Deus | Paulo Polzonoff Jr | Digestivo Cultural

busca | avançada
37376 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
>>> Steve Jobs em 1997
>>> Jeff Bezos em 2003
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A literatura feminina de Adélia Prado
>>> Jorge Caldeira no Supertônica
>>> A insustentável leveza da poesia de Sérgio Alcides
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Millôr e eu
>>> As armas e os barões
>>> Quem é o autor de um filme?
>>> Cyrano de Bergerac
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Marco Lisboa na Globonews
Mais Recentes
>>> Nós que Amávamos tanto a Revolução de Dany Cohn Bendit pela Brasiliense (1987)
>>> Sterminateli! de Christian Bernadac pela Fratelli Melita (1991)
>>> Hitler Il Figlio della Germania de Antonio Spinosa pela Oscar Mondadori (1993)
>>> Operación Peter Pan ( Un caso de Guerra Psicológica Contra Cuba) de Ramón Torreira Crespo pela Política /La Habana (2000)
>>> Quem Sequestrou Marta Jane? de Isabel Vieira pela Ftd (1995)
>>> Mort Du Général de Gaulle de Jean Mauriac pela Grasset (1972)
>>> O Burrinho Pedrês de João Guimarães Rosa pela Nova Fronteira (1995)
>>> Ao vivo do campo de batalha ( Do Vietnã a Bagdá 35 anos em Zonas de Combate de Todo o Mundo) de Peter Arnett pela Rocco (1994)
>>> Os Cavalos da República de Moacyr Scliar pela Ática (2005)
>>> Os Últimos 100 dias (02 Volumes) de John Toland pela Nova Fronteira (1966)
>>> Dengos e Carrancas de um Pasto de Jorge Miguel Marinho pela Ftd (1987)
>>> Le Crime L' Invasion Irakienne Du Koweit de Badr Jassem Al Yacoub pela C.i.k.c (1991)
>>> Éramos Seis de Maria José Dupre pela Ática (1991)
>>> A Menina que fez a América de Ilka Brunhilde Laurito pela Ftd (2002)
>>> Praga Quando os Tanques Avançaram de Pierre Desgraupes pela Expressão e Cultura (1968)
>>> O Feijão e o Sonho de Orígenes Lessa pela Ática (1991)
>>> Pearl Harbor de A. J. Barker pela Renes (1973)
>>> A Flauta do Sótão de Lúcia Pimentel Góes pela Paulus (2003)
>>> USA Em Perigo de General Curtis E. Le May e Major General Dale O. Smith pela Biblioteca do Exército (1970)
>>> Sem Medo de Viver de Zíbia Gasparetto pela Vida&consciência (2007)
>>> Caça ao Cometa Halley de Roberto Pereira de Andrade pela Traco (1985)
>>> Psicanálise da maternidade: uma crítica a Freud a partir da mulher e de Nancy Chodorow pela Rosa dos Tempos (1999)
>>> O Preço de Uma Vida de Cristiane Krumenauer pela Novo Século (2018)
>>> Revista de História USP Nº 60 1964 de Diversos Autores pela Ffcl/USP (1964)
>>> Kerata O Colecionador de Cérebros de Juliana R. S. Duarte pela Novo Século (2017)
>>> Revista de História USP Nº 50 1962 de Diversos Autores pela Ffcl/USP (1962)
>>> Crepúsculo - Livro de Anotações da Diretora de Catherine Hardwicke pela Intrínseca Ltda (2019)
>>> Os Sertões de Euclides da Cunha pela Nova Cultural (2002)
>>> O Segredo e outras Histórias de Descoberta de Lygia Fagundes Tellles pela Companhia das Letras (2012)
>>> Uma Família Feliz de David Safier pela Planeta (2013)
>>> O Enigma da Pirâmide de Alan Arnold pela Circulo do Livro (1985)
>>> Adrienne Mesurat (prefáco Inédito) de Julien Green/ (Nota): Josué Montello pela Nova Fronteira (1983)
>>> Viagens de Gulliver (em 04 Partes) de Jonathan Swift/ Trad.: Octavio Mendes Cajado pela Globo/ RJ. (1987)
>>> O Mochileiro das Galáxias - Volume 5 - Praticamente Inofensiva de Douglas Adams pela Arqueiro (2010)
>>> Viagens de Gulliver (em 04 Partes)/ Encadernado de Jonathan Swift/ Prefácio: Almir Andrade pela W. M. Jackson (1970)
>>> Viagens de Gulliver (em 04 Partes)/ Encadernado de Jonathan Swift/ Prefácio: Almir Andrade pela W. M. Jackson (1970)
>>> Amigos de Todo Mundo: Romance de um Jardim Zoológico de Felix Salten/ Ilustrações: Philipp Arlen pela Edições Melhoramentos (1952)
>>> Lembranças Obscuras de um Judeu Polonês Nascido na França de Pierre Goldman pela Francisco Alves (1984)
>>> El Hombre de Annie Besant pela Glem (1957)
>>> Lo Spiritismo Nella Umanita de Casimiro Bonfiglioli pela Bologna (1888)
>>> Santo Tomas de Aquino de P.J. Weber pela Poblet (1949)
>>> Rumo a Consciência Cómica de Pagina de ouro de Ramasar pela Curitiba (1969)
>>> Reencarnação de J.H. Brennan pela O Hemus
>>> Rezando com o Evangelho de Pe. Lucas Caravina pela Paulus (1997)
>>> Resolução para o novo milênio de Jennifer Fox pela Ediouro (1999)
>>> Los Maestros sus Retratos Meditaciones y Graficos de David Anrias pela Horus (1973)
>>> La Doctrina Cosmica de Dion Fortune pela Luis Cárcamo (1981)
>>> Remotos Cânticos de Belém de Wallace Leal V. Rodrigues pela O Clarim (1986)
>>> Reencarnação e Imortalidade de Alexandra David Neel pela Ibrasa (1989)
>>> Raios de Luz Espiritual de Francisco Valdomiro Lorenz pela Pensamento
COLUNAS

