Quatro Mitos sobre Internet - parte 1 | Adrian Leverkuhn | Digestivo Cultural

busca | avançada
29791 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O apanhador no campo de centeio
>>> Curriculum vitae
>>> O Salão e a Selva
>>> Ed Catmull por Jason Calacanis
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
>>> A massa e os especialistas juntos no mesmo patamar
>>> Entrevista com Jacques Fux, escritor e acadêmico
>>> Nuno Ramos, poesia... pois é
>>> Literatura e interatividade: os ciberpoemas
Mais Recentes
>>> Amor de Perdição / Eurico, o Presbítero de Camilo Castelo Branco / Alexandre Herculano pela Círculo do livro (1978)
>>> Carajás de Paulo Pinheiro pela Casa Publicadora Brasileira (2007)
>>> Menopausa de Diversos pela Nova Cultural (2003)
>>> Guia de Dietas de Diversos pela Nova Cultural (2001)
>>> Seguros: Uma Questão Atual de Coordenado pela EPM/ IBDS pela Max Limonard (2001)
>>> O Significado dos Sonhos de Diversos pela Nova Cultural (2002)
>>> A Dieta do Tipo Sanguíneo - A B O AB de Peter J. D'Adamo pela Campus (2005)
>>> Cem Noites - Tapuias de Ofélia e Narbal Fontes pela Ática (1982)
>>> Direito do Trabalho ao Alcance de Todos de José Alberto Couto Maciel pela Ltr (1980)
>>> Manon Lescaut de Abade Prévost pela Ediouro (1980)
>>> A Reta e a Curva: Reflexões Sobre o Nosso Tempo de Riccardo Campa (com) O. Niemeyer (...) pela Max Limonard (1986)
>>> Introdução às Dificuldades de Aprendizagem de Vítor da Fonseca pela Artes Médicas (1995)
>>> Dos Crimes Contra a Propriedade Intelectual: Violação... de Eduardo S. Pimenta/ Autografado pela Revista dos Tribunais (1994)
>>> O Cortiço de Aluísio Azevedo pela Ática (1988)
>>> A Voz do Mestre de Kahlil Gibran pela Círculo do livro (1973)
>>> O Jovem e seus Assuntos de David Wilkerson pela Betânia (1979)
>>> Emília no País da Gramática de Monteiro Lobato pela Brasiliense (1978)
>>> The Art Direction Handbook for Film de Michael Rizzo pela Focal Press (2005)
>>> A Escrava Isaura de Bernardo Guimarães pela Melhoramentos (1963)
>>> O Grande Conflito de Ellen G. White pela Casa Publicadora Brasileira (1983)
>>> Filosofia do Espírito de Jerome A. Shaffer pela Zahar (1980)
>>> Muito Além das Estrelas de Álvaro Cardoso Gomes pela Moderna (1997)
>>> A Grande Esperança de Ellen G. White pela Casa Publicadora Brasileira (2011)
>>> É Fácil Jogar Xadrez de Cássio de Luna Freire pela Ediouro (1972)
>>> O Espião que saiu do Frio de John Le Carré pela Abril cultural (1980)
>>> A Primeira Reportagem de Sylvio Pereira pela Ática (1988)
>>> Distúrbios Psicossomáticos da Criança de Haim Grunspun pela Atheneu
>>> Aprenda Xadrez com Garry Kasparov de G. Kasparov pela Ediouro (2003)
>>> Poemas para Viver de P. C. Vasconcelos Jr. pela Salesiana Dom Bosco (1982)
>>> A Casa dos Bronzes de Ellery Queen pela Círculo do livro (1976)
>>> Warcraft Roleplaying Game de Christopher Aylott e outros pela Blizzard / Arthaus / wizards (2004)
>>> A Dama do Lago de Raymond Chandler pela Abril cultural (1984)
>>> ABC do Vôo Seguro de Manoel J. C. de Albquerque Filho pela O Popular (1981)
>>> A Relíquia de Eça de Queirós pela Klick (1999)
>>> Manual Completo de Aberturas de Xadrez de Fred Reinfeld pela Ibrasa (1991)
>>> Para Sempre - Os Imortais - volume 1 de Alyson Noel pela Intrínseca (2009)
>>> A Máscara de Dimítrios de Eric Ambler pela Abril cultural (1984)
>>> Rômulo e Júlia - Os Caras-Pintadas de Rogério Andrade Barbosa pela Ftd (1993)
>>> O Nariz do Vladimir de José Arrabal pela Ftd (1989)
>>> Perigosa e Fascinante de Merline Lovelace pela Nova Cultural (2002)
>>> Brincar de Viver de Maggie Shayne pela Nova Cultural (2001)
>>> O Grande Conquistador de Rita Sofia Mohler pela Escala (1978)
>>> Comédias para se Ler na Escola de Luis Fernando Veríssimo pela Objetiva (2001)
>>> As 21 Irrefutáveis Leis da Liderança de John C. Maxwell pela Agir (2007)
>>> Dungeon master guide de Jonathan Tweet / Skip Williams pela Core Rulebook II (2000)
>>> Disfunção Cerebral Mínima de Antonio Branco Lefévre - Beatriz Helena Lefevre pela Sarvier (1983)
>>> Viagem Fantástica II - Rumo ao Cérebro de Isaac Asimov pela Best Seller (1987)
>>> Tpm Número 57 Maio 2009 de Caetano Veloso pela Trip (2009)
>>> Incorporações Imobiliárias de J. Nascimento Franco/ Nisske Gondo pela Revista dos Tribunais (1984)
>>> Cavalo-Marinho no Céu de Edmund Cooper pela Hemus
COLUNAS

