A propósito de Chapolin e Chaves | Eduardo Mineo | Digestivo Cultural

busca | avançada
55373 visitas/dia
2,0 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Unil oferece abordagem diferenciada da gramática a preparadores e revisores de texto
>>> Conversas no MAB com Sergio Vidal e Ana Paula Lopes
>>> Escola francesa de Design, Artes e Comunicação Visual inaugura campus em São Paulo
>>> TEATRO & PODCAST_'Acervo e Memória', do Célia Helena, relembra entrevista com Nydia Licia_
>>> Projeto Cultural Samba do Caxinha cria arrecadação virtual para gravação de seu primeiro EP
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Aos nossos olhos (e aos de Ernesto)
>>> Carol Sanches, poesia na ratoeira do mundo
>>> O fim dos livros físicos?
>>> A sujeira embaixo do tapete
>>> Moro no Morumbi, mas voto em Moema
>>> É breve a rosa alvorada
>>> Alameda de água e lava
>>> Entrevista: o músico-compositor Livio Tragtenberg
>>> Cabelo, cabeleira
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
Colunistas
Últimos Posts
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
Últimos Posts
>>> O poder da história
>>> Caraminholas
>>> ETC. E TAL
>>> Acalanto para a alma
>>> Desde que o mundo é mundo
>>> O velho suborno
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O do contra
>>> American Dream
>>> Todas as Tardes, Escondido, Eu a Contemplo
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II
>>> Delicado, vulnerável, sensível
>>> De Kooning em retrospectiva
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> Aquele apoio
>>> A forca de cascavel — Angústia (Fuvest)
Mais Recentes
>>> Os Bons e os Justos de Lourenço Cazarré pela Mercado Aberto (1993)
>>> Clebynho - O Babalorixá Aprendiz de Leandro Müller pela Pallas (2010)
>>> As Maluquices do Imperador de Paulo Setúbal pela Nacional (1983)
>>> A Felicidade é Fácil de Edney Silvestre pela Record (2011)
>>> Contos. Porque Conto - autografado de Públio José pela Do autor (2009)
>>> Paratii: entre dois pólos de Amyr Klink pela Companhia da Letras (1992)
>>> É Possível Salvar a Europa? de Thomas Piketty pela Intrínseca (2015)
>>> Pensão Riso da Noite de José Condé pela José Olympio / Civilização Brasileira / Três (1973)
>>> O Caminho Para O Céu: Livro II das Crônicas da Terra de Zecharia Sitchin pela Madras (2014)
>>> Ioiô Pequeno da Várzea Nova de Mario Leônidas Casanova pela Clube do Livro (1979)
>>> O Papa e Mussolini. A Conexão Secreta Entre Pio XI e a Ascensão do Fascismo na Europa de David I. Kertzer pela Intrínseca (2017)
>>> Entrevero de Vários Autores pela L&PM / Mpm
>>> Pesquisa FAPESP Nº 265 de Diversos Autores pela Fapesp (2018)
>>> O Longo Adeus a Pinochet de Ariel Dorfman pela Companhia das Letras (2003)
