Crime e mistério nas letras nacionais | Luis Eduardo Matta | Digestivo Cultural

busca | avançada
86662 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Nó na Garganta narra histórias das rodas de choro brasileiras
>>> TODAS AS CRIANÇAS NA RODA: CONVERSAS SOBRE O BRINCAR
>>> Receitas com carne suína para o Dia dos Pais
>>> Selo Anonimato Records chega ao mercado fonográfico em agosto
>>> Última semana! Peça “O Cão de Kafka” fica em cartaz até 1º de agosto
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Deep Purple em Nova York (1973)
>>> Blue Origin's First Human Flight
>>> As últimas do impeachment
>>> Uma Prévia de Get Back
>>> A São Paulo do 'Não Pode'
>>> Humberto Werneck por Pedro Herz
>>> Raquel Cozer por Pedro Herz
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
Últimos Posts
>>> Renda Extra - Invenção de Vigaristas ou Resultado
>>> Triste, cruel e real
>>> Urgências
>>> Ao meu neto 1 ano: Samuel "Seu Nome é Deus"
>>> Rogai por nós
>>> Na cacimba do riacho
>>> Quando vem a chuva
>>> O tempo e o vento
>>> “Conselheiro do Sertão” no fim de semana
>>> 1000 Vezes MasterChef e Nenhuma Mestres do Sabor
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Nordeste Oriental
>>> Entrevista com Flávia Rocha
>>> Clint: legado de tolerância
>>> Sultão & Bonifácio, parte I
>>> Nicolau Sevcenko & jornalismo
>>> 25 de Julho #digestivo10anos
>>> Hugo Cabret exuma Georges Méliès
>>> Jornais do futuro?
>>> Anonimato: da literatura à internet
>>> Inesquecíveis aventuras
Mais Recentes
>>> A Mão e a Luva - Coleção Prestígio de Machado de Assis pela Ediouro (1987)
>>> Introdução à Teologia Fundamental de Rino Fisichella pela Loyola (2012)
>>> O Mulato - Coleção Prestígio de Aluísio Azevedo pela Ediouro (1987)
>>> Uma Lágrima de Mulher - Coleção Prestígio de Aluísio Azevedo pela Ediouro (1987)
>>> Filosofia Política e Liberdade de Roland Corbisier pela Paz e Terra (1975)
>>> Civilização e Cultura. Volume 1 de Luis da Câmara Cascudo pela Livraria José Olympio (1973)
>>> Antologia do Folclore Brasileiro - 2 Volumes de Luis da Câmara Cascudo pela Martins (1965)
>>> Alguém Que Anda por Aí de Julio Cortázar pela Nova Fronteira (1981)
>>> Revolução na América Latina de Augusto Boal pela Massao Ohno (1961)
>>> Arte de Amar e Contra íbis de Ovídio pela Cultrix (1962)
>>> História Concisa da Literatura de Alfredo Bosi pela Cultrix (1979)
>>> Por Que Almocei Meu Pai de Roy Harley Lewis pela Companhia das Letras (1993)
>>> A Filosofia de Descartes de Ferdinad Alquié pela Presença / Martins Fontes (1969)
>>> A . Comte - Sociologia de Evaristo de Moraes Filho; Florestan Fernandes pela Ática (1983)
>>> The Pedants Return de Andrea Barham pela Bantam Books (2007)
>>> O Ser e o Tempo da Poesia de Alfredo Bosi pela Companhia das Letras (2004)
>>> Thomas Hobbes de Os Pensadores: Hobbes pela Abril Cultural (1979)
>>> Introdução ao Filosofar de Gerd Bornheim pela Globo Livros (2003)
>>> O Caneco de Prata de João Carlos Marinho pela Global (2000)
>>> Berenice Contra o Maníaco Janeloso de João Carlos Marinho pela Global (1997)
>>> Conceptual Issues in Evolutionary Biology de Elliott Sober pela Mit Press (1993)
>>> A History Their Own Women in Europe - 2 Volumes de Bonnie S. Anderson; Judith P. Zinsser pela Harper & Rowpublishers (1988)
>>> Revelações de Uma Bruxa de Marcia Frazão pela Bertrand Brasil (1994)
>>> Eu, Malika Oufkir: Prisioneira do Rei de Malika Oufkir; Michèle Fitoussi pela Companhia das Letras (2000)
>>> O Mundo é Plano uma Breve História do Século XXI de Thomas L. Friedman pela Objetiva (2005)
COLUNAS

