Cartas@de.papel | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
32715 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Sexta-feira, 26/3/2010
Cartas@de.papel
Ana Elisa Ribeiro

+ de 4200 Acessos
+ 5 Comentário(s)

"A velocidade não é mais a mesma. Foi o que eu concluí depois de tanto tempo sem conseguir responder à sua carta. Naqueles tempos do colégio, e logo depois também, tínhamos certa agilidade no diálogo, mesmo sem e-mails. Nem se falava nisso, aliás. Eram as cartas e os telefonemas. E fomos reunindo nossas histórias por escrito. Hoje já não consigo mais escrever cartas e ir aos Correios com tanta eficiência. Ainda se eu tivesse uma agência por perto, mas não é o caso. É preciso sair para ir aos Correios, especialmente para isso. Cá estou, depois de tanto tempo. E temi que você me considerasse uma amiga relapsa ou uma negligente."

Foi assim que iniciei uma carta a um grande amigo de escola, depois de muitos anos, quando recebi dele uma correspondência real completamente inesperada. Ele se arriscou, pois mudei tantas vezes de endereço, mas me achou, porque sempre tenho raiz em algum lugar.

Assisti a algum programa de televisão pela metade em alguma semana de janeiro, quando estive de férias, e pratiquei o que mais gosto de fazer na vida: dormir quando dá sono. E como o sono não vinha, zapeei canais madrugada afora e ouvi alguém dizer, não sei bem em que programa, que a internet prejudicou demais algumas coisas, sendo o hábito da leitura a mais importante delas. E dizia aquele homem jovem que a juventude hoje não lê mais, que a internet estragou tudo, que a leitura faz coisas maravilhosas pelo cérebro etc. E citava até pesquisas científicas, porque, para quem ainda não sabe, citar pesquisas científicas confere à bobagem dita certo ar de "comprovação", uma estratégia de argumentação das mais eficazes, só perdendo para a citação das ditas estatísticas.

Ouvindo aquela baboseira divertida, dita com tanto entusiasmo e saliva, lembrei-me de um programa de TV a que fui certa vez, não muito longe no tempo, cujo público-alvo são os adolescentes. A produção é caseira, a emissora é local, as intenções são ótimas. Não se trata de qualquer coisa, mas de programa duradouro, relativamente conhecido do público juvenil. O cenário simples é pequeno, acaba logo ali, depois do tapete escuro, onde ficam as arquibancadas e um palco para o convidado musical da rodada.

Eu estava lá porque o tema era "cartas". Não sei por que se lembraram de mim, mas confesso ter gostado demais da lembrança. Mandei muitas e muitas cartas, de verdade, antes de me tornar alguém que só recebe contas a pagar e propagandas. Minha caixa de correio já foi bem mais agitada e divertida.

Minha carreira de missivista começou bem cedo, quando descobri que escrever o que eu sentia me dava um alívio danado, resolvia problemas de relacionamento, expurgava o que me asfixiava e ainda por cima podia impressionar pessoas. Isso foi na mais tenra adolescência, especialmente quando comecei a ter namoradinho. Nas escolinhas dos finais dos anos 1970 e inícios dos 1980, não havia ainda tanto projeto de carta, tanta aula de gênero textual e nem tanta ênfase em coisas que eram comuns. Carta virou excentricidade depois de outras tecnologias mais automáticas surgirem.

Mesmo assim, devo ter escrito cartinhas para papai e mamãe, especialmente em datas festivas. E isso me faz lembrar meu primeiro plágio, quando, carinhosamente, copiei uma letra bonitinha do Balão Mágico para um "dia dos pais" e meu querido progenitor ficou emocionado, achando que era minha mesmo. Desfiz o engano rapidamente, mas senti uma vergonha danada de não ter escrito algo para ele de verdade. Talvez esse episódio me tenha dado o fôlego que tenho até hoje para estes assuntos escriturais.

