Lula, o filme | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
39219 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Terça-feira, 26/1/2010
Lula, o filme
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 3700 Acessos
+ 6 Comentário(s)

Do ponto de vista puramente estético, o filme é uma porcaria. A história é boa e edificante: o menino que sai de uma vida miserável numa província de Pernambuco, vai parar em São Paulo onde estuda, trabalha, torna-se um importante líder sindical e, finalmente, tornar-se o Presidente da República. A persistência sendo o motor que geraria sua vitória num mundo adverso. A mesma história de Silvio Santos: do pobre engraxate ao milionário dono de um importante canal de televisão.

O problema é que o personagem de Lula, o filho do Brasil, de Fábio Barreto, é uma figura política e histórica importante, intricado por redes mais difusas do que o filme quis mostrar. Entender sua complexidade nestes campos mereceria mais inteligência e mais arte. E nisso o filme peca vergonhosamente. É preciso muito mais que doses cavalares de sentimentalismo para alcançar o sentido dessa figura no cenário da política brasileira.

O lado humano de Lula é o que domina no filme: a relação pegajosa/amorosa entre mãe e filho e vice-versa, seus ternos sentimentos com as esposas (a falecida e a primeira-dama) e sua entrada quase ingênua no sindicato.

Intercala-se ao drama cenas da história sindical do Brasil, a repressão à greve do ABC e a presença da ditadura militar, que figuram apenas como ilustração, não sendo minimamente discutidas pelos personagens. O casamento substancial entre personagens e história é quase mecânico. Com um orçamento de 12 milhões espera-se mais dos roteiristas, que não sabemos até que ponto tiveram a sua liberdade vigiada ou se auto-vigiaram. O filme Olga, também simplório esteticamente, foi mais longe na questão ideológica.

Com exceção da cena em que os companheiros de Lula o chamam de "pelego", nada está ali para contrariar a imagem de bom-mocinho do personagem. Ao contrário, essa suposta ofensa determina a sua diferença. De defensor da mãe quando seu pai a maltrata ("não se bate numa mulher", diz o menino Lula), a bom aluno e trabalhador honesto, até o marido amoroso e o sindicalista que apostava no diálogo com os patrões ("não temos nada contra os patrões, afinal são eles que pagam nosso salários", diz Lula em uma assembleia), nada se arranha nessa vida destinada ao sucesso futuro.

Este é, consequentemente, um filme higiênico. Um filme com a cara que o próprio PT e Lula construíram para chegar à presidência. Não se trata de um filme político, mas sentimental. Não quer nos convencer pelas ideias, mas pela emoção. Filme, portanto, pelego, ao abrir mão da política e seu verdadeiro valor dentro das relações de poder.

Nos anos 80, o pensador francês Felix Guattari veio ao Brasil e entrevistou o ainda sindicalista Lula. Guattari estava preocupado com a nova esquerda, surgida do declínio dos movimentos sociais da Europa. A conversa entre os dois virou um livro de 40 páginas editado pela Brasiliense. Interessava ao filósofo encontrar esta esquerda menos radical e autoritária, menos "intelectual", surgida do seio dos movimentos populares originais, e Lula representava para ele esse novo comportamento político. Lembrava-lhe, talvez, o modelo Solidariedade de Lech Valeza, na Polônia, que era um sindicato "pelego". Até hoje a Europa romantiza a presença de Lula na América Latina como um avanço da esquerda democrática.

E o filme em si mesmo é o retrato dessa postura política e Lula realmente representa esse "peleguismo" (com o perdão da palavra tão fora de moda).

O governo petista sonhado pelos militantes do Partido dos Trabalhadores não aconteceu. Lula apenas deu continuidade à política de Fernando Henrique Cardoso. Eu, por exemplo, sonhei com a legalização do aborto, sabendo que entre os membros do PT encontra-se nada mais, nada menos que a feminista Marta Suplicy. Mas o PT preferiu por panos quentes não só nesta questão como em outras, de natureza econômica e política, que implicam a relação trabalhista empregador/empregado. Há um gosto amargo na boca dos militantes do PT, que não sabem bem ainda como engolir isso.

Quem tem lucrado no Brasil sob a gestão Lula são os banqueiros, os capitalistas-mor (com o perdão do palavrão), enquanto a classe média afoga-se no banho-maria das dívidas, assistindo desprotegida ao aumento da riqueza dos encastelados "homens de bem" deste país que se refugiam em condomínios fechados e voam de Helicóptero pra lá e pra cá, sem serem importunados pela prisão do trânsito ou pela violência que corre solta aqui em baixo, sobre quem não pode pagar por carros importados devidamente blindados.

Pense-se, por exemplo, na questão da educação no Brasil (pilar de qualquer território que pretenda ser chamado um dia de civilização). Que professor neste país não tem jornada dupla de trabalho como forma única de conseguir manter-se vivo? O salário dos professores está há 20 anos estagnado. O governo Lula não fez nada nesse sentido. O resultado está aí nas escolas públicas para comprovar o descaso do governo petista com a educação. Enquanto isso, na China...

O PT que venceu no Brasil é o mesmo do filme. Não é à toa que se questiona o próprio financiamento da sua produção por empresas privadas que têm algum tipo de contrato com o governo Lula, como a AmBev, Camargo Correa, CPFL, OAS (financiadora da campanha de Lula), EBX, Odebrecht, Oi, Volksvagen etc.

