Crônica em sustenido | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
55403 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Nos 30 anos, Taanteatro faz reflexão com solos teatro-coreográficos
>>> ‘Salão Paulista de Arte Naïf’ será aberto neste sábado, dia 27, no Museu de Socorro
>>> Festival +DH: Debates, cinema e música para abordar os Direitos Humanos
>>> Iecine abre inscrições para a oficina Coprodução Internacional para Cinema
>>> MAB FAAP recebe a exposição Ensaios de Inclusão
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
Últimos Posts
>>> Desigualdades
>>> Novembro está no fim...
>>> Indizível
>>> Programador - Trabalho Remoto que Paga Bem
>>> Oficinas Culturais no Fly Maria, em Campinas
>>> A Lei de Murici
>>> Três apitos
>>> World Drag Show estará em Bragança Paulista
>>> Na dúvida com as palavras
>>> Fly Maria: espaço multicultural em Campinas
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Pink Floyd 1972
>>> Borges e Osvaldo Ferrari, Diálogos
>>> The Book of Souls
>>> Cidade de Deus, de Paulo Lins
>>> O melhor de 2008 ― literatura e cinema
>>> Depressão
>>> Útil paisagem
>>> Tradução e acesso
>>> A proposta libertária
>>> Francis Ford Coppola
Mais Recentes
>>> Exegese Logosófica de Carlos Bernardo González Pecorche pela Logosófica (2006)
>>> Linha Convergentes - Poesia de Vs Andersen pela Thesaurus (2015)
>>> Ver de Novo - História Sobre o Meio Ambiente de Alberto Caeiro e Outros pela Ática (2013)
>>> Fio de Salma Silva pela Cânone (2003)
>>> Organize Sua Vida de Donald Weiss pela Nobel (1992)
>>> Mulheres Ambiciosa Caminham Mais de Debra Condren pela Gente (2007)
>>> A Teoria das Janelas Quebradas de Drauzio Varella pela Companhia das Letras (2010)
>>> O Zaratustra de Nietzsche de Pierre Héber Suffrin pela Zahar (1991)
>>> Quenco, o Pato de Ana Maria Machado pela Ática (2006)
>>> Gerenciando sem Recorrer a Soluções Paliativas de Ralph H Kilman pela Qualymark (1991)
>>> Bianco Clara, Karina-um Só Caminho de Elly da Costa Capalbo pela Ide (2014)
>>> De Asas, Espelhos e Princessas de Maria da Glória Barbosa pela não consta (2010)
>>> A Noiva da Esplanada de Jô Pessoas pela Do Autor (2009)
>>> Travessura da Menina má - Edição de bolso de Mario Vargas Llosa pela Bestbolso (2010)
>>> Gerência deProdutos de Fauze Jajib Mattar pela Atlas (2003)
>>> O Rei Branco de Gyorgy Dragoman pela Intrínseca (2005)
>>> Crespúsculo de Stephenie Meyer pela Intrinseca (2009)
>>> Anotomia do Poder de J Kenneth BGalbraith pela Pioneira (1984)
>>> Afonso Arino na Unb de Unb pela Unb (1981)
>>> Seis Regras Subversivas para Fazer um Relacionamento Durar de William Nagler e Anna Sndroff pela Nobel (1993)
>>> Gestão de Custo de Carlos Ubiratan da Costa Schier pela Ibpex (2011)
>>> A Arte de Superar Problemas de Charles Stanley pela Thamas Nelson Brasil (2007)
>>> 7 volumes da Obra Completa do Padre Antônio Vieira de Padre Antônio Vieira pela Loyola (2018)
>>> Empresários Vencedores e Suas Historia de Sucesso de Sebrae pela Sebrae (2002)
>>> As Parábolas de Jesus de Elio Guerreiro e Maria Steiner pela Paulinas (2010)
COLUNAS

Sexta-feira, 5/7/2019
Crônica em sustenido
Ana Elisa Ribeiro

+ de 4500 Acessos

Nenhum deles está morto. Falar com os verbos no passado é apenas uma questão de: passado. Os tempos são outros e já não convivemos mais. Não na mesma casa, sob o mesmo teto, à mesma mesa de tampo de pedra, sob o olhar duro do mesmo pai. Nos dias que correm, o que fazemos é tentar, sem muito esforço, que haja uma coincidência num dia qualquer, entre as chegadas e saídas de cada um, ou, noutro esquema, combinar detalhadamente o almoço de alguma data festiva.

