Um plano | Eduardo Mineo | Digestivo Cultural

busca | avançada
31843 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
>>> Do inferno ao céu
>>> Meninos, eu vi o Bolsonaro aterrando
>>> Manual para revisores novatos
>>> A Copa, o Mundo, é das mulheres
Colunistas
Últimos Posts
>>> 100 nomes da edição no Brasil
>>> Eu ganhei tanta coisa perdendo
>>> Toda forma de amor
>>> Harvard: o que não se aprende
>>> Pedro Cardoso em #Provocações
>>> Homenagem a Paulo Francis
>>> Arte, cultura e democracia
>>> Mirage, um livro gratuito
>>> Lançamento de livro
>>> Jornada Escrita por Mulheres
Últimos Posts
>>> João Gilberto: o mito
>>> Alma em flor
>>> A mão & a luva
>>> Pesos & Contra-pesos
>>> Grito primal II
>>> Calcanhar de Aquiles
>>> O encanto literário da poesia
>>> Expressão básica II
>>> Expressão básica
>>> Minha terra, a natureza viva.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Os 60
>>> Tico-Tico de Lucía
>>> Abdominal terceirizado - a fronteira
>>> Cinema é filosofia
>>> Quem é (e o que faz) Julio Daio Borges
>>> Mulher no comando do país! E agora?
>>> YouTube, lá vou eu
>>> YouTube, lá vou eu
>>> Bar azul - a fotografia de Luiz Braga
>>> Eu + Você = ?
Mais Recentes
>>> Vade Mecum acadêmico de direito de Organização; Anne Joyce Angher pela Rideel (2004)
>>> Processo de Execução e Cumprimento de Sentença/ Encad. de Humberto Theorodo Júnior pela Leud (2009)
>>> Processo Civil Commercial de Manoel Aureliano de Gusmão pela Livraria Academica (1924)
>>> Dieta Mediterrânea com sabor brasileiro de Dr. Fernando Lucchese e Anonymus Gourmet pela L&PM Pocket (2005)
>>> Derecho Procesal Civil de Eduardo Pallares pela Porrua S.A Argentina (1961)
>>> Topografia Prática: Tratado da Clotóide - Teoria, Fórmulas, Exemplos.. de Ruey- Chien Lin pela Hemus/ SP. (2019)
>>> La Reconvencion de M. Sanpons Salgado pela Coleccion Nereo (1962)
>>> Construcciones Metalicas (Encadernado) de Fernando Rodriguez- Avial Azcunaga pela Madrid/ Espanha (1958)
>>> tratado das ações (Tomo V ) Condenatórias de Pontes de Miranda pela Revista dos Tribunais (1974)
>>> Tratados das Ações Declarativas Tomo II de Pontes de Miranda pela Revista dos Tribunais (1971)
>>> Tratado das Ações Tomo III Ações Constitutivas de Pontes de Miranda pela Revista dos Tribunais (1972)
>>> Ação Discriminatória de Jacy de Assis pela Forense (1978)
>>> Dos recursos no Código de Processo Civil de João Claudino de Oliveira e Cruz pela Forense (1954)
>>> Petições contestações e recursos de Valdemar P. da Luz pela Forense (2000)
>>> Curso de processual Civil de Luiz Fux pela Forense (2001)
>>> Curso Didático de Direito Processual Civil de Elpídio Donizetti Nunes pela Atlas (2012)
>>> Código de processo Civil Anotado de Sálvio de Figueiredo Teixeira pela Saraiva (2003)
>>> Manual Execução de Araken de Assis pela Revista dos Tribunais (2004)
>>> As Concepções Antropológicas de Schelling de Fernando Rey Puente pela Loyola (1997)