Na adolescência, minhas cartas solucionaram uma série de situações que eu, tímida que era, jamais teria resolvido no modo "conversação": briga de amigo, explicação de situações ambíguas, ataques de ciúmes, pedidos de desculpas, pedidos de socorro, ameaças de suicídio e até o efeito bem pragmático de trazer um namorado de volta da praia, para onde ele tinha ido sem minha permissão.

Ao longo dos anos, me aperfeiçoei na redação das correspondências, aprendi procedimentos dos Correios, comprei muito selo para casos de emergência, visitei muita agência espalhada pela cidade (e por outras), colecionei canetas e papéis coloridos, desenvolvi meu amor por papelarias sortidas e ajustei meus problemas de redação. Brincando, brincando, escrevi muitas e muitas cartas, talvez mais de mil. Só para o Vinícius, meu amigo da carta aí de cima, foram cinco anos completos de correspondência intensa. O bacana é que ele morava em Belo Horizonte mesmo, em algum bairro na zona oeste, enquanto eu morava na zona nordeste. O telefone tocava de vez em quando, mas ainda não existia celular. E a gente achava bom mesmo era esperar a resposta do que havia perguntado, de olho na chegada discreta do carteiro. Quem não se lembra de uma relação de cumplicidade com o carteiro? Acho melhor não fazer a pergunta...

As cartas do Vinícius estão todas guardadas. Uma vez, tive a paciência de digitar tudo. O arquivo está em algum lugar deste HD, mas não tem as cores, o cheiro e os desenhos dos originais.

A despeito de tudo isso, dessa relação afetiva com a experiência de mandar cartas, não achei a menor graça quando as pessoas, no programa em que fui falar delas, trataram logo de compará-las aos e-mails, dizendo que as cartas são mais bonitas, gostosas e afetuosas do que as mensagens em meio digital. Sabem por que achei isso ingênuo? Por várias razões: a) Porque as cartas guardam, sim, particularidades que os e-mails não guardam, mas os e-mails guardam particularidades que as cartas não... enfim... Troquei milhares de e-mails afetuosíssimos com amigos e namorados, conheci meu marido por e-mail, correspondi-me com parentes e amigos queridos e nem por isso achei que estivessem sendo menos calorosos em bits. Que coisa. O tom do e-mail depende de com quem a gente interage, não simplesmente do browser que a gente usa; b) um incômodo maior foi a hipocrisia daquelas pessoas. A maioria absoluta delas jamais se serviu de uma carta na vida. Jamais escreveu a carta, lambeu o selo, fechou o envelope com aquela cola melecada dos Correios, pediu para registrar e esperou a resposta. 99% daquele pessoal eram colegiais "nativos digitais". Se a maior parte dos meus amigos (da geração anterior) jamais escreveu uma carta, por que razão esta turminha escreveria? Eles têm muito mais desculpas do que meus amigos para não saber nem mesmo como subscrever envelopes. Hoje em dia, os adolescentes só conseguem relatar que escreveram cartas quando têm algum professor de redação mais empolgado ou quando a escola adota certos livros didáticos que tomam a carta como tema de atividades interessantíssimas. (É claro, perdoem-me os jovens que estão de fora dessas generalizações).

Acho engraçado demais quando as pessoas romanceiam coisas que elas mesmas não fazem, não conhecem ou sequer têm como prática esporádica. Escrever qualquer coisa costuma ser uma prática esporádica... quanto mais escrever cartas, que demandam certa movimentação a mais para o envio.

De fato, e-mails são uma delícia. A velocidade deles, a surpresa de encontrar alguém que a gente achava intocável quando a cultura impressa era hegemônica, trocar farpas e ideias com pessoas com quem provavelmente teríamos perdido o contato... é... porque tem gente que não mereceria nosso esforço de lamber um selo. Antes disso, muito antes, tem assunto que a gente deixaria para depois ou para nunca; tem papo que a gente levaria por telefone; tem gente que não contactaríamos jamais; tem pessoas a quem a gente nem responderia.