>>> Contos de Voltaire pela Nova Cultural (2002)
>>> Pesquisa FAPESP Nº 263 de Diversos Autores pela Fapesp (2018)
>>> Divina Comédia - Coleção A Obra-Prima de Cada Autor, Série Ouro de Dante Alighieri pela Martin Claret (2002)
>>> Babbitt de Sinclair Lewis pela Nova Cultural (2002)
>>> Pesquisa FAPESP Nº 261 de Diversos Autores pela Fapesp (2017)
>>> Ana Karênina de Tolstói pela Nova Cultural (2002)
>>> Havia Gigantes Na Terra de Zecharia Sitchin pela Madras (2014)
>>> Pesquisa FAPESP Nº 260 de Diversos Autores pela Fapesp (2017)
>>> Divergente de Veronica Roth pela Rocco (2012)
>>> A Divina Comédia de Dante pela Nova Cultural (2002)
>>> Xeque E Mate - Xadrez Sem Mistério E Com Muito Suspense de Gilberto Milos Júnior & Davy D'Israel pela Adonis (2000)
>>> Rock Jazz Bossa Poética de João Dutra pela Do Autor (2014)
>>> Os Melhores Poemas de Mário de Andrade de Gilda de Mello e Souza pela Globo (1993)
>>> Revista Internacional de Espiritismo - RIE, Ano LXXV, Número 07, Agosto de Vários Colaboradores pela O Clarim (2000)
>>> Antes Que a Saudade Chegue de Sady Figueira pela Evangraf (2001)
>>> A Gata do Rio Nilo de Lia Neiva pela José Olympio (1999)
>>> Convergente de Veronica Roth pela Rocco (2014)
>>> III Prêmio Proex/UFPA de Literatura - Antologia Poesias, Crônicas e Contos de Vários Autores pela Ufpa (2013)
>>> Revista Galileu, Ano 12, Número 154, Maio de Vários Colaboradores pela Globo (2004)
>>> Quinze Anos (A Juventude Como Ela É) de Carlos Heitor Cony pela Tecno Print (1973)
>>> Fazendo meu filme 3 - Roteiro Inesperado de Fani de Paula Pimenta pela Gutenberg (2013)
>>> Revista Força Aérea Nº 05 de Diversos Autores pela Action (1996)
>>> Histórias Extraordinárias de Edgar Allan Poe pela Nova Cultural (2003)
>>> Revista Força Aérea Nº 03 de Diversos Autores pela Action (1996)
>>> Mulherzinhas de Louisa May Alcott pela Nova Cultural (2003)
>>> Decamerão de Boccaccio pela NOVA Culltural (2003)
>>> Historia Da Filosofia- Os Pensadores de Bernadette Siqueira abrão pela Nova cultural (2004)
>>> Revista Força Aérea Nº 49 de Diversos Autores pela Action (2007)
>>> Os Trabalhadores do Mar de Victor Hugo pela Nova Cultural (2002)
>>> Os Pensadores Husserl de Abril Cultural pela Abril Cultural (1980)
>>> Revista Força Aérea Nº 45 de Diversos Autores pela Action (2006)
>>> A Mulher de Trinta Anos de Balzac pela Nova Cultural (2003)
>>> Transformação Social da Humanidade de Samael Aun Weor pela Gnose (1986)
>>> Revista Força Aérea Nº Especial 01 de Diversos Autores pela Action (2003)
>>> Os Sertões de Euclides da Cunha pela Nova Cultural (2002)
>>> O Último Czar: a Vida e a Morte de Nicolau II de Edvard Radzinsky pela Best Seller (1992)
COLUNAS

