Elis vive | Fabio Gomes | Digestivo Cultural

busca | avançada
69289 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Mostra de Teatro traz quatro peças para assistir on-line
>>> Festival Som na Faixa apresenta edição online com atrações da música instrumental
>>> Leituras Urbanas começa novo ciclo literário
>>> Unil oferece abordagem diferenciada da gramática a preparadores e revisores de texto
>>> Conversas no MAB com Sergio Vidal e Ana Paula Lopes
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Aos nossos olhos (e aos de Ernesto)
>>> Carol Sanches, poesia na ratoeira do mundo
>>> O fim dos livros físicos?
>>> A sujeira embaixo do tapete
>>> Moro no Morumbi, mas voto em Moema
>>> É breve a rosa alvorada
>>> Alameda de água e lava
>>> Entrevista: o músico-compositor Livio Tragtenberg
>>> Cabelo, cabeleira
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
Colunistas
Últimos Posts
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
Últimos Posts
>>> A busca
>>> O poder da história
>>> Caraminholas
>>> ETC. E TAL
>>> Acalanto para a alma
>>> Desde que o mundo é mundo
>>> O velho suborno
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Papa Francisco
>>> Pequena notável
>>> Notas de leitura sobre Inácio, de Lúcio Cardoso
>>> USP: 75 anos de histórias várias
>>> Asia de volta ao mapa
>>> Minicursos na PUC Minas
>>> 7 de Setembro
>>> Dublinenses
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> A Lógica do Cisne Negro, de Nassim Nicholas Taleb
Mais Recentes
>>> Cinquenta tons mais escuros de E L James; Juliana Romeiro pela Intrinseca (2015)
>>> Esta Terra Tem Dono - Esta Tierra Tiene Dueño - Co Yvy Oguereco Yara de Alcy Cheuiche pela Age (2012)
>>> A Odisseia da Filosofia: Uma Breve História do Pensamento Ocidental de José Francisco Botelho pela Abril (2015)
>>> Pureza mortal de Nora Roberts; J. D. Robb; Renato Motta pela Bertrand Brasil (2011)
>>> A Hisótira da Ciência Para Quem Tem Pressa: De Galileu a Stephen Hawking em 200 Páginas de Nicola Chalton; Meredith MacArdle pela Valentina (2017)
>>> Contos da seleção o principe e o guarda de Kiera Cass; Cristian Clemente pela Seguinte (2014)
>>> 1808 de Laurentino Gomes pela Planeta do Brasil (2007)
>>> Dublinenses de James Joyce pela Biblioteca Folha (2003)
>>> Viaje a Ixtlan de Carlos Castaneda pela Fondo de Cultura Económica (2009)
>>> História do amor no Ocidente de Denis de Rougemont pela Ediouro (2003)
>>> As cidades invisíveis - coleção biblioteca folha de Italo Calvino pela Biblioteca Folha (2003)
>>> O evangelho segundo o espiritismo de Allan Kardec pela Ide (2004)
>>> Breves Respostas para Grandes Questões de Stephen Hawking pela Intrínseca (2018)
>>> Presença do Vinho no Brasil. um Pouco de História de Carlos Ernesto Cabral de Mello pela Cultura (2018)