O Vinícius, que era, de fato, meu amigo, merecia muitas cartas e muito selo lambido. Antes que pensem besteira, ele era meu amigo mesmo, confidente, leal, indispensável (como pouco namorado pode ser). Mas além do Vinicim, havia cartas de outros amigos e amigas, de colegas mais distantes, de quem foi morar fora do estado, de namorado, de noivo, de poeta, de romancista, de tradutor. Carta curta, carta grande. Telegrama e cartão de Natal. A Dayse envia cartões de Natal até hoje e sempre me surpreende.

Outro dia eu disse aqui que Kindle não é livro. Não tem conflito. Da mesma forma e guardando-se as proporções, carta não é e-mail. O negócio é que cartas eram mais trabalhosas do que livros, porque a gente tinha de escrevê-las, e não apenas lê-las. E se as pessoas já não encaixam em suas vidas um espacinho para ler, imagine-se o resto...


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 26/3/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Não quero ser Capitu de Cassionei Niches Petry
02. O Vendedor de Passados de Marilia Mota Silva
03. Senhor Amadeu de Ana Elisa Ribeiro
04. On the Road, 60 anos de Luís Fernando Amâncio
05. Vocês, que não os verei mais de Elisa Andrade Buzzo


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2010
01. O menino mais bonito do mundo - 29/1/2010
02. Por que a Geração Y vai mal no ENEM? - 30/7/2010
03. Meu querido Magiclick - 12/2/2010
04. Palavrão também é gente - 26/2/2010
05. Caçar em campo alheio ou como escrever crônicas - 11/6/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
26/3/2010
11h14min
Ana, eu tenho 22 anos, e quando criança já havia e-mails etc. De fato aprendi informática na 5ª série. Mas eu sempre preferi escrever, e já troquei cartas com 3 pessoas em específico, todas mulheres. Mulheres têm algo a mais, se preocupam mais com o que tem de ser bem feito e não com o que é mais rápido. Sempre utilizei cartas para falar com elas, e foi vontade delas isso. Me lembro das cartas (hoje não as tenho mais) com diversas cores, formas, cheiro, desenhos etc. Nenhuma delas morava no meu Estado. Com os meus amigos sempre foi por e-mail, MSN, ICQ etc., uma coisa mais direta, menos íntima por assim dizer. Meio que esses jovens de hoje, até aqueles com a minha idade, às vezes intelectualizam, tentam mostrar uma paixão pelo que era "old", mas não sabem o que significa. Quando você escreve algo, quando pega um pedaço do seu tempo pra isso... você se dedica, esquece o resto, faz valer a pena. Minha caixa de e-mail é cheia de propagandas apenas, nada mais...
[Leia outros Comentários de Amandio Silva]
26/3/2010
16h44min
Concordo, Ana. O importante é se comunicar. Não importa se por carta, e-mail, cartão postal, o que interessa é relembrar os amigos que continuam sendo queridos nossos, e mostrar que os levamos na memória e no coração! Amei o texto, ajuda a aquietar a ansiedade de não ser correspondida por todos... mas faz parte. E adorei o livro, ter recebido pelo correio foi muito mais legal! Saudades.
[Leia outros Comentários de Dayse Vilas Boas]
27/3/2010
11h37min
Ana, também já escreví muitas cartas. Lá em Caratinga as casas da minha rua não tinham caixa de correio, e o carteiro batia na porta, entregava as cartas em mãos e tomava um café ou um copo de água. Já fiz envelope com folha de papel "sufiti" porque não havia papelaria perto para comprar envelope. Um dos destinatários estava na cidade mesmo, mais exatamente no meu colégio, e quando a gente ficava na dúvida sobre o que responder fingia que não havia recebido o gênero. O destinatário mais distante estava na África. Era um missionário marista, poeta e amigo que me enviou centenas de cartas que guardo até hoje. A cola melecada que você falou é goma arábica que a gente improvisava com água, farinha de trigo e um pouquinho de açúcar. Último detalhe: era chique ir ao Correio. Quem enviava e recebia cartas eram os mais cultos da cidade. Além de propagandas por email, recebo hoje muitas cartinhas do Unicef, falando de missões que precisam da minha forcinha. Nada mais. Que saudade!
[Leia outros Comentários de marta rocha costa]
29/3/2010
21h29min
Saudades do tempo em que eu me sentava com um bloco para cartas e escrevia para minha avó, meu padrinho... Quando recebia uma resposta de alguém que mandava, eu a pegava nas mãos e sentia o carinho que havia ali. Eu sabia que aquela carta esteve nas mãos daquela pessoa, que ela a tinha tocado... Enfim, uma coisa que ficou para trás, pois hoje o carteiro, que tanto era nosso amigo nessas horas, se limita a entregar somente cartas comerciais...
[Leia outros Comentários de fernanda flores ]
1/4/2010
22h36min
"Escrevo-te estas mal traçadas linhas meu amor/ porque veio a saudade visitar meu coração/ espero que desculpes meus errinhos por favor/ nas frases desta carta que é uma prova de afeição" Primeiros versos de "A carta" (Erasmo e Roberto), regravada depois pela Legião, que revelam, um pouco, como funcionavam algumas egrenagens dos relacionamentos de outrora. Pelo menos, para os mais tímidos, ou para os que moravam longe do bem-amado. Guardo com carinho cartas que meus pais trocaram na mocidade. Surpeendentes! Guardo outras, frutos de correspondência assídua e empolgada com uma amiga querida da adolecência (hoje, minha amiga no Orkut!). Mudam-se os tempos, mudam-se os suportes, só não muda o desejo da comunicação, de saber como o outro está, se a vida anda boa, se anda disponível para um desabafo, um conselho, para um oi, que seja. Não sou propriamente uma epistológrafa, mas aprecio o gênero. Ana, viajei com seu texto. De repente, a tela do PC ficou com cheiro de naftalina. Good Times!
[Leia outros Comentários de Flavia]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




