A propósito de Chapolin e Chaves | Eduardo Mineo | Digestivo Cultural

busca | avançada
83024 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Nó na Garganta narra histórias das rodas de choro brasileiras
>>> TODAS AS CRIANÇAS NA RODA: CONVERSAS SOBRE O BRINCAR
>>> Receitas com carne suína para o Dia dos Pais
>>> Selo Anonimato Records chega ao mercado fonográfico em agosto
>>> Última semana! Peça “O Cão de Kafka” fica em cartaz até 1º de agosto
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Deep Purple em Nova York (1973)
>>> Blue Origin's First Human Flight
>>> As últimas do impeachment
>>> Uma Prévia de Get Back
>>> A São Paulo do 'Não Pode'
>>> Humberto Werneck por Pedro Herz
>>> Raquel Cozer por Pedro Herz
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
Últimos Posts
>>> Renda Extra - Invenção de Vigaristas ou Resultado
>>> Triste, cruel e real
>>> Urgências
>>> Ao meu neto 1 ano: Samuel "Seu Nome é Deus"
>>> Rogai por nós
>>> Na cacimba do riacho
>>> Quando vem a chuva
>>> O tempo e o vento
>>> “Conselheiro do Sertão” no fim de semana
>>> 1000 Vezes MasterChef e Nenhuma Mestres do Sabor
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Delírio eleitoral gratuito
>>> Minha história com Guimarães Rosa
>>> Abismos literários
>>> 18 de Agosto #digestivo10anos
>>> Amor platônico
>>> 80 (Melhores) Blogs na Época
>>> Nordeste Oriental
>>> Entrevista com Flávia Rocha
>>> Clint: legado de tolerância
Mais Recentes
>>> Autografado - Somos os Mortos (novela) 2ª Edição de Dirceu Quintanilha pela Fontana (1980)
>>> Fundamentación Egológica de La Teoria General del Derecho de Antonio Luiz Machado Neto pela Universitária Buenos Aires (1974)
>>> Sentença e Coisa Julgada: Exegese do Código de P C Arts 444 - 445 de Egas Moniz de Aragão pela Aide (1992)
>>> O Desenvolvimento da Criança e do Adolescente Segundo Piaget de Anália Rodrigues de Faria pela Ática (1989)
>>> Repensando a Leitura na Escola: um Outro Mosaico de Maurício da Silva pela Eduff (1995)
>>> O Livro do Seminário: Ensaios - Bienal Nestlé de Literatura Brasileira de Santanna; Nunes; Lucas; César; Barbosa; Merquior pela L R Editores (1983)
>>> Os Universos da Crítica: Paradigmas nos Estudos Literários de Eduardo Prado Coelho pela Edições 70 (1987)
>>> A Correspondência de Fradique Mendes (de Acordo Com a Primeira Edição) de Eça de Queiroz pela Livros do Brasil
>>> O Pêndulo de Foucault 6ª Edição (volume Único) de Umberto Eco pela Record (1995)
>>> Tempos da Literatura Brasileira - Série Princípios 3ª Edição de Benjamin Abdala Junior; Samira Youssef Campedelli pela Ática (1990)
>>> You are a Bad Ass (manchas de Umidade) de Jen Sincero pela Running Press (2013)
>>> I Encontro de Professores de Literaturas Africanas de Língua Portugues de Pós-graduação Em Letras da Uff (anais) pela Uff (1991)
>>> Poesia Erótica e Satírica: a Orgia dos Duendes Elixir do Pajé de Bernardo Guimarães (organização de Duda Machado) pela Imago (1992)
>>> O País de Bissalanka - Poema - Colecção Vozes do Mundo de Costa Andrade pela Sá da Costa (1980)
>>> Novas Lições de Análise Sintática - Série Princípios 6ª Edição de Adriano da Gama Kury pela Ática (1993)
>>> Problemas de Linguística Descritiva 16ª Edição de Joaquim Mattoso Camara Jr pela Vozes (1997)
>>> Estrutura da Língua Portuguesa 26ª Edição de Joaquim Mattoso Camara Jr pela Vozes (1997)
>>> Oralidades & Escritas Nas Literaturas Africanas de Ana Mafalda Leite pela Colibri (1998)
>>> Autismo: Um Olhar Por Inteiro de Varios Autores pela Literare Books (2021)
>>> Refém do Medo de Suzana Lyra pela Literare Books (2021)
>>> O segredo da mentalidade judaica de Rabino Dor Leon Attar pela Literare Books (2021)
>>> Valida-te de Tatiane de Sá Manduca pela Literare Books (2021)
>>> A Mamãe coaching de Iara Mastine pela Literare Books (2018)
>>> Comunicação Assertiva de Varios Autores pela Literare Books (2021)
>>> Bíblia Sagrada Nova Versão Transformadora de Equipe Nvt pela Mundo Cristão (2016)
COLUNAS

