Apagão | Blog de Anchieta Rocha

busca | avançada
61479 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Ambulantes faz show de seu novo disco na Casa de Cultura Chico Science
>>> SESI São José dos Campos apresenta a exposição J. BORGES - O Mestre da Xilogravura
>>> Festival gratuito, diurno, 8o.Festival BB Seguros de Blues e Jazz traz grandes nomes internacionais
>>> Bruno Portella ' Héstia: A Deusa do Fogo ' na Galeria Alma da Rua I
>>> Pia Fraus comemora 40 anos com estreia de espetáculo sobre a vida dos Dinossauros do Brasil
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
>>> The Nothingness Club e a mente noir de um poeta
Colunistas
Últimos Posts
>>> Metallica homenageando Elton John
>>> Fernando Schüler sobre a liberdade de expressão
>>> Confissões de uma jovem leitora
>>> Ray Kurzweil sobre a singularidade (2024)
>>> O robô da Figure e da OpenAI
>>> Felipe Miranda e Luiz Parreiras (2024)
>>> Caminhos para a sabedoria
>>> Smoke On the Water (2024)
>>> Bill Ackman no Lex Fridman (2024)
>>> Jensen Huang, o homem por trás da Nvidia (2023)
Últimos Posts
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
>>> Ser ou parecer
>>> O laticínio do demônio
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Rita de Cássia Oliveira
>>> Bel Ami, da obra de Maupassant
>>> Os filmes de Frederico Füllgraf
>>> Cinema em Atibaia (III)
>>> Jornalismo de todos para todos
>>> Das boas notícias
>>> Sociologia de um gênio
>>> A arqueologia secreta das coisas
>>> Mahalo
>>> O iPad não é coisa do nosso século
Mais Recentes
>>> The Secret Passage Stage 4 - A2 de Paloma Bellini pela Hub (2011)
>>> Pluralidade como corolário da liberdade sindical de Cláudio Cesar Grizi Oliva pela Ltr (2011)
>>> Pela Moldura da Janela de Lourdinha Leite Barbosa pela Topbooks (2011)
>>> Administração Financeira de A. a Groppelli e Ehsan Nikbakht pela Saraiva (2010)
>>> Client/server Architecture de Alex Berson pela Mc Graw Hill (1992)
>>> Caso Em Família de Rex Stout pela Francisco Alves (1977)
>>> Farewell de Carlos Drummond de Andrade pela Record (1996)
>>> Sessenta Anos Passados: Estórias de um Médico Não Especialista de Affonso Renato Meira pela Scortecci (2016)
>>> The New Direct Marketing: How to Implement a Profit-driven... de David Shepard Association pela Irwin Professional Pub (1998)
>>> A Graça da Coisa- 25ªedição de Martha Medeiros pela L&pm Editores (2013)
>>> Metapesquisa Em Comunicação - o Interacional e Seu Capital Teórico.. de Maria Ângela Mattos pela Sulina (2018)
>>> Linguagem e Persuasão - 8ªrevista e Atualizada de Adilson Citelli pela Atica (2004)
>>> O Melhor da Super de Alexandre Versignassi pela Abril (2013)
>>> Psicologia Educacional de Nelson Piletti pela Ática (2008)
>>> O que é Pesquisa em Educação? de Potiguara Ácacio pereira pela Paulus (2005)
>>> Quando a graça de Deus nos toca de PR. Marcio Valadão pela Igreja batista da alagoinha (2009)
>>> Os Grandes Mitos da Feminilidade de Iwonka Blasi pela Record Rosa dos Tempos (1996)
>>> Andanças de Oroncio Vaz de Arruda Filho pela Nobel (1987)
>>> Curso de Direito do Trabalho de Amauri Mascaro Nascimento pela Manole (2010)
>>> Novo Codigo de Processo Civil ao Alcance de Todos de Marcelo Fonseca Guerreiro; Larissa Moreira Zottis pela Ltr (2016)
>>> Comentário ao Regime Processual Experimental de Luis Filipe Brites Lameiras pela Almedina (2007)
>>> Manual de Direito Processual do Trabalho. de Acordo Com o Novo Pcp de Mauro Schiavi pela Ltr (2016)
>>> Bate-papos Educacionais na Internet de Erisana Célia pela Appris (2019)
>>> Motivación 360 de David Fischman / Lennia Matos pela Gestion 2000 (2014)
>>> O Saber e Seus Embates de Cesar Augusto Battisti; Joao Antonio pela Sulina (2016)
BLOGS >>> Posts

Segunda-feira, 11/3/2024
Apagão
Anchieta Rocha
+ de 200 Acessos

Ela chegou, tocou o meu braço. Em vez de me conduzir como todo mundo faz, segurou minha mão até a porta da frente do ônibus, me pôs na cadeira, rodou a roleta e em seguida se sentou do meu lado.

Falou que trabalhava até tarde, não disse com quê. Eu imaginava: loura, morena, negra, magra, alta... A voz doce, falava e pausava. A pausa diz muito. Na hora me lembrei de um locutor de rádio que dizia que o Tostão jogava sem bola.

