Eduardo Mineo, muito prazer | Eduardo Mineo | Digestivo Cultural

busca | avançada
56138 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Centro em Concerto - Palestras
>>> Crônicas do Não Tempo – lançamento de livro sobre jovem que vê o passado ao tocar nos objetos
>>> 10º FRAPA divulga primeiras atrações
>>> Concerto cênico Realejo de vida e morte, de Jocy de Oliveira, estreia no teatro do Sesc Pompeia
>>> Seminário Trajetórias do Ambientalismo Brasileiro, parceria entre Sesc e Unifesp, no Sesc Belenzinho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
Colunistas
Últimos Posts
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
Últimos Posts
>>> Melhores filme da semana em Cartaz no Cinema
>>> Casa ou Hotel: Entenda qual a melhor opção
>>> A lantejoula
>>> Armas da Primeira Guerra Mundial.
>>> Você está em um loop e não pode escapar
>>> O Apocalipse segundo Seu Tião
>>> A vida depende do ambiente, o ambiente depende de
>>> Para não dizer que eu não disse
>>> Espírito criança
>>> Poeta é aquele que cala
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Aconselhamentos aos casais ― módulo I
>>> Violões do Brasil
>>> Heróis improváveis telefonam...
>>> A esquerda nunca foi popular no Brasil
>>> Na minha opinião...
>>> Amores & Arte de Amar, de Ovídio
>>> VOCÊS
>>> As sombras e os muros de José J. Veiga
>>> Entrevista com o poeta Júlio Castañon Guimarães
>>> 30 de Junho #digestivo10anos
Mais Recentes
>>> Jackson Pollock - drawing into painting de Bernice Rose pela The Museum of Modern Art (1980)
>>> O Manto das Trevas de Helen MacInnes pela Record (1982)
>>> Machado de Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> Álbum de Casamento de Nora Roberts; Janaina Senna pela Arqueiro (2013)
>>> A Mágica do 1-2-3 de Thomas W. Phelan; Simone Lemberg Reisner pela Sextante (2009)
>>> Os Eleitos de Tom Wolfe pela Rocco
>>> Visões do Golpe de Vários Autores pela Nova Fronteira (2014)
>>> Désirée, Wife of Marshal Bernadotte de Annemarie Selinko pela Longman (1975)
>>> Arsene Lupin Contra Herlock Sholmes de Maurice Leblanc pela L&pm (2021)
>>> Tribulações de um Chinês na China de Julio Verne pela Edico
>>> O Caso dos Exploradores de Cavernas de Lon L. Fuller pela Edipro de Bolso (2015)
>>> Balanced Yoga: the Twelve Week Programme de Svami Purna pela Element Books (1992)
>>> Os Três Mosqueteiros de Alexandre Dumas pela Abril (1971)
>>> Hora do Apocalipse de Edgard Armond pela Aliança (1992)
>>> Outra Vez Heidi de Johanna Spyri pela Hemus (1985)
>>> Guia Completo de Inglês para Viagem de Ana Cuder pela Fluentics
>>> Inspirações - Pintura em seda livro I de Denise Meneghello pela Maio (1995)
>>> Eu Acredito no Amor! de Aldirene Maximo pela Scortecci (2017)
>>> Técnicas para Entrevistas - Conquiste Seu Emprego de Aggie White pela Cengage Learning (2008)
>>> Marley & Eu de John Grogan pela Prestigio (2006)
>>> Clínica Odontológica Brasileira 2004 de Marco Antonio Bottino pela Artes Medicas (2004)
>>> Die Blutschule de Max Rhode pela Roman
>>> As Viagens de Gulliver de Jonathan Swift pela Nova Cultural
>>> Surrealismo de Marilda de Vasconcellos Rebouças pela Ática (1986)
>>> E Após o Sinal Sensível de Prof Luiz Meloni pela Leia Sempre
COLUNAS >>> Especial Apresentações

Segunda-feira, 9/4/2007
Eduardo Mineo, muito prazer
Eduardo Mineo

+ de 7100 Acessos
+ 9 Comentário(s)

Levanto minha mão direita e digo "Olá, sou o Eduardo Mineo." Alguns me chamam de "Eduardo", outros de "Mineo". Os mais brabinhos me chamam de "Eduardo Mineo", assim, tudo junto, para indicar seriedade. Ou "Senhor Eduardo Mineo". Certos tipos, totalmente possuídos pela ira, usam "Este Senhor Eduardo Mineo Aí", apontando trêmulos para o monitor e espirrando saliva. Enfim, escolham o que mais agradar (menos "dudu", por favor, este é inadmissível).