Segunda-feira, 24/9/2007
A propósito de Chapolin e Chaves
Eduardo Mineo

+ de 8800 Acessos
+ 11 Comentário(s)

Roberto Bolaños, pra mim, é gênio. Concluí isto pela primeira vez com uns quinze anos, o que provavelmente significa que eu tenha concluído errado, que é o que pessoas de quinze anos fazem, concluir errado, mas acho que sim: ele é gênio. E sinto pena dele por isto. Sempre tive receio em ser gênio - graças a Deus sou meio lerdão - porque você fica a todo instante susceptível ao terrível risco de fazer algo tão bom, mas tão bom, que até as pessoas de mau gosto gostarão. Penso em Strauss com amarga compaixão, imaginando quantos casamentos bregas tocaram suas músicas nos momentos mais ridículos da existência humana. Decididamente, não sei o que motivaria um gênio quando se sabe que sua obra pode acabar requebrando numa colação de grau da PUC. Como se motivar diante de uma tragédia como esta? Nada pior para o sublime que uma colação de grau da PUC! Mas, em todos os casos, Roberto Bolaños é gênio, sim.

Não é a toa que seu apelido é Chespirito, uma alusão meio óbvia a Shakespeare e óbvia e meia a um gênio. Daí não posso concluir diretamente que Bolaños é gênio, claro, mas me parece uma boa indicação, não? O mais difícil em convencer sobre a genialidade de Bolaños é que todo mundo, até quem sabe que ele é gênio, assiste seus programas como se fossem apenas uma série precária de mexicanos atrapalhados, que é verdade, mas não é apenas isto. Tente reparar um pouco mais, dê-lhe um pouco mais de crédito porque há genialidade escondida ali. Em uma frase solta, em uma resposta atravessada, em uma careta. E, além do mais, é um troço cheio de referências, de fundamentos, que quase ninguém repara. Eu mesmo nunca havia reparado.

Fazia meses que não assistia televisão aberta - ó, doces meses sem televisão aberta -, até que o flagrei fazendo uma adaptação da vida de Chopin num episódio da série Chapolin. Ok, era um Chopin que trocava o charuto pela caneta, mas era Chopin! Numa atuação toda dramática, como o próprio Chopin, mas engraçadíssima. Não sou um especialista em Chopin, mas conheço razoavelmente suas études, estudos de piano tensos, rápidos e, óbvio, dramáticos; e sei como Chopin é exigente, difícil de gostar. Não é qualquer um que consegue lidar com as músicas de Chopin e, mesmo assim, ele conseguiu fazer de Chopin alguém por quem o público infantil pudesse criar algum interesse. Imagine um programa infantil hoje em dia falando sobre Chopin. Não sei se funcionou bem, ou se funcionou de alguma forma, mas só a tentativa que ele fez já é louvável. Eu mesmo não tenho muita paciência para Chopin. Até Beethoven me incomoda de vez em quando. Sou devoto a tudo que Beethoven escreveu, principalmente às suas quatro primeiras sinfonias, mas é como Paulo Francis escreveu: às vezes faz muito barulho. O que não acontece com Mozart, por exemplo, que só nos pede um pouco de atenção. Preste atenção em Mozart e ele te conquista. É provavelmente o que Bolaños também nos pede.

Bolaños adaptou também My fair lady para a série Chapolin, o musical da Broadway baseado na peça de Bernard Shaw. No YouTube, é possível até mesmo assistir uma versão comparada com a adaptação de Hollywood. Vejam só, uma das peças mais delicadas, mais belas, sendo apresentada para crianças. Aliás, não duvido que Matt Groening, dos Simpsons, tenha buscado em Chapolin este costume de utilizar os mesmos atores para adaptar várias histórias, como fez na adaptação do filme Amadeus de Milos Forman com Bart interpretando Mozart e a Lisa interpretando Antonio Salieri. A Disney também fazia isto, mas creio que a influência de Bolaños seja mais direta em Groening. A prova é o personagem Abelhão, um mexicano vestido numa fantasia de abelha semelhante à do Chapolin, por causa das antenas e tal. Está lá para quem quiser ver.

