Poesia sem ancoradouro: Ana Martins Marques | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
35423 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Someone On Your Side
>>> No cotidiano de alguém
>>> A batalha perdida do pastor
>>> Um governo que nasceu morto
>>> Wikia Search
>>> A difícil arte de viver em sociedade
>>> Ações culturais
>>> A história do amor
>>> Além do Mais
>>> Derrotado
Mais Recentes
>>> Arte Contemporânea Em Santa Catarina de João Evangelista de Andrade Fo - Organizador pela Museu de Arte de Santa Catarin (2001)
>>> O Peru Indutivista Temas de Filosofia de Marconi Oliveira da Silva pela Ufpe (2014)
>>> Terceiro Setor: um Estudo Comparado Entre Brasil e Eua de Simone de Castro Tavares Coelho pela Senac (2002)
>>> Celso Ramos - um Perfil Político de Carlos Alberto S. Lenzi pela Terceiro Milênio (1997)
>>> Celso Ramos - um Perfil Político de Carlos Alberto S. Lenzi pela Terceiro Milênio (1997)
>>> Celso Ramos - um Perfil Político de Carlos Alberto S. Lenzi pela Terceiro Milênio (1997)
>>> Dores Ocultas de Juliana Bueno pela Outras Linhas (2012)
>>> Silêncios de Paz e Guerra de Conrrado Balduccini pela Autor (2013)
>>> A Prática da Conversão Pastoral de Heije Faber e Ebel Van Der Schoot pela Sinodal (1973)
>>> Aprendendo a terapia cognitivo-comportamental - um guia ilustrado de Jesse H, Wright, Monica R. Basco, Michael E. Thase pela Artmed (2008)
>>> Crítica da Razão Existencial de João Arthur Fortunato pela Autor (1998)
>>> Liderança e Dinâmica de Grupo de George M. Beal e Outros pela Zahar (1972)
>>> Instituições do Processo Civil - Volumes I -ll - Ill de Francesco Carnelutti pela Classic Book (2000)
>>> Perícia Judicial para Fisioterapeutas de José Ronaldo Veronesi Junior pela Andreoli (2013)
>>> A Cruz e o Punhal de David Wilkerson/ John e Elizabeth Sherrill pela Betânia (1983)
>>> Só para Mulheres de Sonia Hirsch pela Correcotia (2000)
>>> Papai é Pop de Marcos Piangers pela Belas Letras (2015)
>>> Catecismo da Igreja Católica Edição Típica Vaticana de Edições Loyola Jesuítas pela Edições Loyola Jesuítas (2000)
>>> Catecismo da Igreja Católica Edição Revisada de Acordo Com o Texto... de Loyola pela Loyola (1999)
>>> Cem Anos de Solidão de Gabriel Gárcia Marquez pela : Record
>>> Biologia do Desenvolvimento de Scott F. Gilbert pela Sociedade Brasileira de Genéti (1994)
>>> Energia, Ambiente & Mídia - Qual é a Questão de Vânia Mattozo pela Ufsc (2005)
>>> Montando Estórias de Milton Neves pela Ibrasa (1996)
>>> Terra á Vista... e ao Longe de Maria Ignez Silveira Paulilo pela Daufsc (1998)
>>> Conhecendo Sua Coluna - Informações Científicas para o Leigo de Dr. Fernando Schmidt e Dr. Ernani Abreu (org.) pela Conceito (2004)
>>> Modernidade Com Ética de Cristovam Buarque pela Revan (1998)
>>> Metodologia do Ensino de Artes - Filosofia da Arte de Engelmann Ademir Antonio pela Ibpex (2010)
>>> Vocabulário do Charadista - Volume 1 de Sylvio Alves pela Livraria Acadêmica
>>> Dissolução do Casamento de Valdemar P. da Luz pela Conceito (2007)
>>> Filosofia da Arte de Engelmann Ademir Antonio pela Ibpex (2008)
>>> Guia Gladiadores 01 de Claudio Blanc (Editorial) pela On Line
>>> As Origens das Civilizações Arqueologia e História de Ruth Whitehouse John Wilkins pela Folio (2007)
>>> The Mobile Wave de Michael Saylor pela Vanguard Press (2012)
>>> Uma Breve História do Cristianismo de Geoffrey Blaine pela Fundamento (2012)
>>> O Livro dos Evangelhos de Emídio Silva Falcão Brasileiro pela Boa Nova (2006)
>>> Pablo Neruda Antologia General Edición Conmemorativa de Pablo Neruda pela Alfaguara (2010)
>>> A Luz da Vida de Dong Yu Lan pela Árvore da Vida (1999)
>>> VI Seminário de Estudos Mineiros A Revolução de 1930 de Bonifácio de Andrada e Outros pela Ufmg Proed (1987)
>>> O Texto na Sala de Aula de João Wanderley Geraldi e Outros pela Ática (2004)
>>> O Quilombismo de Abdias do Nascimento pela Vozes (1980)
>>> História da Burguesia Brasileira de Nelson Werneck Sodré pela Vozes (1983)
>>> O Método Estruturalista de Claude Lévis Strauss e Outros pela Zahar (1967)
>>> Prestes: Lutas e Autocríticas de Dênis de Moraes Francisco Viana pela Vozes (1982)
>>> Os Ratos de Dyonelio Machado pela Ática (1992)
>>> Os Sindicatos e o PTB Estudo de Um Caso em Minas Gerais de Maria Andréa Loyola pela Vozes (1980)
>>> Raças e Classes Sociais no Brasil de Octavio Ianni pela Civilização Brasileira (1972)
>>> Desenvolvimento das Áreas Marginais Latino Americanas de Dalton Daemon pela Vozes (1974)
>>> O Projeto Jari e os Capitais Estrangeiros na Amazônia de Irene Garrido Filha pela Vozes (1980)
>>> Compreensão e Finitude de Ernildo Stein pela Unijuí (2001)
>>> O Prazer da Produção Científica de Israel Belo de Azevedo pela Unimep (1998)
COLUNAS

