Meu querido Magiclick | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
87666 visitas/dia
2,7 milhões/mês
Mais Recentes
>>> “Bella Cenci” Estreia em formato virtual com a atriz Thais Patez
>>> Espetáculo teatral conta a história de menina que sonha em ser astronauta
>>> Exposição virtual 'Linha de voo', de Antônio Augusto Bueno e Bebeto Alves
>>> MAB FAAP seleciona artista para exposição de 2022
>>> MIRADAS AGROECOLÓGICAS - COMIDA MANIFESTO
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
>>> André Barcinski por Gastão Moreira
>>> Massari no Music Thunder Vision
>>> 1984 por Fabio Massari
>>> André Jakurski sobre o pós-pandemia
>>> Carteiros do Condado
>>> Max, Iggor e Gastão
Últimos Posts
>>> A lei natural da vida
>>> Sem voz, sem vez
>>> Entre viver e morrer
>>> Desnudo
>>> Perfume
>>> Maio Cultural recebe “Uma História para Elise”
>>> Ninguém merece estar num Grupo de WhatsApp
>>> Izilda e Zoroastro enfrentam o postinho de saúde
>>> Acentuado
>>> Mãe, na luz dos olhos teus
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Carma & darma
>>> Sultão & Bonifácio, parte II
>>> Ensaio autobiográfico, de Jorge Luis Borges
>>> O código dos gênios
>>> A forca de cascavel — Angústia (Fuvest)
>>> Para você estar passando adiante
>>> Blogs roubam audiência
>>> O enigma da 21ª letra
>>> Crise dos 40
>>> Marcelotas
Mais Recentes
>>> Querido John de Nicholas Sparks pela Novo Conceito (2013)
>>> Saudável aos 100 Anos de John Robbins pela Fontanar (2009)
>>> Chico Buarque Letra e Música - 2 Volumes de Chico Buarque de Hollanda pela Companhia das Letras (1989)
>>> Songbook Caetano Veloso - Vol. 2 de Almir Chediak pela Lumiar
>>> Songbook Bossa Nova - Vol. 1 de Almir Chediak pela Lumiar
>>> Médio Dicionário Aurélio de Aurélio Buarque de Holanda Ferreira pela Nova Fronteira (1980)
>>> Dicionário Etimológico Nova Fronteira da Língua Portuguesa de Antônio Geraldo da Cunha pela Nova Fronteira (1982)
>>> Dolce Casa - Manuale Di Sopravvivenza Domestica de Grazia Dominici pela La Spiga (1984)
>>> Meu Mundo Caiu. a Bossa e a Fossa de Maysa. a Bossa e a Fossa de Maysa de Eduardo Logullo pela Novo Século (2007)
>>> Haroldo Costa de Vários Autores pela Rio (2003)
>>> Cancioneiro Popular Português e Brasileiro de Nuno Ctharino Cardoso pela Portugal-brasil Ltda (1921)
>>> Retratos - Dadá Cardoso de Dada Cardoso pela Avatar (1999)
>>> A Informação no Rádio de Gisela Swetlana Ortriwano pela Summus Editorial (1985)
>>> Yes, nos Temos Bananas - História e Receitas de Heloisa de Freitas Valle; Márcia Masca pela Senac São Paulo (2003)
>>> Manual de Modelismo de Albert Jackson; David Day pela Hermann Blume (1981)
>>> Madeira-mamoré. Patrimônio da Humanidade de Hércules Góes pela Ecoturismo (2005)
>>> Uma História de Agendas de João Rothschild pela Ernesto Rothschild (1990)
>>> Estética. La Cuestion del Arte de Elena Oliveras pela Aemecé (2007)
>>> Conheça o Pantanal de Nicia Wendel de Magalhães pela Terragraph (1992)
>>> Corpo de Baile de João Guimarães Rosa pela José Olympio (1956)
>>> Línguas de Fogo. Ensaio Sobre Clarice Lispector de Claire Varin pela Limiar (2002)
>>> Pedagogia Diferemciada : das Intenções à Ação de Philippe Perrenoud pela Artmed (2000)
>>> Um General na Biblioteca de Italo Calvino pela Companhia das Letras (2007)
>>> Linéia no Jardim de Monet de Christina Bjork; Llena Anderson pela Salamandra (1992)
>>> Fausto de Goethe pela Itatiaia (1997)
COLUNAS