>>> Uberizacao de Tom slee pela Elefante (2020)
>>> O Processo de Franz Kafka pela 1117 (2012)
>>> União 100 anos - Receitas que fazem nossa história de Açucar União pela Gold (2000)
>>> Os Miseráveis de Victor Hugo; Walcyr Carrasco pela Moderna (2012)
>>> La Religión Dentro de los Límites de la Mera Razón de Immanuel Kant pela Alianza Editorial (2009)
>>> A Dama das Camélias de Alexandre Dumas Filho pela Nova Alexandria (2015)
>>> Mentes Inquietas: TDAH - Desatenção, Hiperatividade e Impulsividade de Ana Beatriz Barbosa Silva pela Objetiva (2004)
>>> A primeira história do cristianismo de Daniel Marguerat pela Paulus, Loyola (2003)
>>> As erras mais primitivas da terra (Tomo 1 e 2) de G. H. Pember pela Ed Clássicos (2003)
>>> The Witcher Livro 1: O Último Desejo de Andrej Sapkowski pela WMF Martins Fontes (2011)
>>> O Hobbit de J. R. R. Tolkien pela WMF Martins Fontes (2013)
>>> O Silmarillion de J. R. R. Tolkien pela WMF Martins Fontes (2011)
>>> Livro de Uma Sogra – Obra Completa Nº 5 de Aluísio Azevedo pela Waldré (1982)
>>> O Mulato de Aluísio Azevedo pela Ática (1992)
>>> Os Lusíadas de Luís de Camões pela Abril (1979)
>>> Os Trabalhadores do Mar de Victor Hugo pela Abril (1979)
>>> Decamerão (2 volumes) de Giovanni Boccaccio pela Abril (1981)
>>> Relações entre a Igreja e o Estado de Rafael Llano Cifuentes pela José Olympio (1989)
>>> A Interpretação do Homem de Renato Kehl pela Francisco Alves (1951)
>>> Envelheça Sorrindo de Renato Kehl pela Francisco Alves (1949)
>>> O Milagre de Lourdes de Ruth Cranston pela Melhoramentos (1955)
>>> Diário de um pároco de aldeia de Georges Bernanos pela Agir (1964)
>>> A Doutrina Social da Igreja de G. C. Rutten, O. P. pela Agir (1947)
>>> Maria e o Evangelho de Jean Galot pela Aster (1961)
>>> O que sobrou do paraíso? de Jean Delumeau pela Companhia das letras (2003)
>>> Senhores de engenho, judeus em Pernambuco colonial 1542-1654 de José Alexandre Ribemboim pela 20-20 Comunicação (2002)
>>> Os magnatas do tráfico negreiro de José Gonçalves Salvador pela Pioneira, Edusp (1981)
>>> A comunidade judaico-cristã de Mateus de Anthony J. Saldarini pela Paulinas (2000)
>>> A Formação da Terra - Biblioteca Salvat de Grandes Temas de Vários Colaboradores pela Salvat (1979)
>>> As origens do Novo Testamento de C. F. D. Moule pela Paulinas (1979)
>>> Mártires do coliseu romano de Emma Leslie pela Aeebar (1984)
>>> Filosofia para entender teologia de Diogenes Allen e Eric Springsted pela Paulus, Academia cristã (2011)
>>> Nigella Bites de Nigella Lawson pela Ediouro (2019)
>>> Minidicionário da Língua Portuguesa de Francisco da Silveira Bueno pela FTD (1996)
>>> Desenho Técnico de Thomas E. French pela Globo (1958)
>>> Métodos de Ensaios nas Indústrias de Celulose e Papel de Alfred Halward e Outro pela Brusco
COLUNAS

