Pobre rua do Vale Formoso | Elisa Andrade Buzzo | Digestivo Cultural

busca | avançada
49127 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Projeto que une cultura e conscientização ambiental traz teatro gratuito a Minas Gerais
>>> Show da Percha com Circo do Asfalto
>>> Evento Super Hacka Kids reúne filmes, games, jogos de mesa e muita diversão para a família
>>> SESC BELENZINHO RECEBE RÁDIO DIÁSPORA
>>> Música de Feitiçaria
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Jô Soares (1938-2022)
>>> Casos de vestidos
>>> Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
Colunistas
Últimos Posts
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
Últimos Posts
>>> Direitos e Deveres, a torto e a direita
>>> Os chinelos do Dr. Basílio
>>> Ecléticos e eficazes
>>> Sarapatel de Coruja
>>> Descartável
>>> Sorria
>>> O amor, sempre amor
>>> The Boys: entre o kitsch, a violência e o sexo
>>> Dura lex, só Gumex
>>> Ponto de fuga
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Entrevista com Milton Hatoum
>>> Prenda-me se for capaz
>>> Entrevista com o tradutor Oleg Andréev Almeida
>>> O nome da morte
>>> 21º de Mozart: Pollini e Muti
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Jornalismo: as aulas de Joel Silveira
>>> O 4 (e os quatro) do Los Hermanos
>>> Homenagem a Yumi Faraci
>>> Teledramaturgia ao vivo
Mais Recentes
>>> De Homens e Maquinas de Roberto Mange pela Senai São Paulo (1991)
>>> De Homens e Maquinas de Roberto Mange pela Senai São Paulo (1991)
>>> Projetos e Presepadas de um Curumim na Amazônia de Edson Kayapó pela Positivo (2019)
>>> O Enraizamento de Simone Weil pela Edusc
>>> Adolescencia de Arminda Aberastury pela Kargieman
>>> Como Encontrar a Medida Certa de Carlos Marcondes; Nelson Gentil pela Atica (1992)
>>> A Essência do Franchising de Martin Mendelsohn pela Difusão de Educação e Cultural (1994)
>>> Engenharia Econômica - Cem Tabelas de Juros Impressas Em Computador de Geraldo Hess e Outros pela Difel (1982)
>>> Uma Vida Em Segredo de Autran Dourado pela Ediouro
>>> Os Melhores Contos da America Latina de Flávio Moreira da Costa pela Agir (2008)
>>> A Casa da Madrinha de Lygia Bojunga pela Agir (1932)
>>> Um Hotel na Esquina - Coleção 100 Milhões de Leitores de Jamie Ford pela Agir (2012)
>>> Vira- Lata Virador de Daniel Pennac pela Agir (1995)
>>> 2 Grau Matematica 3 Serie de Atual pela Atual
>>> A Historia de Fernao Capelo Gaivota de Richard Bach pela Editorial Nordica Ltda. (1970)
>>> Almas Antigas de Tom Shroder pela Sextante (2001)
>>> Estação Carandiru de Drauzio Varella pela Companhia das Letras (1999)
>>> O Fugitivo de J. M. Dillard pela Estadão (1997)
>>> Clássicos da Poesia Brasileira - Ler é Aprender de Frederico Barbosa pela Klick (1997)
>>> A Terapia do Abraço 2 de Kathleen Keating pela Pensamento (1987)
>>> Fogo Morto - Ler é Aprender de José Lins do Rego pela Klick
>>> The Founders of Modern Finance: Their Prize-winning Concepts and 1990 de Cfa pela Cfa (1992)
>>> O Poder Cosmico do Homem de Vernon Howard pela Record
>>> Introdução À Mecânica dos Solos de Milton Vargas pela Mcgraw-hill (1977)
>>> 6 +1 Traits of Writing de Ruth Culham e Outros pela Scholastic (2003)
COLUNAS

Quinta-feira, 7/1/2021
Pobre rua do Vale Formoso
Elisa Andrade Buzzo

+ de 2800 Acessos

Rente ao rio, numa manhã opaca de outono e sol, um grande terreno se traceja em formas de construções ainda desconhecidas, cujas fundações imaginárias sulcam a terra. O azul brilhante e pastel do Tejo envolve, como cabeceira, esse novo leito por tantos anos abandonado, onde cintila solitário em castanhos. Terra é revolvida, a silhueta preta e distante de dois homens acompanha os trabalhos, um caminhão passa resfolegando rastros de poeira em sua carcaça, uma mão de ferro gigante revolve mais terra contaminada.

Eu já quis morar na rua do Vale Formoso. Primeiro, porque é um nome que exala poesia, de não se jogar fora. Depois, porque é o único pedacinho de residências com ar antigo na parte extrema oriental da cidade. Ainda, por suas costas há uma linha férrea que me lembra a presença onipresente e sufocante dos comboios para Gloria Grahame, na versão de Humain Desire de Fritz Lang. Mas a lógica do sonho e da ficção não funciona na vida; portanto, lá não moro, ainda que a vislumbre da minha janela.

