Da decepção diante do escritor | Paulo Polzonoff Jr | Digestivo Cultural

busca | avançada
48369 visitas/dia
1,6 milhão/mês
Mais Recentes
>>> OBRAS INSPIRADAS DURANTE A PANDEMIA GANHAM DESTAQUE NO INSTITUTO CERVANTES, EM SÃO PAULO
>>> Sempre Um Papo com Silvio Almeida
>>> FESTIVAL DE ORQUESTRAS JUVENIS
>>> XIII Festival de Cinema da Fronteira divulga Programação
>>> Centro em Concerto: ¡Navidad Nuestra!
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Entre Dois Silêncios, de Adolfo Montejo Navas
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
>>> O segredo para não brigar por política
>>> Endereços antigos, enganos atuais
>>> Rodolfo Felipe Neder (1935-2022)
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Nosotros
>>> Berço de lembranças
>>> Não sou eterno, meus atos são
>>> Meu orgulho, brava gente
>>> Sem chance
>>> Imcomparável
>>> Saudade indomável
>>> Às avessas
>>> Amigo do tempo
>>> Desapega, só um pouquinho.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Por que Dilma tem de sair agora
>>> A árvore da vida
>>> Endereços antigos, enganos atuais
>>> Garanto que você não vai gostar
>>> Colunismo em 2004
>>> Frases de Drummond
>>> Luciano do Valle (1947-2014)
>>> 28 de Junho #digestivo10anos
>>> 19 de Julho #digestivo10anos
>>> Citizen Kane
Mais Recentes
>>> Araribá Plus Geografia 8 de Cesar Brumini Dellore pela Moderna (2020)
>>> Tudo sobre cinema de Philip Kemp (Editor geral) pela Sextante (2011)
>>> Insta English 1 - Student's Book & Workbook de Emma Heyderman - Fiona Mauchline e outros pela Macmillan (2019)
>>> Cara, Cadê o Meu País? de David S. Moore pela Francis (2004)
>>> História da igreja católica de Philip Hughes pela Dominus (1962)
>>> Diário de Bordo de Noé de Francesca Bosca pela Ftd (2007)
>>> A 3ª Visão de Lobsang Rampa pela Record
>>> Guardiao Sete - O Chanceler do Amor de Rubens Saraceni pela Madras (2004)
>>> 200 Crônicas escolhidas de Rubem Braga pela Círculo do livro
>>> Na Praia e no Luar, Tartaruga quer o Mar de Ana Maria Machado pela Ática (2010)
>>> A Dieta do Tipo Sanguíneo: Para Prevenção e Tratamento da Artrite de Peter D'Adamo e Catherine Whitney pela Campus (2004)
>>> As duas vidas de Audrey Rose de Frank de Felitta pela Francisco Alves (1977)
>>> O Mistério da Casa Verde de Moacyr Scliar pela Ática (2008)
>>> Teláris Arte 7 de Eliane Pougy - André Vilela e outros pela Ática (2019)
>>> Por amor a Audrey Rose de Frank de Felitta pela Francisco Alves (1983)
>>> Adestramento Inteligente de Alexandre Rossi pela Cms (2004)
>>> Aumente o Poder do Seu Subconsciente Para Vencer o Medo e a Ansiedade de Dr. Joseph Murphy pela Nova Era (2006)
>>> Eles não Usam Black-tie de Gianfrancesco Guarnieri pela Civilização Brasileira (2018)
>>> O Poder do Agora de Eckhart Tolle pela Sextante (2002)
>>> A Menina que Descobriu o Brasil de Ilka Brunhilde Laurito pela Ftd (2001)
>>> As Profecias da Pirâmide de Max Toth pela Record (1979)
>>> Um Estudo em Vermelho de Sir Arthur Conan Doyle pela Ftd (2006)
>>> Universo de Desencanto Volume 1 de Manoel Jacinto Coelho pela Racional Superiror (1973)
>>> Os astros sempre nos acompanham: Um manual de astrologia contemporânea de Claudia Lisboa pela Best Seller (2018)
>>> Inocência - Edição Renovada de Visconde de Taunay pela Ftd (2011)
COLUNAS

Quarta-feira, 15/8/2001
Da decepção diante do escritor
Paulo Polzonoff Jr

+ de 6200 Acessos
+ 3 Comentário(s)

Yara Mitsuishi

Mais uma vez tenho de me desculpar porque acaba de me acontecer algo que merece muito mais um texto do que a viagem do homem à Lua, coisa que eu pretendia escrever semana passada, quando o Jorge Amado morreu, ou a Seleção brasileira, texto que eu vinha ensaiando ontem, ou ainda Paris, como me pede encarecidamente um leitor que insiste em dizer que me odeia.