Terça-feira, 23/3/2010
Poesia sem ancoradouro: Ana Martins Marques
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 21100 Acessos
+ 2 Comentário(s)

"Nada se edifica sobre a pedra, tudo sobre a areia, mas nosso dever é edificar como se fora pedra a areia." (Jorge Luis Borges)

Acaba de ser lançado pela editora Scriptum, de Belo Horizonte, o livro de poemas A vida submarina, de Ana Martins Marques. Ele reúne os poemas premiados no concurso "Prêmio cidade de Belo Horizonte" nos anos de 2007 e 2008. Prêmio justificável, dada a qualidade dos poemas.

Uma das principais características notáveis no livro de Ana Marques é que a sua poesia é o resultado de uma dupla reflexão entre o sentido do processo poético e o sentido do existir. No cerne destas duas questões nota-se a ideia da impossibilidade de redenção de um pelo outro. A poesia não salva a vida e a vida não salva a poesia.

No entanto, a consciência dessa impossibilidade é o que gera o caráter dessa poesia e define a voz própria desta poetisa. Poesia sem ancoradouro, a sua leitura parece deixar para nós mais os resquícios de uma ferrugem na âncora que a possibilidade do estabelecimento de um terreno seguro onde nós possamos vir a nos fixar.

O livro divide-se em sete partes, cada qual com um título e propósitos bem claros sobre a temática estabelecida para elas, embora quase todos os poemas pensem a si mesmos e à vida como uma impossibilidade. Da desilusão dos "navios que não têm mais porque partir", até o amor, pensado como uma "batata quente" que não pode ser suportável por muito tempo na nossa mão, os poemas se fazem como pequenos desastres que a existência insiste em revelar e a constituição da poesia enquanto linguagem não consegue sanar.

Eis a riqueza desse livro, enunciar na própria linguagem que a constitui a ideia de que expressar a experiência é algo fadado ao fracasso, como a própria experiência o é. A ideia da vida como algo estéril contaminando a poesia se constitui como um traço moderno, desde A terra desolada de T. S Eliot, passando pela desfiguração do eu em Pirandello e chegando a inanição de Beckett. A poesia apostou em si mesma, como problema da linguagem, para deixar à existência apenas o enunciado de seu fiasco.

Podemos pensar no poema "Álbum", nesse sentido, como metáfora da relação arte-vida ou eu-outro, que se esclarece como um encontro impossível, pois "nunca estivemos juntos numa fotografia". Sobrando apenas o diário ("dia 11, tarde"), poema que é ao mesmo tempo arte e destino de quem quer ou está condenado a "viver/ enfim/ na casa vazia".