Quarta-feira, 25/7/2001
Deus
Paulo Polzonoff Jr

+ de 6100 Acessos
+ 6 Comentário(s)

Estava indo de volta para casa depois de dez horas de trabalho quase que ininterrupto, movido a café e uma pequena dose de paixão pela menina que trabalha na lanchonete ao lado. Estava cheio de uma esperança sonsa de me ver novamente com alguém, aquela coisa boba toda que vocês já sentiram. Para ir para casa, contudo, tenho de caminhar bastante, e nestes caminhos quase sempre desando a pensar um milhão de coisas que me são mais inúteis que o contrário. Neste dia, ali na altura do Colégio Estadual, pensava eu em como seria difícil encarar aquela menina logo mais à noite. Depois, em frente ao Hospital das Clínicas, olhava para a fachada com centenas de janelas e pensava nas moléstias de todos os doentes que ali habitavam aquele antro de vida e morte. Um pouco mais adiante, na Livraria do Chain, eu vi Deus.

Não foi algo em que eu acreditasse de súbito. Sou um incrédulo por natureza. Desconfio destas coisas ditas sobrenaturais. Tanto que passei pela livraria, vi Deus e continuei andando. Quando me toquei, uns dez metros depois, voltei e fui conferir: era ele mesmo, folheando um livro qualquer na estante próxima à porta.

Deus vestia um agasalho azul e usava boné. A calça parecia ser de tergal - coisa que pude constar com meu vasto conhecimento em se tratando de tecidos de calças masculinas para se vestir entidades espirituais acima dos homens. O boné escondia-lhe os cabelos que teimavam em escorrer brancos por trás. A cara sisuda fez que não me viu, concentrou o olhar no livro.

Não me dei por rogado e também fui embora, sem lhe dar um oizinho sequer. Não me arrependo.

Deus já me fez passar vergonha algumas vezes. A primeira, há uns sete anos, andei feito um louco atrás de um velhinho que eu tinha certeza ser ele. Não era. O velhinho morava longe, longe, longe e eu atrás do velhinho, criando coragem para com ele falar. Quando o velhinho entrou numa casa, porém, dei-me conta da minha covardia e do quanto estava longe de casa. Além de, claro, ter percebido que aquele não era Deus. Isso foi há sete anos.