Acontece que eu acabei de conhecer um escritor.

Não é o primeiro. Até por trabalhar na área, conheço uma porção deles. E toda vez que me deparei com um escritor tive a nítida sensação de estar diante de uma fraude. Não uma fraude artística, veja bem; mas uma fraude pessoal. Um escritor, por melhor que seja, não vale um grama do que escreve.

Ano passado eu conheci José Saramago. Numa salinha na sede da Cia. das Letras, o escritor português respondia às perguntas com enfado. Éramos quatro jornalistas - e confesso que estava nervoso; não deveria, mas estava. Saramago foi burocrático, protocolar. Destilou seu pessimismo decorado, respondeu às perguntas com as mesmas palavras (globalização, esquerda, sociedade, coisa e tal) e foi embora. Quando ele saiu da sala, depois de uma assessora de imprensa ter praticamente nos enxotado, fiquei ali, no corredor, olhando o homem. Não o escritor, mas o homem. E o homem me pareceu o ser mais frágil e condenável do mundo. Condenável porque fingia uma força, um poder que na verdade não possuía. Isto porque, em dado momento, uma mulher, possivelmente uma editora, chegou para o português de Nobel na lapela com um livro na mão. Minguado, o volume era artesanal. Possivelmente feito num xerox ou numa impressora caseira. Escutei trechos da conversa dos dois. A mulher dizia a Saramago (lembre-se: esquerda, sociedade, globalização, justiça, igualdade...) que um escritor havia deixado ali para ele. Ele pegou, folheou e riu. Ela riu de volta. E ficaram tirando sarro do pobre-diabo que havia despendido seu tempo escrevendo o livrinho e - pior - que possivelmente havia lambido os pés da recepcionista para poder entregar o volume à mulher que dele agora debochava junto de um Nobel de Literatura, bastião das igualdades, o último dos socialistas. Ora, pois.

Até hoje, quando tive outra grande decepção, talvez maior porque mais lúcida (a cada ano que passa fico mais lúcido, é preciso dizer), havia conhecido outros escritores, geralmente da cena local. Cristóvão Tezza, por exemplo, escritor do ótimo Trapo, foi um grande professor na faculdade. Só que deu de achar que escrevia bem demais. Além disso, é um acadêmico (intelequitual, como o Millôr gosta de escrever e eu de plagiar), e acha que está acima de nós, pobres mortais. Outro é Miguel Sanches Neto, bom escritor e, até onde sei, boa gente. Possivelmente é honesto demais para ter reconhecimento como escritor pela corja toda. Fausto Wolff, da turma de Ziraldo, Jaguar & Cia, foi dos mais mau-caráteres que já encontrei. Marquei duas entrevistas com ele, quando o tal esteve por aqui para lançar seus livros, e nas duas vezes ele me deu os canos. Na primeira, chegou ao saguão do hotel bêbado como um gambá (o lugar-comum é proposital), olhou-me de cima a baixo, disse que iria para o quarto, simplesmente. Da segunda vez, desmarcou a entrevista dizendo estar com ressaca. E dias depois apareceu no Jô Soares dizendo que a imprensa não lhe dava espaço - reclamação típica de escritores. Conheci ainda José Castello, que me pareceu bastante inteligente, Cony, que concedeu ao Rascunho uma das piores entrevistas que aquele suplementou já publicou, com respostas absurdamente idiotas. E mais meia-dúzia de escritores locais.

Hoje, segunda-feira, quando escrevo esta coluna, conheci mais um escritor: Domingos Pellegrini. E só então tive a dimensão que é a decepção, para alguém que ama a literatura, de conhecer um escritor. O quanto me for possível, manter-me-ei (ah, não, mesóclise!) afastado deste bando. E aconselho ao leitor o mesmo.