O poema é também metáfora da vida, representados, ambos (poesia e vida), como uma espécie de relógio defeituoso que hora se atrasa, hora se adianta, com ponteiros dos segundos e das horas tendo tempos diferentes.

Como no poema "Lição de casa", a poesia, e não só a vida, é este destempero que deve ser evitado: "se os professores soubessem/ dos riscos/ não mandavam escolares/ escreverem poesia./ Ao contrário/ nos livros de poesia/ deveria estar escrito:/ não tente fazer em casa".

As razões do perigo da poesia (que Platão bem conhecia) são várias: "O poema cerze/ o que não tem reparo", peixes "no poema/ morrem sem água/ na primeira estrofe", "palavra por palavra/ o poema circunscreve seu vazio". "Porque chegam quase à beira do abismo/ cuidado ao chegar à borda do poema". Abominável em sua existência "o poema quer ver em tudo que é branco/ uma lição de esgrima".

Abusando da metáfora das "flores do mal", tal qual Baudelaire queria sua arte, em A vida submarina a poesia seria "minha insônia velada por umas flores feias". E a poesia de Ana Marques é como o desejo, um sonho que já anuncia sua decepcionante impossibilidade de realização. Na impossibilidade da realização, "a espera é a flor que eu consigo", pois "a viagem da espera/ é sem retorno".

Vale ler o poema "Buenos Aires", como exemplo dessa constante impossibilidade que a poesia de Ana Marques enuncia:

"Das longas avenidas que inventamos
sem nunca percorrer
senão com a boca suja de palavras
alguma ficará
para cenário
quando
numa noite
― mas não nesta ―
um de nós deixar o outro
para sempre."

O poeta seria essa espécie de homem que faz do seu ofício um trabalho destinado ao nada: "Trabalho dias seguidos/ uma morte que não entendo". "Na noite do poema/ outra noite/ se anuncia". Uma espécie de morte dupla, primeiro a do existir e, em seguida, a da insanidade inútil do escrever poesia como tentativa de redenção da "vida perdida", ou como queria Marcel Proust, do "temps perdue".

O livro como um todo não deixa espaço para um positivo aceno em direção à vida ou à arte da poesia como ferramenta de entendimento da existência: "Com que mapas desvendar/ um continente/ que falta?". E se a vida se anuncia em seu atraente calor, é do outro lado, longe do meu alcance, que ele existe: "penso em teu sexo/ quente/ calado/ em outra cama."

O poema "Horóscopo" nos fala do clamor da existência que vive de ser e não ser ao mesmo tempo, anúncio e decepção, talvez a utopia da poesia como "a fera que te habita", mas possibilidade apenas anunciada, pois desde sempre condenada à irrealização:

"Há duas ou três promessas
espreitando o dia.
Indício de visitas
e incêndios.
Saúde, mas nenhuma alegria.
Distrações e alegrias no trabalho.
No amor talvez não seja bem isso.
Indiferença não é uma saída nessa hora.
Família e dívidas preocupam.
Os astros continuam rodando à toa.
Impossível domar
a fera que te habita
o signo inexato."

Mesmo em poemas de evidente prosaísmo, absolutamente proposital, Ana Marques consegue imprimir seu desdém pela vida, preferindo o recolhimento melancólico que toma vários de seus poemas: "Todo mundo fica irritado quando digo/ que novamente não vou à praia/ .../ empresto a máquina para as crianças e peço/ fotografias do mar." (no poema "dia 13, manhã"). Ou "hoje é a chuva/ que lava os pratos" (no poema "dia 18).

Uma voz melancólica que visita Penélope, os poemas são como a noite que "esquece", "esgarça", de "perdas" e "falhas", com a "fidelidade por um fio".

Um dos poemas que melhor exibe esse drama moderno do fim da possibilidade de transcendência, mesmo na cultura, é o poema "Porta":

"a porta
como toda fronteira
é apenas para se atravessar
rapidamente ela já não serve mais
um corpo a corpo
e já se está do outro lado
dela nascem o fora e o dentro
ela que é seu vazio"

No entanto, a poesia não pode deixar de existir apesar de sua fugaz possibilidade de brilho. Último brilho na noite cega, é de onde ainda se pode enxergar um pouco mais, já que cada verso nos serve como "Lanternas": "na noite/ aceso/ o poema se consome."

