - 14/5/2004
03. Por que a crítica, hoje, não é bem-vinda - 25/6/2004
04. Ensaio de interpretação do Orkut - 20/8/2004
05. 1964-2004: Da televisão à internet – um balanço - 30/4/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
26/5/2004
18h27min
A sua analise do personagem internauta tem muita propriedade. Eu vim parar aqui por causa do seu convite no Orkut. E aqui mesmo, lendo o seu texto, estava a me perguntar se você é quem diz ser. Olha só, acho que estou num site confiavel. Sempre estou a me perguntar se as pessoas são realmente o que dizem ser nestas comunidades. Mas até agora tenho me deparado com pessoas que parecem dizer a verdade. Certamente é um comportamento doentio este de se fazer passar por outra pessoa. Por vezes, pode ser apenas uma forma de proteção, de manter sua integridade física e moral. Entrei lá no Orkut a convite do Nemo Nox, que por sinal, conheci em outra comunidade, o Friendster. Está aí, esta rede tem me levado a conhecer pessoas muito interessantes, amigos e parceiros de projetos. Sem dúvida isto seria impossível, ou quase, sem a rede.
[Leia outros Comentários de Elyene Adorno]
27/5/2004
14h06min
O que existe em nossa sociedade doente de hoje é um exagero para tudo. Esse tipo de moléstia (múltiplas personalidades) provavelmente existe desde o início dos tempos e já foi estudada por grandes gênios como Freud. A diferença é que com a internet ficou mais fácil de se multiplicar quase tudo e os doentes adoram isso. Por enquanto, ainda acho que quem faz isso é "ponto fora da curva". Ficarei realmente preocupado quando isso se tornar normal. Ações como a sua, de coibir esses "free time lovers", são um exemplo para todos da rede seguirem. Um abraço, Alfredo.
[Leia outros Comentários de Alfredo Mello]
28/5/2004
15h18min
Dentro ou fora da rede, às vezes é difícil saber se uma pessoa é aquilo que diz ser. A Internet é ambiente mais do que favorável para quem deseja viajar na fantasia. Lugar ideal para expressar variados tipos de loucura. Mas, como diz a Elyene Adorno aí em cima, a rede é também um lugar onde encontramos gente amiga e interessante. De qualquer forma, é uma forma de inter-relacionar-se... com todos os riscos que isso envolve, no mundo real e virtual. "Viver é muito perigoso", já dizia o Riobaldo - e, nisto, talvez, consista toda a magia.
[Leia outros Comentários de Maura Maciel]
20/6/2004
11h51min
Caro Julio, embora solidário à sua inquietação, acredito que a intenção (mesmo meramente institiva) das pessoas cometerem o desatino de assumir outras personalidades/vidas, sempre houve. O que faltava era o meio. A Rede possibilita essa e outras patologias, como a pedofilia, o tráfico, o terrorismo. A Rede é igual uma prateleleira de supermercado ou de uma banca de revista, cada um pega o quer e lhe dá o uso que quiser.
[Leia outros Comentários de Bernardo Carvalho]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




GENÉTICA BASEADA EM EVIDÊNCIAS: SINDROMES E HERANÇAS
ZAN MUSTACCHI E SERGIO PERES
CID
(2000)
R$ 130,00



AS FABULOSAS ÁGUAS QUENTES DE CALDAS NOVAS - ANTOLOGIA
TAYLOR ORIENTE ORG.
ORIENTE
(1982)
R$ 9,59



TRIAGEM VIRTUAL DE IMAGENS DE PATOLOGIA USANDO CBIR E REDES NEURAIS
HIGOR NETO
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 251,00



ADMIRÁVEL MUNDO NOVO VERSÃO BROCHURA
ALDOUS HUXLEY
BIBLIOTECA AZUL - GLOBO
(2014)
R$ 35,83



CAPITALIZAÇÃO: HISTÓRICO, CONCEITOS, PERSPECTIVAS
EDMILSON GAMA DA SILVA E OUTROS
FUNENSEG (BRASÍLIA)
(2006)
R$ 24,99



A ESTRELA
JAVI ARAGUZ ISABEL HIERRO
RAI
(2012)
R$ 14,00



A ARCA DE NOÉ
CEDIC
CEDIC
(2013)
R$ 9,00



VOCÊ NÃO É UMA ILHA: DINÂMICAS DE GRUPO
MIGUEL GONZALEZ
ED. PAULINAS
(1993)
R$ 14,00



ALFABETIZAÇÃO UM PROJETO BEM SUCEDIDO
SÉRGIO ANTONIO DA SILVA LEITE
EDICON
(1982)
R$ 4,90



O NEGÓCIO DO SÉCULO XXI
ROBERT KIYOSAKY
CAMPUS ALTABOOK
(2009)
R$ 50,00





busca | avançada
46024 visitas/dia
1,1 milhão/mês