Deus | Paulo Polzonoff Jr | Digestivo Cultural

busca | avançada
59441 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Clube do Disco - Clube da Esquina
>>> MONSTRA exibe filmes feitos por e com crianças nos dias 25 e 26/5
>>> Tão Somente Meninos
>>> Festa junina no Teatro do Incêndio busca continuidade do projeto SOL.TE
>>> Céu se apresenta no Sesc Guarulhos
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
>>> G.A.L.A. no coquetel molotov de Gerald Thomas
Colunistas
Últimos Posts
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
>>> Como declarar ações no IR
Últimos Posts
>>> Asas de Ícaro
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
>>> Sexta-feira santa de Jesus Cristo.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Tecnologia de Minority Report
>>> Sabemos pensar o diferente?
>>> Do Surrealismo
>>> Milagres não existem
>>> Valsinha
>>> Sobre o caso Idelber Avelar
>>> Uma gafieira, pintura digital
>>> As drogas fazem você virar os seus pais
>>> Dave Brubeck Quartet 1964
>>> O Conto do Amor, de Contardo Calligaris
Mais Recentes
>>> Guia do Estressado de Rosana Ferrão pela Aeroplano
>>> A Arte da Guerra de James Clavel pela Record (2002)
>>> Poesia na Varanda de Sonia Junqueira; Flavio Fargas pela Autêntica (2012)
>>> A Falta Que Ela Me Faz de Fernando Sabino pela Record
>>> Quem Manda na Minha Boca Sou Eu! de Ruth Rocha pela Ática (2007)
>>> Propósito - a Coragem de Ser Quem Samos de Sri Prem Baba pela Sextante (2016)
>>> O Inglês; Tal Qual Se Fala no Presente sem Auxílio de Professor de M. Oliveira Malta pela Cia. Brasil (1960)
>>> Medicina Alternativa de A a Z de Carlos Nascimento Spethmann pela Natureza (2004)
>>> Administração Estratégica 2 Edição de Varios pela Pearson (2005)
>>> O Vaqueano de Apolinário Porto Alegre pela Três (1973)
>>> A Casa Iluminada de Alessandro Thomé pela Benvira (2012)
>>> Medicina Alternativa de a a Z - 6ª Edição de Carlos Nascimento Spethmann pela Natureza (2004)
>>> O Poder de Mau Humor de Ruy Castro pela Companhia das Letras (1993)
>>> O Amanha Começa Hoje de Alf Lohne; Charlote F. Lessa; Eduardo Olszewski pela Cpb Didaticos (2013)
>>> 21 Days to the Perfect Dog de Karen Wild pela Hamlyn (2014)
>>> Ligados. Com Ciencias - 3º Ano de Maira Rosa Carnevalle pela Saraiva Didáticos (2015)
>>> Depois Que Vim a Saber... de Elifas Alves pela Teatro Espírita (1983)
>>> Sherlock Holmes - O Vale do Medo de Arthur Conan Doyle pela Principis (2019)
>>> Instalações Elétricas de Hélio Crede pela Ltc (1986)
>>> Mensagens do Vento de Aldo Saettone pela Clio (2008)
>>> O Gerente Que Veio do Céu de Floriano Serra pela Gente (2000)
>>> Gramática Texto Análise e Construção de Sentido Caderno de Estudo de Maria Luiza M. Abaurre pela Moderna (2011)
>>> O Sentido da Vida na Catequese de Isabel Cristina a Siqueira pela Paulus (2014)
>>> Quando é Preciso Ser Forte de De Rose pela Egrégora (2005)
>>> Flores de Kalocsa de Vários Autores pela GyÖrgyi (1984)
COLUNAS

Quarta-feira, 25/7/2001
Deus
Paulo Polzonoff Jr

+ de 7300 Acessos
+ 6 Comentário(s)

Estava indo de volta para casa depois de dez horas de trabalho quase que ininterrupto, movido a café e uma pequena dose de paixão pela menina que trabalha na lanchonete ao lado. Estava cheio de uma esperança sonsa de me ver novamente com alguém, aquela coisa boba toda que vocês já sentiram. Para ir para casa, contudo, tenho de caminhar bastante, e nestes caminhos quase sempre desando a pensar um milhão de coisas que me são mais inúteis que o contrário. Neste dia, ali na altura do Colégio Estadual, pensava eu em como seria difícil encarar aquela menina logo mais à noite. Depois, em frente ao Hospital das Clínicas, olhava para a fachada com centenas de janelas e pensava nas moléstias de todos os doentes que ali habitavam aquele antro de vida e morte. Um pouco mais adiante, na Livraria do Chain, eu vi Deus.

