Lula, o filme | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
48579 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Música: Fabiana Cozza se apresenta no Sesc Santo André com repertório que homenageia Dona Ivone Lara
>>> Nos 30 anos, Taanteatro faz reflexão com solos teatro-coreográficos
>>> ‘Salão Paulista de Arte Naïf’ será aberto neste sábado, dia 27, no Museu de Socorro
>>> Festival +DH: Debates, cinema e música para abordar os Direitos Humanos
>>> Iecine abre inscrições para a oficina Coprodução Internacional para Cinema
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
Últimos Posts
>>> Desigualdades
>>> Novembro está no fim...
>>> Indizível
>>> Programador - Trabalho Remoto que Paga Bem
>>> Oficinas Culturais no Fly Maria, em Campinas
>>> A Lei de Murici
>>> Três apitos
>>> World Drag Show estará em Bragança Paulista
>>> Na dúvida com as palavras
>>> Fly Maria: espaço multicultural em Campinas
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Festa da Itália em BH
>>> Comentaristas de Seriados
>>> O NAVEGANTE DO TEMPO
>>> Meu amigo Paulo Francis
>>> Grandes Entrevistas do Milênio
>>> 15 de Novembro #digestivo10anos
>>> Agosto, mês augusto
>>> Silêncio e grito
>>> Affirmative action
>>> Cozinhando com mamãe
Mais Recentes
>>> Shakti Número 2 - Maio de 1992 de Sri Aurobindo e Outros pela Sociedade Sri Aurobindo Brasil
>>> Hansel and Gretel and the Other Stories By the Brothers Grimm de Brothers Grimm pela Omega (1985)
>>> Momentos de Reflexão ( Com Afirmações de Louise L. Hay) de John Columbus Taylor pela Best Seller
>>> Gonçalves Crespo Poesia de Rolando Morel Pinto pela Agir (1967)
>>> Poemas da Juventude de João Cirino dos Santos pela Do Autor
>>> Gradig-gorm de Martina Selway pela Sesam (1990)
>>> Gossip Girl - Because Im Worth It de Cecily Von Ziegesar pela Bloomsbury
>>> Geomorfologia de Antonio Christofoleti pela Usp (1974)
>>> Das Stranggiessen Von Stahl Von - Stahleisen-schriften de Jobst Thomas Wasmuht pela Stahleisen (1975)
>>> The Knot Little Books of Big Wedding Ideas de Carley Roney pela Potter Style (2014)
>>> Taxi Driver Wisdom de Risa Mickenberg pela Chronicle Books (1996)
>>> O Moderno Conto Brasileiro - Antologia Escolar de Vários Autores pela Civilização Brasileira (1978)
>>> Drogas, Eu Venci! de Fredson Miranda pela Livre Expressão (2011)
>>> Vi Elsker Mere de Christian Kampmann pela Gyldendals Traneboger (1977)
>>> Reflexões Sobre o Exemplo de Nelson Savioli pela Qualitymark (2005)
>>> Unison: a Rede Social do Futuro de Andy Marino pela Jangada (2012)
>>> Caderno Seminal Nº 10 Ano 2001 de Darcilia Simões pela Digraf
>>> Erva Daninha 1 de Agnes Laury pela Edições Paulinas (1986)
>>> O Código Atlântico de Leonardo da Vinci de N/d pela Anubis
>>> Paisagismo e Jardinagem Edição 116 de N/d pela Casa Dois (2012)
>>> Princípios do Evangelho de Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias pela N/d
>>> O Noviço de Martins Pena pela Ediouro (2000)
>>> Solo de Clarineta - Memórias Primeiro Volume de Érico Veríssimo pela Globo (1973)
>>> Rich - the Life of Richard Burton de Melvyn Bragg pela Coronet (1988)
>>> Outras Palavras para o Amor de Lorraine Zago Rosenthal pela Galera Record (2013)
COLUNAS

Terça-feira, 26/1/2010
Lula, o filme
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 4300 Acessos
+ 6 Comentário(s)

Do ponto de vista puramente estético, o filme é uma porcaria. A história é boa e edificante: o menino que sai de uma vida miserável numa província de Pernambuco, vai parar em São Paulo onde estuda, trabalha, torna-se um importante líder sindical e, finalmente, tornar-se o Presidente da República. A persistência sendo o motor que geraria sua vitória num mundo adverso. A mesma história de Silvio Santos: do pobre engraxate ao milionário dono de um importante canal de televisão.

O problema é que o personagem de Lula, o filho do Brasil, de Fábio Barreto, é uma figura política e histórica importante, intricado por redes mais difusas do que o filme quis mostrar. Entender sua complexidade nestes campos mereceria mais inteligência e mais arte. E nisso o filme peca vergonhosamente. É preciso muito mais que doses cavalares de sentimentalismo para alcançar o sentido dessa figura no cenário da política brasileira.

