Fim dos jornais? Desconfie | Diogo Salles | Digestivo Cultural

busca | avançada
32696 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Michael Jackson: a lenda viva
>>> Gente que corre
>>> Numa casa na rua das Frigideiras
>>> Numa casa na rua das Frigideiras
>>> Reinaldo Azevedo no Fórum CLP
>>> Introdução ao filosofar, de Gerd Bornheim
>>> Companheiro dileto
>>> O Vendedor de Passados
>>> Eugène Delacroix, um quadro uma revolução
>>> Meus Livros
Mais Recentes
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
>>> A Igreja Católica de Hans Kung pela Objetiva (2002)
>>> O Comunismo de Richard Pipes pela Objetiva (2002)
>>> Lições para o Cotidiano de Masaharu Taniguchi pela Seicho-No-Ie (1996)
>>> Guerra sem fim – Edição especial de Joe Haldeman pela Aleph (2019)
>>> O Renascimento de Paul Johnson pela Objetiva (2001)
>>> Homeopatia a Ciência e a Cura de Ralph Twentyman pela Círculo do livro (1989)
>>> A Descoberta do Amor em Versos de Diversos pela Cen (2003)
>>> O Islã de Karen Armastrong pela Objetiva (2001)
>>> O Sumiço do Mentiroso de Lourenço Cazarré pela Atual (1998)
>>> A Turma da Tia e os Bilhetes Misteriosos de Ganymédes José pela Ftd (1991)
>>> Camões Os Lusíadas de Luís Vaz de Camões pela L&PM Pocket (2008)
>>> Destruição e Equilíbrio de Sérgio de Almeida Rodrigues pela Atual (1989)
>>> Armadilha para Lobisomem de Luiz Roberto Guedes pela Cortez (2005)
>>> A Menina que Descobriu o Brasil de Ilka Brunhilde Laurito pela Ftd (2001)
>>> Guerra no Rio de Ganymédes José pela Moderna (1992)
>>> Paraíso de Toni Morrison pela Companhia das Letras (1998)
>>> Introduction à la Psycholinguistique de Hans Hörmann pela Larousse Université (1974)
>>> A idéia de cultura de Victor Hell pela Martins Fontes (1989)
>>> Poesia Concreta de Lumna Mara Simon (Org.) pela Abril (1982)
>>> Las Armas Secretas de Julio Cortazar pela Editorial sudamericana/ Buenos Aires (1970)
>>> Maio Apagou o Inverno de Carlos Roberto Douglas pela Ateniense/ S.P (1994)
>>> Utopia Selvagem de Darcy Ribeiro pela Nova Fronteira (1982)
>>> Twittando o Amor, Contando Uma História em 140 Caracteres de Teresa Medeiros pela Novo Conceito (2014)
>>> Estrela Oculta de Robert A. Heinlein pela Francisco Alves/ RJ. (1981)
>>> O Alimento dos Deuses de H. G. Wells (herbert George - 1866-1946) pela Francisco Alves/ RJ. (1984)
>>> Focus de Arthur Miller pela Ediouro (2001)
>>> Trinta Anos Depois da Volta - o Brasil na II Guerra Mundial de Octávio Costa (ilustr): Carlos Scliar pela Expressão e Cultura (1977)
>>> Tuareg (formato Original) de Alberto Vázquez- Figueiroa pela L&pm, Porto Alegre (2000)
>>> Cenas Noturnas na Bíblia (v. 1) : Tardes e Manhãs Que Conduzem... de Christian Chen pela Tesouro Aberto/ Belo Horizonte (2001)
>>> Fall of the House of Windsor (capa Dura; Sobrecapa) de Nigel Blundell & Susan Blackhall pela Contemporay Books/ L. A. (1992)
>>> Todos os Homens do Presidente de Carl Bernstein & Bob Woodward pela Francisco Alves/ RJ. (1977)
>>> A Primeira Comunhão de Verônica de Vários: Pia Sociedade de S. Paulo pela Edições Paulinas (1959)
>>> O Grande Livramento de Valdemiro Santiago: Apóstolo pela Impd (2009)
>>> Poema Sujo de Ferreira Gullar/ Pref.: Alcides Villaça pela Livr José Olympio Ed. (2001)
>>> Poema Sujo de Ferreira Gullar/ Pref.: Alcides Villaça pela Livr José Olympio Ed. (2001)
>>> Poema Sujo de Ferreira Gullar/ Pref.: Alcides Villaça pela Livr José Olympio Ed. (2001)
>>> Poema Sujo de Ferreira Gullar/ Pref.: Alcides Villaça pela Livr José Olympio Ed. (2001)
>>> Poema Sujo de Ferreira Gullar/ Pref.: Alcides Villaça pela Livr José Olympio Ed. (2001)
>>> O Poder dos Pais Que Oram de Stormie Omartian pela Mundo Cristão (2001)
COLUNAS >>> Especial O fim dos jornais

