A difícil arte de viver em sociedade | Luis Eduardo Matta | Digestivo Cultural

busca | avançada
44704 visitas/dia
2,9 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Espetáculo inspirado na vida cotidiana do Bixiga volta ao cartaz comemorando 28 anos do Teatro do In
>>> Semana Gastronômica do Granja
>>> Mulheres em meio ao conflito:sobre inclusão, acolhimento e sororidade incondicional
>>> Arsenal da Esperança faz ensaios de teatro com moradores em situação de rua
>>> Vem pra Feira do Pimp Estoque: Economia Circular com catadoras, catadores e artistas!
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
>>> The Nothingness Club e a mente noir de um poeta
>>> Minha história com o Starbucks Brasil
>>> O tipógrafo-artista Flávio Vignoli: entrevista
>>> Deixe-me ir, preciso andar, vou por aí a procurar
>>> Olimpíada de Matemática com a Catarina
>>> Mas sem só trapaças: sobre Sequências
>>> Insônia e lantanas na estreia de Rafael Martins
Colunistas
Últimos Posts
>>> Inteligência artificial e o fim da programação
>>> Temer fala... (2023)
>>> George Prochnik sobre Stefan Zweig (2014)
>>> Hoffmann e Khosla sobre inteligência artificial
>>> Tucker Carlson no All-In
>>> Keleti: de engenheiro a gestor
>>> LeCun, Bubeck, Harris e a inteligência artificial
>>> Joe Satriani tocando Van Halen (2023)
>>> Linger by IMY2
>>> How Soon Is Now by Johnny Marr (2021)
Últimos Posts
>>> Toda luz que não podemos ver: política e encenação
>>> Sarapatel de Coruja
>>> Culpa não tem rima
>>> As duas faces de Janus
>>> Universos paralelos
>>> A caixa de Pandora do século XX
>>> Adão não pediu desculpas
>>> No meu tempo
>>> Caixa da Invisibilidade ou Pasme (depois do Enem)
>>> CHUVA
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Sites que mudaram o mundo
>>> Textos, contextos e pretextos
>>> Dicas da Semana
>>> 19 de Abril #digestivo10anos
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> O perfeito cozinheiro das almas deste mundo
>>> O sol na cabeça
>>> Ozzy e Justin Bieber
>>> André Esteves e Felipe Miranda
>>> Ave Caesar, morituri te salutant
Mais Recentes
>>> Ressonância - apresente histórias visuais que encantam o público de Nancy Duarte pela Alta Books (2012)
>>> Influencie! de Michael Pantalon pela Lua De Papel (2012)
>>> Feedback para resultados na gestão por competências pela avaliação 360º de Rogerio Leme pela Qualitymark (2012)
>>> Guia Completo da Bíblia de Seleções do Reader's Digest pela Reader's Digest (2003)
>>> Cartas Dos Campos De Batalha Do Paraguai de Richard Francis Burton pela Fisicalbook (1997)
>>> O Soldado e o Estado - teoria e política das relações entre civis e militares de Samuel P. Huntington pela Biblioteca do Exército (1996)
>>> Formação Do Oficial Do Exército de Jehovah Motta pela Biblioteca Do Exército (1998)
>>> O Sal Da Terra de Joseph Ratzinger pela Imago (1997)
>>> História Política de Sergipe 3º volume de Ariosvaldo Figueiredo pela Do Autor (1989)
>>> Fundamentos de matemática Elementar 10 - geometria Espacial posição e métrica de Gelson Iezzi pela Atual (1978)
>>> Dá pra Consertar? Empresas que iam muito bem de repente passaram a ir mal de Julio Ribeiro pela Dash (2014)
>>> Fundamentos de matemática Elementar 5 - Combinatória, Probabilidade de Gelson Iezzi pela Atual (1977)
>>> Fundamentos de matemática Elementar 4 - Sequências, Matrizes, Determinantes, Sistemas de Gelson Iezzi pela Atual (1977)
>>> Fundamentos de matemática Elementar 3 (Trigonometria) de Gelson Iezzi pela Atual (1978)
>>> Feitas para o Cliente de Roberto Meir - Daniel Domeneghetti pela Padrão Editorial (2012)
>>> O Cerne Da Discordia: A Guerra Do Paraguai E O Nucleo Profissional Do Exercito Brasileiro de Vitor Izecksohn pela Biblioteca Do Exercito (1997)
>>> Execução - A Disciplina para Atingir Resultados de Larry Bossidy - Ram Charan pela Campus (2005)
>>> Os Visitantes da Noite de James Herbert pela Best Seller (1986)
>>> Vultos do Ensino Militar de Arivaldo Fontes pela Não Indicado (1991)
>>> História de Uma Alma - manuscritos autobiográficos de Santa Teresa do menino Jesus e da Sagrada Face pela Paulinas (1975)
>>> A Revolucão Fintech - O Manual das Startups Financeiras de Susanne Chishti - Janos Barberis pela Alta Books (2017)
>>> História Militar Do Brasil. -- ( Biblioteca Do Exército. Coleção General Benício ; 366 ) de Gustavo Barroso pela Biblioteca Do Exército. Bibliex (2000)
>>> Retalhos do Passado de J. Procópio Filho pela Do Autor (1966)
>>> A Vida de Santa Filomena dd de Cônego João Carneiro pela Não Indicada (1957)
>>> Plano de negócios com o modelo Canvas - Guia Prático de avaliação de ideias de negócio a partir de exemplos de Jose Dornelas e outros pela Gen - Ltc
COLUNAS