E episódios sobre Cleópatra foram vários também. Praticamente uma releitura bem humorada das obras de Plutarco, o biógrafo grego, num jeito mais eficiente que qualquer tentativa pedagógica que tive nos colégios onde estudei. Só algumas simples menções que escutei nos episódios que assisti prestando atenção já valeriam mais que todo o ensino médio em muitas instituições por aí, como quando o Quico fala na Dança das horas de Tchaikovsky. Se aparecessem outros vinte Bolaños, provavelmente não teríamos mais analfabetismo, dengue ou assinantes da Caros Amigos.

Chaves é essencialmente Charles Dickens. É Oliver Twist, especificamente. Não vejo outra referência tão marcante para Chaves quanto Dickens e aquela coisa toda da criança órfã lidando com a pobreza. Dickens tratou mais a questão da revolução industrial e a exploração da mão de obra infantil, etc., etc., que não aparecem em Chaves, mas o resto está todo ali. Até os atores que acompanham Bolaños me parecem extremamente influenciados pela atuação de W.C.Fields numa adaptação de 1935 do romance David Copperfield de Dickens. As expressões, as caretas, tudo, são fantásticas; tanto em Fields quanto nos mexicanos. E tudo me parece sempre muito genial. Os diálogos, as atuações, os temas, etc. Posso estar verdadeiramente errado, posso não ter sido exatamente persuasivo, mas Bolaños me parece ter tudo que é necessário para ser um gênio.