Há dois anos fiz coisa pior. Estava num café, justamente falando sobre Deus para uma menina. Foi quando eu invoquei que um dos homens sentados numa mesa era o Tal. E eu fiquei todo nervoso porque estava com a menina e porque queria desesperadamente falar com Deus. Até que, quando paguei a conta, fui ter com ele. O homem foi todo polido, mas me disse, com uma expressão de pena nos olhos: "Eu não sou Deus".

Foi então que desisti de ver Deus.

O Deus em questão já foi tachado de tudo, menos de Deus. Esta cidade adora atacá-lo, até porque é seu bem mais precioso. Ele é considerado, nas esquinas, pelas velhinhas católicas baba-hóstia de Dom Pedro Fedalto, um pervertido. Incestuoso. Um monstro que deveria estar preso. Pelas alunas de Biblioteconomia da Universidade Federal do Paraná, com as quais eu tive o desgosto de ter algumas aulas, ele é tido como um pornógrafo e analfabeto. Ele, analfabeto! Para a maioira dos pseudo-letrados, contudo, ele vai ser sempre mesmo o vampiro: o vampiro de Curitiba.

Não, senhores, ele é Deus.

Dalton Trevisan mora a três quadras de minha casa. A dele ocupa um imenso terreno de esquina na Amintas de Barros com a Ubaldino do Amaral. É uma casa velha e pequena, pintada de um cinza carcomido pelo tempo e com algumas pichações ilegíveis ao longo do muro alto que contorna todo o terreno. Claro que, passando ali perto, já tentei escalar o muro para ver o que havia por detrás. Um imenso gramado verde, é o que se vê, sempre bem cuidado e vazio. As janelas da casa de Dalton Trevisan são grandes e anacrônicas. Dentro, percebe-se uma tênue cortina a abafar a claridade que vem da rua. Jamais foi vista sombra de vivalma lá dentro. Há uma porta, que dá para a Amintas de Barros, que está sempre, dia e noite, entreaberta. Mistério.

Os mistérios da literatura de Dalton Trevisan me foram ensinados cedo, ainda no Segundo Grau. Uma professora qualquer nos dizia que era um dos principais nomes, coisa e tal, mas não explicava por quê. Lá vai o idiota aqui pesquisar. Peguei um livro a esmo na biblioteca do colégio, livro que jamais devolvi, diga-se de passagem. Era o mais famoso dele, O Vampiro e a Polaquinha. Na época, não consegui ler nem o primeiro conto. Desisti. Naquela época eu desistia de tudo.

Mais tarde um professor extremamente influente na minha vida falou novamente em Dalton Trevisan. Explicou-me o poder das elipses na prosa dele. E todo o universo trevisaniano, que extrapola os limites da Cidade Sorriso. Só então eu descobri a genialidade nele.

Sou curioso para saber como lêem Dalton Trevisan os que não moram em Curitiba. Como imaginam o Passeio Público, o Gato Preto, a Ponte Preta, o Rio Ivo, o Operário e outros lugares que rondam a prosa de Dalton Trevisan. Sei, bem sei, sei bem e faço saber desde já que sei que a Curitiba de Dalton é também sua Macondo, pouco condizendo com a realidade da cidade. Estar aqui, porém, e passear no Passeio Público, é perceber Nelsinhos em toda parte, passando uma conversa na Polaquinha com mala do Positivo, aquela coisa toda.

Dalton Trevisan não se deixa fotografar. Dizem que é marketing mas eu acho que é pura inteligência. Não somos donos do nosso passado, nem da nossa memória; que sejamos, então, donos ao menos de nossa imagem no presente. Que tenhamos o direito de cedê-la somente a quem nos interessa. Só que - quem nos interessa?

Estranhamente foi graças a uma imagem "roubada" de Dalton Trevisan, publicada há alguns anos na Veja, é que pude reconhecê-lo. Reconhecer Deus. Na foto ele aparece com o mesmo casaco que usava no dia em que o vi.

Ou será que não era ele?


