Rimbaud, biografia do poeta maldito | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
57876 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Projeto Nascentes Criativas promove ações culturais gratuitas no interior de Minas
>>> Pekka Pylkkänen (FIN) - Brazil Tour 2024
>>> Domingo, 19, 17h, tem 'Canta Teresa' - Roda Cultural com os rappers Ramonzin e Emitê OG
>>> HOJE E AMANHÃ - JÁ ESTAMOS BEM - IMPROVISO DE DANÇA ABORDA ADOECIMENTO HUMANO E PLANETÁRIO
>>> Selvageria synth pop no Pantera Clube
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
Colunistas
Últimos Posts
>>> Comfortably Numb por Jéssica di Falchi
>>> Scott Galloway e as Previsões para 2024
>>> O novo GPT-4o
>>> Scott Galloway sobre o futuro dos jovens (2024)
>>> Fernando Ulrich e O Economista Sincero (2024)
>>> The Piper's Call de David Gilmour (2024)
>>> Glenn Greenwald sobre a censura no Brasil de hoje
>>> Fernando Schüler sobre o crime de opinião
>>> Folha:'Censura promovida por Moraes tem de acabar'
>>> Pondé sobre o crime de opinião no Brasil de hoje
Últimos Posts
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Mediando a Soninha
>>> O injustificável
>>> 40
>>> Assim rasteja a humanidade
>>> Mário Faustino
>>> A dança das imagens de Murilo
>>> Desligando o Cartoon Network
>>> Leia de ouvido
>>> Cinema Independente (5.1)
>>> Pondé sobre o crime de opinião no Brasil de hoje
Mais Recentes
>>> Mal-entendido Em Moscou de Simone de Beauvoir pela Record (2016)
>>> Leonardo da Vinci - A Alma de Um Gênio de Marislei Espíndula Brasileiro pela Lúmen (2004)
>>> O Corsário e a Rosa de Sveva Casati Modignani pela Círculo do Livro (1995)
>>> Como Era Verde o Meu Vale de Richard Llewellyn pela Círculo do Livro (1985)
>>> O Ultimo Templário de Raymond Khoury pela Ediouro (2006)
>>> O Tempo e o Vento - Volume 2 - O Retrato de Érico Veríssimo pela Círculo do Livro (1986)
>>> A Grande Cozinha - Saladas de Vários Autores pela Abril Coleções (2007)
>>> Hotel de Arthur Hailey pela Nova Fronteira (1966)
>>> O Tigre Branco de Aravind Adiga pela Agir (2015)
>>> Negociação: Fortalecendo o Processo de Eugenio do Carvalhal pela Vision (2004)
>>> Comunidade e Sociedade no Brasil de Florestan Fernandes pela Companhia Nacional (1974)
>>> O Vendedor de Sonhos - O Chamado de Augusto Cury pela Academia (2008)
>>> Indulgência de Francisco Cândido Xavier pela Ide (1989)
>>> Liga da Justiça : A Guerra do Demônio Parte 1 e 2 de Alan Grant pela Mythos (2003)
>>> O Fiel da Balança de Taylor Caldwell pela Globo
>>> Júlia Especial vol. 10: O caso do detetive Baxter de Giancarlo Berardi pela Mythos (2023)
>>> Vida e Sexo de Francisco Cândido Xavier pela Feb (1970)
>>> Júlia Especial vol. 09: O caso do ônibus fantasma de Giancarlo Berardi pela Mythos (2023)
>>> Júlia Especial vol. 07: O caso dos grafites apagados de Giancarlo Berardi pela Mythos (2023)
>>> O Sexo No Casamento de Regina Navarro Lins; Flávio Braga pela Best Seller (2006)
>>> Júlia Especial vol. 06: O caso da Rua Magnólia de Giancarlo Berardi pela Mythos (2023)
>>> Batman - Guardião de Hollywood - Ed. Especial de DC Comics pela Mythos (2002)
>>> A Vida em Família de Rodolfo Calligaris pela Ide (1980)
>>> Dinho e Suas Finanças de David F. Hastings pela Fgv (2015)
>>> Hoje é Dia de Maria - Coletânea de Fotos da 1ª e 2ª Jornadas de Luis Alberto de Abreu, Luiz Fernando Carvalho pela Globo (2006)
COLUNAS

