Poesia sem ancoradouro: Ana Martins Marques | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
39554 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Terça-feira, 23/3/2010
Poesia sem ancoradouro: Ana Martins Marques
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 21300 Acessos
+ 2 Comentário(s)

"Nada se edifica sobre a pedra, tudo sobre a areia, mas nosso dever é edificar como se fora pedra a areia." (Jorge Luis Borges)

Acaba de ser lançado pela editora Scriptum, de Belo Horizonte, o livro de poemas A vida submarina, de Ana Martins Marques. Ele reúne os poemas premiados no concurso "Prêmio cidade de Belo Horizonte" nos anos de 2007 e 2008. Prêmio justificável, dada a qualidade dos poemas.

Uma das principais características notáveis no livro de Ana Marques é que a sua poesia é o resultado de uma dupla reflexão entre o sentido do processo poético e o sentido do existir. No cerne destas duas questões nota-se a ideia da impossibilidade de redenção de um pelo outro. A poesia não salva a vida e a vida não salva a poesia.

No entanto, a consciência dessa impossibilidade é o que gera o caráter dessa poesia e define a voz própria desta poetisa. Poesia sem ancoradouro, a sua leitura parece deixar para nós mais os resquícios de uma ferrugem na âncora que a possibilidade do estabelecimento de um terreno seguro onde nós possamos vir a nos fixar.

O livro divide-se em sete partes, cada qual com um título e propósitos bem claros sobre a temática estabelecida para elas, embora quase todos os poemas pensem a si mesmos e à vida como uma impossibilidade. Da desilusão dos "navios que não têm mais porque partir", até o amor, pensado como uma "batata quente" que não pode ser suportável por muito tempo na nossa mão, os poemas se fazem como pequenos desastres que a existência insiste em revelar e a constituição da poesia enquanto linguagem não consegue sanar.

Eis a riqueza desse livro, enunciar na própria linguagem que a constitui a ideia de que expressar a experiência é algo fadado ao fracasso, como a própria experiência o é. A ideia da vida como algo estéril contaminando a poesia se constitui como um traço moderno, desde A terra desolada de T. S Eliot, passando pela desfiguração do eu em Pirandello e chegando a inanição de Beckett. A poesia apostou em si mesma, como problema da linguagem, para deixar à existência apenas o enunciado de seu fiasco.

Podemos pensar no poema "Álbum", nesse sentido, como metáfora da relação arte-vida ou eu-outro, que se esclarece como um encontro impossível, pois "nunca estivemos juntos numa fotografia". Sobrando apenas o diário ("dia 11, tarde"), poema que é ao mesmo tempo arte e destino de quem quer ou está condenado a "viver/ enfim/ na casa vazia".

O poema é também metáfora da vida, representados, ambos (poesia e vida), como uma espécie de relógio defeituoso que hora se atrasa, hora se adianta, com ponteiros dos segundos e das horas tendo tempos diferentes.

Como no poema "Lição de casa", a poesia, e não só a vida, é este destempero que deve ser evitado: "se os professores soubessem/ dos riscos/ não mandavam escolares/ escreverem poesia./ Ao contrário/ nos livros de poesia/ deveria estar escrito:/ não tente fazer em casa".

As razões do perigo da poesia (que Platão bem conhecia) são várias: "O poema cerze/ o que não tem reparo", peixes "no poema/ morrem sem água/ na primeira estrofe", "palavra por palavra/ o poema circunscreve seu vazio". "Porque chegam quase à beira do abismo/ cuidado ao chegar à borda do poema". Abominável em sua existência "o poema quer ver em tudo que é branco/ uma lição de esgrima".

Abusando da metáfora das "flores do mal", tal qual Baudelaire queria sua arte, em A vida submarina a poesia seria "minha insônia velada por umas flores feias". E a poesia de Ana Marques é como o desejo, um sonho que já anuncia sua decepcionante impossibilidade de realização. Na impossibilidade da realização, "a espera é a flor que eu consigo", pois "a viagem da espera/ é sem retorno".

Vale ler o poema "Buenos Aires", como exemplo dessa constante impossibilidade que a poesia de Ana Marques enuncia:

"Das longas avenidas que inventamos
sem nunca percorrer
senão com a boca suja de palavras
alguma ficará
para cenário
quando
numa noite
― mas não nesta ―
um de nós deixar o outro
para sempre."

O poeta seria essa espécie de homem que faz do seu ofício um trabalho destinado ao nada: "Trabalho dias seguidos/ uma morte que não entendo". "Na noite do poema/ outra noite/ se anuncia". Uma espécie de morte dupla, primeiro a do existir e, em seguida, a da insanidade inútil do escrever poesia como tentativa de redenção da "vida perdida", ou como queria Marcel Proust, do "temps perdue".

O livro como um todo não deixa espaço para um positivo aceno em direção à vida ou à arte da poesia como ferramenta de entendimento da existência: "Com que mapas desvendar/ um continente/ que falta?". E se a vida se anuncia em seu atraente calor, é do outro lado, longe do meu alcance, que ele existe: "penso em teu sexo/ quente/ calado/ em outra cama."

O poema "Horóscopo" nos fala do clamor da existência que vive de ser e não ser ao mesmo tempo, anúncio e decepção, talvez a utopia da poesia como "a fera que te habita", mas possibilidade apenas anunciada, pois desde sempre condenada à irrealização:

"Há duas ou três promessas
espreitando o dia.
Indício de visitas
e incêndios.
Saúde, mas nenhuma alegria.
Distrações e alegrias no trabalho.
No amor talvez não seja bem isso.
Indiferença não é uma saída nessa hora.
Família e dívidas preocupam.
Os astros continuam rodando à toa.
Impossível domar
a fera que te habita
o signo inexato."

