Se falam em autor novo, saco logo a minha pistola | Yuri Vieira | Digestivo Cultural

busca | avançada
78907 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Teatro Sérgio Cardoso recebe As Conchambranças de Quaderna de Ariano Suassuna
>>> “Meus bichos do sertão”, da artista mineira Maria Lira, em exposição na AM Galeria
>>> Maurício Limeira fará parte do DICIONÁRIO DO PROFUNDO, da Ao Vento Editorial
>>> Longa documental retrata música e territorialidade quilombola
>>> De Priscila Prade, Exposição Corpo em Quarentena abre dia 4/10
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
>>> Uma história da Sambatech
>>> Uma história da Petz
>>> A história de Chieko Aoki
>>> Uma história do Fogo de Chão
>>> BDRs, um guia
>>> Iggor Cavalera por André Barcinski
Últimos Posts
>>> Brasileira muda paisagens de Veneza com exposição
>>> Os inocentes do crepúsculo
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
>>> Indistinto
>>> Mais fácil? Talvez
>>> Riacho da cacimba
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Tem café?
>>> Dois anos de Cinema Independente
>>> O filme do Lula e os dois lados da arquibancada
>>> O comércio
>>> Isto é para quando você vier
>>> A vez dos veteranos
>>> A morte e a morte de jorge amado
>>> Solidão Moderna
>>> A santidade do pecado em Padre António Vieira
>>> In the Line of Fire
Mais Recentes
>>> The Secret / O Segredo Capa Dura de Rhonda Byrne pela Ediouro (2007)
>>> Calunga - Um dedinho de prosa de Luiz Antonio Gasparetto pela Vida e Consciência (1999)
>>> I Am Malala de Malala Yousafzai pela Litle Brown (2014)
>>> Waking Deas Happen de Scott Belsky pela Portfolio (2010)
>>> DONO de Marcelo Toledo pela Alta Books (2013)
>>> Administrando em Tempos de GrandesMudanças de Peter Drucker pela Pioneira (1999)
>>> Um Dia de David Nicholls pela Intrínseca (2011)
>>> Um Cuerpo Para Toda Uma Vida de Txumari Alfaro pela Ediciones B (2008)
>>> Insanely Simple The Obsession That Drives Apple's Sucess de Ken Segall pela Penguin (2012)
>>> Fogo Cruzado de James Patterson pela Arqueiro (2012)
>>> O Alemão Veio Nos Visitar de Rosana Leal pela Portal (2017)
>>> O Castelo das Almas Feridas de Herman Poliakoff pela Petit (2004)
>>> UNIX Systems Programing de David A. Curry pela Nutshell (1996)
>>> Fibrilação Atrial de Dalmo Antonio Ribeiro Moreira pela Lemos (2005)
>>> Fibrilação Atrial de Dalmo Antonio Ribeiro Moreira pela Lemos (2005)
>>> Incidente em Antares de Erico Verissimo pela Círculo do Livro (1975)
>>> Cinquenta Tons De Cinza de E L James pela Intrínseca (2012)
>>> Cinquenta Tons De Liberdade de E L James pela Intrínseca (2012)
>>> Cinquenta Tons Mais Escuros de E L James pela Intrínseca (2012)
>>> MINAS: Cidades Barrocas de Renée Lefère/Silvio de Vasconcelos pela CEN (1979)
>>> Design for Hackers de David Kadavy pela Wiley (2011)
>>> The Forces of Mars de Bruce Balfour pela ACE (2002)
>>> The Digital Dead de Bruce Balfour pela ACE (2003)
>>> Contemporary Marketing Research de Carl McDaniel/Roger Gates pela South Western (1999)
>>> Cozinhando com Yogurte de Elaine Hallgarten pela Marco Zero (1997)
COLUNAS >>> Especial Autores novos

Sexta-feira, 26/5/2006
Se falam em autor novo, saco logo a minha pistola
Yuri Vieira

+ de 6900 Acessos
+ 4 Comentário(s)

Dez anos atrás, depois de participar de diversas oficinas literárias, grupos de leitura, fanzines e atividades do gênero, sem contar as horas e horas perdidamente ganhas na saudosa biblioteca da UnB, e como monitor do professor de Crítica e Teoria Literária Flávio René Kothe, desenvolvi, involuntariamente, certa indisposição para com todo aquele que, ainda em plena juventude de espinhas, se auto-intitulasse um escritor.

