Vamos pensar: duas coisas sobre home office | Fabio Gomes | Digestivo Cultural

busca | avançada
51542 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> “É Hora de Arte” realiza oficinas gratuitas de circo, grafite, teatro e dança
>>> MOSTRA DO MAB FAAP GANHA NOVAS OBRAS A PARTIR DE JUNHO
>>> Ibevar e Fia-Labfin.Provar realizam uma live sobre Oportunidades de Carreira no Mercado de Capitais
>>> PAULUS Editora promove a 6º edição do Simpósio de Catequese
>>> Victor Arruda, Marcus Lontra, Daniela Bousso e Francisco Hurtz em conversa na BELIZARIO Galeria
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
Últimos Posts
>>> Parei de fumar
>>> Asas de Ícaro
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Mais espetáculo que arte
>>> teu filho, teu brilho
>>> O Medium e o retorno do conteúdo
>>> A Poli... - 10 anos (e algumas reflexões) depois
>>> Web-based Finance Application
>>> Pensando sozinho
>>> Aventuras pelo discurso de Foucault
>>> Chega de Escola
>>> Hipermediocridade
>>> A luta mais vã
Mais Recentes
>>> O Destino De Perseu (Aventuras Mitológicas) de Luiz Galdino pela Ftd (2004)
>>> New Headway Beginner Workbook with Key de John and Liz Soares pela Oxford (2013)
>>> Ivy. Ensina-me a Sentir - Volume 1 de S. Quinn pela Fundamento (2014)
>>> Dossiê Peixotinho: Uma biografia do mais famoso médium de materializações do Brasil de Lamartine Palhano Jr.; Walace Fernando Neves pela Lachâtre (1997)
>>> Seu Corpo Fala no Trabalho de Sharon Sayler pela Vozes (2010)
>>> New Headway Beginner Students Book Third Edition de John and Liz Soares pela Oxford (2011)
>>> Comunicação Global - Aumentando Sua Inteligencia Interpessoal 8 Edição de Lair Ribeiro pela Rosa dos Tempos (1992)
>>> O homem que calculava de Malba Tahan pela Record (2016)
>>> A Aposta de Vanessa Bosso pela Novas Páginas (2015)
>>> O Dia de Ver Meu Pai de Vivina de Assis Viana pela Formato (2005)
>>> Practice Tests for First Certificate with Key de J. C. Templer pela Heinemann (2022)
>>> A Câmara Clara: Notas sobre a fotografia de Roland Barthes pela Nova Fronteira (1984)
>>> Um Amor Além do Tempo de Leila Renttroia Lannone pela Moderna (1991)
>>> Skyline 5 - Teachers Guide de Carol Lethaby pela Macmillan (2006)
>>> Memórias de um Sargento de Milícias de Manuel Antônio de Almeida pela Atica (2004)
>>> Homossexulidade de Fagner Brandão pela Fonte (2015)
>>> Ready for First Certificate Workbook de Roy Norris pela Macmillan (2005)
>>> The Hound of the Baskervilles & the Valley of Fear de Sir Arthur Conan Doyle pela Collectors Library (2011)
>>> Fim de Fernanda Torres pela Companhia das Letras (2013)
>>> Campo de Batalha da Mente de Joyce Meyer pela Bello (2009)
>>> Lenda azul Voluma 2 de GeneralWalter de Menezes Paes pela Bibliex (1992)
>>> Summit 2 Take Home de Joan Saslow + Allen Ascher pela Pearson (2006)
>>> Vantage Point 3 - Workbook + CD de Patricia McKay Aronis pela Cel Lep (2006)
>>> El Ahorcamiento Inesperado y Otros Entretenimientos Matematicos de Martin Gardner pela Alianza Editorial (2007)
>>> Marisa: a escolha sexual da menina de Rosine e Robert Lefort pela Jorge Zahar (1997)
COLUNAS

Segunda-feira, 6/4/2020
Vamos pensar: duas coisas sobre home office
Fabio Gomes

+ de 2500 Acessos

E de repente, não mais que de repente, como diria Vinicius de Moraes, eis que me deparo com inúmeros artigos publicados no LinkedIn e pela internet afora em pleno começo de 2016 falando de home office como se ele fosse a grande novidade do momento; em menor quantidade, aparecem também os que defendem o home office (doravante denominado HO) como a grande solução para uma série de problemas enfrentados tanto por patrões quanto por empregados. 