Mesmo em poemas de evidente prosaísmo, absolutamente proposital, Ana Marques consegue imprimir seu desdém pela vida, preferindo o recolhimento melancólico que toma vários de seus poemas: "Todo mundo fica irritado quando digo/ que novamente não vou à praia/ .../ empresto a máquina para as crianças e peço/ fotografias do mar." (no poema "dia 13, manhã"). Ou "hoje é a chuva/ que lava os pratos" (no poema "dia 18).

Uma voz melancólica que visita Penélope, os poemas são como a noite que "esquece", "esgarça", de "perdas" e "falhas", com a "fidelidade por um fio".

Um dos poemas que melhor exibe esse drama moderno do fim da possibilidade de transcendência, mesmo na cultura, é o poema "Porta":

"a porta
como toda fronteira
é apenas para se atravessar
rapidamente ela já não serve mais
um corpo a corpo
e já se está do outro lado
dela nascem o fora e o dentro
ela que é seu vazio"

No entanto, a poesia não pode deixar de existir apesar de sua fugaz possibilidade de brilho. Último brilho na noite cega, é de onde ainda se pode enxergar um pouco mais, já que cada verso nos serve como "Lanternas": "na noite/ aceso/ o poema se consome."

O poema que dá título ao livro, "A vida submarina", resume o traçado todo do livro, com poemas que são das entranhas do obscuro mar, "submarinos", "espuma, como uma Vênus ainda sem beleza", "calcária e dura", onde "pensamentos guiam-se pela noite do Oceano, uma noite maior que a noite". A consequência é a poetisa oferecer ao outro (leitor?) apenas "meu silêncio", "meu alheamento", "minha recusa de promessa".

O poema se encerra com uma das mais belas imagens do livro, retrato do poeta em dó maior dando seu recado:

"Quem atribui ao mar
a culpa pela solidão dos corais
pelas vidas imperfeitas
dos peixes habituados ao abismo,
monstros quietos
só de sal silêncio e sono?
eu precisava te dizer,
enquanto palavras ainda resistem,
antes de se tornarem moluscos
nas espinhas da noite,
antes de se perderem de vez
no esplendor da vida
submarina"

Ana Marques produz neste livro uma equação rara, como anotou na orelha do livro Murilo Marcondes, professor de literatura da USP: "a elaboração dos poemas é concomitante à reflexão sobre o vivido, e nesse estreitamento entre linguagem e experiência talvez resida a maior força deste ótimo livro, em que os poemas, sempre muito sentidos, são também 'lugar para pensar'".

Nota do Editor
Texto originalmente publicado no Suplemento Literário de Minas Gerais, na edição de Janeiro-Fevereiro de 2010.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 23/3/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Caminhos para a esquerda de Celso A. Uequed Pitol
02. 29ª Bienal de São Paulo: a politica da arte de Jardel Dias Cavalcanti
03. Inhotim: arte contemporânea e natureza de Jardel Dias Cavalcanti
04. A letargia crítica na feira do vale-tudo da arte de Jardel Dias Cavalcanti
05. A Sombra do Vento, de Carlos Ruiz Zafón de Ricardo de Mattos


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2010
01. Poesia sem ancoradouro: Ana Martins Marques - 23/3/2010
02. Rimbaud, biografia do poeta maldito - 10/8/2010
03. 29ª Bienal de São Paulo: a politica da arte - 12/10/2010
04. A letargia crítica na feira do vale-tudo da arte - 5/1/2010
05. Inhotim: arte contemporânea e natureza - 2/3/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
24/3/2010
03h09min
Ela parte da ilusão abstrata para entrar no céu concreto. Ela vive o sonho poético, por isto vale a pena ler.
[Leia outros Comentários de Manoel Messias Perei]
9/5/2010
12h08min
Para futura aquisição e leitura.
[Leia outros Comentários de Johnny Martins]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




CONTABILIDADE PARA EXECUTIVOS
ANDRÉ LUIS FERNANDES LIMEIRA E OUTROS
FGV
(2008)
R$ 4,00



LARISSA LORETTI - 50 POEMAS ESCOLHIDOS PELO AUTOR
LARISSA LORETTI
GALO BTANCO
(2009)
R$ 25,00



ESPÍRITOS ENTRE NÓS
JAMES VAN PRAAGH
SEXTANTE
(2010)
R$ 7,90



THE BOOK OF ART - CHINESE AND JAPANESE ART
MICHAEL SULLIVAN
GROLIER
(1967)
R$ 25,00



MANUAL DO GUERREIRO DA LUZ
PAULO COELHO
OBJETIVA LTDA
(1997)
R$ 19,00
+ frete grátis



CÁRCERE PRIVADO
ELMORE LEONARD
ROCCO
(1999)
R$ 9,90



BÍBLIA SAGRADA - NOVO TESTAMENTO EDIÇÃO PASTORAL
VÁRIOS
PAULINAS
(1986)
R$ 10,00



CONTOS
MACHADO DE ASSIS
OBJETIVO
R$ 6,00



INTRODUÇÃO À SOCIOLOGIA
REINALDO DIAS
PEARSON
(2013)
R$ 80,00



CULTURE SHOCK! VENEZUELA: A GUIDE TO CUSTOMS AND ETIQUETTE
KITT BAGULEY
KUPERARD
(1999)
R$ 38,28





busca | avançada
39554 visitas/dia
1,3 milhão/mês