Cinema de autor | Marta Barcellos | Digestivo Cultural

busca | avançada
40230 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Sexta-feira, 26/8/2011
Cinema de autor
Marta Barcellos

+ de 3400 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Estrelado por Brad Pitt, o filme A árvore da vida foi exibido em alguns cinemas americanos com um alerta nas bilheterias de que não se tratava de uma narrativa convencional, portanto o dinheiro do ingresso não seria devolvido caso o espectador desistisse no meio da projeção. Esses americanos..., pensei e ri, quando li a respeito nos jornais.

Era o dia da estreia no Brasil, e segui para um convencional cinema da Zona Sul do Rio de Janeiro esperando uma plateia menos adestrada por narrativas lineares hollywoodianas. Sexta-feira, sala quase lotada, e bastaram alguns dos minutos em que o diretor Terrence Malick faz a sua fantástica viagem plástica e sonora em busca do sentido da vida (até uma criança entenderia a metáfora) para alguns marmanjos ensaiarem risinhos nervosos nas cadeiras. Um senhor que se sentava sozinho não aguentou e levantou-se, falando alto: "Que palhaçada, parece National Geographic". Foi acompanhado por um casal, e depois por outro. Não havia placa na porta do cinema brasileiro.

Que a relação do brasileiro com a cultura é cada vez mais parecida com a do americano, não resta dúvida. Não se perde o tempo de mastigar uma pipoca para entender e apreciar uma metáfora. A pipoca, por sinal, foi o grande constrangimento na última vez em que me vi numa estreia com um público equivocado, atraído pelo mocinho da tela. Era Um homem misterioso, com George Clooney, que, apesar de conter alguns dos silêncios mais expressivos que ouvi ultimamente no cinema, tinha na bilheteria um cartaz exibindo o galã numa pose 007 - no lugar do que deveria ser uma placa alertando sobre o fato de não se tratar de um filme convencional de suspense, com trilha sonora e explosões para disfarçar o objetivo de devorar baldes de pipocas.

Me precavi, quando fui assistir a Melancolia. Deixei passar a estreia - nada melhor do que um boca a boca desfavorável (do público pipoca) para selecionar a plateia - e escolhi um cinema do grupo Estação, última sessão. Resultado: sala pela metade, sem americanos hiperativos em volta. Consegui me concentrar desde as primeiras imagens, belíssimas, ao som de Tristão e Isolda, de Wagner, esquecida que já estava da plateia.

Melancolia e A árvore da vida são filmes polêmicos, difíceis, e que precisam ser vistos. Pelo menos por quem diz que gosta de cinema. Sou totalmente contra a mania politicamente incorreta (agora está na moda) de alguns preguiçosos saírem pichando obras porque ouviram falar que são "pretensiosas". Não assistiram. São os mesmos que se orgulham de dizer que não conseguiram "passar das primeiras páginas" do livro de algum autor revelado por um prêmio literário. Ninguém mais tem paciência para filme de autor - a exceção foi o último Woddy Allen, que por acaso fez uma fita palatável e ganhou a adesão de espectadores que não suportavam os seus diálogos, assim como não suportarão a falta deles no filme de Malick.

Lembro do tempo em que era ao contrário. Abandonar um livro nas primeiras páginas era motivo de vergonha. Ser intelectual era tão bacana que havia os "pseudos", pessoas que fingiam conhecer filosofia e ver profundidade em obras de arte que não compreendiam - aliás, para compensar podiam ver obra de arte em tudo. Agora, tudo o que sai ligeiramente do padrão fixado na fronteira entre arte e entretenimento (algo com um ritmo frenético "contemporâneo") é rapidamente descartado. Com uma piada ou um comentário de efeito na rede social. Não há espaço nem disposição para aceitar o autoral, para tentar entender o trabalho de um artista, nada disso - e nem precisa ser algo experimental para gerar a rejeição, que sequer configura-se realmente como rejeição. Ao menor sinal de estranhamento, simplesmente muda-se o canal, o objeto de atenção, afinal há tanto a consumir, tantos lançamentos nas livrarias e nos cinemas...