Eu próprio, mesmo já tendo escrito meu primeiro livro em 1997, morria de vergonha ao ser apresentado a alguém como sendo um "escritor" ou, coisa ainda pior, um "novo autor". Sim, preciso confessar. Após me deparar com tantos escrivinhadores confessio(ba)nais, com tantos vomitadores de surubas existenciais, com tanta gente que não conhecia a necessidade de, arriscando-se a cair no abismo, sempre dar ainda outro passo para atrás - e só então verdadeiramente apreciar e apreender um quadro geral da existência digno de ser narrado -, desenvolvi um reflexo condicionado bastante comum: cada vez que me falavam dum suposto "novo autor", sacava minha pistola.

Um pouco mais tarde, de volta a São Paulo, abdiquei momentaneamente de tal atitude apenas porque quem me falava de sua "maravilhosa amiga escritora" era minha então nova namorada. Ainda me lembro de folhear o tal livro com desdém, a foto duma mulher de trinta e poucos anos na orelha, aquela editora totalmente desconhecida, enfim, uma nova autora. E, motivado pela empolgação da figura, li o trecho de um conto - aparentemente mais uma enxurrada egóica - e, num final de semana, fui me encontrar com a tal literata. Uma chácara bonita, dezenas de cães e lá estava, virando copos de uísque, a mulher que estranhamente não tinha trinta, senão sessenta e oito anos de idade: Hilda Hilst. Juro, até 1998, este rato de biblioteca nunca ouvira falar dela, logo, estava diante duma "nova autora". Ao menos para mim.

Com essa anedota, quero apenas dizer que, afora esse, não vejo nenhum outro significado na expressão "novo autor". Novo é tão somente o que antes me era desconhecido. Autor é quem já é autor e não quem está em vias de tornar-se um. Em 1982, por exemplo, surgiu um novo autor de indiscutível talento: Bernardo Soares, aliás, mais um heterônimo de Fernando Pessoa parido pelo mais famoso baú português. E digo isso porque, segundo creio, um escritor de verdade é, no fundo, o mais intenso processo de criação ambulante e não apenas o conhecido autor deste ou daquele livrinho interessante.

O princípio de todo movimento artístico, de toda Cultura, de toda nova intuição, sempre vem pelo "verbo", não importando o quanto possam reclamar os representantes de outros gêneros artísticos. Um Autor que surge é um grande acontecimento e, por isso, tal termo não deveria ser empregado indiscriminadamente a todo aquele que, tal como eu, escreveu meramente um ou dois livrinhos inteligentes.

Por sorte, eu fui tão irreverente com a Hilda Hilst - devo ter sido o primeiro em muitos anos que não se jogou a seus pés logo que a viu, e que tampouco pediu para que "pelo amor de Deus" comentasse meu livro (eu não tinha noção de quem ela era) - que fui convidado a morar consigo e ser seu secretário. Assim, durante pouco mais de dois anos, uma das minhas tarefas foi justamente o meu maior pesadelo: ler e selecionar os livros que pretensos "novos autores" enviavam para a mestra, ser uma "primeira instância". (Se, entre 1998 e 2000, seu livro não foi lido por ela, culpe a mim.)

Hilda simplesmente não suportava ter de enfrentar pilhas e pilhas de buscadores de um empurrãozinho. Em geral, lia duas ou três páginas, fazia um muxoxo e voltava a reler suas biografias, suas hagiografias, seu Jorge de Lima. Uma das poucas "novas autoras", que me lembro de ter recebido dela um elogio, foi Suzana Cano. Disse-me a Hilda: "Esta sim é uma escritora, Yuri". Mas quem hoje em dia fala da Suzana? Praticamente ninguém. Isso importa? Não, porque quanto melhor for o potencial do escritor, de duas uma: ou ele levará anos para conseguir reunir todo seu instrumental interior e finalmente se expressar; ou, expressando-se com esmero já de início, levará anos para ser assimilado pela massa crítica de leitores necessária para alçá-lo à categoria de autor imprescindível. Curiosamente, a Hilda se encaixa no primeiro caso quanto à sua prosa e no segundo quanto à poesia.

Outro "novo autor" que conheci em 1998, no dia do meu vigésimo sétimo aniversário, e também na casa da Hilda, foi o poeta Bruno Tolentino. Não fiquei nada constrangido pelo fato de ele ter aparecido naquele dia e de ter participado da minha improvisada reunião de assopramento de velas. Eu não sabia quem ele era. Depois que ele se mudou para lá - morou na Casa do Sol durante uns sete meses - é que o fui descobrindo enquanto escritor. Descobrindo para mim, claro. Pois um "novo autor" é sempre uma descoberta, um desvelamento, não uma imposição de editoras, livrarias, publicidade e imprensa. Tampouco quero dar a impressão de que um "novo autor" deva ser necessariamente um autor grisalho com a obra já adiantada e, ao mesmo tempo, desconhecido. Não. Nas conversas que tive com Bruno, Hilda e com a Lygia Fagundes, vi que são eles todos unânimes num ponto: um autor de verdade é um autor nato. Como se o ser escritor fosse um "estado do ser" e não uma atividade: os livros são uma conseqüência da sua natureza interior.

