Viver para contar - parte 2 | Marcelo Barbão | Digestivo Cultural

busca | avançada
78047 visitas/dia
2,7 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Castelo realiza piqueniques com contemplação do pôr do sol ao ar livre
>>> A bailarina Ana Paula Oliveira dança com pássaro em videoinstalação de Eder Santos
>>> Festival junino online celebra 143 da cidade de Joanópolis
>>> Nova Exposição no Sesc Santos tem abertura online nessa quinta, 17/06
>>> Arte dentro de casa: museus e eventos culturais com exposições virtuais
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
>>> André Barcinski por Gastão Moreira
>>> Massari no Music Thunder Vision
>>> 1984 por Fabio Massari
>>> André Jakurski sobre o pós-pandemia
>>> Carteiros do Condado
>>> Max, Iggor e Gastão
Últimos Posts
>>> Virtual: Conselheiro do Sertão estreia quinta, 24
>>> A lei natural da vida
>>> Sem voz, sem vez
>>> Entre viver e morrer
>>> Desnudo
>>> Perfume
>>> Maio Cultural recebe “Uma História para Elise”
>>> Ninguém merece estar num Grupo de WhatsApp
>>> Izilda e Zoroastro enfrentam o postinho de saúde
>>> Acentuado
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A internet e a arte marginal
>>> As redes sociais como filtros
>>> Aberta a temporada de caça
>>> As várias faces de Al Pacino
>>> Quando o autor é protagonista do próprio romance
>>> Minha finada TV analógica
>>> Ser intelectual dói
>>> Entrevista com Ron Bumblefoot Thal
>>> Francis e o jornalismo
>>> Um Daumier no MASP
Mais Recentes
>>> História da marinha de Courtlandt Canby pela Morais (1965)
>>> História do armamento de Courtlandt Canby pela Morais (1965)
>>> Classicos Inesqueciveis - O Rei Leão de Disney pela Pixel (2021)
>>> Las Aventuras de Tom Sawyer de Mark Twain pela Never Land (2016)
>>> O Gene Egoísta de Richard Dawkins pela Itatiaia (2001)
>>> Branca de neve e os setes anões de Disney pela Pixel (2021)
>>> Cuentos de Pio Baroja pela Alianza (1978)
>>> 3 Palavrinhas: Brincando, aprendendo e cantando de Pixel pela Pixel (2021)
>>> Uma aventura na era dos dinossauros de Picolé pela Picolé (2021)
>>> 100 Viagens Que Toda Mulher Precisa Fazer de Stephanie Elizondo Griest pela Novo Conceito (2011)
>>> Aqueles que me desejam a morte de Michael Koryta pela Trama (2021)
>>> A cor da pele de John Vercher pela Trama (2021)
>>> Tempo: o de dentro e o de fora de Luiz Arraes pela Cepe (2007)
>>> Contos africanos dos países de língua portuguesa de Vários autores pela Ática (2009)
>>> Into the Wild (Na Natureza Selvagem) de Jon Krakauer pela Anchor Books (1996)
>>> A Cidade do Sol de Khaled Hosseini pela Agir (2012)
>>> Contos Brasileiros I de Vários autores pela Ática (2008)
>>> A Hora da Estrela de Clarice Lispector pela Francisco Alves (1997)
>>> Enciclopédie pratique du batiment et des travaux publics vol. 1, 2 e 3 de Vários Autores pela Quillet (1970)
>>> Dicionário Internacional de Biografias vol. 1, 2, 3 e 4 de George Thompson Antunes pela Nobel (1998)
>>> Nariz de Angelo Machado, Lor & Thalma pela Nova Fronteira (2021)
>>> Dicionário Contemporâneo da Língua Portuguesa vol. 1, 2 e 3 de Caldas Aulete pela Delta (1964)
>>> Design para Crescer Aprenda Com a Coca-cola Sobre Escala e Agilidade de David Butler e Linda Tischler pela Campus (2015)
>>> Delito por Dançar o Chá-chá-chá de Guillermo Cabrera Infante pela Ediouro (1998)
>>> Histórias da Noite de Rafk Schami pela Novo Século (2013)
COLUNAS

