Pobre rua do Vale Formoso | Elisa Andrade Buzzo | Digestivo Cultural

busca | avançada
84710 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Relacionamentos amorosos com homens em cárcere é tema do espetáculo teatral ‘Cartas da Prisão’, monó
>>> Curso da Unil examina aspectos da produção editorial
>>> “MEU QUINTAL É MAIOR DO QUE O MUNDO - ON LINE” TERÁ TEMPORADA ONLINE DE 10 A 25 DE ABRIL
>>> Sesc 24 de Maio apresenta Música Fora da Curva: bate-papos sobre música experimental
>>> Música instrumental e natureza selvagem conectadas em single de estreia de Doug Felício
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Gota d'agua
>>> Forças idênticas para sentidos opostos
>>> Entristecer
>>> Na pele: relação Brasil e Portugal é tema de obra
>>> Single de Natasha Sahar retrata vida de jovem gay
>>> A melancolia dos dias (uma vida sem cinema)
>>> O zunido
>>> Exposição curiosa aborda sobrevivência na Amazônia
>>> Coral de Piracicaba apresenta produção virtual
>>> Autocombustão
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Picasso versus Duchamp e a crise da arte atual
>>> Usina
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Web 2.0 reloaded
>>> Lendas e mitos da internet no Brasil
>>> A loucura das causas
>>> Queen na pandemia
>>> Nerd oriented news
>>> 13 de Agosto #digestivo10anos
>>> O cão da meia-noite
Mais Recentes
>>> Vidas que nos Completam de Américo Simões pela Barbara (2011)
>>> Uma O Tau. Um Sinal Espiritualidade de Mariano Bigi pela Vozes (2004)
>>> Diálogo Com A Cidade de Cardeal Dom Cláudio Hummes pela Paulus (2005)
>>> Patologia das Fundações de Jarbas Milititsky, Nilo Cesar Consoli, Fernando Schnaid pela Oficina de Textos (2005)
>>> Escrita chinesa de Viviane Alleton pela L&Pm (2010)
>>> Caderno de revisão Química Conecte de M. Esther Nejm et al pela Saraiva (2014)
>>> A Igreja. 51 Catequeses do Papa Sobre a Igreja de Felipe Aquino pela Cleofas (2004)
>>> O Sono dos Hibiscos de Lygia Barbiere Amaral pela Lachatre (2005)
>>> Paris: uma história de Yvan Combeau pela L&Pm (2010)
>>> Vem!... de Cenyra Pinto pela Lachatre (1993)
>>> Plano diretor do Mercado de Capitais - Parceria Público-Privada de Sucesso de Ney Carvalho pela Publit Soluções Editoriais (2014)
>>> Cartas extraviadas e outros poemas de Martha Medeiros pela L&Pm (2009)
>>> Maigret E A Morte Do Jogador de Georges Simenon pela L&Pm (2009)
>>> Milagres a luz do espirito Aloha de Carmem Balhestero pela Madras (2014)
>>> Madeira de ponta a ponta - O caminho desde a floresta até o consumo de Sérgio Adeodato, Malu Villela, Luciana Stocco Betiol, Mario Monzoni pela FGV Rae (2011)
>>> Matemática Caderno de Competências de Conecte pela Saraiva (2014)
>>> Orgulho e preconceito de Jane Austen pela L&Pm (2010)
>>> Filho Herói de Elisa Medhus pela Paulus (2005)
>>> Maigret E O Sumiço Do Sr. Charles de Georges Simenon pela L&Pm (2009)
>>> Tragédias gregas de Pascal Thiercy pela L&Pm (2009)
>>> Controle de Custos de Implantação de Projetos Industriais de Sérgio Conforto & Mônica Spranger pela Taba Cultural (2016)
>>> Livro do Catequista: Fé, Vida de Vários Autores pela Paulus (1994)
>>> King Kong - O gorila mais conhecido em todo o mundo de Edgar Wallace pela Record (1977)
>>> Viagem por Mundos Sutis de Trigueirinho pela Pensamento (2011)
>>> Coisas da vida de Martha Medeiros pela L&Pm (2009)
COLUNAS

Quinta-feira, 7/1/2021
Pobre rua do Vale Formoso
Elisa Andrade Buzzo

+ de 2100 Acessos

Rente ao rio, numa manhã opaca de outono e sol, um grande terreno se traceja em formas de construções ainda desconhecidas, cujas fundações imaginárias sulcam a terra. O azul brilhante e pastel do Tejo envolve, como cabeceira, esse novo leito por tantos anos abandonado, onde cintila solitário em castanhos. Terra é revolvida, a silhueta preta e distante de dois homens acompanha os trabalhos, um caminhão passa resfolegando rastros de poeira em sua carcaça, uma mão de ferro gigante revolve mais terra contaminada.

