Meio-dia no Rio de Janeiro | Marta Barcellos | Digestivo Cultural

busca | avançada
80183 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Contos do Índio e da Floresta estreia dias 03 e 04 de outubro na Sympla Streaming
>>> “Conversa de Criança – Coronavírus” discute o acolhimento das emoções das crianças durante pandemia
>>> São Paulo ganha grafitti gigante que propõe reflexão sobre igualdade racial
>>> Buena Onda Reggae Club faz maratona de shows online a partir de 1ª de outubro
>>> Filó Machado e Felipe Machado dividem o palco em show online pelo CulturaEmCasa
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Meu malvado favorito
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I
>>> Contentamento descontente: Niketche e poligamia
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
Colunistas
Últimos Posts
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> Sucharita Kodali no Fórum 2020
>>> Leitura e livros em pauta
>>> Soul Bossa Nova
>>> Andreessen Horowitz e o futuro dos Marketplaces
>>> Clair de lune, de Debussy, por Lang Lang
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Stock Pickers ao vivo na Expert 2020
Últimos Posts
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
>>> Deu branco
>>> Entre o corpo e a alma
>>> Amuleto
>>> Caracóis me mordam
>>> Nome borrado
>>> De Corpo e alma
>>> Lamentável lamento
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O melhor de 2008 ― literatura e cinema
>>> The perfect servant
>>> Trauma a ser evitado
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> 28 de Abril #digestivo10anos
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> O jornalismo que dá nojo
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> Útil paisagem
Mais Recentes
>>> Um de Richard Bach pela Record (1988)
>>> Os Grandes Clássicos da Literatura: Elogio da Loucura - O Livre Arbítrio de Erasmo de Roterdã – Artur Schopenhauer pela Novo Brasil (1982)
>>> Esconde-Esconde de James Patterson pela Best Seller / Círculo do Livro (1997)
>>> Sherlock Holmes: O Ritual Musgrave e Outras Aventuras de Sir Arthur Conan Doyle pela Melhoramentos (2006)
>>> Platero e Eu de Juan Ramón Jimenez pela Rio Gráfica (1987)
>>> O Original de Jean-Jacques Fiechter pela Record (1996)
>>> Aura de Carlos Fuentes pela L&PM (1981)
>>> As Ninfas do Vale de Gibran Khalil Gibran pela Catavento (1978)
>>> A Brincadeira de Milan Kundera pela Nova Fronteira (1986)
>>> A Rainha de Provence de Jean Plaidy pela Record (1993)
>>> Esfinge de Robin Cook pela Círculo do Livro (1987)
>>> Cérebro de Robin Cook pela Círculo do Livro (1997)
>>> A Ira dos Anjos de Sidney Sheldon pela Nova Cultural (1985)
>>> Nada Dura Para Sempre de Sidney Sheldon pela Círculo do Livro (1998)
>>> Um Estranho no Espelho de Sidney Sheldon pela Círculo do Livro (1987)
>>> O Outro Lado da Meia-Noite de Sidney Sheldon pela Círculo do Livro (1989)
