Quatro Mitos sobre Internet - parte 1 | Adrian Leverkuhn | Digestivo Cultural

busca | avançada
29939 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Valhalla em São Paulo
>>> Por dentro do Joost: o suco da internet com a TV
>>> Em busca de cristãos e especiarias
>>> Fim dos jornais? Desconfie
>>> O gênesis na argila
>>> Desejo de Status
>>> Até você se recompor
>>> Lobão e Olavo de Carvalho
>>> Sabemos pensar o diferente?
>>> Crítica à arte contemporânea
Mais Recentes
>>> Fábulas de La Fontaine (02 Volumes/ Encaderndos) de Jean de La Fontaine (Ilustrações de): Gustave Doré/ Trad. M. Amado pela Itatiaia/Belo Horizonte (1989)
>>> Profiles Students Book (3) + Workbook de Nick Beare/ Jeanette Greenwell/ Terry Phillips pela Macmillan Education (2003)
>>> Profiles Students Book (3) + Workbook +... de Nick Beare/ Jeanette Greenwell/ Terry Phillips pela Macmillan Education (2003)
>>> Inteligência emocional de Sophie Martineaud e dominique Engelhart pela Ediouro (1997)
>>> O grande Gatsby - série grandes sucessos de F. Scott Fitzgerald pela Rio gráfica (1980)
>>> O dia do Chacal de Frederick Forsyth pela Rio gráfica (1980)
>>> O colecionador de John Fowles pela Rio gráfica (1980)
>>> Horizonte perdido de James Hilton pela Abril cultural (1980)
>>> A sangue frio de Truman Capote pela Nova Frnteira (1980)
>>> A mulher só de Harold Robbins pela Abril cultural (1985)
>>> Os insaciáveis de Harold Robbins pela Rio gráfica (1985)
>>> O Inconsciente, a Magia e o Diabo no Século Xx (Encadernado de Alberto Lyra pela Record/ RJ.
>>> A filha de mistral de Judith Krantz pela Rio gráfica (1985)
>>> A mulher do viajante do tempo de Audrey Niffenegger pela Objetiva (2009)
>>> Perdida de Carina Rissi pela Verus (2013)
>>> A farsa de Cristopher Reich pela Sextante (2008)
>>> O trono de diamante - Trilogia Elenium - Livro 1 de David Eddings pela Aleph (2015)
>>> Leave Your Language Alone! (encadernado) de Robert A. Hall- Jr. pela Ithaca/ N. Y. (1950)
>>> Água para elefantes de Sara Gruen pela Arqueiro (2007)
>>> Louco para Amar de Sam Shepard pela L&pm, Porto Alegre (1985)
>>> Gossip Girl - É você que eu quero- vol 6 de Cecily von Ziegesar pela Record (2007)
>>> Gossip Girl - Ninguém faz melhor - vol 7 de Cecily von Ziegesar pela Record (2007)
>>> Gossip Girl - do jeito que eu gosto - vol 5 de Cecily von Ziegesar pela Record (2007)
>>> Gossip Girl - Nunca mais - vol 8 de Cecily von Ziegesar pela Record (2007)
>>> Épico de conor Kostick pela Galera (2007)
>>> Na décima nuvem de Hugo rodrigues pela Record (2019)
>>> Vida! Reflexões sobre sua jornada de Louise \L. Hay pela Madras2012 (2019)
>>> Adobe Photoshop de MarceloGino Pereira pela Viena (2005)
>>> Preparações Ocultas para uma Nova Era de Dane Rudhyar pela Pensamento (1995)
>>> Memórias dos Profetas (Incritos no Lixo) de Pedro Figueiredo pela Univ. Federal Rgs. (2015)
>>> Poços de Caldas Preparada para o Futuro - Dicas -nº 7 de Victor de Carvalho pela Sulminas (1996)
>>> Memorial da Companhia Geral de Minas - Subsid. da Alcoa Alumínio S/a de Alex Prado - Texto Central pela Alcoa (2001)
>>> Um É o Outro: Relações Entre Homens e Mulheres de Elizabeth Badinter pela Nova Fronteira/ Rj. (2019)
>>> Explorador - insetos de Jonh Woodward pela Ciranda cultural (2012)
>>> História Meio Ao Contrário de Ana Maria Machado pela Ática (1977)
>>> Le Grand Voyage - Roman de Jorge Semprun pela Éd. Gallimard/ Paris: France (1963)
>>> Physiological Psichology de Morgan (clifford T) pela McGraw- hill: Usa/ Kógakusha Co./ Tokio (1965)
>>> Quadribol através dos séculos de Kennilworthy Whisp pela Rocco (2001)
>>> Amor além da vida de Richard Matheson pela Buttefly (2016)
>>> O Congado Em Oliveira - Tributo a Leonídio João dos Santos de Hugo Pontes Autografado pela Sulminas (2003)
>>> Tudo que eu queria te dizer de Martha Medeiros pela Objetiva (2007)
>>> Invocações da Virgem Maria no Brasil de Nilza Botelho Megale Autografado pela Vozes (1998)
>>> Depois daquela viagem de Valéria Piassa Polizzi pela Ática (2015)
>>> Querido John de Nicholas Sparks pela Novo Conceito (2012)
>>> Ramsés Sob a Acácia do Ocidente de Christian Jacq pela Berttrand Brasil (1999)
>>> O Ventre da Baleia de Esdras do Nascimento pela Nórdica (1980)
>>> A Turma da Rua Quinze de Marçal Aquino pela Ática (2015)
>>> Aí vem o sonhador de Ronald S. Wallace pela Vida (2014)
>>> Cantando ao Senhor de D. Martyn lloyd- Jones pela Pes (2013)
>>> A vida crucificada de A.w. tozer pela Vida (2013)
COLUNAS