Segunda-feira, 2/12/2002
Viver para contar - parte 2
Marcelo Barbão

+ de 5000 Acessos
+ 1 Comentário(s)

(Começa aqui)

O ano de 1948 pode ser considerado um marco na Colômbia, era o começo de uma violência que vem se arrastando, com poucas exceções, até os dias de hoje. Enquanto se realizava a Conferência Paranamericana (precursora da Organização dos Estados Americanos) na cidade de Bogotá, o principal líder liberal, Jorge Eliécer Gaitán, foi assassinado.

Era o dia 9 de abril de 1948 e o início de um período extremo. Em poucos dias, milhares de pessoas são mortas, seus corpos empilhados nas ruas da capital. Gaitán era um populista amado pelas massas, o que explica esta reação. Os enfrentamentos entre o povo e o exército são constantes.

O governo conservador de Ospina Pérez era visto como responsável pelo assassinato. O episódio ficou conhecido como o "Bogotazo" e serviu como pretexto para um reação conservadora violentíssima que levou a 15 anos de perseguições, assassinatos e formação de guerrilhas liberais. Todo este período histórico colombiano, conhecido como "La Violencia", só terminou em 1953, quando os militares deram um golpe e conseguiram um armistício parcial com alguns grupos da guerrilha.

Toda essa situação foi um preâmbulo para o ressurgimento da guerrilha na década seguinte quando os camponeses radicalizados, influenciados pelo maoísmo e pelo guevarismo, deram origem a vários grupos que atuaram até os anos 80/90, além dos dois exércitos guerrilheiros que continuam ativos até hoje: as FARC e a ELN.

Em 1958, depois de cinco anos de regime militar, liberais e conservadores unem-se para a volta ao regime democrático. Mas era uma democracia controlada. Os partidos revezavam-se e dividiam o poder. Um dos motivos para a opção pela guerrilha era este regime fechado que impedia o crescimento e a participação de qualquer outro partido político.

E o incrível de tudo isso é que Gabriel García Márquez estava em Bogotá exatamente no dia 9 de abril de 1948, perto do restaurante El Gato Negro, onde Gaitán foi assassinado, e testemunhou toda a violência que aconteceu depois.

Gabo ainda não era jornalista, muito menos um ativista político, e conta que ficou assustadíssimo com tudo o que via. As imagens ficaram gravadas para sempre, inclusive uma estranha figura que Márquez, agora, vê como um dos principais agitadores que levaram o povo a protestar no Palácio de Governo. As suspeitas de que tudo aquilo foi uma armação (muito provavelmente dos próprios conservadores para reprimir os liberais) o perseguem desde então. Mas, os conservadores acusaram dois participantes da Conferência Panamericana pelo assassinato e violência decorrentes: o chanceler da Guatemala, Luis Cardosa y Aragon e o ativista estudantil Fidel Castro.

E "La Violencia" pode ser um marco, porque a fuga de García Márquez para Cartagena significa o início de sua carreira jornalística, antecessora da literária.

Os anos passados na região caribenha da Colômbia foram importantes para Márquez. Além do trabalho jornalístico em alguns periódicos regionais como El Universal ou o El Heraldo da vizinha cidade de Barranquilla. Longe da violência que assolava o resto do país, Márquez conseguiu dar os primeiros passos, tímidos e confusos, é verdade, na carreira literária.

Não podemos esquecer que o jovem escritor já havia publicado alguns contos em revistas literárias de Bogotá durante sua curta estadia. Mas é durante este longo verão caribenho que ele produz sua primeira novela (que, por acaso, não foi publicada no Brasil) chamada La Hojarasca. É durante este período que Gabo vive a aventura que abre seu livro de memórias: a viagem com a mãe até a cidade natal de Aracataca para a venda da propriedade dos avós. Não é à toa que Gabriel García Márquez abre suas memórias com este "retorno": a influência da região caribenha na sua vida literária é mais do que evidente. O mar, plantações de banana, Macondo, as lendas e costumes da região povoam suas histórias de realismo fantástico.

