Chickenfoot: o passado e o futuro do rock | Diogo Salles | Digestivo Cultural

busca | avançada
37376 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
>>> Steve Jobs em 1997
>>> Jeff Bezos em 2003
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A literatura feminina de Adélia Prado
>>> Jorge Caldeira no Supertônica
>>> A insustentável leveza da poesia de Sérgio Alcides
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Millôr e eu
>>> As armas e os barões
>>> Quem é o autor de um filme?
>>> Cyrano de Bergerac
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Marco Lisboa na Globonews
Mais Recentes
>>> Nós que Amávamos tanto a Revolução de Dany Cohn Bendit pela Brasiliense (1987)
>>> Sterminateli! de Christian Bernadac pela Fratelli Melita (1991)
>>> Hitler Il Figlio della Germania de Antonio Spinosa pela Oscar Mondadori (1993)
>>> Operación Peter Pan ( Un caso de Guerra Psicológica Contra Cuba) de Ramón Torreira Crespo pela Política /La Habana (2000)
>>> Quem Sequestrou Marta Jane? de Isabel Vieira pela Ftd (1995)
>>> Mort Du Général de Gaulle de Jean Mauriac pela Grasset (1972)
>>> O Burrinho Pedrês de João Guimarães Rosa pela Nova Fronteira (1995)
>>> Ao vivo do campo de batalha ( Do Vietnã a Bagdá 35 anos em Zonas de Combate de Todo o Mundo) de Peter Arnett pela Rocco (1994)
>>> Os Cavalos da República de Moacyr Scliar pela Ática (2005)
>>> Os Últimos 100 dias (02 Volumes) de John Toland pela Nova Fronteira (1966)
>>> Dengos e Carrancas de um Pasto de Jorge Miguel Marinho pela Ftd (1987)
>>> Le Crime L' Invasion Irakienne Du Koweit de Badr Jassem Al Yacoub pela C.i.k.c (1991)
>>> Éramos Seis de Maria José Dupre pela Ática (1991)
>>> A Menina que fez a América de Ilka Brunhilde Laurito pela Ftd (2002)
>>> Praga Quando os Tanques Avançaram de Pierre Desgraupes pela Expressão e Cultura (1968)
>>> O Feijão e o Sonho de Orígenes Lessa pela Ática (1991)
>>> Pearl Harbor de A. J. Barker pela Renes (1973)
>>> A Flauta do Sótão de Lúcia Pimentel Góes pela Paulus (2003)
>>> USA Em Perigo de General Curtis E. Le May e Major General Dale O. Smith pela Biblioteca do Exército (1970)
>>> Sem Medo de Viver de Zíbia Gasparetto pela Vida&consciência (2007)
>>> Caça ao Cometa Halley de Roberto Pereira de Andrade pela Traco (1985)
>>> Psicanálise da maternidade: uma crítica a Freud a partir da mulher e de Nancy Chodorow pela Rosa dos Tempos (1999)
>>> O Preço de Uma Vida de Cristiane Krumenauer pela Novo Século (2018)
>>> Revista de História USP Nº 60 1964 de Diversos Autores pela Ffcl/USP (1964)
>>> Kerata O Colecionador de Cérebros de Juliana R. S. Duarte pela Novo Século (2017)
>>> Revista de História USP Nº 50 1962 de Diversos Autores pela Ffcl/USP (1962)
>>> Crepúsculo - Livro de Anotações da Diretora de Catherine Hardwicke pela Intrínseca Ltda (2019)
>>> Os Sertões de Euclides da Cunha pela Nova Cultural (2002)
>>> O Segredo e outras Histórias de Descoberta de Lygia Fagundes Tellles pela Companhia das Letras (2012)
>>> Uma Família Feliz de David Safier pela Planeta (2013)
>>> O Enigma da Pirâmide de Alan Arnold pela Circulo do Livro (1985)
>>> Adrienne Mesurat (prefáco Inédito) de Julien Green/ (Nota): Josué Montello pela Nova Fronteira (1983)
>>> Viagens de Gulliver (em 04 Partes) de Jonathan Swift/ Trad.: Octavio Mendes Cajado pela Globo/ RJ. (1987)
>>> O Mochileiro das Galáxias - Volume 5 - Praticamente Inofensiva de Douglas Adams pela Arqueiro (2010)
>>> Viagens de Gulliver (em 04 Partes)/ Encadernado de Jonathan Swift/ Prefácio: Almir Andrade pela W. M. Jackson (1970)
>>> Viagens de Gulliver (em 04 Partes)/ Encadernado de Jonathan Swift/ Prefácio: Almir Andrade pela W. M. Jackson (1970)
>>> Amigos de Todo Mundo: Romance de um Jardim Zoológico de Felix Salten/ Ilustrações: Philipp Arlen pela Edições Melhoramentos (1952)
>>> Lembranças Obscuras de um Judeu Polonês Nascido na França de Pierre Goldman pela Francisco Alves (1984)
>>> El Hombre de Annie Besant pela Glem (1957)
>>> Lo Spiritismo Nella Umanita de Casimiro Bonfiglioli pela Bologna (1888)
>>> Santo Tomas de Aquino de P.J. Weber pela Poblet (1949)
>>> Rumo a Consciência Cómica de Pagina de ouro de Ramasar pela Curitiba (1969)
>>> Reencarnação de J.H. Brennan pela O Hemus
>>> Rezando com o Evangelho de Pe. Lucas Caravina pela Paulus (1997)
>>> Resolução para o novo milênio de Jennifer Fox pela Ediouro (1999)
>>> Los Maestros sus Retratos Meditaciones y Graficos de David Anrias pela Horus (1973)
>>> La Doctrina Cosmica de Dion Fortune pela Luis Cárcamo (1981)
>>> Remotos Cânticos de Belém de Wallace Leal V. Rodrigues pela O Clarim (1986)
>>> Reencarnação e Imortalidade de Alexandra David Neel pela Ibrasa (1989)
>>> Raios de Luz Espiritual de Francisco Valdomiro Lorenz pela Pensamento
COLUNAS

