A internet não é isso tudo | Marta Barcellos | Digestivo Cultural

busca | avançada
77507 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Premiado espetáculo ‘Flores Astrais’ pela primeira vez em Petrópolis no Teatro Imperial para homenag
>>> VerDe Perto, o Musical Ecológico tem sessões grátis em Santo Antônio do Pinhal e em São Paulo
>>> Projeto Sinos volta a Teresópolis para oferecer aulas gratuitas
>>> Filó Machado encerra circulação do concerto 60 Anos de Música com apresentação no MIS
>>> Mundo Suassuna, no Sesc Bom Retiro, apresenta o universo da cultura popular na obra do autor paraiba
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Marcelo Mirisola e o açougue virtual do Tinder
>>> A pulsão Oblómov
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
Colunistas
Últimos Posts
>>> A melhor análise da Nucoin (2024)
>>> Dario Amodei da Anthropic no In Good Company
>>> A história do PyTorch
>>> Leif Ove Andsnes na casa de Mozart em Viena
>>> O passado e o futuro da inteligência artificial
>>> Marcio Appel no Stock Pickers (2024)
>>> Jensen Huang aos formandos do Caltech
>>> Jensen Huang, da Nvidia, na Computex
>>> André Barcinski no YouTube
>>> Inteligência Artificial Física
Últimos Posts
>>> Cortando despesas
>>> O mais longo dos dias, 80 anos do Dia D
>>> Paes Loureiro, poesia é quando a linguagem sonha
>>> O Cachorro e a maleta
>>> A ESTAGIÁRIA
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Fórum das Letras 2007
>>> Um conto-resenha anacrônico
>>> Andaime, de Sérgio Roveri
>>> Um lugar para o tempo
>>> A nova queda da Bastilha
>>> Ainda quer prestar jornalismo?
>>> Bendito Nelson Rodrigues
>>> Tell me all about it
>>> Os enciclopedistas franceses rolam nos túmulos
>>> Prólogo, com um Prólogo dos Prólogos, de Jorge Luis Borges
Mais Recentes
>>> La Gestion Del Proyecto En Arquitectura de Edward D. Mills pela Gg (1985)
>>> Dalton Paula: O Sequestrador De Almas de Dalton Paula pela Obogo (2022)
>>> Gravura de Itajahy Martins pela Fundaçao Nestlé de Cultura (1987)
>>> Livro Ilustrado De Lingua Brasileira De Sinais de Márcia Honora pela Ciranda Cultural (2009)
>>> O Cronista da América de Francis Ford Coppola pela Minesterio da Cultura (2015)
>>> Heróis de Areia de Noelly Russo pela Fabbrica (2022)
>>> National Parks Of Latin America de Luciana Napchan pela Ministério Da Cultura (2005)
>>> Vontade Construtiva Na Coleco Fadel de Paulo Harkenhoff pela Mam (2014)
>>> Tatuagens Urbanas E O Imaginario Carioca de Eduardo Paes pela Nau Das Letras (2015)
>>> Apoema Português - 7 Ano de Lucia Teixeira pela Do Brasil (2018)
>>> Teláris - Arte - 6º Ano de Eliana Pougy pela Ática (2019)
>>> Araribá Plus - História - 8º Ano de Maria Raquel Apolinário pela Moderna (2018)
>>> Teláris - Matemática - 6º Ano de Luiz Roberto Dante pela Ática (2019)
>>> Conexões Com A Física 2º Ano de Blaidi Sant´anna pela Moderna (2010)
>>> Alice Brill de Reinhard Andress, Alice Brill, Carla Ogawa pela Fundacao Armando Alvares Penteado (2007)
>>> Um Guia Do Conhecimento Em Gerenciamento De Projetos (guia Pmbok) de Project Management Institute pela Global Standard (2008)
>>> Gmat Official Guide 2019 de Gmac pela Wiley (2018)
>>> Abz Do Ziraldo de Ziraldo Alves Pinto pela Melhoramentos (2003)
>>> La Casa D´epoca de Quaderni Di Restauro pela DeAgostini (1996)
>>> Descobrindo A Historia Da Arte de Graça Proença pela Ática (2005)
>>> The Economics Book de Dk pela Dk Publishing (2012)
>>> Arturo Di Stefano de Jonh Berger pela Merrel (2001)
>>> Parques São paulo de Cassiano José Pimentel pela Prosperidade (2013)
>>> SãopauloSeculoXXI de Fausto Chermont pela Terra Virgem (2011)
>>> Sem Titulo | Untitled | Sin Titulo de Rochelle pela Galeria Brito Cimino (2005)
COLUNAS

Sexta-feira, 14/1/2011
A internet não é isso tudo
Marta Barcellos
+ de 8800 Acessos
+ 7 Comentário(s)

Quem é o seu hacker preferido: Mark Zuckerberg ou Julian Assange? A disputa pelo título de personalidade do ano nos convida a refletir sobre o tempo em que vivemos. O fundador do Facebook surgiu como símbolo da nova era da comunicação, e o criador do Wikileaks, da democratização da informação. O primeiro é o destaque de 2010 segundo a Times; o segundo foi o escolhido pelo Le Monde. Estamos, provavelmente, no auge do nosso deslumbramento com a "ideologia técnica", como o sociólogo francês Dominique Wolton chama a panaceia em torno das transformações provocadas pela internet ― que cegaria as pessoas para aspectos não tão revolucionários assim da rede.