Quarta-feira, 20/11/2002
Quatro Mitos sobre Internet - parte 1
Adrian Leverkuhn

+ de 2100 Acessos

A crise das empresas baseadas na internet (não tem nada mais vulgar que dizer "as pontocom", e "estouro da bolha", de tão repetido, já ficou irritante) já se afasta de nós, e o fim da era eufórica da "revolução digital" já foi decretado há tanto tempo que comentá-la, hoje, é mais um exercício de História que qualquer outra coisa. Internet parece um tema cada vez mais passé, cada vez mais anos-noventa, cada vez mais irrelevante. Nos prometeram uma revolução, o fim da mídia impressa, nos botaram para ninar com histórias sobre a nova ecologia cognitiva e o grande renascimento da Voz (assim mesmo, em maiúscula, a grandiloqüente e quase metafísica Voz) que estavam por vir - e cá estamos nós, com nossos icqs e kazaas, cada vez mais desapontados. Depois daquela celeuma toda, uma calmaria desiludida, como se o assunto tivesse se esgotado. Mas ele não se esgotou - as perguntas, colocadas naquela época, ainda carecem de solução; a grande rede está ainda entre nós, sabendo muito mais de nós do que nós sabemos dela - apenas parece que as pessoas perderam o interesse em investigá-la. Quatro mitos datando daquela época (que nem é tão remota - muito disso era dito orgulhosamento uns dois anos atrás, e até hoje é possível achar gente descompassada com seu próprio tempo, falando isso aos quatro ventos em seus blogs e achando que estão sendo super-revolucionários), em nenhuma ordem em particular:

1. A Filtragem da Informação

Este é talvez o mais sensato dos quatro, então comecemos por ele. Consiste no seguinte: ao se conceder a chance de "se expressar" para todo e qualquer idiota, tal que todos plugados possam lê-lo, a internet acaba se atulhando de informação incorreta ou não-confirmada. Boatos e calúnias fluindo livremente graças ao anonimato de seus emissores; uma conversa de comadres interplanetária, a rede mundial da fofoca; um oceano de ruído onde com muito esforço se distingue um ou outro barco de texto relevante e responsável. Como resultado, as pessoas precisariam de grandes corporações de mídia para filtrar toda essa informação, para achar o que vale a pena nela e validá-la com a publicação. Esta colocação também podia ser lida da maneira inversa: o papel no futuro dos media conglomerates se reduziria à mera filtragem do que já está disponível na internet. Vista de hoje, qualquer profecia do fim da mídia impressa ou dos grandes jornais e redes de TV soa ridícula. Veja-se a cobertura do ataque terrorista em 2001: quando a coisa foi para valer, as pessoas desligaram seus computadores e sentaram em volta da televisão. Só depois, quando a poeira estava baixando, ou quando a televisão dava uma pequena pausa no assunto, é que os computadores voltavam a ser ligados e descobria-se todos aqueles blogs discursando longamente sobre o que estava acontecendo, os grandes portais com sua cobertura minuto-a-minuto a que ninguém deu muita bola. A grande mídia, inclusive a impressa, continuará cumprindo seu papel indispensável na sociedade, apesar da internet; ela terá, no máximo, que se acomodar como o rádio se acomodou à televisão, ou talvez algo ainda menos drástico.