Não foi algo em que eu acreditasse de súbito. Sou um incrédulo por natureza. Desconfio destas coisas ditas sobrenaturais. Tanto que passei pela livraria, vi Deus e continuei andando. Quando me toquei, uns dez metros depois, voltei e fui conferir: era ele mesmo, folheando um livro qualquer na estante próxima à porta.

Deus vestia um agasalho azul e usava boné. A calça parecia ser de tergal - coisa que pude constar com meu vasto conhecimento em se tratando de tecidos de calças masculinas para se vestir entidades espirituais acima dos homens. O boné escondia-lhe os cabelos que teimavam em escorrer brancos por trás. A cara sisuda fez que não me viu, concentrou o olhar no livro.

Não me dei por rogado e também fui embora, sem lhe dar um oizinho sequer. Não me arrependo.

Deus já me fez passar vergonha algumas vezes. A primeira, há uns sete anos, andei feito um louco atrás de um velhinho que eu tinha certeza ser ele. Não era. O velhinho morava longe, longe, longe e eu atrás do velhinho, criando coragem para com ele falar. Quando o velhinho entrou numa casa, porém, dei-me conta da minha covardia e do quanto estava longe de casa. Além de, claro, ter percebido que aquele não era Deus. Isso foi há sete anos.

Há dois anos fiz coisa pior. Estava num café, justamente falando sobre Deus para uma menina. Foi quando eu invoquei que um dos homens sentados numa mesa era o Tal. E eu fiquei todo nervoso porque estava com a menina e porque queria desesperadamente falar com Deus. Até que, quando paguei a conta, fui ter com ele. O homem foi todo polido, mas me disse, com uma expressão de pena nos olhos: "Eu não sou Deus".

Foi então que desisti de ver Deus.

O Deus em questão já foi tachado de tudo, menos de Deus. Esta cidade adora atacá-lo, até porque é seu bem mais precioso. Ele é considerado, nas esquinas, pelas velhinhas católicas baba-hóstia de Dom Pedro Fedalto, um pervertido. Incestuoso. Um monstro que deveria estar preso. Pelas alunas de Biblioteconomia da Universidade Federal do Paraná, com as quais eu tive o desgosto de ter algumas aulas, ele é tido como um pornógrafo e analfabeto. Ele, analfabeto! Para a maioira dos pseudo-letrados, contudo, ele vai ser sempre mesmo o vampiro: o vampiro de Curitiba.

Não, senhores, ele é Deus.

Dalton Trevisan mora a três quadras de minha casa. A dele ocupa um imenso terreno de esquina na Amintas de Barros com a Ubaldino do Amaral. É uma casa velha e pequena, pintada de um cinza carcomido pelo tempo e com algumas pichações ilegíveis ao longo do muro alto que contorna todo o terreno. Claro que, passando ali perto, já tentei escalar o muro para ver o que havia por detrás. Um imenso gramado verde, é o que se vê, sempre bem cuidado e vazio. As janelas da casa de Dalton Trevisan são grandes e anacrônicas. Dentro, percebe-se uma tênue cortina a abafar a claridade que vem da rua. Jamais foi vista sombra de vivalma lá dentro. Há uma porta, que dá para a Amintas de Barros, que está sempre, dia e noite, entreaberta. Mistério.

Os mistérios da literatura de Dalton Trevisan me foram ensinados cedo, ainda no Segundo Grau. Uma professora qualquer nos dizia que era um dos principais nomes, coisa e tal, mas não explicava por quê. Lá vai o idiota aqui pesquisar. Peguei um livro a esmo na biblioteca do colégio, livro que jamais devolvi, diga-se de passagem. Era o mais famoso dele, O Vampiro e a Polaquinha. Na época, não consegui ler nem o primeiro conto. Desisti. Naquela época eu desistia de tudo.

Mais tarde um professor extremamente influente na minha vida falou novamente em Dalton Trevisan. Explicou-me o poder das elipses na prosa dele. E todo o universo trevisaniano, que extrapola os limites da Cidade Sorriso. Só então eu descobri a genialidade nele.

Sou curioso para saber como lêem Dalton Trevisan os que não moram em Curitiba. Como imaginam o Passeio Público, o Gato Preto, a Ponte Preta, o Rio Ivo, o Operário e outros lugares que rondam a prosa de Dalton Trevisan. Sei, bem sei, sei bem e faço saber desde já que sei que a Curitiba de Dalton é também sua Macondo, pouco condizendo com a realidade da cidade. Estar aqui, porém, e passear no Passeio Público, é perceber Nelsinhos em toda parte, passando uma conversa na Polaquinha com mala do Positivo, aquela coisa toda.