Enfim, gostaria de dizer neste texto duas coisas sobre HO, baseado em minha experiência com o assunto, que iniciou oficialmente em 2003.

A primeira é que home office de fato é algo muito bom.

Em 2003, saí de um emprego público (era assistente administrativo do Departamento Municipal de Água e Esgotos, autarquia da Prefeitura Municipal de Porto Alegre), para me dedicar ao jornalismo cultural, mais especificamente ao site Brasileirinho, especializado em MPB, que eu colocara no ar um ano antes. Alugar um escritório nem me passou pela cabeça, pois no apartamento onde morava, de propriedade de minha mãe, havia computador com acesso à internet, telefone fixo e uma biblioteca com aproximadamente 2 mil livros (mais recortes de jornais e revistas) - inclusive uma pesquisadora do IBGE que esteve lá certa vez para apurar meus "hábitos de consumo" (risos) perguntou se ali era mesmo uma residência ou um escritório.... o que confirmava o que minha mãe já dizia desde, talvez, minha adolescência, que meu quarto era um escritório com uma cama. Desde então, nas diversas cidades onde morei ou ao menos passei um tempo considerável (São Paulo, Belém, Macapá e Salvador), sempre optei por alugar imóveis que me permitissem trabalhar no mesmo ambiente de moradia, economizando assim com outro aluguel (de escritório), com gastos e perda de tempo com deslocamentos e, mais recentemente, até com despesas de acesso à internet, já que muitos locadores incluem o wi-fi entre os benefícios ofertados aos locatários. De fato, na maioria das vezes é muito bom você poder trabalhar em sua casa à hora que você quiser, o que nos leva à...

segunda coisa: trabalhar em home office pode não ser tão bom assim...

...se você não souber controlar seus horários. Lá em 2003, por exemplo, ao assumir o apê de minha mãe como sede do site, caí numa armadilha da qual levei um bom tempo para me dar conta - até porque fui eu mesmo que a armei. Explico: até então, como funcionário municipal, eu só podia me dedicar a meus projetos pessoais à noite e aos finais de semana. Quando tive enfim livre o chamado horário comercial, começava a trabalhar de manhã cedo e avançava a madrugada, acreditando que quanto mais horas dedicasse ao trabalho, mais cedo atingiria meus objetivos. Hoje sei que o sucesso vem de um trabalho feito com qualidade, e não necessariamente da quantidade de horas nele investidas. Eu vivia estressado, com olheiras, mas levei uns bons seis anos para me dar conta de que algo poderia estar errado. Isto só aconteceu quando, ao conversar com uma amiga de outro estado por MSN, ela, que sempre me perguntava o que eu estava fazendo (e eu sempre respondia "trabalhando"), um belo dia fez a pergunta que mudou tudo:

"Mas você nunca tem lazer??"

Aí, como se dizia na época, "a ficha caiu". Me dei conta da quantidade absurda de horas que ficava trabalhando e instituí em minha vida o conceito de ilhas de lazer.  Havia na época um programa de jornalismo cultural na Rádio Gaúcha, das 16h às 17h; me habituei a fazer um intervalo nesse horário, me dedicando apenas a ouvir o programa (às vezes tomando chimarrão, às vezes deitado). Desde então mantenho também o hábito de caminhar, em torno de 1h a 2h por dia - nestas últimas semanas da minha atual temporada em Macapá, geralmente a caminhada é ao final da tarde, na orla do Rio Amazonas. Esse é um período bom para "esfriar a cabeça", muitas vezes surge durante o passeio alguma ideia ou a solução para uma questão cuja solução esteja demorando para vir em frente ao notebook. O horário da caminhada acaba coincidindo sim com parte do horário comercial, mas se houver alguma urgência eu posso ser contatado pelo celular ou pelo Facebook. Enfim, é uma prática boa para o corpo e para a mente, recomendo. 

