Quatro Mitos sobre Internet - parte 1 | Adrian Leverkuhn | Digestivo Cultural

busca | avançada
57697 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quarta-feira, 20/11/2002
Quatro Mitos sobre Internet - parte 1
Adrian Leverkuhn

+ de 2200 Acessos

A crise das empresas baseadas na internet (não tem nada mais vulgar que dizer "as pontocom", e "estouro da bolha", de tão repetido, já ficou irritante) já se afasta de nós, e o fim da era eufórica da "revolução digital" já foi decretado há tanto tempo que comentá-la, hoje, é mais um exercício de História que qualquer outra coisa. Internet parece um tema cada vez mais passé, cada vez mais anos-noventa, cada vez mais irrelevante. Nos prometeram uma revolução, o fim da mídia impressa, nos botaram para ninar com histórias sobre a nova ecologia cognitiva e o grande renascimento da Voz (assim mesmo, em maiúscula, a grandiloqüente e quase metafísica Voz) que estavam por vir - e cá estamos nós, com nossos icqs e kazaas, cada vez mais desapontados. Depois daquela celeuma toda, uma calmaria desiludida, como se o assunto tivesse se esgotado. Mas ele não se esgotou - as perguntas, colocadas naquela época, ainda carecem de solução; a grande rede está ainda entre nós, sabendo muito mais de nós do que nós sabemos dela - apenas parece que as pessoas perderam o interesse em investigá-la. Quatro mitos datando daquela época (que nem é tão remota - muito disso era dito orgulhosamento uns dois anos atrás, e até hoje é possível achar gente descompassada com seu próprio tempo, falando isso aos quatro ventos em seus blogs e achando que estão sendo super-revolucionários), em nenhuma ordem em particular:

1. A Filtragem da Informação

Este é talvez o mais sensato dos quatro, então comecemos por ele. Consiste no seguinte: ao se conceder a chance de "se expressar" para todo e qualquer idiota, tal que todos plugados possam lê-lo, a internet acaba se atulhando de informação incorreta ou não-confirmada. Boatos e calúnias fluindo livremente graças ao anonimato de seus emissores; uma conversa de comadres interplanetária, a rede mundial da fofoca; um oceano de ruído onde com muito esforço se distingue um ou outro barco de texto relevante e responsável. Como resultado, as pessoas precisariam de grandes corporações de mídia para filtrar toda essa informação, para achar o que vale a pena nela e validá-la com a publicação. Esta colocação também podia ser lida da maneira inversa: o papel no futuro dos media conglomerates se reduziria à mera filtragem do que já está disponível na internet. Vista de hoje, qualquer profecia do fim da mídia impressa ou dos grandes jornais e redes de TV soa ridícula. Veja-se a cobertura do ataque terrorista em 2001: quando a coisa foi para valer, as pessoas desligaram seus computadores e sentaram em volta da televisão. Só depois, quando a poeira estava baixando, ou quando a televisão dava uma pequena pausa no assunto, é que os computadores voltavam a ser ligados e descobria-se todos aqueles blogs discursando longamente sobre o que estava acontecendo, os grandes portais com sua cobertura minuto-a-minuto a que ninguém deu muita bola. A grande mídia, inclusive a impressa, continuará cumprindo seu papel indispensável na sociedade, apesar da internet; ela terá, no máximo, que se acomodar como o rádio se acomodou à televisão, ou talvez algo ainda menos drástico.