Terça-feira, 10/8/2010
Rimbaud, biografia do poeta maldito
Jardel Dias Cavalcanti
+ de 20900 Acessos

Uma espécie de filho maldito de Baudelaire, o prenunciador do surrealismo, o mestre espiritual de Jim Morrison, o poeta do desregramento de todos os sentidos adorado pelos beatniks, o menino quase sobre-humano, segundo Proust. Rimbaud tornou-se uma lenda literária ainda vivo, embora tenha deixado de se interessar por poesia já aos 19 anos. Qualquer pessoa que queira mergulhar no que há de mais radical e imaginativo em poesia moderna deve passar por ele.

Uma forma bem interessante de se aproximar de Rimbaud é lendo a biografia Rimbaud ― A vida dupla de um rebelde (Companhia das Letras, 2010, 192 págs.), de Edmund White, lançado este ano pela Companhia das Letras. White já havia escrito as biografias de Jean Genet, outro escritor maldito, e também a do romancista Marcel Proust. Seu relato da vida de Rimbaud cruza dados do desenvolvimento de sua carreira como poeta, dos 15 aos 19 anos, com seus desvarios homoeróticos com Paul Verlaine, sua eterna postura rebelde e antiburguesa e, finalmente, relata o abandono da carreira literária e sua busca por riqueza e posterior destruição e morte no período em que viveu no continente que chamou em suas derradeiras cartas de "tediosa África".

Ainda bem jovem Rimbaud deixou cair em suas mãos As flores do mal, o livro de poesias de Charles Baudelaire. Jamais voltaria a ser o mesmo. Também inebriou-se com a leitura das poesias de Victor Hugo e suas obras Os miseráveis e Os trabalhadores do mar, tornando-se ainda companheiro literário e sexual do poeta Paul Verlaine. Baudelaire, Hugo e Verlaine: ingredientes perigosos transformados em um verdadeiro coquetel molotov pelo jovem poeta de Charleville.

Segundo White, Rimbaud transportou a novas alturas "a nostalgia do ignóbil" de Baudelaire. E a prova evidente disso é o poema "Soneto do buraco do cu" ("Sonnet du trou du cul"), escrito com seu parceiro de bebedeiras e cama, Verlaine (que escreveu os primeiro oito versos, enquanto Rimbaud escreveu os últimos seis). Há nesse poema a direta intenção de ofensa contra o soneto tradicional com seus temas elevados. É um poema que pode ser considerado uma espécie de irmão espiritual de alguns poemas de Baudelaire, principalmente o denominado "A carniça".

Eis o poema "Soneto do buraco do cu":

"Obscuro e enrugado como um cravo roxo,
Ele respira, humildemente escondido em meio ao musgo
Úmido ainda de amor que segue a doce fuga
Das nádegas brancas até o âmago de sua orla.

Filamentos parecidos a lágrimas de leite
Choraram, sob o vento cruel que os repele,
Através dos pequenos coágulos de marga raiva
Para irem se perder onde o declive os chamava.

Meu sonho frequentemente se colou à sua ventosa;
Minh´alma, com ciúmes do coito material,
Dele fez seu lacrimário fulvo e seu ninho e soluços.

É a oliva desfalecida, e a flauta carinhosa;
É o tubo por onde desce a celeste pralina:
Canaã feminino encerrado nas umidades!"