Antes que você, que só clicou aqui por discordar do título, cubra-se de indignação, tente não vestir a carapuça contida na declaração de Wolton ao jornal Valor Econômico, em entrevista a Diego Viana: "Nunca é dito nada de negativo sobre a internet. Quando alguém ousa lançar uma ressalva, é logo tachado de reacionário, antiquado e assim por diante". Você não vai agir assim, vai? Então sigamos o raciocínio do sociólogo.

Wolton diz que é uma grande ilusão considerar a internet como portadora de toda a liberdade, criatividade e proximidade para todos. Segundo ele, nesta convicção equivocada e ingênua reside inclusive um perigo. Enquanto a televisão e o rádio sempre foram encarados como instrumentos nas mãos de grupos poderosos, ninguém é capaz de enxergar por trás da internet a atuação dessas mesmas entidades, sejam elas corporações internacionais ou Estados.

Diretor do laboratório de Informação do Instituto de Ciências da Comunicação francês, Wolton parte do pressuposto de que comunicação é diferente de informação. Ao contrário da informação, a comunicação envolve relações entre pessoas, e por isso tem implicações políticas, sociais e culturais. Mas preste atenção: ter mil amigos no Facebook não conta como "relação entre pessoas". As redes sociais podem inclusive estar criando uma ilusão de contato que na verdade fecha cada um sobre si mesmo.

"A potência técnica traz mais dados, mais acessos, mais contatos. Mas os dados não são conhecimentos, os acessos não são entradas e os contatos não são comunicação", afirma Wolton.

Em seu livro Informar não é comunicar (Sulina, 2010, 96 págs.), além de atacar os excessos dos discursos que fazem da internet uma revolução total, ele mostra que comunicação é mais importante do que informação para o vínculo e a identidade. Por outro lado, a circulação descontrolada de informações acabaria enfraquecendo a possibilidade real que as pessoas têm de agir. "Mesmo se a informação dá a volta ao mundo, é em menos de 100 quilômetros que a realidade muda", escreveu o sociólogo em um artigo.

O ataque de Wolton à internet é cheio de excessos, talvez para compensar a idolatria também excessiva em torno dela. Ou, quem sabe, apenas por ser ele um intelectual à moda antiga, como ainda existe na França, daqueles que não fogem das polêmicas da atualidade. De qualquer forma, o seu pensamento me flagrou justamente em um momento de desânimo em relação à internet, e de alguma descrença em relação às transformações reais que ela pode estar promovendo.

A primeira destas decepções diz respeito à dificuldade de a internet mobilizar efetivamente ― fisicamente mesmo ― as pessoas. Fora poucas exceções, sempre muito divulgadas (pela própria internet), as tentativas de mobilização para causas sérias quase sempre fracassam. O terreno parece mais propício para a proliferação de boatos, falsas acusações, fofocas tolas, fichas sujas, bullying, invasão de privacidade etc. Quem já está acostumado a lidar com esse ambiente hostil consegue separar o joio e aproveitar o trigo, mas uma grande maioria silenciosa (que não propaga seus sentimentos na internet) acumula traumas neste aprendizado.

A comunicação que possibilita uma ação local, de acordo com Wolton, depende das relações entre gente que se conhece de verdade, e tem uma base comum de cultura histórica, linguística e social. Uma realidade distante da maioria das redes sociais, que hoje se debatem com as questões da privacidade e da deturpação do conceito de "amigo".

Mas se a comunicação na internet não acontece de forma tão revolucionária como aparenta, o que dizer da fabulosa disseminação da informação? Qualquer jornalista que atuou antes e depois da internet sabe a extraordinária diferença de ter, a um clique, os tais dados e acessos citados por Wolton. Politicamente, nada pode ter sido mais relevante.

No entanto, como lembra o sociólogo, dados não são conhecimento ― e o excesso deles pode dificultar ainda mais a transformação de um conceito em outro. É aí que entra a mediação. Ela tem sido fundamental para se traduzir a enxurrada de informações, por exemplo, contida no site Wikileaks. Mas quem seleciona, edita e interpreta os dados sempre é movido por algum tipo de interesse. Não menos desinteressados são aqueles que vazam os dados para o site.

É nesta hora que descobrimos o óbvio: a internet continua sendo "apenas" uma ferramenta. Tão fascinante que nos fixamos nela, e nas simbólicas figuras de Zuckerberg ou Assange, enquanto esquecemos as personalidades que, neste instante, a utilizam para transformar o mundo.

Nota do Editor
Marta Barcellos mantém o blog Espuminha.