Terça-feira, 2/11/2004
A difícil arte de viver em sociedade
Luis Eduardo Matta
+ de 36400 Acessos
+ 4 Comentário(s)

Uma das características mais emblemáticas do nosso tempo - sobretudo para quem vive nos grandes centros urbanos do Ocidente - é a falta de respeito nas relações entre as pessoas e destas com o meio onde vivem. Um rápido passeio pelas ruas de uma cidade como o Rio de Janeiro é o suficiente para um olhar sensível e observador detectar, em meio ao turbilhão de cenas que o cotidiano se encarrega de banalizar, flagrantes que evidenciam a impressionante incapacidade demonstrada pelas pessoas de desfrutar de uma saudável vida em sociedade. Parece que abrimos mão, em definitivo, das prerrogativas da civilização e optamos por um retorno à idade da pedra, quando o homem, ainda na sua compleição primitiva, não dispunha de muitos atributos além do instinto e da força física.

A degradação das relações sociais chegou a um nível tal que uma pessoa educada atrai, instantaneamente, a atenção em qualquer ambiente, suscitando, de imediato, cochichos de desconfiança, admiração ou escárnio. Se a pessoa em questão for um homem, a situação piora e ele passa a ser olhado enviesado, como se fosse um alienígena. Até as noções mais básicas de polidez parecem ter sido abolidas (se é que, algum dia, estiveram amplamente difundidas). Gentileza converteu-se em sinônimo de fraqueza, carência ou subserviência; ou seja: é gentil aquele que não tem segurança suficiente e necessita desesperadamente de aprovação social. Noção de coletividade, de pertencer a um meio onde os direitos dos demais devem ser observados, virou uma metáfora risível. Ética tornou-se algo tão ultrapassado e sem espaço no mundo moderno, que as pessoas nem sequer sabem o que significa. A grosseria, a intolerância, o egocentrismo, a impaciência e a prepotência passaram a dar o tom no dia-a-dia da sociedade e foram de tal maneira assimilados, que hoje o conceito de "normalidade" (seja lá o que isso queira dizer) não pode prescindir, dependendo do ponto de vista, de, pelo menos, três destes itens reunidos.

Tudo isso tem sua razão de ser. Afora as precárias condições educacionais verificadas no Brasil, pesa o fato de termos vivido durante séculos sob a égide de um regime social rígido e implacável, que condenava a livre expressão das pessoas, submetendo-as a uma permanente e asfixiante vigilância. A um "cidadão de bem", via de regra, eram dadas duas alternativas: seguir fielmente as normas sociais e a etiqueta vigente ou manter, às esconsas, uma vida paralela (às vezes mais de uma). A tão discutida erotização da sociedade, por exemplo, não é mera obra do acaso, nem tampouco um capricho frívolo de tarados robotizados pela mídia e, sim, o preço a se pagar pelo longo período de repressão sexual, ao qual gerações sucessivas estiveram subjugadas e que só começou a ser revertido muito recentemente. É como uma enorme barragem que se rompe, de repente. O primeiro impacto é assustador: a água, represada por anos, se liberta com fúria, devastando tudo o que encontra pela frente e promovendo uma imediata mudança nos locais por onde passa. Aos poucos, ela torna a ocupar o leito do rio do qual estivera forçosamente separada, o fluxo se acalma e todo o ecossistema ao redor, alterado por conta da construção da barragem, readquire as suas características originais.