Terça-feira, 30/6/2009
Chickenfoot: o passado e o futuro do rock
Diogo Salles

+ de 7300 Acessos
+ 6 Comentário(s)


Chad Smith (bateria), Joe Satriani (guitarra),
Sammy Hagar (vocal) e Michael Anthony (baixo)
foto: Ross Halfin

Uma pergunta que os roqueiros de vanguarda se fazem hoje é: onde foi parar o rock? Se antes vivíamos sob a égide de "sexo, drogas e rock'n'roll", a coisa toda se diluiu de tal maneira que hoje se prega "celibato, Toddynho e emo". Há de se reconhecer: o classic rock penou como nunca nessa última década. Mas, de uns anos para cá, ele renasceu ― ainda que de maneira nostálgica. Que o digam David Coverdale e Paul Stanley, que concordam que este é um momento incrível para ser um músico de classic rock. Quem esteve em shows do gênero aqui no Brasil, como o do próprio Whitesnake no ano passado e, mais recentemente, no do Kiss e no do Heaven and Hell, pôde notar que não estavam lá apenas os roqueiros de outrora. Havia centenas de adolescentes de 14, 15 anos que, como disse o próprio Coverdale, não se sentem preenchidos pelo rock mais recente ou "moderno".

Nos últimos anos o classic rock sobreviveu respirando pelos lampejos de criatividade de seus estertores, sem nenhuma perspectiva de ver surgir algo novo para arejar esse cenário. E não que tenham faltado tentativas. Foi nessa linha que surgiram Audioslave e Velvet Revolver, que se provariam apenas bandas de segundo escalão nascidas através dos escombros de outras bandas (de primeiro escalão) da década anterior. Até que em 2008 surge um novo projeto: Chickenfoot. O nome, ainda provisório, já mostrava que seus integrantes não estavam se levando muito a sério ― reforçando ainda mais a tese de que tudo isso poderia não sair do "projeto". Mesmo que o histórico de "all star bands" nunca tenha ido além de umas poucas jam sessions mal ajambradas, o fato de não se levar a sério poderia também ser o maior trunfo da nova banda. Via-se ali cada integrante renunciando o próprio ego e em nome de uma coisa maior: o rock. A dúvida era se eles teriam esse fôlego para se renovar. Não seria mais fácil se recostar, confortavelmente, nos sucessos de suas bandas antepassadas? É aí que entram Sammy Hagar e Michael Anthony...

