Lisboa obscura | Elisa Andrade Buzzo | Digestivo Cultural

busca | avançada
54198 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Conto HAYEK, de Maurício Limeira, é selecionado em coletânea da Editora Persona
>>> Os Três Mosqueteiros - Um por Todos e Todos por Um
>>> Sesc 24 de Maio recebe o projeto Parlavratório - Conversas sobre escrita na arte
>>> Cia Caravana Tapioca faz 10 anos e comemora com programação gratuita
>>> Eugênio Lima dirige Cia O GRITO em novas intervenções urbanas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
>>> Uma história da Sambatech
>>> Uma história da Petz
>>> A história de Chieko Aoki
>>> Uma história do Fogo de Chão
>>> BDRs, um guia
>>> Iggor Cavalera por André Barcinski
Últimos Posts
>>> Os inocentes do crepúsculo
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
>>> Indistinto
>>> Mais fácil? Talvez
>>> Riacho da cacimba
>>> Mimético
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Sultão & Bonifácio, parte I
>>> Fui pra Cuba
>>> Sobre o preço dos livros 1/2
>>> No altar do vento
>>> Hamlet... e considerações sobre mercado editorial
>>> Novos Melhores Blogs
>>> The Romantic Poets, by Kevin Mundy
>>> Mais pressão na caldeira
>>> Manual para revisores novatos
>>> É suave a noite
Mais Recentes
>>> Os amores difíceis de Italo Calvino pela Companhia das Letras (1992)
>>> Os amores difíceis de Italo Calvino pela Companhia das Letras (1992)
>>> Os amores difíceis de Italo Calvino pela Companhia das Letras (1992)
>>> Muito prazer fale português do Brasil de Glaucia Roberta Rocha Fernandes pela Disal (2021)
>>> O beijo e outras histórias de Antón Tchekhov pela Círculo do Livro
>>> Sob o Sol-Jaguar de Italo Calvino pela Companhia das Letras (1995)
>>> O que Einstein disse a seu cozinheiro - vol. 2: Mais ciência na cozinha de Robert L. Wolke pela Zahar (2003)
>>> O que Einstein disse a seu cozinheiro - vol. 1: A ciência na cozinha de Robert L. Wolke pela Zahar (2003)
>>> O Poder do Silêncio de Eckhart Tolle pela Sextante (2016)
>>> O Poder do Agora de Eckhart Tolle pela Sextante (2002)
>>> O Toque de Midas de Colleen McCullough pela Bertrand Brasil (2007)
>>> O Comite da Morte de Noah Gordon pela Rocco (1996)
>>> La Bodega de Noah Gordon pela Rocco (2008)
>>> Xama a historia de um medico no seculo XIX de Noah Gordon pela Rocco (1993)
>>> O Rabino de Noah Gordon pela Rocco (1994)
>>> O Rabino de Noah Gordon pela Rp (2021)
>>> O Fisico - A epopeia de um medico medieval de Noah Gordon pela Rocco (1993)
>>> O Silencio dos Inocentes ( capa dura) de Thomas Harris pela Altaya Record (1989)
>>> Hannibal de Thomas Harris pela Record (1999)
>>> O Jardim de Ossos de Tess Gerritsen pela Record (2009)
>>> O Clube Mefisto de Tess Gerritsen pela Record (2016)
>>> Gestão Empresarial de Taylor aos Nossos Dias de Ademir Antonio Ferreira e Outros pela Pioneira (2000)
>>> O Dominador de Tess Gerritsen pela Record (2016)
>>> Pão Diário 15 de Vários Autores pela Rtm (2012)
>>> Cadernos da Pós-Graduação Cinema e Fotografia de Instituto de Artes Unicamp pela UniCamp (2006)
COLUNAS

Quinta-feira, 22/4/2021
Lisboa obscura
Elisa Andrade Buzzo

+ de 2900 Acessos

Dessa escuridão, não nos demos conta de sua chegada. E, por isso, duvidamos de sua natureza – sutil ou traiçoeira? discreta ou meticulosa? A escuridão observa-nos em um canto seu, que contempla tudo, à distância, aguardando o momento da aproximação. Ou, simplesmente, está em tudo, envolve-nos, engolfa-nos, por completo, podendo um corpo aceso dela não se aperceber, ignorando lustres e abajures.