Trabalhava todas as noites. Podia ser uma enfermeira, uma garçonete, uma professora, não quis perguntar. Contei do meu serviço de telefonista na fábrica de bebidas, onde passava o dia datilografando pedidos, e que os colegas de vez em quando aprontavam comigo escondendo minhas coisas. Ela riu quando disse que um dia um cara trocou a minha escova de dente com a de um motorista. Não me importava, molecagem eles faziam com todo mundo.

Senti a maciez da sua mão no meu braço quando sem graça desculpou-se pela pergunta que tinha feito, a de não sentir medo enquanto esperava o ônibus no escuro. Contei que, desde pequeno, mamãe só apagava a luz do meu quarto depois que via que eu dormia. Disse ainda que sentia a noite de diversas maneiras. — Uma mulher também — acrescentei. Não demorou me perguntou se eu a imaginava bonita. Me aproximei mais, senti sua respiração, toquei o seu rosto. Não tinha dúvida, foi a minha resposta. Conversamos até ela descer.

No dia seguinte, na mesma hora, me pegou pela mão, aflito, demorou a se sentar do meu lado.

Morava com a mãe, chegava em casa de madrugada, quase não via o filho. Falou que não aguentava mais, queria ter uma rotina como todo mundo, chegar do trabalho no fim da tarde, botar uma bermuda e ver novela. Perguntou como era a minha vida, se sentia solidão, medo e outras coisas.

Foram dias assim. A minha alegria começava na hora em que nos assentávamos e eu tentava adivinhar como era o seu penteado, como se vestia. Se acertava, ganhava um afago.

Um dia não veio. Peguei o ônibus e procurei me concentrar no itinerário da volta pra casa. Os lugares por onde passava eu identificava pelo barulho, pelo cheiro e até pelo ar. Com algumas viagens e perguntas gravei a sequência: a umidade do vapor da lavanderia, a algazarra das crianças saindo da escola. Mais na frente, a pastelaria – um lanche, qualquer dia descia – e em seguida um longo trecho sem parada. Depois do semáforo o quartel e a cavalariça. A fábrica de tecidos com o ruído das máquinas, e o mais bonito, a alegria das meninas deixando o turno. Bares e bares. O presídio, um silêncio de entristecer, a igreja – a música! Mas o que mais me extasiava era a parada em frente à entrada do parque onde o ônibus permanecia por mais tempo. Num fim de tarde, um calor de ferver o asfalto, tinha chovido, o cheiro da vegetação invadiu o ônibus. Foi o meu pôr do sol. Espichei as pernas, abandonei o corpo e deitei a cabeça no encosto.

Por que ela não veio?

Entrei no quarto, liguei o rádio, só chieira.

A sopa, amarga.

– Nada não, mãe, muito serviço.

Se existe escuro, eu conheci naquela noite. Pesadelo, um atrás do outro, acordei com mamãe me entregando o telefone: — Já passou, o menino teve um febrão, amanhã tá bom, a gente se vê.

No dia seguinte, a boca perto da minha, precisava conversar. Deixamos o ônibus no ponto em que ela sempre descia.

Uma escada longa, vozes de mulheres. No quarto, me acomodou numa poltrona e perguntou se eu queria beber alguma coisa. Depois de algum tempo cantávamos as músicas do rádio. Riu muito quando pedi pra ela fazer strip tease.

Percorri o seu corpo com as mãos. Cada saliência me conduzia a mistérios e êxtases. Nunca tocara uma mulher daquele jeito. Cada parte, cada detalhe, tudo me pertencia?

No dia seguinte, a longa espera, ela não veio. O menino de novo, pensei. Já pra ir embora, outra mão, a de uma amiga, tocou o meu braço: — Ela não vem hoje. A polícia deu uma batida na casa onde trabalha, levou as mulheres, a mãe dela não sabe de nada também.

Eu me sentei no ônibus, baixei a cabeça e em vão tentei organizar o caminho de volta pra casa. As vozes dos bares se juntavam ao coro da igreja, os cavalos do quartel pisoteavam os canteiros do parque, as frituras da pastelaria e do vapor da lavanderia me confundiam.


Postado por Anchieta Rocha
Em 11/3/2024 às 16h40

Mais Blog de Anchieta Rocha
Mais Digestivo Blogs
Ative seu Blog no Digestivo Cultural!

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




One World, Many Religions
Mary Pope Osborne
Random House
(1996)



Sahovski Informator - 44
Fide
Fide
(1987)



Cidade no Além + Colônias Espirituais
Lúcia Loureiro; Francisco Candido Xavier; André Luiz; Lucius
Mnêmio Túlio; Instituto de Difusão Espírita



Livro de Bolso Literatura Estrangeira A Arte da Guerra
Sun Tzu
L&pm Pocket
(2007)



Poemas escolhidos
Fernando Pessoa
Klick



O bem-amado: A história de Carlos Alberto Garcia
Thiago Mossini e Weslley Lemos
Fábrica de biografias
(2022)



Livro Pedagogia A Criança Saudável
Aldo Naouri
Martins Fontes
(2009)



Uma Vida Muito Além das Expectativas - Cartas para Minha Bisneta
Sidney Poitier
Larousse
(2009)



O ambiente e os processos de maturação
D. W. Winnicott
Artes Medicas
(1983)



Manual do Usuário - As 142 Maiores Dúvidas dos Nossos Leitos
Quatro Rodas
Abril
(2018)





busca | avançada
61479 visitas/dia
2,0 milhão/mês