Poesia sem ancoradouro: Ana Martins Marques | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
31759 visitas/dia
922 mil/mês
Mais Recentes
>>> Caixa Cultural recebe grande mestre de Shakuhachi
>>> Pesquisadores analisam como se forjam as políticas urbanas das metrópoles
>>> Formação on-line de Gramática para preparadores e revisores de texto
>>> Ballet Acadêmico da Bahia apresenta Clássicos Disney no TCA
>>> Sesc Belenzinho apresenta Vertin e seu novo álbum Pásssaro Só
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A barata na cozinha
>>> Uma Receita de Bolo de Mel
>>> O Voto de Meu Pai
>>> Inferno em digestão
>>> Hilda Hilst delirante, de Ana Lucia Vasconcelos
>>> As pedras de Estevão Azevedo
>>> O artífice do sertão
>>> De volta à antiga roda rosa
>>> O papel aceita tudo
>>> O tigre de papel que ruge
Colunistas
Últimos Posts
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
Últimos Posts
>>> Casa de couro IV
>>> 232 Celcius, ou Fahrenheit 451
>>> Mãe
>>> Auto contraste
>>> Os intelectuais e a gastronomia
>>> Cabeças Cortadas
>>> Fiandeiras
>>> A mim importa, e a você?
>>> O INVISÍVEL
>>> Considerações finais: a arte de fazer política
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Let It Go by Eddie Vedder
>>> Cristóbal Balenciaga
>>> Rio das Ostras (II)
>>> Poesia vira imagem: Ronald Polito e Guto Lacaz
>>> O melhor de 2008 ― literatura e cinema
>>> Primeiros copos da noite
>>> O cristianismo para Nietzsche
>>> E Viva a Abolição - a peça
>>> O conto como labirinto em Milton Hatoum
>>> Aos plagiadores em geral
Mais Recentes
>>> Your Beauty Mark de Dita Von Teese pela Dey Street Books (2018)
>>> Sarney: a biografia de Echeverria, Regina pela Leya (2011)
>>> Charles Chaplin de Flavia Muniz pela FTD (2017)
>>> Pequeno livro de reflexão de Anônimo pela Wkids (2010)
>>> Este é o dia do seu milagre: experimente o sobrenatural poder criador de Hinn, Benny pela Bompastor (2001)
>>> O fascinante império de Steve Jobs de Michael Moritz pela Universo dos livros (2010)
>>> Tratado de Responsabilidade Civil - Doutrina e Jurisprudência de Rui Stoco pela Revista dos Tribunais (2014)
>>> Mentoring - Abrindo Horizontes, Superando Limites, Construido Caminhos de Rosa Elvira Alba de Bernhoeft pela Gente (2001)
>>> O Direito à Cidade de Henri Lefebvre pela Centauro (2008)
>>> O Direito à Cidade de Henri Lefebvre pela Centauro (2008)
>>> O Direito à Cidade de Henri Lefebvre pela Centauro (2008)
>>> Coração Ferido de Chelsea Cain pela Suma de Letras (2007)
>>> Noturno de Havana de T. J. English pela Pensamento Cultrix (2011)
>>> Luzia-Homem de Domingos Olímpio pela Escala (2007)
>>> Cinco Minutos e a Viuvinha de José de Alencar pela Escala (1999)
>>> O Poder da Oração Que Cura de Larry Dossey pela Agir (2015)
>>> Coleção Espetáculos do Galpão - Textos de Rua de Eduardo Moreira (Org.) pela Autêntica (2007)
>>> Zé Carioca - Nº 2395 de Equipe Disney pela Abril (2015)
>>> Zé Carioca - Nº 2394 de Equipe Disney pela Abril (2015)
>>> Zé Carioca - Nº 2392 de Equipe Disney pela Abril (2015)
>>> Zé Carioca - Nº 2371 de Equipe Disney pela Abril (2015)
>>> Pato Donald - Nº 2432 de Equipe Disney pela Abril (2015)
>>> Pato Donald - Nº 2430 de Equipe Disney pela Abril (2015)
>>> Pato Donald - Nº 2429 de Equipe Disney pela Abril (2016)
>>> Pato Donald - Nº 2428 de Equipe Disney pela Abril (2016)
>>> Pato Donald - Nº 2410 de Equipe Disney pela Abril (2016)
>>> Pato Donald - Nº 2406 de Equipe Disney pela Abril (2016)
>>> Pateta - Nº 48 de Equipe Disney pela Abril (2016)
>>> Pateta - Nº 37 de Equipe Disney pela Abril (2016)
>>> Pateta - Nº 36 de Equipe Disney pela Abril (2016)
>>> Pateta - Nº 35 de Equipe Disney pela Abril (2016)
>>> Pateta - Nº 04 de Equipe Disney pela Abril (2016)
>>> Minnie - Nº 39 de Equipe Disney pela Abril (2016)
>>> Minnie - Nº 34 de Equipe Disney pela Abril (2016)
>>> Minnie - Nº 02 de Equipe Disney pela Abril (2016)
>>> Mickey - Nº 881 de Equipe Disney pela Abril (2016)
>>> Mickey - Nº 848 de Equipe Disney pela Abril (2016)
>>> Mickey - Nº 837 de Equipe Disney pela Abril (2016)
>>> Novos Andarilhos do Bem de Luciana Chaui-Berlinck pela Autêntica (2012)
>>> Currículo e Políticas Públicas de Luiz Alberto Oliveira Gonçalves pela Autêntica (2003)
>>> A Poesia Vai à Escola de Neusa Sorrenti pela Autêntica (2013)
>>> Segredos de Um Rato de Laboratório - Meninas Não Entram (Cachorros Tudo Bem !) de Trudi Trueit pela Gutenberg (2012)
>>> Segredos de Um Rato de Laboratório - Mamãe, Tem Um Dinossauro no Lago Beeson de Trudi Trueilt pela Gutenberg (2013)
>>> O Homem e a Montanha de João Camillo de Oliveira Torres pela Autêntica (2011)
>>> Ensino Régio na Capitania de Minas Gerais ,1772 - 1814 de Thais Nivia de Lima e Fonseca pela Autêntica (2010)
>>> D. Maria da Cruz e a Sedição de 1736 de Angela Vianna Botelho pela Autêntica (2012)
>>> Inventamos ou Erramos de Simón Rodríguez pela Autêntica (2016)
>>> Estética Filosófica Para o Ensino Médio de Fernando R. de Moraes Barros pela Autêntica (2012)
>>> Melhor é o fim das coisas do que o início delas de Fialho, Cristina pela Getsêmani (2014)
>>> O Ensaio Geral - Marx e a Crítica da Economia Política (1857-1858) de João Antônio de Paula (Org.) pela Autêntica (2010)
COLUNAS