Sexta-feira, 12/2/2010
Meu querido Magiclick
Ana Elisa Ribeiro

+ de 8800 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Acender fogão é desejo de toda criança. O entorno daquele objeto é sempre lugar proibido. Desde pirralhinha escuto minha mãe dizer que criança não chega perto de forno quente. Sai daí, sai pra lá, volta aqui. Nada disso impediu que eu espiasse um bolo assando e queimasse meu braço inteiro aos dois ou três anos de idade. Sofri caladinha, sem chorar nem gritar, para que mamãe não descobrisse minha façanha proibida. Mas quando foi me dar banho, ela viu a pele retorcida. Tive de tratar o machucado.

Mais do que o forno ou o fogão, o objeto que me encantava (como gosta de dizer o pessoal de vendas) era o Magiclick. Fogão com acendedor automático, coisa do capeta. Fósforo não tem charme. Minha avó usava cada bitela, Fiat Lux, nome bem apropriado, não? Minha mãe usava outro, da caixinha muito mais famosa, menorzinho, escrito Pinheiro no rótulo. Já vi até livro de publicidade brincando com essa embalagem. Já vi livro de poesia brincando com caixa de fósforo. Já vi convite de formatura. No fundo, a caixinha de palito de fósforo é parte de nossa cultura mais cotidiana. Todo mundo, de todas as classes sociais, reconhece.

Magiclick era um charme. Uma espécie de isqueiro muito grande que servia para acender o fogo nas trempes. Minha avó tinha um. Meu avô era muito tecnológico. Gostava de tudo fresquinho: Magiclick, videocassete, CD player, televisão de trocentas polegadas. O resto da família vinha a reboque, depois que perdiam o preconceito.

O Magiclick era um acendedor de forno e fogão, mas parecia uma arma. Quando eu e os primos conseguíamos furtar o aparelho da cozinha de vovó, brincávamos de polícia e ladrão, até alguma tia perceber a troca de tiros e o perigo de atearmos fogo na casa (e uns nos outros).

Alguns objetos povoam nossa memória e nosso imaginário para sempre. Alguns nos trazem lembranças carregadas de boas emoções e bons afetos. Outros trazem uma raivinha arrefecida, mas ainda um afeto negativo. Que o digam os proprietários dos primeiros carros VW modelo Fox. Uma tal argolinha no rebatedor do banco traseiro decepava dedos. Mas a marca alemã não é a única que presenteia o consumidor com más escolhas de design. Outras ocorrências já foram devidamente abafadas pelo tempo e pelo marketing a favor.

A torneira de aço da minha casa não é exatamente um primor de design, embora o seja de funcionalidade. Quando se vai fechá-la, os dedos de alguém do meu tamanho cabem entre o pegador (com a rosca) e a haste que conduz a água. Vez ou outra me pego tirando o dedo com pressa, com medo de apertá-lo.

Alguns designs são primorosos, pena que as pessoas insistam em se apropriar deles de um jeito engraçado. Maçanetas, puxadores, cabides e ferrolhos são aplicados em portas inadequadas. Outro dia, num livro do Donald Norman, li que, por motivos óbvios, toda porta de auditório deve se abrir para fora. Passei a fiscalizar todo lugar onde caiba muita gente, a começar pela escola em que leciono. Qual não foi minha surpresa! Porta de igreja, porta de teatro, porta de estádio. Mais adiante, Norman aponta que portas para serem puxadas devem ter pegadores verticais; portas para serem empurradas os devem ter horizontais. O shopping Pátio Savassi, da capital mineira, obedeceu direitinho, mas a cena mais comum é ver as pessoas brigando com as portas ou lendo os dizeres pregados lá: "puxe" e "empurre", antes de tomar alguma atitude. O briga é maior ainda quando os dizeres estão em inglês...