Após a turbulenta reunião com o Van Halen em 2004, os dois se viram sem uma agenda musical. Diferenças irreconciliáveis com os irmãos Eddie e Alex Van Halen sepultaram qualquer possibilidade de um retorno com a banda. Hagar voltou à carreira solo com sua banda, Waboritas, e sempre tinha Anthony como convidado para seus tradicionais shows na paradisíaca Cabo San Lucas, costa oeste do México, próximo à Califórnia. É lá que, na primeira quinzena de outubro, é comemorado o Birthday Bash, aniversário do "Red Rocker", na Cabo Wabo Cantina, de propriedade dele próprio. Além dos shows, Hagar serve drinks exóticos, brinda os fãs com sua Cabo Wabo Tequila e, principalmente, com muito rock'n'roll. Nos últimos anos, Chad Smith, baterista do Red Hot Chili Peppers, se tornou um habitué e ocasionalmente participava de alguns shows como convidado especial. Hagar e Anthony vinham discutindo com ele a possibilidade de formar uma nova banda, mas para isso precisariam de uma guitarrista excepcional, incendiário ("Somebody smokin'")...

Joe Satriani não se tornou um dos guitarristas mais respeitados do mundo por acaso. Nos primórdios, foi professor de guitarra de Steve Vai e Kirk Hammet (Metallica), mas suas tentativas de formar uma banda de rock nunca davam certo. O destino parecia empurrá-lo para a carreira solo. E foi em 1987, com o lançamento do multiplatinado Surfing with the alien, que ele encontrou seu público e foi beatificado no círculo dos grandes guitarristas. De uma hora para outra, todos queriam ser Joe Satriani, e nesses últimos vinte anos ele sempre figurou entre os melhores guitarristas no rock. Sim, "Smokin' Joe" (apelidado por Sammy Hagar) era a pessoa certa. Banda formada, hora de se trancar em estúdio para compor.

A julgar pelas primeiras músicas que "vazaram" pela internet (que ainda insistem em chamar de "single"), as dúvidas só aumentaram. "Soap on a rope" soa como um B-side descartado por Satriani em sua carreira solo ― e que foi desengavetado especialmente para a ocasião. Com a segunda música, "Oh yeah", as coisas só pioraram. Num único refrão, Sammy Hagar parece ter feito um compêndio dos clichês mais odiosos (e constrangedores) do rock: "Oh, yeah/ Come on baby, tell me what you want/ tell me what you need". Nem mesmo a performance dos músicos, tecnicamente perfeita, e a produção impecável de Andy Johns (Led Zeppelin) conseguiram esconder composições decepcionantes, preguiçosas e pouco inspiradas. Quatro músicos tão competentes e experientes como eles teriam de se esforçar mais se quisessem mesmo ir além de um mero "projeto". A primeira impressão era de ser mais um pastiche do rock oitentista, mas só o CD completo poderia dar uma ideia exata do que seria o Chickenfoot...

Hora de ouvir o álbum completo ― um conceito um tanto distante do "hype" atual, mas que ainda é imprescindível para se entender uma obra. E a decepção inicial com os "singles" é varrida logo na primeira música. O CD abre com a explosiva "Avenida revolution", onde Sammy Hagar fala sobre a guerra do tráfico em Tijuana (México). Forte, contundente e ameaçadora, é uma abertura que apaga qualquer dúvida e mostra uma banda coesa e afiada. Sem a tutela de Eddie Van Halen, Michael Anthony tem mais liberdade para imprimir a sua marca, aparecendo com destaque, e Sammy Hagar oferece uma grande interpretação. Mais para frente, "Sexy little thing" surge descompromissada, com pegada rock, mas com um sabor levemente adocicado pelo pop. Em "Runnin' out", constatamos que ainda é possível compor uma balada com muito bom gosto, sem os melodramas e pieguices habituais ― coisa que eles não conseguem evitar com "My kinda girl". Outro ponto alto é "Down the drain", um rockão cheio de Van Halen em seu DNA e Chad Smith tira a dúvida de quem desconfiava que seu estilo "funkeado" não encaixaria numa banda de hard rock. Sammy Hagar, prestes a completar 62 anos, mostra que ainda tem pique de sobra e não dá sossego à sua garganta. Sem nenhuma preocupação em mostrar técnica, ele se "rasga" em berros e mostra que seu rouco agudo ainda atinge muitos decibéis. Antes mesmo de chegar ao final, a sensação era de que se tratava de um grande disco. Com alguns deslizes, é verdade ― e que seriam imperceptíveis se a banda não decidisse apostar justamente no seu pior material para a divulgação.