Sou paulistano, mas gosto mais da palavra paulista. Sou paulista - bem melhor. Paulista, vocês, espertos que são, devem saber que é o sujeito que nasce no estado de São Paulo, mas fora da capital, ao passo que paulistanos são estes pobres diabos nascidos dentro da capital, possivelmente em alguma parte do caminho até a maternidade, uma vez que o trânsito não coopera. Mas evito falar de minha cidade. Uma vez já gostei sinceramente de São Paulo; hoje, apenas nos toleramos.

Estudei minha vida toda num colégio católico, num bom colégio católico, e que teve muita influência no meu caráter, embora religiosamente eu tenha sido um grande fracasso para ele. Mas, mesmo assim, teve muita influência no meu caráter e hoje gosto muito dos meus valores conservadores que formei lá, meio quadradões, mas charmosos e simpáticos. Todos eles são bonitinhos e bem comportados. Ouvem boa música, lêem boa literatura e jamais permitiriam que a conta de um restaurante fosse tocada por uma mulher. Alguns deles ainda ficam muito chocados quando vêem crianças falando sobre camisinha na MTV e isto sempre os deixa com vontade de bater na televisão, de fazê-la sofrer. Outros já se conformaram com o caminho das coisas. Às vezes, eu também.

Fui um adolescente besta, que é o que os adolescentes são. Mas nunca fui socialista (percebam meu semblante sereno de quem nunca foi socialista). Nunca fui socialista, mas já fui fascistinha e achei que uma ditadura no Brasil até que seria legal. Já castiguei meu organismo com tudo que existe de pior no mundo: miojo e punk rock. E já tive ódio pelos Estados Unidos - que é uma calça-boca-de-sino que ainda não saiu de moda. Estou contando tudo isto, mas, pelo amor de Deus, que o assunto morra aqui. Seria terrível admitir estas coisas. Terrível.

Descobri que a vida era mais do que McDonald's e bandas de rock quando, sem querer, prestei atenção numa aula de literatura do cursinho e fui contaminado por Machado de Assis. Foi horrível. Passei anos escrevendo "cousas" e "virou-se-lhe". Achava isso tudo muito erudito, muito distinto. Tentava escrever muito, muito difícil e ser todo profundo e essas coisas. Eu era muito ridículo. Fui ridículo até me dar conta de que só Machado de Assis tinha o direito de escrever "cousas". Escrever "cousas" não sendo Machado de Assis é patético, patético; parem com isso.

Então passei a tentar escrever como gente, como Paulo Francis. Me recordo de algum amigo me mostrando muito animado um jornal com uma coluna do Francis e tive muita vontade de ter escrito aquilo. Foi quando comecei a formar opiniões políticas um pouco mais elaboradas. Mais elaboradas até do que hoje eu consideraria saudável, é verdade, mas valeu como experiência e me sinto muito seguro sobre certos temas, embora eu estivesse disposto a dar minha vida para não ter de falar sobre Lula, sobre PSDB, sobre estes assuntinhos aí. Vamos falar sobre literatura; literatura é tão melhor...

Tudo que sei de literatura, de uma certa forma, é conseqüência das aulas daquele professor de cursinho. Jorge Luís Borges, Dorothy Richardson, Scott Fitzgerald, Bernard Shaw, Jane Austen, Tolstoi, tudo por causa de uma aula bem dada de classicismo. Provavelmente todos os problemas brasileiros com educação acabariam com uma aula bem dada sobre Camões. Sim, é possível. Antes, posso dizer, eu era analfabeto, espiritualmente analfabeto. Resolvi ler e escrever de verdade assistindo suas aulas. Gostei. Conheci amigos que também gostavam de ler e escrever sobre as mesmas coisas que eu gostava e fui melhorando com o tempo. Abri blogs, apaguei blogs e atualmente assino o Introibo ad altare Dei com o pseudônimo de Edward Bloom, com o qual até já publiquei alguns textos aqui no Digestivo Cultural.

Me perguntam sempre por que criei um pseudônimo e a única resposta que consigo inventar para isso é que não queria usar meu nome verdadeiro - muito coerente e tal. Escrevi algumas coisas boas usando meu nome, mas a maioria era muito ruim e eu achei melhor me desvincular até que eu sentisse segurança em meus textos, ou pelo menos até não sentir mais vontade de apagar tudo duas semanas depois. E como já fez um ano que escrevo como Edward Bloom e o índice de arrependimento foi razoavelmente baixo, acredito - creio é a vovozinha (imitando o Francis) - que esta seja uma boa hora para usar novamente meu nome.

Na semana passada, eu fui convidado para escrever regularmente no Digestivo Cultural, desde que não usasse meu pseudônimo. Aceitei, claro, todo comovido, etc. Portanto, me apresento como um de seus célebres colunistas. E me apresento com a mesma despretensão que tenho de um dia ainda comprar a Áustria e um carro anfíbio. Se quiserem falar comigo, sou o sujeitinho discreto e encolhido num dos cantos deste site. Posso ser tímido, mas sei fingir que sou extrovertido e interessante. Só não fumem do meu lado que eu sou um desses panacas que simulam tosse quando sentem cheiro de cigarro. E agora me deixem abaixar minha mão que está doendo. Tchau.