Por falar em salas, como ficam os interruptores? Todo eletricista deveria aprender a ligar os fios aos interruptores de maneira articulada com a posição das lâmpadas no ambiente. Morei na casa de meus pais por 26 anos (os outros dois foram em outra casa) e nunca soube acender as luzes da garagem, do jardim, do corredor interno e da entrada. Eram umas nove teclas que acendiam onze lâmpadas e eu sempre fazia isso por tentativa e erro. Sempre brinco com isso nas salas de aula onde entro, cujas lâmpadas são sempre duas ou três, daquele tipo cumprido e ecológico. Raramente a primeira lâmpada está na primeira tecla e assim por diante.

Para que simplificar se a gente pode complicar? Não é esse o nosso lema? Para que fazer um lustre bacana sem qualquer probleminha? Os da minha sala, por exemplo, são lindões, mas quando formos trocar as lâmpadas, teremos de contar com as mãozinhas do meu filho de 5 anos. O mesmo ocorre com apartamentos e casas com pé direito duplo em que se opta por colocar lâmpadas sem pendentes. Quem vai trocar? Lembre-se de comprar uma escada de alumínio bem grande e bem segura.

E não apenas o design do objeto ou do ambiente são importantes. O design do som também nos ajuda. É uma angústia quando digito minha senha numa máquina que não faz barulhinhos tu tu tu tu tu tu, para eu ter certeza de que estou digitando. Por que será que aparecem aqueles asteriscos ou aquelas bolinhas no lugar dos números? É por ali que monitoramos a ação que executamos. Qualquer criança percebe som de coisa boa e som de estrago. Buzina estridente em joguinho faz pensar que alguém perdeu a vez. Game over. De que lado eu entro? De que lado começa a fila? Por onde devo passar? Por onde começo a ler? Nossas mediações diárias quase imperceptíveis são, a bem dizer, uma espécie de anjos da guarda.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 12/2/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Raymond Carver, o Tchecov americano de Luiz Rebinski Junior
02. Tiroteio, racismo e demagogia em sala de aula de Marcelo Spalding
03. Chicletes de Ana Elisa Ribeiro
04. Guimarães Rosa: linguagem como invenção de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2010
01. O menino mais bonito do mundo - 29/1/2010
02. Por que a Geração Y vai mal no ENEM? - 30/7/2010
03. Meu querido Magiclick - 12/2/2010
04. Palavrão também é gente - 26/2/2010
05. Caçar em campo alheio ou como escrever crônicas - 11/6/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
16/2/2010
08h19min
Minha avó me assustava com seu Magiclick. Dizia que ia colocar fogo em meus cabelos. "A Coisa" me traumatizou.
[Leia outros Comentários de gerusa de souza]
10/5/2010
10h09min
Muito legal seu texto. Meu pai foi gerente da Magiclick por muitos anos, e ainda hoje temos produtos da empresa em casa. Apesar de muito antigos, todos ainda funcionam... só não tenho mesmo o tradicional acendedor kkk
[Leia outros Comentários de Fernando Tomazin]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Como Dibujar y Pintar
Stan Smith
Hermann Blume
(1985)



Contabilidade Geral
Bernardo C. Cherman
Freitas Bastos (rj)
(2005)



Saber e Fazer Historia 8ºano
Gilberto Cotrim / Jaime Rodrigues
Saraiva
(2012)



Recursos Humanos: Edição Compacta
Idalberto Chiavenato
Atlas
(1983)



Chocolate -traição
Isabel Tarcha
Celebris
(2004)



Camões e a Identidade Nacional
Imprensa Nacional
Imprensa Nacional
(1983)



Fuentes del Pensamiento Judio Contemporaneo I
Eliezer Schweid
Organizacion Sionista Mundial
(1970)



Trilhas Urbanas: Romance
Celso Gomes
Kroarte
(2003)



Diversidade Cultural e Desenvolvimento Urbano
Monica Allende Serra
Iluminuras
(2005)



Desenvolvimento e Meio Ambiente
José Luiz Carvalho
Instituto Liberal (rj)
(1993)





busca | avançada
87666 visitas/dia
2,7 milhões/mês