Aliás, nem mesmo quero mais morar lá. E, ultimamente, tenho tido pena de quem parece ter vivido a vida toda naquela redondeza como aquele senhor, que passa pela rua sempre com o mesmo saco do IDL, e aquela cachorrinha. Eles andam num trote completamente acostumado com as torções daquela rua, cujo acesso se dá por uma escadaria oculta. Provavelmente, há um pedaço de vale formoso que fora decepado pelo progresso universal.

Agora, no grande terreno que abarca parte da rua, em sua margem mais próxima ao rio, há esse maquinário fumegando, caminhões repletos de terra num ir e vir constante. Em um deles, as palavras: BIZARRO. Só mesmo os dias de quarentena encerram o carrossel de caminhões subindo o viaduto com o peso do passado a forçar o asfalto do nosso presente. E eu penso na cadeira de plástico atirada em um canto de uma casa muito velha na Azinhaga do Batista – quantos mais comboios do futuro por ela ainda poderão passar?

Você, que já teve algum tipo de cinema escondido, cuja placa "Cinemate" se encontra atirada. Você, que ainda há de esperar um político inaugurar alguma importante obra. Há um letreiro qualquer, "Teatro", em caracteres pretos. Você, neste dia 31 de dezembro de 2020, que lançou um conjunto de fogos de artifício coloridos bem em frente de casa. Só você mesmo para ter um gesto de delicadeza otimista no confinamento, rua do Vale Formoso. Muito obrigada.

E você, pobrezinha rua do Vale Formoso, hoje em dia mais valia ter nascido como rua do Vale Formoso de Cima, e estar mais longe do barulho e da sujeira do desenvolvimento urbano. Você, uma retinha polvilhada de prédios antigos e edifícios abandonados, pequena mas bonita, que nasce em Marvila e desemboca num viaduto (muito sem graça). Você, que era um sonho para mim despercebido em um horizonte estéril, uma cidade de faroeste tão pequenina e escondida, seguindo o rastro sem fim da linha de trem.

Mas, talvez, se ainda houver alguma chance desta rua ser pacífica e calma, como já fora, uma rua como uma mão de homem delicada e tão forte, que aguenta o balanço bruto de uma linha de trem e sustenta vasinhos de plantas nas janelas térreas dos apartamentos, que viu a fábrica de gás ser levantada como uma estação espacial alienígena, e talvez agora veja o seu desmonte, que nasceu exatamente por causa de melhoramentos e por eles mesmos ficou assim, decepada e flutuante no tempo... Talvez eu ainda queira, no futuro, morar numa casinha nessa mesma rua de prédios moderníssimos e arcaicos – e ver, numa carta residual, meu nome entrelaçado com o dela, como quem erroneamente retorna a um antigo amante.


Elisa Andrade Buzzo
São Paulo, 7/1/2021


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Risca Faca, poemas de Ademir Assunção de Jardel Dias Cavalcanti
02. Filmes de guerra, de outro jeito de Ana Elisa Ribeiro
03. Era uma casa nada engraçada de Cassionei Niches Petry
04. Gosta de escrever? Como não leu este livro ainda? de Renato Alessandro dos Santos
05. A confissão de Lúcio: as noites cariocas de Rangel de Renato Alessandro dos Santos


Mais Elisa Andrade Buzzo
Mais Acessadas de Elisa Andrade Buzzo em 2021
01. Errando por Nomadland - 5/8/2021
02. A ostra, o Algarve e o vento - 2/9/2021
03. Um antigo romance de inverno - 11/2/2021
04. Das construções todas do sentir - 20/5/2021
05. Lisboa obscura - 22/4/2021


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Madame Je-sais-tout
Roger Hargreaves
Hachette Book Group Usa
(2008)



Wolf Heidegger Atlas de Anatomia Humana 1 e 2
Petra Kopf Maier
Guanabara Koogan



Cinquenta Tons de Cinza
E L James
Intrinseca
(2012)



Quase Acaso
André Tressoldi
Novo Século
(2012)



Pedagogia da amizade - Bullying: o sofrimento das vítimas e dos agressores
Gabriel Chalita
Gente
(2008)



O Mestre Dos Sucos
Jason Vale
Lafonte
(2013)



Drugs in Anaesthesia and Intensive Care
Martin Sasada, Sue Smith
Oxford University Press
(1997)



Livro - O Chá-de-bebê de Becky Bloom
Sophie Kinsella, Alves Calado
Record
(2008)



Great Expectations
Charles Dickens
Penguin Books
(2010)



História Universal - o Império das Pirâmides
Carl Grimberg
Azul
(1989)





busca | avançada
49127 visitas/dia
2,0 milhão/mês