Segunda-feira, 16/3/2020
Elis vive
Fabio Gomes

+ de 800 Acessos

Elis Regina no programa MPB Especial
da TV Cultura (SP)


É impressionante como Elis Regina continua viva na memória do público, mesmo tendo morrido há 20 anos. No dia de Finados de 2000, um fã estendeu um tapete e improvisou uma exposição de fotos junto ao túmulo da cantora, no cemitério do Morumbi, em São Paulo.

Mas não é necessário esperar 2 de novembro, isto pode acontecer a qualquer momento. O escritor Zeca Kiechaloski, no livro Elis Regina (Coleção Esses Gaúchos, Porto Alegre, Tchê, 1985), conta que, ainda em 1982, foi ao cemitério com uma amiga. Logo ao chegar, eles iam perguntar a um funcionário onde era o túmulo, mas nem precisaram terminar a frase, o rapaz disse: “É ali”. Junto ao túmulo (um canteiro com uma placa de bronze), uma moça sacudia um pote de incenso, cantava músicas do repertório de Elis e dizia:

- Não fica triste, aí está melhor. Canta pra gente, canta. Tu vais continuar cantando sempre.

Como explicar, numa época em que a arte descartável impera, a permanência da obra de Elis? Acredito que é pela sinceridade que ela sempre colocou em sua arte. Sua vida e sua carreira estão intimamente ligadas. Acusada por anos a fio pela crítica de só ter técnica, muitas vezes não conseguia se segurar e chorava em cena. Uma ocasião famosa em que isto aconteceu foi no especial Elis Regina Carvalho Costa (1980), dirigido por Daniel Filho para a TV Globo, quando ela interpretava “Atrás da Porta” (Francis Hime - Chico Buarque).

Elis Regina não era uma teleguiada. Ela sempre soube o que queria fazer, desde muito cedo. Com 17 anos, em 1962, quando ainda morava em Porto Alegre e ia ao Rio de Janeiro para gravar, devidamente acompanhada pelo pai, seu Romeu, aconteceu algo muito significativo. Elis estava no estúdio da Continental (hoje uma divisão da Warner) gravando o bolero “Poema”, de Fernando Dias, e um funcionário, chamado Palmeira<, pediu que ela parasse:

- Você está cantando muito bem. Tem que cantar quadrado, senão não vende o disco.

A adolescente teve uma crise de choro, mas se segurou e terminou a gravação. Antes que o disco, seu segundo LP (justamente intitulado Poema), saísse, ela já tinha resolvido transferir-se de gravadora, acertando logo depois com a CBS (atual Sony). O que certamente chocou a jovem Elis Regina foi a visão puramente comercial do funcionário e, por extensão, da gravadora. Ela nunca colocava como meta “agradar” ou “vender” e sim a arte. Sofreu muitas críticas por isso, sobretudo em meados da década de 60, quando música popular era debatida com paixão equivalente à do futebol - ou da política, mas este tema não podia ser debatido na época.

Poucas vezes uma cantora foi tão combatida por causa de uma música como Elis quando interpretava “Canto de Ossanha” (Baden Powell - Vinicius de Moraes), no programa O Fino da Bossa, na TV Record. A faixa entrou no LP Dois na Bossa - Volume 2, disco ao vivo de Elis e de Jair Rodrigues lançado em 1966 pela Philips (hoje Universal). Entre seus críticos na ocasião, encontrava-se o maestro Júlio Medaglia, que escreveu no jornal O Estado de São Paulo:

“Elis, ao pronunciar ‘vai, vai, vai, não vou’, o faz em meio a gemidos e soluços, concluindo a música com um grito quase desesperado de ‘vai’, como se fosse seu último arranque de vida”.

Ser criticado é uma conseqüência natural para quem se expõe, mas é espantoso verificar o nível de cobrança que sempre envolveu a carreira de Elis. A cobrança mais dura, a meu ver, até por ter sido permanente, foi a de que não gostava de Porto Alegre ou mesmo do Rio Grande do Sul. Nem quando ela gravou músicas como “Porto dos Casais” (Jaime Lewgoy Lubianca) ou a folclórica “Boi Barroso” as restrições diminuíram.

Evidente que Elis não registrou essas canções para convencer ninguém. Quem quisesse achar que ela não prezava seu torrão natal, que ficasse à vontade. Mas os fatos comprovam justamente o contrário. Elis sempre dedicava várias semanas a Porto Alegre no roteiro de seus shows, quando já era comum os grandes nomes da MPB fazerem só um ou dois dias. Em 1974, incluiu Porto Alegre e Caxias do Sul no seu Circuito Universitário. Em 1977, estreou nacionalmente o show Transversal do Tempo no Teatro Leopoldina (depois da OSPA), com três semanas de apresentações. Outro show, Elis, Essa Mulher (1979), ficou duas semanas na capital gaúcha. A única vez que seu show só teve uma noite em Porto Alegre foi também a última: Trem Azul, no Gigantinho, 19 de setembro de 1981.

