Sobre o Oscar Social | Vicente Escudero | Digestivo Cultural

busca | avançada
51839 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Livro beneficente ensina concurseiros a superar desafios e conquistar sonhos
>>> Cia Triptal celebra a obra de Jorge Andrade no centenário do autor
>>> Sesc Santana apresenta SCinestesia com a Companhia de Danças de Diadema
>>> “É Hora de Arte” realiza oficinas gratuitas de circo, grafite, teatro e dança
>>> MOSTRA DO MAB FAAP GANHA NOVAS OBRAS A PARTIR DE JUNHO
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
Últimos Posts
>>> Parei de fumar
>>> Asas de Ícaro
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Queen na pandemia
>>> A história do Olist
>>> Kubrick, o iluminado
>>> Mr. Sandman
>>> Unchained by Sophie Burrell
>>> Reflexões na fila
>>> Papo com Alessandro Martins
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> O Conselheiro também come (e bebe)
Mais Recentes
>>> Oreficeria Moderna Tecnica-pratica de L Vitiello pela Hoepli (1963)
>>> A pretexto do combate e globalizaçao Renasce a luta de classes de Gregorio vivanco lopes pela Cruz de cristo (2002)
>>> Um Mergulho no Inferno das Drogas de Maria Célia Ribeiro Cesar pela Do Autor (2001)
>>> Um copo de cerveja de Affonso heliodoro pela brasilia (2001)
>>> Felicidade Roubada de Augusto Cury pela Benvira (2014)
>>> Actores, redes y desafíos : juventudes e infancias en América Latina de Alberto Hernandez Hernandez Amalia E. Campos Delgado pela Clacso (2015)
>>> Instituições Direito Público e Privado de Nelson Goday pela Nelpa
>>> Tom Jones de Henri Fielding pela Abril Cultural (1971)
>>> Stories of Mystery and Suspense (sem Cd) de Edgar Allan Poe pela Hub (2000)
>>> As Relações Perigosas - Biblioteca Folhas de Choderlos de Lacros pela Ediouro (1998)
>>> Contos do Rio - Filosofia do rio em sete dimensões de Saturnino Braga pela Record (1999)
>>> O Fator Decisivo da Lombalgia Prática e Teoria de Sadakazu Nakata pela Andemo (1982)
>>> Paddy Clarke Ha Ha Ha de Roddy Doyle; Lidia Cavalcante Luther pela Estação Liberdade (2002)
>>> Testa de Ferro de Carlos Bohn pela Livro Que Constroem (2010)
>>> A Imperfeição no Evangelho de Ricardo Peter pela Paulus (2000)
>>> Pcc a Facção de Fatima Souza pela Record (2007)
>>> Tom Jones de Henry Fielding pela Abril Cultural
>>> Diretrizes e Praticas da Gestaão Financeiras de Roberto Bohlen Selene pela Ibpex (2010)
>>> Essencialismo - a Disciplinada Busca por Menos de Greg Mckeown pela Sextante (2014)
>>> Deusa do Mar - Série Goodess de P. C Cast pela Novo Século (2011)
>>> Viver Melhor Em Família de Elizabeth Monteiro pela Mescla (2016)
>>> Discover the World Wide Web With Your Sportster de John December pela Sams Net (1995)
>>> A Vida Secreta Grandes Autores de Robert Schnakenberg pela Ediouro (2008)
>>> Assumindo A sua Personalidade de Leo Buscaglia pela Record (1978)
>>> Educação Superior - Expansão e Reformas Educativas - Sebo Tradicao de Deise Mancebo pela Uen (2012)
COLUNAS

Quinta-feira, 10/3/2011
Sobre o Oscar Social
Vicente Escudero

+ de 3000 Acessos


LIANA TIMM© (http://timm.art.br/)

Bem, é isso aí. O Oscar passou mais uma vez e, exceto pela opinião dos seguidores do Twitter de James Franco, a cerimônia foi uma droga. Enquanto a plateia morria de tédio assistindo a dupla de apresentadores, completada por Anne Hathaway no papel de cutucadora oficial de James Franco para lembrá-lo de suas falas, os prêmios eram distribuídos numa previsibilidade matemática. Entre a dislexia dos discursos e atrações terríveis, como Gwyneth Paltrow provando que existe constrangimento até para cantores de karaokê, a maior atração foi Kirk Douglas anunciando com suspense o prêmio de melhor atriz coadjuvante, enquanto James Franco tuitava fotos dos bastidores.

James Franco está em todo lugar. Enquanto você lê está coluna, ele dá aulas de interpretação na Universidade de Nova York. James Franco também está em uma dezena de curtas no Funny or Die, mostrando técnicas de atuação engraçadinhas e piadas sobre o filme 127 horas, a história de um sujeito que corta o próprio braço depois de ficar preso sozinho por mais de cinco dias num cânion em Utah, um cativeiro semelhante ao da plateia do Oscar: passada mais da metade da cerimônia, todos começaram a se identificar com a situação (créditos: Rick Gervais). Ele também está no Twitter enviando twitpics a cada meia hora, mostrando sua localização para adoráveis stalkers. Não deixa de comparecer a qualquer programa de televisão em que é convidado, está no cinema em 127 horas, além de protagonizar um vilão secundário em Besouro Verde. Ele também é garoto propagando da Gucci. James Franco é uma espécie de meme vivo, disposto a se completar com qualquer legenda. Este Marlon Brando da geração internet é capaz de fazer qualquer coisa. Só não é capaz de apresentar o Oscar.