Segunda-feira, 24/9/2007
A propósito de Chapolin e Chaves
Eduardo Mineo

+ de 8400 Acessos
+ 11 Comentário(s)

Roberto Bolaños, pra mim, é gênio. Concluí isto pela primeira vez com uns quinze anos, o que provavelmente significa que eu tenha concluído errado, que é o que pessoas de quinze anos fazem, concluir errado, mas acho que sim: ele é gênio. E sinto pena dele por isto. Sempre tive receio em ser gênio - graças a Deus sou meio lerdão - porque você fica a todo instante susceptível ao terrível risco de fazer algo tão bom, mas tão bom, que até as pessoas de mau gosto gostarão. Penso em Strauss com amarga compaixão, imaginando quantos casamentos bregas tocaram suas músicas nos momentos mais ridículos da existência humana. Decididamente, não sei o que motivaria um gênio quando se sabe que sua obra pode acabar requebrando numa colação de grau da PUC. Como se motivar diante de uma tragédia como esta? Nada pior para o sublime que uma colação de grau da PUC! Mas, em todos os casos, Roberto Bolaños é gênio, sim.

Não é a toa que seu apelido é Chespirito, uma alusão meio óbvia a Shakespeare e óbvia e meia a um gênio. Daí não posso concluir diretamente que Bolaños é gênio, claro, mas me parece uma boa indicação, não? O mais difícil em convencer sobre a genialidade de Bolaños é que todo mundo, até quem sabe que ele é gênio, assiste seus programas como se fossem apenas uma série precária de mexicanos atrapalhados, que é verdade, mas não é apenas isto. Tente reparar um pouco mais, dê-lhe um pouco mais de crédito porque há genialidade escondida ali. Em uma frase solta, em uma resposta atravessada, em uma careta. E, além do mais, é um troço cheio de referências, de fundamentos, que quase ninguém repara. Eu mesmo nunca havia reparado.

Fazia meses que não assistia televisão aberta - ó, doces meses sem televisão aberta -, até que o flagrei fazendo uma adaptação da vida de Chopin num episódio da série Chapolin. Ok, era um Chopin que trocava o charuto pela caneta, mas era Chopin! Numa atuação toda dramática, como o próprio Chopin, mas engraçadíssima. Não sou um especialista em Chopin, mas conheço razoavelmente suas études, estudos de piano tensos, rápidos e, óbvio, dramáticos; e sei como Chopin é exigente, difícil de gostar. Não é qualquer um que consegue lidar com as músicas de Chopin e, mesmo assim, ele conseguiu fazer de Chopin alguém por quem o público infantil pudesse criar algum interesse. Imagine um programa infantil hoje em dia falando sobre Chopin. Não sei se funcionou bem, ou se funcionou de alguma forma, mas só a tentativa que ele fez já é louvável. Eu mesmo não tenho muita paciência para Chopin. Até Beethoven me incomoda de vez em quando. Sou devoto a tudo que Beethoven escreveu, principalmente às suas quatro primeiras sinfonias, mas é como Paulo Francis escreveu: às vezes faz muito barulho. O que não acontece com Mozart, por exemplo, que só nos pede um pouco de atenção. Preste atenção em Mozart e ele te conquista. É provavelmente o que Bolaños também nos pede.

Bolaños adaptou também My fair lady para a série Chapolin, o musical da Broadway baseado na peça de Bernard Shaw. No YouTube, é possível até mesmo assistir uma versão comparada com a adaptação de Hollywood. Vejam só, uma das peças mais delicadas, mais belas, sendo apresentada para crianças. Aliás, não duvido que Matt Groening, dos Simpsons, tenha buscado em Chapolin este costume de utilizar os mesmos atores para adaptar várias histórias, como fez na adaptação do filme Amadeus de Milos Forman com Bart interpretando Mozart e a Lisa interpretando Antonio Salieri. A Disney também fazia isto, mas creio que a influência de Bolaños seja mais direta em Groening. A prova é o personagem Abelhão, um mexicano vestido numa fantasia de abelha semelhante à do Chapolin, por causa das antenas e tal. Está lá para quem quiser ver.

E episódios sobre Cleópatra foram vários também. Praticamente uma releitura bem humorada das obras de Plutarco, o biógrafo grego, num jeito mais eficiente que qualquer tentativa pedagógica que tive nos colégios onde estudei. Só algumas simples menções que escutei nos episódios que assisti prestando atenção já valeriam mais que todo o ensino médio em muitas instituições por aí, como quando o Quico fala na Dança das horas de Tchaikovsky. Se aparecessem outros vinte Bolaños, provavelmente não teríamos mais analfabetismo, dengue ou assinantes da Caros Amigos.

Chaves é essencialmente Charles Dickens. É Oliver Twist, especificamente. Não vejo outra referência tão marcante para Chaves quanto Dickens e aquela coisa toda da criança órfã lidando com a pobreza. Dickens tratou mais a questão da revolução industrial e a exploração da mão de obra infantil, etc., etc., que não aparecem em Chaves, mas o resto está todo ali. Até os atores que acompanham Bolaños me parecem extremamente influenciados pela atuação de W.C.Fields numa adaptação de 1935 do romance David Copperfield de Dickens. As expressões, as caretas, tudo, são fantásticas; tanto em Fields quanto nos mexicanos. E tudo me parece sempre muito genial. Os diálogos, as atuações, os temas, etc. Posso estar verdadeiramente errado, posso não ter sido exatamente persuasivo, mas Bolaños me parece ter tudo que é necessário para ser um gênio.