Terça-feira, 19/5/2009
Fim dos jornais? Desconfie
Diogo Salles

+ de 6100 Acessos
+ 7 Comentário(s)


Imagem via Webdesigner Depot

Posso dizer que faço parte da "geração internet", que pegou a WWW ainda na fase embrionária e revolucionou a forma do mundo pensar e se comunicar. Contudo, ela tem peculiaridades que ainda me fogem a compreensão. Realmente não sei de onde vem essa sanha de forjar (e enterrar) uma "revolução" por dia. Com a crise financeira dizimando empresas dos mais variados segmentos, a imprensa ― que já vivia uma crise própria ― vê estarrecida os jornais americanos serem jogados no triturador, dia após dia. A cada velório anunciado, blogueiros se refestelam em espasmos mediúnicos, vislumbrando o dia da "democratização da informação" cada vez mais próximo. De longe, eu olho para tudo isso com a maior das desconfianças. E tenho cá minhas razões para o ceticismo:

1) Por enquanto, a morte dos jornais está acontecendo nos EUA, não aqui. Mesmo que as vendas de jornais continuem caindo, existe uma boa distância entre a queda nas vendas e a "morte". Além de nossa internet ser muito incipiente perto da americana, nossa blogosfera ainda é, grosso modo, bastante ingênua. E, passada a crise, será de lá, dos EUA, que virá um novo modelo de jornalismo na internet;

2) O fim dos jornais não garante a tal "democratização da informação", como reza o post-panfleto preferido dos blogueiros "revolucionários". Ao contrário, vai contra todo o conceito de pluralidade, tão caro aos interneteiros (como se não existissem blogueiros que se vendem a um grupo, partido ou ideologia por algumas migalhas). De qualquer maneira, toda essa grita dos blogueiros me lembram jovens partidários do PC do B numa passeata contra o "imperialismo ianque";

3) É muita ingenuidade acreditar que, mesmo que os jornais acabem, os grandes grupos de mídia também vão acabar. Isso mostra o quanto essa discussão ainda é turva e como confundem o fim dos jornais com o fim do jornalismo. A única coisa que está em xeque é o papel como suporte para o jornalismo. A internet já fez o trabalho de tirar o controle sobre toda e qualquer informação das mãos da grande mídia, mas não ocorre aos blogueiros que os mesmos grandes grupos continuarão sendo as principais fontes de informação, mesmo que seja só pela internet e com redações mais enxutas;

4) E finalmente, porque sem uma imprensa forte e vigilante, a democracia fica enfraquecida. Sobre essa questão, meu amigo Ram Rajagopal tem algo a acrescentar: "Democracia não se faz de palpites ou de intenções de pequenos indivíduos isolados, mas da força de instituições que a preservam. E uma destas instituições, que inclusive aparece na Constituição americana e na francesa, é a imprensa. Já cometemos um erro quando deixamos a imprensa receber grana do governo para sobreviver. Cometeremos mais um quando, incapazes de entender os fundamentos de uma democracia, acharmos que a função de um jornal é entreter o copo de café morno de manhã... Inclusive, a pequenez da ideia de que não devemos pagar, voluntariamente, por um serviço que preserva a democracia, é um tiro no próprio pé. O mundo pode conviver com blogs E jornais E livros E Kindle etc... Quanto mais informação, quanto mais observação, mais garantias temos da nossa liberdade".

Sendo assim, por mais que afirmem categoricamente que os jornais vão acabar, ainda não é possível estabelecer uma resolução definitiva. Portanto, não posso ― e não vou ― encampar essa ideia de "fim" disso ou daquilo. Esse, definitivamente, não é o caminho. Se for pra acabar mesmo, não será através do grito dos caciques da blogosfera, mas sim por uma evolução (ou regressão) natural das coisas. Um "fim" que eu certamente adoraria assistir é o fim dos jornais controlados pelas oligarquias e coronéis nordestinos (isso, sim, seria um grande serviço à democracia), mas os únicos que podem responder a essas e outras perguntas ainda não nasceram. Sim, as próximas gerações é que vão nos dizer o que vai embora e o que fica. Tudo o que dissermos agora, em 2009, será chute, puro e simples.