Terça-feira, 23/3/2010
Poesia sem ancoradouro: Ana Martins Marques
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 20400 Acessos
+ 2 Comentário(s)

"Nada se edifica sobre a pedra, tudo sobre a areia, mas nosso dever é edificar como se fora pedra a areia." (Jorge Luis Borges)

Acaba de ser lançado pela editora Scriptum, de Belo Horizonte, o livro de poemas A vida submarina, de Ana Martins Marques. Ele reúne os poemas premiados no concurso "Prêmio cidade de Belo Horizonte" nos anos de 2007 e 2008. Prêmio justificável, dada a qualidade dos poemas.

Uma das principais características notáveis no livro de Ana Marques é que a sua poesia é o resultado de uma dupla reflexão entre o sentido do processo poético e o sentido do existir. No cerne destas duas questões nota-se a ideia da impossibilidade de redenção de um pelo outro. A poesia não salva a vida e a vida não salva a poesia.

No entanto, a consciência dessa impossibilidade é o que gera o caráter dessa poesia e define a voz própria desta poetisa. Poesia sem ancoradouro, a sua leitura parece deixar para nós mais os resquícios de uma ferrugem na âncora que a possibilidade do estabelecimento de um terreno seguro onde nós possamos vir a nos fixar.

O livro divide-se em sete partes, cada qual com um título e propósitos bem claros sobre a temática estabelecida para elas, embora quase todos os poemas pensem a si mesmos e à vida como uma impossibilidade. Da desilusão dos "navios que não têm mais porque partir", até o amor, pensado como uma "batata quente" que não pode ser suportável por muito tempo na nossa mão, os poemas se fazem como pequenos desastres que a existência insiste em revelar e a constituição da poesia enquanto linguagem não consegue sanar.

Eis a riqueza desse livro, enunciar na própria linguagem que a constitui a ideia de que expressar a experiência é algo fadado ao fracasso, como a própria experiência o é. A ideia da vida como algo estéril contaminando a poesia se constitui como um traço moderno, desde A terra desolada de T. S Eliot, passando pela desfiguração do eu em Pirandello e chegando a inanição de Beckett. A poesia apostou em si mesma, como problema da linguagem, para deixar à existência apenas o enunciado de seu fiasco.