Rimbaud foi um rebelde não só do ponto de vista poético, mas também na forma existencial de se opor aos comportamentos sociais burgueses. Decidiu por uma vida desregrada, consumindo-se numa aventura homossexual pública com Verlaine, que viria a destruir seu casamento e terminaria causando inúmeros problemas aos dois poetas, como quando tomado de fúria Verlaine colocou fogo na cabeleira de sua mulher e quando atirou enlouquecidamente seu próprio filho ainda bebê na parede. E ainda, entre outras coisas, a prisão do desesperado Verlaine ao disparar um tiro contra Rimbaud, que o ameaçava deixar.

Entregando-se ao mau comportamento entre o meio literário parisiense, acabou sendo acusado de irresponsável, agressivo, intragável e boca-suja. Fazendo uso de haxixe e absinto praticou aquilo que exigia do verdadeiro poeta: "o longo, imenso e sistemático desregramento de todos os sentidos". Sua própria mãe não o via senão como um cabeludo, piolhento, arruaceiro, blasfemo, vagabundo, desrespeitoso de todas as formas de ordens. Seu comportamento antipático, obsceno e grosseiro talvez tenha sido aprendido com velhos anarquistas que conheceu, sugere White.

Em meio às turbulências do seu cotidiano desregrado, não deixava de escrever seus poemas, desafiando constantemente um ambiente literário francês ainda conservador, proclamando como ordem do dia "cuspir no sagrado" e "injuriar o belo".

A ideia de uma espécie de inspiração grotesca seria o componente vital de sua poesia. Seu professor ginasial Izambard relembrou anos mais tarde seu brilhante aluno recitando o seguinte trecho dos ensaios de Montaigne: "O poeta, sentado sobre o tripé das musas, cospe furiosamente tudo o que lhe entra pela boca, agindo como uma gárgula, e dele saem coisas de toda sorte diferente, substâncias contrárias num fluxo irregular".

O texto acima não poderia ser melhor para definir a imagem da poesia do autor de Uma temporada no inferno e "O barco bêbado". Sua "Carta aos videntes" propõe uma ruptura radical com o passado da poesia. Para Rimbaud, resume White, "o poeta é um vidente que conquista seus poderes visionários pelo desregramento de todos os sentidos através do álcool, das drogas, da loucura, da doença e do crime. Assim como Baudelaire havia falado das virtudes da embriaguez, que permite ao individuo fundir-se com o mundo a sua volta e com a humanidade universal, de igual modo Rimbaud atribui a lucidez sobrenatural do poeta a tudo o que desregula os hábitos embotados da percepção".

Rimbaud tornou a poesia uma espécie de parteira das sensações capaz de registrar tudo o que seus sentidos detectem, intensificando o brilho dos fatos através da linguagem ousada e entrecortada de sua poesia. Essa poesia objetiva de pura sensação, diz White, é um impulso que Rimbaud corporificou à perfeição em seu famoso soneto "Vogais".

No poema "O barco bêbado", com cem versos, Rimbaud libera a poesia de todas as regras clássicas, levando a linguagem especificamente a ser como o narrador do poema, que é o barco sem leme, errante, bêbado, partindo sem rumo em direção ao desconhecido. Estava colocado em prática o verso livre. Diz alguns versos do poema:

"E desde logo me banhei no Poema
do Mar, infuso de astros, e lactescente,
devorando os azuis verdes; onde, flutuação pálida
e arrebatadora, um afogado pensativo às vezes vaga."

O poema compreende rimas descontraídas, imagens surpreendentes e sintaxe intrincada. "Cada elemento do poema de Rimbaud ― semântico, rítmico, linguístico é calculado para desestabilizar o leitor (...) e falar diretamente a todos os seus sentidos", diz White.

Dando continuidade e renovando Baudelaire, Rimbaud praticamente inventa o poema em prosa. Segundo White, "Baudelaire já tinha feito experimentos com poemas em prosa, mas Rimbaud iria descartar o aspecto informal, descritivo, anedótico daquelas peças e substituí-lo por um tipo órfico de enunciado que era mais visionário e mais difícil, mais frio e sublime. Também seria lírica e condensada, visual ao extremo e intrincadamente tecida".

