Cinema de autor | Marta Barcellos | Digestivo Cultural

busca | avançada
53121 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Projeto lança minidocumentário sobre a cultura do Gambá na Amazônia
>>> Cinema itinerante leva sessões gratuitas a cidades do Sudeste e do Sul
>>> Artistas abrem campanha de financiamento para publicação de graphic novel
>>> Projeto que une cultura e conscientização ambiental traz teatro gratuito a Minas Gerais
>>> Show da Percha com Circo do Asfalto
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Jô Soares (1938-2022)
>>> Casos de vestidos
>>> Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
Colunistas
Últimos Posts
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
Últimos Posts
>>> Direitos e Deveres, a torto e a direita
>>> Os chinelos do Dr. Basílio
>>> Ecléticos e eficazes
>>> Sarapatel de Coruja
>>> Descartável
>>> Sorria
>>> O amor, sempre amor
>>> The Boys: entre o kitsch, a violência e o sexo
>>> Dura lex, só Gumex
>>> Ponto de fuga
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Cisne Negro: por uma inversão na ditadura do gozar
>>> Filosofia teen
>>> Extraordinary Times
>>> O melhor programa cultural
>>> As estrelas e os mitos
>>> Open Culture
>>> Conselheiros não se aconselham
>>> Sartre e a idade da razão
>>> O filósofo da contracultura
>>> O Presépio e o Artesanato Figureiro de Taubaté
Mais Recentes
>>> A guerra doa botões de Louis Pergaud pela Ediouro (1994)
>>> A árvore que dava dinheiro de Domingos Pellegrini pela Moderna (1982)
>>> A árvore que dava dinheiro de Domingos Pellegrini pela Moderna (1983)
>>> A árvore que dava dinheiro vol. 3 novela de Domingos Pellegrini pela Ática (2002)
>>> Artemis fowl de Eoin Colfer pela Record (2008)
>>> A estranha Madame Mizu de Thierry Lenaín pela Companhia das Letrinhas (2003)
>>> Sherlock Holmes em: Os seis bustos de napoleão e outras histórias de Arthur Conan Doyle pela L&PM Pocket (1999)
>>> Universidade das crianças/Cientistas explicam os enigmas do mundo de Ulrich Janben e Ulla Steuernagel pela Planeta (2008)
>>> A formulação de objetivos de ensino de Robert F. Mager pela Globo (1980)
>>> Avaliação institucional da universidade de Antônio Amorim pela Cortez (1992)
>>> O estudante de Adelaide Carraro pela Global (2003)
>>> Símbolos Antigos e Sagrados - Biblioteca Rosacruz XXIII de Ralph M Lewis F.R.C. pela Renes (1979)
>>> Ab-reação Análise dos Sonhos, Transferência de C. G. Jung pela Vozes (1999)
>>> Leitura de Estudo: ler para aprender a estudar e estudar para aprender a ler de Leda Tessari Catello Pereira pela Alínea (2003)
>>> Pfuenprinzessin de Indu Sundaresan pela Fischer (2005)
>>> Espiritualidade e Transcendência de C. G. Jung pela Vozes (2007)
>>> Deuses Americanos de Neil Gaiman pela Intrínseca (2016)
>>> Amaldiçoado de Joe Hill pela Arqueiro (2015)
>>> As Paixões da Ciência Estudo de História das Ciências de Nilton Japiassu pela Letras & Letras (1991)
>>> Corra, Alex Cross de James Patterson pela Arqueiro (2014)
>>> Manual da Felicidade de José Hermógenes pela Universo paralelo
>>> Amaldiçoadas de Jessica Spotswood pela Arqueiro (2014)
>>> Despertada - Série House Of Night 8 de P. C. Cast + kristin Cast pela Novo Século (2017)
>>> Doutrinados de Trisha Leaver; Lindsay Currie pela Gutenberg (2016)
>>> Mestre das Chamas de Joe Hill pela Arqueiro (2017)
COLUNAS

Sexta-feira, 26/8/2011
Cinema de autor
Marta Barcellos

+ de 4000 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Estrelado por Brad Pitt, o filme A árvore da vida foi exibido em alguns cinemas americanos com um alerta nas bilheterias de que não se tratava de uma narrativa convencional, portanto o dinheiro do ingresso não seria devolvido caso o espectador desistisse no meio da projeção. Esses americanos..., pensei e ri, quando li a respeito nos jornais.