>>> Manual do Processo de Execução de Araken de Assis pela Revista dos Tribunais (2002)
>>> Ministério público e Persecução Criminal de Marcellus Polastri Lima pela Lumen Juris (2002)
>>> Des Problèmes de Droit Judiciaire que Pose L'Union Économique Franco Sarroise de Eugéne Schaeffer pela Librairie Générale de Droit et de Jurisprudence (1953)
>>> Escrever Vidas, Narrar a História de Maria da Glória de Oliveira pela Fgv (2011)
>>> La Accion Civil para la Reparacion de los Perjuicios de Ricardo C. Nuñez pela Bibliográfica Argentina (1948)
>>> Tratado de Los Recursos en El Proceso Civil de Manuel Ibañez Frocham pela Lavalle Buenos Aires (1963)
>>> Theoria e pratica na Execução das Sentenças de Affonso Fraga pela C. Teixeira (1922)
>>> Os Juízes os Escrivães e os oficios de Justiça em Ação ( Código de Processo Civil) de Nemias Nunes Carvalho pela Forense (1997)
>>> Honorários de Advogado de Sebastião de Souza pela Saraiva (1952)
>>> Medidas Preventivas de Alfredo de Araujo Lopes da Costa pela Sugestões Literárias S/A (1966)
>>> Guia para Concurso do Ministério Público de Joaquim Cabral Netto pela Del Rey (1994)
>>> princípios de direito processual Civil (Da Ação Judicial) de Benedicto Barros pela Borsoi (1959)
>>> Dos Processos Especiais de Alfredo de Araujo Lopes da Costa pela Sugestões Literárias S/A
>>> Primeiras Linhas O Processo Civil de Joaquim José Caetano Pereira e Souza pela Freitas Bastos (1879)
>>> Votos e Accordams Julgamentos Proferidos de M. da Costa Manso pela Academica Saraiva (1922)
>>> Dos Aggravos Theoria e Pratica de Martinho Garcez pela Jacintho Ribeiro dos Santos (1914)
>>> Decisões de Laudo de Camargo pela Saraiva (1931)
>>> Lições de direito processual Civil ( Vol. III) de Alexandre Freitas Câmara pela Lumen Juris (2001)
>>> Lições de direito processual Civil Vol. III de Alexandre Freitas Câmara pela Lumen Juris (2003)
>>> Lições de direito processual Civil Volume II de Alexandre Freitas Câmara pela Lumen Juris (2002)
>>> Da Ação Rescisória de Jorge Americano pela Academica Saraiva (1926)
>>> Estudo Theorico e Pratico da Acção Rescisoria de Jorge Americano pela Saraiva (1939)
>>> Tratado da Ação Rescisória de Pontes de Miranda pela Forense (1976)
>>> Manual Doutrinário e prático para o Exercício da Advocacia de Ulderico Pires dos Santos pela Forense (2001)
>>> Medidas Preventivas de Alfredo de Araujo Lopes da Costa pela Liv. Bernardo Álvares (1958)
>>> Retirada de Patrocinadora de Wladimir Novaes Martinez pela LTr (2007)
>>> Um decênio de Judicatura Acórdãos e Votos (Volume 1) de Cordeiro Guerra pela Saraiva (1984)
>>> Direito Processual Civil em 03 Volumes de João Bonuma pela Saraiva (1946)
>>> Estudos Mineiros - Vol. 1 de Diva Ruas Santos: Org. pela Cuatiara (1995)
>>> Estudos Mineiros - Vol. 1 de Diva Ruas Santos: Org./ Autografado pela Cuatiara (1995)
>>> Igual a Ti só no Inferno de Antonio Carlos Resende pela L&PM/ Porto Alegre (1988)
COLUNAS >>> Especial O que ler