No pretérito-quase-perfeito, éramos quatro irmãos: dois e duas, intercalados, com diferença de mais ou menos dois anos entre nossas datas de aniversário. Decorre disso que éramos uma farta "escadinha", até rara, já que ter mais três irmãos já não era comum entre os nascidos depois de 1970. Não nos centros urbanos. E tínhamos infância de interior, conforme diziam, imodestamente, uma vez que andávamos de velocípede na rua, desfrutávamos de quintal gramado, temíamos dois cachorros grandes e jogávamos vôlei sob redes armadas bem no meio da via, sem grandes preocupações.

Desses dias de convívio, em que a marcha da trupe era regida pelos horários de escola uniformes, pouco restou. Mas lembro bem dos comentários de minha mãe sobre nossas chegadas em casa, quando passamos a ficar cada vez menos sincronizados, à medida que nos tornávamos adultos.

Meu irmão, o segundo, foi sonoplasta, sempre. Ao enfiar a chave na porta da casa, uma porta enorme, de duas folhas, que rangia muito e propositadamente, ele vinha sempre fazendo algum som ou barulho com a boca, algo que se avizinhasse de um silvo, um pio, uma derrapada, um cavalo-de-pau, um motor de fusca ou de enceradeira, uma trilha de filme de terror, uma voz de desenho animado, uma sirene de polícia ou dos Bombeiros. De modo que minha mãe, lá da cozinha, um lance abaixo, sabia: Sé chegou. E era, sempre era. Mas não prestávamos mais atenção do que ela.

Minha irmã, a terceira em linha, abria a porta com determinado jeito de mexer na chave e fazia algum chamamento, de maneira que era possível, em especial à minha mãe, identificá-la. E dizia, com certeza: Ti chegou.

Eu, a primogênita, mira de todas as trovoadas desde criança, dizem que abria a porta sempre a cantarolar. Minha mãe chegou a descobrir que, na verdade, já adulta e de posse de uma gloriosa CNH, eu chegava cantando o restante da música que estivesse tocando no som do carro. E era. Nem eu sabia. Se fosse um rock, sucedia o barulho das minhas chaves a continuação do rock; se fosse uma bossa, mantinha-a; se fosse um jazz, era ele, afinal, que entrava em casa comigo. E assim minha mãe dizia a quem com ela estivesse: Li chegou.

Mas ao caçula isso não ocorria. E era a tristeza de minha mãe, uma delas. O caçula sempre em silêncio, difícil de identificar, calado feito um pingo d'água prestes. E minha mãe se entristecia e dizia: Bé chegou, mas nem um pio.

Um dia, no entanto, sabe-se lá por quê, o irmão mais novo cantarolou. Emitiu lá não sei quantos trechos de uma canção, nem sei qual. Provavelmente algo distante do meu próprio gosto musical. Mas a mãe percebeu. Ou ele assobiou? Não sei mais. Só sei que era música. E que minha mãe sentiu uma alegria impressionante. Ela se arrepiou, suspeito até. Mas eu vi: ela chorou. Ela ficou tão alegre, mas tão feliz com aquilo, com aquela cantarolada, que ela me disse: o Bé cantou! E ficou nessa alegria por muito tempo ou algum, não sei. E eu fiquei assim impressionada, como quem descobre uma coisa ótima qualquer. Eu, na verdade, nem reparava nisso, em nada disso. Mas uma mãe repara, na maioria das vezes e das mães. E ela ficou aliviadíssima. O caçula cantou ou assobiou, assim, como fazem as pessoas quando estão de bem com a vida ou quando estão absortas e conseguem então cantarolar. Aí eu descobri que para ela, minha mãe, música era coisa de gente feliz. E era. Era o que ela achava e ainda acha.