Pellegrini ganhou dois prêmios Jabuti. É autor de dois ótimos romances, Terra Vermelha e O Caso da Chácara Chão, ambos publicados pela Record. Morador de Londrina, no norte do Paraná, é considerado assim um embaixador da terra-vermelha num estado em que quase tudo, em se tratando de cultura, é ditado por Curitiba. Aí, nada demais. Hoje, contudo, o homem apareceu na minha frente. Participaríamos de um bate-papo promovido pela operadora de telefonia local. Chegou com o nariz alto, como convém, e olhou a mim e a meu amigo, Rogério Pereira, editor do Rascunho, com ar de autoridade. Foi cobrando a publicação de algo seu no suplemento literário. Depois se retirou - talvez para que eu pudesse perceber que, conhecer um escritor, não é decepcionante somente pela figura do próprio, mas também pela figura daqueles que o rodeiam.

Neste caso, ver um escritor em Curitiba é imbatível. Aqui o público que o rodeia é simplesmente primário. Um bando de puxa-sacos intelectuais de enojar qualquer pessoa com dois neurônios. Afastou-se o Pellegrini e já uma mulher o puxou pela manga, dizendo que seu filho era estudante de jornalismo e dando dois livros para ele autografar. Detalhe: os dois livros estavam com etiquetas de biblioteca nas laterais. Pode? Em Curitiba, ao menos, pode. Então fomos encaminhados para o tal bate-papo que deveria girar em torno literatura paranaense. Girou em torno do vazio.

Pellegrini, o escritor reverenciado, dois Jabutis na cabeça, começou falando que havia tirado sua filha de uma escola particular para colocá-la nos bancos duros de uma pública, porque o ensino na pública era melhor. Como é rica a imaginação dele. Depois começou a indefectível babação de ovo. Disse que gostava muito de dois escritores paranaenses: Jamil Snege e Miguel Sanches Neto - que editou um dos livros de Pellegrini pela Imprensa Oficial.

Claro que nem eu nem meu amigo, Rogério Pereira, somos de ficar quietos diante desta demonstração absurda de rapapé. Muito mais o Rogério, que fala pelos cotovelos. Começou ele dizendo que a literatura paranaense era uma fraude, coisa e tal, até que citou o nome do Paulo Leminski. Silêncio na platéia. Deu para ouvir lá no fundo o som de uma loirinha respirando. Então se estava dizendo que Leminski era uma fraude?! Assim, na cara dura? Sim, com todas as letras: efe, erre, a, u, dê, e. Pellegrini pareceu, neste momento, aqueles mediadores de mesa-redonda: não, não, que é isso, deixa disso. E ficou fazendo elogios ao poetinha das araucárias. Neste momento, para ser sincero, eu já tinha desistido. À minha frente, três menininhas anotavam tudo em suas cadernetas. Estavam com o livro do escritor na mão, para ser autografado, claro. A grã-finagem da cidade compareceu também, e fazia cara de inteligente. Quando foi dito que o caderno Mais!, da Folha de S. Paulo, era uma porcaria, houve mais consternação do público. Os estudantes se agitaram na cadeira. E então este cronista de nem tão parcas letras assim decidiu que era hora de se calar para ver a masturbação mútua entre platéia e escritor.

Pellegrini destilou toda sua capacidade diplomática. Falou bem do governador, do ministro, de Deus e do Diabo. Disse que era preciso incentivar as crianças a lerem - não me diga! Deu conselhos aos pais, dizendo que os pais têm que participar mais ativamente da vida dos filhos. Defendeu a literatura de entretenimento e a literatura autista com a mesma ênfase: nenhuma. Riu o tempo todo seu sorriso que não se compromete, que nada diz. E, no final, leu poemas de quinta categoria, com a participação do público, que obviamente se regozijou porque estavam na presença do ESCRITOR.

Saí rapidinho. Nem ia dar tchau para o homem. Não se trata de falta de educação; trata-se de uma tentativa meio idiota de manutenção do caráter. Não queria que aquele cara achasse que eu havia gostado de sua bazófia cheia de lugares-comum e otimismo barato. Apertou minha mão com o entusiasmo de uma velha moribunda e eu me fui. Antes, porém, vi-o ser rodeado pelas velhas curitibanas, que queriam falar com o ESCRITOR. E, de repente, tive ganas de jogas meus projetos de romance, arquivados em alguns neurônios protegidos do álcool, pelo bueiro.

Vendo aquela platéia babona, aquele ser cheio de vaidade a quem chamam de escritor, vendo a relação promíscua, mentirosa, afetada que há entre eles, compreendi um pouquinho da cultura brasileira e do porquê de seu estado de penúria. Por um momento, pensei nesta situação elevada ao cubo, seja numa apresentação do Caetano Veloso, seja numa votação da Academia Brasileira de Letras.

