A idolatria do século XXI | Marcelo Barbão | Digestivo Cultural

busca | avançada
51839 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Cia Triptal celebra a obra de Jorge Andrade no centenário do autor
>>> Sesc Santana apresenta SCinestesia com a Companhia de Danças de Diadema
>>> “É Hora de Arte” realiza oficinas gratuitas de circo, grafite, teatro e dança
>>> MOSTRA DO MAB FAAP GANHA NOVAS OBRAS A PARTIR DE JUNHO
>>> Ibevar e Fia-Labfin.Provar realizam uma live sobre Oportunidades de Carreira no Mercado de Capitais
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
Últimos Posts
>>> Parei de fumar
>>> Asas de Ícaro
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (I)
>>> A primeira ofensa recebida sobre algo que escrevi
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Procissão
>>> Mais espetáculo que arte
>>> teu filho, teu brilho
>>> O Medium e o retorno do conteúdo
>>> A Poli... - 10 anos (e algumas reflexões) depois
>>> Web-based Finance Application
>>> Pensando sozinho
Mais Recentes
>>> A Imitação de Cristo - e a Centralização da Cruz na Luta ... de Thomas à Kempis pela Vida Nova (2001)
>>> Viciado no Perigo de Jim Wickwire pela Manole (2000)
>>> Na Margem do Rio Piedra Eu Sentei e Chorei de Paulo Coelho pela Rocco (1994)
>>> Direito Societario - Desafio Atuais de Leandro Santos de Aragao pela Quartier Latin (2008)
>>> Administração Financeira de Antonio Zoratto Sanvicente pela Atlas (2007)
>>> Sem Filtro de Marcela Tavares pela Novas Paginas (2016)
>>> Manual de Obstetrícia Diagnóstico e Tratamento de Kenneth R. Niswander pela Medsi (1985)
>>> De Asas, Espelhos e Princesas de Maria Glória Barbosa pela Do Autor
>>> Centros de Mesa de Josep M. Minguet pela Decorando Con Flores (2003)
>>> Mobilização para Qualidade de Roberto Flávio de Carvalho e Silva pela Qualymark (1992)
>>> Um Coração Que Seja Puro de José Fernandes de Oliveira pela Paulus (1982)
>>> O Menino Narigudo - Sebo Tradição de Walcyr Carrasco pela Moderna (2007)
>>> Inculta & Bela de Pasquale Cipro pela Publifolha
>>> Teoria da Comunicaçao Muito Ou Poucas de Luiz C. Martino pela Atelie Editorial (2007)
>>> Os Miseráveis de Victor Hugo Adap Walcyr Carrasco pela Moderna (2012)
>>> Atherton a Casa do Poder de Patrick Carman pela Galera (2009)
>>> Telaris Biologia Caderno de Atividades 9° Ano de Sergio Linhares Fernando Gewandsznajder pela Atica
>>> Remarkably Uncommon de The Leading Hotels pela The Leading Hotels
>>> Declarnado - Se Culpado de Scott Turow pela Record (1993)
>>> Sookie Stackhouse, V. 7 - All Together Dead de Charlaine Harris pela Berkley Publishing (2008)
>>> Grammar Games de Mario Rinvolucri pela Cambridge do Brasil (1985)
>>> Alienação: Lidando Com o Problema Básico do Homem de Carrol Thompson pela Graça (1998)
>>> Papos de Anjo - 6ª de Sylvia Orthof pela Galera Junior (2014)
>>> Vento Sobre Terra Vermelha de Caio Ritter pela 8 Inverso (2012)
>>> Outros Quinhentos de Bizerril Marcelo pela Saraiva (2009)
COLUNAS

Segunda-feira, 19/8/2002
A idolatria do século XXI
Marcelo Barbão

+ de 7000 Acessos

Recentemente, na busca por alguma coisa boa na televisão, passei por um desses programas de auditório tipo B, com um cenário pobre, algumas dançarinas que já foram gostosas antes da celulite atacar e uma platéia que participa mais pelo sanduíche de mortadela do que pelas atrações.

Mas, antes de continuar meu passeio pelos botões do controle remoto, fui pego pelo choro de um homem nos seus 50 anos. Eu conheço esse homem, foi meu pensamento na hora. E fiquei assistindo. Queria saber porque ele chorava. E descobri rapidamente. Sentados em banquinhos de plástico, uma série de artistas que fizeram sucesso no passado, reclamavam do esquecimento da mídia e pediam (era por isso que o homem chorava) uma nova chance.

Era a grande dicotomia moderna: a luta entre os famosos e os anônimos. Pois, esse é o tema do recém-lançado livro de Ignácio de Loyola Brandão, O Anônimo Célebre. Quando o anonimato passa a ser considerado uma doença, a doença-símbolo do século XXI, e vale qualquer coisa para "curar-se" dela, quando vale até transar na frente das câmeras, simular casamentos, brigas, reconciliações, quando começamos a pensar que até vale a pena morrer se nos transformarmos num mito, então podemos pensar que algum limite, em algum lugar, foi extrapolado.