O lado humano de Lula é o que domina no filme: a relação pegajosa/amorosa entre mãe e filho e vice-versa, seus ternos sentimentos com as esposas (a falecida e a primeira-dama) e sua entrada quase ingênua no sindicato.

Intercala-se ao drama cenas da história sindical do Brasil, a repressão à greve do ABC e a presença da ditadura militar, que figuram apenas como ilustração, não sendo minimamente discutidas pelos personagens. O casamento substancial entre personagens e história é quase mecânico. Com um orçamento de 12 milhões espera-se mais dos roteiristas, que não sabemos até que ponto tiveram a sua liberdade vigiada ou se auto-vigiaram. O filme Olga, também simplório esteticamente, foi mais longe na questão ideológica.

Com exceção da cena em que os companheiros de Lula o chamam de "pelego", nada está ali para contrariar a imagem de bom-mocinho do personagem. Ao contrário, essa suposta ofensa determina a sua diferença. De defensor da mãe quando seu pai a maltrata ("não se bate numa mulher", diz o menino Lula), a bom aluno e trabalhador honesto, até o marido amoroso e o sindicalista que apostava no diálogo com os patrões ("não temos nada contra os patrões, afinal são eles que pagam nosso salários", diz Lula em uma assembleia), nada se arranha nessa vida destinada ao sucesso futuro.

Este é, consequentemente, um filme higiênico. Um filme com a cara que o próprio PT e Lula construíram para chegar à presidência. Não se trata de um filme político, mas sentimental. Não quer nos convencer pelas ideias, mas pela emoção. Filme, portanto, pelego, ao abrir mão da política e seu verdadeiro valor dentro das relações de poder.

Nos anos 80, o pensador francês Felix Guattari veio ao Brasil e entrevistou o ainda sindicalista Lula. Guattari estava preocupado com a nova esquerda, surgida do declínio dos movimentos sociais da Europa. A conversa entre os dois virou um livro de 40 páginas editado pela Brasiliense. Interessava ao filósofo encontrar esta esquerda menos radical e autoritária, menos "intelectual", surgida do seio dos movimentos populares originais, e Lula representava para ele esse novo comportamento político. Lembrava-lhe, talvez, o modelo Solidariedade de Lech Valeza, na Polônia, que era um sindicato "pelego". Até hoje a Europa romantiza a presença de Lula na América Latina como um avanço da esquerda democrática.

E o filme em si mesmo é o retrato dessa postura política e Lula realmente representa esse "peleguismo" (com o perdão da palavra tão fora de moda).

O governo petista sonhado pelos militantes do Partido dos Trabalhadores não aconteceu. Lula apenas deu continuidade à política de Fernando Henrique Cardoso. Eu, por exemplo, sonhei com a legalização do aborto, sabendo que entre os membros do PT encontra-se nada mais, nada menos que a feminista Marta Suplicy. Mas o PT preferiu por panos quentes não só nesta questão como em outras, de natureza econômica e política, que implicam a relação trabalhista empregador/empregado. Há um gosto amargo na boca dos militantes do PT, que não sabem bem ainda como engolir isso.

Quem tem lucrado no Brasil sob a gestão Lula são os banqueiros, os capitalistas-mor (com o perdão do palavrão), enquanto a classe média afoga-se no banho-maria das dívidas, assistindo desprotegida ao aumento da riqueza dos encastelados "homens de bem" deste país que se refugiam em condomínios fechados e voam de Helicóptero pra lá e pra cá, sem serem importunados pela prisão do trânsito ou pela violência que corre solta aqui em baixo, sobre quem não pode pagar por carros importados devidamente blindados.

Pense-se, por exemplo, na questão da educação no Brasil (pilar de qualquer território que pretenda ser chamado um dia de civilização). Que professor neste país não tem jornada dupla de trabalho como forma única de conseguir manter-se vivo? O salário dos professores está há 20 anos estagnado. O governo Lula não fez nada nesse sentido. O resultado está aí nas escolas públicas para comprovar o descaso do governo petista com a educação. Enquanto isso, na China...

O PT que venceu no Brasil é o mesmo do filme. Não é à toa que se questiona o próprio financiamento da sua produção por empresas privadas que têm algum tipo de contrato com o governo Lula, como a AmBev, Camargo Correa, CPFL, OAS (financiadora da campanha de Lula), EBX, Odebrecht, Oi, Volksvagen etc.

O filme, chapa-branca, soa claramente como instrumento de campanha eleitoral, fazendo da trajetória de bom-moço do Lula a trajetória de um país sonhado pelos milhares de miseráveis que nadam e morrem antes de chegarem à areia da praia para provarem do gosto da verdadeira liberdade (saúde, educação, trabalho, enfim, dignidade humana, aquilo que caracteriza a justiça social e o grau de civilidade de uma nação ― construída por quem paga impostos abusivos esperando mais do Estado).

