Como medir a pretensão de um livro | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
41731 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
>>> Steve Jobs em 1997
>>> Jeff Bezos em 2003
>>> Jack Ma e Elon Musk
>>> Marco Lisboa na Globonews
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Entre a crise e o espectro do humor a favor
>>> Dicas para a criação de personagens na ficção
>>> Tiros, Pedras e Ocupação na USP
>>> Oficina de conto na AIC
>>> Crônica em sustenido
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> O julgamento do mensalão à sombra do caso Dreyfus
>>> Retomada do crescimento
>>> Drummond: o mundo como provocação
>>> Cigarro, apenas um substituto da masturbação?
Mais Recentes
>>> Manual de Boas Práticas em Ensaios Clínicos de Conceição Accetturi, David Salomão Lewi e Greyce Balthazar Lousana pela Usp (1997)
>>> Filho do Sol de Savitri Devi pela Renes (1981)
>>> Encontros com o Insólito de Raymond Bernard, F. R. C. pela Renes (1970)
>>> Introdução à Filosofia da Rosacruz Áurea de J. van Rijckenborgh pela Escola Espiritual da Rosacruz Áurea (1982)
>>> Biografias de Personalidades Célebres de Prof. Carolina Rennó Ribeiro de Oliveira pela do Mestre (1970)
>>> As Últimas Horas de Gibran de Kahlil Gibran pela Nova época (1980)
>>> El Misterio De Los Templarios de Louis Charpentier pela Bruguera (1970)
>>> Valongo Arte e Devoção de Ana Maria C. Silva De Biasi, Elias Jorge Tambur e Maria Rabello da Motta pela A Tribuna (1995)
>>> Eu, Detetive O Caso do Sumiço de Stella Carr e Laís Carr Ribeiro pela Moderna (2003)
>>> Dinheiro Público e Cidadania de Silvia Cintra Franco pela Moderna (1998)
>>> Quando o espiritual domina de Simone de Beauvoir pela Nova Fronteira (1980)
>>> Coração de Vidro de José Mauro de Vasconcelos pela Melhoramentos (1972)
>>> Transformadores de Alfonso Martignoni pela Globo (1981)
>>> Guia Técnico do Alumínio - Extrusão de Associação Brasileira do Alumínio pela Tecnica (1990)
>>> História da Literatura em Santo André de Tarso M. de Melo pela Fundo de cultura de santo andré (2000)
>>> Cinco Minutos - A Viuvinha de José de Alencar pela Ática (2001)
>>> O Mochileiro das Galáxias - Volume 4 de Douglas Adams pela Arqueiro (2010)
>>> Amo Poesia de J. Dellova pela Do escritor (1989)
>>> Folhas aos Ventos Maçônicos de Breno Trautwein pela A Trolha (2000)
>>> Os Segredos dos Construtores de Maurice Vieux pela Difel (1977)
>>> Antigos Manifestos Rosacruzes de Joel Disher pela Amorc (1982)
>>> Breve História da Maçonaria de Rubens Barbosa de Mattos pela A Trolha (1997)
>>> Por Mares há Muito Navegados de Álvaro Cardoso Gomes pela Ática (2002)
>>> Isso Ninguém me Tira de Ana Maria Machado pela Ática (1996)
>>> Um Dono para Buscapé de Giselda Laporta Nicolelis pela Moderna (1996)
>>> Encontro com os Deuses de Jaime Guedes pela Mandála (1978)
>>> E se? de Super Interessante pela Abril
>>> Eu não consigo emagrecer de Dr. Pierre Dukan pela Best Seller
>>> Linha D'agua de Amyr Klink pela Companhia das Letras
>>> Sal, Açúcar, Gordura de Michael Moss pela Intrínseca (2019)
>>> O mundo contemporâneo de Demétrio Magnoli pela Moderna
>>> 1001 Provérbios de Oswaldo Herrera pela A Gazeta Maçônica (1981)
>>> Contato de Carl Sagan pela Companhia das Letras
>>> E foram felizes para sempre de Dr. Gary e Barbara Rosberg pela Não sei
>>> Radicalize de Alex e Brett Harris pela Graça editorial
>>> A guerras da memória de Frederick Crews pela Mãe Terra
>>> Uma morte muito suave de Simone de Beauvoir pela Nova Fronteira (1984)
>>> Guia de Leitura Rápida de William Douglas pela Campus
>>> A dieta do tipo sanguíneo de Peter J. D'adamo pela Campus
>>> Para Ler e Guardar de Hermann Hesse pela Record (1975)
>>> Nutrição no esporte de Patrícia Postilione Appolinário pela Martinari (2019)
>>> Coleção Para Ler Freud de Diversos pela Não sei (2019)
>>> Einstein O Enigma do Universo de Huberto Rodhen pela Martin Claret (2019)
>>> Como Um Mistico Amarra os Seus Sapatos (O Segredo das Coisas Simples) de Lorenz Marti pela Vozes (2008)
>>> Sagas de Heróis e Cavaleiros - Vol 2 de Martin Beheim-Scwarzbach pela Paz e Terra (1997)
>>> O Aprendiz de Assassino de Robin Hobb pela Leya (2019)
>>> Atlas Ilustrado: Fichas Interativas (capa 3d/ pags duplas) de Andrea Pinnington e Marie Greenwood pela Ediouro (2002)
>>> Retrato do Brasil (vol. Ii): da Monarquia ao Estado Militar de Mino Carta: Diretor de Redação pela Política Edit./ Sp. (1984)
>>> Marterworks of Man & Nature: Preserving Our World Heritage de Mark Swadling: Diretor Management pela Globe Press/ Australia (1992)
>>> Tania Castelliano e J. Cabral de Entenda Seus Conflitos e Livre-se Deles pela Record (2002)
COLUNAS