O texto está construído como uma coleção de pequenas notas que Loyola foi coletando por vários anos (10, segundo o próprio autor) sobre a história do anônimo que queria ficar célebre. Tanto queria, que organizava, a seu redor, um pequeno exército de assessores (mais adiante, de acordo com a última tendência da moda, os assessores começaram a ser chamados de gurus - o conhecimento deles não mudou em nada, mas os cachês...) com a única incumbência de colocá-lo em evidência. Assim, para se manter up-to-date (será que ainda usam isto?) é necessário um assessor cultural, de tribos (criam-se novas todos os dias), de imagens, de patrocínios (afinal, depois de famoso, ninguém compra mais nada na vida - troca pelo uso de sua imagem, de serem vistos comendo naquele restaurante ou passeando nesse shopping) e um dos mais importantes de todos: o criador de falsos eventos. Loyola até dá uma excelente idéia para escritores talentosos mas sem oportunidades no terrível mercado editorial brasileiro: criador de causos para alimentar a biografia de famosos.

Entre os diversos momentos maravilhosos do livro, alguns mostram uma boa dose de inspiração, como o capítulo (não sei se o melhor seria chamar de capítulos ou notas, já que o livro lembra uma colagem de momentos como o autor já havia feito na época do O Verde Violentou o Muro e Zero) que mostra qual é o mais belo som da vida para alguém alucinado pela celebridade: o som do aplauso. Direcionado a ele, é claro. Talvez possamos complementar que o pior som do mundo seria o silêncio. O silêncio do desconhecimento e do anonimato. De não ser convidado para as festas da moda, de não ser entrevistado, de não ser chamado para dar sua opinião em programas de auditórios ou não mostrar aquela famosa receita de sua tia-avó naquele programa matinal.

O texto de Loyola é sempre interessante e fácil de ler. Neste novo livro ele, ajudado ainda pelo tema ultra-modernoso, brinca com formatos novos de linguagem como o quase-dialeto dos e-mails. Outro aspecto interessante é o uso de recursos gráficos, o que mais uma vez nos relembra os experimentalismos inovadores dos seus romances mais famosos. O resultado é um excelente livro que supera em muito suas últimas e medianas obras como O Homem que Odiava Segunda-Feira e o Anjo do Adeus.

Mas, apesar de ser um Manual para tornar-se um Famoso, algo me diz que o livro de Loyola não servirá para uma grande parte dos anônimos que vemos diariamente na TV, nas festas, em desfiles de escola de samba e em qualquer lugar onde houver uma câmera fotográfica ou de filmagem. As muitas citações, entre filmes, livros, filósofos, atores e escritores, colocam este livro acima da capacidade de qualquer um dos atuais candidatos ao estrelato global. Seria necessário acompanhar só por alguns momentos qualquer um dos (finalmente) finados programas BBB ou Casa dos Artistas para descobrir que seus participantes não seriam capazes de reconhecer nenhum dos "modelos" citados pelo escritor, como talvez não conhecessem o próprio Loyola. Estranha ironia.

O final da saga do nosso célebre anônimo ainda surpreende com um quê cortazariano que explica sem explicar. Loyola, dessa forma, consegue criar uma excelente novela dos tempos atuais onde desvenda a verdadeira arte que é manter-se em evidência. Os 12 anos à frente da Vogue, uma das publicações que tradicionalmente dita a moda e o comportamento deste mundo de famosos, certamente ajudaram na coleta do material para o manual dos Vir-a-Ser.

Para ir além



O anônimo célebre
Ignácio de Loyola Brandão
Ed. Global
379 páginas


Marcelo Barbão
São Paulo, 19/8/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Lá onde brotam grandes autores da literatura de Renato Alessandro dos Santos
02. Mamãe falhei de Luís Fernando Amâncio
03. Uma alucinação chamada dezembro de Luís Fernando Amâncio
04. Do inferno ao céu de Cassionei Niches Petry
05. O espírito de 1967 de Celso A. Uequed Pitol


Mais Marcelo Barbão
Mais Acessadas de Marcelo Barbão em 2002
01. Viver para contar - parte 1 - 18/11/2002
02. Cuentos da Espanha - 23/9/2002
03. Tiques nervosos na ponta da língua - 25/7/2002
04. A idolatria do século XXI - 19/8/2002
05. Viver para contar - parte 2 - 2/12/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Friuli Venezia Giulia - Città, Borghi, Paesi
Gianni Daffara e Licio Damiani
Magnus
(1998)



Defensores Indefensáveis 23
Keith Giffen e Outros
Panini Comics
(2015)



Essential Idioms in English
Robert James Dixson
Disal
(2007)



Teoria e Realidade - 1ª Edição - 2ª Reimpressão
Mario Bunge
Perspectiva
(2013)



Manual de Direito Processual Civil
Renato Montans de As
Saraiva
(2016)



David Coperfield
Charles Dickens
Longmans
(1961)



Machado de Assis: crônicas
Eugênio Gomes
Agir
(1963)



Humor em Pílulas
Aziz Lasmar e José Seligman
Revinter
(2001)



Dom Quixote - Livro Primeiro - Edição de Bolso
Miguel de Cervantes
L&pm Pocket
(2005)



O Último dos Moicanos
James F. Cooper
Gênios
(2005)





busca | avançada
51839 visitas/dia
1,8 milhão/mês