Assim como a sexualidade, uma energia muito superior à razão humana, vem tentando, de algumas décadas para cá, se libertar de séculos de amarras, as pessoas parecem ter se rebelado contra os exageros dos códigos de conduta de um passado austero e, num ato legítimo de rebeldia, renunciado a ele, em nome de um ideal de autonomia irrestrita. O modo antigo de se educar, quase marcial, foi substituído por uma perigosa permissividade e o que se vê hoje é nada mais do que uma conseqüência natural desta mudança, conjugada à loucura brutal pela qual o nosso mundo enveredou. Como pode se comportar uma pessoa criada sem limites e, portanto, com pouco ou nenhum preparo emocional e psíquico, que ao chegar à vida adulta, encontra uma sociedade ferreamente competitiva, escravizada pelo consumismo desenfreado, pela injustiça, pela violência e pelo culto doentio à aparência, tanto física quanto social? Uma sociedade que, ante o menor movimento em falso, lhe devora a alma, decreta, sem qualquer razão lógica, a obsolescência das suas capacidades e o submete a um terrorismo permanente em relação à saúde, à estética e às finanças, deixando claro que uma mínima falha no preenchimento de qualquer destes três requisitos conduzirá, invariavelmente, ao naufrágio amoroso, familiar ou profissional?

É claro que a educação permissiva fracassou, assim como o antigo modelo autoritário se revelou, igualmente, um embuste nocivo. Na verdade, o nosso sistema educacional, hoje, é de uma ineficiência atroz. Em vez de preparar pessoas para a vida, ele se limita a prepará-las para o vestibular, como se o futuro fosse apenas o mercado de trabalho. Se o mundo chegou ao ponto que chegou e sabemos, ao menos em parte, as causas disso, a única saída para enfrentá-lo e, na medida do possível, humanizá-lo um pouco mais, certamente está nas pessoas. E isso poderia começar pela implementação, em algumas escolas, de uma disciplina nova, a ser ministrada do jardim de infância ao pré-vestibular, que ensinaria como viver em sociedade.

Aulas de como viver em sociedade? Pode soar estapafúrdio, mas é uma reivindicação plenamente razoável. Nada de métodos rígidos, teorias antigas e lições de moral de teor conservador ou religioso. O ensino, na verdade, começaria aí: o professor faria valer sua autoridade, sem resvalar para o autoritarismo, mostrando a partir da própria relação com os alunos, como impor limites com naturalidade sem apelar para a violência verbal ou física. Seriam aulas práticas, onde normas fundamentais de boa convivência seriam ensinadas e estimuladas. Paralelamente, o professor abriria um importante canal de diálogo com os alunos, conversando com franqueza sobre temas caros à infância e à juventude e enfatizando, sempre, a importância do respeito, tanto no trato com os outros como consigo mesmo. Afinal, as pessoas hoje também se desrespeitam e muito. E a maioria, em geral, nem se apercebe disso.

É claro que essa proposta é uma utopia que dificilmente se concretizará com o alcance necessário. Ainda mais num país como o Brasil, onde os professores, mal-remunerados e, em muitos casos, mal-habilitados, às vezes, nem conseguem ensinar o beabá. Fica de, todo modo, a idéia e o desabafo de alguém que não se conforma com a falta de respeito que se alastra pela sociedade como uma epidemia fora de controle.

Um pop-romance de amor e angústia

Ao iniciar a leitura do romance de estréia do jornalista carioca Arthur Dapieve, De cada amor tu herdarás só o cinismo (Objetiva; 224 páginas; 2004), lembrei-me, imediatamente, de um texto do próprio Dapieve - que assina uma coluna no jornal O Globo - no qual ele falava do esperado show que Roger Waters, ex-baixista do Pink Floyd, faria no Rio em março de 2002, aproveitando para comunicar aos leitores que iria chorar quando Waters cantasse "Wish you were here", um dos grandes sucessos do Floyd, que nunca se apresentara no Brasil. Talvez pelo fato de o começo do livro se dar justamente num show de rock, no caso o que a banda americana R.E.M. fez no Rock in Rio 3, em 2001, ao qual, sem a menor dúvida, Dapieve compareceu. Não apenas por conta da sua notória paixão pelo rock, como pela forma como ele descreve os instantes finais do show - cuja energia, creio, só alguém que esteve lá é capaz de captar e traduzir em palavras a ponto de afetar quem não esteve (como, por exemplo, eu).

De cada amor tu herdarás só o cinismo, cujo título é inspirado num verso de Cartola, narra a história do publicitário Bernardino Oliveira, um quarentão que cai de amores pela jovem Adelaide em meio ao público que acabara de assistir, extasiado, à apresentação do R.E.M. Adelaide é linda, ruiva e amadurecida, mais de vinte anos mais moça que Bernardino, trabalha como estagiária na agência da qual ele é um dos principais executivos e, o melhor de tudo, adora rock quase tanto quanto ele. Bernardino, que é casado e tem dois filhos universitários, vai se deixando enredar pelo magnetismo de Adelaide. E, por causa, dela, vê sua vida, seu casamento monótono e o pouco que lhe resta de equilíbrio emocional desmoronar.

