Lisboa obscura | Elisa Andrade Buzzo | Digestivo Cultural

busca | avançada
48334 visitas/dia
1,6 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Residência Artística FAAP São Paulo realiza Open Studio neste sábado
>>> CONHEÇA OS VENCEDORES DO PRÊMIO IMPACTOS POSITIVOS 2022
>>> Espetáculo 'Figural', direçãod e Antonio Nóbrega | Sesc Bom Retiro
>>> Escritas de SI(DA) - o HIV/Aids na literatura brasileira
>>> Com Rincon Sapiência, Samanta Luz prepara quiche vegana no Sabor & Luz
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
>>> O segredo para não brigar por política
>>> Endereços antigos, enganos atuais
>>> Rodolfo Felipe Neder (1935-2022)
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> Jô Soares (1938-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Nosotros
>>> Berço de lembranças
>>> Não sou eterno, meus atos são
>>> Meu orgulho, brava gente
>>> Sem chance
>>> Imcomparável
>>> Saudade indomável
>>> Às avessas
>>> Amigo do tempo
>>> Desapega, só um pouquinho.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> As mulheres e o futebol
>>> São Luiz do Paraitinga
>>> Discurso de William Faulkner
>>> Road Warrior
>>> O crime da torta de morango
>>> PT saudações
>>> Oscar Wilde, dândi imortal
>>> 30 de Novembro #digestivo10anos
>>> Uma história do Jazz
>>> Quando morre uma paixão
Mais Recentes
>>> 20 Dias no Mundo dos Mortos ou 20 Dias no mundo da Outra Vida de Jorge Adoum pela Fund Cultural Avatar (1991)
>>> As brumas de Avalon 3 o gamo-rei de Marion Zimmer Bradley pela Circulo do livro (1992)
>>> Administração de Produção e de Operações - edição. compacta de Henrique L Corrêa; Carlos A Corrêa pela Atlas (2013)
>>> A Irmandade dos Sete Raios de Rodrigo Romo pela Madras
>>> Pai, Um Homem de Valor de Hernandes Dias Lopes pela Voxlitteris (2008)
>>> Volume 1: Terapia Artística - Introdução aos fundamentos da pintura terapêutica de Paul Von der Heide pela Antroposófica (1987)
>>> A Espiritualidade dos Animais de Marcel Benedeti pela Mundo Maior (2008)
>>> Os Ensinamentos dos Essênios de Edmond Bordeaux Szekely pela Pensamento
>>> O Diário da Princesa de Meg Cabot pela Galera Record (2007)
>>> Crescendo hush hush de Becca Fitzpatrick pela Intrinseca (2011)
>>> Quando é Preciso Ser Forte de De Rose pela Egrégora (2014)
>>> O Livro das Letras de Lawrence Kushner pela Madras (2002)
>>> Marley e eu de John Grogan pela Prestigio (2006)
>>> Marina de Carlos Ruiz Zafon pela Suma (2011)
>>> A Sombra do Vento de Carlos Ruiz Zafón pela Objetiva (2004)
>>> Minha vida como traidora de Zarah Ghahramani pela Ediouro (2009)
>>> A menina que roubava livros de Markus Zusak pela Intrinseca (2011)
>>> Uma longa jornada de Nicholas Sparks pela Arqueiro (2013)
>>> O leopardo de Jo Nesbo pela Record (2014)
>>> A livraria 24 horas do Mr. penumbra de Robin Sloan pela Novo Conceito (2013)
>>> Luxuria de Judith Krantz pela Record
>>> O Simbolismo do Corpo Humano de Annick de Souzenelle pela Pensamento
>>> O livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Best bolso (2009)
>>> O Hobbit de J R R Tolkien pela Martins Fontes (2012)
>>> A herdeira livro 4 serie a seleção de Kiera Cass pela Seguinte (2015)
COLUNAS

Quinta-feira, 22/4/2021
Lisboa obscura
Elisa Andrade Buzzo

+ de 4300 Acessos

Dessa escuridão, não nos demos conta de sua chegada. E, por isso, duvidamos de sua natureza – sutil ou traiçoeira? discreta ou meticulosa? A escuridão observa-nos em um canto seu, que contempla tudo, à distância, aguardando o momento da aproximação. Ou, simplesmente, está em tudo, envolve-nos, engolfa-nos, por completo, podendo um corpo aceso dela não se aperceber, ignorando lustres e abajures.