Para fechar o texto, quero falar de outro modelo de HO, que o jornalista e escritor Fernando Morais relatou numa entrevista que li por volta de 1994, e que se referia ao seu processo de escrita da biografia Chatô - O Rei do Brasil. Para evitar cair na mesma armadilha que eu, de não parar de trabalhar enquanto estivesse acordado, Morais alugou outro apartamento no mesmo prédio que o seu, se não me engano apenas alguns andares abaixo. Ou seja, diariamente Morais acordava, tomava banho, vestia-se, tomava o café da manhã e, para chegar a seu escritório, pegava...o elevador. A vantagem, apontava ele na entrevista, é que com isso ele conseguia delimitar, tanto para si quanto para seus familiares, quando estava ou não trabalhando. 

Mesmo que os dois casos relatados, o de Morais e o meu, se tratem de profissionais autônomos, acredito que em linhas gerais o que expus acima se aplica também ao modelo que tem crescido mais recentemente (e que, a meu ver, está trazendo um ar de 'novidade' ao HO), que é o de funcionários autorizados pela empresa a trabalharem de casa algumas vezes por semana. Penso que este é mesmo o caminho para o trabalho no século 21, seja você autônomo ou subordinado a uma chefia: saber gerir o seu tempo de acordo com as demandas, sem descuidar da qualidade de vida.


  • Making-off do texto - Publicado no LinkedIn em 5.3.16, sendo este meu artigo mais lido enquanto mantive a conta naquele site. Republicado no blog Jornalismo Cultural em 11.4.17.


Fabio Gomes
Macapá, 6/4/2020


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Eu, o insular Napumoceno de Renato Alessandro dos Santos
02. Uma alucinação chamada dezembro de Luís Fernando Amâncio
03. Um conto-resenha anacrônico de Cassionei Niches Petry
04. O último estudante-soldado na rota Lisboa-Cabul de Elisa Andrade Buzzo
05. Rebocos da memória: 1929, de Rafael Fava Belúzio de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Fabio Gomes
Mais Acessadas de Fabio Gomes em 2020
01. Literatura Falada (ou: Ora, direis, ouvir poetas) - 11/5/2020
02. Vamos pensar: duas coisas sobre home office - 6/4/2020
03. A medida do sucesso - 27/1/2020
04. Elis vive - 16/3/2020
05. Arte sem limites - 2/3/2020


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Roleta Chilena
Alfredo Sirkis
Record
(1981)



Fit For Growth: a Guide to Strategic Cost Cutting, Restructuring, And
John Plansky - Vinay Couto - Deniz Caglar
Wiley
(2017)



Massas & Molhos - Coleção Dona Benta
Gold Editorial
Nacional e Gold
(2009)



Getting Financial Aid 2012
The College Board
College Board
(2012)



Previdência Social é Cidadania
Álvaro Sólon de França
Anfip
(1997)



Diários do Vampiro O Despertar
L. J. Smith
Galera Record
(2009)



A Farsa
Christopher Reich; Fernanda Abreu
Arqueiro
(2008)



Aprender e Criar - Ciencias 3
Edson Maria Helena Katia
Escala Educacional
(2014)



Sonho de Bailarina - o Mundo de Sonhos
Marcelle Silveira e Silva
Vale das Letras



O estrangulador
Sidney Sheldon
Record
(2018)





busca | avançada
51542 visitas/dia
1,8 milhão/mês