Chegamos à última música. "Future in the past" é daquelas faixas que deixam o ouvinte atordoado, tal qual um filme de suspense cheio de reviravoltas. Surpreendente, ela mostra uma banda multifacetada. A música começa como uma balada zeppeliniana, onde Hagar passa sua mensagem entre acordes e harmônicos. De repente, tudo muda. Chad Smith pede passagem e comanda uma sessão funky-groove, no único momento "Red Hot Chili Peppers" do disco. Logo à frente, mais uma guinada inesperada, dessa vez comandada por Joe Satriani. Numa espécie de prelúdio, ele esboça alguns solos e sugere que algo grandioso vem pela frente... Até que, finalmente, a música explode numa celebração classic rock. Sammy Hagar assume uma segunda guitarra e incita Satriani ("Come on!"), que responde tirando o máximo do instrumento que estuda e pratica diariamente há 40 anos. Alternando técnica e feeling, ele abusa do pedal Wah-Wah e se esbalda em bends elásticos e agudos idílicos, conduzindo a banda para um desfecho consagrador e fazendo em pedaços até mesmo o ouvinte mais arredio.

Sim, ainda é possível ser classic rock e, ao mesmo tempo, trazer algo novo para o front. Se o disco já é sucesso de público e crítica, restava saber como a banda se comportaria nos palcos. Joe Satriani sempre primou pela técnica, adotando uma postura "low profile", entre o cerebral e o "cool". Era o único que nunca tinha encarado a estrada de maneira selvagem, destoando dos outros três ― que vieram de bandas reconhecidas pelo público como "Party Bands". Tanto no Van Halen quanto no Red Hot, eles viveram todos os excessos (tão caros a bandas de rock) em meio a brigas, drogas, bebedeiras homéricas, groupies, crises de estrelismos e egos que não cabem em estádios. Em outros tempos, poderia não dar certo. Como aguentar as palhaçadas de Chad Smith, ou Michael Anthony mamando uma garrafa de Jack Daniels por noite? A vantagem é que estamos falando de senhores e pais de família que não precisam disso, pois não têm mais nada a provar a ninguém. Pelos vídeos oficiais e outros vídeos de shows que já pipocam no YouTube, Satriani mostra total entrosamento com os outros. E ele está gostando na festa. Parece viver o sonho que ele não conseguiu realizar há trinta anos atrás ou, como diria Steven Tyler, parece um garoto gozando pela primeira vez.


"What the fuck is that?... Oh, Brazil's on the house!"
Sammy Hagar no Birthday Bash 2008

Com a turnê europeia já iniciada e a turnê americana a caminho, os fãs já se perguntam se há alguma intenção de trazer a banda para a América do Sul. Pela reação da gravadora por aqui, começamos mal. Quando perguntados se haveria, ao menos, uma versão nacional para o CD, a resposta da gravadora foi: "O que é Chickenfoot?". Entre os membros da banda, Sammy Hagar é o único que nunca esteve no Brasil ― e também nunca demonstrou interesse em vir para cá, desde os seus tempos de Van Halen. Se depender dos outros membros da banda (principalmente de Satriani), eles virão. E o próprio Sammy Hagar teve uma revelação no último Birthday Bash: sim, ele tem fãs no Brasil. E são muitos. Do lado de cá, abaixo da linha do Equador, a esperança é que, tanto a gravadora, quanto os promoters de shows abram os olhos: o Chickenfoot é a nova galinha dos ovos de ouro no rock.

Para ir além
Chickenfoot ― Site oficial
Birthday Bash 2008 ― por Eduardo Pinheiro
Birthday Bash 2006 ― por Patrícia Braga


Diogo Salles
São Paulo, 30/6/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O artífice do sertão de Celso A. Uequed Pitol
02. O tigre de papel que ruge de Celso A. Uequed Pitol
03. Cães, a fúria da pintura de Egas Francisco de Jardel Dias Cavalcanti
04. Por que HQ não é literatura? de Cassionei Niches Petry
05. A noite iluminada da literatura de Pedro Maciel de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Diogo Salles
Mais Acessadas de Diogo Salles em 2009
01. Millôr Fernandes, o gênio do caos - 17/2/2009
02. 10 palavrões 1 livro didático e ninguém no governo - 2/6/2009
03. Michael Jackson e a Geração Thriller - 21/7/2009
04. O fundamentalismo headbanger - 10/3/2009
05. PMDB: o retrato de um Brasil atrasado - 17/11/2009