Pode ser este o momento onde tudo começa. Mesmo assim, o jovem jornalista, boêmio e festeiro, ainda sentia-se perdido e pouco confiante em sua capacidade. Uma timidez que permanecerá mesmo depois de se tornar um jornalista famoso. E isso acontece quando, de volta a Bogotá, ele começa a escrever para o famoso El Espectador.

Mas, o sucesso jornalístico não se reverte em sucesso na área literária e seu original de La Hojarasca é rejeitado pela famosa editora Losada de Buenos Aires. E dizer que isso não desanimou Márquez seria uma mentira. A vantagem daquele tempo (perdido nos dias de hoje) é que os jornais não eram dominados pela ditadura dos manuais de redação e da padronização "por baixo", assim os repórteres eram considerados escritores e podiam desenvolver seus temas e sua escrita. Quantos Garcías estão sendo assassinados diariamente nas "linhas de montagem" das redações dos jornais da nossa época?

E é com uma bagagem que inclui: um livro, muitos contos e milhares de idéias na cabeça que Gabriel García Márquez embarca para a Europa. Com o objetivo de permanecer duas semanas, acaba ficando alguns anos.

E aqui, para infelicidade de todos, termina o primeiro volume das memórias de García Márquez. Haja paciência para esperar o próximo.

Para ir além
Vivir para contarla
Gabriel García Márquez
Editorial Sudamericana - Buenos Aires
579 páginas


Marcelo Barbão
São Paulo, 2/12/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Millôr e eu de Vitor Diel
02. Bukowski e as boas histórias de Luiz Rebinski Junior
03. Entre o matrimônio e a literatura de Jonas Lopes
04. Histórias pra Ninar Gente Grande de Rennata Airoldi
05. Três comentários de Evandro Ferreira


Mais Marcelo Barbão
Mais Acessadas de Marcelo Barbão em 2002
01. Viver para contar - parte 1 - 18/11/2002
02. Cuentos da Espanha - 23/9/2002
03. Tiques nervosos na ponta da língua - 25/7/2002
04. A idolatria do século XXI - 19/8/2002
05. Viver para contar - parte 2 - 2/12/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
30/6/2006
15h58min
Simplesmente adorei a resenha sobre este maravilhoso livro e, mais particularmente, a segunta parte. Acabei de comecar minha faculdade e nunca consegui colocar em palavras tao perfeitas algo sobre o jornalismo de hoje como voce fez. Tambem estou impaciente para o proximo livro!
[Leia outros Comentários de Paulina Vespasiano]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Os Colunáveis
Dominick Dunne
Record
(1994)



José e Maria - as Mais Famosas Histórias da Bíblia
Cedic
Cedic
(2013)



O Fluminense Me Domina!
Heitor Dalincourt
Leitura
(2009)



Administração: Oportunidades, Desafios e Ameaças
Wagner Siqueira
Reichmann & Affonso
(2002)



The Uses of Science in the Age of Newton
John G. Burke (edited)
University of California Press
(1983)



Dialogue Avec Mon Psychanalyste
Simone Korff Sausse
Hachette
(2001)



Tiradentes o Herói Que Inventou a Pátria
Vários Autores
Lições de Minas



As Religiões na História: Judaísmo Dispersão e Unidade
Moacyr Scliar
Atica
(1994)



Brussels, Bruges, Ghent& Antwerp Eyewitness Top 10
Antony Mason
Dk Travel Guides
(2010)



Controle do Uso do Solo Urbano
Serfhau
Min Interior; Serfhau
(1974)





busca | avançada
78047 visitas/dia
2,7 milhões/mês