Quarta-feira, 20/11/2002
Quatro Mitos sobre Internet - parte 1
Adrian Leverkuhn

+ de 2100 Acessos

A crise das empresas baseadas na internet (não tem nada mais vulgar que dizer "as pontocom", e "estouro da bolha", de tão repetido, já ficou irritante) já se afasta de nós, e o fim da era eufórica da "revolução digital" já foi decretado há tanto tempo que comentá-la, hoje, é mais um exercício de História que qualquer outra coisa. Internet parece um tema cada vez mais passé, cada vez mais anos-noventa, cada vez mais irrelevante. Nos prometeram uma revolução, o fim da mídia impressa, nos botaram para ninar com histórias sobre a nova ecologia cognitiva e o grande renascimento da Voz (assim mesmo, em maiúscula, a grandiloqüente e quase metafísica Voz) que estavam por vir - e cá estamos nós, com nossos icqs e kazaas, cada vez mais desapontados. Depois daquela celeuma toda, uma calmaria desiludida, como se o assunto tivesse se esgotado. Mas ele não se esgotou - as perguntas, colocadas naquela época, ainda carecem de solução; a grande rede está ainda entre nós, sabendo muito mais de nós do que nós sabemos dela - apenas parece que as pessoas perderam o interesse em investigá-la. Quatro mitos datando daquela época (que nem é tão remota - muito disso era dito orgulhosamento uns dois anos atrás, e até hoje é possível achar gente descompassada com seu próprio tempo, falando isso aos quatro ventos em seus blogs e achando que estão sendo super-revolucionários), em nenhuma ordem em particular:

1. A Filtragem da Informação

Este é talvez o mais sensato dos quatro, então comecemos por ele. Consiste no seguinte: ao se conceder a chance de "se expressar" para todo e qualquer idiota, tal que todos plugados possam lê-lo, a internet acaba se atulhando de informação incorreta ou não-confirmada. Boatos e calúnias fluindo livremente graças ao anonimato de seus emissores; uma conversa de comadres interplanetária, a rede mundial da fofoca; um oceano de ruído onde com muito esforço se distingue um ou outro barco de texto relevante e responsável. Como resultado, as pessoas precisariam de grandes corporações de mídia para filtrar toda essa informação, para achar o que vale a pena nela e validá-la com a publicação. Esta colocação também podia ser lida da maneira inversa: o papel no futuro dos media conglomerates se reduziria à mera filtragem do que já está disponível na internet. Vista de hoje, qualquer profecia do fim da mídia impressa ou dos grandes jornais e redes de TV soa ridícula. Veja-se a cobertura do ataque terrorista em 2001: quando a coisa foi para valer, as pessoas desligaram seus computadores e sentaram em volta da televisão. Só depois, quando a poeira estava baixando, ou quando a televisão dava uma pequena pausa no assunto, é que os computadores voltavam a ser ligados e descobria-se todos aqueles blogs discursando longamente sobre o que estava acontecendo, os grandes portais com sua cobertura minuto-a-minuto a que ninguém deu muita bola. A grande mídia, inclusive a impressa, continuará cumprindo seu papel indispensável na sociedade, apesar da internet; ela terá, no máximo, que se acomodar como o rádio se acomodou à televisão, ou talvez algo ainda menos drástico.