A senhora que trabalha em minha casa vem varrer e passar roupas enquanto eu trabalho e ensino redação aos filhos dos outros... porque nós, mulheres, estamos sempre a trocar de lugar, nós mesmas, e sempre meio reféns de quem não está direito nessa roda da vida ordinária... Ela canta sem parar. Ela assobia, mas ela cantarola muito mais, com letra e tudo. E nem faz isso mal. Ela tem um gosto musical que não me agrada, mas ela cantarola, ela faz isso ao varrer, ao lavar uma xícara, ao passar uma blusa e um pouco antes de falar qualquer coisa comigo, quando vamos combinar sobre a vida e o tempo. Ela canta. E recentemente ela me disse, muito-muito feliz, que entrou para o coral da igreja que frequenta. E que o pastor ensina a empostar, ensina as notas, ensina a cantar bem e que agora ela veste uma roupa especial para integrantes do coral. E a felicidade dela é inebriante. Minha mãe tinha razão, mas mais ou menos: música deixa a pessoa feliz.

Eu já fui cantora. Fui vocalista de banda de rock e ensaiava todo fim de semana. Passava horas e horas, em especial aos domingos, cantando as mesmas canções, repetindo até ficar bom. Eu chegava lá naquele terraço onde a banda se reunia e o mundo podia estar cinzento. Eu cantava, ensaiava e saía de lá de outro jeito. Fazia diferença sim. Eu parei de cantar porque a vida ordinária me engoliu e eu acho que tudo piorou sensivelmente. Não que os males se espantem com cantorias, isso nem é verdade direito, mas cantar me exigia certa paz.

Não sei mais direito se o Sé continua sonoplasta. Provavelmente, sim. A Ti provavelmente faz menos barulho, embora ela goste de falar, que também costuma espantar alguns males, uns poucos, e provocar outros. O Bé eu nunca mais ouvi cantarolar, mas ele nem mora mais aqui. E eu... continuo, já reparei, emendando a letra das canções que ouvi no carro, enquanto volto pra casa, tentando fugir da estupidez dos engarrafamentos. A vida é muito besta mesmo. Mas como é bom ter de quem gostar. Como é.

LeP



Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 5/7/2019


Quem leu este, também leu esse(s):
01. É Tabu, Ninguém Quer Saber de Marilia Mota Silva
02. Eu e o cursinho pré-vestibular de Ana Elisa Ribeiro


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2019
01. Treliças bem trançadas - 26/7/2019
02. Outros cantos, de Maria Valéria Rezende - 13/9/2019
03. Manual para revisores novatos - 21/6/2019
04. 2 leituras despretensiosas de 2 livros possíveis - 22/3/2019
05. Crônica em sustenido - 5/7/2019


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Tantas Histórias no Escurinho da Escola
Edson Gabriel Garcia
Ftd
(1996)



Do éden ao éden
Gil Felippe
Senac
(2008)



Capitão Cueca e o ataque das privadas falantes
Dav Pilkey
Companhia das Letrinhas
(2013)



O Coyote Magazine - 141 à 150
J. Mallorqui
Monterrey
(1964)



O Orçamento
Eric Parloe; Raymond Wrigth
Nobel
(2001)



Desbravando o Pic
David josé de souza
Érica
(2006)



Alzheimer: exercícios para estimular o cérebro
Fundamento
Fundamento
(2021)



Três Tesouros e Três Piratas
Malgorzata Strzalkowska
Salvat
(2011)



A Moreninha
Renata Pallottini
Scipione
(2003)



Doutrina Secreta Gnóstica
Karl Bunn
Edisaw
(2012)





busca | avançada
55403 visitas/dia
2,2 milhões/mês