Mais? Tudo bem. Foi Elis a escolhida para ser a grande atração da festa de nove anos da Rádio Guaíba, no auditório Araújo Vianna, em 1966. Um ano antes, quando vencera o Festival da Música Popular Brasileira da TV Excelsior, ela viera comemorar com um churrasco com a família na vila do IAPI, em meio a uma agenda lotadíssima de shows, gravações e aparições na TV. Sem falar que, no auge da ditadura militar, em 1976, Elis participou de uma comissão de artistas que foi a Brasília pedir a liberação da peça Mockinpott, uma produção do Teatro de Arena de Porto Alegre que fora proibida horas antes da estréia em São Paulo (isso depois de apresentada em Porto Alegre, por mais de um ano, e no Rio de Janeiro). É fácil imaginar o desespero que tomou conta de atores, diretor e técnicos. A Censura acabou autorizando a montagem paulista, mas parte do mal já estava feito. Para ajudar a companhia a minimizar os prejuízos, Elis doou a renda de uma noite de seu show de maior sucesso, Falso Brilhante. Ela sempre encerrava esses questionamentos nas entrevistas que concedia lembrando que não tinha saído de Porto Alegre para fundar um CTG, e sim para ser cantora.

Falando em CTG, o que a jovem Elis ouvia em Porto Alegre? Considerando “muito pobre” a música tradicionalista, escutava a Rádio Nacional do Rio de Janeiro e os programas em português da Voz da América. Das emissoras locais, sua preferida era a Rádio da Universidade. E, como a imensa maioria dos músicos da sua geração, recebeu como um impacto o lançamento de “Chega de Saudade” (Tom Jobim - Vinicius de Moraes) por João Gilberto em 1959. Ela estava varrendo a casa quando ouviu a música no rádio. Desatou a chorar e não descansou até encontrar o disco numa loja. Seu Romeu implicava porque agora ela só cantava as músicas “daquele cara sem voz”, mas ela insistia e dava a maior briga.

Coisas da vida: Elis discutia com a família para ouvir bossa nova e foi apontada mais tarde pela crítica como “responsável” pelo fim do movimento, justamente no programa... O Fino da Bossa. É que os críticos não gostavam da mistura de bossa nova e samba de carnaval com forte base rítmica de jazz com que Elis e Jair Rodrigues presenteavam o público toda quarta.

Bossa nova era o caminho mais natural para uma cantora chegada ao Rio de Janeiro em março de 1964 que não pretendesse interpretar iê-iê-iê. A CBS bem que tentara (quando do lançamento do LP O Bem do Amor, de 1963) apresentar Elis como uma “nova Celly Campello”, coisa que ela num depoimento ao programa MPB Especial da TV Cultura (1973) definiu como “muito pobre” (certamente já achava o mesmo em 63). Voltando a 64: recém-chegada à Cidade Maravilhosa, Elis manteve contato com a gravadora. Foi procurada no dia seguinte, porque o compositor Carlos Lyra precisava de uma cantora para participar da gravação do musical Pobre Menina Rica, que ele escrevera com Vinicius de Moraes. Os arranjos seriam de Tom Jobim. Talvez assustada com todos esses pesos pesados da música brasileira, Elis não conseguiu cantar no teste e foi vetada por Tom.

Só dois meses depois surgiu nova oportunidade: o ator Paulo Gracindo (que ela nem conhecia pessoalmente) a indicou para participar do programa Noite de Gala, da TV Rio, o maior sucesso da época. No programa, conheceu o baterista Dom Um Romão, que a convidou para cantar no Beco das Garrafas, reduto bossanovista de Copacabana. No Beco, travou contato com o compositor Edu Lobo, que lhe pediu para defender “Arrastão”, música que fizera com Vinicius de Moraes, no já citado festival da Excelsior.

Tendo vencido o festival, Elis iria fazer um show com o violonista Baden Powell para comemorar, mas Baden não pôde e o produtor Walter Silva convidou um cantor que vinha estourando na parada de sucessos: Jair Rodrigues. O show foi gravado; a fita foi comprada pela gravadora Philips (detentora dos passes da dupla) e lançada como o LP Dois na Bossa, um dos campeões de vendagem de 1965. Em seguida, a TV Record contratou Elis e Jair para apresentarem O Fino da Bossa. Foram três anos de programa e três discos ao vivo, além do LP O Fino do Fino (1965), de Elis com o Zimbo Trio - e, bem mais tarde, a série de três CDs Elis Regina no Fino da Bossa, lançada pela Velas em 1994 a partir de gravações conservadas pelo produtor Zuza Homem de Mello.