Para ir além






Marta Barcellos
Rio de Janeiro, 14/1/2011

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Coisa mais bonita é São Paulo... de Elisa Andrade Buzzo
02. Olavo de Carvalho (1947-2022) de Julio Daio Borges
03. Um presidente relutante de Lisandro Gaertner


Mais Marta Barcellos
Mais Acessadas de Marta Barcellos em 2011
01. A internet não é isso tudo - 14/1/2011
02. Entre livros e Moleskines - 11/2/2011
03. Somos todos consumidores - 8/4/2011
04. Em busca da adrenalina perdida - 4/3/2011
05. Cinema de autor - 26/8/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
14/1/2011
17h45min
Fala-se demais quando o tema é a internet. Costuma-se esquecer que ela é apenas uma ferramenta. As maiores distâncias, aquelas das diferenciações sociais, também no espaço virtual tendem a se reproduzir, não existe tecnologia capaz de encurtá-las. Mesmo que existam algumas exceções, a maior parte dos escritores só consegue visibilidade na internet se tiver antes, em alguma medida, três formas de capital: o econômico, o cultural e o social.
[Leia outros Comentários de Diogo Reis]
16/1/2011
00h48min
Essa enxurrada de informações torna cada vez mais difícil a absorção de informações importantes e, como você citou, é neste momento que entram os "manipuladores" da informação. Em relação ao Wikileaks, não considero o conteúdo como informação, mas sim uma espécie de fofoca, do mesmo tipo que encontramos em revistas e sites de celebridades. A diferença é que essas fofocas são questões de Estado, que dependendo do modo como são divulgadas, podem gerar desconforto e até mesmo beligerância entre países.
[Leia outros Comentários de Renan Vitalo]
18/1/2011
12h52min
Marta, concordo completamente com você. A internet é sem dúvida um instrumento mágico. É uma varinha que tem dois gumes. Você é que tem que saber segurar e usar. Para a nova geração, ela não tem segredos e depende de cada um a sua utilização. Gosto de usar minha experiência, porque aí falo com seguranca. Quando pintava em tela, era caro, não tinha como mostrar e vendia para os próximos; hoje faço Pintura Digital e meus trabalhos correm o mundo através da internet. Mas qual a vantagem disso? Monetária, nenhuma. Talvez orgulho bobo de artista, quem quiser ver é só clicar no Google, digitar meu nome e pronto. Mas, novamente, o incógnito: quem sabe meu nome? Então a internet só funciona com "Empresas" que sabem "usufruir" do que está nela própria.
[Leia outros Comentários de Maria Anna Machado]
26/1/2011
06h26min
Boa, Marta. Mas eu abri o seu texto justamente por concordar com o título. E, para mim, internet é só pra se informar mesmo. Acesso para ler jornais do mundo todo e assistir à novela da Globo (ninguém é perfeito). Sou a única entre todas as minhas amigas que não tem conta em Facebook, Orkut e tudo mais. E como os blogs me cansam, meu Deus. Tem tanta porcaria. Procurando blogs e informações sobre os Emirados caí em tanto blog racista, gente falando do que não sabe... Nada como um bom livro, viu? Porque internet tem censura, sim, e perseguição, apesar de não se falar no assunto. Abracos.
[Leia outros Comentários de Karina Hermesindo]
24/5/2011
21h35min
Ahh que alívio ler esse texto. Concordo em numero genero e grau com Wolton, meu deus que coisa chata e irritante "estar conectada" o dia todo. E, se nao, pobre de nós os ETs da sociedade. Internet nada mais é do que uma ferramenta útil, sim, claro depende de quem a usa e de qual forma. Confesso que tem dias que prefiro estar longe de tudo porque esse turbilhão de informações (a maioria descartável) irrita, cansa. Tem horas que ouvir uma boa música no bom e velho rádio e ler um bom livro, estar em companhia da família, é essencial. Abraços
[Leia outros Comentários de Khris]
27/5/2011
13h55min
Maravilhosa essa reflexão
[Leia outros Comentários de Gustavo Lopes]
28/5/2011
11h41min
Internet??? O que é isso???
[Leia outros Comentários de Rebeca]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Safe Harbour
Danielle Steel
Corgi
(2003)



Dizionario Della Musica Italiana - La Musica Lirica
Piero Mioli
Newton Compton
(1996)



Menina Flor e o Boto (Literatura Infantil)
Dira Paes
Língua Geral
(2008)



Os Lusíadas Edição organizada por Antônio Saraiva
Luis de camões
Figueirinhas/Porto
(1978)



Em Comemoração aos 50 Anos da Existência da Clínica Tobias
Gudrun Burkhard e & Colaboradores
Joao de Barro
(2019)



Jung: uma revisão feminista
Susan Rowland
Vozes
(2024)



Livro Confissão
Cláudia Lucas Chéu
Reformatório
(2022)



Tectônico
Marcelo Sahea
Leve um Livro
(2015)



Livro Literatura Brasileira Direito e Literatura- Justiça Paulista
Academia Paulista de Letras
Apl
(2020)



The Penguin Complete Sherlock Holmes
Sir Arthur Conan Doyle
Penguin Books
(1981)





busca | avançada
77507 visitas/dia
2,1 milhões/mês