>>> Palavras que Curam - A força terapêutica das hist. bíblicas de Walther H, Lechler/Alfred Meier pela Prestígio (2006)
>>> A História da Primeira Guerra Mundial. 1914-1918 - Com 4 Volumes de David Stevenson pela Novo Século (2018)
>>> Wild Cards: Ases Nas Alturas - Livro 2 de George R. R. Martin pela Leya (2013)
>>> Wild Cards: Guerra aos Curingas - Livro 9 de George R. R. Martin pela Leya (2018)
>>> Wild Cards: Luta de Valetes - Livro 8 de George R. R. Martin pela Leya (2017)
>>> Wild Cards: Ás na Manga: Livro 6 de George R. R. Martin pela Leya (2017)
>>> Pense e Enriqueça - para Mulheres Texto Completo de Sharon Lechter pela CDG Grupo Editorial (2017)
>>> Atitude Mental Positiva de Napoleon Hill pela CDG Grupo Editorial (2015)
>>> O Caso dos Dez Negrinhos de Agatha Christie pela Círculo do Livro (1975)
>>> Mistério no Caribe de Agatha Christie pela Nova Cultural (1964)
>>> Sebastiana Quebra Galho Guia Prático das donas de casa 16ªed. de Nenzinha Machado Salles pela Civilização Brasileira (1994)
>>> Assassinato no Expresso do Oriente de Agatha Christie pela Nova Fronteira
>>> Cem Anos de Solidão de Gabriel García Marquez pela Sabiá (1971)
>>> Melhor que comprar sapatos de Cristiane Cardoso pela Unipro (2015)
>>> Imposto sobre a propriedade territorial rural de Dejalma de Campos pela Atlas (1993)
>>> Archi de soleil de Patrick Bardou e Varoujan Arzoumanian pela Parenthèses (1978)
>>> Passo a passos de Ioberto Tatsch Banunas pela Sulina (1997)
>>> A máquina de fazer espanhóis- 2ª ed. de Valter Hugo Mãe pela BIblioteca Azul- Globo (2016)
>>> Memórias 2º volume - A Aliança Liberal e a Revolução de 1930 de João Neves da Fontoura pela Globo (1963)
>>> Sofrimento como lidar? de Adriano Rocha pela Conselho (2014)
>>> Manuscrito revista de Filosofia Volume II No 2 abril 1979 de Gérard Lebrun, Herman Parret, Yuval Lurie e outros pela Unicamp (1979)
>>> Ele ela 71 março 1975 de Diversos autores pela Bloch (1975)
>>> Tex especial de férias 10 de Mythos editora pela Mythos (2011)
>>> Novo Vocabulário Político Volume Um - Hegemonia e Pluralismo de Pedro Claudio Cunca Bocayuva; Sandra Mayrink Veiga pela Fase-Vozes (1992)
>>> Costos sociales de las reformas neoliberales en America Latina de Anita Kon / Catalina Banko / Dorothea Melcher / Maria Cristina pela Miguel Á. Garcia / Venezuela (2000)
>>> Ícone de Frederick Forsyth pela Record (1997)
>>> Câes de guerra de Frederick Forsyth pela Circulo do Livro (1974)
>>> Gre-nalzinho é sempre gre-nalzinho de Kalunga pela Maneco (2011)
>>> Receitas Comemorativas de Rede feminina de combate ao cancer pela Do autor (1999)
>>> Sob Pressão de Bruce Hoverd pela Gente (2015)
>>> Ai comprei um bode e um bezerro de Nilton Ferreira pela Kirios (2013)
>>> Casa de vó é sempre domingo de Marina Martinez pela Nova Fronteira (2014)
>>> O mundo de Sofia de Jostein Gaarder pela Jostein Gaarder (1996)
>>> Introdução à psicologia vol. 100 de Ernest R. Hilgard / ///Richard C. Atkinson pela Nacional (1979)
COLUNAS