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
19/6/2009
14h56min
Bom texto, mas feito para uma banda totalmente estéril - qualquer associação a Spammy Hagar só pode dar nisso. Pobre Mike, Satriani e Will Ferrel.
[Leia outros Comentários de Simonhead]
19/6/2009
15h15min
Diogão, sensacional o texto. Quem teve a oportunidade de repousar o corpo sobre um confortável sofá, com um belo par de headfones nos ouvidos, e de alma aberta para ouvir o novo álbum destes senhores, com certeza se SURPREENDEU. Surpresa seria se estes senhores tivessem gravado algo irrelevante para o mundo do rock, mas eles foram além, surpreenderam lançando um excelente disco, como há muito tempo eu não ouvia!
[Leia outros Comentários de Érico Salutti]
30/6/2009
15h48min
Olha, não sei nada a respeito de galinhas, mas há muita gente fazendo um trabalho genial no classic rock, e não tô falando dessas bandas-de-mebros-de-bandas. É que parece haver uma dificuldade da imprensa em varrer algo além da superfície do mainstream, então a limitação do mundo parece ser o universo pop. Meio limitado isso. O que dizer do The Parlor Mob? Siena Root? Ou que tal Rose Hill Drive? Bandas novas que estão mostrando pra um monte de veterano cansado que o rock continua aqui, só que não enche mais estádio, não tem mais a imprensa bancando, não, é só música mesmo, com um pouquinho de lendas, mas só o que o pouco dinheiro puder pagar. Galinha dos ovos de ouro? Não sei não. Parece empreendimento isso.
[Leia outros Comentários de wendell penedo]
20/7/2009
09h15min
O rock morreu. Todos os bons músicos citados no texto são parte de uma "dinastia" que melhor faria se se ocupasse com outros gêneros musicais - talento e capacidade para isso lhes sobram. Insistir no rock, conforme fazem esses senhores, é querer manter viva uma coisa que já se esgotou. O possível interesse dos mais jovens (no rock) não é mais do que uma curiosidade arqueológica, nostalgia de um tempo que não viveram.
[Leia outros Comentários de rené ferri]
17/9/2009
11h32min
Acabo de voltar do show do Chickenfoot em Houston (Texas), e ainda estou meio perdido, nocauteado. É impresionante o som desses caras ao vivo! O Chad Smith toca muito, eu não esperava tanto dele. O Sammy, o Mike e o Satriani eu já conhecia bem, e mostraram novamente toda a competência deles. Consegui ficar muito perto do palco (vejam as fotos). O setlist foi o mesmo de todos os shows, com todas as músicas do disco, porém em versões extendidas. No bis vieram os covers ("Bad Motor Scooter", "Highway Star" e "My Generation"). Infelizmente a turnê vai acabar ainda este mês, e o Brasil não terá a chance de ver esse espetáculo. Mas espero que eles continuem o trabalho com novos discos e novas turnês, o que considero inevitável dado o entrosamento desses caras no palco. Dá pra sentir claramente uma energia diferente. Eles fazem realmente por prazer, e o resultado é um show impecável.
[Leia outros Comentários de Eduardo Pinheiro]
27/2/2010
09h56min
Ah, cara! Ia te parabenizar pelo texto mas já vi que não preciso. Obrigado.
[Leia outros Comentários de Ildejaime]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




PLATAFORMA 1365: AS URNAS CONTRA O IMPÉRIO
LUIZ ALFREDO SALOMÃO
NÃO IDENTIFICADA
R$ 22,00



CARTAS DE MEU SILÊNCIO
LUIZ GOULART
INDEPENDENTE
R$ 4,00



EU SOU UM SER EMOCIONAL
EVE ENSLER; ALEX BOULWARE; JULIA NEIVA
GRYPHUS
(2015)
R$ 14,00



MATEI JEOVÁ...
ALDEONOFF POVOAS
RIDENDO
(1952)
R$ 70,00



COMENTARIOS E ALTERAÇOES DA LEI DO INQUILINATO
LUIZ ANTONIO SCAVONE JUNIOR
REVISTA DOS TRIBUNAIS
(2009)
R$ 12,00



NANÁ
ÉMILE ZOLA
ABRIL CULTURAL
(1985)
R$ 10,00



FORAS DA LEI BARULHENTOS - BOLHAS RAIVOSAS E ALGUMAS ...
CLEMENT FREUD, JON SCIESZKA
COSAC NAIFY
(2012)
R$ 40,00



ELETROSTÁTICA
MARCOS HERVÉ PINHEIRO
ADN
R$ 29,30
+ frete grátis



O VENDEDOR TOTAL
ROBERTO PROCÓPIO
LIVRUS
(2012)
R$ 18,00



ERA DOS EXTREMOS - O BREVE SÉCULO XX - 1914-1991
ERIC HOBSBAWM
COMPANHIA DAS LETRAS
(1995)
R$ 45,00





busca | avançada
37376 visitas/dia
1,1 milhão/mês