Mas a grande falha no exposto acima é que se supõe uma capacidade fabulosa de se gerar informação na internet, mas se desconsidera o potencial da mesma de filtrar seu próprio conteúdo. O que se observa, pelo contrário, é a formação de redes de filtragem de informação, consumindo, como um todo, quase tanta energia e tráfego quanto a produção e publicação do conteúdo. Não é por acaso que a história da memética se entrelaça com a história das comunidades virtuais (aliás, eu li certa vez em um fórum que ser um trans-humanista é como ser um smurf, só que você fala 'meme' ao invés de 'smurf' o tempo todo. Além disso, você não é azul.). Pega-se os sites com objetivo exclusivo de divulgar links (fark.com, metafilter.com, memepool.com , para ficar entre os mais conhecidos); soma-se a eles os grandes fóruns, como a slashdot.org e a plastic.com, que dependem maciçamente dos links postados por seus usuários; muitos blogs, descobre-se em seguida, filtram links da mesma forma, só que em menor escala (os blogs, ao contrário do que muitos pensam, começaram no formato link + comentário, e só depois foram usados como diários virtuais) - para não falar nos newsgroups, nas listas de discussão e no bom e velho boca a boca via e-mail e instant messengers, que são, junto com os blogs, onde a maior parte da ação ocorre. Entre uma página ser descoberta por um visitante anônimo e se tornar, poucos dias ou até poucas horas depois, conhecida de milhões de pessoas em diferentes partes do globo, ela tem que passar por uma teia de filtragem em que, a cada nó, um usuário recebe a informação, verifica se vale a pena passá-la adiante, e a envia (ou não) para os receptores seguintes, que fazem o mesmo. É óbvio que um processo semelhante sempre ocorreu fora da internet, mas ele nunca foi tão evidente, tão rápido, em uma escala tão larga, e tão relevante. O curioso nestas redes é que seu fim é filtrar a informação para ela mesma, ou seja, os usuários que fazem o trabalho de depuração são os que vão se beneficiar dessa informação, ao contrário do que ocorre no modelo mencionado lá em cima, em que uma "caixa-preta" de profissionais faz todo o processo de seleção da informação para então entregá-la, pronta e cheia de segundas intenções, para um público-alvo. Um efeito desse modelo é a maior sinceridade na transmissão de informação, o que não implica, é importante ressaltar, em sinceridade e transparência daquilo que é comunicado: da mesma forma que algumas dessas redes se formam pelo interesse comum em se obter, por exemplo, informação confiável e novos pontos-de-vista sobre tecnologia, outras podem se formar em busca de "palavras de sabedoria", correntes de e-mail, e o mais novo boato sobre a procedência sobrenatural dos hambúrgueres do Mcdonalds.

A grande ironia é que muito da informação fluindo por essas redes tem origem na mídia profissional, o que nos dá uma inversão do mito acima: ao invés da informação sendo produzida pelos usuários, para depois ser filtrada por profissionais e então devolvida para os usuários, os usuários mesmos filtram a informação produzida pela grande mídia (e por eles mesmos), devolvendo essa informação filtrada e glosada para eles mesmos no processo. Enquanto isso, as corporações midiáticas tentam desajeitadamente interagir com a internet, copiando textos quase inalterados de blogs e divulgando, com estardalhaço, a última moda do ano passado.


[2,3 e 4 no próximo. São bem mais curtos.]


Adrian Leverkuhn
Brasília, 20/11/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Um parque de diversões na cabeça de Renato Alessandro dos Santos
02. Eleições nos Estados Unidos de Marilia Mota Silva
03. A que ponto chegamos, EUA! de Celso A. Uequed Pitol
04. Brasil em Cannes de Guilherme Carvalhal
05. Nunca fomos tão vulgares de Julio Daio Borges


Mais Adrian Leverkuhn
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




SUPERINTERESSANTE EDIÇÃO 236 LOST E O FIM DA TV
VÁRIOS AUTORES
ABRIL
(2007)
R$ 4,90



LER DEPRESSA COL. LIVROS DE GESTÃO PARA EXECUTIVOS
TINA KONSTANT
ACTUAL - ALMEDINA
(2010)
R$ 39,97



O RISCO DO BORDADO
AUTRAN DOURADO
DIFEL
(1976)
R$ 8,99



TRATADO GERAL SOBRE A FOFOCA - JOSÉ ÂNGELO GAIARSA
JOSÉ ÂNGELO GAIARSA
SUMMUS EDITORIAL
(1978)
R$ 10,00



ESTRADA PARA A PAIXÃO
ROBYN CARR
HARPER COLLINS
(2016)
R$ 30,00



AMOR SEM LIMITES
NICK VUJICIC
NOVAS IDEIAS
(2016)
R$ 12,90



CONFISSÕES DE UM TORCEDOR
NELSON MOTTA
OBJETIVA
(1998)
R$ 4,00



PSICOFÍSICA CLÁSSICA E MÉTODOS ESCALARES
SIDNEY A. MANNING E EDWARD H. ROSENSTOCK
EPU
(1974)
R$ 12,00



O VISCONDE DO URUGUAI E SUA ATUAÇÃO DIPLOMÁTICA PARA A
MIGUEL GUSTAVO DE PAIVA TORRES
FUNDAÇÃO ALEXANDRE DE GUSMÃO
(2011)
R$ 10,82



COMO SER FELIZ
LIGGY WEBB
DVS
(2014)
R$ 19,90





busca | avançada
29939 visitas/dia
1,1 milhão/mês