Fomos apanhados à rua pelo pôr-do-sol e gostamos de começarmos a sermos gatos pardos. Já houve e continuam havendo vozes estridentes, e banais, querendo fazer dormir, todos, novamente. Particularmente, eu gosto acordada da natureza da noite, e a imensidão de que falo não tem a ver com esses sons humanos descompassados, pedintes de validação de seu poder frouxo, autoritários, nem com a sonolência de um recolhimento tradicional austero.

E ainda que as noites compridas tenham sido de estrelas sempre poucas, o que aprendi a gostar nessas é de sua tranquilidade inabalável, sua extensão longa que, ao fechar os olhos, sonho desconexões de outros tempos, com auroras boreais. Tão pacata é ela que dentro cabem muitas outras coisas, nessa noite de tela branca. Ainda que em cores desbotadas, ela é uma televisão muito mais ampla e menos plana do que aquelas que vislumbro pelas grandes janelas acesas.

No entanto, na amplidão das noites de inverno, que assim longas foram se tornando (primeiro, de um dia para outro e, depois, a cada dia mais), em um momento determinado em que me apercebi de sua calma e tenaz voracidade, perguntei-me se é a obscuridade que se revolve a nos encontrar ou se somos nós que vamos em direção a ela. Ou então, por exemplo, falta-nos clareza ou de luz sofremos privação?

Da noite não pretendíamos muito, mas a ela nos agarramos como se fosse claridade de luz. A obscuridade começa cedo e termina tarde. E toma conta de tudo de tal forma gradativa que nos esquecemos do que se tinha como de costume. A noite nos envolveu com a aderência da eternidade. Mas nos últimos dias do inverno ela vai minguando até ficar pequena, quase domesticável. A claridade súbita sobe diante de nós como um fantasma de olhos arregalados. O sol de Lisboa, como o de Teixeira de Pascoaes, é uma chaga aberta. E ela ressurge, como uma cicatriz que reabre inadvertidamente.

Na praça do Areeiro espouca a resiliência silenciosa de uma arquitetônica forma de opressão. Os bairros a cada dia despertam mais cedo e, brilhosas, as suas paredes claras aceitam que o sol sobre elas reflita, e nasça. Mais uma vez, noite e dia, o Tejo cintila, veleiros estufam as velas, pescadores alçam o arpão e estendem as redes, caranguejos retorcem as garras. O mundo é dolorido porque é vivo. E, dentro em pouco, a obscuridade de Lisboa se irá embora, sem nos darmos conta de que um dia ela tenha se aproximado, e de que de tal maneira tenham sido as suas noites longas.


Elisa Andrade Buzzo
São Paulo, 22/4/2021


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O palhaço no poder de Luís Fernando Amâncio
02. Meu Telefunken de Renato Alessandro dos Santos
03. Os Doze Trabalhos de Mónika. 5. Um Certo Batitsky de Heloisa Pait
04. Srta Peregrine e suas crianças peculiares de Ricardo de Mattos
05. Pokémon Go, você foi pego de Luís Fernando Amâncio


Mais Elisa Andrade Buzzo
Mais Acessadas de Elisa Andrade Buzzo em 2021
01. Um antigo romance de inverno - 11/2/2021
02. Lisboa obscura - 22/4/2021
03. Das construções todas do sentir - 20/5/2021
04. Pobre rua do Vale Formoso - 7/1/2021
05. Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão - 4/2/2021


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Mais Prazeres do Sexo
Alex Comfort
Martins Fontes
(1987)



79 Park Avenue
Harold Robbins
Record
(1955)



Pimenta e Seus Benefícios a Saúde
Marcio Bontempo
Alaúde
(2007)



Américas do Sul e Central e Antártida Vol 3
Atlas Geográfico Mundial Vol. 3
Sol 90
(2005)



Guia Practica para El Profesional En Fitoterapicos
Augusto Piazza/jorge Perez Lissarrague
Dunken
(1999)



Bio Volume 2 Com Cd
Sonia Lopes e Sergio Rosso
Saraiva
(2010)



Il Museo D Arte Americano Dietro Le Quinte Di un Mito
Cristina Acidini Luchinat
Electa
(1999)



Candomblé e Umbanda - Caminhos da Devoção Brasileira - 5ª Edição
Vagner Gonçalves da Silva
Selo Negro
(2005)



A Cruz de Fogo -volume V[5] Segunda Parte
Diana Gabaldon
Arqueiro
(2009)



Princípios de Gerência por Objetivos
Paul Mali
Pallas
(1976)





busca | avançada
54198 visitas/dia
2,2 milhões/mês