Segunda-feira, 2/7/2007
Um plano
Eduardo Mineo

+ de 5100 Acessos
+ 6 Comentário(s)

Não que eu pense muito em ter filhos, mas gosto de ficar planejando as coisas e eu já planejei toda a educação que darei aos meus, cada detalhezinho. É verdade que ainda terei de aprender boa parte do que pretendo ensinar a eles - como golpes mortais com a palma da mão - mas acho saudável ter este tipo de preocupação, em vez de esperar que um colégio caro os ensine a dar valor ao que realmente se deve dar valor. Ou vai me dizer que colégios caros ensinam o valor do tiro ao alvo e do teatro grego?

Admito: é um plano ousado. Eu sei que até os três anos terei problemas, pois não é possível ensinar muito a quem baba em si mesmo, o que talvez explique por que os bebês nunca fizeram nada muito relevante - esta eu peguei do Walter Huston em Yankee Doodle Dandy. Mas a partir daí, a partir do momento em que a criança começa a andar e a falar, já está pronta para aulas de piano. Nada muito exigente, mas com tendências clássicas, óbvio. Uma criança de quatro anos já tem que saber quem é Haydn da mesma forma como saberia quem é o bicho papão. "É o tio do piano" já me deixaria contente como resposta, mas aos cinco anos, já perderia a sobremesa.

Tenho alguma convicção de que música precisa ser ensinada desde muito cedo e com rigor, com regularidade, para um bom desenvolvimento intelectual de uma pessoa. Mozart, Beethoven, Chopin, Bach, Villa-Lobos, Strauss, Tchaikovski e Wagner, passaria por cada um destes. Música faz coisas boas em nossa mente, principalmente a música clássica. Toda pessoa que se interessa por música clássica tem mais sensibilidade, pois, cedo ou tarde, começa a se interessar pelas diferenças de sons, de instrumentos, de tempo e de entonação que lhe dão uma percepção muito fina para tudo mais que há na vida. A interpretação de sons precisa estar além do limite da língua para atingir compreensões mais profundas com mais facilidade, pois a interpretação da música é a forma mais crua e mais natural que há de compreensão. E pouco me importa se, aos quinze, meus filhos vão preferir punk rock: a música clássica faz parte de qualquer educação minimamente aceitável e é isto que vou fazer.

A criança também precisa aprender a falar não apenas em português, que é a minha língua e que eu gosto, mas em inglês, francês e alemão. Já considerei me basear no modelo de ensino do personagem de Albert Finney em The Browning Version, um professor conservadorzão que dá aulas de tragédias gregas com uma versão original de Agamêmnon, de Ésquilo, para crianças de uns dez anos. Mas grego, assim como russo e latim, já seria um pouco exagerado pra uns dez anos. E também não sei se vou conseguiria aprender essas línguas a tempo.

O que quero ter feito até lá com certeza é uma boa biblioteca. Na época em que meus filhos começarem a ler e a escrever, já quero ter em minha casa uma do tamanho da do pai do Jorge Luís Borges, com tudo que havia de bom e legal naquela biblioteca. Além disto, claro que terei os livros do Monteiro Lobato. Seria um bom começo para meus filhos, os livros infantís do Monteiro Lobato, embora a formação de uma criança não esteja completa sem o contato com o fantástico de Lewis Carroll e com os valores de Dickens. Sem esta base, não é de se espantar que existam idiotas, assassinos e praticantes de rapel.

Outros autores podem - ou devem - ser incluídos neste começo de vida. A que primeiro me veio a mente foi Jane Austen que, embora não seja exatamente divertida para uma criança, ajuda a entender de uma maneira extremamente delicada como alguém deve tratar um homem e uma mulher e como se portar diante dos outros. Enfim, ser alguém de respeito. Guerra e Paz, de Tolstói, também faz isto e até melhor, mas fico com receio de jogar nas mãos de um molequinho um livro de mil e poucas páginas. Pode traumatizar.

Mas uma hora meus filhos terão de encarar um livro maior. Talvez lá pelos treze anos, eu os tire um pouco da literatura infantil para lhes apresentar obras mais amplas. Penso em começar pela Odisséia, de Homero, que não é exatamente um livro grande, mas necessário. Os gregos, num geral, são necessários, embora os filósofos eu indicaria para depois dos quinze. Além disto, não pretendo aprofundá-los em filosofia. Quero que conheçam a razão em Aristóteles e a ética em Platão. Talvez leve um pouco adiante dos gregos, com Cândido de Voltaire. A partir daí, dependerá do interesse deles.