Terça-feira, 6/1/2004
Crime e mistério nas letras nacionais
Luis Eduardo Matta

+ de 7000 Acessos
+ 7 Comentário(s)

Não é de hoje que intelectuais e críticos literários de boa reputação defendem a tese disparatada de que o romance policial é inviável num lugar como o Brasil, onde o sistema é corrupto, o judiciário moroso, as leis ineficazes e a polícia rudimentar e truculenta. Mais do que discordar terminantemente dela - coisa que faço com vigor sempre que as circunstâncias exigem - não consigo reconhecer a validade sequer de um dos argumentos apresentados para endossá-la, seja porque acredito na força da ficção para subverter todos os limites e recriar a realidade à sua maneira - muitas vezes fazendo o absurdo parecer factível -, seja porque num país como o nosso, onde o próprio crime é reinventado a cada dia com espantosa criatividade, um candidato a escritor policial jamais poderá se queixar de falta de inspiração, sobretudo se ele cultivar o hábito de ler um grande jornal diariamente ou, mais ainda, se tiver um conhecimento prático, adquirido no convívio direto com alguma das forças envolvidas no submundo da violência.

Não faço idéia de quando exatamente essa idéia surgiu e quem a enunciou pela primeira vez, mas não me surpreenderia se descobrisse que a motivação partira da tentativa malograda de algum escritor pouco talentoso de ambientar no Brasil, histórias no estilo de Agatha Christie, Conan Doyle ou mesmo Dashiell Hammett. Ao constatar, sabiamente, que o resultado seria uma mistura indigesta de personagens canastrões, descrições artificiais e situações sem quaisquer conexões com o mundo real, ele, em vez de admitir que se equivocara ao cair na tentação de querer imitar o que vem de fora - arte na qual os brasileiros são bastante aplicados, diga-se de passagem -, teria preferido deixar seu trabalho de lado e jogar a culpa no país e nas suas instituições.

Seja como for, a teoria, como diagnóstico cultural, é um retumbante desastre, inclusive porque não é necessariamente a presença de uma polícia intelectual e investigativa que torna a ficção policial possível, mas o senso de justiça existente dentro de cada pessoa, aliado a uma boa dose de curiosidade e de atração pelo mistério, o que justifica também o sucesso dos chamados "thrillers jurídicos", onde o bem e o mal são confrontados, forçando o leitor a projetar nas situações apresentadas suas próprias expectativas em relação ao mundo real. Não fosse assim, as editoras jamais se preocupariam em lançar tantos títulos de mistério no mercado ano após ano, nem tampouco o país teria literalmente parado em diversas ocasiões para assistir atento à solução de assassinatos em telenovelas como "O Astro", "Vale Tudo" e "A Próxima Vítima". O que muita gente certamente não se deu conta ainda é de que a letargia das nossas instituições, a corrupção generalizada e a truculência da polícia, longe de representarem um desestímulo àqueles que sonham com um noir nacional, constituem elementos preciosos que, se bem trabalhados, podem gerar não uma, mas centenas de histórias excelentes, que muito teriam a oferecer em matéria de originalidade, não só ao Brasil, mas à Literatura policial contemporânea como um todo.