Eduardo Mineo
São Paulo, 24/9/2007


Mais Eduardo Mineo
Mais Acessadas de Eduardo Mineo em 2007
01. O físico que era médico - 23/4/2007
02. A comédia de um solteiro - 3/12/2007
03. A propósito de Chapolin e Chaves - 24/9/2007
04. Eduardo Mineo, muito prazer - 9/4/2007
05. Um plano - 2/7/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
21/9/2007
15h56min
Bach, Les Miserables e estou com uma preguiça desgraçada de desenvolver qualquer raciocínio, porque acabei de devorar um filé à parmigiana.
[Leia outros Comentários de mauro]
24/9/2007
12h17min
Mineo, concordo muito com você! Chapolin, especialmente, está recheado de referências riquíssimas, mais que muitas séries educativas. Lembro de epsódios fantásticos: a paródia de Dom Quixote de La Mancha; Carlitos; o Gordo e o Magro; Tio Sam; até os mitos regionais, como o "Abominável Homem das Neves", estão em Chapolin. Aprendi muito com ele, sem dúvida. Ótimas lembranças nesse texto, muito bom! :)
[Leia outros Comentários de Tais]
24/9/2007
12h25min
Realmente, Chapolin e Chaves são toscos, mas de certa forma, genuínos. Não gostava de Chaves em virtude do viés ideológico marxista explícito. Já o Chapolim era uma mistura de referências que me lembrava um pouco o Sandman, sem pé nem cabeça, mas com uma pitada de humor carismático latino. Eu sempre assistia durante o almoço, depois do programa de futebol, quando voltava da escola...
[Leia outros Comentários de Vicente Escudero]
24/9/2007
12h41min
O seu texto, embora meio forçado em algumas partes, me abriu novas percepções a respeito de Chaves e outras coisitas mais. Vou tentar assistir com mais cuidado e procurar enxergar aspectos que não tinha percebido. Abraço.
[Leia outros Comentários de Adriana Godoy]
25/9/2007
11h57min
Pode até ser uma referência, sem dúvida, mas somente para os que já conhecem os citados em seu texto. A maioria das crianças que assistem ao Chaves ou Chapolin são de classe baixa e, caso apareça uma referência sobre Chopin, tanto faz. Apenas os mais letrados perceberão tais influências e garanto que são poucos os que assistem este programa. Não conheço muito bem a vida de Roberto Bolaños, mas não sei se poderia compará-lo ao Charles Dickens, pois são bem distintos, tanto em época quanto em obras produzidas. Mas esta é minha opinião; respeito tanto a sua como as dos outros colegas, afinal, cada um tem uma visão diferente de mundo. Abraço.
[Leia outros Comentários de Edward L. Riciastro]
27/9/2007
00h10min
Chaves era campeão de audiência na época da ditadura do México. Era acusado pela população de ser era contra o estado autoritário e de emburrecer a população. Não duvido, mas aqui no Brasil, obviamente, não víamos isso. Paricularmente, eu rolei de rir várias vezes com ele. Abraço.
[Leia outros Comentários de André Pires]
5/10/2007
10h55min
Já virou clichê do pessoal que escreve sobre Chaves dar aulas de cultura geral, esbanjando inteligência. Isso me irrita. A genialidade de Bolaños fala por si só, não é necessário falar em Dickens, Mozart, Beethoven. Sinto que as pessoas que gostam de Chaves têm necessidade de vincular esse gosto a uma apurada cultura geral, para, inconscientemente, dizerem "apesar de gostar de Chaves, sou inteligente". Me perdoem pela crítica áspera.
[Leia outros Comentários de Felipe Araujo]
5/10/2007
17h45min
Excelente texto! Bolaños de fato é um gênio artístico, que viaja tanto pela TV, como teatro, poesia, cinema, pintura e tantos outros. Não concordo com alguns comentários acima, em específico o que declara que o seriado Chaves é marxista. Além disso, o seriado não é assistido apenas pelas classes baixas. Mais de 25% da audiência é composta por pessoas das classes A e B.
[Leia outros Comentários de Antonio Felipe]
9/10/2007
20h34min
Dificilmente faço críticas "negativas" aqui, mas acho que elas nos ajudam a rever alguns pontos. O texto está bem escrito, a relação com os autores é boa, mas, primeiro, não traz nada de tão novo sobre Bolaños a não ser que é "gênio" — um conceito discutível. Segundo, há muito preconceito aí. Deixa o pessoal do interior dançar Strauss em seu casamento, o que há de brega nisso? Para muitas pessoas, é o momento mais especial da vida, não há nada de brega, errado ou feio — se há, é em achar isso brega. Também achei exagerado "momentos mais ridículos" da existência humana. E nunca assinei nem leio Caros Amigos, devido a seu excesso de partidarismo. Mas a crítica a ela, no meio de um texto como este, é desnecessária. Tenho amigos que lêem Caros Amigos e são fãs de Chaves sem, necessariamente, serem deste ou daquele partido ou ideologia. Bolanõs é um artista excelente e sua arte (ou seja, a Arte) não precisa vir acompanhada de julgamentos de valor pessoais. Abraço e até a próxima!
[Leia outros Comentários de Rogério Kreidlow]
9/10/2007
20h37min
Só uma consideração ao comentário anterior. Assim que postei, fiquei pensando... o mais justo seria "Mais arte, menos partidarismo" para o título do comentário. Porque a Política sempre foi, é e será necessária para nossa vida. O problema, na verdade, é o descaso com que se trata ela, seja por indiferença, seja por excesso de interesses privados em detrimento de interesses públicos. Era só esta correção: "Mais arte, menos partidarismo". Abraços
[Leia outros Comentários de Rogério Kreidlow]
10/10/2007
01h30min
Escrevi em 2006 um artigo comparando o humor de Bolaños e Renato Aragão, tomando como base as séries televisivas que estrelaram. Foi um ensaio onde eu tentei explicar o eterno sucesso de Chaves e Chapolin, por seguidas gerações com os mesmos episódios. Vendo esse seu artigo, confesso que fico tentado a ressuscitar meu escrito e publicar no blog que hoje edito.
[Leia outros Comentários de Sergio Grigoletto]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A História do Ventríloquo
Pauline Melville
Companhia das Letras
(1999)



Curso de Direito do Serviço Social - 7ª Edição Biblioteca Básica
Carlos Simões
Cortez
(2014)



Positivismo Jurídico – Lições de Filosofia do Direito - 1ª Edição
Norberto Bobbio
Ícone
(1995)



Casamento , Término & Reconstrução - 8ª Ed - Revista e Atualizada
Maria Tereza Maldonado
Integrare
(2009)



Crepusculo dos Idolos Ou Como Se Filosofa Com o Martelo
Friedrich Nietzsche
Vozes
(2014)



Cem Cartas sem Fernando
Sônia Carneiro Leão
Tiprogresso
(2015)



Civil e Empresarial 4 Em 1
Editora Saraiva
Saraiva
(2014)



Tudo Sobre Meninos para Meninas!
Cláudia Felício
Planeta Jovem
(2006)



Perfidia
Judith Rossner
Mandarim
(1999)



Menino Diamantino
Nicolas Behr
Teixeira
(2012)





busca | avançada
83024 visitas/dia
2,4 milhões/mês