Fomos apanhados à rua pelo pôr-do-sol e gostamos de começarmos a sermos gatos pardos. Já houve e continuam havendo vozes estridentes, e banais, querendo fazer dormir, todos, novamente. Particularmente, eu gosto acordada da natureza da noite, e a imensidão de que falo não tem a ver com esses sons humanos descompassados, pedintes de validação de seu poder frouxo, autoritários, nem com a sonolência de um recolhimento tradicional austero.

E ainda que as noites compridas tenham sido de estrelas sempre poucas, o que aprendi a gostar nessas é de sua tranquilidade inabalável, sua extensão longa que, ao fechar os olhos, sonho desconexões de outros tempos, com auroras boreais. Tão pacata é ela que dentro cabem muitas outras coisas, nessa noite de tela branca. Ainda que em cores desbotadas, ela é uma televisão muito mais ampla e menos plana do que aquelas que vislumbro pelas grandes janelas acesas.

No entanto, na amplidão das noites de inverno, que assim longas foram se tornando (primeiro, de um dia para outro e, depois, a cada dia mais), em um momento determinado em que me apercebi de sua calma e tenaz voracidade, perguntei-me se é a obscuridade que se revolve a nos encontrar ou se somos nós que vamos em direção a ela. Ou então, por exemplo, falta-nos clareza ou de luz sofremos privação?

Da noite não pretendíamos muito, mas a ela nos agarramos como se fosse claridade de luz. A obscuridade começa cedo e termina tarde. E toma conta de tudo de tal forma gradativa que nos esquecemos do que se tinha como de costume. A noite nos envolveu com a aderência da eternidade. Mas nos últimos dias do inverno ela vai minguando até ficar pequena, quase domesticável. A claridade súbita sobe diante de nós como um fantasma de olhos arregalados. O sol de Lisboa, como o de Teixeira de Pascoaes, é uma chaga aberta. E ela ressurge, como uma cicatriz que reabre inadvertidamente.

Na praça do Areeiro espouca a resiliência silenciosa de uma arquitetônica forma de opressão. Os bairros a cada dia despertam mais cedo e, brilhosas, as suas paredes claras aceitam que o sol sobre elas reflita, e nasça. Mais uma vez, noite e dia, o Tejo cintila, veleiros estufam as velas, pescadores alçam o arpão e estendem as redes, caranguejos retorcem as garras. O mundo é dolorido porque é vivo. E, dentro em pouco, a obscuridade de Lisboa se irá embora, sem nos darmos conta de que um dia ela tenha se aproximado, e de que de tal maneira tenham sido as suas noites longas.


Elisa Andrade Buzzo
São Paulo, 22/4/2021


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Raios, trovoadas e técnicos de informática de Ana Elisa Ribeiro


Mais Elisa Andrade Buzzo
Mais Acessadas de Elisa Andrade Buzzo em 2021
01. Errando por Nomadland - 5/8/2021
02. A ostra, o Algarve e o vento - 2/9/2021
03. Um antigo romance de inverno - 11/2/2021
04. Das construções todas do sentir - 20/5/2021
05. Lisboa obscura - 22/4/2021


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Auditoria de Recuso Humanos
Angela Busse e Simone Manzoki
Ibpex
(2011)



Guias Praticos de Enfermagem - Geriatria
Isidoro Ruipérez / Paloma Llorente
Mc-graw-hill
(2000)



Guerra Civil 6ªreimpressão(2016)
Stuart Moore, Will Conrad, Michele Macculloch
Novo Século
(2014)



O último Encantamento
Mary Stewart
Best Seller



A equação de Deus
Corey S. Powell
ARX
(2005)



Lives of the Poets: Six Stories and a Novella
E. L. Doctorow
Avon Fiction
(1984)



Onze Minutos
Paulo Coelho
Rocco
(2003)



Augusto Rodrigues - 50 Anos de Arte: a Arte Como uma Anotação do Cotid
Jacob Klintowitz
Raizes
(1980)



Forez Velay
Lous Pize
B Arthaud
(1953)



Psiquiatria Em Face da Reencarnação
Dr. Inácio Ferreira
Feesp
(2011)





busca | avançada
48334 visitas/dia
1,6 milhão/mês