Mas a grande falha no exposto acima é que se supõe uma capacidade fabulosa de se gerar informação na internet, mas se desconsidera o potencial da mesma de filtrar seu próprio conteúdo. O que se observa, pelo contrário, é a formação de redes de filtragem de informação, consumindo, como um todo, quase tanta energia e tráfego quanto a produção e publicação do conteúdo. Não é por acaso que a história da memética se entrelaça com a história das comunidades virtuais (aliás, eu li certa vez em um fórum que ser um trans-humanista é como ser um smurf, só que você fala 'meme' ao invés de 'smurf' o tempo todo. Além disso, você não é azul.). Pega-se os sites com objetivo exclusivo de divulgar links (fark.com, metafilter.com, memepool.com , para ficar entre os mais conhecidos); soma-se a eles os grandes fóruns, como a slashdot.org e a plastic.com, que dependem maciçamente dos links postados por seus usuários; muitos blogs, descobre-se em seguida, filtram links da mesma forma, só que em menor escala (os blogs, ao contrário do que muitos pensam, começaram no formato link + comentário, e só depois foram usados como diários virtuais) - para não falar nos newsgroups, nas listas de discussão e no bom e velho boca a boca via e-mail e instant messengers, que são, junto com os blogs, onde a maior parte da ação ocorre. Entre uma página ser descoberta por um visitante anônimo e se tornar, poucos dias ou até poucas horas depois, conhecida de milhões de pessoas em diferentes partes do globo, ela tem que passar por uma teia de filtragem em que, a cada nó, um usuário recebe a informação, verifica se vale a pena passá-la adiante, e a envia (ou não) para os receptores seguintes, que fazem o mesmo. É óbvio que um processo semelhante sempre ocorreu fora da internet, mas ele nunca foi tão evidente, tão rápido, em uma escala tão larga, e tão relevante. O curioso nestas redes é que seu fim é filtrar a informação para ela mesma, ou seja, os usuários que fazem o trabalho de depuração são os que vão se beneficiar dessa informação, ao contrário do que ocorre no modelo mencionado lá em cima, em que uma "caixa-preta" de profissionais faz todo o processo de seleção da informação para então entregá-la, pronta e cheia de segundas intenções, para um público-alvo. Um efeito desse modelo é a maior sinceridade na transmissão de informação, o que não implica, é importante ressaltar, em sinceridade e transparência daquilo que é comunicado: da mesma forma que algumas dessas redes se formam pelo interesse comum em se obter, por exemplo, informação confiável e novos pontos-de-vista sobre tecnologia, outras podem se formar em busca de "palavras de sabedoria", correntes de e-mail, e o mais novo boato sobre a procedência sobrenatural dos hambúrgueres do Mcdonalds.

A grande ironia é que muito da informação fluindo por essas redes tem origem na mídia profissional, o que nos dá uma inversão do mito acima: ao invés da informação sendo produzida pelos usuários, para depois ser filtrada por profissionais e então devolvida para os usuários, os usuários mesmos filtram a informação produzida pela grande mídia (e por eles mesmos), devolvendo essa informação filtrada e glosada para eles mesmos no processo. Enquanto isso, as corporações midiáticas tentam desajeitadamente interagir com a internet, copiando textos quase inalterados de blogs e divulgando, com estardalhaço, a última moda do ano passado.


[2,3 e 4 no próximo. São bem mais curtos.]


Adrian Leverkuhn
Brasília, 20/11/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Notas de leitura sobre Inácio, de Lúcio Cardoso de Cassionei Niches Petry
02. Metallica e nostalgia de Luís Fernando Amâncio
03. Poesia e Guerra: mundo sitiado (parte I) de Jardel Dias Cavalcanti
04. 80 anos de Alfredo Zitarrosa de Celso A. Uequed Pitol
05. O Novo Museu da Estação da Luz: uma Proposta de Heloisa Pait


Mais Adrian Leverkuhn
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




RESUMO DE DIREITO COMERCIAL COLEÇÃO 5 RESUMOS
MIXIMILIANUS CLÁUDIO AMÉRICO FÜHRER
MALHEIROS
(1995)
R$ 6,99



RAMSÉS - O FILHO DA LUZ - VOL. 1
CHRISTIAN JACQ
BERTRAND BRASIL
(1999)
R$ 7,90



NORDESTE 1817
CARLOS GUILHERME MOTA
PERSPECTIVA
(1972)
R$ 15,00



P503 O PLANETA DOS CAVADORES
PERRY RHODAN
OURO
(1988)
R$ 4,00



CANDIDE ET AUTRES CONTES
VOLTAIRE
POCKET
(1998)
R$ 12,00



TOULOUSE-LAUTREC & LAFFICHE
FOUNDATION DIAN VIERNY-MUSÉE MAIL
REUNION DES MUSÉES NATINAUX
(2002)
R$ 130,00



MANCHETE - JUNHO, 1970 - EDIÇÃO SONORA - A EPOPÉIA DO TRI
BLOCH EDITÔRES/ MANCHETE
BLOCH
(1970)
R$ 18,00



TRANSMISSÃO DE CALOR
DEMÉTRIO ELIE BARACAT
PAYM
R$ 30,00



HISTÓRIA DA TEORIA ANTROPOLÓGICA - 1ª EDIÇÃO
PAUL A. ERICKSON & LIM D. MURPHY
VOZES
(2015)
R$ 84,95



VIAGENS NA MINHA TERRA
ALMEIDA GARRETT
MARTIN CLARET
(2012)
R$ 7,90





busca | avançada
57697 visitas/dia
1,4 milhão/mês