Portanto, imagino que deva sim haver críticos, estudiosos ou sei lá eu, cuja missão seja aprender a detectar autores de verdade em obras iniciais, que saibam separar o joio banal do trigo potencial. Raymond Radiguet era um adolescente quando escreveu O Diabo no Corpo, mas já sabia dar aquele passo atrás e enquadrar da vida o máximo que podia e com um enfoque um pouco além do espírito da época precedente. Contudo, uma coisa posso garantir: não sou um destes detectores. Os livros de supostos "novos autores" lidos na casa da Hilda já me traumatizaram o suficiente. Se me empurrarem um destes, voltarei a sacar a minha pistola.

Nota
Yuri Vieira, escritor e roteirista, também escreve no Karaloka.net.


Yuri Vieira
Goiânia, 26/5/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Meu reino por uma webcam de Ana Elisa Ribeiro
02. Em noite de lua azul de Elisa Andrade Buzzo
03. Xadrez, poesia de Ana Elisa Ribeiro de Jardel Dias Cavalcanti
04. Defensores da Amazônia de Marilia Mota Silva
05. Em busca de cristãos e especiarias de Carla Ceres


Mais Yuri Vieira
Mais Especial Autores novos
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
24/5/2006
09h15min
Excelente. Eu penso mais ou menos a mesma coisa. O problema é que os "novos autores" confundem literatura com best-seller. O que a maioria dos "novos autores" quer é ser rockstar e não escrever literatura. Escrever é um ofício dos solitários e o tempo é que diz quem é bom.
[Leia outros Comentários de Daniela Castilho]
24/5/2006
09h15min
Caro Yuri, seu texto me transportou para o mais profundo do meu ser. Existem coisas na vida que não entendemos de imediato, mas... são essas mesams coisas que nos levam a conhecer caminhos inimagináveis.
[Leia outros Comentários de José Petean]
24/5/2006
19h56min
Análise criticamente fina, ou finamente crítica. E bem humorada. Me fez lembrar Quintana: "Se eu acho que todo mundo deve escrever poesia? Sim.Claro que sim, desde que não venham me mostrar!".
[Leia outros Comentários de Dilamar Santos]
26/5/2006
21h06min
Será que o mal é a pressa? Na ânsia de se tornarem "escritores" os jovens autores querem logo publicar seu livro, por mais razoável que seja. Mas a crítica não quer saber dos razoáveis, nem o público. Eles querem o bom, o melhor. E aí muitos dos novos autores terminam por dar fim às próprias carreiras, por conta da ânsia. Bom, pode ser isso, não sei. Rimbaud escreveu o que o fez gênio antes dos 17, se não me engano. Mas aí é que tá: gênio é gênio, não é qualquer um. Não me lembro quem disse, mas acho que foi a Fernando Sabino. "Não faça biscoitos, Fernando, faça pirâmides". E o Sabino preferiu fazer biscoitos. No sentido de não tentar escrever O livro, O romance. E sim escrever, aprender aos poucos, para quem saber chegar perto da perfeição. Tenho pra mim que ele conseguiu isso, fazendo biscoitos.
[Leia outros Comentários de Rafael Rodrigues]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Dezenove Luas -1ª Edição ( Beautiful Creatures, Vol. 4 )
Margaret Stohl e Kami Garcia
Galera Record
(2013)



Livro das Feiticeiras: a Tradição dos Filtros e Encantamentos De
Miranda Arroyos de San Thiago
Pallas
(2009)



Imagine All the People
Fabien Ouaki
Verus
(2004)



Os Vivos, o Morto e o Peixe- Frito - 1ª Edição
Vários Autores
Pallas
(2014)



Atividades Educacionais II
Naomi E. Singer e Matthew J. Miller
Madras
(2002)



Papo Nosso de Cada Dia Ah Se Todos Soubessem!
Elaine Fontana
Abba Press
(2004)



Empreendedorismo - o Poder da Mudança!
Giselle Farinhas
Conquista
(2016)



Marketing
Michael J. Etzel Bruce J. Walker William J. S
Makron Books
(2001)



Entusiasmo para Viver e Ser Mais Feliz
Gerson Simões Monteiro
Mauad
(2001)



Maria Padilha: Rainha de Todas as Giras - 1ª Edição
Alzira da Cigana da Praia
Pallas
(2016)





busca | avançada
78907 visitas/dia
2,2 milhões/mês