Era o dia da estreia no Brasil, e segui para um convencional cinema da Zona Sul do Rio de Janeiro esperando uma plateia menos adestrada por narrativas lineares hollywoodianas. Sexta-feira, sala quase lotada, e bastaram alguns dos minutos em que o diretor Terrence Malick faz a sua fantástica viagem plástica e sonora em busca do sentido da vida (até uma criança entenderia a metáfora) para alguns marmanjos ensaiarem risinhos nervosos nas cadeiras. Um senhor que se sentava sozinho não aguentou e levantou-se, falando alto: "Que palhaçada, parece National Geographic". Foi acompanhado por um casal, e depois por outro. Não havia placa na porta do cinema brasileiro.

Que a relação do brasileiro com a cultura é cada vez mais parecida com a do americano, não resta dúvida. Não se perde o tempo de mastigar uma pipoca para entender e apreciar uma metáfora. A pipoca, por sinal, foi o grande constrangimento na última vez em que me vi numa estreia com um público equivocado, atraído pelo mocinho da tela. Era Um homem misterioso, com George Clooney, que, apesar de conter alguns dos silêncios mais expressivos que ouvi ultimamente no cinema, tinha na bilheteria um cartaz exibindo o galã numa pose 007 - no lugar do que deveria ser uma placa alertando sobre o fato de não se tratar de um filme convencional de suspense, com trilha sonora e explosões para disfarçar o objetivo de devorar baldes de pipocas.

Me precavi, quando fui assistir a Melancolia. Deixei passar a estreia - nada melhor do que um boca a boca desfavorável (do público pipoca) para selecionar a plateia - e escolhi um cinema do grupo Estação, última sessão. Resultado: sala pela metade, sem americanos hiperativos em volta. Consegui me concentrar desde as primeiras imagens, belíssimas, ao som de Tristão e Isolda, de Wagner, esquecida que já estava da plateia.

Melancolia e A árvore da vida são filmes polêmicos, difíceis, e que precisam ser vistos. Pelo menos por quem diz que gosta de cinema. Sou totalmente contra a mania politicamente incorreta (agora está na moda) de alguns preguiçosos saírem pichando obras porque ouviram falar que são "pretensiosas". Não assistiram. São os mesmos que se orgulham de dizer que não conseguiram "passar das primeiras páginas" do livro de algum autor revelado por um prêmio literário. Ninguém mais tem paciência para filme de autor - a exceção foi o último Woddy Allen, que por acaso fez uma fita palatável e ganhou a adesão de espectadores que não suportavam os seus diálogos, assim como não suportarão a falta deles no filme de Malick.

Lembro do tempo em que era ao contrário. Abandonar um livro nas primeiras páginas era motivo de vergonha. Ser intelectual era tão bacana que havia os "pseudos", pessoas que fingiam conhecer filosofia e ver profundidade em obras de arte que não compreendiam - aliás, para compensar podiam ver obra de arte em tudo. Agora, tudo o que sai ligeiramente do padrão fixado na fronteira entre arte e entretenimento (algo com um ritmo frenético "contemporâneo") é rapidamente descartado. Com uma piada ou um comentário de efeito na rede social. Não há espaço nem disposição para aceitar o autoral, para tentar entender o trabalho de um artista, nada disso - e nem precisa ser algo experimental para gerar a rejeição, que sequer configura-se realmente como rejeição. Ao menor sinal de estranhamento, simplesmente muda-se o canal, o objeto de atenção, afinal há tanto a consumir, tantos lançamentos nas livrarias e nos cinemas...