Paulo Polzonoff Jr
Rio de Janeiro, 25/7/2001


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Correio de Elisa Andrade Buzzo


Mais Paulo Polzonoff Jr
Mais Acessadas de Paulo Polzonoff Jr em 2001
01. Transei com minha mãe, matei meu pai - 17/10/2001
02. Está Consumado - 14/4/2001
03. A mentira crítica e literária de Umberto Eco - 24/10/2001
04. Reflexões a respeito de uma poça d´água - 19/12/2001
05. Um repórter a mil calorias por dia* - 5/9/2001


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
10/11/2001
20h32min
E muito criativo. Parabéns!
[Leia outros Comentários de Mauro Galvão]
25/3/2002
00h37min
Estou fazendo uma monografia sobre Dalton e resolvi dar uma olhada na net pra ver o que encontrava, fiquei encantada c/ seu texto e na divindade em q vc coloca não apenas o Dalton, mas tbm a literariedade encontrata nos textos dele. Parabéns!!!
[Leia outros Comentários de Kelly Marques]
24/4/2002
18h44min
Querido Paulo, desculpe-me pela chatice, mas gostaria muito de entrar em contato com Dalton Trevisan. Por um acaso vc possui seu endereço eletrônico? Ficaria imensamente grata por esse favor. Um abraço.
[Leia outros Comentários de magali menezes]
4/5/2002
02h50min
Caro Paulo, parabéns pelo seu belo texto. Sou ator e diretor de teatro no Rio de Janeiro e estou ensaiando o espetáculo "A Guerra Conjugal", encenação de sete contos do livro homônimo do Dalton, com a permissão do próprio. O espetáculo estreará no dia 4 de junho e ficará em temporada até 31 de julho. Depois queremos viajar e claro, o nosso desejo maior é ir a Curitiba. Caso isso aconteça, sua presença na platéia me daria enorme prazer. Um abraço, Leonardo Netto
[Leia outros Comentários de Leonardo Netto]
11/6/2002
17h01min
Legal, seu texto. Endeusa um escritor sensacional, que, sem dúvida, merece todos e quaisquer encômios possíveis. Pergunto-me o que Ele – Deus, o próprio – acha...
[Leia outros Comentários de Cezar Santos]
6/6/2013
10h30min
Fui no Google Earth e verifiquei que Deus mora em frente ao hospital! Abençoando os internados? A casa está (em 2009) exatamente como você descreveu, Deus é conservador. O jardim é grande, mas diferente, não dá para simples mortais entenderem o que Deus pretende com seu design (inteligente?) A porta entreaberta, que é da garagem (Sim, Deus tem carro!), está fechada, três moças encostadas nela: esperam Deus sair?
[Leia outros Comentários de José Frid]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




PLATAFORMA 1365: AS URNAS CONTRA O IMPÉRIO
LUIZ ALFREDO SALOMÃO
NÃO IDENTIFICADA
R$ 22,00



CARTAS DE MEU SILÊNCIO
LUIZ GOULART
INDEPENDENTE
R$ 4,00



EU SOU UM SER EMOCIONAL
EVE ENSLER; ALEX BOULWARE; JULIA NEIVA
GRYPHUS
(2015)
R$ 14,00



MATEI JEOVÁ...
ALDEONOFF POVOAS
RIDENDO
(1952)
R$ 70,00



COMENTARIOS E ALTERAÇOES DA LEI DO INQUILINATO
LUIZ ANTONIO SCAVONE JUNIOR
REVISTA DOS TRIBUNAIS
(2009)
R$ 12,00



NANÁ
ÉMILE ZOLA
ABRIL CULTURAL
(1985)
R$ 10,00



FORAS DA LEI BARULHENTOS - BOLHAS RAIVOSAS E ALGUMAS ...
CLEMENT FREUD, JON SCIESZKA
COSAC NAIFY
(2012)
R$ 40,00



ELETROSTÁTICA
MARCOS HERVÉ PINHEIRO
ADN
R$ 29,30
+ frete grátis



O VENDEDOR TOTAL
ROBERTO PROCÓPIO
LIVRUS
(2012)
R$ 18,00



ERA DOS EXTREMOS - O BREVE SÉCULO XX - 1914-1991
ERIC HOBSBAWM
COMPANHIA DAS LETRAS
(1995)
R$ 45,00





busca | avançada
37376 visitas/dia
1,1 milhão/mês