Sexta-feira, 10/5/2019
Como medir a pretensão de um livro
Ana Elisa Ribeiro

+ de 2400 Acessos

Mal escrevi este título e já me arrependi. Não sei se o livro tem culpa no cartório. A pretensão pode ser do autor ou da autora, do editor ou da editora, do departamento de marketing ou de quem mais houver envolvido no empreendimento, seja ele de grande ou de pequeno porte. Culpei o objeto livro por algo que ele apenas materializa. Humanizei, antropomorfizei, mas o intuito era comentar (e apenas isso) minha percepção sobre alguns livros que leio, desleio, releio, transleio e mesmo dos que desprezo na estante, até que me venha uma gana qualquer de lê-lo.

O que chamei de "pretensão" pode ser sinônimo de "presunção" e mesmo de "arrogância". Mas também pode significar "desespero", "despreparo", "exagero" e um tantinho de falta de noção. De maneira mais simples e direta, pode ser só uma pergunta: o que este livro/autor(a) pretende? Vai saber. Só mesmo nos bastidores de uma produção editorial de livro é que se pode compreender o que de fato ocorreu. E daí? Apenas terá ocorrido.

Livros são objetos tão antigos quanto complexos. Não vou aqui me aprofundar nessas questões tecnológicas, sociais, sociológicas. O que quero deixar posto é que se trata de um objeto compósito. Não é apenas uma coisa qualquer, não é apenas um emaranhado de textos. Um livro (e sua existência material) é tão político quanto sinal de resistência, persistência, insistência. A despeito de qualquer força contrária, os livros existem. Com eles, seus escritores e seus leitores, menos duradouros do que o objeto, como sabemos.

Para existir bem, é comum que um livro seja integrado por vários textos, além do "principal". Prefácio, introdução, apresentação, orelhas, quarta capa, posfácio e o que mais existir que possa compor, emoldurar, contextualizar, avalizar e mais... um texto que às vezes é de um iniciante, outras vezes, não. Em caso de escritor conhecido, pode ser que esses paratextos (para usar o termo de Genette) sirvam para analisar, historiar, elevar ainda mais a obra. É quando tomamos para ler um poemário do Manuel Bandeira e ele vem com um prefácio inteligente de um estudioso universitário, como que a nos ajudar a compreender aquela obra. Um pouco de aula, um pouco de contextualização, um tanto de explicação.

No caso de escritores iniciantes, ocorre algo parecido, mas a troca simbólica é mais assimétrica. Um nomão da universidade ou um crítico badalado emprestam suas assinaturas a prefácios ou orelhas que avalizam o texto principal, os poemas, contos ou o romance, a fim de "dar um pezinho" ao autor que ali se joga no palheiro da literatura nacional, seja ela qual for.

Funciona. Muitas vezes, o nomão ou a nomona ajudam a alçar o iniciante a "promessa da nova geração". Muitas vezes, tudo fica apenas na promessa, porque são muitos os elementos que levam alguém ao cânone. No entanto, esses mecanismos (que chamam por aí de legitimadores ou tais) estão aí e mantêm a marcha, desde que o mundo é mundo e tem livros com que se preocupar. Um iniciante geralmente vai em busca de um(a) fiador(a) relevante, que o/a ajude a se destacar ou ao menos a convencer os resenhistas e os colegas de labuta. É uma espécie de QI (quem indica) literário e que não tem demérito por existir. Qual é o problema de dizer que alguém é promissor ou que vale a pena prestar atenção?

Meu incômodo é quando sobra. Sobra prefácio, posfácio, orelha e falta miolo. Quando há tanto o que ler antes e depois que nossas expectativas ficam altas demais para pouco material. Livros feitos com tantos paratextos que nos fazem desconfiar de suas possibilidades: precisam falar tanto assim? Livros que vêm com trechos da fortuna crítica em jornais e revistas, livros excessivamente cercados, livros em que o autor e/ou o editor juntam tudo o que há que possa testemunhar a genialidade do postulante a novo(a) escritor(a) canônico. Quando me parece demais, a santa desconfia.