Muitos escritores tiveram essa percepção e, ao longo do último século, se aventuraram pelo gênero, alguns com êxito. O primeiro de que tenho notícia foi o jornalista, político e membro da Academia Brasileira de Letras Medeiros e Albuquerque, autor do livro Se Eu Fosse Sherlock Holmes, de 1932, embora muitos creditem o pioneirismo a um advogado de São Paulo chamado Luiz Lopes Coelho que, nos anos cinqüenta e sessenta publicou os excelentes contos de O Homem Que Matava Quadros e A Morte No Envelope, hoje inexplicavelmente esgotados e esquecidos. Outro foi Flávio Moreira da Costa, autor de obras inovadoras como A perseguição e Avenida Atlântica e vencedor de vários prêmios literários importantes, que continua em franca atividade e recentemente organizou uma antologia com os melhores contos de mistério da Literatura universal. Houve ainda uma corrente que usou a linguagem policial para fazer crítica sócio-política, de um modo geral com resultados catastróficos e os incautos de sempre que continuam a achar que para dar vida a qualquer narrativa de suspense basta haver um crime, alguns suspeitos, um detetive destemido, uma cena de perseguição e várias de sexo, tudo distribuído em diálogos toscos à moda de um roteiro de Hollywood, ignorando que um autor de policiais, como qualquer outro, precisa de técnica, se o seu objetivo for escrever mais do que historinhas medíocres recheadas de clichês.

Contudo, foi a partir do final dos anos noventa que a Literatura policial deixou o gueto no qual sempre vivera e começou a adquirir ares de movimento sério e consistente; e, embora não se possa falar ainda de uma escola brasileira de ficção policial, alguns autores hoje já se dedicam ao gênero com devoção e profissionalismo, como nos demonstram dois lançamentos ocorridos na segunda metade de 2003. Ambientados respectivamente no Rio e em São Paulo, Perseguido, de Luiz Alfredo Garcia-Roza (Companhia das Letras; 201 páginas) e Paisagens Noturnas, de Vera Carvalho Assumpção (Landscape; 198 páginas), dão uma dimensão precisa de como a aliança entre o talento, a criatividade e a sensibilidade é capaz de gerar obras meritórias e atraentes, a despeito de todas as teses empenhadas em provar o contrário.

Tanto Espinosa, o simpático e ético delegado amante de sebos e livros criado por Garcia-Roza, quanto Alyrio Cobra, o detetive bonachão bebedor de vinhos, de Vera Carvalho Assumpção, parecem dialogar com as ruas e esquinas das suas cidades, enquanto se empenham em desvendar crimes complexos e instigantes. Em Perseguido, um psiquiatra vê sua vida sofrer uma reviravolta depois que um misterioso paciente seu invade a intimidade de sua família, antes de desaparecer e ser dado como morto. Paisagens Noturnas, por sua vez, narra a história do assassinato de uma professora próximo a uma escola de periferia e as estranhas conexões deste crime com uma série de quadros que remetem a fatos obscuros ocorridos na São Paulo do século XIX. Ambos os livros saem-se bem ao construir tramas fluentes e bem elaboradas, que reproduzem cotidiano e paisagens brasileiros com fidelidade, estabelecendo imediata sintonia com o leitor e dando uma feição verde-amarela a um tipo de narrativa que, até há bem pouco tempo, estava presente nas livrarias quase sempre na forma de traduções.

Com seus livros, Garcia-Roza e Vera Carvalho podem ter lançado, sem saber, a pedra fundamental de um novo modelo brasileiro de mistério, onde além de enfrentar criminosos, detetives como Espinosa e Alyrio Cobra precisam lutar contra o próprio sistema ao qual pertencem e que, até prova em contrário, é seu aliado do bem; e mesmo este sistema, composto por um corroído aparato legal incrustado numa sociedade corrupta, degradada e carente de referenciais, não constitui um inimigo definido, visível; são sombras que atuam num plano paralelo, sempre prontas a reagir quando seus interesses ou seu anonimato se vêem ameaçados. Ao respeitar e assimilar essas particularidades da realidade brasileira e promover um casamento entre elas e as regras universais que consagraram a narrativa policial, esses notáveis escritores evitaram cair na tentação de emular ídolos estrangeiros e descobriram, na prática, que o Brasil, apesar dos pesares - ou seria por causa deles? - é um cenário mais do que perfeito para se desenvolver uma boa trama policial, ao contrário do que sempre se imaginou.