Acredito que, na adolescência, já não haja mais restrição para assuntos, o que me permitirá apresentar tudo que conheço e o que quero conhecer até lá. Isto não quer dizer que vou conversar sobre orgasmo com meus filhos, Jesus Cristo, mas apresentar livros que possuem estruturas de relacionamento um pouco mais desenvolvidas do que seria interessante para uma criança. Não consigo imaginar por que uma criança se interessaria por Madame Bovary, de Flaubert, por exemplo. É simplesmente incompatível.

Mas adolescentes estão prontos para qualquer coisa. No teatro, volto aos gregos, principalmente com Aristófanes, mas há muitos outros dramaturgos indispensáveis como Shakespeare, Ibsen, Nelson Rodrigues, Tchekhov, Bernard Shaw e Beckett que devem ocupar um espaço na mente de qualquer pessoa que tenha uma alma.

Na literatura brasileira, Machado de Assis deve ser lido de ponta a ponta. Começaria pela coleção de contos Várias Histórias e por Memórias póstumas de Brás Cubas. Depois de Machado, Os Sertões, de Euclides da Cunha; Fogo morto, de José Lins do Rego; Triste fim de Policarpo Quaresma, de Lima Barreto; Urupês, de Monteiro Lobato e qualquer coisa de Guimarães Rosa. Ou tudo de Guimarães Rosa. E está aí o que importa no Brasil.

Fora do Brasil, a lista é grande. A literatura italiana não tem muito a oferecer, mas A divina comédia, de Dante, precisa ser lida. Subindo para a França, eu dispenso Victor Hugo. Talvez obrigue meu filho a ler Os miseráveis caso ele vá mal na escola, de castigo. Já Stendhal é aconselhável. Maupassant, como grande contista, também. E Flaubert fecharia a literatura francesa. Mais do que isso é lucro.

Literatura em inglês é a minha preferida e será a que eu darei mais importância. Começando pelos Estados Unidos: Edgar Allan Poe, Mark Twain, Henry James, F. Scott Fitzgerald, Herman Melville e Ernest Hemingway. No Reino Unido, Jane Austen, que já citei, assim como Lewis Carroll, Dickens, Bernard Shaw e Samuel Beckett. Mas também Swift, Conrad, Laurence Sterne, Chesterton, Oscar Wilde, Thackeray, Walter Scott, Evelyn Waugh e Emily Brontë. Joyce é um caso a parte, mas farei questão de apresentar pelo menos o Portrait of the artist as a young man, que é meu favorito. E sigamos adiante.

Goethe como representante da literatura alemã está de bom tamanho. Os sofrimentos do jovem Werther me parece ser um bom livro romântico de contraponto ao racionalismo iluminista, que até certa altura é interessante, mas pode levar facilmente qualquer pessoa à idiotice. Não que Werther também não seja um idiota, mas, mas, mas...deu pra entender. E seguindo esta mesma idéia de contraponto ao racionalismo, entro na literatura russa com Crime e Castigo de Dostoiévski, que trata deste assunto de uma forma mais clara e mais direta. Tolstói e Gógol entram na seqüência e meus filhos serão pessoas melhores conhecendo estes autores.

E eis que me vejo num dilema: quero que meus filhos sejam pessoas melhores, mas sinto que eles precisarão entrar em contato com este limitador espiritual que é a política. Tratarei do assunto, mas farei com que aprendam a usar a política como um revólver: com pudor e apenas em caso de emergência. E nada com muita ênfase aos acontecimentos, pois um colégio bom dá conta disto. Tampouco algo muito profundo. Quero que aprendam o suficiente para saber o que essa gente feiosa anda falando na televisão e qual é a pilantragem da vez.

No caso do Brasil, começaria pelo começo: crônicas de Machado de Assis e obras de Rui Barbosa. Na área econômica, por um lado daria Celso Furtado e, por outro, Roberto Campos. Sobre a ditadura, o Trinta anos esta noite do Paulo Francis e as obras do Elio Gaspari, que fez um trabalho extenso, chato pra burro, mas válido. Deixo a molecada ler; se alguém desmaiar, eu tiro.

Já em política clássica, não tem como fugir de Hobbes, Locke e Maquiavel. Já Adam Smith, David Ricardo e Schumpeter entram, mas com moderação. Posso pensar em algo mais elaborado para Keynes e Hayek; e uma conversinha de leve sobre Marx e Mises. Talvez não doa muito.