Eduardo Mineo
São Paulo, 9/4/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Fotonovela: Sociedade/ Classes/ Fotografia de Duanne Ribeiro
02. Os quase-livros de Wellington Machado
03. A vida subterrânea que mora em frente de Elisa Andrade Buzzo


Mais Eduardo Mineo
Mais Acessadas de Eduardo Mineo em 2007
01. O físico que era médico - 23/4/2007
02. A comédia de um solteiro - 3/12/2007
03. A propósito de Chapolin e Chaves - 24/9/2007
04. Eduardo Mineo, muito prazer - 9/4/2007
05. Um plano - 2/7/2007


Mais Especial Apresentações
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
4/4/2007
01h56min
Bom ou mau, esse é você. Ainda bem que você percebeu que se inspirar em Machado de Assis era de doer. Foi cruel ler seus textos de madrugada e fazer uma força sobre-humana pra tentar entender e ainda tecer algum comentário. Boa sorte com a nova coluna.
[Leia outros Comentários de Sayuri]
4/4/2007
10h31min
Olá, Mineo! Salve. Uma aragem nova soprando por aqui. Legal, deixando o Machado de Assis e com essa prosa particular que, devo confessar, eu acho muito boa. Tem a sua assinatura, ou seja, estilo. Muito fluente e, por que não confessar de novo, muito envolvente. Deus conserve. Pronto pros debates? Pronto pras esgrimas? Pronto pra guerra de mamona? Acredito que sim, claro. Mais pronto que isso é quase impossível, heheh. Espero que a fumaça do meu cigarro não chegue por aí. Achei ótima sua aquisição pelo DC. E vamos discutir umas coisas, claro. Abraço.
[Leia outros Comentários de Guga Schultze]
4/4/2007
10h33min
Boa sorte como colunista, cara. Gostei da apresentacao. Abcs! Eduardo
[Leia outros Comentários de Eduardo]
4/4/2007
11h58min
Boa sorte, Mineo!
[Leia outros Comentários de Vicente Escudero]
4/4/2007
13h55min
Agora, sim, tenho um bom motivo para visitar esse site. Pena que isso implique o falecimento do lendário Edward Bloom! Boa sorte, Dudu! hahahahaha
[Leia outros Comentários de Leo Melgaço]
6/4/2007
10h43min
Muito bacana a sua apresentação! Boa Sorte com sua coluna! [Abraços]
[Leia outros Comentários de Michelle Massatelli ]
9/4/2007
09h48min
Olá, Eduardo, boa sorte. Gostei do que escreveu e concordo: passei a gostar de História e Literatura devido às boas aulas durante todo o colégio (católico), também, e por causa de uma professora francesa (que havia sido extraditada) que dava uma senhora aula de literatura no cursinho. Seja bem-vindo.
[Leia outros Comentários de Vanessa]
9/4/2007
13h24min
Bom, Grande Peixe, embora o conheça como tal, fico feliz em saber que vai participar de um grupo tão seleto. Lógico que o mistério se perdeu um pouco, mas acho que vc fez um auto-retrato razoável e espero que o encantamento não se desfaça. Seja bem-vindo! Espero os seus textos. Ainda bem que moro em Belo Horizonte e a fumaça do meu cigarro não vai fazê-lo fingir tossir, como o Guga Shultze. Um beijo. Adriana
[Leia outros Comentários de Adriana]
24/6/2007
23h03min
Depois de algum tempo mantendo um contato (eu diria, remoto) com você, foi interessante ler esta pequena autobiografia. Considere-se um rapaz de sorte.
[Leia outros Comentários de Letícia Rocha]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Imigração árabe 100 Anos de Reflexão
Claude Fahd Hajjar
Ícone
(1985)



Memórias de um Caçador
Ivan Turguêniev / Irineu Franco Perpétuo (trad.)
34
(2013)



O Desafio da Vida
Abílio Oliveira
Coisas de Ler
(2011)



Estrutura das Organizações
Eduardo Vasconcelos e james R Hemsley
Pioneira
(1989)



X-Men Extra Nº 90
Marvel
Panini Comics
(2009)



O Terceiro Homem
E. H. Cookridge
Nova Fronterira
(1968)



Céu: enigma das fronteiras - Volume 1
Ana Eduarda Chiarato Nicolozzi
Vivilendo
(2011)



Ler é Aprender: Contos Novos - Nº 4
Mário de Andrade
Klick



Os Novos Prazeres do Sexo
Alex Comfort
Ediouro
(1994)



Chatô, o Rei do Brasil
Fernando Morais
Companhia das Letras
(1994)





busca | avançada
56138 visitas/dia
1,8 milhão/mês