Por isso, eu, na qualidade de leitor contumaz de romances do gênero, recomendo fortemente a leitura desses dois livros, bem como de todos os anteriores de Luiz Alfredo Garcia-Roza, a começar pelo premiado O Silêncio da Chuva. Da mesma maneira, faço um alerta para que não se confunda autores policiais com indivíduos que, por hobby ou pura presunção, publicaram livros de baixa qualidade como, por exemplo, os que compõem as fraquíssimas coleções dedicadas à ficção policial nacional, lançadas por duas grandes editoras cariocas, respectivamente em 2001 e 2003 e das quais um bom leitor não deve chegar nem perto. O julgamento de um livro policial, historicamente tratado como subliteratura pela critica, cabe quase que exclusivamente aos leitores e isso só faz aumentar a nossa responsabilidade na hora de separar os talentos das nulidades. Sobretudo se considerarmos que a linguagem proposta por essa vertente literária é das mais apropriadas para refletir sobre o Brasil contemporâneo e suas questões complexas, cujas raízes remontam a séculos e que apenas de alguns anos para cá nos saltaram aos olhos, inaugurando um debate que promete se estender por muitas décadas e do qual a Literatura não poderá ficar de fora.

Uma consideração final

Não seria justo concluir essas linhas sem mencionar os nomes de Joaquim Nogueira e Nelson Motta, que alcançaram êxito considerável ao ingressarem nas letras do crime com romances competentes, em cujas páginas fluem histórias envolventes e bem montadas. Nogueira, um delegado aposentado, usa a própria experiência profissional de anos na Polícia Civil de São Paulo para compor os cenários e personagens de suas aventuras, protagonizadas pelo correto inspetor Venício, como Informações Sobre A Vítima e, mais recentemente, Vida Pregressa. Assim como Garcia-Roza, ele pertence a uma bem-vinda categoria de romancistas dedicada exclusivamente ao gênero policial, algo nunca antes verificado no Brasil. Já o jornalista e agitador cultural Nelson Motta inovou ao lançar em 2002 O Canto Da Sereia, uma trama despretensiosa transcorrida no carnaval da Bahia, onde, em meio ao mistério em torno do assassinato de uma popular cantora de música axé, o leitor é conduzido pelos bastidores do mundo brasileiro do show-biz, que Motta conhece como poucos.


Luis Eduardo Matta
Rio de Janeiro, 6/1/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Um erro emocional, de Cristovão Tezza de Daniel Lopes
02. Sua empresa faz festa de Natal? de Arcano9
03. Estamos Salvos de Rennata Airoldi