Só me preocupo mesmo com minha inaptidão em matéria de poesia. Sei que precisaria apresentar aos meus filhos Fernando Pessoa, Keats, Baudelaire, Camões, Bocage, Milton, etc., mas não consigo me interessar minimamente por poesia. Ainda bem que ensinar poesia é coisa de mãe.

E artes plásticas também. Eu sou muito ruim neste troço. Tentei aprender alguma coisa lendo Civilização, de Kenneth Clark, e até aprendi alguma coisa sobre os clássicos da arquitetura, pintura e escultura, mas nada além de alguns nomes decorados. Li algumas coisas de John Ruskin no projeto Gutenberg, mas nada muito promissor, também.

Há alguns dias, tentei comprar um conjunto de ensaios sobre a arte norte-americana por John Updike, falando sobre Pollock e tal, mas venderam a última unidade na livraria e como o preço era bem salgado, eu deixei de lado. Me incomoda deixar estes buracos na educação dos meus filhos, mas espero pelo menos estimulá-los à cultura. Sei que com tudo isso talvez meus filhos ainda continuem ignorantes, mas certamente darei a base para que deixem de ser naquilo que mais lhes interessar.


Eduardo Mineo
São Paulo, 2/7/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Vocês, que não os verei mais de Elisa Andrade Buzzo
02. Escrever? Quantas linhas? de Ana Elisa Ribeiro
03. Se a literatura subisse o morro... de Marcelo Spalding
04. Namoro de portão de Verônica Mambrini
05. Solidariedade na colméia de Marcelo Barbão


Mais Eduardo Mineo
Mais Acessadas de Eduardo Mineo em 2007
01. O físico que era médico - 23/4/2007
02. A comédia de um solteiro - 3/12/2007
03. A propósito de Chapolin e Chaves - 24/9/2007
04. Eduardo Mineo, muito prazer - 9/4/2007
05. My fair opinion - 30/4/2007