Os novos públicos parecem não estar sendo educados para apreciar aquilo que exige um pouco mais de atenção ou interpretação, como se todo o esforço fosse para a pipoca (para o consumo), como se o tempo picotado de hoje impedisse maiores reflexões. Culpa da escola, da tecnologia?

Talvez a origem do problema resida na crença, cada vez mais forte nas novas gerações, de que o esforço não leva a lugar algum. É para trouxas. Acredita-se em talento e em sorte. Caídos do céu. Hoje em dia, quem educa um filho tentando mostrar o valor da persistência e da determinação come um dobrado. O imediatismo reina. Como não acredito em talento que não seja lapidado, nem em sorte que não seja fruto de oportunidades batalhadas, sigo na contramão, e valorizo onde posso o "trabalho duro" de antigamente.

Consumir cultura, ao contrário de consumir grifes e serviços, exige esforço - antes, durante e depois. Mas vale a pena. Afinal, não foi à toa que, lá em cima, eu ri com certa piedade dos americanos afastados pelo alerta no cinema. Viver sem arte é muito triste, quase uma existência pela metade. Não tem quantidade de pipoca que compense.

Os dois filmes autorais (ainda) em cartaz desafiam a lógica do entretenimento fácil e - vou repetir - valem a pena. Não somente pelas imagens ou pela música, mas porque são instigantes (como se dizia no tempo dos pseudos e dos alienados). O filme acaba e você continua possuído pela história, que vai se revelando, com a potência que só as obras de arte têm. São obras-primas? Provavelmente não. Em A árvore da vida, não gostei da cena final, a la Nosso lar (os dinossauros não me incomodaram). Em Melancolia, não gostei de quando a personagem vivida por Kirsten Dunst estranhamente sai da depressão, para dizer algumas frases do autor sobre rituais. São as partes mais mastigadinhas, e de mastigadinha basta a pipoca.

E você, o que achou? Só não vale dizer que não viu e não gostou. Ou sair do cinema logo nas primeiras páginas...

Nota do Editor
Marta Barcellos mantém o blog Espuminha


Marta Barcellos
Rio de Janeiro, 26/8/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. As tentações do novo livro de Mayra de Marcelo Spalding
02. Escrever? Quantas linhas? de Ana Elisa Ribeiro
03. Conto do café de Elisa Andrade Buzzo
04. Sobre as estátuas de Viena de Paulo Polzonoff Jr


Mais Marta Barcellos
Mais Acessadas de Marta Barcellos em 2011
01. A internet não é isso tudo - 14/1/2011
02. Entre livros e Moleskines - 11/2/2011
03. Somos todos consumidores - 8/4/2011
04. Em busca da adrenalina perdida - 4/3/2011
05. A novíssima arquitetura da solidão - 4/11/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
27/8/2011
20h21min
Adorei o texto! Definitivamente foi um "acorda Larissa" para valorizar o ato do pensar!
[Leia outros Comentários de Larissa ]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




DIÁRIO DE BILOCA
EDSON GABRIEL GARCIA
ATUAL
(1989)
R$ 7,00



TRAVESSURAS DA MAE DO OURO
JAIR VITORIA
SCIPIONE
R$ 8,00



A PRIMAVERA DO DRAGÃO
NELSON MOTTA
OBJETIVA
(2011)
R$ 9,90



ARCO DO TRIUNFO - 1ª EDIÇÃO
ERICH MARIA REMARQUE
LIVRARIA JOSÉ OLYMPIO
(1947)
R$ 8,00



EU TENHO DIREITO
GABRIEL LACERDA
SENAC NATIONAL
(2004)
R$ 14,00



A OUTRA RAINHA
PHILIPPA GREGORY
RECORD
R$ 35,00



EU, A PUTA DE REMBRANDT
SYVIE MATTON
LYON
(2000)
R$ 12,00



PELAS VEIAS DA SELVA
VITO DALESSIO
FTD
(1965)
R$ 9,98



UMA PRODUÇÃO DE KIM JONG-IL (LACRADO)
PAUL FISCHER
RECORD
(2016)
R$ 30,00



PORTUGUÊS LINGUAGENS 6ª
WILLIAM ROBERTO CEREJA
ATUAL
(1998)
R$ 19,55





busca | avançada
40230 visitas/dia
1,3 milhão/mês