No livro O destino do jornal, Lourival Sant'Anna mostra o que, hoje, parece ser um consenso entre os editores dos três jornalões brasileiros: a de que os portais focarão mais o hardnews e que os jornais se tornarão mais analíticos. Por enquanto, não é o que tenho visto na maioria dos jornais. Mas, olhando a questão pelas duas perspectivas (a da internet e a do papel), eu, que estou em ambas as trincheiras, posso falar do que já vi. De dentro da imprensa, tive recentemente duas revelações. A primeira delas foi no dia em que Barack Obama foi eleito presidente dos EUA. Não pela eleição em si, que já era esperada, mas porque muitos jornais populares (principalmente no Rio de Janeiro) preferiram estampar, com amplo destaque, o barraco do Dado Dolabela com a Luana Piovani, que foi parar na delegacia. Enquanto alguns se limitaram a uma pequena notinha de rodapé sobre o Obama, outros ignoraram completamente o assunto. Não que manchetes-celebritites fossem novidade, e também não é só porque se tratava das eleições americanas (fosse John Mccain o eleito, não seria uma grande notícia)... Mas sim por se tratar do primeiro presidente negro eleito num país com um histórico de segregações, como os EUA, e de todos os simbolismos que aquilo representava no Brasil e no mundo.

Dirão os editores dos tais jornais que, para os leitores destes, o barraco do Dado Dolabela interessava mais. Outros se esconderão atrás do clichê obscurantista "precisamos nos preocupar com as vendas". Pouco importa, ambas justificativas são cínicas e revelam o que muitos jornalistas preferem esconder: o mundo está mudando, e esses mesmos jornalistas não estão acompanhando as mudanças. Num país como o Brasil, onde preconceitos são escamoteados por trás de uma pseudodemocracia racial, onde se discutem cotas raciais nas universidades e ainda se considera necessário ter um "Ministério da Igualdade Racial", a eleição de um presidente negro era sim a notícia mais importante naquele dia para todos os leitores brasileiros (negros ou brancos; pobres ou ricos). E em todas as esferas da mídia ― inclusive nos jornais ditos "populares".

Mas o grande choque aconteceu há poucos dias, quando um jornal daqui de São Paulo abriu sua página de "Internacional" com a seguinte notícia: "Bin Laden some do mapa". A princípio, aquilo me parecia um copy/paste da Wikipédia, mas confesso que continuo sem entender nada, pois essa "matéria" poderia ter sido publicada em qualquer dia entre setembro de 2001 e hoje que não faria a menor diferença. Esse episódio, além de mostrar como ainda subestimam qualquer capacidade intelectual do leitor, escancarou também o completo descaso e preguiça de alguns jornalistas com o ofício. Em tempos de preservação ambiental e de economia de papel, cada coluna, cada linha no jornal é preciosa, já que as notícias andam disputando a tapas o espaço com os anúncios. Mesmo assim, preferiram gastar papel com o "sumiço" do Bin Laden. Alguns jornais parecem mesmo não perceber que é esse tipo de coisa que faz os já distantes leitores se distanciarem ainda mais e que os fazem perguntar, em dias de YouTube e Twitter, se o jornal ainda é necessário. Exposta na redação, essa pérola do jornalismo gerou um comentário revelador: "Os jornais não estão morrendo. Estão se suicidando". Fosse um blogueiro dizendo isso, seria mais uma previsão apocalíptica de quem tem todo interesse em destruir a feira para depois catar seus restos e bagaços no chão. Mas, ditas por um jornalista de redação, essas palavras mostram como o jornalismo tradicional desceu do pedestal e deitou no divã.

Fechar o conteúdo dos portais apenas para os assinantes tem sido apontado como uma das soluções para salvar os jornais, embora isso só seja possível através de uma difícil arregimentação entre todos os grupos de mídia e agências de notícia (de que adiantaria uns fecharem o conteúdo e outros deixarem aberto?). Mesmo assim, muitos blogueiros pagariam para acessar tais portais e continuariam reproduzindo conteúdos em seus blogs em busca de cliques para seus anúncios. Portanto, se fechar o conteúdo é a única solução para salvar os jornais, melhor procurar outras.