Podemos pensar no poema "Álbum", nesse sentido, como metáfora da relação arte-vida ou eu-outro, que se esclarece como um encontro impossível, pois "nunca estivemos juntos numa fotografia". Sobrando apenas o diário ("dia 11, tarde"), poema que é ao mesmo tempo arte e destino de quem quer ou está condenado a "viver/ enfim/ na casa vazia".

O poema é também metáfora da vida, representados, ambos (poesia e vida), como uma espécie de relógio defeituoso que hora se atrasa, hora se adianta, com ponteiros dos segundos e das horas tendo tempos diferentes.

Como no poema "Lição de casa", a poesia, e não só a vida, é este destempero que deve ser evitado: "se os professores soubessem/ dos riscos/ não mandavam escolares/ escreverem poesia./ Ao contrário/ nos livros de poesia/ deveria estar escrito:/ não tente fazer em casa".

As razões do perigo da poesia (que Platão bem conhecia) são várias: "O poema cerze/ o que não tem reparo", peixes "no poema/ morrem sem água/ na primeira estrofe", "palavra por palavra/ o poema circunscreve seu vazio". "Porque chegam quase à beira do abismo/ cuidado ao chegar à borda do poema". Abominável em sua existência "o poema quer ver em tudo que é branco/ uma lição de esgrima".

Abusando da metáfora das "flores do mal", tal qual Baudelaire queria sua arte, em A vida submarina a poesia seria "minha insônia velada por umas flores feias". E a poesia de Ana Marques é como o desejo, um sonho que já anuncia sua decepcionante impossibilidade de realização. Na impossibilidade da realização, "a espera é a flor que eu consigo", pois "a viagem da espera/ é sem retorno".

Vale ler o poema "Buenos Aires", como exemplo dessa constante impossibilidade que a poesia de Ana Marques enuncia:

"Das longas avenidas que inventamos
sem nunca percorrer
senão com a boca suja de palavras
alguma ficará
para cenário
quando
numa noite
― mas não nesta ―
um de nós deixar o outro
para sempre."

O poeta seria essa espécie de homem que faz do seu ofício um trabalho destinado ao nada: "Trabalho dias seguidos/ uma morte que não entendo". "Na noite do poema/ outra noite/ se anuncia". Uma espécie de morte dupla, primeiro a do existir e, em seguida, a da insanidade inútil do escrever poesia como tentativa de redenção da "vida perdida", ou como queria Marcel Proust, do "temps perdue".

O livro como um todo não deixa espaço para um positivo aceno em direção à vida ou à arte da poesia como ferramenta de entendimento da existência: "Com que mapas desvendar/ um continente/ que falta?". E se a vida se anuncia em seu atraente calor, é do outro lado, longe do meu alcance, que ele existe: "penso em teu sexo/ quente/ calado/ em outra cama."

O poema "Horóscopo" nos fala do clamor da existência que vive de ser e não ser ao mesmo tempo, anúncio e decepção, talvez a utopia da poesia como "a fera que te habita", mas possibilidade apenas anunciada, pois desde sempre condenada à irrealização:

"Há duas ou três promessas
espreitando o dia.
Indício de visitas
e incêndios.
Saúde, mas nenhuma alegria.
Distrações e alegrias no trabalho.
No amor talvez não seja bem isso.
Indiferença não é uma saída nessa hora.
Família e dívidas preocupam.
Os astros continuam rodando à toa.
Impossível domar
a fera que te habita
o signo inexato."

Mesmo em poemas de evidente prosaísmo, absolutamente proposital, Ana Marques consegue imprimir seu desdém pela vida, preferindo o recolhimento melancólico que toma vários de seus poemas: "Todo mundo fica irritado quando digo/ que novamente não vou à praia/ .../ empresto a máquina para as crianças e peço/ fotografias do mar." (no poema "dia 13, manhã"). Ou "hoje é a chuva/ que lava os pratos" (no poema "dia 18).

Uma voz melancólica que visita Penélope, os poemas são como a noite que "esquece", "esgarça", de "perdas" e "falhas", com a "fidelidade por um fio".

Um dos poemas que melhor exibe esse drama moderno do fim da possibilidade de transcendência, mesmo na cultura, é o poema "Porta":

"a porta
como toda fronteira
é apenas para se atravessar
rapidamente ela já não serve mais
um corpo a corpo
e já se está do outro lado
dela nascem o fora e o dentro
ela que é seu vazio"

No entanto, a poesia não pode deixar de existir apesar de sua fugaz possibilidade de brilho. Último brilho na noite cega, é de onde ainda se pode enxergar um pouco mais, já que cada verso nos serve como "Lanternas": "na noite/ aceso/ o poema se consome."