O poema que dá título ao livro, "A vida submarina", resume o traçado todo do livro, com poemas que são das entranhas do obscuro mar, "submarinos", "espuma, como uma Vênus ainda sem beleza", "calcária e dura", onde "pensamentos guiam-se pela noite do Oceano, uma noite maior que a noite". A consequência é a poetisa oferecer ao outro (leitor?) apenas "meu silêncio", "meu alheamento", "minha recusa de promessa".

O poema se encerra com uma das mais belas imagens do livro, retrato do poeta em dó maior dando seu recado:

"Quem atribui ao mar
a culpa pela solidão dos corais
pelas vidas imperfeitas
dos peixes habituados ao abismo,
monstros quietos
só de sal silêncio e sono?
eu precisava te dizer,
enquanto palavras ainda resistem,
antes de se tornarem moluscos
nas espinhas da noite,
antes de se perderem de vez
no esplendor da vida
submarina"

Ana Marques produz neste livro uma equação rara, como anotou na orelha do livro Murilo Marcondes, professor de literatura da USP: "a elaboração dos poemas é concomitante à reflexão sobre o vivido, e nesse estreitamento entre linguagem e experiência talvez resida a maior força deste ótimo livro, em que os poemas, sempre muito sentidos, são também 'lugar para pensar'".

Nota do Editor
Texto originalmente publicado no Suplemento Literário de Minas Gerais, na edição de Janeiro-Fevereiro de 2010.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 23/3/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Um brasileiro no Uzbequistão (I) de Arcano9


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2010
01. Poesia sem ancoradouro: Ana Martins Marques - 23/3/2010
02. Rimbaud, biografia do poeta maldito - 10/8/2010
03. 29ª Bienal de São Paulo: a politica da arte - 12/10/2010
04. A letargia crítica na feira do vale-tudo da arte - 5/1/2010
05. Inhotim: arte contemporânea e natureza - 2/3/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
24/3/2010
03h09min
Ela parte da ilusão abstrata para entrar no céu concreto. Ela vive o sonho poético, por isto vale a pena ler.
[Leia outros Comentários de Manoel Messias Perei]
9/5/2010
12h08min
Para futura aquisição e leitura.
[Leia outros Comentários de Johnny Martins]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




COMUNHÃO COM DEUS
MÁRCIO DIAS GUARDA
CASA PUBLICADORA
(2006)
R$ 12,90



GROWING THROUGH PERSONAL CRISIS EDGAR CAYCES WISDOM FOR THE NEW AGE
HARMON HARTZELL BRO CHARLES THOMAS CAYCE
HARPERCOLLINS
(1988)
R$ 20,00



505 JOGOS COOPERATIVOS E COMPETITIVOS
HÉCTOR CIVITATE
SPRINT
(2003)
R$ 50,00



BIBLIOGRAFIA BRASILEIRA DE LITERATURA INFANTIL E JUVENIL VOL 12
DEPARTAMENTO DE BIBLIOTECAS INFANTO-JUVENIS
SEC. MUNICIPAL DE CULTURA
(2004)
R$ 18,00



MEU ANJO
FAUSTO OLIVEIRA
SEAME
(1996)
R$ 5,90



SELEÇÕES DO READERS DIGEST DE MARÇO DE 1960
TITO LEITE (REDATOR CHEFE)
YPIRANGA
(1960)
R$ 7,00



VENCENDO A DEPRESSÃO ESSENCIAL Nº 16
VÁRIOS AUTORES
ED. ABRIL
R$ 5,39



BLINK - A DECISÃO NUM PISCAR DE OLHOS
MALCOLM GLADWELL
ROCCO
(2005)
R$ 43,00



MARINA MARINA
CARLOS HEITOR CONY
EDIÇÕES DE OURO
(1978)
R$ 5,50



PSIQUIATRIA CLÍNICA
LAWRENCE C. KOLB
GUANABARA
(1986)
R$ 30,00





busca | avançada
35423 visitas/dia
1,3 milhão/mês