No início de 1966, Elis fez sua primeira turnê pela Europa, coisa que passou a ser um hábito para ela. Numa dessas viagens, em 1969, ela disse a um jornal holandês que o Brasil era governado por gorilas. A declaração causou alvoroço e Elis só não foi presa quando voltou porque sua ficha ideológica era limpíssima. Mas, para dizer que aquilo não ficara por isso mesmo, a cantora foi convocada (o termo é esse) para cantar o “Hino Nacional” nas Olimpíadas do Exército, em homenagem ao Sesquicentenário da Independência (1972).

O cartunista Henfil, indignado, “enterrou” Elis no cemitério dos mortos-vivos com o qual, no jornal Pasquim, atacava quem aderia à ditadura. Ela protestou contra seu enterro, em entrevista ao Jornal do Brasil. Resultado: foi enterrada de novo. Só cinco anos mais tarde, cartunista e cantora voltaram às boas, num jantar após uma apresentação do show Falso Brilhante. Elis, chorando, queixou-se dos enterros simbólicos e Henfil deu-se conta de que poderia ter atacado o alvo errado. A partir daí, criou-se forte amizade entre os dois. Elis não titubeou em aderir à campanha pela anistia que Henfil fazia desde fevereiro de 1978 na revista IstoÉ. Em crônicas que eram cartas dirigidas a sua mãe, Henfil pedia permissão das autoridades para a volta ao Brasil de seu irmão Betinho (o sociólogo Herbert de Souza, mais tarde criador da campanha contra a fome). A adesão de Elis à campanha foi representada pela gravação do samba “O Bêbado e a Equilibrista” (1979), de João Bosco e Aldir Blanc, um de seus maiores sucessos, que o povo canta até hoje.

Nota do Autor
Em meu blog, ao final da publicação deste texto eu conto as circunstâncias em que o escrevi em 2000, e (digamos) sua trajetória desde então.


Fabio Gomes
Macapá, 16/3/2020


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Carles Camps Mundó e a poética da desolação de Jardel Dias Cavalcanti
02. Churchill, de Paul Johnson de Guilherme Pontes Coelho


Mais Fabio Gomes
Mais Acessadas de Fabio Gomes em 2020
01. Literatura Falada (ou: Ora, direis, ouvir poetas) - 11/5/2020
02. Vamos pensar: duas coisas sobre home office - 6/4/2020
03. A medida do sucesso - 27/1/2020
04. Elis vive - 16/3/2020
05. Arte sem limites - 2/3/2020


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




UNNATURAL EXPOSURE
PATRICIA CORNWELL
WARNER BOOKS
(1997)
R$ 14,99



LA PALABRA DE FUEGO
FRÉDÉRIC LENOIR / VIOLETTE CABESOS
DEBOLS!LLO
(2013)
R$ 15,00



MADELEINE -UM PASSADO EM PARIS
MARISLEI ESPÍNDULA BRASILEIRO
LUMEN
(1997)
R$ 4,09



CURSO PASSO A PASSO DE WEB DESIGN 04 FLASH PARTE 1
ED TERRA
TERRA
(2002)
R$ 5,00



FÁBULAS E HISTÓRIAS DIVERSAS
MONTEIRO LOBATO
BRASILIENSE
(1964)
R$ 8,99



TODO DIA É DIA DE SER FELIZ
GILBERTO CABEGGI
GENTE
(2006)
R$ 5,00



ENCONTROS E DESENCONTROS
RICHARD SIMONETTI
CEAC
R$ 10,00



QUÍMICA GERAL E INORGÂNICA
GILBERTO F MACHADO-ARTUR GONÇALVES-ABEL DOS SANTOS
EDILE
(1977)
R$ 8,00



O GIGANTE DE BOTAS
OFELIA *NARBAL FONTES
ATICA
(1975)
R$ 9,00



FACTORING NO BRASIL
LUIZ LEMOS LEITE
ATLAS
(1993)
R$ 24,00





busca | avançada
69289 visitas/dia
2,0 milhão/mês