Aí, esqueci-me, para não ter de me lembrar, também, que talvez seja hora de se ir.


Paulo Polzonoff Jr
Rio de Janeiro, 15/8/2001


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O produto humano de Ana Elisa Ribeiro
02. Grandes Carcamanos da História de Alexandre Soares Silva


Mais Paulo Polzonoff Jr
Mais Acessadas de Paulo Polzonoff Jr em 2001
01. Transei com minha mãe, matei meu pai - 17/10/2001
02. Está Consumado - 14/4/2001
03. A mentira crítica e literária de Umberto Eco - 24/10/2001
04. Reflexões a respeito de uma poça d´água - 19/12/2001
05. Deus - 25/7/2001


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
27/3/2002
12h52min
A respeito de seu artigo, vale relembrar uns versos de Fernando Pessoa: AUTOPSICOGRAFIA O poeta é um fingidor. Finge tão completamente Que chega a fingir que é dor A dor que deveras sente. E os que lêem o que escreve, Na dor lida sentem bem, Não as duas que ele teve, Mas só a que eles não têm. E assim nas calhas de roda Gira, a entreter a razão, Esse comboio de corda Que se chama coração.
[Leia outros Comentários de Paulo]
15/6/2002
19h10min
Será que esse tal Paulo Polzonoff (cujo sarcasmo me lembra a pobreza de espírito de um Jô Soares) tem capacidade de compreender o poema de Fernando Pessoa, acima citado? O que esperavas do Pellegrini, Polzon? Um escritor não precisa dar boas palestras para ser bom escritor, tenhamos um pouco de compreensão se o homem não foi feliz em todos os momentos. Críticas como a sua vêm destruindo a literatura brasileira há décadas, valha-me Deus... como se já não bastasse. Quer saber? Isso tudo cheirou-me a inveja.
[Leia outros Comentários de Douglas]
19/1/2004
15h18min
Sinto muito ter decepcionado esse gênio que é Paulo Polzonoff Júnior. Fico consternado. Estou até pensando em me matar. Mas não sei se isso seria o certo, pois eliminaria facilmente o problema e a culpa que sinto é muito grande. Talvez seja o caso de me colocar à disposição de Paulo para que faça de mim o que quiser pelo resto da vida. Oh, Deus, que faço?!?! (Jamais usei assim interrogações duplas com exclamações duplas, o que demonstra meu estado de alma.) Rogo A Dom Paulo, por favor, que me diga o que fazer.(A partir de agora, só o chamarei de Dom, como a um mago, pois Dom Paulo tem o dom de nos fazer ver nossa exata dimensão, devolvendo-nos à nossa mediocridade,de onde jamais deveríamos ter saído). Dom Paulo, velai por nós, você que é um iluminado, cuja visão alcança muito além da crítica literária, e que, certamente, mudará o mundo com seu olhar crítico-mítico. Reverentemente, Domingos Pellegrini
[Leia outros Comentários de Domingos Pellegrini ]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Livro - Palavras Não Se Afogam ao Atravessar o Atlântico
Carlos Vaz Marques / 1ª Ed
Tinta da China
(2015)



Inocência Serie Bom Livro 23ªed (1996)
Visconde de Taunay
Atica
(1996)



Profissionais da Educação Infantil
Isabel de Oliveira e Silva
cortez
(2001)



Aborrecente Não, Sou Adolescentes
Rosângela
Petit
(2000)



Noite Brancas e Outras Histórias - Col. Obra Prima de Cada Autor
Dostoiévski - de Bolso
Martin Claret
(2007)



As 100 + - o Guia de Estilo Que Toda Mulher Fashion Deve Ter
Nina Garcia
Best Seller
(2009)



O Pensamento Vivo de Buda
José Geraldo Simões Jr.
martin claret
(1985)



Erasmo de Rotterdam - o Mais Eminente Filosofo da Renascença
Luiz Feracine
Livros Escala



Livro - Saga Brasileira - a Longa Luta de um Povo por Sua Moeda
Miriam Leitão
Record
(2011)



Até as Águias Precisam de um Empurrão
David McNally
pronet
(1995)





busca | avançada
48369 visitas/dia
1,6 milhão/mês