Após fazer 19 anos Rimbaud despediu-se para sempre da literatura. "Considerava seus anos de criatividade, dos quinze aos dezenove, um tempo de bebedeiras, um período de escândalo homossexual, de arrogância e rebeldia que não levaram a nada".

Desaparecido da Europa, Rimbaud tornou-se uma lenda, principalmente depois da publicação em 1883 de Les poètes maudits, livro de Verlaine sobre Rimbaud, Mallarmé e Tristan Corbière. Em 1887, chegou a Paris a falsa notícia da morte de Rimbaud. Verlaine prontamente escreve um belo poema:

"Não quero crer em nada disso. Morto, vós,
Tu, deus entre os semideuses!
Os que o dizem estão loucos!
Morto, meu grande pecado radioso (...)"

O resto de sua curta existência se passa entre viagens a lugares exóticos e distantes da Europa, em busca de dinheiro, através, principalmente, do tráfico de armas, do comércio internacional de especiarias e como intérprete comercial.

Segundo White, a lenda de que Rimbaud era traficante de escravos na África não é verdadeira, mesmo a escravidão e o comércio de escravos sendo fatos corriqueiros na África (prática especialmente feita por brancos árabes). Rimbaud viveu ali como comerciante bem-sucedido, mas ainda assim considerava a África o lugar mais atroz do mundo, chegando a confessar à sua mãe que viver um ano naquele inferno equivalia a viver cinco anos em qualquer outro lugar. Apesar de seu ódio à África, o poeta jamais voltou para a França, senão para se tratar e morrer.

Com a perna gangrenada e depois amputada voltou à sua cidade natal, mas não conseguiu retornar ao continente africano. Veio a morrer pouco depois, aos 37 anos, em 1891, no momento de sua segunda internação em Marselha, quando um enorme tumor entre a coxa e o estômago lhe foi fatal.

Há boas traduções de Rimbaud no Brasil, como as de Lêdo Ivo e Rodrigo Garcia Lopes e Mauricio Arruda Mendonça, sendo especialmente brilhantes as de Augusto de Campos, em Rimbaud Livre. E para quem quiser ver a trajetória de Rimbaud e Verlaine no cinema, pode assistir ao excelente filme Eclipse de uma paixão, com o belo Leonardo DiCaprio.

Mas não deixe de ler a instigante biografia escrita com grande sensibilidade por Edmund White, formidável encontro com o satânico e impertinente menino rebelde que mudou o rumo da poesia na Europa.

Nota do Editor
Leia também "O comerciante abissínio" e "O comerciante abissínio II".

Para ir além






Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 10/8/2010

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Casa cor-de-rosa de Elisa Andrade Buzzo


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2010
01. Poesia sem ancoradouro: Ana Martins Marques - 23/3/2010
02. Rimbaud, biografia do poeta maldito - 10/8/2010
03. 29ª Bienal de São Paulo: a politica da arte - 12/10/2010
04. A letargia crítica na feira do vale-tudo da arte - 5/1/2010
05. Inhotim: arte contemporânea e natureza - 2/3/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




The Complete Works of William Shakespeare - Comedies
William Shakespeare
New York
(2008)



Meus Filhos
A. Balbach
A Edificação do Lar



Livro Literatura Estrangeira A Sogra
Emma Southworth
Companhia Ed. Nacional
(1984)



Em Obras - os Trabalhadores da Cidade de São Paulo Entre 1775 e 1809
Amália Cristovão dos Santos
Alameda
(2018)



Memórias Emotivas
Izaías Almada
Mania de Livro
(1996)



O Príncipe
Nicolau Maquiavel
Abril Cultural
(1973)



Frutas Brasil Frutas
Silvestre Silva e Helena Tassara
Melhoramentos
(2005)



O Que Vale é a Intenção
Mallika Chopra
Gente
(2015)



O Que São os Sentimentos?
Oscar Brenifier
Caramelo
(2005)



Marley & Eu
John Grogan
Ediouro
(2006)





busca | avançada
57876 visitas/dia
2,4 milhões/mês