Dalton Trevisan não se deixa fotografar. Dizem que é marketing mas eu acho que é pura inteligência. Não somos donos do nosso passado, nem da nossa memória; que sejamos, então, donos ao menos de nossa imagem no presente. Que tenhamos o direito de cedê-la somente a quem nos interessa. Só que - quem nos interessa?

Estranhamente foi graças a uma imagem "roubada" de Dalton Trevisan, publicada há alguns anos na Veja, é que pude reconhecê-lo. Reconhecer Deus. Na foto ele aparece com o mesmo casaco que usava no dia em que o vi.

Ou será que não era ele?


Paulo Polzonoff Jr
Rio de Janeiro, 25/7/2001


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A vida do livreiro A.J. Fikry, de Gabrielle Zevin de Ricardo de Mattos
02. O tipo que faz promessa de Ana Elisa Ribeiro
03. A guerra das legendas e o risco da intolerância de Marta Barcellos
04. Steve Jobs e a individualidade criativa de Wellington Machado
05. Agonia de Daniel Bushatsky


Mais Paulo Polzonoff Jr
Mais Acessadas de Paulo Polzonoff Jr em 2001
01. Transei com minha mãe, matei meu pai - 17/10/2001
02. Está Consumado - 14/4/2001
03. A mentira crítica e literária de Umberto Eco - 24/10/2001
04. Reflexões a respeito de uma poça d´água - 19/12/2001
05. Deus - 25/7/2001


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
10/11/2001
20h32min
E muito criativo. Parabéns!
[Leia outros Comentários de Mauro Galvão]
25/3/2002
00h37min
Estou fazendo uma monografia sobre Dalton e resolvi dar uma olhada na net pra ver o que encontrava, fiquei encantada c/ seu texto e na divindade em q vc coloca não apenas o Dalton, mas tbm a literariedade encontrata nos textos dele. Parabéns!!!
[Leia outros Comentários de Kelly Marques]
24/4/2002
18h44min
Querido Paulo, desculpe-me pela chatice, mas gostaria muito de entrar em contato com Dalton Trevisan. Por um acaso vc possui seu endereço eletrônico? Ficaria imensamente grata por esse favor. Um abraço.
[Leia outros Comentários de magali menezes]
4/5/2002
02h50min
Caro Paulo, parabéns pelo seu belo texto. Sou ator e diretor de teatro no Rio de Janeiro e estou ensaiando o espetáculo "A Guerra Conjugal", encenação de sete contos do livro homônimo do Dalton, com a permissão do próprio. O espetáculo estreará no dia 4 de junho e ficará em temporada até 31 de julho. Depois queremos viajar e claro, o nosso desejo maior é ir a Curitiba. Caso isso aconteça, sua presença na platéia me daria enorme prazer. Um abraço, Leonardo Netto
[Leia outros Comentários de Leonardo Netto]
11/6/2002
17h01min
Legal, seu texto. Endeusa um escritor sensacional, que, sem dúvida, merece todos e quaisquer encômios possíveis. Pergunto-me o que Ele – Deus, o próprio – acha...
[Leia outros Comentários de Cezar Santos]
6/6/2013
10h30min
Fui no Google Earth e verifiquei que Deus mora em frente ao hospital! Abençoando os internados? A casa está (em 2009) exatamente como você descreveu, Deus é conservador. O jardim é grande, mas diferente, não dá para simples mortais entenderem o que Deus pretende com seu design (inteligente?) A porta entreaberta, que é da garagem (Sim, Deus tem carro!), está fechada, três moças encostadas nela: esperam Deus sair?
[Leia outros Comentários de José Frid]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Dicionário Escolar Língua Portuguesa
Michaelis
Melhoramentos
(2008)



Cheiro de Goiaba - 8ª Ed.
Gabriel Garcia Marquez
Record
(2014)



Antologia Poética
Vários Autores
Universidade Vale do Paraíba
(2002)



Midas e Sadim. Tudo o Que Voce Precisa Evitar para Ter Sucesso
Ricardo Bellino
Campus
(2006)



Parasyte - Vol. 2
Hitoshi Iwaaki
Jbc
(2015)



Caça ao Tesouro
Amanda Wood
Brinque Book
(2008)



Tops 3 - Student Book With Bound and Songs Cds
Rebecca York Hanlon, Jake Kimball
Pearson Education
(2008)



Interlocuções Entre O Direito Previdenciario,O Direito Tributario E A Economia - Direito
Melissa Folmann
Paixao
(2017)



A Noite e o Riso
Nuno Bragança
Moraes
(1978)



Relógio de Pandora
John J. Nance
Record





busca | avançada
59441 visitas/dia
1,8 milhão/mês