Já Anne Hathaway foi mais previsível que as vitórias de O Discurso do Rei. Se o seu parceiro estava devagar e preso, Anne fez questão de seguir à risca o roteiro e alcançou seu objetivo: atingir a audiência mais jovem. O pior de sua apresentação também foi o pior do roteiro escrito para o show. Ela também pareceu menos culpada pela chatice das formalidades que James Franco. No final da cerimônia, os dois olhavam paras as câmeras quase se lamentando por terem cumprido com o prometido. Se foi esse o roteiro do show, a Academia, definitivamente, não entende o público jovem.

E foi este público que deve ter se surpreendido com a premiação de melhor filme para O Discurso do Rei, numa cerimônia que tentou a todo custo agradar a geração que acompanhava tudo no Twitter. Foi no mínimo estranho assistir a festa montada para atingir o público da internet terminar com a premiação da história de um rei gago, incapaz de discursar. Talvez fosse adequado trocar os vencedores das categorias de melhor filme e melhor edição. Em A Rede Social, as cenas são cuidadosamente recortadas para mostrar o isolamento social dos envolvidos na criação do Facebook, a história se passa entre vários tempos diferentes enquanto a audiência de seus fundadores no processo judicial se desenrola dentro de um escritório. Já em O Discurso do Rei, o papel da edição foi mais crucial, delimitou a característica moderna do roteiro e impediu que o filme se aproximasse de um documentário retratando o papel do rei Jorge VI na iminência da 2ª Guerra Mundial (somadas às atuações excelentes de Colin Firth e Geoffrey Rush). A forma como a câmera captou os momentos de conflito entre o rei e seu terapeuta e a divisão precisa das cômicas sessões de terapia determinou o absurdo da situação vivida pelos personagens. E ainda havia o nariz enorme sob o topetinho grudento de Geoffrey Rush sempre no centro das cenas, tentando minar o mau humor da majestade. A edição dos dois filmes foi muito boa, mas pelo tom da festa e pela longevidade que parecem prometer, A Rede Social levava vantagem para conquistar o prêmio de melhor filme, que poderia ter sido trocado com O Discurso do Rei pelo prêmio de melhor edição. Por essas razões e pela falta de originalidade do enredo, O Discurso do Rei parece estar prestes a entrar na categoria de ganhadores esquecidos como Crash, A volta ao mundo em 80 dias e Quem quer ser um milionário?, entre outros.

O prêmio mais justo da noite foi o de melhor trilha sonora para Trent Reznor e Atticus Ross, de A Rede Social, por uma composição que acompanha a solidão do ambiente digital frequentado pelos criadores do Facebook, mesmo vivendo numa república universitária, entre fraternidades, aulas e festas. O maior mérito da trilha sonora foi a fusão com os diálogos, atravessando todo o filme na mesma batida urgente das respostas prontas de Zuckerberg e cia. Trent Reznor e Atticus Ross entenderam bem a vaidade e superficialidade presente no ambiente frequentado pelos personagens e fizeram um trabalho que desapareceu na tela para aumentar a relevância do caráter dos envolvidos na disputa pela criação do Facebook.

Não surpreende que na cerimônia montada para agradar a geração de jovens presos ao computador, o filme que retrata com fidelidade a solidão desse ambiente tenha vencido exclusivamente as categorias técnicas de melhor edição, melhor roteiro adaptado e melhor trilha sonora. Enquanto James Franco, com seu tom blasé, desdenhava da plateia e usava seu iPhone no palco, deixando Anne Hathaway sem saber o que fazer, o roteiro involuntário da cerimônia seguia a cartilha dos geeks: mais vale usar um gadget sozinho do que uma boa festa. Essa é a geração que vai dominar o mundo pelos próximos vinte anos. Esse é o grupo que James Franco tentou agradar. Depois de uma apresentação tão ruim, duvido que ele ainda permaneça no Twitter.


Vicente Escudero
Campinas, 10/3/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Do inferno ao céu de Cassionei Niches Petry
02. Crônica em sustenido de Ana Elisa Ribeiro
03. Corot em exposição de Jardel Dias Cavalcanti
04. Reflexões sobre a Liga Hanseática e a integração de Celso A. Uequed Pitol
05. O espírito de 1967 de Celso A. Uequed Pitol


Mais Vicente Escudero
Mais Acessadas de Vicente Escudero em 2011
01. Kindle, iPad ou Android? - 14/4/2011
02. O incompreensível mercado dos e-books - 3/3/2011
03. O ponto final da escrita cursiva - 15/9/2011
04. Lynch, David - 8/12/2011
05. Diário da Guerra do Corpo - 9/6/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A Conquista Divina
A. W. Tozer
Mundo Cristão
(1987)



Metrópole e Globalização - Conhecendo a Cidade de São Paulo
Maria Adélia Aparecida de Souza e Outros
Cedesp
(1999)



Um Pequeno Segredo
Linda Goodnight
Nova Cultural
(2003)



Shout! the True Story of the Beatles
Philip Norman
Pan
(2004)



O Nascimento da Imprensa Brasileira
Isabel Lustosa
Jorge Zahar
(2003)



Política Fiscal e Desenvolvimento no Brasil
Márcio Percival Alves Pinto e Geraldo Biasoto Jr
Unicamp
(2006)



As Origens da Globalização da Economia
Jacques Adda
Manole
(2004)



Histoire de Lart - L Art Moderne
Élie Faure
Libraire Plon
(1948)



Disciplina: Limite na Medida Certa 34ª Edição.
Içami Tiba
Gente
(1996)



Vida Com Esperança
Mark Finley; Peter Landlees
Do Autor
(2014)





busca | avançada
51839 visitas/dia
1,8 milhão/mês