Mas a grande falha no exposto acima é que se supõe uma capacidade fabulosa de se gerar informação na internet, mas se desconsidera o potencial da mesma de filtrar seu próprio conteúdo. O que se observa, pelo contrário, é a formação de redes de filtragem de informação, consumindo, como um todo, quase tanta energia e tráfego quanto a produção e publicação do conteúdo. Não é por acaso que a história da memética se entrelaça com a história das comunidades virtuais (aliás, eu li certa vez em um fórum que ser um trans-humanista é como ser um smurf, só que você fala 'meme' ao invés de 'smurf' o tempo todo. Além disso, você não é azul.). Pega-se os sites com objetivo exclusivo de divulgar links (fark.com, metafilter.com, memepool.com , para ficar entre os mais conhecidos); soma-se a eles os grandes fóruns, como a slashdot.org e a plastic.com, que dependem maciçamente dos links postados por seus usuários; muitos blogs, descobre-se em seguida, filtram links da mesma forma, só que em menor escala (os blogs, ao contrário do que muitos pensam, começaram no formato link + comentário, e só depois foram usados como diários virtuais) - para não falar nos newsgroups, nas listas de discussão e no bom e velho boca a boca via e-mail e instant messengers, que são, junto com os blogs, onde a maior parte da ação ocorre. Entre uma página ser descoberta por um visitante anônimo e se tornar, poucos dias ou até poucas horas depois, conhecida de milhões de pessoas em diferentes partes do globo, ela tem que passar por uma teia de filtragem em que, a cada nó, um usuário recebe a informação, verifica se vale a pena passá-la adiante, e a envia (ou não) para os receptores seguintes, que fazem o mesmo. É óbvio que um processo semelhante sempre ocorreu fora da internet, mas ele nunca foi tão evidente, tão rápido, em uma escala tão larga, e tão relevante. O curioso nestas redes é que seu fim é filtrar a informação para ela mesma, ou seja, os usuários que fazem o trabalho de depuração são os que vão se beneficiar dessa informação, ao contrário do que ocorre no modelo mencionado lá em cima, em que uma "caixa-preta" de profissionais faz todo o processo de seleção da informação para então entregá-la, pronta e cheia de segundas intenções, para um público-alvo. Um efeito desse modelo é a maior sinceridade na transmissão de informação, o que não implica, é importante ressaltar, em sinceridade e transparência daquilo que é comunicado: da mesma forma que algumas dessas redes se formam pelo interesse comum em se obter, por exemplo, informação confiável e novos pontos-de-vista sobre tecnologia, outras podem se formar em busca de "palavras de sabedoria", correntes de e-mail, e o mais novo boato sobre a procedência sobrenatural dos hambúrgueres do Mcdonalds.

A grande ironia é que muito da informação fluindo por essas redes tem origem na mídia profissional, o que nos dá uma inversão do mito acima: ao invés da informação sendo produzida pelos usuários, para depois ser filtrada por profissionais e então devolvida para os usuários, os usuários mesmos filtram a informação produzida pela grande mídia (e por eles mesmos), devolvendo essa informação filtrada e glosada para eles mesmos no processo. Enquanto isso, as corporações midiáticas tentam desajeitadamente interagir com a internet, copiando textos quase inalterados de blogs e divulgando, com estardalhaço, a última moda do ano passado.


[2,3 e 4 no próximo. São bem mais curtos.]


Adrian Leverkuhn
Brasília, 20/11/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Crônica de Aniversário de Julio Daio Borges
02. Perfil Indireto do Assassino de Duanne Ribeiro
03. Meu filho e Jaime Lerner de Paulo de Resende
04. A letargia crítica na feira do vale-tudo da arte de Jardel Dias Cavalcanti
05. As religiões do Rio e do Brasil de Marcelo Spalding


Mais Adrian Leverkuhn
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




PROSPECÇÃO DE JAZIDAS LÍTICAS EM ARQUEOLOGIA: PROPOSTA METODOLÓGICA
ULISSES CYRINO PENHA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 321,00



ASSISTENTES VIRTUAIS INTELIGENTES E CHATBOTS
LEÔNCIO TEIXEIRA CRUZ, ANTONIO JUAREZ ALENCAR, EBER ASSIS SCHMITZ
BRASPORT
R$ 80,00



O EVANGELHO SEGUNDO O FILHO
NORMAN MAILER
RECORD
(1998)
R$ 13,39



ATUALIDADES VESTIBULAR GUIA DO ESTUDANTE
GUIA DO ESTUDANTE - VÁRIOS AUTORES
ABRIL
(2009)
R$ 5,00



A QUESTÃO AMBIENTAL E AS CIÊNCIAS SOCIAIS
IDÉIAS ANO 8 (2) DE 2001
UNICAMP (CAMPINAS SP)
(2001)
R$ 26,82



MÁRIO DE ANDRADE - LITERATURA COMENTADA
JOÃO LUIZ LAFETA
NOVA CULTURAL
(1990)
R$ 5,00



CADERNO DE APOIO ESTATÍSTICA APLICADA À GESTÃO
CRISTINA VILHENA DE MENDONÇA J. CALDEIRA
UNIVERSIDADE ABERTA
(1997)
R$ 73,64



GUIA COMPLETO DO FUNCION DE UMA EMPRESA : MICRO MÉDIA E GRANDE 7239
ROGR BARKI JOSY ALZOGARAY
VOZES
(1985)
R$ 11,00



SEM TEMPO PARA CHORAR
MARILUSA MOREIRA VASCONCELLOS
RADHU
R$ 28,00



RAIO X DO LIVRO ESPIRITA
EURÍPEDES KUHL
ALIANÇA
(2003)
R$ 5,00





busca | avançada
29791 visitas/dia
1,1 milhão/mês