Eduardo Mineo
São Paulo, 24/9/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Mãe, lê pra mim? de Ana Elisa Ribeiro
02. A felicidade não se compra de Clarissa Kuschnir


Mais Eduardo Mineo
Mais Acessadas de Eduardo Mineo em 2007
01. O físico que era médico - 23/4/2007
02. A comédia de um solteiro - 3/12/2007
03. A propósito de Chapolin e Chaves - 24/9/2007
04. Eduardo Mineo, muito prazer - 9/4/2007
05. My fair opinion - 30/4/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
21/9/2007
15h56min
Bach, Les Miserables e estou com uma preguiça desgraçada de desenvolver qualquer raciocínio, porque acabei de devorar um filé à parmigiana.
[Leia outros Comentários de mauro]
24/9/2007
12h17min
Mineo, concordo muito com você! Chapolin, especialmente, está recheado de referências riquíssimas, mais que muitas séries educativas. Lembro de epsódios fantásticos: a paródia de Dom Quixote de La Mancha; Carlitos; o Gordo e o Magro; Tio Sam; até os mitos regionais, como o "Abominável Homem das Neves", estão em Chapolin. Aprendi muito com ele, sem dúvida. Ótimas lembranças nesse texto, muito bom! :)
[Leia outros Comentários de Tais]
24/9/2007
12h25min
Realmente, Chapolin e Chaves são toscos, mas de certa forma, genuínos. Não gostava de Chaves em virtude do viés ideológico marxista explícito. Já o Chapolim era uma mistura de referências que me lembrava um pouco o Sandman, sem pé nem cabeça, mas com uma pitada de humor carismático latino. Eu sempre assistia durante o almoço, depois do programa de futebol, quando voltava da escola...
[Leia outros Comentários de Vicente Escudero]
24/9/2007
12h41min
O seu texto, embora meio forçado em algumas partes, me abriu novas percepções a respeito de Chaves e outras coisitas mais. Vou tentar assistir com mais cuidado e procurar enxergar aspectos que não tinha percebido. Abraço.
[Leia outros Comentários de Adriana Godoy]
25/9/2007
11h57min
Pode até ser uma referência, sem dúvida, mas somente para os que já conhecem os citados em seu texto. A maioria das crianças que assistem ao Chaves ou Chapolin são de classe baixa e, caso apareça uma referência sobre Chopin, tanto faz. Apenas os mais letrados perceberão tais influências e garanto que são poucos os que assistem este programa. Não conheço muito bem a vida de Roberto Bolaños, mas não sei se poderia compará-lo ao Charles Dickens, pois são bem distintos, tanto em época quanto em obras produzidas. Mas esta é minha opinião; respeito tanto a sua como as dos outros colegas, afinal, cada um tem uma visão diferente de mundo. Abraço.
[Leia outros Comentários de Edward L. Riciastro]
27/9/2007
00h10min
Chaves era campeão de audiência na época da ditadura do México. Era acusado pela população de ser era contra o estado autoritário e de emburrecer a população. Não duvido, mas aqui no Brasil, obviamente, não víamos isso. Paricularmente, eu rolei de rir várias vezes com ele. Abraço.
[Leia outros Comentários de André Pires]
5/10/2007
10h55min
Já virou clichê do pessoal que escreve sobre Chaves dar aulas de cultura geral, esbanjando inteligência. Isso me irrita. A genialidade de Bolaños fala por si só, não é necessário falar em Dickens, Mozart, Beethoven. Sinto que as pessoas que gostam de Chaves têm necessidade de vincular esse gosto a uma apurada cultura geral, para, inconscientemente, dizerem "apesar de gostar de Chaves, sou inteligente". Me perdoem pela crítica áspera.
[Leia outros Comentários de Felipe Araujo]
5/10/2007
17h45min
Excelente texto! Bolaños de fato é um gênio artístico, que viaja tanto pela TV, como teatro, poesia, cinema, pintura e tantos outros. Não concordo com alguns comentários acima, em específico o que declara que o seriado Chaves é marxista. Além disso, o seriado não é assistido apenas pelas classes baixas. Mais de 25% da audiência é composta por pessoas das classes A e B.
[Leia outros Comentários de Antonio Felipe]
9/10/2007
20h34min
Dificilmente faço críticas "negativas" aqui, mas acho que elas nos ajudam a rever alguns pontos. O texto está bem escrito, a relação com os autores é boa, mas, primeiro, não traz nada de tão novo sobre Bolaños a não ser que é "gênio" — um conceito discutível. Segundo, há muito preconceito aí. Deixa o pessoal do interior dançar Strauss em seu casamento, o que há de brega nisso? Para muitas pessoas, é o momento mais especial da vida, não há nada de brega, errado ou feio — se há, é em achar isso brega. Também achei exagerado "momentos mais ridículos" da existência humana. E nunca assinei nem leio Caros Amigos, devido a seu excesso de partidarismo. Mas a crítica a ela, no meio de um texto como este, é desnecessária. Tenho amigos que lêem Caros Amigos e são fãs de Chaves sem, necessariamente, serem deste ou daquele partido ou ideologia. Bolanõs é um artista excelente e sua arte (ou seja, a Arte) não precisa vir acompanhada de julgamentos de valor pessoais. Abraço e até a próxima!
[Leia outros Comentários de Rogério Kreidlow]
9/10/2007
20h37min
Só uma consideração ao comentário anterior. Assim que postei, fiquei pensando... o mais justo seria "Mais arte, menos partidarismo" para o título do comentário. Porque a Política sempre foi, é e será necessária para nossa vida. O problema, na verdade, é o descaso com que se trata ela, seja por indiferença, seja por excesso de interesses privados em detrimento de interesses públicos. Era só esta correção: "Mais arte, menos partidarismo". Abraços
[Leia outros Comentários de Rogério Kreidlow]
10/10/2007
01h30min
Escrevi em 2006 um artigo comparando o humor de Bolaños e Renato Aragão, tomando como base as séries televisivas que estrelaram. Foi um ensaio onde eu tentei explicar o eterno sucesso de Chaves e Chapolin, por seguidas gerações com os mesmos episódios. Vendo esse seu artigo, confesso que fico tentado a ressuscitar meu escrito e publicar no blog que hoje edito.
[Leia outros Comentários de Sergio Grigoletto]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A IGREJA ELEITA
DOUGLAS BAPTISTA
CPAD
(2020)
R$ 10,00