Sexta-feira, 1/7/2011
Meio-dia no Rio de Janeiro
Marta Barcellos

+ de 2600 Acessos

Primeiro vamos lembrar: eu posso falar mal do Rio, mas você não. É o combinado, principalmente com os paulistas. Mas saiba que mesmo quem tem carta branca, certidão atestando a gema como origem da autêntica carioquice, sofre hoje da dificuldade de reclamar. Ignoramos a página policial, nos adaptamos ao custo Rio-2016 expresso na conta do restaurante com cinco anos de antecedência e acreditamos que o trânsito está infernal mas os benefícios serão permanentes. Para não perder o hábito, falamos dos bueiros que explodem na cidade, que absurdo - para emendar que "Bueiro da Light" virou o drinque do momento, explosivo no bom sentido, segundo o bartender. Sabe como é, somos inteligentes e bem humorados, sempre.

Claro que às vezes ficamos um pouco confusos. Tudo era exatamente o contrário, até poucos anos atrás. Queríamos retornar ao tempo de quando éramos corte, ou pelo menos capital federal; de quando nossos governantes tinham projeção nacional e não eram motivo de piada. Queríamos de volta os morros celeiros de sambistas, e não de bandidos, a estética da pobreza urbana e pacata enfeitando, e não desmatando a paisagem. Mas não havia mágica nem máquina do tempo: o jeito era blindar o vidro da sala, seguir para o aeroporto, aguentar os comentários dos paulistas.

Em um piscar de olhos, tudo mudou - a cidade, o país, a distância em relação ao primeiro mundo já não tão rico assim. Mais do que o brasileiro em geral, o carioca superou o complexo de vira-latas, recuperou a autoestima perdida nos arrastões e só não subiu no salto alto porque bacana no Rio é andar de chinelo e bermuda - e ser imitado pelos turistas. Os estrangeiros sempre estiveram por aqui, desde os tempos de Carmem Miranda e Zé Carioca, mas nunca foram tão constantes. Carnaval, abril, julho, faça chuva ou faça sol, eles continuam perambulando pelo calçadão. E estão diferentes.

Talvez abalados pela crise financeira, a nova ordem econômica mundial, o trauma do 11 de setembro, sabe-se lá. O fato é que os gringos agora são mais humildes e discretos, tentam se camuflar, já não usam camisas floridas e cafonas. Estão menos interessados nos shows de mulatas do que em flanar pelos bares onde serão mal tratados por garçons que não falam inglês. Não somos apenas mais um paraíso tropical, mas o país de Giseles e havaianas, o país do futuro que afinal chegou lá. É engraçado ver europeias branquelas tentando parecer cariocas, saindo de chinelos justo no dia de inverno em que chove e as botas (sem salto, claro) explodem as poças nas calçadas. Parecem as brasileiras em Paris, antigamente, quando tudo era ao contrário, tentando dar de o nó certo na echarpe que mal sabiam usar.

Nós, cariocas, poderíamos estar irritados, como os parisienses que precisam driblar grupos de excursões para apreciar seus museus. Junto com o turismo e a cotação do real, nossos preços dispararam, nosso café preferido agora está lotado, e não são poucos os cariocas expulsos da zona sul por aluguéis galopantes. Poderíamos, mas não estamos. Somos apenas blasé, sem o mau humor francês, e disfarçamos bem o nosso orgulho, da mesma forma que sempre fingimos não ver os artistas da televisão empurrando carrinhos de bebê. Ah, sim, é verdade; nossa cidade é mesmo maravilhosa.

Mas a mudança foi rápida demais, como já foi lembrado. E existem os distraídos, sem falar nos nostálgicos empedernidos. Talvez sem tanto contato com os elogios externos, ou ainda influenciados pela politização das boas notícias nas últimas eleições, estes podem embarcar no bonde do passado, como no novo filme de Woody Allen. Ao meio-dia eles sobem no estribo que leva a Santa Teresa, equilibram-se sobre o Rio Antigo, os Arcos da Lapa, sem notar a aglomeração de jovens alegres lá embaixo. Desfiam uma ladainha chorosa sobre os bons tempos, estes sim bem retratados nas páginas de jornal, frequentadas por intelectuais e poetas de verdade. Os cronistas, ah, os cronistas não eram de internet - havia Rubem Braga. Aliás, o que era Copacabana, hein, diria o Zózimo, também colunista que não se encontra mais. O Rio ingênuo e sofisticado da bossa nova, repisado agora por documentários, era tão mais fácil de decifrar do que o Rio do funk.