Mas suponhamos que os blogueiros do apocalipse estejam certos e que todos os jornais e grupos de mídia sejam varridos da civilização. Quem faria o trabalho de trazer as notícias para o público? Os mesmos blogueiros? Desconfio um pouco (ou muito) disso por uma razão muito simples: se os blogueiros só se dão ao trabalho de reproduzir ou comentar o conteúdo dos portais, como eles ficarão se os mesmos portais não mais existirem? Eles vão ler o Diário Oficial e publicar suas opiniões? Salvo raras exceções, as opiniões da maioria dos blogueiros de hoje é absolutamente dispensável. A única cobertura em que a blogosfera dá um baile nos jornais é a de tecnologia, novas mídias etc. Já todo o restante do noticiário é o trabalho diário de jornalistas, editores, pauteiros, colunistas, fotógrafos, designers, diagramadores, infografistas e ilustradores. Mesmo que alguns poucos blogueiros vivam exclusivamente de seus blogs, para a grande maioria blogar ainda é algo que ainda se faz nos intervalos de seus empregos ou em casa ― e não há compromisso algum com a notícia para fins profissionais. Se o sol estiver raiando lindamente e a patroa quiser ir à praia, ficará o blogueiro na frente do computador, de plantão, esperando as notícias chegarem? Ok, não esqueçam de usar protetor solar...

O que quero dizer é o seguinte: trabalhar com a notícia é como trabalhar em qualquer outra coisa. Alguém precisa trabalhar integralmente nisso e, principalmente, receber por esse trabalho. Ou você acha que fotógrafos não são deslocados para cobrir as finais do campeonato? Ou que repórteres não vão a campo todos os dias em busca das matérias? Ou que designers, ilustradores, infografistas e diagramadores não esperam a definição das pautas para encontrar soluções gráficas que sejam atraentes para o leitor? Não é algo que se faz em coffee breaks ou quando dá na telha. Com as postagens no meu antigo blog era assim: uma, às vezes duas por semana. E só quando eu encontrava tempo.

A grande pergunta é: como e onde os blogueiros vão encontrar recursos para se sustentar e viver exclusivamente de seus blogs? Diante de tantas incertezas, o fato é que ainda não se estabeleceu um modelo que sustente o jornalismo na internet. A tão falada "monetização" ainda não resolveu a vida de ninguém. Alguns conseguiram piorar ainda mais as coisas. Com os tais "posts pagos" desvirtuaram tudo aquilo que a internet tem de melhor: a independência. Por outro lado, exemplos como o Interney e este Digestivo Cultural são primorosos e provam a força da internet, que consegue aliar ótimos conteúdos colaborativos com o negócio em si, mas também mostram que ainda é um negócio para poucos. Uma coisa é certa: jornais que não se adaptarem aos novos tempos, que não valorizarem seus profissionais e não respeitarem seus leitores vão mesmo acabar, como qualquer empresa que não consegue se sustentar. E mesmo que o jornal (em papel) morra, uma coisa ficará: o jornalismo de qualidade. A este, público leitor não falta ― ao contrário, aumenta a cada dia. Se os anúncios migrarem mesmo para a internet (como já sinaliza um estudo feito na Europa), os fundamentos do jornalismo atual serão mantidos, só que em outra plataforma. No fim, alguém continuará pagando a conta para que tenhamos as notícias do dia e para que bons profissionais possam trazê-la a público. E, não duvide, esses bons profissionais estarão onde não precisem se vender por "cem maravilhosos reais".

Nota do Editor
Leia também "Jornalistossaurus x Monkey Bloggers".


Diogo Salles
São Paulo, 19/5/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A Copa, o Mundo, é das mulheres de Luís Fernando Amâncio
02. O espelho quebrado da aurora, poemas de Tito Leite de Jardel Dias Cavalcanti
03. Paris branca de neve de Renato Alessandro dos Santos
04. A cidade e o que se espera dela de Luís Fernando Amâncio
05. De pé no chão (1978): sambando com Beth Carvalho de Renato Alessandro dos Santos


Mais Diogo Salles
Mais Acessadas de Diogo Salles em 2009
01. Millôr Fernandes, o gênio do caos - 17/2/2009
02. 10 palavrões 1 livro didático e ninguém no governo - 2/6/2009
03. Michael Jackson e a Geração Thriller - 21/7/2009
04. O fundamentalismo headbanger - 10/3/2009
05. PMDB: o retrato de um Brasil atrasado - 17/11/2009


Mais Especial O fim dos jornais
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
19/5/2009
01h05min
Muito bom o texto!
[Leia outros Comentários de tiago]
19/5/2009
13h49min
1] Jornalismo [atividade] > jornal [dispositivo]

2] Jornal = software {configurável}, entretanto...