A temática pode parecer antiga, mas Dapieve constrói uma história diferente, com a qual muitos homens urbanos, certamente, irão se identificar. Bernardino é um anti-herói incomodamente real, que enfrenta situações factíveis e exprime pensamentos e sensações típicas do homem moderno, um ser em permanente conflito. A trama é dividida em quinze capítulos, cada qual equivalente a uma semana. A linguagem, na maior parte coloquial e direta, entremeada por diálogos ágeis e até mensagens de e-mail, faria do livro uma autêntica pulp fiction num estilo pop, caso o autor não tivesse resolvido introduzir alguns experimentalismos, como no décimo-terceiro capítulo, quando Bernardino imerge num angustiado monólogo interior sem nenhuma pontuação, à semelhança do que ocorre com Molly Bloom, na reta final de Ulisses, de James Joyce. Há também referências claras a um romance do italiano Dino Buzzati, Um Amor, começando pelo próprio protagonista, Bernardino, a quem a amada Adelaide chama pelo diminutivo carinhoso, Dino. O livro também se propõe a evidenciar a distância entre duas gerações, a de Bernardino - de mais de quarenta anos - e a de Adelaide e dos filhos de Bernardino - ao redor dos vinte anos -, por meio, principalmente, das preferências musicais mais comuns a cada uma.

De quebra, o livro nos fornece um simpático roteiro de redutos tradicionais da boemia e gastronomia do Rio, mostrando que o autor, além de entender de rock, também é íntimo de alguns dos mais célebres balcões e mesas cariocas. O que, por si só, já dá à leitura um tempero a mais.

Para ir além






Luis Eduardo Matta
Rio de Janeiro, 2/11/2004

Quem leu este, também leu esse(s):
01. O dia em que não conheci Chico Buarque de Elisa Andrade Buzzo
02. Afinidade, maestria e demanda de Fabio Gomes
03. 10 coisas que a Mamãe me ensinou de Julio Daio Borges
04. Gullar X Nunos Ramos: o dilema da arte de Wellington Machado
05. Se ele não me lê de Ana Elisa Ribeiro


Mais Luis Eduardo Matta
Mais Acessadas de Luis Eduardo Matta em 2004
01. Os desafios de publicar o primeiro livro - 23/3/2004
02. A difícil arte de viver em sociedade - 2/11/2004
03. Beirute: o renascimento da Paris do Oriente - 16/11/2004
04. A discreta crise criativa das novelas brasileiras - 17/2/2004
05. Deitado eternamente em divã esplêndido – Parte 1 - 13/7/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
4/11/2004
14h21min
Enquanto o currículo e as demais características das escolas forem determinadas por professores e pedagogos, podemos esquecer qualquer possibilidade de melhoria do ensino. Parafraseando De Gaulle: a educação é algo sério demais para ser deixado nas mãos dos professores.
[Leia outros Comentários de Daniel Malaguti]
13/11/2004
15h55min
Sim, urgente: aulas de como viver em sociedade, nas escolas, cursos, palestras, workshops, seminários... porque respeito é bom e a gente gosta.
[Leia outros Comentários de Gisele Lemper]
19/11/2004
05h33min
Você acha mesmo que, depois da barragem rompida - e não a estou defendendo! -, as coisas voltam ao normal? E já foram normais? E o que é isto? O que constato é que passamos da repressão para uma espécie de coerção que nos diz: QUEIRA TUDO. FAÇA TUDO. E, se a gente não faz ou não quer, está se reprimindo ou sendo anormal... Enfim, passamos de uma obrigação ("não queira") a outra obrigação ("sempre queira tudo"). Difícil acertar...
[Leia outros Comentários de Carla]
29/11/2004
08h42min
Nos pequenos atos é que percebemos que estamos integrados ou não 'a sociedade. Veja: jogar papel na rua é algo que não condiz com uma atitude cidadã. Acho que precisamos rever os nossos conceitos enquanto ainda é tempo.
[Leia outros Comentários de Elvis Lima C Mutti]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Histórias Que a Umbanda nos Conta
Marco Boeing
Coração Brasil
(2008)



/Mônica Nº 179
Mauricio de Souza
Globo
(2001)



Livro Literatura Estrangeira An Abundance of Katherines
John Green
Speak
(2006)



Toda Mulher Tem 7 Homens autógrafo da autora
Vera Lucas
Vermelho marinho
(2012)



D. Pedro I e o Brasil - Revisão da História
Avertano Cruz
Pallas
(1981)



Amar de Novo
Danielle Steel
Record
(1987)



O Fabuloso Patrocínio Filho 311
R. Magalhães Júnior
Lisa



A Vida dos Invertebrados
F.Harvey Pough / Christiane M. Janis/ John B. Heiser
Atheneu
(2008)



Memória, História e Imaginação
Teócrito Abritta
Oficina do Livro



Golpe de Vista
Palaoro
Atual
(2010)





busca | avançada
44704 visitas/dia
2,9 milhões/mês