Mas não quero pisar no calo dos(as) colegas. Já fiz isso. Já encomendei prefácio chique, já pedi ajuda de celebridade, já recortei matérias de jornais em que diziam como eu era interessante e como minha poesia era sagaz. Nunca adiantou muito. É claro que um ou outro reparou nos links, na network, mas nada disso me fez passar de uma promessa. E ainda estou com sorte: alguns não passam de mentiras.

Há certas editoras que têm tanta bala na agulha que podem inventar autores. Elegem um ou uma para ser o próximo "melhor romancista do século" e executam uma campanha de convencimento bastante efetiva. Já vi matéria em revista sobre livro de autor iniciante que ainda nem tinha sido lançado... mas já era o gênio do milênio. Mesmo com toda essa força de marketing e de mercadão, não há controle sobre o que realmente ocorrerá a um(a) autor(a) ou a um livro. Todo esforço pode ser vão.

Li alguns livros de poesia nos últimos meses, um ou dois romances, um livro de contos e outro de crônicas. A maioria de editoras pequenas, muitas fora do eixão-mais-do-mesmo. A ideia é ser afetada pela diversidade que há e pelo que acontece, fervilha, em todos os cantos do país. A ideia é também falar do que precisa ser visto e falado; deixar o que e quem não precisa por conta dos que só enxergam o metro adiante. Em vários casos, paratextos levantam autores e obras, a ver se alguém corta e faz ponto. Nem sempre acontecerá. Na maioria dos casos, não. Em alguns deles, o excesso de fiadores torna o livro pretensioso, o que pode não cair bem.

A pretensão ou a presunção podem estar na linguagem de uma obra, mas também na sua apresentação, na forma como ela vem ao mundo, rodeada de padrinhos e madrinhas de maior ou menor capital simbólico. Em alguns casos, nomes regionais; em outros, figuras amplamente conhecidas. E essas escolhas vão afetar um livro para sempre. Conheço quem opte sempre por publicar livros "secos", despidos de quaisquer paratextos que os distorçam ou emoldurem; conheço quem prefira ser apresentado(a), convidando professores, críticos e outros escritores(as) a entregar o texto ao(à) leitor(a); e conheço quem tenha tomado decisões erradas, erradíssimas, e tenha sido marcado de tal forma que o que era para ser um texto fiador ou de apresentação se transformou em um estigma.

Mas quando é que um livro diz por si mesmo? O que é a mínima existência de um livro e de seu(sua) autor(a)? Ter uma editora X ou Y já envolvem aval, fiança, confiança. E não ter nada? Ou ter em excesso? Enfim, esse "mercado" já foi tema de muitos poemas, de maneira irônica ou não, e continuará sendo. Sorte de quem se apoia nos elementos certos, na justa medida de um bom livro.


LeP



Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 10/5/2019


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2019
01. 2 leituras despretensiosas de 2 livros possíveis - 22/3/2019
02. Treliças bem trançadas - 26/7/2019
03. Manual para revisores novatos - 21/6/2019
04. Crônica em sustenido - 5/7/2019
05. Famílias terríveis - um texto talvez indigesto - 15/3/2019


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ESQUERDA ARMADA: A LUTA CONTINUA
LUZIMAR NOGUEIRA DINIZ
EDIÇÕES DO LEITOR
(1979)
R$ 60,00



A SAGA DE PENEDO: A HISTÓRIA DA COLÔNIA FINLANDESA NO BRASIL
EVA HILDÉN
FOTOGRAFIA BRASILEIRA
(1989)
R$ 29,00



SELEÇÕES DO READERS DIGEST DE FEVEREIRO DE 1969
TITO LEITE (REDATOR RESPONSÁVEL)
YPIRANGA
(1969)
R$ 7,00



STUPID WHITE MEN - UMA NAÇÃO DE IDIOTAS
MICHAEL MOORE
FRANCIS
(2001)
R$ 29,90



ANUÁRIO DO MUSEU IMPERIAL PETRÓPOLIS RJ VOLUME 33
MUSEU IMPERIAL
MUSEU IMPERIAL
(1974)
R$ 46,18



LIVRO ATLAS DO CORPO HUMANO BARSA
VIGUÉ-MARTÍN
BARSA PLANETA
(2010)
R$ 205,00



O MUNDO DE SOFIA
JOISTEIN GAARDER
CIA DAS LETRAS
(1995)
R$ 18,00



INCLUSÃO ESCOLAR: NÃO ACONTECE COMO VOCÊ IMAGINA
LEONARDO CONCEIÇÃO GUIMARÃES
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 349,00



FÉ & COMPROMISSO
FREI BATTISTINI
DO AUTOR
(1984)
R$ 5,46



NAPOLÉON
HENRI CALVET
PUF (PARIS)
(1956)
R$ 22,82





busca | avançada
41731 visitas/dia
1,1 milhão/mês