O QUE É POLITICA NUCLEAR
RICARDO ARNT
BRASILENSE
(1985)
R$ 6,90



X-MEN GIANT SIZE
STAN LEE + LEN WEIN & DAVE COCKRUM
MARVEL GROUP
(1991)
R$ 40,00



A DIETA DE SOUTH BEACH
ARTHUR AGATSTON
SEXTANTE
(2003)
R$ 5,00



ROSA DAS AMÉRICAS
VICENTE DE ANDRADE PELUSO
SALESIANA
(1988)
R$ 5,00



FILOSOFIA POR UMA INTELIGÊNCIA DA COMPLEXIDADE
CELITO MEIER
PAZ
(2015)
R$ 14,90



CRIME EM AMESTERDÃO
NICOLAS FRELING
LIVROS DO BRASIL
(1963)
R$ 14,00



O PACIENTE INGLÊS
MICHAEL ONDAATJE
34
(1994)
R$ 7,00



O MENINO QUE VIROU GENTE
MANOEL FIRMATO DE ALMEIDA
PRODUÇÃO INDEPENDENTE
R$ 34,90



SOBRE A AMIZADE E OUTROS DIÁLOGOS
JORGE LUIS BORGES / OSVALDO FERRARI
HEDRA
(2009)
R$ 18,00





busca | avançada
55373 visitas/dia
2,0 milhões/mês