LENIN - OBRAS ESCOLHIDAS - VOL. 4
VLADIMIR I. LENIN
AVANTE - LISBOA
(1986)
R$ 60,00



AUTOGRAFI DELLARCHIVIO MEDICEO AVANTI IL PRINCIPATO VOLUME I
ALBERTO MARIA FORTUNA/CRISTIANA LUNGUETTI
CORRADINO MORI
(1977)
R$ 116,90



ELEMENTOS DE DIREITO DO TRABALHO E PROCESSO TRABALHISTA
FRANCISCO DE LIMA; FRANCISCO DE LIMA
LTR
(2015)
R$ 65,00



YÔGA MITOS E VERDADES
MESTRE DE ROSE
NOBEL
(2006)
R$ 29,75
+ frete grátis



O FUTURO DA MEMORIA
GORDON BELL JIM GEMMELL
ELSEVIER
(2010)
R$ 11,50



GRANDEZAS DO BRASIL NO TEMPO DE ANTONIL (1681-1716)
RAYMUNDO CAMPOS
ATUAL
(1996)
R$ 4,00



SPA - RECEITAS DE SAÚDE EM CASA
MARCIA REGINA DAL MEDICO
ALAÚDE
(2008)
R$ 27,70



CIÊNCIA E FÉ : O REENCONTRO PELA FÍSICA QUÂNTICA
BISPO RODOVALHO
LUA DE PAPEL
(2013)
R$ 24,90



SEREI NORMAL ? RECOMENDADO A RAPARIGAS A PARTIR DOS 13 - 15 ANOS
ANITA NAIK
GRADIVA
(1996)
R$ 24,78



WILD CARDS - ASES NAS ALTURAS - LIVRO 2
GEORGE R. R. MARTIN
LEYA
(2013)
R$ 13,41





busca | avançada
32715 visitas/dia
1,4 milhão/mês