Os novos públicos parecem não estar sendo educados para apreciar aquilo que exige um pouco mais de atenção ou interpretação, como se todo o esforço fosse para a pipoca (para o consumo), como se o tempo picotado de hoje impedisse maiores reflexões. Culpa da escola, da tecnologia?

Talvez a origem do problema resida na crença, cada vez mais forte nas novas gerações, de que o esforço não leva a lugar algum. É para trouxas. Acredita-se em talento e em sorte. Caídos do céu. Hoje em dia, quem educa um filho tentando mostrar o valor da persistência e da determinação come um dobrado. O imediatismo reina. Como não acredito em talento que não seja lapidado, nem em sorte que não seja fruto de oportunidades batalhadas, sigo na contramão, e valorizo onde posso o "trabalho duro" de antigamente.

Consumir cultura, ao contrário de consumir grifes e serviços, exige esforço - antes, durante e depois. Mas vale a pena. Afinal, não foi à toa que, lá em cima, eu ri com certa piedade dos americanos afastados pelo alerta no cinema. Viver sem arte é muito triste, quase uma existência pela metade. Não tem quantidade de pipoca que compense.

Os dois filmes autorais (ainda) em cartaz desafiam a lógica do entretenimento fácil e - vou repetir - valem a pena. Não somente pelas imagens ou pela música, mas porque são instigantes (como se dizia no tempo dos pseudos e dos alienados). O filme acaba e você continua possuído pela história, que vai se revelando, com a potência que só as obras de arte têm. São obras-primas? Provavelmente não. Em A árvore da vida, não gostei da cena final, a la Nosso lar (os dinossauros não me incomodaram). Em Melancolia, não gostei de quando a personagem vivida por Kirsten Dunst estranhamente sai da depressão, para dizer algumas frases do autor sobre rituais. São as partes mais mastigadinhas, e de mastigadinha basta a pipoca.

E você, o que achou? Só não vale dizer que não viu e não gostou. Ou sair do cinema logo nas primeiras páginas...

Nota do Editor
Marta Barcellos mantém o blog Espuminha


Marta Barcellos
Rio de Janeiro, 26/8/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Sobre a literatura de Evando Nascimento de Jardel Dias Cavalcanti
02. As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e... de Renato Alessandro dos Santos
03. Alameda de água e lava de Elisa Andrade Buzzo
04. A desgraça de ser escritor de Luís Fernando Amâncio
05. O palhaço no poder de Luís Fernando Amâncio


Mais Marta Barcellos
Mais Acessadas de Marta Barcellos em 2011
01. A internet não é isso tudo - 14/1/2011
02. Entre livros e Moleskines - 11/2/2011
03. Somos todos consumidores - 8/4/2011
04. Em busca da adrenalina perdida - 4/3/2011
05. A novíssima arquitetura da solidão - 4/11/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
27/8/2011
20h21min
Adorei o texto! Definitivamente foi um "acorda Larissa" para valorizar o ato do pensar!
[Leia outros Comentários de Larissa ]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O Primeiro Amor e Outros Perigos
Marçal Aquino
Ática
(1999)



Ecologia
Regina Yolanda
Studio Nobel
(1996)



Princípios de Administração Financeira
Lawrence J. Gitman
Harbra
(1978)



O Tempo Saquarema
Ilmar Rohloff de Mattos
Hucitec
(2004)



Infância Coleção Folha - Grandes Escritores Brasileiros 16
Graciliano Ramos
Folha de S Paulo
(2008)



X-Men Nº 128
Marvel
Panini Comics
(2012)



Escolha o Caminho Mais Fácil (lacrado)
Julia Rogers Hamrick
Best Seller
(2017)



Muito Obrigada! Coletânea de Cartas
Osório Martins Fagundes
Não Informado
(1978)



As Portas da Percepção Céu e Inferno
Aldous Huxley
Globo Antigo
(2002)



Vida, universo e sabe lá o que mais
Douglas Adams
Brasiliense
(1988)





busca | avançada
53121 visitas/dia
2,0 milhão/mês