O filme, chapa-branca, soa claramente como instrumento de campanha eleitoral, fazendo da trajetória de bom-moço do Lula a trajetória de um país sonhado pelos milhares de miseráveis que nadam e morrem antes de chegarem à areia da praia para provarem do gosto da verdadeira liberdade (saúde, educação, trabalho, enfim, dignidade humana, aquilo que caracteriza a justiça social e o grau de civilidade de uma nação ― construída por quem paga impostos abusivos esperando mais do Estado).

Esperaremos, no futuro, por um filme que reabilite de forma mais complexa a história deste personagem. Pois este filme, tal qual o Brasil sonhado pelos petistas, ainda não existe.

Nota do Editor
Leia também "O filme do Lula e os dois lados da arquibancada".


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 26/1/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A Vida dos Obscuros de Marilia Mota Silva
02. Meninos, eu vi o Bolsonaro aterrando de Elisa Andrade Buzzo
03. Manual para revisores novatos de Ana Elisa Ribeiro
04. Como medir a pretensão de um livro de Ana Elisa Ribeiro
05. Era uma casa nada engraçada de Cassionei Niches Petry


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2010
01. Poesia sem ancoradouro: Ana Martins Marques - 23/3/2010
02. Rimbaud, biografia do poeta maldito - 10/8/2010
03. 29ª Bienal de São Paulo: a politica da arte - 12/10/2010
04. A letargia crítica na feira do vale-tudo da arte - 5/1/2010
05. Inhotim: arte contemporânea e natureza - 2/3/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
26/1/2010
14h56min
Concordo com você em todos os pontos, porém acho que seu texto peca pelo mesmo motivo que diz pecar o filme. É tendencioso e acaba por colocar a crítica à arte (ao filme) em segundo plano, ao explicitar as mazelas do sistema político brasileiro.
[Leia outros Comentários de Miguel Lannes]
27/1/2010
00h58min
A estratégia de comunicação do Lula sempre foi o sentimento, desde seus tempos de ABC. A constante de seu discurso é embarcar na emoção de quem vive os problemas, colocar-se ao lado dessas vítimas - como se também fosse uma - e então lançar palavras de motivação baseadas em promessas do tipo "nós não podemos aceitar mais isso para o Brasil!". Com isso, ele joga a responsabilidade dos problemas para alguém que esteve lá antes dele e que sua bandeira maior é defender o povo. Não assisti ao filme ainda, mas também não acredito que a película traga mensagens políticas para o contexto atual. Entretanto, e estou apenas especulando aqui, o histórico político do Presidente me leva a crer que o lançamento do filme exatamente agora foi um ato estratégico, com o intuito de sensibilizar o povo e guardar em suas mentes a imagem do homem simples, com uma vida cheia de sofrimentos e de lutas, mas alguém que venceu a aristocracia sem deixar suas origens humildes.
[Leia outros Comentários de Cássio C. Nogueira]
27/1/2010
20h14min
Caro Lannes, a crítica estética ao filme não foi feita porque o filme nem se propõe a ser um fato estético. Seria como analisar esteticamente os medíocres poemas para os planos quinquenais escritos por Maiakóvski. Não dá. Já os poemas de amor do poeta russo, estes, sim, são fatos estéticos.
[Leia outros Comentários de jardel]
28/1/2010
12h04min
Caro Jardel, se a proposta não era fazer uma crítica ao filme, o que inferi do título, o texto está perfeito. Comecei a leitura pré-disposto a ler uma resenha, e só no final fui perceber que esse não era o propósito.
[Leia outros Comentários de Miguel Lannes Fernan]
28/1/2010
12h47min
Caro Lannes, um filmeco desse porte, como o "Filhos de Francisco", não tem outra pretensão que ser propagando política. Deve ser analisado, portanto, sob este registro. Politicamente deforma a vida política de Lula; pessoalmente, transforma a vida dele num doce de coco. Fazer o quê? Abraço, Jardel
[Leia outros Comentários de jardel]
8/2/2010
11h01min
"Isso", nem filme é!
[Leia outros Comentários de Will]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




FISIOTERAPIA NEUROLÓGICA
DARCY ANN UMPHRED
MANOLE
(1994)
R$ 50,00



IGREJA NO BRASIL - DIRETÓRIO LITÚRGICO - 1996
CONFERÊNCIA NACIONAL DOS BISPOS DO BRASIL
CNBB
(1996)
R$ 7,00



NOVELA DAS SETE: 1986, O ANO QUE DEVERIA DAR CERTO
LINDINOR SÁ LARANGEIRAS
LITTERIS
(1986)
R$ 26,28



WHERED YOU GO, BERNADETTE: A NOVEL
MARIA SEMPLE
LITTLE BROWN AND COMPANY
(2012)
R$ 30,00



A IGREJA DOS TEMPOS CLÁSSICOS (I)
DANIEL ROPS
QUADRANTE
(2000)
R$ 75,00



ENGAGE LEVEL 2 STUDENT BOOK AND WORKBOOK
ALICIA ARTUSI; GREGORY J. MANIN
OXFORD DO BRASIL
(2011)
R$ 20,00



POR UM NASCIMENTO CONSCIENTE
HAROLDO E FLÁVIA DE FARIA CASTRO
GROUND
(1977)
R$ 10,00



ATLÂNTIDA O OITAVO CONTINENTE
CHARLES BERLITZ
CIRCULO DO LIVRO
R$ 16,80



CORAGEM. O PRAZER DE VIVER PERIGOSAMENTE
OSHO
CULTRIX
(1999)
R$ 20,00



EDUCAÇÃO - UM NOVO OLHAR
ROSANA ANDRÉIA
FOCO
(2019)
R$ 40,00





busca | avançada
39219 visitas/dia
1,2 milhão/mês