Mais Luis Eduardo Matta
Mais Acessadas de Luis Eduardo Matta em 2004
01. Os desafios de publicar o primeiro livro - 23/3/2004
02. A difícil arte de viver em sociedade - 2/11/2004
03. Beirute: o renascimento da Paris do Oriente - 16/11/2004
04. A discreta crise criativa das novelas brasileiras - 17/2/2004
05. Deitado eternamente em divã esplêndido – Parte 1 - 13/7/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
6/1/2004
00h17min
Somente hoje li esse texto que vc, Luis, enviou-me há dias. Como sempre seu texto é muito bom e seus argumentos, inteligentes e pertinentes. Antes de vc haver tocado nesse assunto sobre a escassez de histórias policias na nossa literatura, confesso que nunca havia reparado no fato. Mas é verdadeiro e concordo inteiramente em que não há impedimento algum para que se produzam livros policiais no Brasil. Parabéns por ter mencionado autores como Garcia Roza e Vera Carvalho que, afinal, são concorrentes seus.
[Leia outros Comentários de Regina Mas ]
6/1/2004
23h06min
Luis você colocou o dedo na ferida: copiar, especialmente em literatura, não é preciso. Engraçado, sempre achei que o policial era um dos gêneros que seria mais facilmente adaptável a nossa realidade. No cinema isso é certamente verdade (vide a avalanche de policiais nos ultimos dois anos). PS: Otimo texto!
[Leia outros Comentários de Ram]
7/1/2004
00h19min
Gostei imenso do seu texto, Luis. Confesso minha quase ignorância no que tange a nossa literatura policial, mas poucas linhas de Garcia-Roza já bastam para ilustrar a qualidade do gênero. Concordo com vc. Parabéns. É um prazer enorme lê-lo.
[Leia outros Comentários de Tatiana Ribeiro]
7/1/2004
11h31min
Luis, Mandou bem, mais uma vez... muito interessante o resgate histórico dos precursores do gênero policial no Brasil e as dicas dos últimos lançamentos. O segredo é esse mesmo: ser original, e de preferência com elementos brasileiros. Quem sabe nos seus próximos romances, a gente não encontra mais Rio de Janeiro e menos Oriente Médio? Abração.
[Leia outros Comentários de Luis Arthur F. Pinto]
1/2/2004
15h03min
Quando verifico que alguem faz uma critica da TV no Brasil, este meio de comunicação que invade os lares brasileiros e altera para pior a educação e a vida de nosso povo, sinto um pouco de esperança de um dia ter um país mais justo, mais humano e educado. Precisamos colaborar e insistir com o governo para que tenhamos liberdade, segurança e paz, pois o nosso Brasil está sendo invadido pela corrupção, insegurança e nosso povo não está sendo educado.
[Leia outros Comentários de Jose Vilela]
4/3/2004
15h58min
Muito esclarecedor esse artigo. Mas, meu caro colunista e escritor, você se esqueceu de mencionar os seus livros. Eu entendo, pegaria mal, então faço isso por Você: Ira Implacavel é muito melhor do que muitos dos livros que você citou. Ganha de dez a zero do Garcia-Roza e do Flavio Moreira da Costa. Suspense nota 10!!!
[Leia outros Comentários de Juliana W]
16/3/2004
15h37min
Luis, sou estudante de história,seu artigo veio me ajudar a compreender melhor a falta de personalidade da literatura brasileira nos ultimos anos, seja nos romances policiais como em outras escritos.Gostaria de unir a literatura com as analises historicas, mostrando nossa personalidade mestiça e as vezes cautica mais que tem muito a colaborar para nos conhecermos melhor e assim influenciarmos. Muito obrigado.
[Leia outros Comentários de Rodney Moreira]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Emagreça sem segredos
Jeanne Lima
Literare Books International
(2018)



Para Mim, Chega!
Yvonne Bezerra de Mello
Rosa dos Tempos
(1998)



Orgias
Luis Fernando Veríssimo
L&pm



Cozinha Vegetariana. Maçã
Caroline Bergerot
Cultrix
(2012)



A Witch Called Wanda
Telma Guimarães Castro Andrade
Atual
(1996)



O Pensamento Judeu Como Fator de Civilização
Leon Roth
Biblos
(1965)



Entre Irmãs - 1ª Edição
Frances de Pontes Peebles
Arqueiro
(2017)



Os Thibault 1
Roger Martin Du Gard
Globo
(1986)



Unati - Espaço Aberto ao Ensino e á Criatividade
Maria Candida Soares del Masso
Cultura Academica
(2012)



Dinâmica de Grupo Iniciação a Seu Espírito e Algumas de Suas Técnicas
Jean-marie Aubry
Loyola
(1978)





busca | avançada
86662 visitas/dia
2,4 milhões/mês