Eu já quis morar na rua do Vale Formoso. Primeiro, porque é um nome que exala poesia, de não se jogar fora. Depois, porque é o único pedacinho de residências com ar antigo na parte extrema oriental da cidade. Ainda, por suas costas há uma linha férrea que me lembra a presença onipresente e sufocante dos comboios para Gloria Grahame, na versão de Humain Desire de Fritz Lang. Mas a lógica do sonho e da ficção não funciona na vida; portanto, lá não moro, ainda que a vislumbre da minha janela.

Aliás, nem mesmo quero mais morar lá. E, ultimamente, tenho tido pena de quem parece ter vivido a vida toda naquela redondeza como aquele senhor, que passa pela rua sempre com o mesmo saco do IDL, e aquela cachorrinha. Eles andam num trote completamente acostumado com as torções daquela rua, cujo acesso se dá por uma escadaria oculta. Provavelmente, há um pedaço de vale formoso que fora decepado pelo progresso universal.

Agora, no grande terreno que abarca parte da rua, em sua margem mais próxima ao rio, há esse maquinário fumegando, caminhões repletos de terra num ir e vir constante. Em um deles, as palavras: BIZARRO. Só mesmo os dias de quarentena encerram o carrossel de caminhões subindo o viaduto com o peso do passado a forçar o asfalto do nosso presente. E eu penso na cadeira de plástico atirada em um canto de uma casa muito velha na Azinhaga do Batista – quantos mais comboios do futuro por ela ainda poderão passar?

Você, que já teve algum tipo de cinema escondido, cuja placa "Cinemate" se encontra atirada. Você, que ainda há de esperar um político inaugurar alguma importante obra. Há um letreiro qualquer, "Teatro", em caracteres pretos. Você, neste dia 31 de dezembro de 2020, que lançou um conjunto de fogos de artifício coloridos bem em frente de casa. Só você mesmo para ter um gesto de delicadeza otimista no confinamento, rua do Vale Formoso. Muito obrigada.

E você, pobrezinha rua do Vale Formoso, hoje em dia mais valia ter nascido como rua do Vale Formoso de Cima, e estar mais longe do barulho e da sujeira do desenvolvimento urbano. Você, uma retinha polvilhada de prédios antigos e edifícios abandonados, pequena mas bonita, que nasce em Marvila e desemboca num viaduto (muito sem graça). Você, que era um sonho para mim despercebido em um horizonte estéril, uma cidade de faroeste tão pequenina e escondida, seguindo o rastro sem fim da linha de trem.

Mas, talvez, se ainda houver alguma chance desta rua ser pacífica e calma, como já fora, uma rua como uma mão de homem delicada e tão forte, que aguenta o balanço bruto de uma linha de trem e sustenta vasinhos de plantas nas janelas térreas dos apartamentos, que viu a fábrica de gás ser levantada como uma estação espacial alienígena, e talvez agora veja o seu desmonte, que nasceu exatamente por causa de melhoramentos e por eles mesmos ficou assim, decepada e flutuante no tempo... Talvez eu ainda queira, no futuro, morar numa casinha nessa mesma rua de prédios moderníssimos e arcaicos – e ver, numa carta residual, meu nome entrelaçado com o dela, como quem erroneamente retorna a um antigo amante.


Elisa Andrade Buzzo
São Paulo, 7/1/2021


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Elesbão: escravo, enforcado, esquartejado de Jardel Dias Cavalcanti
02. O hiperconto e a literatura digital de Marcelo Spalding
03. Perguntas sagradas de Larissa Pontez
04. As religiões do Rio e do Brasil de Marcelo Spalding
05. O discreto charme dos sebos de Luis Eduardo Matta


Mais Elisa Andrade Buzzo
Mais Acessadas de Elisa Andrade Buzzo
01. Novos autores na poesia brasileira - 18/5/2006
02. Mia Couto revisitado - 14/9/2006
03. Mais outro cais - 7/6/2018
04. Ecos digitais: poema-em-música - 4/1/2007
05. O dia em que não conheci Chico Buarque - 21/6/2018


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Quando a Cristandade Morre
Emmanuel Mounier
Paz e Terra
(1972)



Dias de Guerra no Atlântico Sul
Paulo de Q. Duarte
Biblioteca do Exército
(1968)



Pequenas Licões
Legrand
Soler
(2008)
+ frete grátis



It Girl Garota Inesquecível
Cecily Von Ziegesar
Galera Record
(2009)



Milagres de Amor e Amizade
Yitta Halberstam; Judith Leventhal
Butterfly
(2005)



O Garanhão das Praias
José Mauro de Vasconcelos
Melhoramentos
(1969)



Starters
Lissa Price
Novo conceito
(2012)



Cenas de um Casamento
Ingmar Bergman
Círculo do Livro
(1975)



Cavalo Encilhado Não Passa Duas Vezes
Antonio B. Carrelhas
Peirópolis
(2010)



O Inédito Viável
Emerson Weslei Dias
D Livros
(2013)





busca | avançada
84710 visitas/dia
2,6 milhões/mês