Esperaremos, no futuro, por um filme que reabilite de forma mais complexa a história deste personagem. Pois este filme, tal qual o Brasil sonhado pelos petistas, ainda não existe.

Nota do Editor
Leia também "O filme do Lula e os dois lados da arquibancada".


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 26/1/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Wagner, Tristão e Isolda, Nietzsche de Jardel Dias Cavalcanti
02. O romance da década de Luiz Rebinski Junior
03. As armas e os barões de Rafael Rodrigues
04. Umas e outras sobre Franz Kafka de Daniel Lopes
05. Esqueçam o velho jornalismo de Tais Laporta


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2010
01. Poesia sem ancoradouro: Ana Martins Marques - 23/3/2010
02. Rimbaud, biografia do poeta maldito - 10/8/2010
03. 29ª Bienal de São Paulo: a politica da arte - 12/10/2010
04. A letargia crítica na feira do vale-tudo da arte - 5/1/2010
05. Inhotim: arte contemporânea e natureza - 2/3/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
26/1/2010
14h56min
Concordo com você em todos os pontos, porém acho que seu texto peca pelo mesmo motivo que diz pecar o filme. É tendencioso e acaba por colocar a crítica à arte (ao filme) em segundo plano, ao explicitar as mazelas do sistema político brasileiro.
[Leia outros Comentários de Miguel Lannes]
27/1/2010
00h58min
A estratégia de comunicação do Lula sempre foi o sentimento, desde seus tempos de ABC. A constante de seu discurso é embarcar na emoção de quem vive os problemas, colocar-se ao lado dessas vítimas - como se também fosse uma - e então lançar palavras de motivação baseadas em promessas do tipo "nós não podemos aceitar mais isso para o Brasil!". Com isso, ele joga a responsabilidade dos problemas para alguém que esteve lá antes dele e que sua bandeira maior é defender o povo. Não assisti ao filme ainda, mas também não acredito que a película traga mensagens políticas para o contexto atual. Entretanto, e estou apenas especulando aqui, o histórico político do Presidente me leva a crer que o lançamento do filme exatamente agora foi um ato estratégico, com o intuito de sensibilizar o povo e guardar em suas mentes a imagem do homem simples, com uma vida cheia de sofrimentos e de lutas, mas alguém que venceu a aristocracia sem deixar suas origens humildes.
[Leia outros Comentários de Cássio C. Nogueira]
27/1/2010
20h14min
Caro Lannes, a crítica estética ao filme não foi feita porque o filme nem se propõe a ser um fato estético. Seria como analisar esteticamente os medíocres poemas para os planos quinquenais escritos por Maiakóvski. Não dá. Já os poemas de amor do poeta russo, estes, sim, são fatos estéticos.
[Leia outros Comentários de jardel]
28/1/2010
12h04min
Caro Jardel, se a proposta não era fazer uma crítica ao filme, o que inferi do título, o texto está perfeito. Comecei a leitura pré-disposto a ler uma resenha, e só no final fui perceber que esse não era o propósito.
[Leia outros Comentários de Miguel Lannes Fernan]
28/1/2010
12h47min
Caro Lannes, um filmeco desse porte, como o "Filhos de Francisco", não tem outra pretensão que ser propagando política. Deve ser analisado, portanto, sob este registro. Politicamente deforma a vida política de Lula; pessoalmente, transforma a vida dele num doce de coco. Fazer o quê? Abraço, Jardel
[Leia outros Comentários de jardel]
8/2/2010
11h01min
"Isso", nem filme é!
[Leia outros Comentários de Will]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Os 16 Heróis - E Você? Quem É?
Marcelo Assis da Silva
Madras
(2017)



Marina
Carlos Ruiz Zafón
Suma De Letras
(2011)



Os Lusíadas
Luís de Camões; Rubem Braga e Edson Braga (adap)
Scipione



Guia Prático de Labores Femininos - a Agulha e a Lã
Vários
Culturama
(1973)



New Interchange 1b
Jack C. Richards
University Press
(1997)



Os Voluntários da Patría na Guerra do Paraguai o Comando de Osório
General Paulo de Queiroz Duarte
Biblioteca do Exército
(1983)



O Amigo Imaginário
Alessandra Bourdot
Toquinha
(2007)



Nieuwe - Wereldvertaling - Heilige Schrift - (biblia Em Alemão)
Vários Autores
New World Translation Dutch
(1986)



Medicina Legal. Volume 1. Medicina Forense.
Afranio Peixoto
Livraria Francisco Alves
(1931)



Educação e Sociedade Vol. 9
Cedes
Cortez





busca | avançada
48579 visitas/dia
2,2 milhões/mês