O poema que dá título ao livro, "A vida submarina", resume o traçado todo do livro, com poemas que são das entranhas do obscuro mar, "submarinos", "espuma, como uma Vênus ainda sem beleza", "calcária e dura", onde "pensamentos guiam-se pela noite do Oceano, uma noite maior que a noite". A consequência é a poetisa oferecer ao outro (leitor?) apenas "meu silêncio", "meu alheamento", "minha recusa de promessa".

O poema se encerra com uma das mais belas imagens do livro, retrato do poeta em dó maior dando seu recado:

"Quem atribui ao mar
a culpa pela solidão dos corais
pelas vidas imperfeitas
dos peixes habituados ao abismo,
monstros quietos
só de sal silêncio e sono?
eu precisava te dizer,
enquanto palavras ainda resistem,
antes de se tornarem moluscos
nas espinhas da noite,
antes de se perderem de vez
no esplendor da vida
submarina"

Ana Marques produz neste livro uma equação rara, como anotou na orelha do livro Murilo Marcondes, professor de literatura da USP: "a elaboração dos poemas é concomitante à reflexão sobre o vivido, e nesse estreitamento entre linguagem e experiência talvez resida a maior força deste ótimo livro, em que os poemas, sempre muito sentidos, são também 'lugar para pensar'".

Nota do Editor
Texto originalmente publicado no Suplemento Literário de Minas Gerais, na edição de Janeiro-Fevereiro de 2010.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 23/3/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Por que HQ não é literatura? de Cassionei Niches Petry
02. Fake news, passado e futuro de Luís Fernando Amâncio
03. Aquarius, quebrando as expectativas de Guilherme Carvalhal
04. A pérola do cinema sul-americano de Guilherme Carvalhal
05. Caindo as fichas do machismo de Marta Barcellos


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2010
01. Poesia sem ancoradouro: Ana Martins Marques - 23/3/2010
02. 29ª Bienal de São Paulo: a politica da arte - 12/10/2010
03. Rimbaud, biografia do poeta maldito - 10/8/2010
04. A letargia crítica na feira do vale-tudo da arte - 5/1/2010
05. Inhotim: arte contemporânea e natureza - 2/3/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
24/3/2010
03h09min
Ela parte da ilusão abstrata para entrar no céu concreto. Ela vive o sonho poético, por isto vale a pena ler.
[Leia outros Comentários de Manoel Messias Perei]
9/5/2010
12h08min
Para futura aquisição e leitura.
[Leia outros Comentários de Johnny Martins]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




MISCELÂNIA DE OPINIÕES E SENTENÇAS
NIETZSCHE
ESCALA
(2007)
R$ 14,31



CASA OGUY: ARQUITETURA MODERNA NA CIDADE DE SANTO ANDRÉ
ESTÚDIO BRASILEIRO - ORG.
ESTÚDIO BRASILEIRO
(2005)
R$ 25,11



O ALIENISTA - MACHADO DE ASSIS (LITERATURA BRASILEIRA)
MACHADO DE ASSIS
SARAIVA
(2007)
R$ 10,00



TODA FAMÍLIA TEM SEUS SEGREDOS
MONICA MCINERNEY
FUNDAMENTO
(2014)
R$ 38,00



CRIME E CASTIGO CAPA DURA VOLUME ÚNICO
FIODOR DOSTOIEVDKI
NOVA CULTURAL
(2002)
R$ 29,87



SE SÓ ME RESTASSE UMA HORA DE VIDA
ROGER-POL DROIT
BERTRAND BRASIL
(2014)
R$ 25,11



EN EQUIPO.ES VOL. 3 - CURSO DE ESPAÑOL DE LOS NEGOCIOS
OLGA JUAN E OUTROS
EDINUMEN
(2007)
R$ 26,91



VIVENDO SALMOS
CHARLES R. SWINDOLL
CPAD
(2014)
R$ 50,00



O CAMINHO ABERTO POR JESUS - MATEUS
JOSÉ ANTONIO PAGOLA
VOZES
(2012)
R$ 28,00



LENDAS E CANÇÕES POPULARES - JUVENAL GALENO
JUVENAL GALENO
CASA DE JUVENAL GALENO
(1978)
R$ 70,00





busca | avançada
31759 visitas/dia
922 mil/mês