3] Jornalismo@internet [8 generativos de Kevin Kelly] = Imediatismo + Personalização + Interpretação + Autenticidade + Acesso + Incorporação + Publicidade e/ou Patrocínio + Encontrabilidade.
[Leia outros Comentários de Claudio Soares]
19/5/2009
16h37min
Finalmente alguém falou a verdade sobre os boatos de fim dos jornais. Tudo permanecerá com menos destaque, mesmo porque os idosos, que não são poucos no Brasil, adoram ler um jornal. Por acaso o rádio sumiu depois da TV? E nem todos aderem à internet, pois preferem filmes. Parabéns ao jornalista pela matéria coerente.
[Leia outros Comentários de Gelza Reis Cristo]
21/5/2009
00h13min
Diogo, concordo em parte com você. Mas a "morte" dos jornais nada tem a ver com as intrigas blogueiros x jornalistas, e sim com a morte do meio físico, papel, para dar notícias. Claro que será lenta, ainda mais para gerações mais acostumadas com eles. (E sempre terão os saudosistas, como acontece com o vinil.) Porém, não temos como imaginar daqui a 10 anos você ler notícias e sequer interagir, reclamar, concordar, enfim, dar sua opinião. A concorrência do celular para ler as notícias em qualquer lugar e ainda poder deixar sua opinião será, na minha opinião, devastadora. Agora, isso só mudará o meio, os grandes grandes veículos de mídia continurão a dominar. Pode um ou outro cair ou surgir um novo, mas nada que altere o status quo.
[Leia outros Comentários de Hoel Sette]
4/6/2009
21h39min
Análise esclarecedora e com um ótimo texto a sustentá-la! Como repórter de jornal diário e blogueiro, confesso que adoto postura passional sobre este assunto. Por um lado, fico feliz e satisfeito ao constatar que a internet está revigorando e oxigenando o espírito jornalístico. Por outro, torço ferozmente para que o papel nunca acabe. Café morno, banheiro (perdão) e poltrona pedem a companhia de um bom jornal. Abraços!
[Leia outros Comentários de Luiz Augusto Lima]
4/6/2009
22h23min
Não sou jornalista, mas cada jornal que fecha é terrível para seus profissionais, assim como na Web deve ter sido o encerramento do NoMínimo. Mas gosto do desafio que voce propõe... rs. Da crise, não tanto de interesse quanto de grana (para adquirir revistas e jornais), eu entendo, é muito real e não é de hoje... Mas papel, lápis e banca de jornal, como espaço de convivência, não vai acabar só porque dizem que vai. Parece que tem gente torcendo por isso por aí... ou não. Beijo da amiga do Df. Gisele.
[Leia outros Comentários de Gisele Lemper]
8/6/2009
09h56min
Torço para que vingue o consenso dos portais dos jornais com edições analíticas em papel, que podem existir com muito menos folhas, em formato tablóide, em papel reciclado. Claro que, assim, as redações terão de ficar enxutas. Em dez anos saberemos como vai ficar. Por enquanto, é especulação.
[Leia outros Comentários de rené ferri]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




LITERATURA BRASILEIRA EM DIÁLOGO COM OUTRAS LIT E LING
WILLIAM ROBERTO CEREJA E THEREZA COCHAR MAGALHÃES
ATUAL
(2005)
R$ 18,00



VEJA 25 ANOS REFLEXÕES PARA O FUTURO
HEBERT DE SOUZA E OUTROS
ABRIL
R$ 12,00



DIE LANDUNG IN DER NORMANDIE
DR. CHRISTIAN ZENTNER
MOEWIG
(1998)
R$ 55,00



CONTOS CLASSICOS-PATINHO FEIO, O
VÁRIOS AUTORES
CIRANDA CULTURAL
(2011)
R$ 9,90



ESTUDOS DE LÍNGUA E LITERATURA
DOUGLAS TUFANO
MODERNA
(1978)
R$ 5,00



TRANSPORTES, SEGUROS E A DISTRIBUIÇÃO FÍSICA INTERNACIONAL DE MERCADOR
MARCOS MAIA PORTO; CLÁUDIO FERREIRA DA SILVA
ADUANEIRAS
(2000)
R$ 45,00



O SEGREDO DOS SONHOS
PEDRO MESEGUER
PAULINAS
(1965)
R$ 12,00



O MAPA DO AMOR
AHDAF SOUEIF
EDIOURO
R$ 12,80



VEDA - VISÃO CONTEMPORÂNEA DA MILENAR CULTURA VÉDICA
ISWARA SWAMI COORD. / EDITOR
BHAKTIVEDANTA
R$ 10,00



VOCÊ É INSUBSTITUÍVEL
AUGUSTO CURY
SEXTANTE
(2002)
R$ 7,00





busca | avançada
32696 visitas/dia
1,3 milhão/mês