Mais Especial O que ler
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
22/6/2007
17h00min
Como recém casado, sempre pensei nessas coisas também. Mas acho que a grande sacada é incentivar e deixar os pequenos livres pra escolher. Tive pais que me incentivaram a ler genericamente, sem necessariamente me empurrar um ou outro título. Fui atrás dos clássicos por minha própria curiosidade. Claro que uma biblioteca básica em casa só tem a ajudar (foi essencial encontrar aquele Poe empoeirado que minha mãe nunca leu na adolescência e descobrir sozinho um dos maiores autores de todos os tempos), assim como boa educação na tv. Ra Tim Bum, Beakman e X-Tudo só atiçaram minha curiosidade para coisas maiores. O Barney só prepara as crianças pra assistir Rebelde e ler Capricho anos depois.
[Leia outros Comentários de David Donato]
2/7/2007
14h39min
Mineo, poucos educadores teriam essa perspicácia. Os moleques iam adorar porque, afinal de contas, todos esses autores são muito mais moleques do que os educadores pensam... Quando eu era um deles (um moleque), assisti ao começo de incêndio na biblioteca do meu avô, ocasionado por um dos meus primos. A gente brincava lá, construindo fortes apache com os livros de Proust. Aprendi, nessa época, uma coisa fundamental sobre literatura: livros de poesia pegam fogo mais rápido, hahaha. O texto tá excelente, véio.
[Leia outros Comentários de Guga Schultze]
2/7/2007
17h28min
Muito legal, Mineo! Com certeza uma boa biblioteca e CDteca são convites diários para despertar a curiosidade da criançada. Mas não esqueça da Teletubbies curse (a maldição dos teletubbies)! hahaha
[Leia outros Comentários de Adriana Carvalho]
5/7/2007
08h31min
Fantasiei muito a educação que daria a um filho. Em primeiro lugar, abri temporariamente mão da minha carreira por 2 anos para ficar com a bambina. Só eu fazia as papinhas (a educação dos sabores). Como só escuto a rádio Cultura, desde bebê foi exposta ao erudito. Sempre li antes dela dormir, contos de fada e poesia. Além da minha biblioteca, teve a do avô. Aos quatro anos, primeira matinê no Municipal. Aos 7, o primeiro tour pelos museus do mundo. Mente ilustrada em um corpo bacana: no meio disso, idas a parques, natação, ballet etc. Ela ADORA futebol (joga inclusive), nunca se ligou em ler, não gosta de ir aos concertos (vai para me fazer companhia, é o que diz, ligando-se apenas nas óperas), mas parece ser muito feliz. Bem na pele dela. Um dia, com 10 anos, chamou-me para um "diálogo": - Mãe, nós somos muito diferentes. O que é importante para você não é para mim. (Percebi que eu não era Narciso, e ela, um reflexo no espelho.)
[Leia outros Comentários de eugenia]
9/7/2007
10h51min
Esse plano, sei não, Mineo, o moleque marcado pra ser seu filho deve estar rogando a Deus lá no céu: eu não, por favor, manda outro pra ele! E os outros: eu também não; nem eu; ó, Senhor, não olha pra mim. Mesmo que ele seja um garoto genial não vai gostar nem um pouco de toda essa programação prévia, não por traumatizar, seu receio é descabido (gênios, mesmo molequinhos, são fascinados por livros de mil e poucas páginas, nada de traumatizante, que é isso), mas porque estes costumam querer fazer suas próprias escolhas, refinar seus interesses por si mesmos, essa coisa toda que a gente não entende muito, só acha o máximo, ainda mais se o pirralho tem sangue nosso nas finas veias. Mas você tem razão, é preciso ensinar, orientar (há muito mito sobre gênios, superdotados) e a sua forma de apresentar o que devemos ler foi fantástica: criativa, interessante, bem humorada, com toda a humildade de um pai consciente de que ainda precisa aprender muito para poder vir a ter o filho dos sonhos.
[Leia outros Comentários de Cristina Sampaio]
28/7/2007
13h27min
Edu, gostei do texto, mas não concordo com algumas colocações acima. Acho mais válido equipar sua biblioteca e deixar bons títulos à disposição, do que impor leituras. Lembro-me que minha mãe tinha uma boa estratégia. Quando ela queria que lêssemos alguma coisa, ela deixava livros espalhados estrategicamente pela casa. Uma hora ou outra, eu e meus irmãos sempre dávamos uma olhada, no mínimo.
[Leia outros Comentários de Diogo Salles]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




FINANÇAS FEMININAS
CAROLINA RUHMAN
BENVIRA
(2015)
R$ 11,90



NOSSO LAR
FRANCISCO CÂNDIDO XAVIER - EMMANUEL
FEB
(2001)
R$ 5,20



A MAIOR PAIXÃO DO MUNDO, A HISTORIA DA FREIRA MARIANA ALCOFORADO
MYRIAM CYR
CASA DA PALAVRA
(2007)
R$ 25,28



JAPA MEDITAÇÃO COM MANTRA
SWAMI DAYANANDA SARASWATI
VIDYA-MANDIR
(1998)
R$ 78,00
+ frete grátis



A NEUROSE OBSESSIVA SOB A ÓTICA DE MELANIE KLEIN
MARCOS L. KLIPAN
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 391,00



A ILHA DAS COBRAS
M. C. SILVA
BRASIL
(1985)
R$ 4,00



TUDO TEM UMA PRIMEIRA VEZ
VITORIA MORAES
INTRINSECA
(2016)
R$ 21,87



CANCÃO DE FOGO
IRANI MEDEIROS
SEBO VERMELHO
(2018)
R$ 30,00



ESTADO, GLOBALIZAÇÃO E INTEGRAÇÃO REGIONAL
LIER PIRES FERREIRA JUNIOR
AMÉRICA JURÍDICA
(2003)
R$ 10,00



COBRA MY PASSION
JENS OLESEN
JENS OLESEN
(1999)
R$ 120,00
+ frete grátis





busca | avançada
31843 visitas/dia
1,0 milhão/mês