Da Copacabana de Rubem Braga, não sei. Mas do Leblon de Manoel Carlos posso contar. Como o personagem que lembra, em Meia-noite em Paris, que a vida não devia ser fácil antes do antibiótico e da anestesia no dentista, vou ressaltar que era difícil até para artista global empurrar carrinho de bebê na calçada. Os carros ficavam em cima delas. Trinta anos atrás, o bairro era bem chinfrim, tomado por pontos finais de ônibus, e qualquer comparação com o charme parisiense ou nova-iorquino passaria por piada. A praia vivia poluída por esgoto, imprópria para banho - isso quando não se sentia o cheiro da mortandade de peixes da Lagoa Rodrigo de Freitas. Passear de bicicleta na Lagoa, jamais: não havia ciclovia nem quiosques, e o assalto era certo.

Por essas e muitas outras, pego o bonde de volta. Admito que precisei ficar uns anos fora, para ter o distanciamento necessário. Não me iludo com o oba-oba da Copa e da Olimpíada, e nem creio que viraremos um dia o "antigo primeiro mundo" (e nem ele voltará a ser). Procuro fugir dos extremos. O meu Rio, como a Paris de Woody Allen, nunca foi o do arrastão no Jornal Nacional, nem é hoje o do cartão postal em 3D na tela do cinema. Ele carrega as complexidades de seu passado, suas favelas, sua música, seu povo e sua elite. E oferece tanta diversão e contemplação que, vamos combinar de novo (principalmente com os paulistas), é bobagem perder tempo. Seja com desconfianças, política ou nostalgia.

Nota do Editor
Marta Barcellos mantém o blog Espuminha


Marta Barcellos
Rio de Janeiro, 1/7/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Nenhum Mistério, poemas de Paulo Henriques Britto de Jardel Dias Cavalcanti
02. On the Road, 60 anos de Luís Fernando Amâncio
03. Afinidade, maestria e demanda de Fabio Gomes
04. Quando amor e terra quase se confundem de Elisa Andrade Buzzo
05. O ato de criação no texto dos artistas (Parte I) de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Marta Barcellos
Mais Acessadas de Marta Barcellos em 2011
01. A internet não é isso tudo - 14/1/2011
02. Entre livros e Moleskines - 11/2/2011
03. Somos todos consumidores - 8/4/2011
04. Em busca da adrenalina perdida - 4/3/2011
05. A novíssima arquitetura da solidão - 4/11/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




REUMATO VOLUME 3 AS VASCULITES AMILOIDOSE
MEDCURSO
MEDCURSO
(2010)
R$ 6,90



ART AT AUCTION - THE YEAR AT SOTHEBYS 1985-86
GEORGIA FOGG LOUISE BERG ( EDITORS )
SOTHEBYS PUBLICATIONS
(1986)
R$ 25,00



O AVÔ DE MARGARETH
VERA DIAS
LE
(1990)
R$ 6,90



REVISTA FILÓGICA VOL. 6 Nª 21
RUY ALMEIDA
ND
(1942)
R$ 19,84



SETE PICOS
DICK BASS E FRANK WELLS
MARCO ZERO
(1995)
R$ 8,89



DIÁLOGOS
CARLOS BERNANRDO GONZÁLEZ
LOGOSÓFICA
(2004)
R$ 6,00



JUVENTUDE EM VIENA - UMA AUTOBIOGRAFIA
ARTHUR SCHNITZLER
RECORD
(2015)
R$ 50,00



A SEMENTE E O FUTURO
BERNARD FLORENCE
FREITAS BASTOS
(1996)
R$ 5,00



QUESTÕES DE PSICOLOGIA E PEDAGOGIA
MANUEL VIEGAS ABREU
LIVROS HORIZONTE
(1979)
R$ 16,75



ENCONTRO COM A VIDA
ROBSON PINHEIRO ( PELO ESPÍRITO ÂNGELO INÁCIO)
CASA DOS ESPÍRITOS
(2014)
R$ 57,20





busca | avançada
80183 visitas/dia
2,2 milhões/mês